Scielo RSS <![CDATA[Revista Brasileira de Economia]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=0034-714020140001&lang=en vol. 68 num. 1 lang. en <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[<b>Nota do Editor</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71402014000100001&lng=en&nrm=iso&tlng=en <![CDATA[<b>Determinantes do requerimento de colateral em empréstimos empresariais</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71402014000100002&lng=en&nrm=iso&tlng=en O objetivo deste artigo é avaliar, empiricamente, determinantes do requerimento de colateral exigido pelo credor do setor empresarial formal da economia brasileira, no horizonte de curto prazo. Os resultados empíricos indicam que a probabilidade de vinculação de colateral em empréstimos empresariais é maior entre devedores com menor qualidade de crédito e entre devedores com maior qualidade de crédito não observada pelo credor. Adicionalmente, maior competição e rivalidade no mercado de crédito elevam aquela probabilidade. Tais evidências se mostram em conformidade com a literatura recente, no sentido de que requerimentos de colateral podem ser distintos entre diferentes mercados de crédito.<hr/>The goal of this paper is to evaluate the determinants of collateral requirement by the lender in the formal entrepreneurial sector of the Brazilian economy in the short-run horizon. The results indicate that the probability of using collateral is higher among borrowers with lower credit quality and borrowers who fulfill past financial promises. In addition, higher competition and rivalry in the credit market increase the probability of collateral utilization in short-run loans. Such evidence corroborates recent findings of the literature in the sense that the determinants of collateral requirement in financial loans might be distinct among different credit markets. <![CDATA[<b>Propagação assimétrica de choques monetários na economia brasileira</b>: <b>evidências com base em um modelo vetorial não-linear de transição suave</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71402014000100003&lng=en&nrm=iso&tlng=en O trabalho busca aprofundar as investigações empíricas relacionadas aos efeitos assimétricos de choques monetários na economia brasileira. Como instrumental de análise, utiliza-se um modelo vetorial não linear de transição suave para variáveis relacionadas ao produto, às taxas de inflação e de câmbio e ao indicador de política monetária. As funções de resposta a impulso estimadas apontaram que choques monetários expansionistas e contracionistas têm efeitos assimétricos sobre o crescimento do produto e a inflação. Quanto ao ciclo econômico, choques monetários contracionistas mostraram maior impacto em regimes de menor crescimento ou inflação baixa, enquanto os choques expansionistas predominaram em períodos de maior crescimento ou inflação alta. Ademais, evidencia-se a rigidez da inflação e do crescimento do produto aos choques contra cíclicos.<hr/>This paper attempts to extend empirical investigations about the asymmetric effects of monetary shocks in the Brazilian economy. We specify and estimate a nonlinear smooth transition vector autoregressive model including output, inflation, exchange rate and a monetary policy indicator (SELIC rate). Impulse response functions showed that expansionary and contractionary monetary shocks have asymmetric effects on output growth and inflation. Regarding to the business cycle, contractionary monetary shocks showed stronger effects in both low-growth and low-inflation states, while expansionary shocks were stronger in both higher-growth and higherinflation periods. In addition, we found that inflation and output growth are rigid to countercyclical monetary shocks. <![CDATA[<b>Common factors and the exchange rate</b>: <b>results from the Brazilian case</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71402014000100004&lng=en&nrm=iso&tlng=en This paper studies the usefulness of factor models in explaining the dynamics of the exchange rate Real / Dollar from January 1999 to August 2011. The paper verifies that the inclusion of factors embedded on the common movements of exchange rates of a set of countries significantly improves the in-sample and out-of-sample predictive power of the models comprising only macroeconomic fundamentals commonly used in the literature to forecast the exchange rate. The paper also links the information contained in the factors to global shocks like the demand for dollars - a "dollar effect", volatility and liquidity of global financial markets.<hr/>O artigo examina a utilidade de modelos fatoriais na análise da dinâmica da taxa de câmbio Real / Dólar Norte-Americano no período de Janeiro de 1999 a Agosto de 2011. O estudo verifica que a inclusão dos fatores contidos nos movimentos comuns da taxa de câmbio de um conjunto de países melhora significantemente o poder preditivo dentro e fora da amostra dos modelos que contêm unicamente variáveis macroeconômicas comumente utilizadas na literatura para prever a trajetória da taxa de câmbio. O trabalho liga a informação contida nos fatores estimados a choques globais como a demanda por dólares - "Efeito dólar", volatilidade e liquidez do mercado financeiro global. <![CDATA[<b>Monetary policy and regional output in Brazil</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71402014000100005&lng=en&nrm=iso&tlng=en This work presents an analysis of whether the effects of the Brazilian monetary policy on regional outputs are symmetric. The strategy developed combines