Scielo RSS <![CDATA[Memórias do Instituto Oswaldo Cruz]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=0074-027619470002&lang=es vol. 45 num. 2 lang. es <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[Notas sôbre o gênero Enderleinellus: (Anoplura)]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0074-02761947000200001&lng=es&nrm=iso&tlng=es <![CDATA[Manifestações boubaticas tardias, semelhando quadro clínico de pinta terciária]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0074-02761947000200002&lng=es&nrm=iso&tlng=es Em um foco de bouba existente na Baixada Fluminense (Estado do Rio de Janeiro), onde já foram tratados pela penicilina cêrca de 800 doentes, foram encontradas 7 pessoas da raça negra com quadro clínico semelhante a pinta terciária. Todas referiam um passado boubático que pode ser considerado indiscutível, uma vez que pràticamente todas as pessoas de suas famílias tinham tido ou estavam com a moléstia. É feito um apanhado geral da pinta (mal del pinto, carate, purú-purú), e faz-se referência a um foco estudado pelo autor, existente, na cidade de Labrea, no Rio Purús. Comenta-se a semelhança de pintides aí observadas com pianides tardias vistas no foco de bouba acima referido, e de um modo mais geral, a semelhança de lesões encontradas nas diferentes treponematoses: bouba, sífilis, pinta e bejel. É feito o estudo histopatológico das lesões cutâneas de dois dos 7 pacientes e de um nódulo juxta-articular de um dêles. Na pele foram encon¬tradas alterações semelhantes a outras descritas para casos de pinta no México e em Cuba e no nódulo juxta-articular, as mesmas descritas por Ferris & Turner (7) além de lesões vasculares não encontradas pelos autores referidos. Nos cortes impregnados (método de Lavaditi) tanto da pele, como do nódulo, não foram encontrados treponemas. Com o tratamento feito pela penicilina em 3 casos, observou-se: desaparecimento da queratose palmar e plantar; volta da pele ao seu aspecto brilhante, normal (que antes era mumificada. exfoliativa ao nível das zonas com discromios); desaparecimento dos nódulos juxta-articulares em ambos os casos. As manifestações discrômicas não mostraram alterações apreciáveis. A reação de Wassermann, antes fortemente positiva em todos os casos, nos tratados tornou-se negativa. Mesmo estes três casos apresentaram períodos de oscilação de positividade e negatividade, fato que é comum nas treponematoses, particularmente na bouba. Três doentes apresentavam flexão permanente do dedo mínimo, o que é considerado por Pronk como característico do terciarismo boubático (16). A lesão é devida à queratose e atrofia palinar, não havendo comprometimento ósseo. Um dos 7 casos apresentava ainhum, tendo perdido o dedo mínimo do pé direito, em conseqüência de uma lesão boubatica («cravo»), segundo informou o paciente. É referida e ilustrada a presença de lesões ainhumóides boubaticas. A relação do ainhum com a bouba já tinha sido referida por Clarke e Ramos e Silva (18). <![CDATA[Influência do propianato de testosterona e do "Diffusing factor" sôbre a cicatrização cutânea de lesões experimentais]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0074-02761947000200003&lng=es&nrm=iso&tlng=es The effect of testosterone propionate in different treatments was tested in adult male rats (250 g.) with mechanical skin experimental lesions. The whole period of cicatrization was investigated in normals, castrated and testosterone treated animals. We could not detect any alteration in the regeneration process in both treated and untreated rats (normals and castrated). Diffusing factor obtained from homologous testis, directly applied upon the lesions also do not change the healing period. Related to the course of the healing process, little evidence is presented by variance analysis that significative differences could be detected in the first periods, in both castrated and testosterone treated groups; however new well planed experiments should be carried to test this point. <![CDATA[The pathogenic role of exoerythrocytic schizonts of P. gallinaceum: 3. Some erythrocytic values in quinine treated infections]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0074-02761947000200004&lng=es&nrm=iso&tlng=es The effect of testosterone propionate in different treatments was tested in adult male rats (250 g.) with mechanical skin experimental lesions. The whole period of cicatrization was investigated in normals, castrated and testosterone treated animals. We could not detect any alteration in the regeneration process in both treated and untreated rats (normals and castrated). Diffusing factor obtained from