ISSN 0101-3173 versão impressa
ISSN 1980-539X versão online

INSTRUÇÕES AOS AUTORES

 

Escopo e política

A Revista Trans/Form/Ação publica artigos da área de Filosofia. Propostas são submetidas ao exame cego de dois pareceristas. Todos os artigos publicados são julgados por pareceristas de titulação igual ou superior ao do autor, exceto quando o editor convida algum pensador de notório saber em Filosofia a contribuir com um ensaio.

A Revista se dirige prioritariamente à pesquisa universitária em Filosofia, mas visa também como público alvo o leitor leigo culto interessado, o que permite estabelecer um critério universal de clareza aos pesquisadores que propõem artigos.

Ademais, o escopo da revista é preservar a qualificação de alto nível para a revista, atestada pela nota Qualis emitida pela Capes (Classificação de Periódicos, Anais, Jornais e Revistas da Capes, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nivel Superior, vinculada ao Ministério da Educação), portanto suas exigências também serão seguidas. Isto obriga estabelecer proporcionalidade regional na publicação de artigos a partir de 2006, preservada a qualidade: desejável máximo de 10% artigos intra-Unesp, máximo de 60% de artigos oriundos de São Paulo, mínimo de 1 artigo oriundo do exterior. Exceções poderão ocorrer, a critério do editor.

A missão do Conselho Consultivo é de aconselhar a Comissão Editorial, isto é, opinar sobre os artigos, encaminhar artigos de terceiros, emitir pareceres e apresentar trabalhos para publicação (que poderão ser submetidos a pareceristas).

 

Normas para apresentações dos originais

1) Originalidade

TRANS/FORM/AÇÃO publica textos originais na forma de artigos, além de entrevistas, traduções de ensaios filosóficos de reconhecida relevância, e resenhas de obras filosóficas. O autor, ensaísta, resenhista ou tradutor que publicar na revista precisa aguardar dois anos, isto é, seis fascículos, para poder apresentar uma nova proposta.

2) Tema

Os temas tratados devem ser da área de Filosofia ou ter uma abordagem filosófica interdisciplinar, os quais podem ser resultados de pesquisa ou ter caráter meramente informativo. As traduções precisam ser de textos clássicos de Filosofia e as resenhas de livros publicados, há menos de dois anos.

3) Parecer

O manuscrito, seja no formato de artigo, seja tradução de algum texto filosófico ou ainda resenha de livros filosóficos, é submetido ao exame “cego” de dois pareceristas. Este procedimento apenas não é tomado para com os ensaios dos números temáticos, quando o(a) autor(a), de notório conhecimento e produção em relação ao tema, é convidado pelo(a) editor(a) da revista a escrever o texto. Os pareceristas são, preferencialmente, professores vinculados a Programas de Pós-graduação em Filosofia. As modificações e/ou correções sugeridas pelos pareceristas quanto à redação (clareza do texto, gramática ou novas normas ortográficas), ou em relação ao conteúdo das contribuições são repassadas aos respectivos autores, que terão um prazo delimitado para efetuarem as alterações requeridas.

4) Informações gerais

Os manuscritos submetidos para publicação devem ser encaminhados on-line pela plataforma do SEER, já no formato de “avaliação cega” (sem dados que identifiquem o autor), via homepage da revista, em versão do Word (.doc, docx) ou formato Rich Text Format (.rtf). São aceitos trabalhos redigidos em português, espanhol, italiano, francês e inglês. Os trabalhos já no formato de “avaliação cega” serão direcionados para um avaliador da área de Filosofia, que comumente será o editor ou eventualmente algum membro do Conselho Editorial, a fim de checar a pertinência de sua possível publicação na Trans/Form/Ação, bem como a adequação de seu formato, para posteriormente ser encaminhado aos pareceristas.

5) Preparação dos originais

Os originais devem estar em versão Word (doc, docx) ou Rich Text Format (rtf) e editados com fonte Time News Roman, tamanho 12, espaçamento 1,5 e extensão média de 18 páginas. O texto deve observar a seguinte sequência: título, resumo (mínimo de 100 e máximo de 200 palavras), palavras-chave (máximo de cinco itens), texto, agradecimentos (quando houver), abstract (versão para o inglês do resumo), keywords (tradução para o inglês das palavras-chave) e bibliografia (referências dos trabalhos citados no texto e das obras consultadas, arroladas em uma única ordem alfabética de sobrenome dos autores). O resumo e as palavras-chave que precedem o texto devem estar no idioma do texto. O abstract (resumo) e keywords (palavras-chave), após o texto, devem estar em inglês ou em português quando o texto for editado em inglês. As notas devem aparecer no rodapé da página e as referências bibliográficas no final do trabalho.

5.1) Bibliografia

As referências bibliográficas devem ser dispostas em ordem alfabética pelo sobrenome do primeiro autor e seguir a norma NBR 6023/2002 da ABNT, conforme especificações a seguir.

a) Livros e outras monografias
CHAUÍ, Marilena. A nervura do real. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

b) Capítulos de livros

– quando a autoria do capítulo for a mesma do livro no todo:
MOURA, Carlos A. R. de. Hobbes, Locke e a medida do direito. In: ______. Racionalidade e crise. São Paulo: Discurso Editorial, 2001.p. 43-61.

