Scielo RSS <![CDATA[Revista do Hospital das Clínicas]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=0041-878120040005&lang=pt vol. 59 num. 5 lang. pt <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[<B>In the october 2004 issue of Clínicas</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0041-87812004000500001&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt <![CDATA[<B>A redução da pressão de perfusão coronariana está associada com a fibrose endocárdica no modelo de hipertrofia por sobrecarga de volume em ratos</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0041-87812004000500002&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Left ventricular hypertrophy following volume overload is regarded as an example of cardiac remodeling without increased fibrosis accumulation. However, infarction is associated with increased fibrosis within the noninfarcted, hypertrophied myocardium, particularly in the subendocardial regions. It is conceivable to suppose that, as also occurs postinfarction, low coronary driving pressure may also interfere with accumulation of myocardial fibrosis following aortocaval fistula. PURPOSE: To investigate the role of acute hemodynamic changes in subsequent deposition of cardiac fibrosis in response to aortocaval fistula. METHOD: Aortocaval fistula were created in 4 groups of Wistar rats that were followed over 4 and 8 weeks: aortocaval fistula 4 and aortocaval fistula 8 (10 rats each) and their respective controls (sham-operated controls - Sh), Sh4 and Sh8 (8 rats each). Hemodynamic measurements were performed 1 week after surgery. Hypertrophy and fibrosis were quantified by myocyte diameter and collagen volume fraction at the end of follow up. RESULT: Compared with Sh4 and Sh8, pulse pressure, left ventricular end-diastolic pressure, and +dP/dt were higher in aortocaval fistula 4 and aortocaval fistula 8, but -dP/dt was similar. Coronary driving pressure (mm Hg), used as an estimate of perfusion pressure, was lower in aortocaval fistula 8 (52.6 ± 4.1) than in Sh8 (100.8 ± 1.3), but comparable between aortocaval fistula 4 (50.0 ± 8.9) and Sh4 (84.8 ± 2.3). Myocyte diameter was greater in aortocaval fistula 8, whereas interstitial and subendocardial fibrosis were greater in aortocaval fistula 4 and aortocaval fistula 8. Coronary driving pressure correlated inversely and independently with subendocardial fibrosis (r² = .86, P <.001), whereas left ventricular systolic pressure (r² = 0.73, P = .004) and end-diastolic pressure (r² = 0.55, P = 012) correlated positively and independently with interstitial fibrosis. CONCLUSION: Coronary driving pressure falls and ventricular pressures increase early after aortocaval fistula and are associated with subsequent myocardial fibrosis deposition.<hr/>No remodelamento que se segue às sobrecargas de volume não é descrito o aumento de fibrose miocárdica. Após o infarto, entretanto, há hipertrofia do miocárdio remoto com acúmulo de fibrose, particularmente no subendocárdio. Na fístula aorto-cava, tal como no infarto, é possível que a queda da pressão de perfusão coronariana interfira com a fibrose cardíaca. OBJETIVO: Investigar o papel das mudanças hemodinâmicas agudas sobre a fibrose cardíaca na fístula aorto-cava. MÉTODO: Ratos Wistar submetidos a fístula aorto-cava, seguidos por 4 e 8 semanas, constituíram 4 grupos, fístula aorto-cava 4 e fístula aorto-cava 8 (10 ratos cada) e seus respectivos controles (sham-operated controls - Sh), Sh4 e Sh8 (8 ratos cada). A hemodinâmica foi realizada 1 semana após a cirurgia. A hipertrofia e a fibrose foram quantificadas ao final do seguimento pelo diâmetro dos miócitos e pela fração de volume do colágeno. RESULTADOS: Comparados com Sh4 e Sh8, a pressão de pulso, a pressão diastólica final do ventrículo esquerdo e a +dP/dt foram maiores em fístula aorto-cava 4 e fístula aorto-cava 8, enquanto a -dP/dt foi similar. A pressão estimada da perfusão coronariana (mmHg) foi menor em fístula aorto-cava 8 (52,6±4,1) do que em Sh8 (100,8±1,3), mas comparável entre fístula aorto-cava 4 (50,0±8,9) e Sh4 (84,8±2,3). O diâmetro dos miócitos foi maior em fístula aorto-cava 8 e a fibrose intersticial e subendocárdica maior em fístula aorto-cava 4 e fístula aorto-cava 8. Houve correlação inversa e independente da pressão de perfusão coronariana com a fibrose subendocárdica (r²=0,86; p<0,0001) e das pressões sistólica (r²=0,73; p=0,0035) e diastólica final do ventrículo esquerdo (r²=0,55; p=0.0124) com a fibrose intersticial. CONCLUSÃO: A queda precoce da pressão de perfusão coronariana e o aumento das pressões ventriculares após a fístula aorto-cava associam-se com fibrose miocárdica subseqüente. <![CDATA[<B>Colonização da orofaringe de crianças saudáveis de Taubaté (São Paulo) por <I>Haemophilus influenzae</I>, antes da introdução da vacina contra <I>Haemophilus influenzae </I>do tipo b no Brasil</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0041-87812004000500003&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Haemophilus influenzae is one of the most important bacterial agents of otitis and sinusitis. H. influenzae type b (Hib) is one of the main causes of meningitis, pneumonia, and septicemia in nonvaccinated children under 6 years of age. The aims of this study were to determine the prevalence of H. influenzae and Hib oropharyngeal colonization prior to the onset of the Hib vaccination program in Brazil in previously healthy children and to assess the susceptibility profile of this microorganism to a selected group of antimicrobials that are used to treat acute respiratory infections. METHOD: Cultures of Haemophilus influenzae were made from oropharynx swabs from 987 children under 6 years of age who were enrolled in 29 day-care centers in Taubaté (a city of São Paulo state, Brazil) between July and December 1998. RESULTS: The prevalence of H. influenzae carriers was 17.4%, and only 5.5% of the strains were beta-lactamase producers. The prevalence of Hib carriers was high, 7.3% on average (range, 0.0 - 33.3%). CONCLUSIONS: The low prevalence of colonization by penicillin-resistant strains indicates that it is not necessary to substitute ampicilin or amoxicilin to effectively treat otitis and sinusitis caused by H. influenzae in Taubaté.