Scielo RSS <![CDATA[Revista Brasileira de Anestesiologia]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=0034-709420180003&lang=es vol. 68 num. 3 lang. es <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[Sugammadex by ideal body weight versus 20% and 40% corrected weight in bariatric surgery - double-blind randomized clinical trial]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-70942018000300219&lng=es&nrm=iso&tlng=es Abstract Background and objectives: The weight parameters for use of sugammadex in morbidly obese patients still need to be defined. Methods: A prospective clinical trial was conducted with sixty participants with body mass index ≥ 40 kg.m-2 during bariatric surgery, randomized into three groups: ideal weight (IW), 20% corrected body weight (CW20) and 40% corrected body weight (CW40). All patients received total intravenous anesthesia. Rocuronium was administered at dose of 0.6 mg.kg-1 of Ideal weight for tracheal intubation, followed by infusion of 0.3-0.6 mg.kg-1.h-1. Train of four (TOF) was used to monitor depth of blockade. After spontaneous recovery TOF-count 2 at the end of surgery, 2 mg.kg-1 of sugammadex was administered. Primary outcome was neuromuscular blockade reversal time to TOF ≥ 0.9. Secondary outcome was the occurrence of postoperative residual curarization in post-anesthesia recovery room, searching the patient's ability to pass from the surgical bed to the transport, adequacy of oxygenation, respiratory pattern, ability to swallow saliva and clarity of vision. Results: Groups were homogenous in gender, age, total body weight, ideal body weight, body mass index, type and time of surgery. The reversal times (s) were (mean ± standard deviation) 225.2 ± 81.2, 173.9 ± 86.8 and 174.1 ± 74.9 respectively, in the IW, CW20 and CW40 groups (p = 0.087). Conclusions: No differences were observed between groups with neuromuscular blockade reversal time and frequency of postoperative residual curarization. We concluded that ideal body weight can be used to calculate sugammadex dose to reverse moderate neuromuscular blockade in morbidly obese patients.<hr/>Resumo Justificativa e objetivos: Os parâmetros de peso para o uso de sugamadex em pacientes com obesidade mórbida ainda precisam ser definidos. Métodos: Um ensaio clínico prospectivo foi feito com 60 participantes com índice de massa corporal ≥ 40 kg.m-2, submetidos a cirurgia bariátrica, randomizados em três grupos: peso ideal (PI), peso corrigido em 20% (PC20) e peso corrigido em 40% (PC40). Todos os pacientes receberam anestesia intravenosa total. Rocurônio foi administrado em dose de 0,6 mg.kg-1 para intubação traqueal pelo peso ideal, seguido de infusão (0,3 a 0,6 mg.kg-1.h-1). A sequência de quatro estímulos (TOF) foi usada para monitorar a profundidade do bloqueio. Após recuperação espontânea da segunda resposta do TOF no fim da cirurgia, 2 mg.kg-1 de sugamadex foi administrado. O desfecho primário foi o tempo de reversão do bloqueio neuromuscular até obter TOF ≥ 0,9. O desfecho secundário foi a ocorrência de curarização residual pós-operatória na sala de recuperação pós-anestésica, avaliaram-se a capacidade do paciente de passar do leito cirúrgico para o de transporte, a adequação da oxigenação, o padrão respiratório, a habilidade para deglutir saliva e a clareza de visão. Resultados: Os grupos foram homogêneos quanto a gênero, idade, peso corporal total, peso corporal ideal, índice de massa corporal, tipo e tempo de cirurgia. Os tempos de reversão (segundos) foram (média ± desvio-padrão) 225,2 ± 81,2, 173,9 ± 86,8 e 174,1 ± 74,9, respectivamente, nos grupos PI, PC20 e PC40 (p = 0,087). Conclusões: Não foram observadas diferenças entre os grupos quanto ao tempo de reversão do bloqueio neuromuscular e frequência de curarização residual pós-operatória. Concluímos que o peso corporal ideal pode ser usado para calcular a dose de sugamadex para reverter o bloqueio neuromuscular moderado em pacientes com obesidade mórbida. <![CDATA[Behavior of stroke volume variation in hemodynamic stable patients during thoracic surgery with one-lung ventilation periods]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-70942018000300225&lng=es&nrm=iso&tlng=es Abstract Introduction: In last few years, emphasis was placed in goal-directed therapy in order to optimize patient's hemodynamic status and improve their prognosis. Parameters based on the interaction between heart and lungs have been questioned in situations like low tidal volume and open chest surgery. The goal of the study was to analyze the changes that one-lung ventilation can produce over stroke volume variation and to assess the possible impact of airway pressures and lung compliance over stroke volume variation. Methods: Prospective observational study, 112 patients undergoing lung resection surgery with one-lung ventilation periods were included. Intravenous fluid therapy with crystalloids was set at 2 mL.g-1. Hypotension episodes were treated with vasoconstrictive drugs. Two-lung Ventilation was implemented with a TV of 8 mL.g-1 and one-lung ventilation was managed with a TV of 6 mL.g-1. Invasive blood pressure was monitored. We recorded the following cardiorespiratory values: heart rate, mean arterial pressure, cardiac index, stroke volume index, airway peak pressure, airway plateau pressure and static lung compliance at 3 different times during surgery: immediately after lung collapse, 30 min after initiating one-lung ventilation and after restoration of two-lung ventilation. Results: Stroke volume variation values were influenced by lung collapse (before lung collapse 14.6 (DS) vs. OLV 9.9% (DS), p &lt; 0.0001); or after restoring two-lung ventilation (11.01 (DS), p &lt; 0.0001). During two-lung Ventilation there was a significant correlation between airway pressures and stroke volume variation, however this correlation lacks during one-lung ventilation. Conclusion: The decrease of stroke volume variation values during one-lung ventilation with protective ventilatory strategies advices not to use the same threshold values to determine fluid responsiveness.<hr/>Resumo Introdução: Nos últimos anos, a importância da terapia alvo-dirigida foi enfatizada para aprimorar o estado hemodinâmico do paciente e melhorar seu prognóstico. Os parâmetros baseados na interação entre o coração e os pulmões foram questionados em situações como baixo volume corrente e cirurgia aberta do tórax. O objetivo do estudo foi analisar as alterações que a ventilação monopulmonar pode produzir na variação do volume sistólico e avaliar o possível impacto das pressões da via aérea e da complacência pulmonar sobre a variação do volume sistólico. Métodos: Estudo observacional prospectivo, no qual 112 pacientes submetidos à cirurgia de ressecção pulmonar com períodos de ventilação monopulmonar foram incluídos. A terapia de fluídos intravenosos com cristaloides foi ajustada a 2 mL.kg-1.h-1. Os episódios de hipotensão foram tratados com vasoconstritores. A ventilação dos dois pulmões (VDP) foi implantada com volume corrente de 8 mL.kg-1 e a ventilação monopulmonar foi controlada com volume corrente de 6 mL.kg-1. Foi monitorada a pressão arterial invasiva. Registramos os seguintes valores cardiorrespiratórios: frequência cardíaca, pressão arterial média, índice cardíaco, índice de volume sistólico, pressão de pico das vias aéreas, pressão de platô das vias aéreas e complacência pulmonar estática em três tempos durante a cirurgia: imediatamente após o colapso do pulmão, 30 minutos após o início da ventilação monopulmonar e após a restauração da ventilação dos dois pulmões. Resultados: Os valores de variação do volume sistólico foram influenciados pelo colapso pulmonar (antes do colapso pulmonar 14,6 [DS] vs. ventilação monopulmonar 9,9% [DS], p &lt; 0,0001), ou após o restabelecimento da ventilação dos dois pulmões (11,01 [DS], p &lt; 0,0001). Durante a ventilação dos dois pulmões houve uma correlação significativa entre as pressões das vias aéreas e a variação do volume sistólico, porém, essa correlação não existe durante a ventilação monopulmonar. Conclusão: A diminuição dos valores da variação do volume sistólico durante a ventilação monopulmonar com estratégias ventilatórias protetoras sugere não usar os mesmos valores de limiar para determinar a responsividade aos fluídos. <![CDATA[The influence of the menstrual cycle on acute and persistent pain after laparoscopic cholecystectomy]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-70942018000300231&lng=es&nrm=iso&tlng=es Abstract Background and objectives: Fluctuations of female sex hormones during menstrual cycle influence pain perception. Endogenous pain inhibition is impaired in follicular phase of menstrual cycle. We tested the primary hypothesis that the women having surgery during their follicular phase have more acute pain and require higher opioids than those in the luteal phase, and secondarily we tested that women who have surgery during their follicular phase have more incisional pain at 3 month postoperatively. Methods: 127 adult females having laparoscopic cholecystectomy