the techniques of principal component analysis (PCA) to decompose the variables that measure regional economic activity into common and region-specific components and vector autoregressions (VAR) to observe the behavior of these variables in response to monetary policy shocks. The common component responds to monetary policy as expected. Additionally, the idiosyncratic components of the regions showed no impact of monetary policy. The main finding of this paper is that the monetary policy responses on regional output are symmetrical when the regional output decomposition is performed, and the responses are asymmetrical when this decomposition is not performed. Therefore, performing the regional output decomposition corroborates the economic intuition that monetary policy has no impact on region-specific issues. Once monetary policy affects the common component of the regional economic activity and does not impact its idiosyncratic components, it can be considered symmetrical.<hr/>O presente estudo consiste em verificar se são simétricos os efeitos da política monetária brasileira sobre a atividade econômica das cinco grandes regiões que integram o país. A estratégia desenvolvida combina as técnicas de análise de componentes principais (ACP), para decompor as variáveis que medem a atividade econômica regional em componente comum e componentes região-específicos, e de vetores autorregressivos (VAR), com objetivo de observar o comportamento dessas variáveis em resposta a choques de política monetária. O componente comum respondeu à política monetária conforme o esperado. Adicionalmente, os componentes idiossincráticos das regiões indicaram ausência de impacto da política monetária. A principal contribuição deste artigo está na constatação de que os efeitos da política monetária no produto regional indicam simetria quando há decomposição do produto e assimetria quando esta decomposição não é realizada. Efetuar a decomposição é um procedimento mais adequado e os resultados apresentam-se conforme a intuição econômica de que a política monetária não impacta questões região-específicas. Portanto, ao afetar o componente comum à atividade econômica regional e não impactar seus componentes idiossincráticos, a política monetária pode ser considerada simétrica. <![CDATA[<b>Restrições financeiras e a decisão de investimento das firmas brasileiras</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71402014000100006&lng=en&nrm=iso&tlng=en O estudo objetiva testar a relação entre restrições ao crédito e investimento das firmas brasileiras utilizando a estratégia delineada por Almeida e Campello (2007), a qual se mostra robusta às diversas críticas levantadas pela literatura. Os resultados encontrados sugerem que: 1) firmas classificadas como não restritas, em geral, comportam-se exatamente como prevê o modelo neoclássico; e 2) firmas classificadas como restritas comportam-se de maneira consistente com o modelo de Almeida e Campello (2007). Esses resultados diferem substancialmente daqueles evidenciados em estudos anteriores no Brasil e constituem uma evidência (original) da existência do efeito multiplicador de crédito no nível de firma.<hr/>This study aims to test the relationship between financial constraints and investment for Brazilian firms using the strategy outlined by Almeida and Campello (2007), which is robust to several criticisms raised in the literature. The main results suggest that: 1) firms classified as unconstrained, in general, behave exactly like predicted by the neoclassic model; and 2) firms classified as constrained behave in a way that is consistent with Almeida and Campello (2007) model. These results differ substantially from those reported in previous studies in Brazil and constitute a novel evidence of a credit multiplier effect at the firm level. <![CDATA[<b>O impacto do tempo de pendência das patentes na trajetória de crescimento</b>: <b>uma análise com base no modelo schumpeteriano de crescimento endógeno com avanço de qualidade</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71402014000100007&lng=en&nrm=iso&tlng=en O objetivo deste trabalho é analisar o impacto do tempo de pendência das patentes sobre a trajetória de crescimento equilibrado da economia. Trabalhamos com a hipótese de que o tempo de pendência representa um período de incerteza para os agentes inovativos, o que afeta os esforços de P&D. Para operacionalizar nossas hipóteses utilizamos o modelo schumpeteriano de crescimento endógeno com avanço de qualidade, baseado em Grossman e Helpman (1991a,b) e Aghion e Howitt (1992). Nossos resultados mostram que o tempo de pendência tem um impacto negativo sobre o crescimento e o bem-estar da economia, de forma que períodos mais longos de espera pela decisão da patente geram uma maior perda em termos de crescimento. Isto sugere a necessidade de políticas que visem a reduzir, de forma eficiente, o tempo de exame das patentes.<hr/>This study aims to analyze the impact of the patent pendency time on the Balanced Growth Path (BGP). We assume that during the pendency time the innovative agents face an uncertainty period, which affects the R&D efforts. To operate our assumptions we use the schumpeterian endogenous growth model based in Grossman e Helpman (1991a,b) and Aghion e Howitt (1992). Our results show that the pendency time has a negative impact on growth and welfare, so that a longer delay for the patent decision increases the growth loss. This suggests the implementation of policies to reduce efficiently the patent examination time.