Scielo RSS <![CDATA[Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=0004-273020010002&lang= vol. 45 num. 2 lang. <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[<B>Prêmio ABE&M</B>: <B>mais um estímulo ao jovem endocrinologista</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-27302001000200001&lng=&nrm=iso&tlng= <![CDATA[<b>A controvérsia dos agentes ergogênicos</b>: <b>estamos subestimando os efeitos naturais</b> <b>da atividade física?</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-27302001000200002&lng=&nrm=iso&tlng= <![CDATA[<b>Andropausa</b>: <b>insuficiência androgênica parcial do homem idoso. Uma revisão</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-27302001000200003&lng=&nrm=iso&tlng= Andropausa é uma designação inapropriada para o quadro clínico resultante do declínio progressivo da produção androgênica encontrado em pelo menos 20% dos homens com idade entre 60 e 70 anos, e que algumas vezes se inicia a partir dos 50 anos. Uma designação mais adequada é insuficiência androgênica parcial do homem idoso. Como a produção de testosterona diminui regularmente, em homens de 75 anos os níveis médios de testosterona são somente 65% daqueles dos adultos jovens, sendo que pelo menos 25% destes idosos apresentam níveis subnormais de testosterona biodisponível. A etiologia deste declínio da testosterona dependente da idade é multifatorial e envolve alterações testiculares primárias, disfunção da regulação neuroendócrina das gonadotropinas, elevação das concentrações séricas de globulina ligadora de hormônios sexuais e redução da sensibilidade dos receptores androgênicos. A senescência é acompanhada de uma série de sinais e sintomas, muitos deles bastante semelhantes aos observados em hipogonádicos jovens. Este quadro clínico complexo pode se dever aos efeitos conjuntos do próprio processo de senescência e de doenças intercorrentes. No entanto, existem evidências que o declínio dos níveis de testosterona próprio da idade é, pelo menos em parte, codeterminante deste quadro clínico, visto que a reposição androgênica tem mostrado efeitos favoráveis em mais de 30% destes idosos sintomáticos. No momento, esta reposição hormonal deveria somente ser considerada em presença de níveis séricos de testosterona abaixo dos limites normais mínimos para adultos jovens, acompanhada de sinais inequívocos de insuficiência androgênica, na ausência de outras causas reversíveis de hipoandrogenismo e após a exclusão de contra-indicações.<hr/>Andropause is a misnomer for the clinical picture resulting from the progressive decrease in androgen production observed in at least 20% of 60-70 year-old males, sometimes starting at the age of 50. A more appropriate designation is partial androgen deficiency of the aging male. As testosterone production declines steadily, at age 75y. plasma testosterone levels are only 65% of levels in young adults, whereas over 25% of these men have subnormal bioavailable testosterone levels. The ethiology of this age-related testosterone decline is multifactorial and involves primary testicular changes, disturbed neuroendocrine gonadotropin regulation, increased sex-hormone binding globulin serum concentrations and reduced androgen receptor sensitivity. Aging is accompanied by a series of signs and symptoms, many of which are rather similar to those observed in young hypogonadal males. This complex clinical picture may arise from the concurrent effects of the aging process per se and intercurrent diseases. Nevertheless, there is good evidence that the age associated decrease in testosterone levels is at least a co-determinant of this clinical picture, seen that testosterone supplementation has shown favorable effects in more than 30% of these symptomatic aging males. At the moment, androgen supplementation should only be considered in the presence of serum levels below the lower normal limit for younger men, together with unequivocal signs and symptoms of androgen deficiency, in the absence of other reversible causes of hypoandrogenism and after screening for contra-indications. <![CDATA[<B>Efeitos do treinamento físico contra resistência