were randomized to have surgery during the luteal or follicular phase of their menstrual cycle. Standardized anesthesia and pain management regimen was given to all patients. Pain and analgesic consumption were evaluated in post-anesthesia care unit and every 4 h in the first 24 h. Adverse effects were questioned every 4 h. Time to oral intake and ambulation were recorded. Post-surgical pain, hospital anxiety, depression scale, SF-12 questionnaire were evaluated at 1 and 3 month visits. Results: There was no difference in acute pain scores and analgesic consumption through the 24 h period, Visual Analog Scale at 24 h was 1.5 ± 1.5 cm for follicular group 1.4 ± 1.7 cm for luteal group (p = 0.57). Persistent postoperative pain was significantly more common one and at three month, with an incidence was 33% and 32% in the patients at follicular phase versus 16% and 12% at luteal phase, respectively. The Visual Analog Scale at one and at three month was 1.6 ± 0.7 cm and 1.8 ± 0.8 cm for follicular group and 2.7 ± 1.3 cm and 2.9 ± 1.7 cm in the luteal group (p = 0.02), respectively. There were no significant differences between the groups with respect to anxiety and depression, SF-12 scores at either time. Nausea was more common in follicular-phase group (p = 0.01) and oral feeding time was shorter in follicular phase (5.9 ± 0.9 h) than in luteal phase (6.8 ± 1.9 h, p = 0.02). Conclusions: Although persistent postoperative pain was significantly more common one and three months after surgery the magnitude of the pain was low. Our results do not support scheduling operations to target particular phases of the menstrual cycle.<hr/>Resumo Justificativa e objetivos: As flutuações dos hormônios sexuais femininos durante o ciclo menstrual influenciam a percepção da dor. A inibição endógena da dor é prejudicada na fase folicular do ciclo menstrual. Testamos a hipótese primária de que cirurgias em mulheres durante a fase folicular têm mais dor aguda e precisam de mais opioide do que aquelas na fase lútea e a hipótese secundária testada foi que as cirurgias em mulheres durante a fase folicular têm mais dor incisional aos três meses de pós-operatório. Métodos: No total, 127 mulheres adultas submetidas à colecistectomia laparoscópica foram randomizadas para serem operadas durante a fase lútea ou folicular de seus ciclos menstruais. Um regime padronizado para anestesia e tratamento da dor foi administrado a todas as pacientes. A dor e o consumo de analgésico foram avaliados na sala de recuperação pós-anestésica e a cada quatro horas nas primeiras 24 horas. Efeitos adversos foram avaliados a cada quatro horas. Os tempo para ingestão oral e deambulação foram registrados. Dor pós-cirúrgica, ansiedade hospitalar, escala de depressão e questionário SF-12 foram avaliados em visitas feitas no primeiro e terceiro meses. Resultados: Não houve diferença nos escores de dor aguda e no consumo de analgésicos durante o período de 24 horas, Escala Visual Analógica em 24 horas foi de 1,5 ± 1,5 cm para o grupo folicular e 1,4 ± 1,7 cm para o grupo lúteo (p = 0,57). A dor persistente no pós-operatório foi significativamente mais prevalente no primeiro e terceiro mês, com incidência de 33% e 32% nas pacientes em fase folicular versus 16% e 12% na fase lútea, respectivamente. A Escala Visual Analógica no primeiro e terceiro mês foi 1,6 ± 0,7 cm e 1,8 ± 0,8 cm no grupo folicular e 2,7 ± 1,3 cm e 2,9 ± 1,7 cm no grupo lúteo (p = 0,02), respectivamente. Não houve diferença significativa entre os grupos em relação à ansiedade e à depressão, escore SF-12 em ambos os tempos. Náusea foi mais comum no grupo na fase folicular (p = 0,01) e o tempo para alimentação oral foi menor na fase folicular (5,9 ± 0,9 horas) do que na fase lútea (6,8 ± 1,9 horas, p = 0,02). Conclusões: Embora a dor persistente no pós-operatório tenha sido significativamente mais prevalente no primeiro e no terceiro mês após a cirurgia, a magnitude da dor foi baixa. Nossos resultados não apoiam o agendamento de cirurgias tendo como alvo fases específicas do ciclo menstrual. <![CDATA[Factor XIII-guided treatment algorithm reduces blood transfusion in burn surgery]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-70942018000300238&lng=es&nrm=iso&tlng=es Abstract Background and objectives: Major burn surgery causes large hemorrhage and coagulation dysfunction. Treatment algorithms guided by ROTEM® and factor VIIa reduce the need for blood products, but there is no evidence regarding factor XIII. Factor XIII deficiency changes clot stability and decreases wound healing. This study evaluates the efficacy and safety of factor XIII correction and its repercussion on transfusion requirements in burn surgery. Methods: Randomized retrospective study with 40 patients undergoing surgery at the Burn Unit, allocated into Group A those with factor XIII assessment (n = 20), and Group B, those without assessment (n = 20). Erythrocyte transfusion was guided by a hemoglobin trigger of 10 g.dL-1 and the other blood products by routine coagulation and ROTEM® tests. Analysis of blood product consumption included units of erythrocytes, fresh frozen plasma, platelets, and fibrinogen. The coagulation biomarker analysis compared the pre- and post-operative values. Results and conclusions: Group A (with factor XIII study) and Group B had identical total body surface area burned. All patients in Group A had a preoperative factor XIII deficiency, whose correction significantly reduced units of erythrocyte concentrate transfusion (1.95 vs. 4.05, p = 0.001). Pre- and post-operative coagulation biomarkers were similar between groups, revealing that routine coagulation tests did not identify factor XIII deficiency. There were no recorded thromboembolic events. Correction of factor XIII deficiency in burn surgery proved to be safe and effective for reducing perioperative transfusion of erythrocyte units.<hr/>Resumo Justificativa e objetivos: A cirurgia no grande queimado causa hemorragia de grande porte e disfunção da coagulação. Os algoritmos de tratamento guiados por ROTEM® e fator VIIa reduzem as necessidades de hemoderivados, mas falta evidência em relação ao fator XIII. A deficiência do fator XIII altera a estabilidade do coágulo e diminui a cicatrização. Este estudo avalia a eficácia e a segurança da correção do fator XIII e sua repercussão nas necessidades transfusionais na cirurgia do queimado. Métodos: Estudo retrospectivo randomizado de 40 doentes submetidos à cirurgia na Unidade de Queimados alocados em grupo A com estudo do fator XIII (n = 20) e grupo B sem estudo (n = 20). A transfusão eritrocitária foi guiada por gatilho de hemoglobina de 10 g.dL-1 e os outros hemoderivados por testes de coagulação de rotina e ROTEM®. A análise do consumo de hemoderivados incluiu unidades de eritrócitos, plasma fresco congelado, plaquetas e fibrinogênio. A análise dos biomarcadores da coagulação comparou os valores pré e pós-operatórios. Resultados e conclusões: O grupo A (com estudo de fator XIII) e o grupo B apresentaram área de superfície corporal total queimada idêntica. Todos os doentes do grupo A revelaram déficit pré-operatório de fator XIII, cuja correção reduziu significativamente a transfusão de unidades de concentrado eritrocitário (1,95 vs. 4,05, p = 0,001). Os biomarcadores de coagulação pré e pós-operatórios foram semelhantes entre os grupos, revelaram que os testes de coagulação de rotina não identificam o déficit de fator XIII. Sem eventos tromboembólicos registrados. A correção do fator XIII na cirurgia do queimado revelou-se segura e eficaz na redução da transfusão perioperatória de unidades de eritrócitos. <![CDATA[Severity of disease scoring systems and mortality after non-cardiac surgery]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-70942018000300244&lng=es&nrm=iso&tlng=es Abstract Background: Mortality after surgery is frequent and severity of disease scoring systems are used for prediction. Our aim was to evaluate predictors for mortality after non-cardiac surgery. Methods: Adult patients admitted at our surgical intensive care unit between January 2006 and July 2013 was included. Univariate analysis was carried using Mann-Whitney, Chi-square or Fisher's exact test. Logistic regression was performed to assess independent factors with calculation of odds ratio and 95% confidence interval (95% CI). Results: 4398 patients were included. Mortality was 1.4% in surgical intensive care unit and 7.4% during hospital stay. Independent predictors of mortality in surgical intensive care unit were APACHE II (OR = 1.24); emergent surgery (OR = 4.10), serum sodium (OR = 1.06) and FiO2 at admission (OR = 14.31). Serum bicarbonate at admission (OR = 0.89) was considered a protective factor. Independent predictors of hospital mortality were age (OR = 1.02), APACHE II (OR = 1.09), emergency surgery (OR = 1.82), high-risk surgery (OR = 1.61), FiO2 at admission (OR = 1.02), postoperative acute renal failure (OR = 1.96), heart rate (OR = 1.01) and serum sodium (OR = 1.04). Dying patients had higher scores in severity of disease scoring systems and longer surgical intensive care unit stay. Conclusion: Some factors influenced both surgical intensive care unit and hospital mortality.