<hr/>Haemophilus influenzae é um dos mais importantes agentes bacterianos de otites e sinusites. Em crianças menores de seis anos de idade não vacinadas contra o H. influenzae do tipo b (Hib), essa bactéria é uma das principais causadoras de meningite, pneumonia e sepse. O objetivo deste estudo foi determinar a prevalência da colonização da orofaringe de crianças previamente saudáveis por H. influenzae e Hib e avaliar o perfil de suscetibilidade desses microorganismos a um grupo seleto de antimicrobianos, que habitualmente são utilizados para tratar as infecções respiratórias agudas. MÉTODO: Foram colhidos swabs da orofaringe de 987 crianças menores de seis anos de idade que freqüentavam 29 creches da cidade de Taubaté (São Paulo, Brasil), entre julho e dezembro de 1998, para realização de culturas de H. influenzae e antibiograma. RESULTADOS: A prevalência de portadores do H. influenzae foi de 17,4% e somente 5,5% das cepas isoladas eram produtoras de beta-lactamase. A prevalência de portadores do Hib foi alta, com média de 7,3% (variando entre 0.0 e 33,3%). CONCLUSÕES: A baixa prevalência da colonização por cepas resistentes às penicilinas indica que não é necessário substituir esses antibióticos para tratar empiricamente as otites e sinusites causadas por H. influenzae em Taubaté. <![CDATA[<B>Glicemia no recém-nascido de mãe hipertensa de acordo com a terapêutica materna</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0041-87812004000500004&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt PURPOSE: To evaluate the evolution of glycemic levels in newborns of hypertensive mothers according to maternal treatment. METHODS: Prospective randomized study, including 93 newborns of mothers treated with isradipine (n = 39), atenolol (n = 40), or low sodium diet (control group - n=14). Glycemia was determined at birth (mother and newborn by the oxidase glucose method) and in the 1st, 3rd, 6th, 12th, and 24th hours after birth (newborn by a test strip method). The evolution of glycemia was analyzed in each group (Friedman test). The groups were compared regarding glycemia (Kruskall-Wallis test), and linear regression models were constructed for the analyses (independent variable = maternal glycemia; dependent variables = umbilical cord, 3rd, and 6th hour glycemia). RESULTS: There were no statistically significant differences among the mean blood glucose levels of the 3 groups in any of the assessments. There was a correlation between maternal and umbilical cord blood glucose in the isradipine (r = 0.61; P <.05) and control (r = 0.84; P <.05) groups. Regarding glycemia levels of the mothers and newborns in the third and sixthhours postpartum, this correlation was present only in the control group (maternal x third hour: r = 0.65; P <.05; maternal x sixth hour: r = 0.68; P <.05). There were no correlations in the atenolol group. Hypoglycemia was detected in 51.3% of the isradipine group, 60% of the atenolol group, and 35.7% of the control group, and it was more frequent in the first hour postpartum in all groups. CONCLUSIONS: The results suggest a similar effect of the 3 types of treatment upon newborn glycemia. The correlation analysis suggests that isradipine could have effects upon newborn glycemia only after birth (correlation only in umbilical cord blood), whereas atenolol could act earlier (there was no correlation at any moment). The results also point to the need for glycemic control from the first hour postpartum of newborns of hypertensive mothers whether they have or have not undergone treatment with antihypertensive drugs.<hr/>OBJETIVO: Avaliar o comportamento da glicemia em recém-nascidos (RN) de mães hipertensas conforme o tratamento materno. MÉTODOS: Estudo prospectivo, randomizado, incluindo 93 RN de mães tratadas com isradipina(n=39), atenolol (n=40) ou dieta - controle (n=14). Determinou-se a glicemia ao nascimento (mãe e RN, pela glicose oxidase) e na 1ª., 3ª., 6ª., 12ª. e 24ª. horas (RN, por fita reagente). A evolução da glicemia, em cada grupo, foi analisada (Teste de Friedman). Os grupos foram comparados, quanto às glicemias, em cada momento (Teste de Kruskall-Wallis) e foram ajustados modelos de regressão linear para as glicemias (variável independente = glicemia materna; variáveis dependentes = glicemias de cordão, 3ª. e 6ª. horas). RESULTADOS: Não houve diferença estatisticamente significante entre as glicemias médias dos 3 grupos, em qualquer uma das coletas. Houve correlação entre as glicemias materna e de cordão umbilical nos grupos isradipina (r =0,61; p<0,05) e controle (r =0,84; p<0,05); entre as glicemias materna e 3ª. e 6ª. horas, houve apenas no grupo controle (materna X 3ª.hora: r = 0,65; p<0,05; materna X 6a.hora: r =0,68; p<0,05). Não houve correlação em nenhum momento no grupo atenolol. Detectou-se hipoglicemia em 51,3% (Isradipina), 60% (Atenolol) e 35,7% (Controle), mais freqüentemente na 1ª. hora de vida, em todos os grupos. CONCLUSÕES: Os resultados sugerem efeito semelhante dos 3 tipos de terapêutica sobre a glicemia do RN. As análises de correlação sugerem que a isradipina possa ter efeitos sobre a glicemia somente após o nascimento (correlação apenas em cordão umbilical), enquanto o atenolol, possa atuar mais precocemente (não se correlacionou em nenhum momento). Também reforçam a necessidade de controle glicêmico desde a 1ª. hora de vida em RN de mães hipertensas, submetidas ou não a tratamento medicamentoso. <![CDATA[<B>Pênfigo foliáceo endêmico (fogo selvagem) e pênfigo vulgar</B>: <B>heterogeneidade da imunoglobulina G detectada através da imunofluorescência indireta</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0041-87812004000500005&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Pemphigus are autoimmune intraepidermal blistering diseases in which immunoglobulin G (IgG) autoantibodies are directed against desmosomal glycoproteins. The aim of this study was to determine the IgG subclass profile of endemic pemphigus foliaceus (fogo selvagem) and