Scielo RSS <![CDATA[Jornal de Pediatria]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=0021-755720030008&lang=en vol. 79 num. lang. en <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[<B>New treatments for critically ill children</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-75572003000800001&lng=en&nrm=iso&tlng=en <![CDATA[<B>Rapid airway access</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-75572003000800002&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJETIVO: O artigo visa rever os passos da obtenção de uma via aérea segura no atendimento da criança criticamente enferma. FONTES DOS DADOS: Revisão de artigos a partir da busca na base de dados Medline até abril de 2003, utilizando os unitermos intubação, crianças e sedação. SÍNTESE DOS DADOS: O comprometimento da via aérea é incomum, porém quando ocorre, depende de profissionais treinados para a rápida obtenção da via aérea, de maneira segura, precoce e sem causar prejuízos para tais pacientes. O método preconizado para tal abordagem é a seqüência rápida de intubação que além de preparação, utiliza sedação e bloqueador neuromuscular. Observamos que não é possível a aplicação de um protocolo único de intubação, pois depende da indicação e condições do paciente. Definimos doses das medicações mais utilizadas em nosso meio, pois acreditamos que pouco se conhece do real efeito de drogas sedativas e analgésicas. Na maioria das situações, a associação de um analgésico opióide (fentanil na dose de 5 a 10 &micro;g/kg) e um sedativo (midazolam 0,5 mg/kg) e um bloqueador neuromuscular são suficientes para a intubação traqueal. CONCLUSÕES: Treinamento, conhecimento, habilidade na obtenção da via aérea são fundamentais para o intensivista pediátrico e são vitais para o adequado atendimento de crianças gravemente enfermas. Apresentamos um texto objetivo e dinâmico, visando a oferecer subsídios para a geração de protocolos a serem implementados de acordo com facilidades e dificuldades de cada serviço.<hr/>OBJECTIVE: To review the steps involved in safe airway management in critically ill children. SOURCES OF DATA: Review of articles selected through Medline until April 2003 using the following key words: intubation, children, sedation. SUMMARY OF THE FINDINGS: Airway compromise is rare, but whenever it occurs, the situation depends on professionals trained to carry out safe, early, and rapid airway management, with no harm to the patient. The method currently advocated for airway management is rapid sequence intubation, which requires preparation, sedation and neuromuscular block. We observed that it is not possible to apply one single intubation protocol to all cases, since the selection of the most adequate procedure depends on indication and patient conditions. We defined the drug doses most commonly used in our setting, since little is know so far about the real effect of sedatives and analgesics. In most situations, the association of an opioid (fentanyl at 5-10 &micro;g/kg) with a sedative (midazolam at 0.5 mg/kg) and a neuromuscular blocking agent are sufficient for tracheal intubation. CONCLUSIONS: Training, knowledge, and skill in airway management are of fundamental importance for pediatric intensive caregivers and are vital for the adequate treatment of critically ill children. We present an objective and dynamic text aimed at offering a theoretical basis for the generation of new protocols, to be implemented according to the strengths and difficulties of each service. <![CDATA[<B>New therapies for intracranial hypertension</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-75572003000800003&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJETIVOS: São revistos os principais conceitos envolvidos na abordagem terapêutica da hipertensão endocraniana, desde a abordagem tradicional até a apresentação das novas terapias preconizadas. FONTES DOS DADOS: Foram revistas as principais bases de dados da literatura médica, particularmente o Medline e o Lilacs, nos últimos 10 anos, além de livros textos consagrados e teses dedicadas ao assunto. SÍNTESE DOS DADOS: A hipertensão endocraniana pode estar associada a diversas lesões neurológicas cerebrais, sejam de origem traumática, infecciosa ou metabólica, podendo, nos casos graves, se constituir em importante fator de morbimortalidade. O aumento da pressão intracraniana interfere com o fluxo sangüíneo cerebral, de modo que para se manter uma pressão de perfusão cerebral adequada, é necessário tanto a redução e o controle da hipertensão endocraniana, como o combate agressivo à hipotensão arterial, desde as fases iniciais do atendimento. A monitorização adequada é fundamental, e as principais medidas adotadas no tratamento convencional envolvem a elevação da cabeceira do leito a 30 graus, o posicionamento centrado da cabeça, a hipocapnia otimizada, o perfeito equilíbrio hidroeletrolítico e metabólico, a sedação, a terapia anticonvulsiva, a drenagem liquórica, o uso de barbitúricos, manitol e furosemida. As novas terapias que vêm sendo estudadas incluem, principalmente, o dexanabinol, as soluções salinas hipertônicas, a hipotermia moderada, a craniotomia descompressiva, a otimização da pressão de perfusão cerebral e a redução da pressão na microvasculatura cerebral (terapia de Lund). CONCLUSÕES: O uso de novas terapias para o controle eficaz da hipertensão endocraniana, particularmente em casos refratários ao tratamento usual, representam um cenário promissor na abordagem destes quadros.