Scielo RSS <![CDATA[Arquivos de Gastroenterologia]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=0004-280320010002&lang=en vol. 38 num. 2 lang. en <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[<B>Esclerose endoscópica das varizes esofágicas após tratamento cirúrgico da hipertensão portal em pacientes com esquistossomose hepatoesplênica</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-28032001000200001&lng=en&nrm=iso&tlng=en <![CDATA[Splenectomy plus left gastric vein ligature and devascularization of the great curvature of the stomach in the treatment of hepatosplenic schistosomiasis: postoperative endoscopic sclerosis is necessary]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-28032001000200002&lng=en&nrm=iso&tlng=en Objetivo — Com o intuito de avaliar a eficácia e a manutenção da esclerose endoscópica pós-operatória como rotina, em associação à esplenectomia com ligadura da veia gástrica esquerda e desvascularização da grande curvatura do estômago, foi realizado o presente estudo. Método - Entre 1992 e 1998 foram operados 131 pacientes no Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE. O seguimento médio foi de 30 meses. Os pacientes foram solicitados a retornar ao ambulatório daquele hospital para realização de controle clínico e laboratorial. Dos 111 pacientes que retornaram ao ambulatório, apenas 80 realizaram endoscopia digestiva alta de controle. Destes 80, 36 seguiram a recomendação e realizaram esclerose endoscópica pós-operatória (grupo 1), enquanto 44 não a realizaram (grupo 2). Resultados - Observou-se de forma relevante e estatisticamente significativa, a diferença entre os dois grupos quando se analisou a erradicação das varizes de esôfago, com melhor resultado para o grupo 1 (52,7% do grupo 1 versus 18,2% do Grupo 2). Nos demais itens analisados (mortalidade, recidiva hemorrágica, trombose da veia porta, varizes de fundo gástrico e grau de fibrose periportal) não se observou relevância estatística. Conclusão - Conclui-se que a associação da escleroterapia endoscópica pós-operatória à esplenectomia com ligadura de veia gástrica esquerda e desvascularização da grande curvatura do estômago, no tratamento da hipertensão portal esquistossomótica com antecedentes de hemorragia digestiva, deve ser mantida.<hr/>Objective — With the intention of evaluating the effectiveness and the maintenance of the postoperative endoscopic sclerosis as routine, in association to splenectomy with left gastric vein ligature and devascularization of the great curvature of the stomach, the present study was accomplished. Method - Between 1992 and 1998, 131 patient were operated in the General Division of the "Hospital das Clínicas" (Federal University of Pernambuco, Recife, PE, Brazil). The medium follow-up was 30 months. All patients were requested to come back to the clinic for accomplishment of clinical and laboratory control. Of the 111 patients that came back to the clinic, 80 patients had a digestive endoscopy done. Of these 80 patients, 36 followed the recommendation and underwent to a postoperative endoscopic sclerosis program (group 1), while 44 did not accomplish postoperative endoscopic sclerosis (group 2). Results - Regarding the eradication of the esophagus varices, the authors found a statistical difference between the groups (52,7% of the group 1 vs. 18,2% of the group 2). Other analyzed items (mortality, rebleeding rate, thrombosis of the portal vein, gastric varices and degree of periportal fibrosis) statistical relevance was not observed. Conclusion - The association of the postoperative endoscopic sclerosis to the splenectomy with left gastric vein ligature and devascularization of the great curvature of the stomach, in the treatment of schistosomotic portal hypertension with digestive hemorrhage antecedent, should be maintained. <![CDATA[AgNOR in cancer of the stomach]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-28032001000200003&lng=en&nrm=iso&tlng=en Objetivo — Estudar a proliferação celular através das contagens das AgNORs (regiões argirofílicas organizadoras nucleolares) nos tecidos de câncer gástrico e/ou da mucosa normal adjacente e correlacionar com as variáveis clínico-patológicas. Casuística e Método - Foram estudados 34 casos de adenocarcinoma gástrico, 23 do tipo intestinal e 11 do tipo difuso de Lauren. A coloração das AgNORs foi realizada em cortes histológicos e a análise quantitativa