pemphigus vulgaris utilizing indirect immunofluorescence. PATIENTS AND METHODS: Twenty-five patients with pemphigus vulgaris, 25 with endemic pemphigus foliaceus (fogo selvagem), and 25 healthy controls were analyzed by indirect immunofluorescence for circulating autoantibodies (total IgG and its subclasses). RESULTS: Our data revealed a significant correlation (P <.05) of disease activity and autoantibody levels in both forms of pemphigus, i.e., negative titers related to clinical remission, whereas positive results related to active disease. Immunoglobulin G subclass analysis in fogo selvagem demonstrated that in patients in remission, 56% showed positive immunoglobulin G4; in active disease, immunoglobulin G4 was the predominant subclass (100% positive in all cases). The IgG subclass profile in pemphigus vulgaris showed that in patients in remission, only 10% were positive for immunoglobulin G4; in active disease, positivity for immunoglobulin G4 was present in 78% to 88% of the cases. CONCLUSION: Subclass characterization of immunoglobulin G autoantibodies is a useful tool for pemphigus follow-up, since immunoglobulin G4 (IgG4) is the subclass that is closely related to recognition of pathogenic epitopes, and consequently with disease activity. Careful monitoring should be performed for fogo selvagem in clinical remission with a homogeneous IgG4 response, since this may indicate more frequent relapses.<hr/>Pênfigos são enfermidades auto-imunes bolhosas intraepidérmicas, onde auto-anticorpos IgG se dirigem contra glicoproteínas desmossomais. O objetivo deste estudo foi determinar o perfil de subclasses de imunoglubulina G no pênfigo foliáceo endêmico (fogo selvagem) e no pênfigo vulgar através da imunofluorescência indireta. MÉTODOS: Vinte e cinco doentes de pênfigo foliáceo endêmico (fogo selvagem), 25 de pênfigo vulgar e 25 controles sadios foram analisados através da imunofluorescência indireta, com respeito aos auto-anticorpos circulantes (imunoglobulina G total e subclasses). RESULTADOS: Nossos dados mostram uma correlação estatisticamente significativa (p<0.05) entre atividade da doença e títulos de auto-anticorpos circulantes em ambas as formas de pênfigo, ou seja, títulos negativos relacionaram-se com remissão clínica, enquanto resultados positivos correlacionaram-se com doença em atividade. A análise de subclasses de IgG mostrou que 56% dos doentes de fogo selvagem em remissão apresentaram apenas IgG4 positiva; na doença ativa, IgG4 foi a subclasse predominante, sendo positiva em 100% dos casos. Nos doentes de pênfigo vulgar, apenas 10% dos doentes em remissão apresentaram positividade exclusiva para IgG4; na doença em atividade, IgG4 esteve presente em 78-83,3% dos casos. CONCLUSÕES: A caracterização de subclasses de imunoglobulina G consiste em um instrumento de grande valia no seguimento de doentes de pênfigo, uma vez que a IgG4 é a subclasse intimamente relacionada com o reconhecimento de epítopos patogênicos, e consequentemente com atividade da enfermidade. No fogo selvagem em remissão com uma resposta homogênea 'as custas de IgG4, uma monitoração cuidadosa deve ser realizada, uma vez que isto pode significar uma maior chance de reativação. <![CDATA[<B>Indução da carcinogênese mamária experimental em ratas com 7,12-dimetilbenz(a)antraceno</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0041-87812004000500006&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt PURPOSE: To test an experimental model of chemical mammary carcinogenesis induction in rats. METHODS: Twenty young virgin Sprague-Dawley female rats, aged 47 days, received 20 mg of 7,12-dimethylbenz(a)anthracene (DMBA) intragastrically by gavage. Afterwards, at 8 and 13 weeks, their mammary glands were examined. At the end of the experiment, the animals were sacrificed, and the mammary tumors were measured and weighed. Tumor fragments were analyzed using light microscopy. RESULTS: Eight weeks after DMBA injection, 16 rats presented at least 1 breast tumor (80%). After 13 weeks, all of them (100%) developed breast carcinomas that were confirmed by histopathological analysis. CONCLUSION: This experimental animal model of chemical mammary induced carcinogenesis is feasible and can be used in further experiments on the role of tumorigenic biomodulator substances.<hr/>OBJETIVO: Testar um modelo experimental de indução química de carcinogênese mamária em ratas. MATERIAL E MÉTODOS: Com 47 dias de vida, 20 ratas Sprague-Dawley, jovens e virgens, receberam por gavagem intragástrica 20 mg de 7,12-dimetilbenz(a)antraceno (DMBA). Oito e 13 semanas depois da injeção de droga as mamas das ratas foram examinadas. Ao final os animais foram sacrificados e fragmentos dos tumores foram estudados ao microscópio. RESULTADO: Oito semanas depois da injeção de DMBA 16 ratas apresentavam tumor nas mamas (80%). Com 13 semanas todas desenvolveram carcinomas de mama (100%), que foram confirmados por análise histopatológica. CONCLUSÃO: Este modelo experimental de indução química de carcinogênese mamária é factível e pode ser empregado em futuras pesquisas para avaliar o papel de substâncias biomoduladoras da tumorigênese. <![CDATA[<B>Sete ou quatorze dias para a retirada da sonda vesical de demora após prostatectomia radical retropúbica</B>: <B>implicações clínicas e complicações em um estudo randomizado</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0041-87812004000500007&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt PURPOSE: To evaluate the hypothesis that a 7-day period of indwelling catheter after radical retropubic prostatectomy is effective and safe without the need of performing cystography. METHODS: In the period from January of 2000 to July of 2002, 73 patients underwent radical retropubic prostatectomy, and these patients were prospectively randomized in 2 groups: Group 1-37 patients who had the urethral catheter removed 7 days after the procedure, and Group 2-36 patients who had the catheter removed 14 days after the surgery. The 2 groups were similar, the surgeons and the technique were the same, and no cystography was performed to evaluate the presence