sobre a composição corporal e a potência muscular em adultos deficientes de hormônio do crescimento</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-27302001000200004&lng=&nrm=iso&tlng= A síndrome da deficiência do hormônio do crescimento (GH) no adulto está bem estabelecida, assim como os benefícios da terapia de reposição com o GH recombinante. Dentre as alterações observadas nesses pacientes, as da composição corporal estão entre as mais estudadas, sendo caracterizadas por um aumento da gordura corporal total com predomínio de gordura no tronco, diminuição da massa magra, da força muscular e da água corporal total. Todas são quase completamente revertidas após tratamento de reposição com GH. Estudamos a composição corporal e potência muscular de 11 pacientes com deficiência de GH, antes e após serem submetidos a um programa de treinamento com exercícios contra resistência por 12 semanas, sem reposição com o GH. Avaliamos a composição corporal através de medidas de circunferências, dobras cutâneas, peso, altura, cálculo do índice de massa corporal e relação cintura-quadril. A potência muscular localizada foi avaliada em vários grupos musculares através de cinco exercícios numa unidade de exercícios musculares localizados, onde foi acoplado um tensiômetro. Após análise dos resultados, observamos que não houve mudança na composição corporal destes pacientes, em relação ao índice de massa corporal, relação cintura-quadril e peso. Quando estudamos separadamente a soma das dobras cutâneas centrais e periféricas, houve diminuição no volume da soma das dobras centrais. Em relação à força e potência muscular, não houve ganho de força de preensão manual medida através do dinamômetro (p>0,05), já a potência mostrou um aumento significativo após treinamento (p<0,01). Concluímos que esses pacientes, se submetidos a um programa de treinamento de exercícios contra resistência realizado em casa, ganham potência muscular e que esta forma de exercício é uma alternativa terapêutica para que possam melhorar sua qualidade de vida, quando não for possível a utilização do GH.<hr/>Growth hormone (GH) deficiency syndrome in adults is well established, as well as the benefits of replacement with recombinant GH. Body composition changes are frequently studied in these patients, and are characterized by an increase in total body fat with predominant trunk obesity, a decrease in lean body mass, muscular strength and total body water. All of these features are almost completely reversed after recombinant GH therapy. This study evaluated body composition and muscle power in 11 GH-deficient patients before and after undergoing a resistance-training program for 12 weeks without GH replacement. We evaluated the body composition by measuring girths, skinfolds, weight, height, body mass index, waist-hip ratio and abdominal computerized tomography. Muscle power was assessed in several muscle groups by mean of five exercises in a muscle-training machine, to which a tensiometer was attached. The data analysis showed that there were no changes in body composition, body mass index, waist-hip ratio and weight. When we studied separately the sum of central and peripheral skinfolds, we noted a volume reduction in the sum of central skinfolds. With relation to muscular strength and power there was no gain in handgrip muscular strength (p>0.05), whereas muscular power showed a significant increase after the training (p<0.01). We concluded that when these patients are submitted to a home-based training program of resistance - type exercises they gain muscular power, and that this type of exercise is a therapeutic alternative that can improve their quality of life whenever the use of recombinant GH is not possible. <![CDATA[<B>Variabilidade do controle glicêmico de pacientes com diabetes tipo 1 e tipo 2 durante um ano de acompanhamento</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-27302001000200005&lng=&nrm=iso&tlng= Para verificar a variabilidade do controle glicêmico em um estudo não controlado de diabéticos durante um ano de acompanhamento, nós avaliamos retrospectivamente 113 pacientes diabéticos. Com