Scielo RSS <![CDATA[Jornal de Pediatria]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=0021-755720050002&lang=en vol. 81 num. 1 lang. en <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[<B>Advances in the management of the extreme preterm infant</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-75572005000200001&lng=en&nrm=iso&tlng=en <![CDATA[<B>Controversies about the resuscitation of extremely preterm infants in the delivery room</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-75572005000200002&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJETIVO: Relatar as principais controvérsias quanto aos procedimentos atualmente realizados na reanimação de recém-nascidos de extremo baixo peso na sala de parto. FONTES DOS DADOS: Revisão sistemática dos artigos incluídos em MEDLINE, SciELO e Cochrane Library e dos temas livres publicados em congressos internacionais e nacionais, utilizando-se as palavras-chave reanimação, asfixia e recém-nascido. SÍNTESE DOS DADOS: As principais controvérsias incluem aspectos relacionados à oxigenação e à ventilação do prematuro de extremo baixo peso ao nascimento. Os efeitos da administração de oxigênio em concentrações entre 21% e 100% precisam ser investigados. Os parâmetros adequados de pressão inspiratória, volume pulmonar e pressão expiratória final positiva necessitam ser estabelecidos com a finalidade de minimizar o barotrauma e o volutrauma. Os benefícios da aplicação da pressão positiva contínua de vias aéreas por via nasal também precisam ser bem determinados através de ensaios clínicos randomizados. Além disso, reanimadores manuais devem ser desenvolvidos para otimizar a administração desses parâmetros e minimizar a lesão pulmonar no início da vida extra-uterina. Estudos clínicos sobre a administração ao nascimento de adrenalina, expansores de volume e bicarbonato de sódio são inexistentes em prematuros de muito baixo peso. Adicionalmente, o principal dilema ético envolve a decisão conjunta entre os profissionais e os pais de não iniciar a reanimação na dependência da idade gestacional. CONCLUSÕES: A conduta atualmente vigente poderá ser modificada a partir dos resultados de ensaios clínicos randomizados e controlados, em conjunto com a avaliação do desenvolvimento, realizados em recém-nascidos de extremo baixo peso submetidos à reanimação na sala de parto.<hr/>OBJECTIVE: To describe the main controversies about resuscitation procedures performed in extremely low birth weight infants in the delivery room. SOURCES OF DATA: Systematic review including articles from MEDLINE, SciELO and Cochrane Library, and abstracts published in national and international proceedings, using the keywords resuscitation, asphyxia, and newborn infant. SUMMARY OF THE FINDINGS: The main controversies concern the oxygenation and ventilation of extremely low birth weight infants. The effects of oxygen concentrations between 21 and 100% need to be addressed. Appropriate inspiratory pressure, lung volume, and positive end-expiratory pressure parameters also need to be established in order to decrease barotrauma and volutrauma. The benefits of nasal continuous positive airway pressure may be determined through randomized clinical trials. On top of that, manual resuscitation devices have to be developed in order to optimize these ventilatory parameters and to reduce lung injury. So far, clinical trials on the administration of epinephrine, volume expanders, and sodium bicarbonate to extremely low birth weight infants have not been published. In addition, the main ethical dilemma concerns the decision of health professionals and parents not to initiate resuscitation procedures at very low gestational ages. CONCLUSIONS: In the future, guidelines may be modified based on the results of randomized and controlled clinical trials, as well as neurodevelopmental follow-up studies, involving extremely low birth weight infants submitted to resuscitation procedures in the delivery room. <![CDATA[<B>Advances in necrotizing enterocolitis</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-75572005000200003&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJETIVO: Avaliar relatos recentes sobre a enterocolite necrosante, com especial interesse na etiopatogenia, manejo e prevenção. FONTE DOS DADOS: Os artigos utilizados nessa revisão consistem em ensaios randomizados ou semi-randomizados, estudos de caso-controle, metanálises e artigos de revisão recentemente publicados. Alguns outros artigos foram selecionados devido à sua importância para o tema. RESULTADOS: A enterocolite necrosante é uma importante causa de morbimortalidade neonatal em prematuros. Entre esses, os nascidos com retardo de crescimento intra-uterino apresentam um risco mais elevado. O processo fisiopatológico inicia-se intra-útero e continua após o nascimento. Entre outros fatores envolvidos na fisiopatologia, estão a ação da arginina na produção do óxido nítrico intestinal e a ação do fator de crescimento epidérmico na regeneração celular. A perfuração intestinal ainda é um problema cirúrgico, e evidências melhores quanto à sua abordagem precisam ser avaliadas. Após a cirurgia, a extensão da alça intestinal remanescente, a preservação da válvula ileocecal, assim como a utilização precoce de leite materno ou solução de aminoácidos, são determinantes na duração da nutrição parenteral e no sucesso da readaptação intestinal. Estratégias preventivas estão centradas nas práticas alimentares e, recentemente, na suplementação de aminoácidos. CONCLUSÃO: Com um melhor entendimento do processo fisiopatológico, do manejo clínico e cirúrgico, assim como das medidas de prevenção, importantes resultados serão alcançados em termos de redução da morbimortalidade conseqüente à enterocolite necrosante.