<hr/>OBJECTIVE: The main concepts involved in the therapeutic management of intracranial hypertension are revisited, including pathophysiology, monitoring, the traditional approach, and also the presentation of recently proposed therapies. SOURCE OF DATA: The main medical literature data bases (especially Medline and Lilacs) were searched for articles published in the last 10 years, and traditional text books and dissertations focusing the subject were consulted. SUMMARY OF THE FINDINGS: Intracranial hypertension may be associated with several cerebral neurologic lesions from traumatic, infectious or metabolic origin, and in severe cases may represent an important factor for morbidity and mortality. Increases in intracranial pressure interfere with cerebral blood flow; in order to maintain an adequate cerebral perfusion pressure, it is necessary to both reduce and control intracranial hypertension and combat low blood pressure from the very beginning of treatment. Adequate monitoring is essential, and the main points addressed in conventional management include elevation of the head of bed to 30&deg; C, central positioning of the head, optimization of hypocapnia, perfect metabolic and hydro-electrolyte balance, sedation, anti-convulsive therapy, liquor drainage, and the use of barbiturics, mannitol and furosemide. New therapies currently under investigation include the use of dexanabinol, hypertonic saline solutions, moderate hypothermia, decompressive craniectomy, optimization of cerebral perfusion pressure, and reduction in cerebral microvasculature pressure (Lund therapy). CONCLUSIONS: The use of new therapies to effectively control intracranial hypertension, especially in cases that are refractory to the usual treatment, represent a promising scenario in the management of this problem. <![CDATA[<B>Management of the acute respiratory distress syndrome</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-75572003000800004&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJETIVO: Revisar as atuais estratégias de suporte e de tratamento da síndrome do desconforto respiratório agudo (SDRA). FONTE DOS DADOS: Dados próprios de nosso laboratório de pesquisa e bibliografia relacionada às áreas de SDRA e lesão pulmonar aguda, pesquisados através do Medline. SÍNTESE DOS DADOS: Apesar de avanços no entendimento da sua patogênese, a SDRA ainda resulta em significativa morbidade e mortalidade. A ventilação mecânica é a principal modalidade terapêutica na SDRA, sendo atualmente considerada não mais apenas uma medida de suporte, mas sim uma terapia capaz de alterar o curso da patologia. Novas estratégias ventilatórias, como a ventilação oscilatória de alta freqüência (VOAF), têm-se mostrado promissoras. Neste texto, revisamos o conhecimento atual no manejo da SDRA, incluindo ventilação mecânica convencional e não convencional, uso de surfactante, óxido nítrico, moduladores do processo inflamatório, oxigenação extracorpórea e posição prona. CONCLUSÕES: A última década foi marcada por avanços significativos, como o conceito de ventilação mecânica protetora na SDRA. O benefício da aplicação de estratégias alternativas, como a VOAF, assim como do uso do surfactante exógeno e moduladores de inflamação continuam sendo alvo de estudo.<hr/>OBJECTIVE: To review the current support and treatment strategies of the Acute Respiratory Distress Syndrome (ARDS) DATA SOURCES: Original data from our research laboratory and from representative scientific articles on ARDS and acute lung Injury searched through Medline. SUMMARY OF THE FINDINGS: Despite advances in the understanding of the pathogenesis of ARDS, this syndrome still results in significant morbidity and mortality. Mechanical ventilation, the main therapeutic modality for ARDS, is no longer considered simply a support modality, but a therapy capable of influencing the course of the disease. New ventilation strategies, such as high-frequency oscillatory ventilation (HFOV) appear to be promising. This text reviews the current knowledge of ARDS management, including conventional and non-conventional ventilation, the use of surfactant, nitric oxide, modulators of inflammation, extracorporeal membrane oxygenation and prone position. CONCLUSIONS: The last decade was marked by significant advances, such as the concept of protective ventilation for ARDS. The benefit of alternative strategies, such as HFOV, the use of surfactant and immunomodulators continue to be the target of study. <![CDATA[<B>Noninvasive ventilation in pediatrics</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-75572003000800005&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJETIVO: Apresentar a ventilação mecânica não invasiva em pediatria como uma alternativa à ventilação invasiva, mostrar suas vantagens e desvantagens, quando se encontra indicada e como instalá-la. FONTES DOS DADOS: Revisão bibliográfica através