os valores das HBA1c (hemoglobina glicada) dosadas em 1998 calculamos um índice de controle que foi associado à idade, duração do diabetes, IMC e dose de insulina. A HBA1c foi maior em pacientes DM1 do que DM2, respectivamente [7,9 (4,4-13,3) vs. 7,0 (4,4-13,4)%; p= 0,007]. Nos 90 pacientes com no mínimo duas HBA1c, 68 (75,6%) mantiveram o controle: 51 (76,1%) em bom, 8 (11,1%) em regular e 9 (11,9%) em péssimo controle. Nenhum manteve todas as HBA1c na faixa da normalidade, sendo que 26 pacientes (28,9%) tiveram pelo menos uma HBA1c normal. No grupo geral, 44 pacientes (48,9%) apresentaram aumento da HBA1c, 41 (45,6%) diminuição e 5 pacientes (5,6%) mantiveram o mesmo valor, sem diferença entre DM1 e DM2 (p= 0,77). Observamos diferença na HBA1c e tempo de duração de diabetes entre os pacientes com DM2 que tratavam com dieta, hipoglicemiante oral, terapia combinada e monoterapia com insulina, respectivamente (5,4±0,5 vs. 6,3±1,3 vs. 7,6±1,4 vs. 8,4±2,0%; p= 0,001) e (8,5±9,9 vs. 5,3±4,2 vs. 14,1±9,6 vs. 16,9±8,1 anos; p= 0,003). O coeficiente de variação intraindividual da HBA1c foi de 11,6±7,4% (p= 0,0000), sendo de 12,8±7,6% (p= 0,0000) em DM1 e 10,4±7,2% em DM2 (p= 0,0000) sem diferença entre ambos. Concluímos que em nossa amostra a maioria dos pacientes manteve um bom controle apesar da variabilidade intraindividual e da dificuldade em normalizar os níveis de HBA1c.<hr/>To evaluate the variability of glicemic control in diabetic patients followed during one year, we conducted a retrospective study in which the record data of 113 diabetic patients were analyzed. The value of HBA1c (glycated hemoglobin) measured during a year were registered and an index of glicemic control was calculated. This index was associated with duration of diabetes, BMI and dose of insulin. HBA1c were higher in type 1 diabetes than type 2, respectively, [7.9 (4.4-13.3) vs. 7.0 (4.4-13.4)%; p= 0.007]. In 90 patients with at least two HBA1c measurements, 68 (75.6%) had no change in glicemic control: 51 (76.1%) had good, 8 (11.1%) regular and 9 (11.9%) poor control. None of them sustained all the HBA1c in the normal range: 26 (28.9%) had at least one normal HBA1c value. In general group, 44 patients (48.9%) showed increase, 41 (45.6%) decreased and 5 (5.6%) remained with the same level of HBA1c, without difference between DM1 and DM2 (p= 0,77). A difference in HBA1c and diabetes duration among patients with DM2 treated with diet, oral hipoglycemic agents, combined therapy and monotherapy with insulin, was noted respectively (5.4±0.5 vs. 6.3±1.3 vs. 7.6±1.4 vs. 8.4±2.0%; p= 0.001) and (8.5±9.9 vs. 5.3±4.2 vs. 14.1±9.6 vs. 16.9±8.1 years; p= 0,003). The intraindividual coefficient of variation of HBA1c was 11.6±7.4% (p= 0.0000) being 12.8±7.6 (p= 0.0000) in type 1 and 10.4±7.2% in type 2 (p= 0.0000) without difference between both groups. In conclusion: the majority of the patients in our study maintained a good control despite the intraindividual variability of HBA1c and the difficulty to keeping it in the normal range. <![CDATA[<B>Carcinoma de paratiróide</B>: <B>características clínicas e anátomo-patológicas de cinco casos</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-27302001000200006&lng=&nrm=iso&tlng= O carcinoma de paratiróide é uma entidade rara, havendo cerca de 535 casos descritos na literatura. Neste trabalho, revisamos a nossa casuística de 5 pacientes com carcinoma de paratiróide avaliados no período de 1983 a 1998 no serviço de Doenças Ósteo-Metabólicas da Universidade Federal de São Paulo, analisando critérios diagnósticos, conduta terapêutica e a evolução destes pacientes e comparando os nossos dados com os achados de literatura. Entre os nossos pacientes, 4 eram do sexo feminino e 1 do sexo masculino, com mediana ao diagnóstico de 52 anos de idade, variando de 10 a 77 anos. As queixas iniciais incluíam presença de dores ósseas acompanhada de perda de peso em 4 pacientes, presença de fratura não traumática em 3 pacientes e traumática em 2 e clínica de nefrolitíase em 1 paciente. Todos apresentavam nódulo palpável em região cervical, níveis de cálcio total bastante elevados com média(±DP) de 14,9±1,7mg/dL. PTH também se encontrava muito elevado, refletindo a magnitude da severidade da doença. Todos foram submetidos à exploração cirúrgica cervical com retirada da massa tumoral, que foi coincidente com o achado palpatório de nódulo cervical. O exame anátomo-patológico revelou o diagnóstico de carcinoma de paratiróide em todos estes casos. No seguimento, 2 pacientes apresentaram recidiva tumoral e evoluíram para óbito por complicações do hiperparatiroidismo. Os outros 3 casos encontram-se em acompanhamento ambulatorial no nosso hospital, sem evidências até o momento de recidiva tumoral.