ISSN 1413-294X versão impressa
ISSN 1678-4669 versão online

INSTRUÇÕES AOS AUTORES

 

Objetivos e política editorial

O escopo generalista em Psicologia exclui do trâmite editorial artigos de áreas afins como, por exemplo, a publicação de artigos em Educação Física, Odontologia e Nutrição, entre outros, bem como artigos de Psicanálise. As categorias contempladas para publicação são: (1) ARTIGOS e (2) RELATOS DE EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL.

Na categoria ARTIGOS enquadram-se:
a) Estudos empíricos: relatos de pesquisa originais. Deve incluir análises secundárias para testar hipóteses apresentando novas análises de dados não consideradas ou apresentadas em trabalhos anteriores. Estão tipicamente organizados para refletir os estágios do processo de pesquisa na seguinte sequência: introdução, método, resultados, discussão, conclusões.
b) Estudos teóricos: proposição de avanços teóricos baseados na literatura empírica vigente. Os autores devem apresentar o desenvolvimento de uma teoria para expandir ou refinar construtos teóricos, apresentar uma nova teoria ou analisar uma teoria existente, apresentando suas fraquezas ou demonstrando a vantagem de uma teoria sobre outra. As contribuições desta natureza analisam a consistência interna de uma teoria, bem como sua validade externa. A apresentação das seções pode variar de acordo com seu conteúdo (diferente do observado para estudos empíricos).
c) Revisões críticas da literatura: consistem de uma avaliação crítica de material já publicado, podendo incluir sínteses de pesquisa ou meta-análises. Para meta-análises, os autores devem utilizar procedimentos quantitativos para ajustar estatisticamente os resultados de outros estudos. Os autores devem integrar e avaliar material previamente publicado, considerando o progresso da pesquisa e buscando clarificar um problema específico. Para tanto, o problema deve ser claramente definido, informações prévias devem ser sumarizadas para informar o leitor sobre o estado da pesquisa, sejam identificadas relações, contradições, lacunas e/ou inconsistências na literatura, e devem ser sugeridos novos rumos de investigação para a resolução dos problemas identificados. Os componentes do texto podem ser organizados de diversas maneiras, sendo valorizada a coerência do mesmo.

Na categoria RELATOS DE EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL enquadra-se a descrição de procedimentos e estratégias obtidos durante o trabalho com um indivíduo (estudo de caso), um grupo, uma comunidade ou uma organização. Deve incluir a ilustração do problema, indicar formas para resolvê-lo, ou lançar luz quanto à necessidade de pesquisas, aplicações clínicas ou assuntos teóricos. Na construção do manuscrito, os autores devem considerar atentamente o equilíbrio entre oferecer um material ilustrativo e respeitar o uso de material confidencial.

Os manuscritos devem ser submetidos via internet, exclusivamente no website da Revista (http://submission.scielo.br/index.php/epsic). Toda e qualquer submissão será recebida sob a condição de
que o material nunca foi publicado, nem está em avaliação por outro periódico. As submissões serão inicialmente apreciadas pela editoria associada. Se estiverem de acordo com as normas para publicação e forem consideradas como potencialmente publicáveis por Estudos de Psicologia (Natal) serão encaminhadas para avaliação pelos pares. O processo de avaliação do manuscrito é double blind review, cega por pares, que preserva a identidade dos autores e consultores.

O acervo de artigos já publicados em Estudos de Psicologia (Natal) está disponível, em texto integral, na biblioteca eletrônica SciELO (http://www.scielo.br/epsic) e deve ser consultado por autores que planejam submeter sua produção pela primeira vez.

Documentos necessários no momento da submissão

  • Manuscrito;
  • Documento de responsabilidade ética que consta de uma Declaração de responsabilidade ética sobre o trabalho (devidamente assinada por todos os autores) e Declaração de responsabilidade aos princípios éticos (devidamente assinada por todos os autores), contida no passo a passo da submissão.

 

Ressalva importante: o número máximo de autores aceitos para um manuscrito é de 10 (dez) pessoas.