of leaks. RESULTS: Two patients in Group 1 had bleeding and clot retention after having the catheter taken out in the seventh postoperative day and were managed by putting the catheter back in for 7 more days. Two patients in Group 2 developed bladder neck stricture and were treated by bladder neck incision with success. The continence rate was the same, with 2 cases of incontinence in each group. About 2 pads a day were used by the patients with incontinence. The average follow-up was 17.5 months (12-36 months). No urinary fistula, urinoma, or pelvic abscesses developed after catheter removal. Two patients were excluded from the analysis of this series: 1 died with a pulmonary embolus in the third postoperative day, and 1 developed a urinary suprapubic fistula before catheter withdrawal, which was maintained for 16 days. CONCLUSION: Withdrawal of the urethral catheter 7 days after radical retropubic prostatectomy, without performing cystography, has a low rate of short-term complications that are equivalent to withdrawal 14 days after the surgery.<hr/>OBJETIVO: Avaliar a hipótese de que um período de sete dias de sonda vesical de demora após prostatectomia radical retropúbica é efetivo e seguro, sem a necessidade da realização de cistografia. MÉTODOS: Entre janeiro de 2000 e julho de 2002, setenta e três pacientes submetidos à prostatectomia radical retropúbica foram prospectivamente randomizados em dois grupos: grupo 1 - 37 pacientes em que a sonda vesical foi removida 7 dias após o procedimento e, grupo 2 - 36 nos quais a sonda foi removida 14 dias após a cirurgia. Os dois grupos apresentavam características clínicas similares, os cirurgiões e técnicas foram as mesmas, e nenhuma cistografia foi realizada para avaliar a presença de vazamentos. RESULTADOS: Dois pacientes no grupo 1 apresentaram sangramento e retenção por coágulos após a retirada da sonda no sétimo dia pós-operatório, e foram manejados através da recolocação da sonda vesical por mais 7 dias. Dois pacientes do grupo 2 desenvolveram esclerose do colo vesical e foram tratados através de incisão do colo vesical com sucesso. A taxa de continência foi a mesma, com dois casos de incontinência em cada grupo. Em torno de duas fraldas por dia eram utilizadas pelos pacientes com incontinência. O seguimento médio foi de 17.5 meses (2 - 30 meses). Não houve formação de fístula urinária, urinoma ou abcesso pélvico após a retirada da sonda vesical. Dois pacientes foram excluidos da análise desta série: um faleceu devido a embolia pulmonar no terceiro dia pós-operatório, e o outro desenvolveu fístula urinária suprapúbica antes da retirada do cateter, que foi mantido por 16 dias. CONCLUSÃO: A retirada da sonda vesical 7 dias após a prostatectomia radical retropúbica, sem realização de cistografia, tem uma baixa taxa de complicações de curto prazo, equivalentes às da retirada da sonda aos 14 dias de pós-operatório. <![CDATA[<B>Achados renais e urinários em 20 pacientes com síndrome de Williams-Beuren diagnosticados pelo teste de hibridização in situ por fluoresceína (FISH)</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0041-87812004000500008&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt PURPOSE: Williams-Beuren syndrome is a rare multiple anomalies/mental retardation syndrome caused by deletion of contiguous genes at chromosome region 7q11.23. The aim of this work was to determine the frequency and the types of renal and urinary tract anomalies in 20 patients with Williams-Beuren syndrome. METHODS: The fluorescence in situ hybridization test using a LSI Williams syndrome region DNA probe was performed for all 20 patients to confirm the diagnosis of Williams-Beuren syndrome. A prospective study was performed in order to investigate renal and urinary aspects using laboratory assays to check renal function, ultrasonography of the kidneys and urinary tract, voiding cystourethrogram and urodynamics. RESULTS: Deletion of the elastin gene (positive fluorescence in situ hybridization test) was found in 17 out of 20 patients. Renal alterations were diagnosed in 5 of 17 (29%) the patients with the deletion and in 1 of 3 patients without the deletion. Fourteen patients with the deletion presented dysfunctional voiding. Arterial hypertension was diagnosed in 3 patients with deletions and 1 of these presented bilateral stenosis of the renal arteries. CONCLUSIONS: Due to the high incidence of renal and urinary abnormalities in Williams-Beuren syndrome, performing a systematic laboratory and sonographic evaluation of the patients is recommended.<hr/>OBJETIVO: A síndrome de Williams-Beuren é uma rara síndrome de deleção de genes contíguos que cursa com múltiplas anomalias congênitas, deficiência mental e anomalias renais e urinárias. O objetivo deste trabalho foi determinar a freqüência e os tipos de anomalias renais e urinárias em 20 pacientes com síndrome de Williams-Beuren diagnosticados pelo teste de hibridização in situ por fluorescência. MÉTODOS: Estudou-se prospectivamente os aspectos renais e urinários através de avaliação laboratorial da função renal, ultrassonografia de rins e vias urinárias, uretrocistografia miccional e estudo urodinâmico. O teste da hibridização in situ por fluorescência com a sonda LSI Williams Region foi feito nos 20 pacientes com síndrome de Williams-Beuren para a confirmação do diagnóstico. RESULTADOS E DISCUSSÃO: A deleção do gene da elastina (teste de hibridização in situ por fluorescência positivo) foi detectado em 17/20 afetados (85%). As alterações renais foram diagnosticadas em 5/17 (29%) dos pacientes com a deleção e em 1/3 dos indivíduos sem a deleção. Catorze pacientes com a deleção apresentavam disfunções miccionais. A hipertensão arterial foi diagnosticada em três pacientes com a deleção e um deles apresentava estenose bilateral das artérias renais. CONCLUSÕES: Devido à elevada incidência de anormalidades renais e do trato urinário na síndrome de Williams-Beuren, recomenda-se realizar uma avaliação laboratorial e de imagem sistematizada nos pacientes. <![CDATA[<B>Pacientes com síndrome nefrótica idiopática apresentam alterações na imunidade