<hr/>Parathyroid carcinoma is a rare disease, with about 535 cases reported in the literature until now. In this paper, we reviewed 5 cases of parathyroid carcinoma followed at Universidade Federal de São Paulo from 1983 to 1998, and discuss aspects of clinical presentation, diagnosis and treatment. Four patients were female and 1 male, with median ages of 52 years (10 to 77 years). Initial clinical complains were bone pain and weight loss in 4 patients, traumatic fracture in 2, and fracture without trauma in 3. Kidney stone was present in 1 patient. All had a palpable mass in the cervical region and presented with high calcium levels: 14.9±1.7mg/dL (mean±SD). Parathyroid hormone (PTH) levels were extremely high, showing the severity of the disease. All patients had surgical exploration where a tumor mass was recognized and removed. Pathologic examination demonstrated parathyroid carcinoma in all. On follow-up, 2 patients had recurrence and died due to complications of hyperparathyroidism. To date, the other 3 patients have no evidences of recurrence. <![CDATA[<B>Níveis séricos de hormônio de crescimento, fator de crescimento símile à insulina e sulfato de deidroepiandrosterona em idosos residentes na comunidade. Correlação com parâmetros clínicos</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-27302001000200007&lng=&nrm=iso&tlng= O envelhecimento é acompanhado de alterações orgânicas possivelmente relacionadas com o sistema endócrino. O eixo GH/IGF-1 e a produção de SDHEA declinam com a idade, caracterizando uma redução de suas atividades, que podem resultar em efeitos deletérios sobre a composição corporal, o sistema cardiovascular e a cognição. Avaliamos a concentração sérica basal de GH, IGF-1 e SDHEA em 225 idosos de uma comunidade (148 mulheres e 77 homens, 70 a 91 anos), 80% deles com características de envelhecimento bem sucedido (Mini-mental > ou = 24 e comprometimento de atividades de vida diária <=3). Tanto o IMC como a pressão arterial estavam significativamente mais elevados nas mulheres. Os níveis de GH também eram maiores nas mulheres (1,6±1,7 vs. 1,0±1,3ng/ml, X±DP, p<0,001), estando acima da faixa de referência em 14% e 19% das mulheres e homens. Já os níveis de IGF-1 eram semelhantes (90±42 e 101±40ng/ml, NS), não sendo elevados em nenhum deles e reduzidos em 35% e 24%, respectivamente. Os níveis de SDHEA eram maiores nos homens (86±58 e 54±36µg/dl, p<0,001), porém na faixa de referência em 92% deles. Houve uma surpreendente correlação positiva entre idade e GH nos homens (r= 0,38, p<0,005), mas uma correlação negativa entre IGF-1 e idade nos dois grupos (r= -0,24 e r= -0,32). Nas mulheres, houve também uma correlação positiva entre SDHEA e IGF-1 (r= 0,27). Em conclusão, níveis basais de GH podem estar elevados em uma parcela significativa dos idosos, sendo maiores nas mulheres, enquanto os níveis de IGF-1 encontram-se normais ou baixos nos dois grupos, sugerindo quadro de resistência hormonal. Os níveis de SDHEA encontravam-se na faixa de referência, sendo maiores nos homens, caracterizando a perda da contribuição ovariana. Diferentemente do que se tem especulado, não encontramos correlação entre os níveis de SDHEA e qualquer parâmetro clínico investigado.