<hr/>Resumo Justificativa: A mortalidade após cirurgia é frequente e os sistemas de classificação da gravidade da doença são usados para a previsão. Nosso objetivo foi avaliar os preditivos de mortalidade após cirurgia não cardíaca. Métodos: Os pacientes adultos admitidos em nossa unidade de terapia intensiva cirúrgica entre janeiro de 2006 e julho de 2013 foram incluídos. Análise univariada foi feita com o teste de Mann-Whitney, qui-quadrado ou exato de Fisher. Regressão logística foi feita para avaliar fatores independentes com cálculo de razão de chances (odds ratio - OR) e intervalo de confiança de 95% (IC 95%). Resultados: No total, 4.398 pacientes foram incluídos. A mortalidade foi de 1,4% na unidade de terapia intensiva cirúrgica e de 7,4% durante a internação hospitalar. Os preditivos independentes de mortalidade na unidade de terapia intensiva cirúrgica foram APACHE II (OR = 1,24); cirurgia de emergência (OR = 4,10), sódio sérico (OR = 1,06) e FiO2 na admissão (OR = 14,31). Bicarbonato sérico na admissão (OR = 0,89) foi considerado um fator protetor. Os preditivos independentes de mortalidade hospitalar foram idade (OR = 1,02), APACHE II (OR = 1,09), cirurgia de emergência (OR = 1,82), cirurgia de alto risco (OR = 1,61), FiO2 na admissão (OR = 1,02), insuficiência renal aguda no pós-operatório (OR = 1,96), frequência cardíaca (OR = 1,01) e sódio sérico (OR = 1,04). Os pacientes moribundos apresentaram escores mais altos de gravidade da doença nos sistemas de classificação e mais tempo de permanência em unidade de terapia intensiva cirúrgica. Conclusão: Alguns fatores tiveram influencia sobre a mortalidade tanto hospitalar quanto na unidade de terapia intensiva cirúrgica. <![CDATA[What does the Internet teach the obstetric patient about labor analgesia?]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-70942018000300254&lng=es&nrm=iso&tlng=es Abstract Background and objectives: It has been observed a general public increased search on the Internet for health information, including Anesthesiology. The objective of this study was to evaluate the information available to the lay person in Portuguese on the Internet about labor analgesia for the Brazilian population. Method: Using the term “labor anesthesia”, the first 20 sites found on Google in November 2014 were evaluated by two resident physicians and classified as medical and non-medical. Legibility and Design - accessibility, reliability and navigability-were compared using Flesch Reading Ease Score (FRESH) and Minervation validation tool for healthcare websites (LIDA) tools. The websites' content was confronted with that of the medical literature. Results: Medical and non-medical websites were considered difficult to read according to FRESH. Regarding the design, there was no difference between groups regarding navigability, however, accessibility was considered superior in non-medical websites (p = 0.042); while reliability was higher in medical websites (p = 0.019). Conclusions: With the increased search for health information on the Internet and concern about improving the quality of childbirth care, it is fundamental that the content available to the layperson about labor analgesia is of quality and well understood. This study demonstrated that both medical and non-medical websites are difficult to read and that non-medical websites are more accessible while the medical ones are more accurate.<hr/>Resumo Justificativa e objetivos: Observa-se um crescimento da busca de informação no público geral sobre temas médicos na internet, inclusive em anestesiologia. O objetivo deste estudo foi avaliar a informação existente ao leigo na internet em língua portuguesa sobre analgesia de parto para a população brasileira. Método: Com o uso do termo “anestesia de parto”, os 20 primeiros sites encontrados no Google em novembro de 2014 foram avaliados por dois médicos residentes e classificados como médicos e não médicos. Legibilidade e desenho - acessibilidade, confiabilidade e navegabilidade - foram comparados por meio das ferramentas Fresh (Flesch Reading Ease Score) e Lida (Minervation Validation Tool for Healthcare Websites). O conteúdo dos sites foi confrontado em relação à literatura médica. Resultados: Sites médicos e não médicos foram considerados de difícil leitura de acordo com o Fresh. Em relação ao desenho, não houve diferença entre os grupos quanto à navegabilidade. Entretanto, a acessibilidade foi considerada superior em sites não médicos (p= 0,042); enquanto que a confiabilidade foi maior em sites médicos (p= 0,019). Conclusões: Com aumento da busca de informações em saúde na internet e aumento da preocupação de melhorar a qualidade de assistência ao parto, é fundamental que o conteúdo disponível ao leigo sobre analgesia de parto seja de qualidade e compreendido. Este estudo demonstrou que tanto sites médicos como não médicos são de difícil leitura; e que os sites não médicos são mais acessíveis, enquanto os médicos são mais precisos. <![CDATA[Comparison of transverse short-axis classic and oblique long-axis “Syringe-Free” approaches for internal jugular venous catheterization under ultrasound guidance]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-70942018000300260&lng=es&nrm=iso&tlng=es Abstract Background and objectives: There are different ultrasound probe positions used for internal jugular venous catheter placement. Also, in-plane or out of plane needle approach may be used for catheterization. Transverse short-axis classic approach is the most popular performed approach in literature. “Syringe-Free” is a new described technique that is performed with oblique long-axis approach. We aimed to compare performance of these two approaches. Methods: This study was conducted as a prospective and randomized study. 80 patients were included the study and allocated into two groups that were named Group C (transverse short-axis classic approach) and Group SF (oblique long-axis syringe-free approach) by a computer-generated randomization. The primary outcome was mean time that guidewire is seen in the Internal jugular vein (performing time). The secondary outcomes were to compare number of needle pass, number of skin puncture and complications between two groups. Results: Demographic and hemodynamic data were not significantly different. The mean performing time was 54.9 ± 19.1 s in Group C and 43.9 ± 15.8 s in Group SF. Significant differences were found between the groups (p = 0.006). Mean number of needle pass was 3.2 (± 2.1) in Group C and 2.1 (± 1.6) in Group SF. There were statistically significant differences between two groups (p = 0.002). The number of skin puncture was 1.6 (± 0.8) and 1.2 (± 0.5) in Group C and SF, respectively (p = 0.027). Conclusion: “Syringe-Free” technique has lower performing time, number of needle pass and skin puncture. Also, it allows to follow progress of guide-wire under continuous ultrasound visualization and the procedure does not need assistance during catheter insertion. Namely, “Syringe-Free” is effective, safe and fast technique that may be used to place internal jugular venous catheter.<hr/>Resumo Justificativa e objetivos: Há diferentes posições do probe do ultrasom que são utilizadas para a colocação de cateter em veia jugular interna. Além disso, a aproximação da agulha no plano ou fora do plano pode ser usada para o cateterismo. A abordagem transversal clássica no eixo curto é a abordagem mais popular na literatura. Sem seringa é uma nova técnica descrita, realizada com a abordagem oblíqua no eixo longo. Nosso objetivo foi comparar o desempenho dessas duas abordagens. Métodos: Este foi um estudo prospectivo e randômico. No total, 80 pacientes foram incluídos no estudo e divididos em dois grupos denominados Grupo C (abordagem transversal clássica no eixo curto) e Grupo SF (abordagem sem seringa oblíqua no eixo longo) por meio de randomização gerada por computador. O desfecho primário foi o tempo médio para a visibilização do fio-guia na veia jugular interna (tempo de execução). Os desfechos secundários foram o número de passagens da agulha, o número de punções da pele e as complicações entre os dois grupos. Resultados: Os dados demográficos e hemodinâmicos não foram significativamente diferentes. O tempo médio de execução foi de 54,9 ± 19,1 segundos no Grupo C e 43,9 ± 15,8 segundos no Grupo SF. Diferenças significativas foram observadas entre os grupos (p = 0,006). O número médio de passagens da agulha foi de 3,2 (± 2,1) no Grupo C e 2,1 (± 1,6) no Grupo SF. Houve diferença estatisticamente significativa entre os dois grupos (p = 0,002). O número de punções da pele foi de 1,6 (± 0,8) no Grupo C e 1,2 (± 0,5) C no Grupo SF (p = 0,027). Conclusão: A técnica sem seringa apresentou tempo de execução, número de passagens da agulha e número de punções da pele menores. Além disso, essa técnica permite acompanhar o progresso do fio-guia com visibilização ecográfica contínua e o procedimento não precisa