celular e humoral que predispõem a processos infecciosos</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0041-87812004000500009&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Patients with idiopathic nephrotic syndrome present alterations in their cellular and humoral immune reactions that predispose them to the development of infectious processes. PURPOSE: To characterize the infectious processes in patients with idiopathic nephrotic syndrome. PATIENTS AND METHODS: Ninety-two children and adolescents with idiopathic nephrotic syndrome were assessed retrospectively. The types of infection were grouped as follows: upper respiratory tract infections; pneumonia; skin infections; peritonitis; diarrhea; urinary tract infection ; herpes virus; and others. The patients were divided into 2 groups: Group I (steroid-responsive) n = 75, with 4 subgroups-IA (single episode) n = 10, IB (infrequent relapsers) n = 5, IC (frequent relapsers) n = 14, and ID (steroid-dependent) n = 46; and Group II (steroid-resistant) n = 17. The incidence-density of infection among the patients was assessed throughout the follow-up period. Comparisons for each group and subgroup were done during the periods of negative and nephrotic proteinuria. RESULTS: The analysis revealed a greater incidence-density of infections during the period of nephrotic proteinuria in all the groups and subgroups, with the exception of subgroup IA. During the period of nephrotic proteinuria, subgroups IC, ID, and Group II presented a greater incidence-density of infections as compared to subgroup IA. For the period of negative proteinuria, there was no difference in the incidence-density of infections between the groups and subgroups. Upper respiratory tract infections were the most frequent infectious processes. CONCLUSION: The nephrotic condition, whether as part of a course of frequent relapses, steroid dependence, or steroid resistance, conferred greater susceptibility to infection among the patients with idiopathic nephrotic syndrome. The results of this study suggest that the best preventive action against infection in this disease is to control the nephrotic state.<hr/>OBJETIVO: Caracterizar as infecções, em pacientes com Síndrome Nefrótica Idiopática. PACIENTES E MÉTODOS: Foram analisados, os prontuários de 92 crianças e adolescentes com Síndrome Nefrótica Idiopática . Os tipos de infecções foram agrupados em: Infecções de Vias Aéreas Superiores , Pnemonia, Infecções Cutâneas, Peritonite, Diarréia, Infecção do Trato Urinário, Herpes Vírus e Outros. Os pacientes foram divididos, em dois grupos: Grupo I (córtico-sensíveis)-n=75, com quatro subgrupos; IA (episódio único)-n=10; IB (recidivantes infreqüentes)-n=5; IC (recidivantes freqüentes)-n=14 e ID (córtico-dependentes) n=46; e Grupo II (córtico-resistentes)-n=17. Comparou-se a densidade de incidência de infecções nos períodos com proteinúria negativa e nefrótica. No período com proteinúria nefrótica, comparou-se a densidade de incidência de infecções dos grupos e subgrupos entre si. Da mesma forma, no período com proteinúria negativa. RESULTADO: A análise revelou maior densidade de incidência de infecções, no período com proteinúria nefrótica, em todos os grupos e subgrupos, com exceção do subgrupo IA. No período com proteinúria nefrótica, os subgrupos IC, ID e o grupo II, apresentaram maior densidade de incidência de infecções, quando comparados ao subgrupo IA. No período com proteinúria negativa, não houve diferença na densidade de incidência de infecções entre os grupos e subgrupos. As Infecções de Vias Aéreas Superiores foram os processos infecciosos mais freqüentes. CONCLUSÃO: O estado nefrótico, manifesto através de recidivas freqüentes, dependência ou resistência aos corticosteróides, conferiu ao pacientes com Síndrome Nefrótica Idiopática , maior susceptibilidade à infecções. O resultado deste estudo reforça que a melhor prevenção anti-infecciosa nesta doença é o controle do estado nefrótico. <![CDATA[<B>Instabilidade de microsatelites no cancer gástrico solitário e esporádico</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0041-87812004000500010&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Recently, the presence of microsatellite instability (MSI) has been reported in gastric cancer and associated with older age of presentation, distal tumor location, early disease staging, and better overall prognosis. Different characteristics in presentation and in tumor behavior may be explained by different genetic alterations during carcinogenesis of gastric cancer. Identification of specific genetic pathways in gastric cancer may have direct impact on prognosis and selection of treatment strategies. PATIENTS AND METHODS: All 24 patients were treated by radical surgery. Fragments of normal and tumor tissues were extracted from the specimen and stored at -80ºC before DNA purification and extraction. PCR amplification utilizing microsatellite markers was performed. Tumors presenting PCR products of abnormal sizes were considered positive for microsatellite instability (MSI+). RESULTS: Five patients (21%) had tumors that were MSI+ in at least 1 marker. In the group of patients with Lauren's intestinal-type gastric carcinoma, 3 had tumors that were MSI+ (23%), while in the group of diffuse-type gastric cancer, 2 patients had tumors that were MSI+ (19%). The mean age of presentation and the male:female ratio was similar in both groups. Tumors that were MSI+ were more frequently located in proximal portion of the stomach compared to microsatellite-stable (MSS) tumors (40% vs. 16%). Although there was a trend of patients with MSI+ tumors towards a proximal gastric tumor location, early staging, and negative lymph node metastasis, there was no statistical significance compared to those with MSS tumors (P >.1). Comparison of overall and disease-free survival between gastric tumors that were MSI+ and those that were MSS found no statistically significant differences (P >.1). CONCLUSIONS: Microsatellite instability is a frequent event in gastric carcinogenesis and shows a trend towards distinct clinical and pathological characteristics of gastric cancer.