<hr/>Aging is associated with body changes, especially related with the endocrine system. The activity of the GH/IGF-1 axis and production of DHEAS decline significantly with aging, compromising body composition, cardiovascular and cognitive functions. We studied 225 elderly subjects from a community cohort (148 women and 77 men, 70 to 91 years) 80% of whom being considered "successful" (Mini-mental > or = 24 and AVL <=3). We measured basal serum levels of GH, IGF-1 and DHEAS and their possible correlations. Both, BMI and blood pressure levels were significantly higher in women. GH levels were also higher in women (1.6±1.7 vs. 1.0±1.3ng/ml, X±SD, p<0.001), and above the normal range in 14% and 19% of women and men. IGF-1 levels were similar (90±42 and 101±40ng/ml, NS), and were not elevated but low in 35% and 24%, respectively. On the other hand, DHEAS levels were higher in men (86±58 and 54±36µg/dl, p<0.001), but still within normal range in 92% of them. An unexpectedly positive correlation was found between age and basal GH levels in men (r= 0.38, p<0.005), whereas IGF-1 and age correlated negatively in both (r= -0.24 and r= -0.32). In women, DHEAS and IGF-1 correlated positively (r= 0.27). In conclusion, basal GH levels can be found elevated in elderly people and higher in women, whereas IGF-1 levels are normal to low in both groups, suggesting partial hormonal resistance. DHEAS levels were in the low-normal range and higher in men, disclosing the lack of ovarian contribution in women. Furthermore, no correlation was found between DHEAS levels and the clinical parameters studied. <![CDATA[<b>Efeitos da dietilpropiona, energia da dieta e sexo sobre o ganho de peso corporal, peso dos órgãos e deposição de tecidos em ratos</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-27302001000200008&lng=&nrm=iso&tlng= O objetivo deste trabalho foi avaliar a dietilpropiona (DEP), um derivado fenetilamínico utilizado como anorexígeno, e dietas de diferentes densidades calóricas, utilizando ratos de ambos os sexos. O experimento contou com 72 ratos Wistar distribuídos por sexo, bloqueados por peso inicial e alocados dois a dois em 36 gaiolas experimentais. As dietas e a água foram fornecidas ad libitum e atenderam a todas as exigências dos animais, sendo que a dieta de alta energia continha 3.700kcal de energia metabolizável (EM)/kg, a média 3.350kcal EM/kg e a baixa 3.000kcal EM/kg de ração. A droga foi administrada com uma dose diária de 20mg/kg, durante 36 dias, por via intraperitonial. A análise estatística considerou os efeitos da droga, energia da dieta, sexo, triplicata e a interação entre essas variáveis. Os resultados mostraram que houve interação entre dieta e droga (p<0,0195) e que o uso da droga diminuiu o consumo alimentar apenas em dietas de baixa e média energias. A interação entre sexo e droga (p<0,0253) mostrou que a droga reduziu o ganho de peso em ambos os sexos. Concluiu-se que a DEP reduziu o ganho de peso dos machos e das fêmeas, com redução de gordura depositada em ambos os sexos, sendo que as percentagens de deposição de gordura foram maiores nas fêmeas do que nos machos, os quais depositaram mais proteína. A DEP foi responsável pela redução no consumo de dietas de baixa e média energia metabolizável, não havendo efeito em dietas de alta energia.<hr/>This aim of this work is to evaluate diethylpropion (DEP), a phenethylamine like drug used as an anorectic, and different caloric density diets using rats of both sexes. The experiment used 72 Wistar rats distributed by sex blocked by initial weight and separated two by two in 36 experimental cages. The diets and water were permitted ad libitum and attended to animal needs. The high-energy diet had 3,700kcal of metabolizable energy (ME)/kg, the medium energy diet had 3,359kcal ME/kg and the low energy diet had 3,000kcal ME/kg of feed. The drug was administered intraperitonealy daily during 36 days. The statistical analysis considered the effects of the drug, energy of the diet, sex, replicates and the interaction between these factors. There was an interaction between diet and drug (p<0.0195) and the use of the drug reduced only the food intake of low and medium energy diets. An interaction between sex and drug (p<0.0253) showed that the weight gain was reduced in both sexes. We conclude that DEP reduces the weight gain in male and in female rats, with a reduction in fat deposition in both sexes. The