Scielo RSS <![CDATA[Revista Brasileira de Política Internacional]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=0034-732919990001&lang=en vol. 42 num. 1 lang. en <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[<b>O Brasil e o mundo no limiar do novo século</b>: <b>diplomacia e desenvolvimento</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-73291999000100001&lng=en&nrm=iso&tlng=en Durante o primeiro mandato do Presidente Fernando Henrique Cardoso, a renovação do sentimento de autoconfiança do país e o respeito da comunidade internacional favoreceram a política externa. Diante das dificuldades econômicas na virada de ano 1998-99, a diplomacia deve manter a visão do longo prazo. O Brasil continua a ser um "país que conta", e que depende fundamentalmente de si próprio para desenvolver-se. Mas é também preciso que melhorem as condições externas. O Brasil empenha-se em contribuir para os debates sobre transformações na ordem internacional. A tarefa prioritária da diplomacia nacional é a de criação de condições externas tão favoráveis quanto possível para o desenvolvimento. A agenda externa do país em 1999 - crise financeira internacional; protecionismo dos países industrializados; integração regional (MERCOSUL, Comunidade Andina, México); ALCA; Cúpula América Latina e Caribe-Europa; negociações agrícolas e "Rodada do Milênio" na OMC; imagem - tem conseqüências importantes para o processo de desenvolvimento nacional.<hr/>The renewal of the country's self-confidence and the earned respect from the international community were two important assets for the Brazilian diplomacy during President Fernando Henrique Cardoso's first term. Faced with the country's economic difficulties in the end of 1998 and beginning of 1999, diplomacy must keep in mind a long term view. Brazil will continue to be a "country that counts", which fundamentally depends on itself to develop. But the improvement of external conditions is also necessary. Brazil is willing to give its contribution to the discussions about changes in the international order. Brazilian foreign policy's priority is the creation of the utmost favourable external conditions for development. The foreign agenda of the country in 1999 - international financial crisis; industrialized countries' protectionism; regional integration (MERCOSUR, Andean Community, Mexico); FTAA; Latin America and the Caribbean-Europe Summit; agricultural negotiations and the WTO "Millennium Round"; image - has important consequences for national development. <![CDATA[<b>Opinião pública e política externa do Brasil do Império a João Goulart</b>: <b>um balanço historiográfico</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-73291999000100002&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este artigo avalia a relação existente entre opinião pública e política externa no Brasil, desde o Império, em que se evidenciam os interesses das elites letradas enunciados no Parlamento, até a presidência de Jânio Quadros, quando se verifica o apogeu do populismo no Brasil. Procura estabelecer quais eram as correntes de opinião expressa que representavam a política externa nos diversos períodos da historiografia brasileira de relações internacionais. Pretende, também, avaliar a extensão da repercussão que teria a política internacional brasileira sobre a opinião nacional no mesmo período.<hr/>The purpose of this article is to evaluate the rapport between public opinion and Brazilian foreign policy. It proposes a historiographic analysis of the period going from the country's independence to the apogee of populism under João Goulart's presidency. It also aims to determine the groups which most evidently represented public opinion in the various periods of Brazilian history of international relations, as well as the importance of their expressed points of view in relation to the foreign policy decision-making process. Also pertinent is the comprehension of the impact which international relations may have had in society in the same period. <![CDATA[<b>A participação brasileira em negociações multilaterais e regionais sobre serviços financeiros</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-73291999000100003&lng=en&nrm=iso&tlng=en Face à nova inserção financeira do Brasil, procura-se investigar os diferentes processos de negociação multilateral e regional em que o país tem participado. Busca-se saber se o processo de abertura e liberalização financeira foi condicionado por pressões externas, consubstanciadas nos diferentes fóruns de negociações multilaterais e regionais. Analisam-se, então, as seguintes negociações sobre comércio de serviços financeiros: a) o Acordo Geral sobre o Comércio de Serviços (Gats); b) o Mercado Comum do Sul (Mercosul) e; c) a Área de Livre-comércio das Américas (Alca).