<hr/>A presença de Instabilidade de microsatellites (IMS) tem sido relatada no cancer gastrico e associada a pacientes com idade mais avançada, localização mais distal do tumor, estadios mais precoces e melhor prognostico. Relatamos neste prospectivo estudo envolvendo 24 pacientes com cancer gastrico solitario e esporadico, a incidencia de IMS, sua correlação com parametros epidemiologicos, clinicos e anatomo patológicos e o seu impacto sobre a sobrevida geral e livre de doença. PACIENTES E MÉTODOS: Todos os pacientes haviam sido tratados com cirurgia radical. Fragmentos de tecido normal e tumoral eram extraidos das peças e armazenados a -80ºC antes da extração e purificação DNA. Realizava-se então a amplificação com PCR utilizando marcadores específicos de microsatelites. Os tumores que apresentavam produtos de amplificação anormais foram considerados positivos para IMS. RESULTADOS: Cinco pacientes (21%) apresentaram Instabilidade de microsatelites (IMS+) com pelo menos um marcador (primer) No grupo de pacientes com adenocarcinomas gástricos do tipo histológico de Lauren, três apresentavam IMS (23%) enquanto no grupo portador de cancar gástrico difuso, dois pacientes mostraram IMS (19%).. Embora haja uma tendência dos pacientes IMS+ apresentarem tumores de localização mais proximal, estadios mais precoces e ausência de metástases linfonodais, não se observou diferenças estatisticamente significativas (p > 0,1). A comparação entre as taxas de sobrevida geral e livre de doença não mostrou significância estatistica (p > 0,1). CONCLUSÕES: IMS é um evento frequente na carcinogese gástrica e pode estar associado a caracteristicas clinicas e anátomo-patológicas do câncer gástrico. <![CDATA[<B>Novo método para avaliação da sensibilidade cutânea do pé diabético</B>: <B>relato preliminar</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0041-87812004000500011&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Diabetic neuropathy is an important complication of the disease, responsible for ulceration and amputation of the foot. Prevention of these problems is difficult mainly because there is no method to correctly access sensibility on the skin of the foot. The introduction of the Pressure-Specified Sensory Device (PSSD TM) in the last decade made possible the measurement of pressure thresholds sensed by the patient, such as touch, both static and in movement, on a continuous scale. This paper is the first in Brazil to report the use of this device to measure cutaneous sensibility in 3 areas of the foot: the hallux pulp, the calcaneus, and the dorsum, which are territories of the tibial and fibular nerves. METHOD: Non-diabetic patients were measured as controls, and 2 groups of diabetic patients - with and without ulcers - were compared. The PSSD TM was used to test the 3 areas described above. The following were evaluated: 1 PS (1-point static), 1 PD (1-point dynamic), 2 PS (2-points static), 2 PD (2-points dynamic). RESULTS: The diabetic group had poorer sensibility compared to controls and diabetics with ulcers had poorer sensibility when compared to diabetics without ulcers. The differences were statistically significant (P <.001). CONCLUSION: Due to the small number of patients compared, the results should be taken as a preliminary report.<hr/>A neuropatia diabética é uma complicação importante do Diabetes melitus, responsável por ulcerações e amputações de membros inferiores. A prevenção desses problemas é difícil principalmente pela ausência de métodos que avaliem de forma precisa a sensibilidade cutânea dos pés. A introdução do PSSD TM (Pressure-Specified Sensory Device) na década passada tornou possível a medição dos limiares cutâneos de pressão. Estes são sentidos como estímulos táteis tanto estáticos como dinâmicos. Este artigo é o primeiro no Brasil a relatar o uso do PSSD TM para avaliar 3 áreas dos pés: polpa do hallux, calcâneo e dorso do pé, territórios de inervação dos nervos tibial e fibular. MÉTODO: Pacientes não diabéticos foram utilizados como grupo controle e dois grupos de pacientes diabéticos - sem úlcera e com úlcera - foram analisados. O PSSD TM foi utilizado em 3 modalidades: 1 PS (1 Ponto Estático), 1 PD (1 Ponto dinâmico), 2 PS (2 pontos estáticos), 2 PD (2 Pontos Dinâmicos). Foram avaliadas as 3 áreas citadas acima. RESULTADOS: Foi observada pior sensibilidade em pacientes diabéticos, especialmente no grupo de pacientes com úlceras de membros inferiores. As diferenças foram estatisticamente significantes (p<0,001). CONCLUSÃO: Devido ao pequeno número de pacientes os resultados devem ser considerados como relato preliminar. <![CDATA[<B>Comparação do risco de infecção relacionada a cateteres entre dois tipos de dispositivos de longa permanência em pacientes onco-hematológicos</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0041-87812004000500012&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt PURPOSE: Infection is the leading complication of long-term central venous catheters, and its incidence may vary according to catheter type. The objective of this study was to compare the frequency and probability of infection between two types of long-term intravenous devices. METHODS: Retrospective study in 96 onco-hematology patients with partially implanted catheters (n = 55) or completely implanted ones (n = 42). Demographic data and catheter care were similar in both groups. Infection incidence and infection-free survival were used for the comparison of the two devices. RESULTS: In a median follow-up time of 210 days, the catheter-related infection incidence was 0.2102/100 catheter-days for the partially implanted devices and 0.0045/100 catheter-days for the completely implanted devices; the infection incidence rate was 46.7 (CI 95% = 6.2 to 348.8). The 1-year first infection-free survival ratio was 45% versus 97%, and the 1-year removal due to infection-free survival ratio was 42% versus 97% for partially and totally implanted catheters, respectively (P <.001 for both comparisons). CONCLUSION: In the present study, the infection risk was lower in completely implanted devices than in partially implanted ones.