<hr/>OBJECTIVE: To evaluate recently reported findings on necrotizing enterocolitis, Paying particular attention to pathogenesis, management and preventative strategies. DATA SOURCES: The articles covered in this report consist of randomized and quasi-randomized trials, case control studies, meta-analyses and reviews published recently. Certain other articles were also included because of their utmost importance to the subject. RESULTS: Necrotizing enterocolitis remains a major cause of morbidity and mortality in preterm infants. Those who are born with intra-uterine-growth retardation are at a several-fold increased risk. Possible pathophysiologic processes beginning in utero and continuing after birth are discussed in this review. Other factors involved in the process are related to the role of arginine and the production of intestinal nitric oxide and the action of epidermal growth factor in the regulation of cell regeneration. Perforated necrotizing enterocolitis is a complex surgical problem; definitive evidence-based guidelines for the best approach are yet to be determined. After surgery, although residual small bowel length and the presence of the ileo-cecal valve remain important predictors of duration of parenteral nutrition in infants, other factors, such as the early use of breast milk or amino acid-based formula, may also play a role in intestinal re-adaptation. Prevention strategies have centered on feeding practices and emerging experiments such as amino acid supplementation, are also discussed. CONCLUSION: Significant results in terms of mortality and morbidity will be achieved through better understanding of necrotizing enterocolitis pathogenesis and clinical and surgical management in addition to the employment of preventative strategies. <![CDATA[<B>Ischemic brain damage in very low birth weight preterm newborn infants</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-75572005000200004&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJETIVO: Apresentar uma revisão crítica e atualizada sobre as lesões cerebrais isquêmicas no recém-nascido pré-termo de muito baixo peso. FONTES DE DADOS: As referências foram obtidas através do banco de dados MEDLINE, sendo selecionadas as mais representativas a critério dos autores. SÍNTESE DOS DADOS: A hemorragia com evolução para lesão isquêmica cerebral, a leucomalácia periventricular cística e a lesão difusa da substância branca cerebral são as lesões isquêmicas mais freqüentes em recém-nascidos pré-termo de muito baixo peso. Todas são doenças de causas multifatoriais, em que podem estar envolvidos fatores vasculares, hemodinâmicos, inflamatórios e infecciosos. São doenças que podem causar seqüelas neuropsicomotoras importantes e levar à paralisia cerebral e/ou déficit cognitivo e comportamental. CONCLUSÕES: O diagnóstico precoce e uma estratégia terapêutica adequada podem minimizar as seqüelas causadas por essas doenças. A prevenção da prematuridade é a principal medida preventiva a ser tomada.<hr/>OBJECTIVE: To present a critical and up-to-date review of ischemic brain damage in premature, very low birth weight infants. SOURCES OF DATA: Articles were obtained by means of a search of the MEDLINE database, with those considered most representative by the authors being selected. SUMMARY OF THE FINDINGS: The most frequent ischemic injuries among preterm, very low birth weight neonates are hemorrhage progressing to with ischemic brain damage, cystic periventricular leukomalacia and diffuse lesions of the cerebral white matter. All of these conditions have multiple causative factors, which may include vascular, hemodynamic, inflammatory and infectious factors. These are disorders that can cause significant neuropsychomotor sequelae and lead to cerebral palsy and/or cognitive and behavioral deficits. CONCLUSIONS: Early diagnosis and adequate management of the patient can minimize long-term problems caused by cerebral ischemic injuries. Prevention of premature labor and delivery is the most important prophylactic measure. <![CDATA[<B>Nutritional dilemmas in extremely low birth weight infants and their effects on childhood, adolescence and adulthood</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-75572005000200005&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJETIVO: Rever a literatura atual sobre a alimentação do recém-nascido pré-termo extremo, enfocando os principais dilemas nutricionais e repercussões na infância, adolescência e vida adulta. FONTE DOS DADOS: Foi realizada revisão bibliográfica utilizando os bancos de dados MEDLINE, Cochrane Database of Systematic Reviews e Best Evidence. SÍNTESE DOS DADOS: Cada vez mais fica evidente que as práticas alimentares estabelecidas com os pré-termo podem afetar não só o desenvolvimento imediato, mas também sua evolução a longo prazo. A nutrição neste período pode determinar se o adulto será mais ou menos saudável. Existe um longo caminho de aprendizado sobre a segurança e eficácia dos nutrientes administrados para os pré-termo; sobre as técnicas para avaliar as diferentes estratégias alimentares; e sobre os efeitos a longo prazo destes regimes no desenvolvimento, crescimento e aparecimento de doenças. CONCLUSÃO: Apesar dos grandes avanços na área, ainda são necessários estudos básicos e clínicos para aprofundar a compreensão das necessidades nutricionais do recém-nascido pré-termo e a forma mais adequada de supri-las, evitando-se conseqüências indesejáveis a longo prazo.