percentages of fat reduction were higher on females than on males while the latter had higher deposition of protein on the carcass. DEP was responsible for a reduction on food intake of low and medium energy diets, having no effect on the high energy diet. <![CDATA[<B>Estudo morfométrico do fígado de ratos submetidos a doses supra-fisiológicas de tiroxina</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-27302001000200009&lng=&nrm=iso&tlng= Tireotoxicose é o estado hipermetabólico causado pelo excesso de hormônios tireoidianos circulantes, que exercem sua ação praticamente em todos os tecidos. No presente estudo avaliou-se, por métodos estereológicos, o fígado de ratos tratados com doses supra fisiológicas de T4 (20µg/100g de peso de corporal) durante 20 dias. Os níveis séricos de T4 desses animais estavam significativamente elevados (p=0,02). Houve tendência a perda de peso corporal dos animais tratados em relação ao grupo controle (p=0,10), enquanto o peso do fígado teve aumento, embora não significativo (p=0,08). A proporção do parênquima lobular foi maior (p=0,05) e a fração volumétrica do parênquima lobular ocupada pelas células de Kupffer foi significantemente menor (p=0,05) nos animais hipertireóideos que nos controles. Houve depleção significativa do glicogênio hepático no parênquima lobular, em relação ao grupo controle (p=0,008). Concluiu-se, então, que a tireotoxicose provoca hiperplasia e/ou hipertrofia dos hepatócitos, com redução das reservas energéticas.<hr/>Thyrotoxicosis is a hypermetabolic state caused by elevated levels of free T3 and T4 in the blood, acting in nearly all body tissues. In this study, livers of rats treated with supraphysiologic doses of T4 (20µg/100g of body weight) for 20 days, and that had significantly increased serum T4 (p=0.02), were analyzed by stereologic methods. The treated rats lost body weight, while the control group did not (p=0.10), and their liver weight increased (p=0.08). The non-lobular parenchyma proportion was decreased in the T4-treated rats; thus, lobular parenchyma was significantly increased (p=0.05). The Kupffer cell volumetric fraction in the lobular parenchyma was significantly lower (p=0.05) than in controls. There was a significant hepatic glycogen depletion in the lobular parenchyma, as compared with the control group (p=0.008). In conclusion, thyrotoxicosis induces hyperplasia and/or hypertrophy of the hepatic cells, with reduction of the energy reserve. <![CDATA[<B>Aspectos ultra-sonográficos e prevalência da tireoidite pós-parto em gestantes sem disfunção tireóidea atendidas em hospital público de São Paulo</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-27302001000200010&lng=&nrm=iso&tlng= Avaliamos prospectivamente a função, as imagens ultra-sonográficas e a auto-imunidade tireóidea em grupo racial heterogêneo de 800 mulheres grávidas, primíparas ou multíparas (1 a 7 gestações prévias) atendidas em hospital universitário de São Paulo durante o pré-natal. Quarenta e seis pacientes foram excluídas do estudo por apresentarem diagnóstico confirmado de doença tireóidea anterior; das 754 restantes, 386 abandonaram o seguimento antes ou após o parto. Assim, a coorte avaliada no puerpério constituiu-se de 368 puérperas, examinadas aos 3, 6, 12 meses e no 2º ano pós-parto. Embora 29 pacientes tenham tido aumento transitório daqueles anticorpos antitireóideos, caracterizando reação de auto-imunidade, estes progressivamente declinaram ou tornaram-se negativos durante o puerpério. Entretanto, nenhuma destas evoluiu com disfunção tireóidea durante o acompanhamento. Quarenta e nove pacientes (13,3%) desenvolveram progressivamente alterações funcionais da tireóide (principalmente hipotireoidismo), provavelmente devido à TPP. Além disso, a continuação do seguimento mostrou que em 18 a 24 meses, 42 mostraram níveis séricos de anti-TPO mais elevados, em comparação aos valores do primeiro ano. Os fatores de risco para o desenvolvimento da TPP, presentes durante a gravidez, foram: (1) níveis relativamente baixos de anti-TPO, entre 60 e 100U/mL [risco relativo ou odds ratio de 3,1] e (2) alterações estruturais ultra-sonográficas da tireóide no primeiro trimestre [odds ratio de 6,4]. Concluímos que a prevalência de TPP em hospital público de São Paulo foi de 13,3%, considerando as 368 pacientes seguidas. Em 29 puérperas foi diagnosticada forma transitória de reação tireóidea auto-imune, caracterizada por elevação dos níveis séricos de anti-TPO, que posteriormente regrediram.