<hr/>Having the new Brazilian financial insertion as its background, the article investigates the different processes of multilateral and regional negotiation in which Brazil has participated. It intends to understand if the process of financial liberalization was conditioned by outer pressure, concretized in different multilateral and regional fora. It analyzes, then, the three following negotiations of the financial services trade: a) the General Agreement on Trade in Services; the South Common Market (Mercosul), and; c) the Free Trade Area of the Americas (Ftaa). <![CDATA[<b>A vida longa das linhas retas</b>: <b>cinco mitos sobre as fronteiras na África Negra</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-73291999000100004&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este trabalho estuda as fronteiras políticas na África Negra nas suas dimensões históricas e atuais. Discutindo e criticando as suposições estereotipadas no discurso popular e acadêmico sobre as fronteiras na África, visa explicar porque elas exibiram, apesar de todas as suas imperfeições e defeitos, tanta resistência a mudanças.<hr/>This article studies the political borders in Black Africa in their historical and modern dimensions. Discussing and criticising the stereotipical suppositions in public and academic discourse, this study intends to explain why, in spite of all their supposed imperfections, modern African borders display such a great deal of resistence to change. <![CDATA[<b>O mar territorial brasileiro de 200 milhas</b>: <b>estratégia e soberania, 1970-1982</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-73291999000100005&lng=en&nrm=iso&tlng=en O artigo procura analisar e identificar o conjunto de forças que contribuíram, decisivamente, no alargamento do mar territorial brasileiro para 200 milhas marítimas, em março de 1970. Procura, ainda, demonstrar a estratégia empreendida pela política externa brasileira, em defesa de seu mar territorial de 200 milhas, durante o período que compreende a extensão marítima, em 1970, até a conclusão dos trabalhos da III Conferência das Nações Unidas sobre o Direito do Mar, em 1982, avaliando a Conferência e seus resultados principais no âmbito dos interesses brasileiros.<hr/>The main purpose of this article is to analyse and identify the forces that contributed decisively to the expansion of the Brazilian territorial sea to 200 miles, in March 1970. Another purpose is to demonstrate the strategy undertaken by Brazilian Foreign Policy in defence of the 200 mile territorial sea, during the period that goes from the maritime expansion, in 1970, until the conclusion of the works of the III United Nations Convention on the Law of the Sea, in 1982, evaluating the Convention and its main results in the area of Brazilian interests. <![CDATA[<b>Segurança e defesa</b>: <b>uma única visão abaixo do Equador</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-73291999000100006&lng=en&nrm=iso&tlng=en O artigo começa apresentando uma análise da atual configuração do poder no cenário internacional, dividido entre centro (hegemônico e não hegemônico) e periferia (e suas subdivisões), para, em seguida, traçar um panorama das percepções estratégicas de cada uma das subdivisões do sistema internacional em sua relação com o Brasil, a Argentina e o Mercosul, em especial. Ao final, o artigo analisa a situação corrente e prescreve iniciativas tocantes às políticas de defesa e segurança definidas como ideais para Brasil, Argentina e o Mercosul.<hr/>The article presents an analysis of the current configuration of power in the international scenario, divided between the center (hegemonic and not hegemonic) and the periphery (and its subdivisions). At length, a panorama of strategic perceptions of each of the subdivisions of the international system, especially in its relation with Brazil, Argentina and Mercosul, is traced. At the end, the article analyses the current situation and prospects for defense and security policies of Brazil, Argentina and Mercosul. <![CDATA[<b>Globalização, regionalismo e ordem internacional</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-73291999000100007&lng=en&nrm=iso&tlng=en O artigo procura examinar a relação entre o processo de globalização econômica e a estabilidade da ordem internacional desde a perspectiva crítica da Economia Política Internacional. Sustenta-se que tal perspectiva apresenta-se como a mais adequada para pensar a questão central do debate das ciências sociais hoje: a relação entre Estados e Mercados e a tensão entre uma economia cada vez mais internacionalizada e um sistema político que permanece baseado no Estado-nação. O texto analisa as grandes transformações em curso no contexto da globalização econômica, a instauração de uma ordem política pós-Wesfálica, assim como seus efeitos sobre o papel do Estado e as relações internacionais. Em seguida, o significado da tendência em direção ao regionalismo é analisado, com o estudo do caso da União Européia e de suas novas áreas de integração política, com ênfase na Política Externa e de Segurança Comum (PESC). O artigo conclui apresentando o sucesso da União Européia como evidência da relação entre estabilidade econômica e cooperação política.