 

Apresentação dos manuscritos

1. Os manuscritos deverão ser escritos em português inglês ou espanhol, conforme os padrões editoriais estabelecidos nestas "Normas", que são adaptadas da 6ª edição do Publication Manual da
American Psychological Association
(APA), de 2010. Como alternativa à consulta ao original desse manual, sugerimos os Manuais de Normalização de Trabalhos Científicos disponibilizados no site da Biblioteca Virtual em Saúde (BVS-Psi ULAPSI Brasil) <http://www.bvs-psi.org.br/>.

O arquivo do manuscrito deve incluir: título em português, título abreviado, resumo e palavras-chave, título em inglês, abstract e keywords, título em espanhol, resumem e palabras clave, texto do trabalho organizado em seções (com respectivos subtítulos), seguido da lista de referências bibliográficas. Se houver tabelas, figuras, notas e apêndices, estas deverão ser incluídas no corpo do manuscrito, após a lista de referências, uma em cada página.

O arquivo do manuscrito deve ser depositado no website da Revista, depois de atendidas as exigências de cadastramento da submissão que ali são indicadas. Esse arquivo deve estar em formato de qualquer processador de texto conversível ao padrão Word for Windows. Não serão aceitos arquivos que contenham recursos especiais de edição, como marcas de controle de revisão, hifenização, ou macros.

Segue abaixo os itens para apresentação do manuscrito:

  • Formatação:

    Folha A4;
    Margens: esquerda 3,0 cm; demais lados 2,0cm, com alinhamento à esquerda;
    Nº de páginas no canto superior direito em algarismos arábicos;
    Fonte: Times New Roman, corpo 12;
    Entrelinhamento duplo em toda a sua extensão, incluindo o resumo, abstract, resumen, lista de referências, notas e apêndices. Para os padrões de tabelas e quadros figuras, ver abaixo.

É fundamental que o material não contenha qualquer forma de identificação da autoria, o que inclui referência a trabalhos anteriores do(s) autor(es), detalhes de método que possibilitem a identificação/localização da origem, bem como informações contidas nos campos das propriedades do documento para não inviabilizar o processo de avaliação cega por pares (para retirar informações do autor nas propriedades do documento, vá em "Arquivo" -> "Propriedades" para versões anteriores ao Microsoft Office Word 2007, e "Arquivo" -> "Preparar" -> "Propriedades" para Microsoft Office Word 2007).

2. As páginas iniciais deverão conter:

    1. título do manuscrito– precisa ser conciso e informativo (máximo de 20 palavras) – deve refletir o conteúdo do manuscrito;
    2. sugestão obrigatória de título abreviado;
    3. resumo em português, com mínimo de 100 e máximo de 150 palavras no caso de artigos (estudos empíricos, estudos teóricos e revisões críticas);
    4. resumo em português, com mínimo de 50 a 100 palavras, no caso de relatos de experiência profissional ;
    5. indicação de três a cinco palavras-chave em português, em minúsculas, separadas por ponto-e-vírgula, de acordo com os descritores de assunto disponíveis na Biblioteca Virtual em Saúde (BVS-Psi ULAPSI Brasil) http://www.bvs-psi.org.br/;
    6. título do manuscrito em inglês (tradução do título em português);
    7. abstract (tradução do resumo para o inglês);
    8. indicação de três a cinco keywords (tradução das palavras-chave para o inglês), em minúsculas, separadas por ponto-e-vírgula, obedecendo aos mesmos descritores para o resumo em português.
    9. título do manuscrito em espanhol (tradução do título em português);
    10. resumen (tradução do resumo para o espanhol);
    11. indicação de três a cinco palabras clave (tradução das palavras-chave para o espanhol), em minúsculas, separadas por ponto-e-vírgula, obedecendo aos mesmos descritores para o resumo em português.

    Obs: as páginas iniciais fazem parte do contínuo do texto, não havendo necessidade de serem apresentadas em folhas separadas (por exemplo, o título em inglês, abstract e keywords deverão ser acrescentados logo abaixo das palavras-chave do resumo em português e assim sucessivamente).

3. Os limites de páginas abaixo discriminados incluem todos os elementos do manuscrito (títulos, resumo, abstract, resumen, texto, tabelas, quadros, figuras, referências bibliográficas, notas e apêndices):

26 páginas para artigos (estudos empíricos, estudos teóricos e revisões críticas da literatura);
16 páginas para relatos de experiência profissional.