<hr/>We evaluated thyroid function, ultrasound images and presence of autoantibodies in a mixed racial group of 800 unselected primiparous or multiparous (1-7 previous pregnancies) pregnant women attended in a public hospital in the city of São Paulo. Forty-six patients were excluded from the study because of a confirmed diagnosis of a thyroid condition. Thus, a total of 754 women were available for further studies in the postpartum period. A relatively large number of those patients (n= 386) were lost or unavailable to follow-up either before or after delivery. A cohort of 386 puerperal healthy women was followed-up regularly at 3, 6, 12 and 24 months during the postpartum period, with regular thyroid function tests, random urine iodine measurements, assays for serum autoantibodies against thyroid antigens and imaging by ultrasound. Twenty-nine patients had a transient rise of anti-TPO-Ab characterizing an autoimmune reaction. These antibodies titres progressively declined or became negative. Moreover none of these patients have evidence for altered thyroid function during the 18-24 months of follow-up. Forty-nine patients (13.3%) changed their thyroid status, mainly to hypothyroidism, indicating the presence of a postpartum thyroid dysfunction (PPTD). Further follow-up studies have evidenced that at 18-24 months of examination 42/49 had serum levels of anti-TPO-Ab that were more elevated as compared with the first year values. Predictive factors found during pregnancy for developing PPTD, were: (1) relatively low levels of anti-TPO-Ab (between 60 and 100U/mL) [odds ratio 3:1] and (2) ultrasonographic thyroid structural changes in the first trimester [odds ratio 3.5:1]. In conclusion, the prevalence of PPTD was 13.3% considering only those postpartum women actually followed-up (n= 368). A transient form of thyroid autoimmune reaction, characterized by elevated serum titers of anti-TPO-Ab that further declined and reached the normal range, was observed in 29 puerperal women. <![CDATA[<B>Macroprolactina e incidentaloma hipofisário</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-27302001000200011&lng=&nrm=iso&tlng= O objetivo dessa apresentação é discutir as dificuldades na avaliação de valores elevados de prolactina (PRL) e as razões pelas quais uma interpretação errônea do resultado desse hormônio pode confundir o diagnóstico de pacientes com imagem selar sugestiva ou conclusiva de processo expansivo. Adicionalmente, serão discutidas as condutas que devem ser adotadas nos casos de incidentaloma hipofisário. <![CDATA[<B>Interferência de anticorpos em testes de função tireoideana</B>: <B>relato de caso</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-27302001000200012&lng=&nrm=iso&tlng= Na avaliação da função tireoideana utiliza-se como método diagnóstico as medidas de TSH, T4 e T3 totais e livres. Entretanto, em alguns casos ocorre a ligação não específica com reagentes dos ensaios que vão, desta forma, interferir com as medidas destes hormônios. Estas interferências irão resultar em concentrações séricas anormais de hormônios tireoideanos, não consistentes com a avaliação clínica e demais exames laboratoriais destes pacientes. Auto-anticorpos anti-hormônio tireoideano são a classe de fatores que mais frequentemente interferem com vários ensaios. Relatamos o caso de uma paciente de 62 anos, com queixas de ansiedade e palpitações e exame físico normal. Na avaliação laboratorial detectamos níveis séricos persistentemente elevados de T3 total, com níveis séricos normais de TSH e T4 total. A presença de anticorpos anti-T3 foi confirmada por radioimunoprecipitação. Resultados que parecem ser inconsistentes ou incompatíveis com os demais exames laboratoriais, na presença ou não de sintomais em geral inespecíficos, devem levantar a suspeita da presença de fatores interferentes no ensaio. Desta forma, evita-se o diagnóstico errôneo de disfunção tireoideana e, consequentemente, um tratamento desnecessário e até mesmo deletério.