do PubMed/Medline, utilizando como fontes de pesquisa aqueles artigos de ventilação não invasiva na população pediátrica, além de artigos de consenso e meta-análise de ventilação não invasiva em adultos (por sua falta na população pediátrica). SÍNTESE DOS DADOS: A maior indicação da ventilação mecânica não invasiva é na insuficiência respiratória hipercápnica, estando contra-indicada na instabilidade hemodinâmica. Tem como vantagens: facilidade de instalação, não invasividade, diminuição do desconforto, redução da incidência das complicações associadas ao uso do tubo endotraqueal e menor custo. Desvantagens: distensão gástrica, hipoxemia transitória, necrose de pele facial. Sua instalação requer uma interface (máscara) e um respirador. São revistos os tipos de ventiladores e modos ventilatórios, e orienta-se sua instalação, monitorização e parâmetros iniciais. A retirada da ventilação mecânica não invasiva é mais simples, mas pacientes crônicos podem necessitar assistência domiciliar. CONCLUSÕES: A ventilação mecânica não invasiva pode ser uma alternativa mais barata, eficaz e de simples execução nos casos de insuficiência respiratória sem descompensação hemodinâmica.<hr/>OBJECTIVE: To introduce the notion of noninvasive mechanical ventilation as an alternative for invasive ventilation in children, describing advantages and disadvantages, indications, and the process of equipment installation. SOURCES OF DATA: Literature review through PubMed/Medline, using as source articles focusing on noninvasive ventilation in pediatric populations, as well as consensus statements and metanalyses concerning noninvasive ventilation in adults. SUMMARY OF THE FINDINGS: The main indication for noninvasive ventilation is respiratory failure due to hypercapnia. It is contra-indicated in the presence of hemodynamic instability. The advantages of non-invasive ventilation include: the equipment is easy to install; it is not invasive and involves less discomfort; there is a lower incidence of complications associated with the endotracheal tube; lower cost. The disadvantages are: gastric distention; transient hypoxemia; facial skin necrosis. The equipment required for noninvasive ventilation includes an interface (mask) and a respirator. The removal of noninvasive ventilation equipment is relatively simple, but chronic patients may require assistance in the home. CONCLUSIONS: Noninvasive ventilation is a less costly, efficient and simple to perform alternative in cases of respiratory failure without hemodynamic instability. <![CDATA[<B>Adrenal insufficiency in children with septic shock</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-75572003000800006&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJETIVO: Revisar os critérios para o diagnóstico e o tratamento da insuficiência adrenal nos pacientes com choque séptico. FONTES DOS DADOS: Artigos publicados em revistas nacionais e internacionais, selecionados nas suas páginas eletrônicas e através do Medline, bem como referências citadas em artigos chaves. SÍNTESES DOS DADOS: Nos trabalhos publicados na literatura, o achado de insuficiência adrenal em pacientes com choque séptico tem variado entre 17% a 54%. Os dados publicados até a presente data, na literatura consultada, revelam a inexistência de um consenso para o diagnóstico da insuficiência adrenal em pacientes com doenças críticas, particularmente naqueles com choque séptico. A presença de choque refratário a volume e resistente a catecolaminas pode ser aceito como sugestivo, enquanto que um cortisol basal inferior a 25 &micro;g/dl é um critério diagnóstico indicativo de insuficiência adrenal. O teste de estimulação adrenal é um recurso útil na identificação dos pacientes com insuficiência adrenal relativa. Nossa opção de teste para estimulação adrenal em pediatria é a utilização de corticotropina em baixas doses (0,5 &micro;g/ 1,73 m&sup2;). Um aumento inferior a 9 &micro;g/dl no valor do cortisol pós-teste sugere a presença de insuficiência adrenal oculta (relativa). Nos pacientes com choque séptico apresentando insuficiência adrenal, suspeita ou confirmada, a utilização de hidrocortisona em dose de choque ou de estresse pode ser vital na sua evolução favorável. CONCLUSÕES: Os dados existentes na literatura, embora controversos, já nos permitem especular sobre quando iniciar o tratamento de reposição hormonal, sobre qual o nível sérico de cortisol aceito como adequado e em relação à escolha da dose de corticotropina, para a realização do teste de estimulação adrenal e diagnóstico de insuficiência adrenal oculta ou relativa nos pacientes com choque séptico.