foi realizada pela contagem de um total de 100 núcleos de células neoplásicas e 100 de células da mucosa de aspecto normal. Resultados - O número de AgNORs nos núcleos das células normais variou entre 1 e 2 pontos castanho-escuros, enquanto nos núcleos das células neoplásicas estes eram numerosos, pequenos, agregados ou únicos e maiores. A média das contagens das AgNORs nos núcleos das células neoplásicas (3,86) foi significativamente maior do que nos núcleos das células da mucosa gástrica normal (1,25). Esta diferença foi também observada entre tumores do tipo intestinal (4,43) e difuso (2,58). Não foram observadas correlação entre as médias das contagens das AgNORs por núcleo e o sexo ou a idade dos pacientes. Conclusão - A contagem das AgNORs pode ser utilizada como marcador de atividade proliferativa, podendo auxiliar no diagnóstico de câncer.<hr/>Objective — To study the proliferative activity of AgNORs (argyropholic nucleolar organizer region) in gastric cancer tissue and in the adjacent normal tissue and correlate with the clinical and pathological parameters. Material and Methods — Thirty four formalin-fixed paraffin-embedded tissues sections of patients with adenocarcinoma of the stomach were analysed retrospectively, being 23 of intestinal and 11 of diffuse type of Lauren. The AgNORs can be detected by a specific silver staining and the number de AgNORs was counted in 100 nucleus of tumoral cells and in 100 nucleus of the adjacent normal tissue. Results - The tumoral cells had numerous, smaller, aggregated or one solitary and bigger AgNORs in the nuclei, while the normal cells had one or two AgNORs by nuclei. A significant difference was found between the mean numbers of AgNORs in the nuclei of tumor (3.86) and the normal tissue (1.25). There was also a significant difference between intestinal (4.43) and diffuse type (2.58) means. No significant correlation was found between mean AgNOR count and sex or age of the patients. Conclusions - The quantification of AgNORs can be used as a marker of proliferative activity, helping on the diagnosis of cancer. <![CDATA[<B>Antiendomysium antibodies in brazilian patients with celiac disease and their first-degree relatives</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-28032001000200004&lng=en&nrm=iso&tlng=en Background — Literature data have shown high specificity of antiendomysial antibodies (EmA IgA) in celiac disease. The scarcity of Brazilian reports concerning this subject motivated the present study. Objectives - To determine the sensitivity and specificity of antiendomysial IgA antibodies in Brazilian celiac patients at diagnosis and after treatment, to confirm patient adherence to a gluten-free diet and to screen first-degree relatives. Methods - An extensive clinical and serological study was performed by investigating the presence of these antibodies in 392 individuals from Southern Brazil. Indirect immunofluorescence using human umbilical cord as substrate was employed and the total levels of IgA were determined by turbidimetry in all groups. The study was conducted on 57 celiac patients (18 at diagnosis, 24 who adhered to a gluten-free diet and 15 with marked or slight transgression of the diet), 115 relatives of celiac patients (39 families), 94 patients with other gastrointestinal diseases, and 126 healthy individuals from the general population. Results - The results demonstrated 100% positivity for the recently diagnosed patients and for those consuming gluten, in contrast to the patients who complied with the diet (0%). In the control group one individual was positive, but refused to undergo a biopsy. In the group of other gastrointestinal diseases, one positive patient presented ulcerative colitis, Down's syndrome and epilepsy, and the intestinal biopsy was diagnostic for celiac disease. These data showed 99.3% specificity for the test. Eighteen relatives were positive for antiendomysial antibodies IgA (15.65%), and comparison with the healthy population revealed a significant difference. An intestinal biopsy was obtained from seven subjects (one with total villous atrophy and six withouth alterations in the mucosal architecture, but all with a high number of intra-epithelial lymphocytes). Conclusions - The method revealed 100% sensitivity and 99.3% specificity. Because it is not an invasive method it can be used for the screening of atypical and latent forms of celiac disease to avoid serial biopsies and to control adherence to a gluten-free diet with implications in the prevention of malignancy in celiac disease.