4. Como indicado anteriormente, as tabelas, quadros e figuras deverão ser incluídas no próprio corpo do manuscrito, após as referências bibliográficas, uma em cada página (atentar para o número máximo de páginas permitido para a categoria do seu manuscrito). A elaboração das mesmas deve respeitar os seguintes padrões: em preto e branco, fonte 10, entrelinhamento simples e não poderão exceder o tamanho de 17,5 x 23,5 cm. Como serão apresentadas no final do documento submetido, é necessário indicar no corpo do texto o local aproximado onde cada uma delas deve ser incluída. É de extrema importância que, no caso das tabelas e quadros, sua construção seja feita no próprio Word (ou similares) e que os mesmos não sejam transformados em figuras, para o caso de necessidade de edição. No caso das figuras, as mesmas devem ser inseridas no arquivo a partir do comando copiar (a partir do excel, por exemplo) e colar (não deve ser utilizado o comando “inserir”).

Exemplos de tabelas, quadros e figuras:

Tabela 3
Correlações entre Variáveis Sociodemográficas e Medidas de Saúde Mental e Apego Materno-fetal (n = 261)

 

Escore total no SRQ

Escore na Escala de apego materno-fetal

Idade

0,10

-0,07

Escolaridade materna

-0,27**

0,12*

Número de filhos

0,17**

-0,20**

Escolaridade do pai da criança

-0,11

0,14*

Tempo da união conjugal

0,09

-0,08

Número de moradores

0,05

-0,09

Renda familiar

-0,21**

-0,02

*p = 0,05; **p = 0,01

 

 

Method

Approach

Data analysis technique

Nature of the phenomenon

Rationale

Laboratory experiments

nomothetic

Quantitative

produced

empirical

 

Field experiments

nomothetic

Quantitative

produced

empirical

 

Computer simulations

nomothetic

Quantitative

produced

empirical

 

Correlational studies

nomothetic

Quantitative

expostfacto

empirical

 

Observational studies

nomothetic/idiographic

Quantitative/Qualitative

expostfacto

empirical

 

In-depth interviews

idiographic

Qualitative

expostfacto

empirical

 

Discussion groups

idiographic

Qualitative

produced

empirical

 

Participative research

idiographic

Qualitative

produced

emancipatory

 

Action research

idiographic

Qualitative

produced

emancipatory

 

Life history

idiographic

Qualitative

expostfacto

empirical

 

Discourse analysis

idiographic

Qualitative

expostfacto

emancipatory

 

Figure 1
Chart of research methods adopted in Social Psychology.

 

5. As referências bibliográficas deverão ser relacionadas alfabeticamente, no final do texto, pelos nomes dos autores e cronologicamente por autor, conforme normas da 6ª edição do Publication Manual da American Psychological Association (APA), de 2010. Apresentamos exemplos de casos mais comuns, para orientação, incluindo caracteres em itálico e recuo de aproximadamente 5 espaços a partir da segunda linha, em formatação que deve ser empregada nos manuscritos submetidos à Revista:

5.1. Livros e obras tomados na íntegra:

Chauí, M. (1984). Repressão sexual: essa nossa (des)conhecida. São Paulo: Brasiliense.

Moura, M. L. S., & Correa, J. (1997). Estudo psicológico do pensamento: de W. Wundt a uma Ciência da Cognição. Rio de Janeiro: EDERJ.

Conselho Federal de Psicologia. (Org.). (1988). Quem é o psicólogo brasileiro? São Paulo: Edicon.

Sabadini, A. A. Z. P., Sampaio, M. I., & Koller, S. H. (2009). (Orgs.). Publicar em Psicologia: um enfoque para a revista científica [versão em PDF]. Recuperado de http://publicarempsicologia.blogspot.com/

5.2. Capítulos de coletâneas:

Frigotto, G. (1998). A educação e a formação técnico-profissional frente à globalização excludente e o desemprego estrutural. In L. H. Silva (Org.), A escola cidadã no contexto da globalização (pp. 218-238). Petrópolis: Vozes.

Grimm, L. G., & Yarnold, P. R. (1995). Introduction to multivariate statistics. In L. G. Grimm & P. R. Yarnold (Orgs.), Reading and understanding multivariate statistics (pp. 1-18).Washington: American Psychological Association.