<hr/>OBJECTIVE: To review the criteria for diagnosing and treating adrenal insufficiency in patients with septic shock. SOURCES OF DATA: Articles published in Brazilian and foreign journals selected through these publications' websites and Medline, as well as references cited in key articles. SUMMARY OF THE FINDINGS: The literature reports a range betwen 17 and 54 % for the finding of adrenal insufficiency in patients with septic shock. There is no consensus for diagnosing adrenal insufficiency in patients suffering from critical diseases, particularly in patients with septic shock. The presence of volume-refractory and catecholamine-resistant septic shock suggests this condition, while basal cortisol under 25 &micro;g/dl is a diagnostic criterion indicating adrenal insufficiency. The adrenal stimulation test is a useful resource for identifying patients with relative adrenal insufficiency. Our testing option for adrenal stimulation in children is the use of corticotropin in low doses (0.5 &micro;g/1,73 m&sup2;). An increase of less than 9 &micro;g/dl in the value of postcorticotropin-stimulated cortisol suggests the presence of occult (relative) adrenal insufficiency. In patients with septic shock presenting adrenal insufficiency, either suspected or confirmed, the administration of hydrocortisone in shock or stress doses can be vital for a favorable clinical outcome. CONCLUSIONS: The existing data, although controversial, already provides a basis to determine when to begin hormone replacement therapy, the serum level of cortisol accepted as adequate, and the choice of corticotropin doses for performing the adrenal stimulation test and diagnosing occult or relative adrenal insufficiency in patients with septic shock. <![CDATA[<B>Inhaled nitric oxide in pediatrics</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-75572003000800007&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJETIVO: Rever a literatura sobre óxido nítrico inalatório e descrever suas principais indicações clínicas em pediatria. FONTES DOS DADOS: Revisão bibliográfica e seleção de publicações mais relevantes sobre óxido nítrico inalatório, utilizando a base de dados Medline (últimos dez anos) e a base de dados Cochrane de revisões sistemáticas. SÍNTESE DOS DADOS: A revisão incluiu os seguintes tópicos: introdução; metabolismo e efeitos biológicos; aplicações clínicas; dose, administração e retirada do gás; precações e efeitos adversos e contra-indicações. Quanto às aplicações clínicas, foram descritos o uso de óxido nítrico em hipertensão pulmonar persistente e insuficiência respiratória de recém-nascidos, síndrome do desconforto respiratório agudo, hipertensão pulmonar primária, cirurgia cardíaca, doença pulmonar obstrutiva crônica, anemia falciforme e broncoespasmo. CONCLUSÕES: O óxido nítrico inalatório é um tratamento com amplas possibilidades de utilização em clínica pediátrica. Seu uso é seguro em ambiente de terapia intensiva sob monitorização rigorosa. Como vasodilatador pulmonar seletivo, o óxido nítrico tem efeitos benéficos sobre as trocas gasosas e ventilação. Estudos controlados que enfoquem a administração precoce do gás são necessários em muitas condições, principalmente na síndrome do desconforto respiratório agudo.<hr/>OBJECTIVE: To review the literature on inhaled nitric oxide and to describe its main clinical applications in pediatrics. SOURCES OF DATA: A 10 year literature review with selection of the most important publications on inhaled nitric oxide, using the Medline and Cochrane Systematic Review databases. SUMMARY OF THE FINDINGS: This review was organized as follows: introduction; metabolism and biological effects; clinical applications; dosage, gas administration and weaning; precautions and side-effects. Inhaled nitric oxide use was described in persistent pulmonary hypertension and hypoxia of the newborn, acute respiratory distress syndrome, primary pulmonary hypertension, heart surgery, chronic obstructive pulmonary disease, sickle cell anemia, and bronchospastic disease. CONCLUSIONS: Inhaled nitric oxide is a therapeutic approach with wide clinical applications in pediatrics. Its use is safe when administered in pediatric intensive care units under strict monitoring. As a pulmonary vasodilator, nitric oxide has beneficial effects on gas exchange and ventilation. Controlled trials, focusing on early gas administration should be performed under many clinical conditions, especially acute respiratory distress syndrome. <![CDATA[<B>Hypertonic solutions for pediatric patients</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-75572003000800008&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJETIVO: Descrever o conhecimento atual e as possíveis aplicações de solução hipertônica em pediatria. FONTES DOS DADOS: As referências foram obtidas através do banco de dados Medline, artigos de revisão recentes e através do arquivo pessoal. SÍNTESE DOS DADOS: Inicialmente, fizemos uma revisão dos princípios fisiológicos básicos dos fluidos com a distribuição destes nos três compartimentos: intravascular, intersticial e intracelular. Revisamos os achados a respeito dos mecanismos responsáveis pela ação rápida cardiocirculatória, o efeito adicional do componente colóide, descrevemos os termos médicos em relação à ressuscitação de pequenos volumes, as indicações para a sua aplicação, as evidências das pesquisas clínicas (choque hemorrágico, etapa pré-hospitalar do trauma, choque séptico, trauma de crânio), as desvantagens e os efeitos potenciais adversos da ressuscitação com pequenos volumes. CONCLUSÕES: A ressuscitação através de solução salina hipertônica, associada ou não a soluções colóides, envolve um dos conceitos mais inovadores da última década para a ressuscitação primária no paciente com trauma e choque. Atualmente, o espectro de indicações potenciais envolve não apenas a etapa pré-hospitalar no trauma, mas também o período perioperatório e a terapêutica na unidade de cuidados intensivos. Entretanto, tanto para o paciente pediátrico quanto para o paciente adulto, existe a necessidade de pesquisas clínicas randomizadas duplo-cegas adicionais para confirmar as vantagens promissoras em termos de sobrevida.