homologous testis, directly applied upon the lesions also do not change the healing period. Related to the course of the healing process, little evidence is presented by variance analysis that significative differences could be detected in the first periods, in both castrated and testosterone treated groups; however new well planed experiments should be carried to test this point. <![CDATA[As condições ecológicas da Cephaelis ipecacuanha Rich]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0074-02761947000200005&lng=es&nrm=iso&tlng=es The present paper is a simple introduction to the ecological requirements of Cephaelis ipecacuanha and only a few preliminary conclusions are reached. Cephaelis ipecacuanha has the habit of a forest plant, which is closely connected with the meteorological and floristic factors. This makes it very necessary to study its ecolo-gical relationships carefully, so as to understand its productivity in accordance with its mi¬croclimatic and microedaphic reactions. Conclusions: 1 — Within the ecological range of Cephaelis ipecacuanha, some zones show more fa¬vourable phytosociological conditions than other zones. Consequently, the vegetative and biological types must be investigated in different associations. a — The most favourable vegetative and biological types encountered, in regard to the phytosociological characteristcs of Cephaelis ipecacuanha, were found respectively in the rain forest on the slopes of the Serra dos Parecis and in the serclimax of the river Galera and its tributaries. b — The phytosociological optimum of Cephaelis ipecacuanha was seen in the Vochysietum (Vochysia sp.) which corresponds to number 11 of the original text. It can be defined as follows: shading by vegetation approximately 90%, as the herbaceous sinusium covers 90% of the area worked in, though the arboreal and arbustive coverture is only 65% and 60% respectviely. The inclination is pratically nil (less than 5°) but the drainage is good because the soil is deep and silicous-humous, thus facilitating infiltration by the rain water which inundates the ground temporarily during the periods of floods. The pH oscillates between 5 and 6, denoting a slightly acid soil. <![CDATA[Observações citológicas no gênero Hydnocarpus Gaertner: determinação do número de cromósomas de Hydnocarpus laurifolia (Dennst. ) Sleumer]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0074-02761947000200006&lng=es&nrm=iso&tlng=es The autor determined the number of chromosomes of Hydnocarpus laurifolia (Dennst). Sleumer and found 2n = 48. He ventures the hypothesis that this species is a natural tetraploid. <![CDATA[Diretrizes do combate à peste no Brasil]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0074-02761947000200007&lng=es&nrm=iso&tlng=es Depois de relembrarem as condições da extensa região, em que é a peste endêmica no Brasil, e que dificultam a aplicação, em sua plenitude, das medidas profiláticas recomendadas para o combate à doença, sumariam os A. A. a legislação brasileira em vigor e discriminam o que tem realizado com aquele fim o Serviço Nacional de Peste. Aludindo aos benefícios do sôro, das sulfas e possìvelmente da estreptomicina para os doentes acentuam a precária possibilidade do seu isolamento, o que tem levado o Serviço à maior intensificação das práticas de anti-ratização e das que visam a destruição de roedores e pulgas. Mostram, quanto às primeiras medidas, o que tem sido possível fazer, intensa e progressivamente, não só para a proteção das habitações rurais, aí incluídas as praticas de desratização, limpeza dos terrenos e cuidados com o lixo, como no tocante à instalação de silos e giraus à prova de ratos, e a outras providências concernentes à adequada disposição de gêneros alimentícios e dos diversos materiais, que podem servir de alimento e ninho aos roedores. Detêm-se mais no particular das medidas de desratização, salientando o valor do cianogás, que veio, para aquela finalidade, tomando o passo ao envenenamento com iscas raticidas, tendo o arsênico por base, largamente empregadas pelo Serviço ate 1942. Mostram como tem crescido, de ano para ano, o percentual de ratos, destruídos por elas e pelo cianogás, em relação ao total de ratos mortos; e apontam a decorrente limitação do uso de armadilhas. Quanto aos lança-chamas, também largamente empregados, reputam-nos mais perigosos e menos eficientes e econômicos que o cianogás, com idênticas indicações, salientando porém a grande vantagem do uso do DDT, como agente despulizante, inclusive pela sua ação residual. Mostram o valor da utilização, em larga escala, do DDT também para a defesa do homem