<hr/>OBJETIVO: Infecção é a principal complicação relacionada ao uso de cateteres venosos de longa permanência em pacientes oncológicos e sua incidência pode variar a depender do tipo de cateter utilizado. O objetivo deste estudo foi comparar a freqüência e risco de infecção entre dois tipos de dispositivos de longa permanência. MÉTODOS: Estudo retrospectivo com 96 pacientes onco-hematológicos portadores de cateteres parcialmente implantáveis (n=55) ou totalmente implantáveis (n=42). Dados demográficos e cuidados com o dispositivo foram similares entre os dois grupos. A comparação entre os dispositivos foi realizada através da avaliação da incidência de infecção e da sobrevida livre de infecção. RESULTADOS: Em uma mediana de acompanhamento de 210 dias, a incidência de infecção relacionada ao cateter foi de 0,2102/100 cateter-dias para os dispositivos parcialmente implantáveis e de 0,0045/100 cateter-dias para os totalmente implantáveis, com uma razão de incidência de 46,7 (IC 95% = 6,2 a 348,8). A taxa de sobrevida livre de primeira infecção em um ano foi de 45% versus 97% e a taxa de sobrevida livre de retirada por infecção foi de 42% versus 97%, respectivamente para cateter parcialmente ou totalmente implantável (p<0,001 para ambas comparações). Conclusão: No presente estudo, o risco de infecção foi menor nos dispositivos totalmente implantáveis do que nos parcialmente implantáveis. <![CDATA[<B>Leiomiomas ano-retais</B>: <B>descrição de dois casos com características anatômicas diferentes e revisão da literatura</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0041-87812004000500013&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Gastrointestinal mesenchymal tumors comprise a rare group of gastrointestinal tract wall tumors that have long been a source of confusion and controversy, especially in terms of pathological classification, preoperative diagnosis, management strategies, and prognosis. This report describes the clinical manifestations and management of 2 rectal leiomyomas and reviews the pertinent literature. Case 1: A 44-year-old woman was admitted reporting a nodule in the right para-anal region for the previous 2 years. At proctological examination, a 4-cm diameter fibrous mass situated in the para-anal region that produced an arch under the smooth muscle on the right rectal wall just above the anorectal ring was noted. Computed tomography and magnetic resonance imaging of the abdomen and pelvis showed the lesion and detected no other abnormalities. Surgical treatment consisted of wide local resection of the tumor through a para-anal incision, with no attempts to perform lymphadenectomy. Case 2: A 40-year-old male patient was admitted reporting constant anal pain for 4 months. He presented a 3-cm submucosal nodule at the anterior rectal wall just above the dentate line. After 2 inconclusive preoperative biopsies, transanal resection of the tumor was performed. Histological analysis of the specimen showed a benign leiomyoma. A review of the literature is presented, emphasizing some clinical and therapeutic aspects of this unusual rectal tumor.<hr/>Os tumores mesenquimais gastrointestinais constituem um grupo raro de neoplasias que têm sido fonte de confusão e controvérsia, especialmente quanto à classificação patológica, diagnóstico pré-operatório, manuseio e prognóstico. O presente artigo descreve as manifestações clínicas e o tratamento de dois pacientes com leiomioma retal e revê a literatura pertinente. Caso 1: Uma mulher de 44 anos foi admitida referindo um nódulo na região paranal direita nos últimos 2 anos. Ao exame físico notou-se uma massa fibrosa de 4 centímetros de diâmetro situada na região paranal que produzia um discreto abaulamento na musculatura lisa da parede retal, logo acima do anel ano-retal. As imagens de tomografia computadorizada e ressonância magnética do abdômen e pelve confirmaram a lesão e não detectaram outras anormalidades. O tratamento cirúrgico consistiu de ressecção alargada do tumor através de uma incisão paranal, sem se realizar linfadenectomia. Caso 2: Outro paciente com 40 anos foi admitido com história de dor anal constante há 4 meses. Este homem apresentava nódulo submucoso de 3 cm na parede retal anterior, logo acima da linha pectínea. Após duas biópsias inconclusivas, realizou-se a ressecção transanal do tumor. A análise histológica do espécime demonstrou tratar-se de um leiomioma benigno. Uma breve revisão da literatura é apresentada, enfatizando alguns aspectos clínicos e terapêuticos deste tumor retal pouco comum. <![CDATA[<B>Efeito do ácido zoledrônico nas múltiplas fraturas vertebrais induzidas por glicocorticóide no lúpus eritematoso juvenil</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0041-87812004000500014&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Glucocorticoids are widely used in the treatment of lupus patients, and adverse effects, which include osteoporosis and associated fractures, are frequent. Treatment of osteoporosis of young patients should be effective and not harmful to bone growth and remodeling. Bisphosphonates are drugs that decrease the incidence of bone fractures, but their use in juvenile patients is still controversial because of their possible side effects on the growing skeleton. However, recently published studies showed that linear growth continued normally after treatment with these drugs, and there was no excessive suppression of bone remodeling or mineralization defects. Zoledronic acid is a new intravenous bisphosphonate that has been approved by the US FDA for use with hypercalcemia of malignancies and might be an effective treatment for postmenopausal osteoporosis. The authors report a case of a young girl with systemic lupus who developed multiple vertebral collapses due to glucocorticoid therapy, and zoledronic acid was used producing significant clinical and densitometric improvement.