<hr/>OBJECTIVE: To review the recent medical literature on nutrition of extremely low birth weight infants, focusing on nutritional disorders and their effects on childhood, adolescence and adulthood. SOURCES OF DATA: An extensive review of the related literature was performed using MEDLINE, the Cochrane Database of Systematic Reviews and the Best Evidence database. SUMMARY OF THE FINDINGS: There is a growing body of evidence that early nutritional practices may affect short-term growth and development outcome. In addition, these practices may play a role in determining adult health and disease. There is still much to be learned about safe and efficacious nutrient administration in preterm infants; about techniques to assess the effect of different nutritional strategies; and about the long-term effects of these regimens on development outcome, growth and disease. CONCLUSION: Despite recent progress in neonatal nutrition, there is a lack of basic and clinical research to better define the nutritional requirements of preterm infants and the best way to meet these requirements, avoiding long-term undesirable consequences. <![CDATA[<B>Minerals in the nutrition of extremely low birth weight infants</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-75572005000200006&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJETIVO: Revisão crítica da literatura sobre os minerais cálcio, fósforo e microelementos na nutrição do pré-termo extremo, considerando a importância no crescimento, mineralização óssea e como componente de dietas. FONTES DOS DADOS: Utilizamos o banco de dados MEDLINE e o Cochrane Database of Systematic Reviews, de 1994 a 2004. Selecionamos artigos com enfoques originais, artigos de revisão e livros específicos. SÍNTESE DOS DADOS: As dificuldades na nutrição de prematuros extremos aumentam a freqüência de prematuros com restrição de crescimento, cujas conseqüências futuras estão para serem determinadas. Todavia, há pouca literatura sobre minerais, especialmente sobre micronutrientes na nutrição do pré-termo extremo, considerando-se o deficiente armazenamento e a importância destes em nutrição. O principal enfoque desta revisão foi sobre o cálcio e o fósforo na mineralização óssea e na suplementação em nutrição parenteral e enteral, bem como a avaliação crítica da nutrição pós-alta sobre a mineralização óssea. São abordadas as necessidades de micronutrientes, principalmente selênio e zinco, e a função antioxidante do selênio na provável prevenção de doenças do prematuro com atuação de radicais livres. CONCLUSÃO: Considerando os baixos estoques de minerais em prematuros extremos, há necessidade de mais pesquisas sobre minerais na nutrição destes prematuros para definir suas reais necessidades, os aspectos metabólicos, bem como aplicar os conhecimentos na formulação de dietas que permitam prevenir quadros de deficiência e conseqüências a longo prazo. Ainda há controvérsias sobre a influência de fórmulas pós-alta sobre a evolução da doença óssea da prematuridade.<hr/>OBJECTIVE: To review the literature on the role of calcium, phosphorus and trace elements in the nutrition of extremely low birth weight infants, considering their importance for metabolism, bone mineralization and as dietary components. SOURCES OF DATA: MEDLINE, the Cochrane Database of Systematic Reviews and books on nutrition were searched between 1994 and 2004. Original research studies and reviews were selected. SUMMARY OF THE FINDINGS: Extremely preterm infants are frequently growth-restricted at hospital discharge as a consequence of difficulties in the provision of adequate nutrition. The long-term effects of this growth restriction need to be determined. There is a paucity of studies about the role of minerals, especially micronutrients, in the nutrition of extremely preterm infants. The principal focus of this review was on calcium and phosphorus metabolism, bone mineralization and parenteral and enteral supplementation. A critical evaluation of post-discharge nutrition and its influence upon growth and bone mineralization was presented. Selenium and zinc requirements and the role of selenium as an antioxidant with possible effects on free radical diseases of the preterm infant were discussed. Extremely preterm infants have low mineral reserves and, as a consequence, may have deficiencies in the postnatal period if they do not receive parenteral or enteral supplementation. More studies are needed to elucidate the actual requirements and the appropriate supplementation of micronutrients. There are controversies about the outcome and the influence of post-discharge nutrition on bone disease of prematurity. <![CDATA[<B>Controversies about the management of invasive fungal infections in very low birth weight infants</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-75572005000200007&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJETIVO: Rever as mais recentes publicações sobre infecção fúngica no recém-nascido de muito baixo peso ao nascer, com objetivo de fornecer aos profissionais de saúde atualização sobre um crescente problema nas unidades neonatais. A revisão se dirige especificamente às questões relacionadas a incidência, manuseio clínico, tratamento e profilaxia. FONTES DE DADOS: Artigos originais e de revisão, publicados nos últimos 15 anos no MEDLINE e Lilacs, foram identificados usando como palavras-chave: recém-nascido, prematuro, baixo peso ao nascer, infecção fúngica, sepse, cândida, anfotericina e fluconazol. SÍNTESE DOS DADOS: A incidência de sepse fúngica vem aumentando nas unidades de terapia