de auxílio durante a inserção do cateter. Ou seja, sem seringa é uma técnica eficaz, segura e rápida que pode ser usada para a colocação de cateter em veia jugular interna. <![CDATA[Ketamine as an adjunct to bupivacaine in infra-orbital nerve block analgesia after cleft lip repair]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-70942018000300266&lng=es&nrm=iso&tlng=es Abstract Objectives: We conducted this study to investigate the safety and analgesic efficacy of the addition of Ketamine to Bupivacaine in bilateral extra-oral infra-orbital nerve block in children undergoing cleft lip surgeries. Methods: Sixty patients were randomly allocated into two groups (n = 30), Group B received infra-orbital nerve block with 2 mL of 0.25% Bupivacaine and Group BK received 0.5 mg.kg-1 Ketamine for each side added to 1 mL of 0.5% Bupivacaine solution diluted up to 2 mL solution to 0.25% Bupivacaine concentration. Assessment parameters included; hemodynamics, recovery time, time to first oral intake, postoperative Faces Legs Activity Cry Consolability (FLACC) scores, Four-point Agitation scores, analgesic consumption and adverse effects. Results: Patients in Group BK showed lower postoperative FLACC scores during all recorded time points (p &lt; 0.0001). Two patients in Group BK versus 12 in Group B requested for postoperative rescue analgesia (p &lt; 0.001). There were no differences between groups in time, minutes (min), to first request for rescue analgesia. Patients in Group BK reported lower analgesic consumption (366.67 ± 45.67 vs. 240.0 ± 0.0 mg, p &lt; 0.04). The time to first oral intake was significantly reduced in Group BK (87.67 ± 15.41 vs. 27.33 ± 8.68 min, p &lt; 0.001). Lower postoperative Agitation scores were recorded in Group BK patients that reached a statistical significance at 45 min (0.86 ± 0.11 vs. 0.46 ± 0.16, p &lt; 0.04) and in the first hour (h) postoperatively (1.40 ± 0.17 vs. 0.67 ± 0.14, p &lt; 0.003). Higher parent satisfaction scores were recorded in Group BK (p &lt; 0.04) without significant adverse effects. Conclusions: The addition of Ketamine to Bupivacaine has accentuated the analgesic efficacy of infra-orbital nerve block in children undergoing cleft lip repair surgeries.<hr/>Resumo Objetivos: Realizamos este estudo para avaliar a segurança e eficácia da analgesia com a adição de cetamina à bupivacaína em bloqueio do nervo infraorbitário, bilateral e extraoral, em crianças submetidas à cirurgia de lábio leporino. Métodos: Foram randomicamente alocados 60 pacientes em dois grupos (n = 30): o Grupo B recebeu bloqueio do nervo infraorbitário com bupivacaína a 0,25% (2 mL) e o Grupo BC recebeu bloqueio com cetamina (0,5 mg.kg-1) em cada lado, mais a adição de 1 mL de solução de bupivacaína a 0,5% diluída até 2 mL da concentração a 0,25%. Os parâmetros de avaliação incluíram: hemodinâmica, tempo de recuperação, tempo até a primeira ingestão oral, escores da escala FLACC (que avalia a expressão facial [Face], os movimentos das pernas [Legs], a atividade [Activity], o choro [Cry] e a consolabilidade [Consolability]), escores de agitação em escala de quatro pontos, consumo de analgésicos e efeitos adversos no pós-operatório. Resultados: Os pacientes do Grupo BC apresentaram escores FLACC mais baixos em todos os momentos mensurados no pós-operatório (p &lt; 0,0001). Dois pacientes do Grupo BC versus 12 do Grupo B solicitaram analgesia de resgate no pós-operatório (p &lt; 0,001). Não houve diferenças entre os grupos em relação ao tempo até a primeira solicitação de analgesia de resgate. Os pacientes do Grupo BC relataram consumo menor de analgésicos (366,67 ± 45,67 vs. 240,0 ± 0,0 mg, p &lt; 0,04). O tempo em minutos (min) até a primeira ingestão oral foi significativamente reduzido no Grupo BC (87,67 ± 15,41 vs. 27,33 ± 8,68 min, p &lt; 0,001). Escores mais baixos de agitação no pós-operatório foram registrados para os pacientes do Grupo BC, com significância estatística no tempo de 45 min (0,86 ± 0,11 vs. 0,46 ± 0,16; p &lt; 0,04) e na primeira hora de pós-operatório (1,40 ± 0,17 vs. 0,67 ± 0,14; p &lt; 0,003). Índices mais altos de satisfação dos pais foram registrados no Grupo BC (p &lt; 0,04), sem efeitos adversos significativos. Conclusões: A adição de cetamina à bupivacaína acentuou a eficácia analgésica do bloqueio do nervo infraorbitário em crianças submetidas à cirurgia de correção de lábio leporino. <![CDATA[Effect of video-based education on anxiety and satisfaction of patients undergoing spinal anesthesia]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-70942018000300274&lng=es&nrm=iso&tlng=es Abstract Background: Providing sufficient information during a preanesthetic interview may help improve patient understanding and decrease anxiety related to spinal anesthesia. We investigated the effect of video-based education on anxiety and satisfaction in patients about to undergo spinal anesthesia. Methods: A total of 198 patients scheduled for minor elective surgery under spinal anesthesia were prospectively enrolled. The State-Trait Anxiety Inventory (State-Trait Anxiety Inventory/State and State-Trait Anxiety Inventory/Trait) questionnaires and visual analog scale were used to measure anxiety levels before the standard anesthesia evaluation was initiated. Then, 100 patients in Group 1 received written, verbal, and video-based education, whereas 98 patients in Group 2 received only written and verbal instructions regarding spinal anesthesia. Then all participants completed the State-Trait Anxiety Inventory/State and visual analog scale to evaluate anxiety. Finally, a 5-point Likert scale was used to measure satisfaction during postoperative period. Results: No differences were found in the State-Trait Anxiety Inventory/State, State-Trait Anxiety Inventory/Trait, or visual analog scale scores between the two groups before the information period. The State-Trait Anxiety Inventory/State scores evaluating anxiety during the post-information period were differed in both groups and they found as 36.5 ± 10.0 in Group 1 and 39.6 ± 8.6 in Group 2 (p = 0.033). The 5-point Likert scale scores to measure satisfaction were stated as 4.5 ± 0.6 in Group 1 and 3.5 ± 1.2 in Group 2 (p &lt; 0.001). Conclusions: Providing video-based information during the preanesthetic interview alleviated anxiety and increased satisfaction in patients undergoing spinal anesthesia.<hr/>Resumo Justificativa: Fornecer informação suficiente durante uma consulta pré-anestesia pode aumentar a compreensão do paciente e diminuir a ansiedade relacionada à anestesia espinhal. Investigamos o efeito do fornecimento de informação via vídeo sobre a ansiedade e satisfação em pacientes prestes a serem submetidos à anestesia espinhal. Métodos: Foram inscritos prospectivamente 198 pacientes agendados para cirurgias eletivas de pequeno porte sob anestesia espinhal. Os questionários de avaliação de estado e traço de ansiedade (State-Trait Anxiety Inventory/State e State-Trait Anxiety Inventory/Trait) e uma escala visual analógica foram usados para medir os níveis de ansiedade antes de a avaliação-padrão da anestesia ter sido iniciada. Em seguida, 100 pacientes do Grupo 1 receberam informação por escrito, verbal e via vídeo, enquanto 98 pacientes do Grupo 2 receberam apenas informação por escrito e verbal sobre a anestesia espinhal. Em seguida, todos os participantes responderam os inventários de estado e traço de ansiedade e a escala visual analógica para avaliar a ansiedade. Por fim, a escala de Likert de 5 pontos foi usada para medir a satisfação durante o período pós-operatório. Resultados: Não houve diferença nos escores dos questionários de estado e traço de ansiedade e da escala visual analógica entre os dois grupos antes do período de informação. Os escores de estado e traço de ansiedade que avaliam a ansiedade durante o período pós-informação foram diferentes em ambos os grupos: 36,5 ± 10,0 no Grupo 1 e 39,6 ± 8,6 no Grupo 2 (p = 0,033). Os escores da escala Likert de 5 pontos para medir a satisfação foram: 4,5 ± 0,6 no Grupo 1 e 3,5 ± 1,2 no Grupo 2 (p &lt; 0,001). Conclusão: Fornecer informação via vídeo durante a consulta pré-anestésica aliviou a ansiedade e aumentou a satisfação em pacientes submetidos à anestesia espinhal. <![CDATA[Effect of table tilt and spine flexion-rotation on the acoustic window of the lumbar spine in pregnant women]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-70942018000300280&lng=es&nrm=iso&tlng=es Abstract Study objective: The purpose of this study was to assess whether application of dorsal table tilt and body rotation to a parturient seated for neuraxial anesthesia increased the size of the paramedian target area for neuraxial needle insertion. Setting: Labor and Delivery Room. Patients: Thirty term pregnant women, ASA I-II, scheduled for an elective C-section delivery. Interventions: Lumbar ultrasonography was performed in four seated positions: (F) lumbar flexion; (FR) as in position F with right shoulder rotation; (FT) as in position F with dorsal table-tilt; (FTR) as in position F with dorsal table-tilt combined with right shoulder rotation. Measurements: For each position, the size of the 'target area', defined as the visible length of the posterior longitudinal ligament was measured at the L3-L4 interspace. Main results: The mean posterior longitudinal ligament was 18.4 ± 4 mm in position F, 18.9 ± 5.5 mm in FR, 19 ± 5.3 mm in FT, and 18 ± 5.2 mm in FTR. Mean posterior longitudinal ligament length was not significantly different in the four positions. Conclusions: These data show that the positions studied did not increase the target area as defined by the length of the posterior longitudinal ligament for the purpose of neuraxial needle insertion in obstetric patients. The maneuvers studied will have limited use in improving spinal needle access in pregnant women.