<hr/>OBJECTIVE: To describe the current knowledge and indications for use of hypertonic saline solutions in pediatrics patients. SOURCE OF DATA: Medline recent review articles and personal files. SUMMARY OF THE FINDINGS: Basic physiologic principles were reviewed concerning the distribution of fluid inside the intravascular, interstitial and intracellular compartments. We also reviewed the findings concerning the mechanisms responsible for the rapid onset of cardiocirculatory effects and the additional effect of the colloid component. Finally, we present the medical terms used in the context of small-volume resuscitation, the indications for clinical use, the evidence from clinical research (hemorrhagic shock, preclinical trauma care, septic shock, and head trauma), and the disadvantages and potential adverse effects of small-volume resuscitation. CONCLUSIONS: Resuscitation by means of hypertonic saline solutions associated or not with colloid solutions is one of the most innovative concepts for primary resuscitation from trauma and shock established in the past decade. Currently, the spectrum of potential indications involves not only prehospital trauma care, but also perioperative and intensive care therapy. However, additional randomized double-blind studies are required with both children and adult patients to confirm the advantages of the method in terms of survival. <![CDATA[<B>Advances in sepsis diagnosis and treatment</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-75572003000800009&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJETIVO: Apresentar uma revisão crítica e atualizada sobre a sepse, principalmente os aspectos diagnósticos e terapêuticos. FONTES DOS DADOS: Pesquisa bibliográfica em periódicos indexados em base Medline, tanto de revisão como ensaios clínicos e pesquisa laboratorial. SÍNTESE DOS DADOS: A Conferência Internacional sobre Definição de Sepse ampliou a relação de possíveis sinais clínicos e laboratoriais de sepse, o que poderá permitir a suspeição e manejo iniciais mais eficazes. Na avaliação laboratorial, além da pesquisa do agente infectante, vários marcadores da resposta inflamatória tais como as citoquinas inflamatórias e a procalcitonina, têm sido identificados, mas ainda sem sensibilidade e especificidade suficientes para diagnóstico seguro. Quanto ao tratamento, as intervenções precoces sobre os distúrbios hemodinâmicos continuam sendo primordiais para o desfecho, assim como o uso racional de antimicrobianos. Terapias de remoção de toxinas e de aumento da resposta imune inata ainda não provaram definitivamente seu valor. O uso de bloqueadores da resposta inflamatória isolados, em qualquer fase do seu estágio, falhou em reduzir a mortalidade. O corticóide ressurge com resultados animadores, mesmo em pacientes sem insuficiência adrenal relacionada à sepse. A proteína C ativada (drotrecogina-alfa), em um grande estudo, mostrou redução de 6% de mortalidade em uma amostragem selecionada, oferecendo uma possibilidade de melhor prognóstico na sepse. CONCLUSÕES: Comparativamente aos avanços dos últimos anos, pouco se obteve com relação à diminuição de mortalidade por sepse, pela complexidade das relações patógeno-hospedeiro. A regulação individual de cada reação do hospedeiro não mostrou o efeito esperado. Algumas estratégias, já conhecidas, foram reafirmadas como benéficas, e outras, como o uso de corticóide e a proteína C ativada, estão surgindo como terapias promissoras. As pesquisas apontam para a combinação de terapias imunomoduladoras como a melhor alternativa para melhorar o desfecho na sepse.<hr/>OBJECTIVE: To present a critical and updated review about sepsis, focusing especially on diagnosis and treatment. SOURCE OF DATA: Literature review of Medline, including review articles, clinical trials and original research. SUMMARY OF THE FINDINGS: The International Sepsis Definitions Conference amplified the list of possible clinical and laboratory signs of sepsis, which may allow for more efficacious suspicion and management. In terms of laboratory evaluation, in addition to the research for infectious agents, many inflammatory response markers, such as inflammatory cytokines and procalcitonin, have been identified. However, they lack sensitivity and specificity for safe diagnosis. In terms of treatment, early intervention to prevent hemodynamic disturbances is still essential for a positive outcome, together with the appropriate use of antimicrobials. The value of treatments to remove toxins and to increase the innate immune response has not yet been established. The use of isolated inflammatory response blockers, at any stage of sepsis, does not decrease mortality. The use of corticosteroid makes a comeback with encouraging results, even in patients