<hr/>Measurements of TSH, total T4 and T3 are widely used diagnostic methods for the evaluation of thyroid function. However, in some cases, there is a nonspecific binding with assay reagents that can interfere with the measurement of these hormones. These interferences will result in abnormal thyroid hormone serum concentrations and discrepancy with the clinical evaluation or other laboratory measurements in these patients. Thyroid hormone auto-antibodies are an important class of interference factor in various immunoassays. We report the case of a 62 yo. female, complaining of anxiety and palpitation but normal on physical examination. Laboratory evaluation showed persistently high total T3 levels, with normal levels of TSH and total T4. Antibodies anti-T3 were identified by radioimmunoprecipitation. Results that appear to be inconsistent or incompatible with the clinical presentation, with or without nonspecific symptoms, should raise the suspicion of the presence of interfering factors in the assay and, therefore, avoid an erroneous diagnosis of thyroid dysfunction and, as a consequence, any unnecessary and potentially harmful treatment. <![CDATA[<B>José Ribeiro do Valle e a endocrinologia paulista</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-27302001000200013&lng=&nrm=iso&tlng= Na avaliação da função tireoideana utiliza-se como método diagnóstico as medidas de TSH, T4 e T3 totais e livres. Entretanto, em alguns casos ocorre a ligação não específica com reagentes dos ensaios que vão, desta forma, interferir com as medidas destes hormônios. Estas interferências irão resultar em concentrações séricas anormais de hormônios tireoideanos, não consistentes com a avaliação clínica e demais exames laboratoriais destes pacientes. Auto-anticorpos anti-hormônio tireoideano são a classe de fatores que mais frequentemente interferem com vários ensaios. Relatamos o caso de uma paciente de 62 anos, com queixas de ansiedade e palpitações e exame físico normal. Na avaliação laboratorial detectamos níveis séricos persistentemente elevados de T3 total, com níveis séricos normais de TSH e T4 total. A presença de anticorpos anti-T3 foi confirmada por radioimunoprecipitação. Resultados que parecem ser inconsistentes ou incompatíveis com os demais exames laboratoriais, na presença ou não de sintomais em geral inespecíficos, devem levantar a suspeita da presença de fatores interferentes no ensaio. Desta forma, evita-se o diagnóstico errôneo de disfunção tireoideana e, consequentemente, um tratamento desnecessário e até mesmo deletério.<hr/>Measurements of TSH, total T4 and T3 are widely used diagnostic methods for the evaluation of thyroid function. However, in some cases, there is a nonspecific binding with assay reagents that can interfere with the measurement of these hormones. These interferences will result in abnormal thyroid hormone serum concentrations and discrepancy with the clinical evaluation or other laboratory measurements in these patients. Thyroid hormone auto-antibodies are an important class of interference factor in various immunoassays. We report the case of a 62 yo. female, complaining of anxiety and palpitation but normal on physical examination. Laboratory evaluation showed persistently high total T3 levels, with normal levels of TSH and total T4. Antibodies anti-T3 were identified by radioimmunoprecipitation. Results that appear to be inconsistent or incompatible with the clinical presentation, with or without nonspecific symptoms, should raise the suspicion of the presence of interfering factors in the assay and, therefore, avoid an erroneous diagnosis of thyroid dysfunction and, as a consequence, any unnecessary and potentially harmful treatment. <link>http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-27302001000200014&lng=&nrm=iso&tlng=</link> <description/> </item> </channel> </rss> <!--transformed by PHP 04:04:19 20-04-2019-->