Rocha, N. M. S., & Alencar, M. A. (2009). Pioneiros da Psicologia brasileira: diversidade e ética. In M. A. T. Ribeiro, J. S. Bernardes, & C. E. Lang (Orgs.), A produção na diversidade: compromissos éticos e políticos em Psicologia (pp. 207-230). São Paulo: Casa do Psicólogo.

5.3. Artigos em periódicos científicos:

Sawaia, B. B. (2009). Psicologia e desigualdade social: uma reflexão sobre liberdade e transformação social. Psicologia & Sociedade, 21(3), 364-372. doi: 10.1590/S0102-71822009000300010

Mello, S. L. (1992). Classes populares, família e preconceito. Psicologia USP, 3, 123-130.

Torres, C. V., & Neves,  L. M. S. Research topics in Social Psychology in Brazil. Estudos de Psicologia (Natal), 18(1), 05-12.

Nicolaci-da-Costa, A. M., Romão-Dias, D., & Di Luccio, F. (2009). Uso de entrevistas on-line no método de explicitação do discurso subjacente (MEDS). Psicologia Reflexão e Crítica, 22(1), 36-43.

Yamamoto, O. H., Koller, S. H., Guedes, M. C., LoBianco, A. C., Sá, C. P., Hutz, C. S., ... Menandro, P. R. M. (1999). Periódicos científicos em Psicologia: uma proposta de avaliação. Infocapes, 7(3), 5-11.

Obs: quando disponível, inserir o DOI dos artigos

5.4. Dissertações e teses:

Ferreira, J. H. B. P. (2009). Sócio-sexualidade e Desconto do Futuro: mecanismo de alocação de investimento e tomada de decisão (Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo).

http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47132/tde-08122009-111532/pt-br.php

Paiva, I. L. (2008). Os novos quixotes da Psicologia e a prática social no âmbito do "terceiro setor" (Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal). Recuperado de http://bdtd.bczm.ufrn.br/tedesimplificado//tde_busca/arquivo.php?codArquivo=1982

Observação: informar sítio da internet, no caso de dissertações e teses acessadas em banco de dados digitais.

5.5. Trabalhos não-publicados ou no prelo:

Ting, J. Y., Florsheim, P., & Huang, W. (2008). Mental health help-seeking in ethnic minority populations: a theoretical perspective. Manuscrito submetido para publicação.

Goulart, P. M. (no prelo). Adaptação do Questionário sobre Significados do trabalho - QST à cultura brasileira. Estudos de Psicologia (Natal).

5.6. Trabalhos apresentados em eventos científicos e publicados em anais:

Meneghini, R., & Campos-de-Carvalho, M. I. (1995). Áreas circunscritas e agrupamentos sequenciais entre crianças em creches. In Sociedade Brasileira de Psicologia (Org.), XXV Reunião Anual de Psicologia. Resumos (p. 385). Ribeirão Preto: Autor.

Trzesniak, P. (2009, maio). 23 anos de Psicologia: o acervo digital científico e administrativo da Anpepp. Comunicação apresentada no 6º Congresso Norte Nordeste de Psicologia, Belém. Resumo recuperado de http://www.conpsi6.ufba.br/

5.7. Trabalhos apresentados em eventos científicos e não-publicados:

Haidt, J., Dias, M. G., & Koller, S. (1991, fevereiro). Disgust, disrespect and culture: moral judgment of victimless violation in the USA and Brazil. Comunicação apresentada em Annual Meeting of the Society for Cross-Cultural Research, Isla Verde, Puerto Rico.

5.8. Obra antiga e re-editada em data muito posterior e traduções:

Piaget, J. (1973). A linguagem e o pensamento da criança (3ª ed., M. Campos, Trad.). Rio de Janeiro: Fundo de Cultura. (Texto original publicado em 1956) Observação: no corpo do texto, a notação deve ser a seguinte: Piaget (1956/1973).

5.9. Autoria institucional:

American Psychological Association. (2010). Publication manual (6ª ed.). Washington: Autor.

5.10. Documentos legislativos:

Decreto n. 3.298. (1999, 20 de dezembro). Regulamenta a política nacional para a integração da pessoa portadora de deficiência, consolida as normas de proteção e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República.

Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. (1996, 23 de dezembro). Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, seção 1.

Constituição da República Federativa do Brasil. (1988, 5 de outubro). Recuperado de http://www.senado.gov.br/sf/legislacao/const/

5.11. Comunicações pessoais:

Cartas, conversas (telefônicas ou pessoais) e mensagens de correio eletrônico não devem ser incluídas na seção de Referências, mas apenas no texto, na forma iniciais e sobrenome do emissor e data (S. L. Mello, comunicação pessoal, 15 de setembro de 1995).

5.12. Citações secundárias:

Quando for absolutamente inevitável, pode-se citar um texto contido em outra publicação consultada, sem que o original tenha sido consultado. Neste caso, deve-se citar na seção de Referências apenas a obra consultada e no corpo do texto, indicar autores dos dois textos, conforme o exemplo: "Piaget (citado por Flavell, 1996)".

5.13. Material obtido da internet:

Os exemplos apresentados a seguir ilustram os casos mais comuns. Para um tratamento mais completo, recorrer ao Manual da APA, e/ou às informações disponíveis no website da APA: http://www.apastyle.org/elecref.html.

Associação de Moradores de Vila Real. (2002). Carta aberta à Prefeitura Municipal. Recuperado de http://www.amvr.atas/cartaaberta.html

Precisamos vencer a dengue agora (s/d). Recuperado de http://www.ansp.campanhas/saude/docs/

6. As remissões bibliográficas sem a citação literal devem ser incorporadas ao texto, entre parênteses e em ordem alfabética, seguindo o padrão:

    1. até dois autores, sobrenome(s) e ano de publicação em todas as citações;
    2. de três a cinco autores, o sobrenome dos autores é citado na primeira inserção e, da segunda vez em diante, somente o do primeiro autor seguido de "et al." e ano de publicação;
    3. com seis autores ou mais, o sobrenome do primeiro autor seguido de "et al." e ano em todas as citações.

7. No caso de citação literal assim como em trecho de entrevista, o excerto deve aparecer entre aspas, com indicação - logo após a citação - da(s) página(s) de onde foi retirado. Trechos com mais de 40 palavras devem ser colocados em bloco separado, sem aspas, sem alteração do tamanho ou estilo da fonte, com recuo de 5 espaços com relação à margem esquerda do parágrafo (equivalente a 0,5cm do parágrafo). Observar as notações para apresentação de citações no Publication Manual da APA. Vide exemplo:

Keller (2002) afirma que a primeira tarefa do desenvolvimento da criança consiste em desenvolver relações de aprendizagem com os cuidadores primários, e conceitua a aprendizagem como:

um processo de desenvolvimento, guiado por regras epigenéticas que direcionam a atenção dos bebês para seus parceiros sociais e permitem uma aprendizagem facilitada dos parâmetros que definem as relações dentro de um contexto específico e, consequentemente, o desenvolvimento de um self contextual (p. 217).

Segundo Souza e Paiva (2013), “a juventude não se trata de um conceito que está dado, mas sim de vários conceitos, que são fruto de uma histórica representação específica dessa” (p. 353).

8. As notas de rodapé devem restringir-se à complementação de informações que, julgadas relevantes, não caibam na sequência lógica do texto. Notas bibliográficas não são recomendadas.

9. Qualquer material adicional considerado indispensável para a compreensão do texto (questionários, protocolos de entrevista, testes, etc.) ou tabelas muito longas devem ser apresentados em Apêndice, em nova página, identificados por letras maiúsculas (Apêndice A, Apêndice B, etc.). A numeração de cada tabela apresentada no apêndice deve ser precedida pela letra identificadora do apêndice (Tabela A1, Tabela C4, etc.). Para detalhes, consultar o Manual de Publicações da APA.