without sepsis-related adrenal insufficiency. A large study on activated protein C (drotrecogin-alpha) reports a 6% decrease in mortality in a selected sample, suggesting the possibility of a better prognosis for sepsis patients. CONCLUSIONS: In comparison to the advances of the past few years, little has been achieved in terms of decreasing sepsis-related mortality due to the complexity of the pathogen-host relationships. The individual regulation of host reactions did not have the expected effects. The benefits of some known strategies were confirmed. Other types of treatment, such as corticosteroids and activated protein C therapies, are emerging as promising alternatives. Research indicates that the combination of immune modulator therapies is probably the best choice to improve outcomes in sepsis. <![CDATA[<B>Exogenous surfactant therapy in pediatrics</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-75572003000800010&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJETIVO: Revisar o estágio atual do conhecimento sobre a utilização do surfactante exógeno nas diferentes doenças pulmonares que levam à insuficiência respiratória aguda em crianças. FONTES DOS DADOS: Este manuscrito baseia-se na experiência clínica dos autores sobre o assunto e na revisão da literatura recente através de consulta aos bancos de dados ONIA, Mdconsult, Medline e Cochrane Database Library. SÍNTESE DOS DADOS: Apesar do sucesso obtido com a utilização do surfactante exógeno na síndrome de desconforto respiratório do recém-nascido, questões permanecem indefinidas, como o momento do seu emprego, muito precoce (profilático), baseado na idade gestacional ou em testes rápidos de maturidade pulmonar, ou então mais tardiamente, após o quadro clínico instalado. Em outras patologias graves que levam à insuficiência respiratória grave com necessidade de suporte ventilatório, o seu uso ainda é controverso, e os dados da literatura são limitados e conflitantes. Porém, relatos de uso clínico em várias destas situações, com sucesso, têm sido freqüentes. A pesquisa em surfactante tem-se centrado ultimamente na sua inativação por várias substâncias que podem estar presentes na via aérea. Nas patologias em que a inativação parece ser um fator importante, novos surfactantes com adição de adjuvantes para reverter a tendência à inativação (por exemplo: polietilenoglicol) estão atualmente em fase de testes. CONCLUSÕES: A terapia com surfactante exógeno ainda não é um tema esgotado, nem mesmo na SDR. Os surfactantes podem ser ainda aperfeiçoados, sobretudo para resistir à inibição, e as formas de utilização em outras doenças que não a SDR deverão ser aperfeiçoadas.<hr/>OBJECTIVE: To review current knowledge about the use of exogenous surfactants in the treatment of different lung diseases causing acute respiratory failure in children. SOURCE OF DATA: This review is based on the authors' experience and on recent data retrieved from ONIA, Mdconsult, Medline and the Cochrane Database Library. SUMMARY OF THE FINDINGS: In spite of the success of the use of exogenous surfactants in Respiratory Distress Syndrome (RDS) of the newborn, some questions remain unanswered, such as the optimal administration timing - either very early (prophylactic), based on gestational age or on quick tests of lung maturity, or later, when the clinical picture becomes unequivocal. In other severe diseases requiring ventilatory support, the use of surfactants is still controversial, and data in the literature are limited and conflicting. However, successful use in several other diseases has been reported. Recent studies have focused on surfactant inactivation by substances that can be found in the airways. New surfactants with the addition of substances to control inhibition, such as polyethyleneglycol, are being tested for diseases in which inactivation seems to be a significant factor. CONCLUSIONS: Therapy with exogenous surfactants, even as a treatment for RDS, has not been thoroughly investigated. Further studies should be conducted to improve surfactants - mainly their resistance to inhibition - and the treatment of diseases other than RDS. <![CDATA[<B>Immediate post-operative care following cardiac surgery</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-75572003000800011&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJETIVO: Apresentar uma rotina de atendimento para crianças submetidas à cirurgia cardíaca. FONTES DOS DADOS: Realizada revisão bibliográfica através de bancos de dados (Medline, Mdconsult, PubMed), analisando as condutas sugeridas por diversos serviços fora do Brasil e comparando com a rotina de atendimento no Hospital Infantil Pequeno Príncipe, de Curitiba, onde foram realizadas cerca de 8.000 cirurgias cardíacas desde 1977 até abril de 2003. SÍNTESE DOS DADOS: O serviço citado é referência em cardiologia e cirurgia cardíaca no estado do Paraná e estados vizinhos. A evolução das condições de diagnóstico, preparo da equipe clínica e cirúrgica, unidade de terapia intensiva (UTI) melhor equipada com monitorização mais avançada, equipe da UTI com pessoal treinado em todas as áreas para fazer pós-operatório de cirurgia cardíaca, estrutura hospitalar adequada, oferecendo atendimento avançado em todas as especialidades pediátricas e paramédicas, fazem com que o resultado das intervenções cirúrgicas realizadas em crianças com cardiopatias congênitas ou adquiridas, principalmente nos recém-nascidos e lactentes jovens com cardiopatias complexas, apresente sensível melhora quando comparado com anos anteriores. CONCLUSÃO: As crianças com cardiopatias, principalmente as complexas, devem ser encaminhadas para um local que seja centro de referência, onde haja condições para um atendimento global no pré, per e pós-operatório.