são, que se limitava, até há pouco, pràticamente à soroterapia preventiva e à imunização ativa. Parece ter-se mostrado esta eficiente no Brasil, embora até agora, para tal fim, só tenham sido usadas vacinas mortas. Focalizando o maior êxito das vacinas preparadas com germes vivos avirulentos, aludem os A.A. à possível vantagem do seu emprêgo, de maneira sistematizada, nas épocas de maior incidência da peste, para certos grupos de população mais atingidos pela doença. Finalizam o trabalho, com uma revisão dos dados epidemiológicos, que tinham sido objeto de contribuição anterior, e que agora se fazem mais com¬pletos, por englobarem um decênio (1936-1945). Dão a ver a incidência da peste, ano a ano, durante êsse período, mostrando como nêle tocaram 30 e 70% dos casos aos grupos etários 10-19 anos e 0-29 anos. Os homens foram mais atingidos, tendo cabido 57, 36 e 7% do total de casos, respectivamente a pardos, brancos e negros. Na sua grande maioria (95.7%), foram os casos da forma bubônica, representando-se a pulmonar e a septicêmica por 2.6 e 1.7% do total. Daqueles casos de peste ganglionar, 67.7, 17, 11.5 e 3.8% tiveram respectivamente localização inguino-crural, axilar, cervical e mista. A letalidade no decenio foi de 29.5%, reduzida aliás, a 17%, quando computados apenas os casos vistos em vida pelo Serviço. De mais de 25'% abaixo dos 20 anos, baixou a letalidade a 22% dos 20 aos 30 anos, para ascender progressivamente daí em diante, chegando a quase 50%, nos indivíduos com mais de 50 anos. Foi maior no sexo feminino e entre pardos. Muito alta na forma pulmonar (85.0%) e na septicêmica (80.7%), mostrou-se de 37, 34.3, 32.2 e 23.3%, consoante mista, cervical, axilar ou inguino-crural a localização da forma bubônica. <![CDATA[Nota prévia sôbre as primeiras comprovações sorológicas da doença de Chagas no México]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0074-02761947000200008&lng=es&nrm=iso&tlng=es Os autores, depois de recordar ràpidamente as pesquisas anteriores feitas no México sôbre doença de Chagas, devidas em grande parte a LUIS MAZZOTTI, relatam os primeiros resultados obtidos em breve excrusão científica, patrocinada pelo Insituto Nacional de Cardiologia dêsse país, a Apatzingán, Estado de Michoacán, na qual constataram elevado índice de parasitismo de Triatoma pallidipennis pelo Schizotrypanum cruzi (identificado por inoculação em camondongo e cobaias) e verificaram 4 casos de doença de Chagas diagnosticados pela reação de fixação do complemento (antígeno de cultura de S. cruzi). <![CDATA[Casuística teratológica: quatro casos de hemímelos torácicos e pelvianos duplos, numa família do Estado do Paraná]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0074-02761947000200009&lng=es&nrm=iso&tlng=es Os autores, depois de recordar ràpidamente as pesquisas anteriores feitas no México sôbre doença de Chagas, devidas em grande parte a LUIS MAZZOTTI, relatam os primeiros resultados obtidos em breve excrusão científica, patrocinada pelo Insituto Nacional de Cardiologia dêsse país, a Apatzingán, Estado de Michoacán, na qual constataram elevado índice de parasitismo de Triatoma pallidipennis pelo Schizotrypanum cruzi (identificado por inoculação em camondongo e cobaias) e verificaram 4 casos de doença de Chagas diagnosticados pela reação de fixação do complemento (antígeno de cultura de S. cruzi). <![CDATA[A propósito de uma epidemia de tinha no Rio de Janeiro, causada pelo Trichophyton mentagrophytes (Ch. Robin, 1853) Blanchard, 1896]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0074-02761947000200010&lng=es&nrm=iso&tlng=es Estudamos uma epidemia de tinha surgida, em 1945, no Instituto Nata¬lina Janot, da Fundação Abrigo Cristo Redentor, no Rio de Janeiro. Após rápida descrição do Instituto e breve relato do exame clinico, expomos os resultados do exame dos pelos, do exame macro e microscópico das culturas e das inoculações experimentais. Deante dos resultados obtidos e em face da orientação atual da sistemática dos dermatófitos, consideramos como agente etiológico da referida epidemia o Trichophyton mentagrophytes (CH. ROBIN, 1853) BLANCHARD, 1896, isolado em 16 doentes. Nosso estudo é precedido de uma revisão da literatura nacional sôbre tinhas.