<hr/>Resumo Objetivo do estudo: O objetivo deste estudo foi avaliar se a inclinação lateral da mesa cirúrgica e a rotação do corpo de uma parturiente sentada para anestesia neuraxial aumentou o tamanho da área-alvo paramediana para a inserção da agulha neuraxial. Ambiente: Sala de parto. Pacientes: Trinta grávidas a termo, ASA I-II, agendadas para cesárea eletiva. Intervenções: Ultrassonografia lombar foi feita em quatro posições sentadas: (F) flexão lombar; (FR) como na posição F com rotação do ombro direito; (FT) como na posição F com inclinação lateral da mesa cirúrgica; (FTR) como na posição F com inclinação lateral da mesa cirúrgica combinada com a rotação do ombro direito. Mensurações: Para cada posição, o tamanho da “área-alvo”, definido como o comprimento visível do ligamento longitudinal posterior, foi medido no interespaço de L3-L4. Principais resultados: As médias do ligamento longitudinal posterior foram: 18,4 ± 4 mm na posição F; 18,9 ± 5,5 mm na posição FR; 19 ± 5,3 mm na posição FT e 18 ± 5,2 mm na posição FTR. O comprimento médio do ligamento longitudinal posterior não foi significativamente diferente nas quatro posições. Conclusões: Esses dados mostram que as posições avaliadas não aumentaram a área-alvo, conforme definido pelo comprimento do ligamento longitudinal posterior com o objetivo de inserção da agulha neuraxial em pacientes obstétricas. As manobras avaliadas terão um uso limitado na melhoria do acesso à agulha espinhal em mulheres grávidas. <![CDATA[The effects of transversus abdominis plane block on analgesic and anesthetic consumption during total abdominal hysterectomy: a randomized controlled study]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-70942018000300285&lng=es&nrm=iso&tlng=es Abstract Background and objectives: A transversus abdominis plane block is a peripheral block method that has been used successfully for pain relief after total abdominal hysterectomy. However, the effects of the combination of the transversus abdominis plane block and general anesthesia on analgesic and anesthetic requirements remain unclear. This randomized placebo-controlled study is aimed to evaluate the effects of transversus abdominis plane block on analgesic and anesthetic consumption during total abdominal hysterectomy under general anesthesia. Methods: Sixty-six women undergoing total abdominal hysterectomy were randomized into two groups to receive general anesthesia alone (control group) or with transversus abdominis plane block using 20 mL of 0.25% bupivacaine (transversus abdominis plane group). Intraoperative remifentanil and sevoflurane consumption were recorded. We also evaluated the postoperative pain, nausea, quality of recovery scores and rescue analgesic requirement during postoperative 24 hours. Results: The total remifentanil and sevoflurane consumption is significantly lower in transversus abdominis plane group; respectively mean (SD) 0.130 (0.25) vs. 0.094 (0.02) mcg.kg-1.min-1; p &lt; 0.01 and 0.295 (0.05) vs. 0.243 (0.06) mL.min-1; p &lt; 0.01. In the postoperative period, pain scores were significantly reduced in transversus abdominis plane group soon after surgery; median (range) 6 (2-10) vs. 3 (0-5); p &lt; 0.001, at 2 h (5 [3-9] vs. 2.5 [0-6]; p &lt; 0.001), at 6 h (4 [2-7] vs. 3[0-6], p &lt; 0.001), at 12 h (3.5 [1-6] vs. 2 [1-5]; p = 0.003). The patients in the transversus abdominis plane group had significantly higher QoR-40 scores 190.5 (175-197) vs. 176.5 (141-187); p &lt; 0.001). Conclusion: Combining transversus abdominis plane block with general anesthesia can provide reduced opioid and anesthetic consumption and can improve postoperative pain and quality of recovery scores in patients undergoing total abdominal hysterectomy.<hr/>Resumo Justificativa e objetivos: O bloqueio do plano transverso abdominal é um método de bloqueio periférico que tem sido usado com sucesso para alívio da dor após histerectomia abdominal total. No entanto, os efeitos da combinação do bloqueio do plano transverso abdominal e da anestesia geral sobre a necessidade de analgésico e anestésico ainda não estão claros. Este estudo randômico e controlado com placebo tem como objetivo avaliar os efeitos do bloqueio do plano transverso abdominal sobre o consumo de analgésico e anestésico durante histerectomia abdominal total sob anestesia geral. Métodos: Foram randomizadas em dois grupos 66 mulheres submetidas à histerectomia abdominal total para receber apenas anestesia geral (grupo controle) ou associada a bloqueio do plano transverso abdominal com 20 mL de bupivacaína a 0,25% (grupo plano transverso abdominal). O consumo de remifentanil e sevoflurano no período intraoperatório foi registrado. Também avaliamos a dor pós-cirurgia, náusea, qualidade dos escores de recuperação e necessidade de analgésico de resgate durante as 24 horas de pós-operatório. Resultados: O consumo total de remifentanil e sevoflurano foi significativamente menor no grupo plano transverso abdominal, respectivamente, média (DP): 0,130 (0,25) vs. 0,094 (0,02) mcg.kg-1.min-1; p &lt; 0,01 e 0,295 (0,05) vs. 0,243 (0,06) mL.min-1; p &lt; 0,01. No pós-operatório, os escores de dor foram significativamente reduzidos no grupo plano transverso abdominal logo após a cirurgia; mediana (intervalo): 6 (2-10) vs. 3 (0-5); p &lt; 0,001, em 2 h (5 [3-9] vs. 2,5 [0-6]; p &lt; 0,001), em 6 h (4 [2-7] vs. 3 [0-6], p &lt; 0,001), em 12 h (3,5 [1-6] vs. 2 [1-5]; p = 0,003). As pacientes do grupo plano transverso abdominal apresentaram escores QoR-40 significativamente maiores: 190,5 (175-197) vs. 176,5 (141-187); p &lt; 0,001). Conclusão: A combinação de bloqueio do plano transverso abdominal e anestesia geral pode proporcionar um consumo reduzido de opioides e anestésicos e melhorar a dor pós-cirúrgica e a qualidade dos escores de recuperação em pacientes submetidas à histerectomia abdominal total. <![CDATA[Acquiring skills in malignant hyperthermia crisis management: comparison of high-fidelity simulation versus computer-based case study]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-70942018000300292&lng=es&nrm=iso&tlng=es Abstract Introduction: The primary purpose of this study was to compare the effect of high fidelity simulation versus a computer-based case solving self-study, in skills acquisition about malignant hyperthermia on first year anesthesiology residents. Methods: After institutional ethical committee approval, 31 first year anesthesiology residents were enrolled in this prospective randomized single-blinded study. Participants were randomized to either a High Fidelity Simulation Scenario or a computer-based Case Study about malignant hyperthermia. After the intervention, all subjects' performance in was assessed through a high fidelity simulation scenario using a previously validated assessment rubric. Additionally, knowledge tests and a satisfaction survey were applied. Finally, a semi-structured interview was done to assess self-perception of reasoning process and decision-making. Results: 28 first year residents finished successfully the study. Resident's management skill scores were globally higher in High Fidelity Simulation versus Case Study, however they were significant in 4 of the 8 performance rubric elements: recognize signs and symptoms (p = 0.025), prioritization of initial actions of management (p = 0.003), recognize complications (p = 0.025) and communication (p = 0.025). Average scores from pre- and post-test knowledge questionnaires improved from 74% to 85% in the High Fidelity Simulation group, and decreased from 78% to 75% in the Case Study group (p = 0.032). Regarding the qualitative analysis, there was no difference in factors influencing the student's process of reasoning and decision-making with both teaching strategies. Conclusion: Simulation-based training with a malignant hyperthermia high-fidelity scenario was superior to computer-based case study, improving knowledge and skills in malignant hyperthermia crisis management, with a very good satisfaction level in anesthesia residents.