<hr/>OBJECTIVE: To present a care routine for children submitted to heart surgery. SOURCE OF DATA: Literature review of Medscape, MD Consult and PubMed. Analysis of the suggested conducts adopted by various services from different countries and comparison with the care routine at the Pequeno Príncipe Children's Hospital (Curitiba, state of Paraná), where approximately 8,000 heart surgeries were performed in children from 1977 to April 2003. SUMMARY OF THE FINDINGS: Our hospital is a reference center for Cardiology and Heart Surgery in the state of Paraná and neighboring states. The improvement of conditions for diagnosis, training of the clinical and surgical teams, better equipped ICU with more modern monitoring, training of ICU personnel from all areas to handle the post-operative requirements of patients submitted to heart surgery, an adequate hospital structure with advanced care in all pediatric and paramedic specialties have resulted in marked improvement in relation to previous years in terms of the results of surgical interventions in children with congenital or acquired heart disease, especially newborns and young babies with complex heart problems. CONCLUSION: Children with heart diseases, especially complex conditions, should be receive care at reference centers that can provide global care before, during and after the surgery. <![CDATA[<B>Analgesia and sedation in emergency situations and in the pediatric intensive care unit</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-75572003000800012&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJETIVO: Revisar as atuais estratégias de uso de analgésicos e sedativos em salas de emergência e em unidades de tratamento intensivo pediátrico. FONTES DOS DADOS: Revisão de bibliografia realizada na base de dados da Medline, além de capítulos de livros de terapia intensiva pediátrica e da experiência dos serviços dos autores. SÍNTESE DOS DADOS: Apesar de todos os avanços e pesquisas no campo da dor, o uso de sedativos e analgésicos em unidades intensivas pediátricas continua deficitário. A dor e o desconforto associados a situações de urgência, procedimentos invasivos e internações prolongadas ainda resultam em significativa morbidade aos pacientes pediátricos criticamente enfermos. A dificuldade de comunicação do paciente pediátrico com a equipe médica, a grande quantidade de procedimentos invasivos necessários à manutenção da vida, aliados à antiga premissa de que os mecanismos de dor não estão bem desenvolvidos nas crianças, fazem desse tema um desafio nas unidades de terapia intensiva pediátrica. Neste estudo, revisamos as drogas mais utilizadas no manejo da dor e sedação, apresentando novas opções terapêuticas mais largamente estudadas recentemente. CONCLUSÕES: Nos últimos dez anos, desenvolveu-se uma consciência mais crítica em relação à necessidade de promover um adequado alívio da dor e da ansiedade inerentes aos ambientes de emergência e de UTI, devendo ser esta uma prioridade no planejamento terapêutico de crianças extremamente doentes.<hr/>OBJECTIVE: To review the current strategies for use of sedatives and analgesics in emergency rooms and intensive care units. SOURCES OF DATA: Original data from our emergency rooms and intensive care units; Medline literature review focused on sedatives and analgesic drugs; textbooks. SUMMARY OF THE FINDINGS: Despite the advances in understanding pain in children, in many critical care units the misguided treatment of pain and anxiety still results in significant morbidity. Difficulties in communication, invasive procedures and the belief that children do not have sufficient neurologic development to process noxious sensations are still a challenge in intensive care units CONCLUSIONS: The last decade was marked by significant advances in understanding pediatric pain. Treating intensive care unit-related pain and anxiety has clear benefits which may influence the course of disease. <![CDATA[<B>Intensive care therapy for cancer patients</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-75572003000800013&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJETIVO: O artigo faz uma revisão dos principais aspectos da apresentação clínica e do tratamento da criança com câncer internada em unidade de terapia intensiva. FONTES DOS DADOS: Foi realizada revisão da literatura, utilizando banco de dados do Medline com os seguintes termos: criança, câncer, oncológico, terapia intensiva, complicações. Foram selecionados artigos de 1970 a 2003. Também foram utilizadas informações dos livros textos de referência em oncologia geral e pediátrica. SÍNTESE DOS DADOS: Quase