intensiva neonatal. Embora novas drogas venham se tornando disponíveis (echinocandinas), a anfotericina B continua sendo a droga de escolha para o tratamento inicial. Atualmente, existem quatro classes de drogas disponíveis para o tratamento: os polienos macrolídeos (anfotericina B e formulações lipídicas), os azoles (fluconazol e voriconazol), as pirimidinas fluorinadas (flucitosina) e as echinocandinas (micafungin e caspofungin). Duas drogas vêm sendo descritas na prevenção da doença invasiva: nistatina e fluconazol. Fluconazol é a droga sobre a qual mais se conhece da farmacocinética no período neonatal, e a sua administração profilática em recém-nascidos com menos de 1.000 g por 6 semanas está associada a menor incidência de infecção fúngica. CONCLUSÕES: Um melhor entendimento sobre a incidência da sepse fúngica, diagnóstico, manuseio clínico, tratamento e profilaxia é uma importante arma na morbidade e mortalidade. A identificação de recém-nascidos prematuros de alto risco para o desenvolvimento da doença e a instituição de medidas profiláticas e tratamento precoce podem diminuir a morbimortalidade.<hr/>OBJECTIVE: This review encompasses the most recent publications about fungal infection in very low birth weight infants, keeping health professionals updated about this growing problem observed in neonatal units. SOURCES OF DATA: Original and review articles published over the past 15 years were searched in MEDLINE and Lilacs, using the following keywords: preterm infant, very low birth weight infants, sepsis, fungal infection, antifungal, Candida, amphotericin and fluconazole. SUMMARY OF THE FINDINGS: Invasive fungal infections affect especially preterm infants. Although new drugs (echinocandins) to treat fungal infection are available, amphotericin is the most widely used drug for the treatment of systemic candidiasis at this stage of life. Currently, there are four types of antifungal agents used in the treatment of fungal infections in neonates: polyene macrolides (amphotericin B deoxycholate and lipid preparations), azoles (triazoles), fluorinated pyrimidines (flucytosine) and echinocandins (caspofungin and micafungin). Two drugs capable of preventing invasive fungal infection are described: nystatin and fluconazole. The pharmacokinetics of fluconazole in the neonatal period is widely known and its prophylactic administration during the first six weeks of life has been associated with less invasive fungal infection in infants weighing less than 1,000 g at birth. CONCLUSIONS: Fungal infections constitute an important problem in the neonatal intensive care unit and a better understanding of the incidence, diagnosis, clinical management, treatment, and prophylaxis is important in order to reduce morbidity and mortality. The identification of high-risk preterm infants and the implementation of prophylactic measures and early treatment may improve the outcome of these patients. <![CDATA[<B>Immunological peculiarities of extremely preterm infants</B>: <B>a challenge for the prevention of nosocomial sepsis</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-75572005000200008&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJETIVO: Realizar revisão sobre os principais aspectos do desenvolvimento imunológico fetal, salientando a defesa de prematuros extremos contra patógenos bacterianos e descrevendo a situação atual de intervenções imunoterapêuticas para a prevenção de sepse hospitalar. FONTES DOS DADOS: Obtiveram-se, por meio de busca eletrônica, no banco de dados MEDLINE, artigos publicados nos últimos 15 anos referentes ao tema, e foram selecionados aqueles que trouxessem informações relevantes. SÍNTESE DOS DADOS: A imunidade de prematuros extremos é deficiente devido à fragilidade da pele, à carência dos produtos de ativação do sistema complemento, ao menor pool de reserva de precursores de neutrófilos na medula óssea e à quimiotaxia, aderência, deformabilidade e atividade enzimática neutrofílicas reduzidas. Limitações adicionais são detectadas na citotoxicidade de células NK, na proliferação e produção de citocinas dos linfócitos T, na cooperação entre células T e B e na síntese de anticorpos pelos linfócitos B. Ainda não foram demonstrados benefícios definitivos de intervenções para incremento da função imunológica dessas crianças, tais como o uso de imunoglobulinas endovenosas e de fatores estimuladores de colônias mielóides. CONCLUSÃO: Em conseqüência à imaturidade de diversos componentes da imunidade, prematuros extremos são altamente suscetíveis a infecções nosocomiais. As possibilidades ainda muito limitadas para a intervenção nesse sistema fazem com que o controle dos fatores extrínsecos sejam essenciais para a prevenção da sepse nosocomial nessas crianças.<hr/>OBJECTIVE: To review the main aspects of fetal immune development focusing on the host defenses of extremely preterm infants against bacterial pathogens, and describing the possibilities of immunotherapeutic intervention for the prevention of neonatal nosocomial sepsis. SOURCES OF DATA: Electronic search of MEDLINE database for articles published in the last 15 years. Those with relevant information regarding the target issue were selected. SUMMARY OF THE FINDINGS: Immunity of extremely preterm infants is deficient due to skin fragility, insufficient complement system components, decreased bone marrow neutrophil storage pool, and lower chemotaxis, adherence, deformability, and neutrophil enzyme activities. Further limitations are found at NK cell-mediated cytotoxicity, T cell proliferation and cytokine production, B and T cell cooperation, and