<hr/>Resumo Introdução: O objetivo primário deste estudo foi comparar o efeito da simulação de alta-fidelidade versus autoestudo baseado em resolução de casos no computador, a aquisição de habilidades sobre hipertermia maligna em residentes de anestesiologia do primeiro ano. Métodos: Após a aprovação do Comitê de Ética institucional, 31 residentes de anestesiologia do primeiro ano foram inscritos neste estudo prospectivo, randômico e encoberto. Os participantes foram randomizados para um ambiente de simulação de alta-fidelidade (SAF) ou um estudo de caso (EC) em computador sobre hipertermia maligna. Após a intervenção, o desempenho de todos os indivíduos foi avaliado através de um ambiente de simulação de alta-fidelidade utilizando uma rubrica de avaliação previamente validada. Além disso, uma pesquisa de satisfação e testes de conhecimento foram aplicados. Por fim, uma entrevista semiestruturada foi realizada para avaliar a autopercepção do processo de raciocínio e da tomada de decisão. Resultados: Vinte e oito residentes do primeiro ano concluíram o estudo com sucesso. Os escores dos residentes na aquisição de habilidades no manejo da hipertermia maligna foram globalmente maiores no Grupo SAF que no Grupo EC, mas a significância foi em quatro dos oito elementos da rubrica de desempenho: reconhecer os sinais e sintomas (p = 0,025), priorizaras ações iniciais do manejo (p = 0,003), reconhecer complicações (p = 0,025) e comunicação (p = 0,025). As médias dos escores nos questionários de conhecimento pré- e pós-teste melhoraram de 74% para 85% no Grupo SAF e diminuíram de 78% para 75% no Grupo EC (p = 0,032). Em relação à análise qualitativa, não houve diferença nos fatores que influenciaram o processo de raciocínio e de tomada de decisão dos alunos com ambas as estratégias de ensino. Conclusão: O treinamento baseado em simulação com um ambiente de alta-fidelidade de hipertermia maligna foi superior ao estudo de caso em computador, melhorou o conhecimento e as habilidades no manejo de crises de hipertermia maligna, com um nível de satisfação muito bom entre os residentes de anestesia. <![CDATA[Amaurosis and contralateral cranial nerve pairs III and VI paralysis after peribulbar block - Case report]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-70942018000300299&lng=es&nrm=iso&tlng=es Abstract Background and objectives: Peribulbar anesthesia has emerged as a safer option compared with intraconal retrobulbar block. Still, peribulbar anesthesia may not be considered without risk. Numerous complications have been described when performing this technique. This report aims to describe a rare case of amaurosis and contralateral paralysis while attempting to perform a peribulbar anesthesia. Case report: Male patient, 75-year old, physical status ASA II, undergoing cataract surgery by phacoemulsification with intraocular lens implantation. Sedated with fentanyl and midazolam and subjected to peribulbar anesthesia. There were no complications during surgery. After finishing the procedure, the patient reported lack of vision in the contralateral eye. Akinesia of the muscles innervated by the cranial nerve pairs III and VI, ptosis, and medium-sized pupils unresponsive to light stimulus were observed. Four hours after anesthesia, complete recovery of vision and eyelid and eyeball movements was seen in the non-operated eye. Conclusions: During peribulbar anesthesia, structures located in the intraconal space can be accidentally hit leading to complications such as described in the above report. Following the technical guidelines and using appropriate size needles may reduce the risk of such complication, but not completely.<hr/>Resumo Justificativa e objetivos: A anestesia peribulbar surgiu como uma opção mais segura quando comparada com o bloqueio retrobulbar intraconal. Ainda assim, a anestesia peribulbar não pode ser considerada isenta de riscos. Inúmeras complicações foram descritas quando da aplicação dessa técnica. O presente relato tem como objetivo descrever um caso raro caracterizado por amaurose e paralisia contralaterais quando da tentativa de se fazer a anestesia peribulbar. Relato de caso: Paciente masculino, 75 anos, estado físico ASA II, submetido à facectomia por facoemulsificação com implante de lente intraocular. Sedado com fentanil e midazolam e submetido a APB. Não houve intercorrências durante a cirurgia. Após o término do procedimento o paciente relatou ausência de visão no olho contralateral. Foram observadas acinesia da musculatura inervada pelo III e VI pares cranianos, ptose palpebral e pupilas de tamanho médio, não responsivas ao estímulo luminoso. Após quatro horas da anestesia, houve recuperação completa da visão, da movimentação das pálpebras e do globo ocular não operado. Conclusões: Durante a APB, estruturas localizadas no espaço intraconal podem ser atingidas acidentalmente levando a complicações como a descrita no relato acima. O respeito às diretrizes técnicas e o uso de agulhas com o tamanho adequado podem reduzir o risco de tal complicação, mas não de forma completa. <![CDATA[Dural sinus thrombosis following epidural analgesia for delivery: a clinical case]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-70942018000300303&lng=es&nrm=iso&tlng=es Abstract Background and objectives: Neurological complications of spinal anesthesia are rare conditions. Headache caused by low pressure of the cerebrospinal fluid is one of the most frequent, which occurs after post-dural puncture. A comprehensive history and physical exam must be carried out before making the diagnosis of Post-Dural Puncture Headache (PDPH) and additional tests are necessary to exclude the possibility of developing serious neurological complications such as Dural Sinus Thrombosis (DST). According to the Case Report a differential diagnosis between Dural Sinus Thrombosis with PDPH is discussed. Case report: A 22 year-old lady, ASA Physical Status Class I was admitted at 39 weeks of gestation for delivery. For labor pain relief she requested epidural for analgesia, but unfortunately accidental dural puncture occurred. She developed an occipital headache and neck pain in the second day postpartum which was relieved by both lying down and supporting treatment such as rehydration, analgesics and caffeine. On day third postpartum she was discharged without complaints. On day fifth postpartum the pain returned and became more intense and less responsive to oral analgesics. She was admitted to the hospital to do a complete neurological and image investigation that showed a lesion consistent with the diagnosis of cortical vein thrombosis and Dural Sinus Thrombosis (DST). She was treated with oral anticoagulants. After two days, a repeated magnetic resonance image (MRI) showed partial canalization of the central sinus thrombus. The patient was discharged from hospital five days after her admission without any of the initial symptoms. Conclusion: The report describes a patient who developed severe headache following continuous epidural analgesia for delivery. Initially it was diagnosed as PDPH, however with the aid of MRI the diagnosis of DST was later established and treated. DST is a rare condition and is often underdiagnosed. Because of its potentially lethal complications, it should always be considered in acute headache differential diagnosis.<hr/>Resumo Justificativa e objetivos: As complicações neurológicas da raquianestesia são condições raras. A cefaleia causada pela baixa pressão do fluido cerebrospinal é uma das mais frequentes e ocorre após a punção dural. Anamnese completa e exame físico geral devem ser feitos antes de fazer o diagnóstico de cefaleia pós-punção dural (CPPD) e testes adicionais são necessários para excluir a possibilidade de complicações neurológicas graves, como trombose de seios durais (TSD). De acordo com o relato do caso, discutiremos o diagnóstico diferencial entre TSD e CPPD. Relato de caso: Paciente de 22 anos, estado físico ASA I, foi admitida com 39 semanas de gestação para o parto. Para alívio da dor do trabalho de parto, a paciente solicitou analgesia peridural, mas infelizmente ocorreu uma punção dural acidental. A paciente desenvolveu cefaleia occipital e dor cervical no segundo dia pós-parto - ambas aliviadas com repouso e terapia de suporte, como reidratação, analgésicos e cafeína. No terceiro dia pós-parto, a paciente recebeu alta sem queixas. No quinto dia pós-parto, a dor retornou e ficou mais intensa e com pouca resposta aos analgésicos orais. Ela foi admitida no hospital para uma completa investigação neurológica e de imagem que mostrou uma lesão compatível com o diagnóstico de trombose venosa cortical e TSD. A paciente foi tratada com anticoagulantes orais. Após dois dias, a repetição de ressonância nuclear magnética (RM) mostrou canalização parcial de trombo do seio central. A paciente recebeu alta hospitalar cinco dias após a admissão, sem quaisquer dos sintomas iniciais. Conclusão: O caso descreve uma paciente que desenvolveu cefaleia grave após epidural contínua para o parto. Inicialmente ela foi diagnosticada como CPPD, contudo com o auxílio da RNM foi estabelecido o diagnóstico tardio de TSD. TSD é uma condição rara e frequentemente subdiagnosticada. Ela deve sempre ser considerada como diagnóstico diferencial de cefaleia aguda em decorrência de suas complicações potencialmente letais. <![CDATA[Anesthetic management of two patients with alkaptonuric ochronosis for total knee arthroplasty]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-70942018000300307&lng=es&nrm=iso&tlng=es Abstract The current case report describes two cases of alkaptonuric ochronosis for anesthetic management. Alkaptonuria is a rare genetic orphan disease of tyrosine metabolism characterized by an accumulation of homogentisic acid in cartilage and connective tissues. Patients present most commonly for orthopedic joint surgery due to progressive arthropathy that can be misdiagnosed many a times. However respiratory, airway, cardiovascular and genitourinary systems complications can occur with age progressing. Restricted range of motion of cervical spine may lead to difficulty with airway management. In addition, degenerative changes and stiffness of lumbar spine due to ochronosis would make neuraxial blockade challenging. Although this inherited condition is extremely rare, anesthesiologists should be aware of its existence and prepare for management of potential challenging problems. This report highlights special care and precautions that need to be taken during anesthetic management.