<hr/>This article examines the links between the process of economic globalization and the stability of the international order from the International Political Economy perspective. It argues that this perspective is the most appropriate to shed light on what is today the central issue in social sciences: the relation between States and Markets, and the tension between an increasingly globalized economy and a territorially-defined political system. The paper discusses the ongoing transformations in the context of economic globalization and the shift to a post-Westphalian political order, as well as its effects on the role of the state and on International Relations. It then turns to the analysis of the meaning of regionalism, with the case study of the new areas of political integration within the European Union, in particular the Common Foreign and Security Policy (CFSP). The European Union provides evidence of the links between economic stability and political cooperation. <![CDATA[<b>Errata</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-73291999000100008&lng=en&nrm=iso&tlng=en O artigo procura examinar a relação entre o processo de globalização econômica e a estabilidade da ordem internacional desde a perspectiva crítica da Economia Política Internacional. Sustenta-se que tal perspectiva apresenta-se como a mais adequada para pensar a questão central do debate das ciências sociais hoje: a relação entre Estados e Mercados e a tensão entre uma economia cada vez mais internacionalizada e um sistema político que permanece baseado no Estado-nação. O texto analisa as grandes transformações em curso no contexto da globalização econômica, a instauração de uma ordem política pós-Wesfálica, assim como seus efeitos sobre o papel do Estado e as relações internacionais. Em seguida, o significado da tendência em direção ao regionalismo é analisado, com o estudo do caso da União Européia e de suas novas áreas de integração política, com ênfase na Política Externa e de Segurança Comum (PESC). O artigo conclui apresentando o sucesso da União Européia como evidência da relação entre estabilidade econômica e cooperação política.<hr/>This article examines the links between the process of economic globalization and the stability of the international order from the International Political Economy perspective. It argues that this perspective is the most appropriate to shed light on what is today the central issue in social sciences: the relation between States and Markets, and the tension between an increasingly globalized economy and a territorially-defined political system. The paper discusses the ongoing transformations in the context of economic globalization and the shift to a post-Westphalian political order, as well as its effects on the role of the state and on International Relations. It then turns to the analysis of the meaning of regionalism, with the case study of the new areas of political integration within the European Union, in particular the Common Foreign and Security Policy (CFSP). The European Union provides evidence of the links between economic stability and political cooperation. <![CDATA[<b>A Europa atual</b>: <b>questões de segurança coletiva e integração econômica</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-73291999000100009&lng=en&nrm=iso&tlng=en O artigo procura examinar a relação entre o processo de globalização econômica e a estabilidade da ordem internacional desde a perspectiva crítica da Economia Política Internacional. Sustenta-se que tal perspectiva apresenta-se como a mais adequada para pensar a questão central do debate das ciências sociais hoje: a relação entre Estados e Mercados e a tensão entre uma economia cada vez mais internacionalizada e um sistema político que permanece baseado no Estado-nação. O texto analisa as grandes transformações em curso no contexto da globalização econômica, a instauração de uma ordem política pós-Wesfálica, assim como seus efeitos sobre o papel do Estado e as relações internacionais. Em seguida, o significado da tendência em direção ao regionalismo é analisado, com o estudo do caso da União Européia e de suas novas áreas de integração política, com ênfase na Política Externa e de Segurança Comum (PESC). O artigo conclui apresentando o sucesso da União Européia como evidência da relação entre estabilidade econômica e cooperação política.<hr/>This article examines the links between the process of economic globalization and the stability of the international order from the International Political Economy perspective. It argues that this perspective is the most appropriate to shed light on what is today the central issue in social sciences: the relation between States and Markets, and the tension between an increasingly globalized economy and a territorially-defined political system. The paper discusses the ongoing transformations in the context of economic globalization and the shift to a post-Westphalian political order, as well as its effects on the role of the state and on International Relations. It then turns to the analysis of the meaning of regionalism, with the case study of the new areas of political integration within the European Union, in particular the Common Foreign and Security Policy (CFSP). The European Union provides evidence of the links between economic stability and political cooperation. <![CDATA[<b>O