antibody synthesis by B lymphocytes. No definitive benefits of interventions for enhancing the immune function, such as the use of intravenous immunoglobulin or myeloid colony-stimulating factors, have been demonstrated. CONCLUSION: As a consequence of the immaturity of several immune components, extremely preterm infants are highly susceptible to nosocomial infections. The very limited possibilities for intervention in this system require the control of extrinsic factors for the prevention of nosocomial sepsis in these infants. <![CDATA[<B>Strategies to minimize lung injury in extremely low birth weight infants</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-75572005000200009&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJETIVO: Apresentar uma revisão das principais causas da nova displasia broncopulmonar e as estratégias utilizadas para diminuir sua incidência nos prematuros extremos. FONTES DOS DADOS: Para essa revisão, pesquisas foram feitas na MEDLINE (1996 a outubro de 2004), no Cochrane Database, em resumos da Society for Pediatric Research e recentes conferências sobre o tema. SÍNTESE DOS DADOS: A tecnologia e os novos conhecimentos científicos têm aumentado significantemente a sobrevida de prematuros extremos. Esse aumento da sobrevida resultou em aumento da incidência de displasia broncopulmonar. Atualmente, a displasia broncopulmonar é mais freqüentemente observada em recém-nascidos < 1.200 g. As características da displasia broncopulmonar nesses prematuros extremos, atualmente chamada de "nova" displasia broncopulmonar, são bastante diferentes da clássica descrita por Northway. A nova displasia broncopulmonar tem etiologia multifatorial, como volutrauma, atelectrauma, toxicidade ao oxigênio e reação inflamatória. Terapias como corticosteróide pré-natal, surfactante exógeno, pressão aérea positiva contínua nasal, novos tipos de ventilação mecânica e uma ventilação mais gentil têm sido usadas para tentar diminuir a gravidade da lesão pulmonar. CONCLUSÕES: Para prevenir a lesão pulmonar em prematuros extremos, é necessário minimizar os vários fatores que desencadeiam a displasia broncopulmonar e utilizar estratégias terapêuticas menos agressivas. O melhor conhecimento desses fatores de risco da displasia broncopulmonar poderá gerar novas terapêuticas, que, conjuntamente com o tratamento utilizado atualmente para minimizar a lesão pulmonar, serão fundamentais para uma melhor evolução clínica desses prematuros extremos.<hr/>OBJECTIVE: To review the main causes of new bronchopulmonary dysplasia and the strategies utilized to decrease its incidence in extremely low birth weight infants. DATA SOURCES: For this review a MEDLINE search from 1966 to October 2004, the Cochrane Database, abstracts from the Society for Pediatric Research and recent meetings on the topic were used. SUMMARY OF FINDINGS: The survival of extremely low birth weight infants has increased significantly due to improvement in both scientific knowledge and technology. This improvement in survival has therefore resulted in an increased incidence of bronchopulmonary dysplasia. The characteristics of bronchopulmonary dysplasia in extremely low birth weight infants, the so called "new" bronchopulmonary dysplasia are quite different from the classic bronchopulmonary dysplasia described by Northway. This new bronchopulmonary dysplasia has a multifactorial etiology, which includes volutrauma, atelectrauma, oxygen toxicity and lung inflammation. Therapy such as prenatal corticosteroids, exogenous surfactant, nasal continuous positive airway pressure, new mechanical ventilation modalities and gentle ventilation have been used in attempts to decrease lung injury severity. CONCLUSIONS: In order to prevent lung injury in extremely low birth weight infants, it is necessary to minimize several factors that induce bronchopulmonary dysplasia and to utilize less aggressive therapeutic strategies. In addition to the current therapy used to decrease lung injury, knowledge of these causative factors may create new therapies that may be fundamental in improving the clinical outcomes of premature infants. <![CDATA[<B>Pulmonary prognosis in preterm infants</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-75572005000200010&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJETIVO: O aumento da sobrevida de prematuros traz o desafio de lidar com um amplo espectro de doenças pulmonares crônicas, incluindo displasia broncopulmonar, síndrome de Wilson-Mikity e sibilância recorrente. Este artigo discute o prognóstico pulmonar clínico e funcional de prematuros na infância e na adolescência. FONTE DE DADOS: Foi realizada pesquisa no MEDLINE de publicações entre 1970 e 2004 que abordassem função e crescimento pulmonar de prematuros, bem como a evolução clínica dos mesmos. SÍNTESE DOS DADOS: Eventos pré e pós-natais como insuficiência placentária, tabagismo, infecções, oxigênio e ventilação mecânica exercem efeitos importantes no desenvolvimento pulmonar, podendo conduzir a doenças pulmonares crônicas, sendo a displasia broncopulmonar a complicação clínica mais severa. No entanto, perdas significativas de função pulmonar também podem ocorrer em prematuros sem critérios de displasia broncopulmonar e que não apresentaram doença respiratória neonatal significativa. Nestes pacientes, o impacto da prematuridade sobre o sistema respiratório é freqüentemente subestimado. Clinicamente, observa-se incidência aumentada de pneumonias e bronquiolites, re-hospitalizações por doenças respiratórias, tosse e sibilância crônicas e hiper-reatividade brônquica. Posteriormente, percebe-se uma tendência à normalização da função pulmonar, mas persistem fluxos reduzidos, menor tolerância a exercícios e hiper-reatividade brônquica. CONCLUSÕES: A prematuridade, os eventos que a provocam e as intervenções que dela decorrem alteram de maneira permanente, em maior ou menor grau, o desenvolvimento do sistema respiratório. São necessários estudos adicionais para esclarecer o efeito de cada um desses insultos perinatais no desenvolvimento do sistema respiratório.