<hr/>Resumo Este relato descreve o manejo anestésico em dois casos de ocronose alcaptonúrica. Alcaptonúria é uma doença genética rara do metabolismo de tirosina caracterizada por acúmulo de ácido homogentísico em cartilagem e tecidos conjuntivos. Os pacientes geralmente recorrem à cirurgia ortopédica devido à artropatia progressiva, que, muitas vezes, pode ser diagnosticada incorretamente. No entanto, complicações das vias respiratórias, cardiovasculares e geniturinárias podem ocorrer com o avanço da idade. A restrição de mobilidade da coluna cervical pode levar ao manejo difícil das vias aéreas. Além disso, as alterações degenerativas e a rigidez da coluna lombar devido à ocronose podem tornar o bloqueio neuroaxial um desafio. Embora essa condição hereditária seja extremamente rara, os anestesiologistas devem estar cientes de sua existência e se preparar para o manejo de potenciais problemas desafiadores. Este relato destaca os cuidados e as precauções especiais que devem ser tomadas durante o manejo anestésico. <![CDATA[Anesthetic considerations for awake craniotomy: case report]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-70942018000300311&lng=es&nrm=iso&tlng=es Abstract Background and objectives: The conscious patient cooperation during neurological procedures has become necessary for the delimitation of areas to be managed by a neurosurgeon, with better results in the treatment of tumor lesions, vascular or epileptic foci, and lesser sequelae. The need for perioperative awareness (responsiveness to commands) challenges anesthesiologists to further ensure patient safety during the procedure. Several techniques have been described for this purpose. Case report: In this case, interaction with the patient during brain tumor resection enabled a broad approach of the tumor lesion, limited by deficits in speech and naming observed during surgical manipulation, avoiding major consequences. The chosen technique was deepening of general anesthesia during surgical times of most painful stimulus with intraoperative awakening of the patient. Conclusions: Patient selection, an exhaustive explanation of the procedure to him, and the selection of drugs are crucial for a successful procedure. Laryngeal mask is useful in times requiring greater depth and anesthetic ventilation control, primarily in situations where endotracheal intubation may be hindered by the position. The continuous infusion of remifentanil and adjuncts in the awake period associated adequate analgesia and full consciousness.<hr/>Resumo Justificativa e objetivos: A colaboração consciente do paciente durante procedimentos neurológicos tem se tornado necessária para delimitar áreas a serem abordadas pelo neurocirurgião, com melhores resultados no tratamento de lesões tumorais, vasculares ou focos epiléticos e minimização de sequelas. A necessidade de consciência perioperatória e responsividade a comandos desafia o anestesiologista a garantir ainda a segurança do paciente durante o procedimento. Várias técnicas têm sido descritas para esse fim. Relato de caso: No presente caso, a interação com paciente durante ressecção de tumor cerebral possibilitou abordagem ampla de lesão tumoral, limitada por déficits de fala e de identificação notados à manipulação cirúrgica, e evitou sequelas maiores. A indução de anestesia geral em tempos cirúrgicos de maior estímulo doloroso com despertar intraoperatório do paciente foi a técnica escolhida. Conclusões: A seleção do paciente, seu exaustivo esclarecimento e a seleção das drogas são de fundamental importância para o sucesso do procedimento. A máscara laríngea é instrumento útil em tempos que exigem maior profundidade anestésica e controle da ventilação, primariamente em situações em que a intubação endotraqueal pode estar dificultada pelo posicionamento. A infusão contínua de remifentanil e coadjuvantes no período desperto associou analgesia adequada e consciência plena. <![CDATA[Internal carotid artery dissection after laparoscopic surgery]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-70942018000300315&lng=es&nrm=iso&tlng=es Abstract Headache is a common symptom in the postoperative period and may be attributable to, dehydration, sleep deprivation, intentional or inadvertent dural puncture during a neuraxial anesthesia technique, from an inhaled anesthetic agent, or from specific surgical procedures, among other etiologies. However, more serious, uncommon and life-threatening conditions as carotid artery dissection can be associated with severe neurologic sequelae in otherwise young, healthy patients. For these reasons, clinicians involved with postoperative patients should be familiar with the presentation and management strategies for this complication.<hr/>Resumo A cefaleia é um sintoma comum no período pós-operatório e pode ser atribuída à desidratação, privação do sono, punção dural intencional ou acidental durante a administração de anestesia neuraxial, ao anestésico inalatório ou a procedimentos cirúrgicos específicos, entre outras etiologias. Entretanto, condições mais graves, incomuns e potencialmente fatais, como a dissecção da artéria carótida, podem estar associadas a sequelas neurológicas graves em pacientes jovens e, sob outros aspectos, saudáveis. Portanto, os médicos envolvidos com pacientes pós-operados devem estar familiarizados com as estratégias de apresentação e manejo dessa complicação. <![CDATA[Selective left mainstem bronchial intubation in the neonatal intensive care unit]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-70942018000300318&lng=es&nrm=iso&tlng=es Abstract Background: Selective neonatal left mainstem bronchial intubation to treat right lung disease is typically achieved with elaborate maneuvers, instrumentation and devices. This is often attributed to bronchial geometry which favors right mainstem entry of an endotracheal tube deliberately advanced beyond the carina. Case summary: A neonate with severe bullous emphysema affecting the right lung required urgent non-ventilation of that lung. We achieved left mainstem bronchial intubation by turning the endotracheal tube 180° such that the Murphy's eye faced the left instead of the right, and simulated a left-handed intubation by slightly orientating the endotracheal tube such that its concavity faced the left instead of the right as in a conventional right-handed intubation. Conclusion: Urgent intubation of the left mainstem bronchus with an endotracheal tube can be easily achieved by recognizing that it is the position of the endotracheal tube tip and the direction of its concavity that are the chief determinants of which bronchus an endotracheal tube goes when advanced. This is important in critically ill neonates as the margin of safety and time window are small, and the absence of double-lumen tubes. Use of fiberoptic bronchoscope and blockers should be reserved as backup plans.