capitalismo pós-nacional e os riscos da inserção desigual do Brasil</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-73291999000100010&lng=en&nrm=iso&tlng=en O artigo procura examinar a relação entre o processo de globalização econômica e a estabilidade da ordem internacional desde a perspectiva crítica da Economia Política Internacional. Sustenta-se que tal perspectiva apresenta-se como a mais adequada para pensar a questão central do debate das ciências sociais hoje: a relação entre Estados e Mercados e a tensão entre uma economia cada vez mais internacionalizada e um sistema político que permanece baseado no Estado-nação. O texto analisa as grandes transformações em curso no contexto da globalização econômica, a instauração de uma ordem política pós-Wesfálica, assim como seus efeitos sobre o papel do Estado e as relações internacionais. Em seguida, o significado da tendência em direção ao regionalismo é analisado, com o estudo do caso da União Européia e de suas novas áreas de integração política, com ênfase na Política Externa e de Segurança Comum (PESC). O artigo conclui apresentando o sucesso da União Européia como evidência da relação entre estabilidade econômica e cooperação política.<hr/>This article examines the links between the process of economic globalization and the stability of the international order from the International Political Economy perspective. It argues that this perspective is the most appropriate to shed light on what is today the central issue in social sciences: the relation between States and Markets, and the tension between an increasingly globalized economy and a territorially-defined political system. The paper discusses the ongoing transformations in the context of economic globalization and the shift to a post-Westphalian political order, as well as its effects on the role of the state and on International Relations. It then turns to the analysis of the meaning of regionalism, with the case study of the new areas of political integration within the European Union, in particular the Common Foreign and Security Policy (CFSP). The European Union provides evidence of the links between economic stability and political cooperation. <![CDATA[<b>Angola e Brasil nas rotas do Atlântico Sul</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-73291999000100011&lng=en&nrm=iso&tlng=en O artigo procura examinar a relação entre o processo de globalização econômica e a estabilidade da ordem internacional desde a perspectiva crítica da Economia Política Internacional. Sustenta-se que tal perspectiva apresenta-se como a mais adequada para pensar a questão central do debate das ciências sociais hoje: a relação entre Estados e Mercados e a tensão entre uma economia cada vez mais internacionalizada e um sistema político que permanece baseado no Estado-nação. O texto analisa as grandes transformações em curso no contexto da globalização econômica, a instauração de uma ordem política pós-Wesfálica, assim como seus efeitos sobre o papel do Estado e as relações internacionais. Em seguida, o significado da tendência em direção ao regionalismo é analisado, com o estudo do caso da União Européia e de suas novas áreas de integração política, com ênfase na Política Externa e de Segurança Comum (PESC). O artigo conclui apresentando o sucesso da União Européia como evidência da relação entre estabilidade econômica e cooperação política.<hr/>This article examines the links between the process of economic globalization and the stability of the international order from the International Political Economy perspective. It argues that this perspective is the most appropriate to shed light on what is today the central issue in social sciences: the relation between States and Markets, and the tension between an increasingly globalized economy and a territorially-defined political system. The paper discusses the ongoing transformations in the context of economic globalization and the shift to a post-Westphalian political order, as well as its effects on the role of the state and on International Relations. It then turns to the analysis of the meaning of regionalism, with the case study of the new areas of political integration within the European Union, in particular the Common Foreign and Security Policy (CFSP). The European Union provides evidence of the links between economic stability and political cooperation. <![CDATA[<b>O Brasil e o Multilateralismo Econômico</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-73291999000100012&lng=en&nrm=iso&tlng=en O artigo procura examinar a relação entre o processo de globalização econômica e a estabilidade da ordem internacional desde a perspectiva crítica da Economia Política Internacional. Sustenta-se que tal perspectiva apresenta-se como a mais adequada para pensar a questão central do debate das ciências sociais hoje: a relação entre Estados e Mercados e a tensão entre uma economia cada vez mais internacionalizada e um sistema político que permanece baseado no Estado-nação. O texto analisa as grandes transformações em curso no contexto da globalização econômica, a instauração de uma ordem política pós-Wesfálica, assim como seus efeitos sobre o papel do Estado e as relações internacionais. Em seguida, o significado da tendência em direção ao regionalismo é analisado, com o estudo do caso da União Européia e de suas novas áreas de integração política, com ênfase na Política Externa e de Segurança Comum (PESC). O artigo conclui apresentando o sucesso da União Européia como evidência da relação entre estabilidade econômica e cooperação política.