<hr/>OBJECTIVE: The increased survival of preterm infants poses the challenge of dealing with a wide range of chronic pulmonary diseases, including bronchopulmonary dysplasia, Wilson-Mikity syndrome and recurrent wheezing. This article reviews the pulmonary clinical and functional prognosis of preterm newborns in infancy and adolescence. SOURCE OF DATA: MEDLINE search for articles published between 1970 and 2004 that focused on lung growth and function of preterm infants, besides a clinical follow-up of this group. SUMMARY OF THE FINDINGS: Prenatal and postnatal events, such as placental insufficiency, tobacco exposure, infections, oxygen and mechanical ventilation, have an important effect on lung development and can lead to chronic lung diseases, of which bronchopulmonary dysplasia is the most severe complication. However, significant loss of lung function occurs in preterm infants who do not fulfill the criteria for bronchopulmonary dysplasia, and even in those who did not have significant respiratory disease during the neonatal period. The impact of prematurity on the respiratory system of these patients is usually underestimated. Clinically, preterm infants have an increased incidence of pneumonia and bronchiolitis, hospital readmissions due to respiratory diseases, chronic cough and wheezing and bronchial hyperresponsiveness. In adolescence, there is a tendency for normalization of the lung function, but they persist with reduced flows, lower exercise tolerance and bronchial hyperresponsiveness. CONCLUSION: Prematurity, the events that cause it and the interventions that follow it permanently change the development of the respiratory system. Studies are necessary to clarify the effect of each of these perinatal insults on the development of the respiratory system. <![CDATA[<B>Active and passive immunization in the extremely preterm infant</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-75572005000200011&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJETIVO: Revisão sobre a indicação, contra-indicação, época ideal, eficácia imunogênica e reatogenicidade (eventos adversos) das imunizações passiva e ativa nos RN pré-termo extremos. FONTE DOS DADOS: Pesquisa em livros-textos clássicos de infectologia pediátrica e nas bases de dados eletrônicas MEDLINE, Lilacs, PubMed e Akwanmed, utilizando os seguintes descritores de ciências da saúde: prematuro, recém-nascido de muito baixo peso, imunização, imunização ativa, imunização passiva, vacinas, imunoglobulina. SÍNTESE DOS DADOS: A imunização do recém-nascido pré-termo extremo ou de muito baixo peso ao nascer é um grande desafio para o pediatra, por não haver conhecimento suficiente da eficácia da resposta imunitária e das reações indesejáveis. Talvez, por isto, seja comum encontrar estas crianças com o seu esquema de imunizações incompleto ou atrasado. No entanto, apesar da escassez de publicações sobre o tema, em princípio, a idade gestacional e o baixo peso ao nascer não devem ser considerados fatores limitantes para que um recém-nascido prematuro clinicamente estável seja imunizado na mesma idade cronológica indicada para as crianças nascidas a termo. CONCLUSÃO: Não é possível, baseado em evidências, apresentar uma conduta inquestionável para a aplicação de vacinas e imunoglobulinas em recém-nascidos prematuros extremos ou de muito baixo peso. A tendência é - com raras exceções, como, por exemplo, a vacina BCG - manter o mesmo esquema de imunização ativa do recém-nascido a termo, independentemente do peso ao nascer ou da idade gestacional. A imunização passiva merece especial atenção, tendo indicações mais liberais neste grupo de recém-nascidos.<hr/>OBJECTIVE: A review of the indications, contraindications, ideal timing, immunogenic efficacy and reactogenicity (adverse events) of active and passive immunization for extremely preterm infants. SOURCES OF DATA: Research in classic textbooks on pediatric infectology and in the electronic databases MEDLINE, Lilacs, PubMed and Akwanmed, using the following health sciences descriptors: premature, very low weight newborn, immunization, active immunization, passive immunization, vaccines, immunoglobulin. SUMMARY OF THE FINDINGS: The immunization of extremely premature very low birth weight infants is a huge challenge for pediatricians because there is insufficient knowledge about the efficacy of immune responses and undesirable reactions. Possibly for this reason, it is common that such children are found to be behind schedule with their immunizations or to have been incompletely immunized. Notwithstanding the scarcity of publications on the theme, in principal young gestational age and low birth weight should not be considered limiting factors to clinically stable premature newborns being immunized at the same chronological age indicated for full term children. CONCLUSIONS: Based on the available evidence it not possible to propose vaccine and immunoglobulin administration practice for extremely premature or very low weight newborn babies that is definitive. With rare exceptions however, such as the BCG vaccine, the tendency is to maintain