<hr/>Racional — Dados de literatura têm mostrado alta especificidade dos anticorpos antiendomísio da classe IgA (EmA IgA) na doença celíaca. O pequeno número de trabalhos brasileiros motivaram o presente estudo. Objetivos - Determinar a sensibilidade e especificidade dos anticorpos antiendomísio da classe IgA em celíacos brasileiros ao diagnóstico, após tratamento para confirmar a aderência à dieta isenta de glúten e como rastreatmento em familiares de primeiro grau. Métodos - Estudo clínico e sorológico abrangente foi realizado investigando-se a presença destes anticorpos em 392 indivíduos da região sul do Brasil. Empregou-se imunofluorescência indireta, tendo como substrato cordão umbilical humano, e os níveis de IgA sérica foram determinados por turbidimetria, em todos os grupos. O estudo compreendeu 57 celíacos (18 ao diagnóstico, 24 aderentes à dieta e 15 com transgressões maiores ou menores), 115 familiares de celíacos (39 famílias), 94 pacientes com outras doenças gastrointestinais e 126 indivíduos sadios da população. Resultados - Os dados evidenciaram 100% de positividade nos pacientes recém diagnosticados e nos consumidores de glúten, em contraste com 0% nos aderentes à dieta. Um indivíduo do grupo controle foi positivo, mas recusou biopsia. No grupo de outras doenças gastrointestinais, um paciente positivo, portador de retocolite ulcerativa, também apresentava síndrome de Down, epilepsia e a biopsia intestinal diagnosticou doença celíaca. Tais dados mostram 99.3% de especificidade. Dezoito familiares foram positivos para anticorpos antiendomísio da classe IgA (15.65%) e a correlação com a população sadia foi estatisticamente significativa. Em sete foi realizada biopsia que demonstrou atrofia total de vilosidades em um e seis com arquitetura preservada, porém com número elevado de linfócitos intra-epiteliais. Conclusões - O método revelou 100% de sensibilidade e 99.3% de especificidade. Por não ser invasivo, pode ser usado para rastreamento de formas atípicas ou latentes de doença celíaca, evita biopsias seriadas e serve para controle da aderência à dieta, com implicações na prevenção de malignidade na doença celíaca. <![CDATA[Importance of serum albumin values in both nutritional and inflammatory activity assessment in patients with Crohn's disease]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-28032001000200005&lng=en&nrm=iso&tlng=en Racional — A albumina sérica é freqüentemente definida como um indicador de estado nutricional. No entanto, hipoalbuminemia pode refletir reação de fase aguda mediada por citocinas durante um evento inflamatório. Tanto desnutrição, como hipoalbuminemia são achados relevantes na doença de Crohn. Objetivo - Estudar a relação da albumina sérica com atividade inflamatória e com estado nutricional em pacientes com doença de Crohn. Casuística/Método — Trinta e seis pacientes avaliados quanto ao estado nutricional por parâmetros antropométricos e a atividade inflamatória da doença intestinal definida por índice clínico e velociodade de hemossedimentação. Resultados - Não se encontrou associação entre desnutrição e hipoalbuminemia. A utilização dessa proteína como parâmetro bioquímico na avaliação nutricional foi dispensável para se diagnosticar desnutrição. Houve significativa relação entre atividade inflamatória e hipoalbuminemia, demonstrando 100% de sensibilidade na identificação de inflamação ativa. Conclusão - Estes resultados sugerem a dosagem de albumina sérica como marcador sensível de doença de Crohn ativa e a necessidade de um parâmetro laboratorial mais adequado para avaliação nutricional rotineira nos portadores desta doença inflamatória intestinal.