– quando a autoria do capítulo for diferente do livro no todo:
ARRUDA, Antonio T. M. Determinismo, responsabilidade e sentimentos morais. In: GONZALEZ, Maria E. Q.; BROENS, Mariana C.; MARTINS, Clélia A. (Orgs.). Informação, conhecimento e ação ética. Marília: Oficina Universitária; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2012. p. 21-36.

c) Dissertações e teses
FORTES, Luiz R. S. Rousseau da teoria à prática. 1973. 157 f. Tese (Doutorado em Filosofia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1973.

d) Artigos de periódicos (os títulos dos periódicos devem estar por extenso)
WERLE, Marco A. A angústia, o nada e a morte em Heidegger. Trans/Form/Ação, Marília, v.26, n.1, p. 97-113, 2003.

5.2. Citações

As citações no texto devem seguir a norma NBR 10520/2002 da ABNT. Elas pode ser:

a) Citação direta – transcrição textual de parte da obra do autor consultado, sendo reproduzida entre aspas duplas e exatamente como consta no original, acompanhada de informações sobre a fonte (autor, data e página). Exemplos:

É esse ponto fixo que confere unidade à operação de observação, ao qual Luhmann (2009, p.158) chama de “ponto cego da unidade de operação do observar”.

Ou

O ambiente funciona como “[...] o fundamento do sistema, e o fundamento é sempre sem forma” (LUHMANN, 1998, p.396).

b) Citação direta longa – citação com mais de três linhas deve constituir um parágrafo independente, obedecendo um recuo de 4cm da margem esquerda, com fonte 10 e espaçamento simples, sem aspas. Exemplo:

Sendo assim, definir interações, sociedades e organizações, em uma palavra, a saber, sistemas, é pensar suas diferenças operacionais em relação ao seu ambiente:

Como um sistema constrói a si mesmo como sistema? Efetuando operações próprias com operações próprias e diferenciando-se, assim, em relação a seu ambiente. A continuação das operações do sistema é a reprodução de si mesmo e, por sua vez, a reprodução da diferença entre sistema e ambiente. (LUHMANN, 1998, p.14).

c) Citação indireta – ocorre quando se reproduzem ideias e informações da obra citada, sem transcrever as próprias palavras do autor. Exemplo:

Desde Platão (1972, p.163), pensa-se a essência das coisas fora delas mesmas, habitando um mundo – o mundo das ideias – no qual o idêntico e o uno excluem qualquer sorte de contradição ou não-ser.

d) As citações de diversas obras do mesmo autor e com mesma data devem ser discriminadas após a data, sem espaçamento, por letras minúsculas, obedecendo a ordem alfabética (MÁRQUES, 2003a), (MÁRQUES, 2003b).

e) Quando a obra tiver dois autores, ambos são indicados, ligados por ‘;’(BROENS; GONZÁLES, 2005), e quando tiver três ou mais, indica-se o primeiro seguido de et al. (HASELAGER et al, 1999).

5.3. Notas

As notas devem ser reduzidas ao mínimo, indicadas por números consecutivos e colocadas no rodapé das páginas.

5.4. Anexos e/ou Apêndices

Devem ser incluídos apenas quando imprescindíveis à compreensão do texto.

5.5. Autoria

Os dados e conceitos emitidos nos trabalhos, bem como a exatidão das referências bibliográficas, são de inteira responsabilidade dos autores. Os trabalhos que não se enquadram nas normas acima serão devolvidos aos autores indicando as adaptações a serem realizadas. Os arquivos devem ser encaminhados necessariamente através da homepage da revista. Toda identificação e dados do autor serão obtidos via cadastro no sistema, e não pelo texto. O preenchimento incorreto de dados, assim como a ausência dos mesmos e eventuais problemas em seu cadastro, pode invalidar sua submissão. É importante frisar que a revista não tem a tradição de aceitar trabalhos de estudantes, geralmente negando textos enviados por não doutores, porém, reserva-se o direito de exceção se assim julgar razoável.

 

Envio de manuscritos

As propostas de artigos ou ensaios para publicação devem obedecer as Normas para Apresentação dos Originais e acompanhar ofício do autor, com os dados referentes a este (Instituição, endereço, telefone, e-mail), endereçado à Comissão Editorial, onde se solicita apreciação para publicação na Revista Trans/Form/Ação. Podem ser encaminhados por e-mail ou pelo Correio, desde que um pen driver com a versão eletrônica (formato Word ou RTF) esteja presente.

E-mail revista:transformacao@marilia.unesp.br
E-mail editor chefe:klebercecon@marilia.unesp.br
Comissão Editorial da Revista Trans/Form/Ação
Departamento de Filosofia
Faculdade de Filosofia e Ciências da Unesp, Campus de Marília
Av. Hygino Muzzi Filho, 737 - Cidade Universitária
17525-900 Marília/SP - Brasil

 

[Home] [Sobre a revista] [Corpo editorial] [Assinaturas]


Creative Commons License Todo o conteúdo do periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

Av.Hygino Muzzi Filho, 737
17525-900 Marília - São Paulo/Brasil
Tel.: 55 (14) 3402-1306
Fax.: 55 (14) 3402-1302


transformacao@marilia.unesp.br