the same active immunization program as for babies born full term, irrespective of weight or gestational age at birth. Passive immunization merits special attention, having more liberal indications in this group of newborn babies. <![CDATA[<B>Frequent ophthalmologic problems and visual development of preterm newborn infants</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-75572005000200012&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJETIVO: Revisar conceitos do desenvolvimento visual e principais alterações oculares do recém-nascido prematuro. Salientar a importância do exame oftalmológico preventivo e tratamento precoce das doenças oculares. FONTE DOS DADOS: Dados de literatura. SÍNTESE DE DADOS: A visão é um dos mais importantes sentidos no desenvolvimento físico e cognitivo normal da criança. Em recém-nascido prematuro, as funções visual, motora e cognitiva, quando comparadas às de crianças de termo em idade escolar, são prejudicadas. Isto se deve mais à imaturidade do sistema nervoso central do que a lesões localizadas em estruturas oculares e/ou corticais. A retinopatia da prematuridade, o estrabismo e os erros de refração são as principais alterações oftálmicas secundárias à prematuridade descritas na literatura. A retinopatia da prematuridade é uma das principais causas de cegueira prevenível na infância. Calcula-se que, em média, 562 crianças fiquem cegas por ano no Brasil, um custo socioeconômico alto, principalmente por se tratar de uma doença passível de tratamento. Muito pode ser feito pela criança com deficiência visual; programas de estimulação visual precoce permitem que a criança possa ter uma integração maior com seu meio. CONCLUSÕES: Recomenda-se que todo recém-nascido prematuro com p < 1.500g e/ou idade gestacional < 32 semanas deva ser avaliado até a completa vascularização da retina, sendo o primeiro exame realizado entre a quarta e a sexta semana de vida. Recomendamos o segmento ambulatorial de todo recém-nascido prematuro, mesmo os que não desenvolveram retinopatia da prematuridade, semestralmente até os 2 anos e, a seguir, anualmente, com a finalidade de prevenir a ambliopia.<hr/>OBJECTIVES: To review the concepts of visual development and the major ocular abnormalities in preterm newborns. To emphasize the importance of preventive ophthalmologic examination and early treatment of ocular disorders. SOURCES OF DATA: A review of published data. SUMMARY OF FINDINGS: Vision is one of the most important senses in the normal physical and cognitive development of children. Schoolchildren who were born preterm have impaired visual, motor and cognitive functions when compared to those of children born full term. This is more a consequence of central nervous system immaturity than of localized injuries to ocular and/ or cortical structures. The literature pinpoints retinopathy of prematurity, strabismus and refractive errors as the main ophthalmologic alterations resulting from prematurity. Retinopathy of prematurity is one of the main causes of preventable blindness in childhood. It is estimated that on average 562 children become blind each year in Brazil, which is a very high socioeconomic cost to result from a treatable disease. Children with visual deficiencies may be helped by programs of early visual stimulation in order to promote their environmental integration. CONCLUSIONS: The recommendation is that every preterm newborn weighing less than 1,500 g and/or with a gestational age of less than 32 weeks should be monitored until complete retinal vascularization and that the first examination should be performed between the fourth and sixth weeks of life. We recommend ophthalmologic outpatients follow-up of all preterm newborns until two years of life with examinations twice yearly, and then, annually, in order to prevent amblyopia. <![CDATA[<B>Growth and developmental outcomes of the extremely preterm infant</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-75572005000200013&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJETIVO: Fornecer informações para pediatras e neonatologistas quanto à expectativa real da evolução destas crianças e, assim, auxiliar no planejamento de sua atuação. FONTES DOS DADOS: Pesquisa bibliográfica nas bases de dados da Cochrane Library, MEDLINE e Lilacs. SÍNTESE DOS DADOS: Para avaliação do crescimento e desenvolvimento nos primeiros 2-3 anos, deve-se corrigir a idade cronológica em função do grau de prematuridade. Prematuros pequenos para a idade gestacional e os com displasia broncopulmonar despertam maior preocupação quanto a seu prognóstico. Especial atenção deve ser dada à adequação da nutrição do prematuro de extremo baixo peso nos primeiros anos; estes prematuros geralmente evoluem com falha no catch-up, elevada morbidade e necessidade de reinternação nos primeiros 2 anos de vida. São crianças menores e mais leves no início da infância, mas podem apresentar catch-up tardio, entre 8-14 anos. Crianças nascidas de extremo baixo peso são de alto risco para anormalidades neurológicas e atraso no desenvolvimento nos primeiros anos de vida. Na idade escolar, são freqüentes os problemas educacionais, comportamentais e psicológicos. Adolescentes e adultos nascidos de extremo baixo peso ainda persistem com alguma diferença em seu desempenho, mas sua integração social não é prejudicada. CONCLUSÕES: O crescimento e desenvolvimento de todos os prematuros de extremo baixo peso devem ser cuidadosamente monitorizados após a alta hospitalar, para garantir que estas crianças e suas famílias recebam adequado suporte e intervenção, a fim de otimizar seu prognóstico.