<hr/>This article examines the links between the process of economic globalization and the stability of the international order from the International Political Economy perspective. It argues that this perspective is the most appropriate to shed light on what is today the central issue in social sciences: the relation between States and Markets, and the tension between an increasingly globalized economy and a territorially-defined political system. The paper discusses the ongoing transformations in the context of economic globalization and the shift to a post-Westphalian political order, as well as its effects on the role of the state and on International Relations. It then turns to the analysis of the meaning of regionalism, with the case study of the new areas of political integration within the European Union, in particular the Common Foreign and Security Policy (CFSP). The European Union provides evidence of the links between economic stability and political cooperation. <![CDATA[<b>O Estudo das Relações Internacionais do Brasil</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-73291999000100013&lng=en&nrm=iso&tlng=en O artigo procura examinar a relação entre o processo de globalização econômica e a estabilidade da ordem internacional desde a perspectiva crítica da Economia Política Internacional. Sustenta-se que tal perspectiva apresenta-se como a mais adequada para pensar a questão central do debate das ciências sociais hoje: a relação entre Estados e Mercados e a tensão entre uma economia cada vez mais internacionalizada e um sistema político que permanece baseado no Estado-nação. O texto analisa as grandes transformações em curso no contexto da globalização econômica, a instauração de uma ordem política pós-Wesfálica, assim como seus efeitos sobre o papel do Estado e as relações internacionais. Em seguida, o significado da tendência em direção ao regionalismo é analisado, com o estudo do caso da União Européia e de suas novas áreas de integração política, com ênfase na Política Externa e de Segurança Comum (PESC). O artigo conclui apresentando o sucesso da União Européia como evidência da relação entre estabilidade econômica e cooperação política.<hr/>This article examines the links between the process of economic globalization and the stability of the international order from the International Political Economy perspective. It argues that this perspective is the most appropriate to shed light on what is today the central issue in social sciences: the relation between States and Markets, and the tension between an increasingly globalized economy and a territorially-defined political system. The paper discusses the ongoing transformations in the context of economic globalization and the shift to a post-Westphalian political order, as well as its effects on the role of the state and on International Relations. It then turns to the analysis of the meaning of regionalism, with the case study of the new areas of political integration within the European Union, in particular the Common Foreign and Security Policy (CFSP). The European Union provides evidence of the links between economic stability and political cooperation. <![CDATA[<b>Europa y la globalización</b>: <b>tendencias, problemas, opiniones</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-73291999000100014&lng=en&nrm=iso&tlng=en O artigo procura examinar a relação entre o processo de globalização econômica e a estabilidade da ordem internacional desde a perspectiva crítica da Economia Política Internacional. Sustenta-se que tal perspectiva apresenta-se como a mais adequada para pensar a questão central do debate das ciências sociais hoje: a relação entre Estados e Mercados e a tensão entre uma economia cada vez mais internacionalizada e um sistema político que permanece baseado no Estado-nação. O texto analisa as grandes transformações em curso no contexto da globalização econômica, a instauração de uma ordem política pós-Wesfálica, assim como seus efeitos sobre o papel do Estado e as relações internacionais. Em seguida, o significado da tendência em direção ao regionalismo é analisado, com o estudo do caso da União Européia e de suas novas áreas de integração política, com ênfase na Política Externa e de Segurança Comum (PESC). O artigo conclui apresentando o sucesso da União Européia como evidência da relação entre estabilidade econômica e cooperação política.