<hr/>Background - The serum albumin concentration has frequently been regarded as an indicator of nutritional status, although the hypoalbuminemia may reflect an acute phase protein response during inflammation mediated by cytokines. Both hypoalbuminemia and malnutrition are observed in Crohn's disease. Objectives — To correlate the serum albumin values to disease activity and also to nutritional status in patients with Crohn's disease. Patients/Methods — Thirty six patients were studied. Nutritional status was assessed by anthropometry measures and inflammatory activity determined by Harvey's simple clinical index and erythrocyte sedimentation rate. Results - No correlation was found between malnutrition and hypoalbuminemia. The serum albumin levels correlated inversely with the disease activity. Hypoalbuminemia was 100% sensitive for detection of disease activity. Conclusion - This study suggests that serum albumin concentration is a very sensitive marker of inflammatory activity and not good indicator of the nutritional status in Crohn's disease. It is necessary a suitable laboratorial parameter for routine nutrition assessment in patients with this inflammatory bowel disease. <![CDATA[Gastroesophageal reflux disease: comparison between patients with and without esophagitis, concerning age, gender and symptoms]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-28032001000200006&lng=en&nrm=iso&tlng=en Racional — Os portadores da doença do refluxo gastroesofágico podem apresentar ou não esofagite por refluxo. Imagina-se que os portadores de esofagite são mais sintomáticos que os pacientes sem esofagite. Contudo, poucos estudos comparam adequadamente esses grupos de pacientes entre si. Objetivos - Comparar as formas com e sem esofagite da doença do refluxo gastroesofágico em relação à idade, sexo, presença e intensidade de sintomas. Material e Métodos - Foram estudados, por meio de entrevista clínica, 122 portadores da doença — 90 com e 32 sem esofagite — identificados por estudo endoscópico do esôfago e por pHmetria esofágica prolongada. Foram considerados idade, sexo e a presença das seguintes queixas: pirose, disfagia, dor torácica não-cardíaca e sintomas respiratórios. A queixa de pirose foi analisada com mais detalhes, levando-se em conta além da presença do sintoma, a intensidade, a freqüência e a duração da queixa. Em função dessas variáveis, a pirose foi caracterizada, quando presente, como sendo de grau leve/moderado ou intenso/muito intenso. Resultados - Não houve diferença significativa entre os grupos em relação à idade, ao sexo e à presença dos sintomas. Observou-se, contudo, em relação à intensidade da queixa de pirose, maior ocorrência de pirose caracterizada como intensa/muito intensa no grupo com esofagite. Conclusões - 1. As formas com e sem esofagite da doença do refluxo gastroesofágico são muito semelhantes em relação à idade, ao sexo e à presença dos sintomas analisados nos pacientes acometidos; 2. Apesar dos sintomas analisados estarem presentes em níveis semelhantes nos dois grupos estudados, observou-se que a ocorrência de pirose caracterizada como de maior intensidade foi mais comum no grupo de pacientes com esofagite; 3. Dentre os portadores da doença do refluxo analisados, observou-se contingente significativo de pacientes (26,2%) que não apresentavam esofagite endoscópica; a pHmetria esofágica prolongada foi de fundamental importância para a identificação desse grupo; 4. Existe a necessidade de serem adotados conceitos mais homogêneos em relação à doença do refluxo gastroesofágico, à esofagite por refluxo e à caracterização do refluxo patológico, para obter-se maior precisão diagnóstica e para que se possa comparar, adequadamente, resultados de diferentes estudos sobre o tema.<hr/>Background — Patients with gastroesophageal reflux disease may or may not have endoscopic esophagitis; there are few studies comparing these groups among themselves. Objectives - This study was designed in order to evaluate differences between patients with gastroesophageal reflux disease with and without esophagitis. Patients/Methods - A hundred and twenty-two patients with gastroesophageal reflux disease characterized by esophageal endoscopy and pHmetry were included, 90 with and 32 without esophagitis. Assessment involved an anamnesis, including the following data: age, sex, heartburn, dysphasia, non-cardiac chest pain and respiratory symptoms. Heartburn was analyzed in more detail, its duration, intensity and periodicity being determined. Results - No statistical significant difference was observed between the groups, regarding age, sex or presence of symptoms. However, in the group with esophagitis, heartburn classified as severe or very severe was more frequent. Conclusions - 1. The groups of patients with or without esophagitis analyzed were very similar concerning age, gender and presence of symptoms. However, regarding the heartburn's intensity, it was more intense in the group with esophagitis. 