<hr/>Resumo Justificativa: A intubação seletiva neonatal do brônquio principal esquerdo para tratar a doença pulmonar direita é tipicamente feita com elaboradas manobras, instrumentação e dispositivos. Isso é frequentemente atribuído à geometria brônquica que favorece a entrada principal direita de um tubo endotraqueal (TET) deliberadamente avançado para além da carina. Resumo do caso: Recém-nascido com enfisema bolhoso grave que afetava o pulmão direito e precisou com urgência da não ventilação desse pulmão. Para conseguir a intubação brônquica esquerda fizemos uma rotação de 180° do TET, de forma que o olho de Murphy ficasse voltado para a esquerda, e não para a direita, e para simular uma intubação à esquerda orientamos ligeiramente o TET, de modo que sua concavidade virasse para a esquerda em vez de para a direita, como em uma intubação convencional à direita. Conclusão: A intubação urgente do brônquio principal esquerdo com um TET pode ser facilmente obtida se reconhecermos que é a posição da ponta do TET e a direção de sua concavidade que determinam para qual brônquio o TET irá quando avançado. Isso é importante em neonatos criticamente doentes diante da margem de segurança e janela de tempo pequenas e na ausência de tubos de duplo lúmen. O uso de broncofibroscópio e bloqueadores deve ser considerado como planos de segurança. <![CDATA[Radicular pain caused by Schmorl's node: a case report]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-70942018000300322&lng=es&nrm=iso&tlng=es Abstract Schmorl's node a focal herniation of intervertebral disc through the end plate into the vertebral body. Most of the established Schmorl's nodes are quiescent. However, disc herniation into the vertebral marrow can cause low back pain by irritating a nociceptive system. Schmorl's node induced radicular pain is a very rare condition. Some cases of Schmorl's node which generated low back pain or radicular pain were treated by surgical methods. In this article, authors reported a rare case of a patient with radicular pain cause by Schmorl's node located at the inferior surface of the 5th lumbar spine. The radicular pain was alleviated by serial 5th lumbar transforaminal epidural blocks. Transforaminal epidural block is suggested as first conservative option to treat radicular pain due to herniation of intervertebral disc. Therefore, non-surgical treatment such as transforaminal epidural block can be considered a first treatment option for radicular pain caused by Schmorl's node.<hr/>Resumo O nódulo de Schmörl (NS) é a herniação focal do disco intervertebral através da placa terminal para dentro do corpo vertebral. A maioria dos nódulos de Schmörl já estabelecidos é quiescente. Porém, a hérnia de disco na medula vertebral pode causar dor lombar quando afeta um sistema nociceptivo. A dor radicular induzida por NS é uma condição muito rara. Alguns casos de NS que causaram dor lombar ou radicular foram tratados com procedimentos cirúrgicos. Neste artigo, relatamos o caso raro de um paciente com dor radicular causada por NS localizado na superfície inferior da quinta vértebra lombar (L5). A dor radicular foi atenuada mediante uma série de bloqueios peridurais transforaminais no nível L5. O bloqueio epidural transforaminal (BET) foi sugerido como primeira opção conservadora para tratar a dor radicular devido à herniação do disco intervertebral. Portanto, um tratamento não cirúrgico como o BET pode ser considerado como uma primeira opção de tratamento da dor radicular causada por NS. <![CDATA[We need patients more obese]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-70942018000300325&lng=es&nrm=iso&tlng=es Abstract Schmorl's node a focal herniation of intervertebral disc through the end plate into the vertebral body. Most of the established Schmorl's nodes are quiescent. However, disc herniation into the vertebral marrow can cause low back pain by irritating a nociceptive system. Schmorl's node induced radicular pain is a very rare condition. Some cases of Schmorl's node which generated low back pain or radicular pain were treated by surgical methods. In this article, authors reported a rare case of a patient with radicular pain cause by Schmorl's node located at the inferior surface of the 5th lumbar spine. The radicular pain was alleviated by serial 5th lumbar transforaminal epidural blocks. Transforaminal epidural block is suggested as first conservative option to treat radicular pain due to herniation of intervertebral disc. Therefore, non-surgical treatment such as transforaminal epidural block can be considered a first treatment option for radicular pain caused by Schmorl's node.<hr/>Resumo O nódulo de Schmörl (NS) é a herniação focal do disco intervertebral através da placa terminal para dentro do corpo vertebral. A maioria dos nódulos de Schmörl já estabelecidos é quiescente. Porém, a hérnia de disco na medula vertebral pode causar dor lombar quando afeta um sistema nociceptivo. A dor radicular induzida por NS é uma condição muito rara. Alguns casos de NS que causaram dor lombar ou radicular foram tratados com procedimentos cirúrgicos. Neste artigo, relatamos o caso raro de um paciente com dor radicular causada por NS localizado na superfície inferior da quinta vértebra lombar (L5). A dor radicular foi atenuada mediante uma série de bloqueios peridurais transforaminais no nível L5. O bloqueio epidural transforaminal (BET) foi sugerido como primeira opção conservadora para tratar a dor radicular devido à herniação do disco intervertebral. Portanto, um tratamento não cirúrgico como o BET pode ser considerado como uma primeira opção de tratamento da dor radicular causada por NS. <![CDATA[Letter to the Editor in response to “Evaluation of the efficacy of lidocaine and magnesium sulphate in reducing the hemodynamic effects caused after intubation/laryngoscopy”]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-70942018000300326&lng=es&nrm=iso&tlng=es Abstract Schmorl's node a focal herniation of intervertebral disc through the end plate into the vertebral body. Most of the established Schmorl's nodes are quiescent. However, disc herniation into the vertebral marrow can cause low back pain by irritating a nociceptive system. Schmorl's node induced radicular pain is a very rare condition. Some cases of Schmorl's node which generated low back pain or radicular pain were treated by surgical methods. In this article, authors reported a rare case of a patient with radicular pain cause by Schmorl's node located at the inferior surface of the 5th lumbar spine. The radicular pain was alleviated by serial 5th lumbar transforaminal epidural blocks. Transforaminal epidural block is suggested as first conservative option to treat radicular pain due to herniation of intervertebral disc. Therefore, non-surgical treatment such as transforaminal epidural block can be considered a first treatment option for radicular pain caused by Schmorl's node.<hr/>Resumo O nódulo de Schmörl (NS) é a herniação focal do disco intervertebral através da placa terminal para dentro do corpo vertebral. A maioria dos nódulos de Schmörl já estabelecidos é quiescente. Porém, a hérnia de disco na medula vertebral pode causar dor lombar quando afeta um sistema nociceptivo. A dor radicular induzida por NS é uma condição muito rara. Alguns casos de NS que causaram dor lombar ou radicular foram tratados com procedimentos cirúrgicos. Neste artigo, relatamos o caso raro de um paciente com dor radicular causada por NS localizado na superfície inferior da quinta vértebra lombar (L5). A dor radicular foi atenuada mediante uma série de bloqueios peridurais transforaminais no nível L5. O bloqueio epidural transforaminal (BET) foi sugerido como primeira opção conservadora para tratar a dor radicular devido à herniação do disco intervertebral. Portanto, um tratamento não cirúrgico como o BET pode ser considerado como uma primeira opção de tratamento da dor radicular causada por NS. <![CDATA[Sugammadex to prevent postoperative nausea and vomiting?]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-70942018000300327&lng=es&nrm=iso&tlng=es Abstract Schmorl's node a focal herniation of intervertebral disc through the end plate into the vertebral body. Most of the established Schmorl's nodes are quiescent. However, disc herniation into the vertebral marrow can cause low back pain by irritating a nociceptive system. Schmorl's node induced radicular pain is a very rare condition. Some cases of Schmorl's node which generated low back pain or radicular pain were treated by surgical methods. In this article, authors reported a rare case of a patient with radicular pain cause by Schmorl's node located at the inferior surface of the 5th lumbar spine. The radicular pain was alleviated by serial 5th lumbar transforaminal epidural blocks. Transforaminal epidural block is suggested as first conservative option to treat radicular pain due to herniation of intervertebral disc. Therefore, non-surgical treatment such as transforaminal epidural block can be considered a first treatment option for radicular pain caused by Schmorl's node.<hr/>Resumo O nódulo de Schmörl (NS) é a herniação focal do disco intervertebral através da placa terminal para dentro do corpo vertebral. A maioria dos nódulos de Schmörl já estabelecidos é quiescente. Porém, a hérnia de disco na medula vertebral pode causar dor lombar quando afeta um sistema nociceptivo. A dor radicular induzida por NS é uma condição muito rara. Alguns casos de NS que causaram dor lombar ou radicular foram tratados com procedimentos cirúrgicos. Neste artigo, relatamos o caso raro de um paciente com dor radicular causada por NS localizado na superfície inferior da quinta vértebra lombar (L5). A dor radicular foi atenuada mediante uma série de bloqueios peridurais transforaminais no nível L5. O bloqueio epidural transforaminal (BET) foi sugerido como primeira opção conservadora para tratar a dor radicular devido à herniação do disco intervertebral. Portanto, um tratamento não cirúrgico como o BET pode ser considerado como uma primeira opção de tratamento da dor radicular causada por NS.