10. Apresentação de resultados a partir de análises estatísticas: observar com atenção as normas da APA.

 

Procedimentos de submissão e avaliação dos manuscritos

Os manuscritos que se enquadrarem nas modalidades de trabalho especificadas acima e seguirem rigorosamente as normas de apresentação do manuscrito, passarão pelo seguinte procedimento:

1. Avaliação preliminar - serão avaliadas a qualidade e a pertinência do conteúdo do manuscrito aos eixos temáticos de interesse da Revista, considerando-se a originalidade e a coerência teórico-metodológica, em função da seção em que o manuscrito for submetido. Tal avaliação será realizada pela editoria da Estudos de Psicologia (Natal) e, eventualmente, por um membro da Comissão Editorial ou do Conselho Científico da Revista e poderá resultar na recusa do trâmite.

2. Verificação inicial - será checado se o manuscrito atende satisfatoriamente aos requisitos de:

  1. Não conter qualquer forma de identificação de autoria;
  2. Formatação (vide item -1 citado nestas normas);
  3. Requisitos para as páginas iniciais (vide item -2 citado nestas normas);
  4. Atender às normas da 6ª edição do Publication Manual da American Psychological Association (APA), de 2010, para todo o corpo do manuscrito, incluindo a lista de referências;
  5. Estar com o número de páginas dentro do limite estipulado para a seção em que foi submetido (incluindo resumo, abstract, lista de referências, tabelas e figuras).

O descumprimento de qualquer um desses cinco itens é suficiente para a RECUSA INICIAL do material, motivo pelo qual recomendamos aos autores que façam um minucioso check-list de seus manuscritos, antes da submissão. Enfatizamos que manuscritos RECUSADOS DUAS VEZES por inadequação a esses itens não serão novamente recebidos dentro de um período de 12 (doze) meses, a contar da data da recusa.

3. Avaliação por pares - após a avaliação dos itens supracitados, ocorrerá o encaminhamento para emissão de um mínimo de dois pareceres por membros do Conselho Científico da Revista e/ou consultores ad hoc, com as seguintes possibilidades:

  • Não recomendado para publicação (inapropriado para Estudos de Psicologia)
  • Não recomendado para publicação, mas encoraja-se reformulação para nova submissão.
  • Recomendado para publicação, mas precisa ser revisto.
  • Recomendado para publicação. Não é necessário rever.

4. Notificação aos autores: após a avaliação por pares, os autores receberão uma das seguintes decisões:

  1. Decisão editorial preliminar - notificação de recomendação para reformulação, com um prazo estipulado em 21 dias e disponibilização de cópias integrais dos pareceres, preservadas as identidades dos consultores. Os manuscritos reformulados serão examinados pela Comissão Editorial, que decidirá, com base nas recomendações dos consultores, pela aceitação para publicação, pela necessidade de reformulações adicionais ou, ainda, pela recusa. Em caso de aceitação para publicação, a Comissão Editorial reserva-se o direito de introduzir pequenas alterações para efeito de padronização conforme os parâmetros editoriais da Revista;
  2. Decisão editorial final - notificação da decisão final acerca da publicação ou não do manuscrito, sempre pela editoria.

Reiteramos que o processo de avaliação por parte de pares utiliza o sistema de double blind review, preservando a identidade dos autores e consultores. Por este motivo é que a não identificação de autoria do manuscrito é critério imprescindível para o início do trâmite de avaliação.

 

Direitos autorais

A aprovação dos textos implica a cessão imediata e sem ônus dos direitos de publicação na Revista Estudos de Psicologia (Natal), que terá a exclusividade de publicá-los em primeira mão. O autor continuará, não obstante, a deter os direitos autorais para publicações posteriores. No caso de republicação dos artigos em outros veículos, recomenda-se a menção à primeira publicação em Estudos de Psicologia (Natal).

 

Referenciais para encaminhamento

Revista Estudos de Psicologia (Natal)

Caixa Postal 1622, Natal/ RN; CEP: 59.078-970
Tel.: (84) 3215-3590, ramal 6
Fax: (84) 3215-3589
E-mail: revpsi@cchla.ufrn.br
Submissões e processo editorial: http://submission.scielo.br/index.php/epsic
Acervo de artigos em texto integral: http://www.scielo.br/epsic

 

[Home] [Sobre esta revista] [Corpo editorial] [Assinaturas]


Creative Commons License Todo o conteúdo do periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

Caixa Postal 1622
59078-970 Natal RN Brasil
Tel.: +55 84 3215-3590 Ramais 6/224
Fax: +55 84 3211-9211


revpsi@cchla.ufrn.br