2. Among patients with gastroesophageal reflux disease, there is a large number of cases without esophagitis (26.2%) and that prolonged pH-monitoring is fundamental in its identification; 3. A better definition of reflux disease, esophagitis and pathological reflux is needed, in order to allow better diagnostic accuracy and comparisons in different studies on this subject. <![CDATA[Effect of hypovolemic shock in anastomose of small intestine of rats]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-28032001000200007&lng=en&nrm=iso&tlng=en Racional — O choque hipovolêmico está incluído entre os fatores de risco para anastomoses intestinais, entretanto, sua ação sobre anastomoses do intestino delgado tem sido pouco estudada e, quando abordado, é avaliado como parâmetro de comparação com a cicatrização de cólons e não como alvo central das investigações. Objetivo - Estudar o efeito do choque hipovolêmico na anastomose do intestino delgado de ratos. Método - Foram utilizados 90 ratos machos adultos, distribuídos em cinco grupos: padrão, choque, anastomose, choque mais anastomose e choque mais anastomose mais reposição. O choque hipovolêmico foi obtido pela sangria de 30% da volemia do animal. Realizou-se anastomose término-terminal em plano único extra-mucoso, à média distância, entre o duodeno e a válvula ileocecal. A reposição volêmica no grupo choque, mais anastomose mais reposição foi realizada com o sangue autólogo. Resultados e Conclusão - Do ponto de vista histológico, o choque hipovolêmico provocou alterações progressivas na região da anastomose intestinal, quanto à lesão da túnica mucosa e o aumento na deposição de fibras colágenas na tela submucosa, com a evolução do período pós-operatório. Quanto à pressão de ruptura promoveu, em relação aos grupos controle, tendência a diminuição da resistência da parede intestinal e da anastomose intestinal com a evolução do período pós-operatório.<hr/>Objective — Study the effect of hypovolemic shock on small intestinal anastomose in adult rats. Method — Ninety male rats were randomly divided into five groups: standard, hypovolemic shock, anastomose alone, hypovolemic shock + anastomose and hypovolemic shock + anastomose + blood reinfusion. Hypovolemic shock was achieved by bleeding 30% of the blood volume of the animal. A single layer extramucosal intestinal anastomose was performed. Following intestinal anastomose, the blood volume was restored in group shock, anastomose and blood reinfusion, using heparinized autologous. Results and Conclusion — In the experimental model used, hypovolemic shock provoked histological lesions to the mucosa and increased colagen fiber deposition into the submucosa in the region of intestinal anastomose which were progressive with post-operative period. In addition, when the hypovolemic shock group were pressure tested there was a tendency towards a weakening of the intestinal wall at day 7 which became more evident at day 21 as compared to the control groups. <![CDATA[<B>Chemical pleurodesis for hepatic hydrothorax</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-28032001000200008&lng=en&nrm=iso&tlng=en Background - Ascites can occur after hepatic diseases causing dyspnea, coughing and pain. When associated with pleural effusion it can also increase respiratory distress. In a bibliographic survey hydrothorax has been observed in up to 20% of the patients and the kind of treatment is still being discussed. Objective — This case report shows the occurrence of a large volume of ascites and pleural effusion in a cirrhotic patient and his treatment. Methods — Report the case of a patient with hepatic cirrhosis due to chronic alcoholism and massive pleural effusion and ascites. He was submitted to several pleural paracenteses without success. Scintigraphy showed the presence of ascites and confirmed a possible pleuroperitoneal communication. The thoracic surgery group was called and after evaluation it was decided to submit the patient to a pulmonary decortication and chemical pleurodesis. Results — These procedures were carried out with success. The pleural effusion was solved and the treatment of ascites was decided upon because the patient did not accept any surgical procedure. Conclusion - This treatment could be applied to patients with hydrothorax who could not be submitted to a liver transplantation.