<hr/>OBJETIVE: To provide information for pediatricians and neonatologists to create realistic outcome expectations and thus help plan their actions. DATA SOURCES: Searches were made of the Cochrane Library, MEDLINE, and Lilacs databases. SUMMARY OF FINDINGS: The assessment of growth and development over the first 2-3 years must adjust chronological age with respect of the degree of prematurity. There is special concern regarding the prognoses of small for gestational age preterm infants, and for those with bronchopulmonary dysplasia. Attention must be directed towards improving the nutrition of extremely low birth weight infants during their first years of life; these infants have high prevalence levels of failure to catch-up on growth, diseases and rehospitalizations during their first 2 years. They are frequently underweight and shorter than expected during early childhood, but delayed catch-up growth may occur between 8 and 14 years. Extremely low birth weight infants are at increased risk of neurological abnormalities and developmental delays during their first years of life. Educational, psychological, and behavioral problems are frequent during school years. Teenage and adult outcomes show that although some performance differences persist, social integration is not impaired. CONCLUSIONS: The growth and neurodevelopment of all ELBW infants must be carefully monitored after discharge, to ensure that children and their families receive adequate support and intervention to optimize prognoses. <![CDATA[<B>Mortality of very low birth weight preterm infants in Brazil</B>: <B>reality and challenges</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-75572005000200014&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJETIVO: Este trabalho apresenta uma revisão da literatura sobre os indicadores epidemiológicos e a estrutura organizacional da assistência perinatal no sistema de saúde brasileiro, enfatizando os aspectos ligados aos neonatos com peso ao nascer < 1.500 g (muito baixo peso ao nascer). FONTES DE DADOS: Foram pesquisadas as bases de dados MEDLINE, Lilacs e SciELO no período 1990-2004, buscando artigos sobre indicadores de morbimortalidade neonatal. Utilizamos ainda documentos do Ministério da Saúde e informações das bases de dados vitais do Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM) e do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (SINASC). SÍNTESE DOS DADOS: A partir da década de 90, a maior visibilidade dos óbitos em recém-nascidos e os alarmantes índices de mortalidade materna foram responsáveis pela inclusão das estratégias de organização da atenção à gestante e ao recém-nascido na agenda de prioridades das políticas de saúde. Entretanto, a análise da atenção ao prematuro em nosso meio revela a persistência da falta de uniformidade na cobertura e confiabilidade dos registros sobre nascimentos, óbitos e utilização de serviços. Encontramos ainda dificuldades de acesso em função da oferta insuficiente de serviços, especialmente os de maior complexidade, e desafios importantes para superar situações de insuficiência quantitativa e qualitativa de recursos humanos. CONCLUSÕES: A redução da morbimortalidade entre os prematuros exige atuação mais efetiva e abrangente na perspectiva perinatal, incluindo o compromisso com a atenção interdisciplinar após a alta. A ampliação de leitos de terapia intensiva neonatal deve visar a constituição de centros perinatais plenos, evitando tanto a superlotação nas unidades de terapia intensiva neonatal quanto a pulverização dos recursos em unidades não resolutivas. A integração dos serviços, a implantação de sistema de monitoramento e a avaliação das práticas assistenciais devem ser igualmente priorizadas.<hr/>OBJECTIVE: The objective of this article is to review and discuss the medical literature on epidemiological indicators and organizational structure of the Brazilian perinatal health system concerning the care of very low birth weight premature infants (< 1,500 g). DATA SOURCES: Electronic search of the MEDLINE, Lilacs and SciELO databases from 1990 to 2004, with a selection made of the most relevant articles. Documents and reports from the Ministry of Health (Mortality Information System - SIM and Live Births Information System - SINASC). SUMMARY OF FINDINGS: The decrease in infant mortality rates and the high incidence of maternal deaths, observed since 1990, prompted de Brazilian government to focus its strategies on the organization and delivery of care to pregnant women and their newborn infants. However, a critical analysis of the actions aimed at the care of premature infants reveals that the coverage and utilization of these services are not uniform and that the records on birth and death rates are not reliable. The availability of neonatal beds is very limited and does not meet the demand, especially for those requiring high levels of complexity. Important challenges must be overcome to adequately deal with the incorporation of inappropriate technology, the limited number of qualified health professionals and utilization of evidence-based best practices to improve perinatal care. CONCLUSIONS: A reduction in the rates of morbidity and mortality of premature infants requires more effective planning and intervention in the prenatal care system. To meet the demand, increases in the number of neonatal intensive care beds should be implemented through specialized perinatal centers rather than isolated beds within hospitals of with low resolution rates. These centers should be interconnected and their practices constantly monitored and evaluated.