<hr/>This article examines the links between the process of economic globalization and the stability of the international order from the International Political Economy perspective. It argues that this perspective is the most appropriate to shed light on what is today the central issue in social sciences: the relation between States and Markets, and the tension between an increasingly globalized economy and a territorially-defined political system. The paper discusses the ongoing transformations in the context of economic globalization and the shift to a post-Westphalian political order, as well as its effects on the role of the state and on International Relations. It then turns to the analysis of the meaning of regionalism, with the case study of the new areas of political integration within the European Union, in particular the Common Foreign and Security Policy (CFSP). The European Union provides evidence of the links between economic stability and political cooperation. <![CDATA[<b>We Now Know</b>: <b>rethinking Cold War History</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-73291999000100015&lng=en&nrm=iso&tlng=en O artigo procura examinar a relação entre o processo de globalização econômica e a estabilidade da ordem internacional desde a perspectiva crítica da Economia Política Internacional. Sustenta-se que tal perspectiva apresenta-se como a mais adequada para pensar a questão central do debate das ciências sociais hoje: a relação entre Estados e Mercados e a tensão entre uma economia cada vez mais internacionalizada e um sistema político que permanece baseado no Estado-nação. O texto analisa as grandes transformações em curso no contexto da globalização econômica, a instauração de uma ordem política pós-Wesfálica, assim como seus efeitos sobre o papel do Estado e as relações internacionais. Em seguida, o significado da tendência em direção ao regionalismo é analisado, com o estudo do caso da União Européia e de suas novas áreas de integração política, com ênfase na Política Externa e de Segurança Comum (PESC). O artigo conclui apresentando o sucesso da União Européia como evidência da relação entre estabilidade econômica e cooperação política.<hr/>This article examines the links between the process of economic globalization and the stability of the international order from the International Political Economy perspective. It argues that this perspective is the most appropriate to shed light on what is today the central issue in social sciences: the relation between States and Markets, and the tension between an increasingly globalized economy and a territorially-defined political system. The paper discusses the ongoing transformations in the context of economic globalization and the shift to a post-Westphalian political order, as well as its effects on the role of the state and on International Relations. It then turns to the analysis of the meaning of regionalism, with the case study of the new areas of political integration within the European Union, in particular the Common Foreign and Security Policy (CFSP). The European Union provides evidence of the links between economic stability and political cooperation. <![CDATA[<b>Die beiden deutschen Staaten in Afrika</b>: <b>zwischen konkurrenz und koexistenz 1949-1990</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-73291999000100016&lng=en&nrm=iso&tlng=en O artigo procura examinar a relação entre o processo de globalização econômica e a estabilidade da ordem internacional desde a perspectiva crítica da Economia Política Internacional. Sustenta-se que tal perspectiva apresenta-se como a mais adequada para pensar a questão central do debate das ciências sociais hoje: a relação entre Estados e Mercados e a tensão entre uma economia cada vez mais internacionalizada e um sistema político que permanece baseado no Estado-nação. O texto analisa as grandes transformações em curso no contexto da globalização econômica, a instauração de uma ordem política pós-Wesfálica, assim como seus efeitos sobre o papel do Estado e as relações internacionais. Em seguida, o significado da tendência em direção ao regionalismo é analisado, com o estudo do caso da União Européia e de suas novas áreas de integração política, com ênfase na Política Externa e de Segurança Comum (PESC). O artigo conclui apresentando o sucesso da União Européia como evidência da relação entre estabilidade econômica e cooperação política.<hr/>This article examines the links between the process of economic globalization and the stability of the international order from the International Political Economy perspective. It argues that this perspective is the most appropriate to shed light on what is today the central issue in social sciences: the relation between States and Markets, and the tension between an increasingly globalized economy and a territorially-defined political system. The paper discusses the ongoing transformations in the context of economic globalization and the shift to a post-Westphalian political order, as well as its effects on the role of the state and on International Relations. It then turns to the analysis of the meaning of regionalism, with the case study of the new areas of political integration within the European Union, in particular the Common Foreign and Security Policy (CFSP). The European Union provides evidence of the links between economic stability and political cooperation.