<hr/>Racional — A ascite aparece no decorrer da doença hepática causando dispnéia, tosse, desconforto, dor e, quando associada ao derrame pleural, acentua a diminuição da cinética respiratória. O aparecimento de hidrotórax é descrito na literatura em até 20% dos doentes e seu tratamento é ainda discutível. Pode ocorrer devido a defeitos diafragmáticos, lesões diafragmáticas ou comunicações peritônio-pleurais sem defeito anatômico, que podem ser diagnosticados através de cintilografia toracoabdominal. Objetivos — Abordar a fisiopatologia e a discussão sobre o tratamento e resolução do hidrotórax em um paciente com cirrose hepática. Métodos — Tratava-se de um paciente com cirrose hepática de origem alcoólica, com ascite e derrame pleural volumosos. O hidrotórax de origem abdominal foi confirmado pela cintilografia toracoabdominal. O doente foi submetido a várias paracenteses abdominais e torácicas, sempre apresentando recidiva de derrame pleural maciço. Após avaliação da cirurgia torácica, optou-se pela realização da decorticação pulmonar e pleurodese química. Resultados — A cirurgia foi realizada com sucesso e não houve recidiva de derrames pleural. A ascite foi controlada parcialmente com diuréticos e orientação alimentar e o paciente não quis ser submetido ao transplante de fígado. Conclusão — A pleurodese química pode ser útil nos doentes que, como o do caso descrito, não aceitam o transplante de fígado como terapêutica definitiva e são portadores de derrames pleural causados por ascite volumosa.. <![CDATA[Esophagus-enteric anastomosis ulceration caused by alendronate]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-28032001000200009&lng=en&nrm=iso&tlng=en Introdução — O alendronato de sódio, um aminobifosfonado indicado para o tratamento da osteoporose em mulheres pós-menopausadas, tem sido associado em vários relatos à esofagite. Estenose esofágica e sintomas gastrointestinais como dispepsia, náuseas, vômitos e dor abdominal também podem estar presentes. Objetivo — Relato do caso de paciente submetida a gastrectomia total com anastomose em Y de Roux devido a carcinóide gástrico que desenvolveu ulceração em anastomose esôfago-entérica após tratamento com esta droga. Material e Método — Paciente de 63 anos de idade, sexo feminino, iniciou terapia com alendronato na dose diária de 10 mg pela manhã, vindo a apresentar sintomas disfágicos e dor abdominal um mês após. Submetida a exame endoscópico, demonstrou-se ulceração no esôfago, na mucosa da anastomose esôfago-entérica e estenose esofágica. O tratamento medicamentoso foi descontinuado, tendo o sintoma de dor abdominal desaparecido e a disfagia diminuído de intensidade. Resultados — Houve remissão das lesões ulceradas, entretanto a estenose esofágica permaneceu. A paciente subseqüentemente foi tratada por dilatação endoscópica, evoluindo com melhora clínica e estando atualmente livre de sintomas. Conclusão — O alendronato de sódio tanto pode causar lesões na porção inferior do esôfago, como em segmentos mais distais do tubo digestivo nos pacientes cujo trânsito gastrointestinal é acelerado. Especial atenção deve ser dada aos pacientes gastrectomizados que fazem uso desta droga, pela possibilidade do desenvolvimento de lesões na mucosa entérica anastomosada e do surgimento de complicações temíveis como a estenose.<hr/>Background — Alendronate sodium is an aminobisphosphonate indicated for the treatment of osteoporosis in post-menopausal women and has been associated with esophagitis in many reports. Esophageal stenosis, gastrointestinal symptoms as dyspepsia, nausea, vomiting and abdominal pain could be present. Objective — Report a case of a patient who underwent total gastrectomy with Y-en-Roux anastomosis for a gastric carcinoid tumor and developed an esophagus-enteric anastomosis ulceration after the use of alendronate. Patient and Method — A 63-year-old woman started medical therapy with alendronate in a dose of 10 mg daily. After a period of one month of medical treatment with this drug she began to complain of dysphagic symptoms and abdominal pain. She was submitted to endoscopic examination that showed an esophageal ulceration, an enteric ulceration of the anastomosis and an esophageal stenosis. Results - Medical treatment with alendronate was discontinued and the symptom of abdominal pain desapeared. The intensity of dysphagia has decreased. The ulcerated lesion remitted although esophageal stenosis did not. The patient was subsequently treated with esophagus-enteric anastomosis