<hr/>Glicocorticóides são fármacos comumente usados no tratamento de pacientes lúpicos, porém apresentam efeitos adversos importantes, principalmente a osteoporose e fraturas. O tratamento da osteoporose em pacientes jovens deve ser eficaz e não prejudicial ao crescimento e remodelamento ósseo. Os bisfosfonatos são drogas que reduzem a incidência de fraturas, mas seu uso em crianças e adolescentes ainda é controverso, devido a seus possíveis efeitos adversos no esqueleto em crescimento. Estudos recentemente publicados demonstraram que o crescimento linear se manteve normal com o uso de bisfosfonatos, não havendo supressão excessiva do remodelamento ósseo ou defeitos de mineralização. O ácido zoledrônico é um novo bisfosfonato endovenoso aprovado pelo FDA para o uso na hipercalcemia das neoplasias e parece ser um tratamento eficaz para a osteoporose pós-menopáusica. Os autores descrevem um caso de uma adolescente lúpica que desenvolveu múltiplas fraturas vertebrais induzidas pelo glicocorticóide e obteve importante melhora clínica e densitométrica após o tratamento com o ácido zoledrônico. <![CDATA[<B>Hipofosfatemia em crianças gravemente doentes</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0041-87812004000500015&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt The purpose of this paper is to review clinical studies on hypophosphatemia in pediatric intensive care unit patients with a view to verifying prevalence and risk factors associated with this disorder. We searched the computerized bibliographic databases Medline, Embase, Cochrane Library, and LILACS to identify eligible studies. Search terms included critically ill, pediatric intensive care, trauma, sepsis, infectious diseases, malnutrition, inflammatory response, surgery, starvation, respiratory failure, diuretic, steroid, antiacid therapy, mechanical ventilation. The search period covered those clinical trials published from January 1990 to January 2004. Studies concerning endocrinological disorders, genetic syndromes, rickets, renal diseases, anorexia nervosa, alcohol abuse, and prematurity were not included in this review. Out of 27 studies retrieved, only 8 involved pediatric patients, and most of these were case reports. One clinical trial and one retrospective study were identified. The prevalence of hypophosphatemia exceeded 50%. The commonly associated factors in most patients with hypophosphatemia were refeeding syndrome, malnutrition, sepsis, trauma, and diuretic and steroid therapy. Given the high prevalence, clinical manifestations, and multiple risk factors, the early identification of this disorder in critically ill children is crucial for adequate replacement therapy and also to avoid complications.<hr/>Este estudo objetivou realizar revisão da literatura para verificar prevalência, fatores de risco e condições clínicas associadas à hipofosfatemia em crianças gravemente doentes. Para a pesquisa foram utilizadas as bases de dados Medline, Embase, Cochrane Library, Lilacs abrangendo estudos clínicos publicados de janeiro de 1990 a janeiro de 2004. Os termos utilizados para pesquisa foram: critically ill, pediatric intensive care, trauma, sepsis, infectious diseases, malnutrition, inflammatory response, surgery, starvation, respiratory failure, diuretic, steroid, antiacid therapy, mechanical ventilation. Foram excluídos estudos referentes a distúrbios endócrinos, síndromes genéticas, raquitismo, nefropatias, anorexia nervosa, alcoolismo e prematuridade. Dos 27 artigos inicialmente identificados, 8 referiam-se à faixa etária pediátrica, sendo a maioria deles relatos de casos isolados. Nos estudos clínicos selecionados, a prevalência de hipofosfatemia foi superior a 50%. Os principais fatores associados à hipofosfatemia foram realimentação, desnutrição, sepse, trauma, uso de diuréticos e corticoesteróides. Considerando-se a elevada prevalência, as repercussões clínicas e os múltiplos fatores de risco para hipofosfatemia em crianças internadas em unidade de cuidados intensivos, a identificação precoce de pacientes suscetíveis a esse distúrbio é essencial para o tratamento oportuno e prevenção de complicações. <![CDATA[<B>Melhor tratamento da infertilidade no homem vasectomizado</B>: <B>reprodução assistida ou reversão de vasectomia?</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0041-87812004000500016&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt In men with prior vasectomy, microsurgical reconstruction of the reproductive tract is more cost-effective than sperm retrieval with in vitro fertilization and intracytoplasmic sperm injection if the obstructive interval is less than 15 years and no female fertility risk factors are present. If epididymal obstruction is detected or advanced female age is present, the decision to use either microsurgical reconstruction or sperm retrieval with in vitro fertilization and intracytoplasmic sperm injection should be individualized. Sperm retrieval with in vitro fertilization and intracytoplasmic sperm injection is preferred to surgical treatment when female factors requiring in vitro fertilization are present or when the chance for success with sperm retrieval and intracytoplasmic sperm injection exceeds the chance for success with surgical treatment.<hr/>Reconstrução microcirúrgica do trato reprodutivo é preferível à captação de espermatozóides com Fertilização in vitro e Injeção intracitoplasmática de espermatozóides em homens vasectomizados quando o intervalo de obstrução for inferior a 15 anos e ausência de fatores de risco para infertilidade feminina. Se ocorrer uma obstrução epididimária ou se a mulher possuir uma idade avançada, a decisão para ou reconstrução microcirúrgica ou captação de espermatozóides com fertilização in vitro ou Injeção intracitoplasmática de espermatozóides deve ser individualizada. Captação espermática com fertilização in vitro e Injeção intracitoplasmática de espermatozóides é preferível ao tratamento cirúrgico quando o tratamento do fator feminino requer fertilização in vitro ou quando a chance de sucesso com a captação de espermatozóides e Injeção intracitoplasmática de espermatozóides são superiores às chances de sucesso com a captação de espermatozóides e Injeção intracitoplasmática de espermatozóides são superiores às chances com o tratamento cirúrgico.