todos os sistemas orgânicos podem ser afetados pela doença oncológica ou pelo tratamento utilizado. As principais complicações são infecciosas, hematológicas e distúrbios eletrolíticos/metabólicos. Os recursos da terapia intensiva podem ser necessários para correção das diversas funções orgânicas (cardiovascular, respiratório, renal, gastrintestinal e neurológico). O suporte nutricional, assim como o apoio emocional e o controle da dor são também fundamentais para a recuperação da criança. Os profissionais devem estar atentos para a possibilidade de interrupção da terapêutica empregada, quando o prognóstico estiver definido. CONCLUSÃO: Diversos estudos têm demonstrado que a utilização dos recursos da terapia intensiva na criança com câncer não são em vão, com diminuição da mortalidade e aumento da qualidade de vida a médio e longo prazo destes pacientes.<hr/>OBJECTIVES: To review the most important aspects of the clinical presentation and treatment of children with cancer in intensive care units. SOURCES OF DATA: Medline (1970 to 2003); search terms: children, cancer, oncology, intensive care, complications. General and pediatric oncology textbooks. SUMMARY OF THE FINDINGS: Practically all organs may be affected by cancer or by its treatment. The main complications include infections, hematological problems and electrolyte/ metabolic disturbances. Intensive care therapy is necessary to correct organic dysfunctions (cardiovascular, respiratory, renal, gastrointestinal, and neurologic). Nutritional and emotional support, as well as pain control are fundamental aspects for recovery in children. The intensivist should be alert to interrupt intensive care measures if required. CONCLUSION: Many studies show that the use of intensive care therapy in children with cancer is not futile, with a reduction in mortality and improvement in the quality of life of these children in the medium and long terms. <![CDATA[<B>A "good" death in a pediatric ICU</B>: <B>is it possible?</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-75572003000800014&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJETIVO: Dentro das modernas UTIPs (unidades de terapia intensiva pediátricas) existe um número elevado de casos em que a restrição ou a remoção de medidas de suporte de vida (MSV) é realizada com o objetivo de permitir a morte da criança, para a qual não há mais tratamento viável. Conseqüentemente, a medicina paliativa está tomando lugar de destaque dentro da UTIP. O objetivo desta revisão é oferecer ao intensivista maneiras de prover para seu paciente uma morte digna e mais humana, dentro deste contexto. FONTES DOS DADOS: Utilizando uma revisão sistemática no banco de dados Medline, com terminologia pertinente, uma seleção de artigos pertinentes são revisados, com ênfase no tema morte em UTIP. Conceitos de medicina paliativa aplicáveis neste ambiente são introduzidos. SÍNTESE DOS DADOS: A morte digna para uma criança em cuidado paliativo dentro da UTIP pode ser alcançada, se algumas medidas simples são observadas, tais como: oportunizar à família participação em todo o processo decisório num ambiente de abertura e honestidade mútua, abrir as portas da UTI para certos rituais que a família julgar importante, oferecer privacidade, controlar efetivamente a dor e sintomas de desconforto na hora da remoção ou restrição de MSV, e proceder com remoção de MSV na presença da família, se assim ela desejar. CONCLUSÃO: A morte de uma criança em UTIP, quando resulta de restrição ou remoção de suporte de vida, pode ser dignificada e humanizada, se princípios básicos de medicina paliativa e cuidados centrados na família são trazidos para dentro deste ambiente, notadamente caracterizado como de alta tecnologia e visto pelo público como desumano.<hr/>OBJECTIVES: In the modern pediatric intensive care unit (PICU) physicians are often faced with the need to interrupt life-sustaining treatment (LST) and to allow children to die when no further treatment options are available. Consequently, the importance of palliative care has been increasing in this context. The goal of this review is to provide intensivists with guidelines to allow PICU patients to have a more dignified and humane death. SOURCE OF DATA: Medline was searched using relevant key-words, emphasizing the topic of death in the PICU. The principles of palliative care medicine were then applied to this context. SUMMARY OF DATA: To ensure a dignified death for a child receiving palliative care in the PICU some important measures must be taken, such as: let the family participate in the decision-making process in an open and honest manner; allow family members to perform their religious rites and rituals; offer them moments of complete privacy; effectively manage pain and discomfort, especially at the time of removal of LST; and finally, let the family be present when LST is interrupted, if they so desire. CONCLUSION: A child's death following withdrawal of LST in the PICU can be humane and dignified if basic principles of palliative care are followed. This is especially important in an environment that is notorious for the use of complex technology and described by the general public as inhumane.