dilation. She improved in her general state and nowadays she is free of symptoms. Conclusion — Alendronate sodium could cause lesions of the inferior esophageal portion or in distal segments of the gastrointestinal tube, in patients with a fast gastrointestinal transit. Special attention must be given to gastrectomized patients that use this drug because of the possibility to develop mucosal lesions in the enteric anastomosed part and its fearfull complications as stenosis. <![CDATA[Prevalence of Helicobacter pylori infection in children evaluated at "Hospital de Clínicas de Porto Alegre", RS, Brazil]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-28032001000200010&lng=en&nrm=iso&tlng=en Objetivos — Determinar a prevalência de infecção pelo Helicobacter pylori em pacientes de 2 a 18 anos submetidos a biopsias gástricas por endoscopia esôfago-gástrica-duodenal no Hospital de Clínicas de Porto Alegre, RS, durante o período de 1990 a 1997, correlacionando-a com os achados clínicos, endoscópicos e anatomopatológicos. Métodos - Estudo transversal embasado na revisão de arquivos médicos e de laudos anatomopatológicos, sendo estes últimos revistos por médico patologista que desconhecia as informações clínicas e laudos anatomopatológicos prévios. Resultados - Foram avaliados 181 pacientes e obteve-se uma prevalência de infecção pelo Helicobacter pylori de 24,86% (45 casos). Na histologia, gastrite foi encontrada em 38 pacientes dos 45 com Helicobacter pylori positivo e em 45 do 136 Helicobacter pylori negativo. Úlcera péptica foi encontrada em 6 dos 45 Helicobacter pylori positivo e em 3 dos 136 Helicobacter pylori negativo. Conclusão - O estudo demonstrou relação significativa da infecção do Helicobacter pylori com alterações principalmente histológicas nas crianças avaliadas.<hr/>Objectives — To determinate prevalence of Helicobacter pylori infection in a group of symptomatic patients between 2 and 18 years old who were submitted to gastric biopsy during upper endoscopy done in the period of 1990-97. To correlate the histological findings with clinical and endoscopical data. Methods — A cross-sectional study done after review of clinical and histopathological data. Histopathological sections were reviewed by a pathologist, who did not know the clinical information and the previous histopathological reports. Results — Among 181 patients evaluated, prevalence of Helicobacter pylori infection was 24.86% (45 positive cases). In pathological analysis, gastritis was found in 38/45 of the positive Helicobacter pylori patients and in 45/136 negative Helicobacter pylori. Gastric ulceration was found in 6/45 positive Helicobacter pylori and in 3/136 negative Helicobacter pylori. Conclusion — This study stated a significative association between Helicobacter pylori infection and pathological abnormalities in children evaluated in the "Hospital de Clínicas de Porto Alegre", RS, Brazil. <![CDATA[Apoptosis as a mechanism of tissue injury in hepatobiliary diseases]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-28032001000200011&lng=en&nrm=iso&tlng=en Racional — A morte celular por apoptose é processo biológico fundamental envolvido em muitos eventos fisiológicos e fisiopatológicos no fígado. Objetivo — Revisar o processo da apoptose, seus mecanismos celulares, sua regulação por fatores externos e sua participação em várias doenças hepatobiliares. Conclusão — O conhecimento dos mecanismos celulares da apoptose, bem como seus desequilíbrios durante distúrbios fisiopatológicos possibilitam melhor compreensão das doenças que afetam o fígado e vias biliares. A inibição farmacológica da apoptose ou sua indução podem oferecer grandes perspectivas no tratamento de doenças nas quais ocorra desequilíbrio no processo natural de morte celular.<hr/>Background — Cell death by apoptosis is a fundamental biologic process involved in many physiologic and pathophysiologic processes in the liver. Objective — To review the process of apoptosis, its cellular mechanisms, its regulation by external factors, and its role in pathophysiologic process and specific diseases of the liver. Conclusion — An understanding of the cellular mechanisms of apoptosis and their dysregulation during pathophysiologic disturbances will help in understanding human liver diseases. The modulation of apoptosis may lead to novel therapeutic strategies for the treatment of a wide range of liver diseases.