<hr/>An epidemy of tinea capitis observed in 1945 in the Instituto Natalina Janot, Fundação Abrigo Cristo Redentor, Rio de Janeiro, is reported. The etiological agent — Trichophyton mentagrophytes — is described. <![CDATA[Ação de venenos de serpentes brasileiras sôbre a alexina ou complemento]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0074-02761947000200011&lng=es&nrm=iso&tlng=es O autor estudou a ação inativante, sôbre o complemento de cobaia, alguns venenos de serpentes brasileiras pertencentes às famílias dos Elapideos e Crotalideos. Da primeira, foi utilizado veneno de Micrurus frontalis, da segunda, foram usados venenos de espécies pertencentes aos gêneros Crotalus (C. terrificus) e Bothrops (B. atrox, B. neuwiedii, B. jararaca, B. ja-raracussú, B. cotiara e B. alternata). O venenos de M. frontalis e C. terri¬ficus se revelaram incapazes de inativar o complemento, ao passo que os diversos de Bothrops empregados se mostraram altamente inativantes, destruindo sempre o 4.° componente do complemento (C4), fração idêntica à afetada pela ação da amônea.<hr/>The author shows in this paper the results of the inactivation of com¬plement or alexin by some Brazilian snakes venoms of the Elapideae and Cro¬talideae families. The venom of Micrurus frontalis (Elapideae family) and of Crotalus terrificus (Crotalideae family) did not destroy the complement; but the venoms of Bothrops generus (B. atrox, B. neuwiedii, B. jararaca, B. jararacussú, B. cotiara e B. alternata), (Crotalideae family) are highly active in the inactivation complement, always destroing the fourth component, whichis exactly the same component that is detroyed by ammonia. <![CDATA[Ensaios terapeuticos com penicilina: VI - Bouba (Framboesia; pian, yaws): observações após um e dois anos de tratamento: novos casos tratados: emprêgo do veículo oleoso: associação com néo-arsfenamina]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0074-02761947000200012&lng=es&nrm=iso&tlng=es 1) Depois de 2 anos de observação após o tratamento com penicilina em doses baixas, verificou-e que de 30 pacientes tratados com lesões boubáticas primo-secundárias, 13 mantinham-se curados clínica e sorològicamente. Quatro pacientes continuavam com cura clínica, mas com R. Wa. positiva. Os 13 doentes acima citados ofereceram as seguintes médias: Média das idades [...] 9 anos. Média da duração do tratamento [...] 30 dias. Média das doses totais de penicilina [...] 45.000 unidades. Média dos intervalos da injeções [...] 6/6 horas. Entretanto, doses variando de 72.000 a 200.000 unidades, em tratamento de 1 a 4 dias fracassaram. A distribuição dos 30 tratados segundo a duração do tratamento, mostra que os resultados mais favoráveis foram obtidos com os tratamento mais longos. A distribuição segundo a dose, demonstra o mesmo para aquelas compreendidas entre 21.000 e 50.000 unidades. A distribuição em grupos etários, revela o mesmo para aquele de 1 a 8 anos e finalmente a distribuição segundo a frequencia das injeções, indica o mesmo para o grupo de 8/8 a 12/12 horas. Êste último fato, justificou a abolição das aplicações noturnas. Os resultados mais favoráveis nas idades mais baixas, demonstraram, seja insuficiência das dosagens, seja u'a maior resistência ao tratamento por parte dos casos de mais longa duração. 2) Depois de 2 anos de observação após o tratamento com penicilina em doses baixas, de 6 pacientes com lesões boubáticas terciáras, 5 continuavam curados clínica e sorològicamente. O doente restante continuava com cura clínica, mas com R. Wa. positiva. Êste doente fôra superinoculado experimentalmente e não recebera tratamento em seguida, havendo probabilidade de a experiência ter concorrido para a permanência da sorologia positiva. A duração do tratamento variou de 1 mês e 27 dias a 8 meses e 22 dias e as doses totais de penicilina de 164.000 a 586.000 unidades. 3) Depois de 2 anos de observação após tratamento com néo-arsfenamina, de 4 boubáticos com lesões terciárias, apenas 2 continuavam curados clínica e sorològicamente. Os outros 2, não apresentavam sinais de doença mas continuavam com a R. Wa positiva. A duração do tratamento variou de 1 mês e 15 dias a 14 meses e a dosagem do medicamento de 2.10 grs. a 17.10 gr. 4) Depois de um ou dois anos de observação após o tratamento com penicilina isolada por via oral, 3 pacientes com lesões primo-secundárias, foram encontrados com recidiva clínica e sorológica. A duração do tratamento foi de 10 dias com a dosagem total de 100.000 unidade, os pacientes tendo 5, 8 e 10 anos respectivamente. Em quatro outros doentes, de 10 a 17 anos tratados durante 10 dias, com 150.000 unidades de penicilina associadas a citrato de sódio, os tratamentos foram considerados <<fracassos>>, isto é, até 20 dias depois do tratamento, não apresentaram cura clínica. Com exceção dêstes quatro últimos casos os resultados imediatos dos tratamentos já foram publicados. 5) Depois de 1 ano ou mais de observação após o tratamento, de 6 doentes de 1 a 10 anos de idade, tratados durante 10 dias com 120.000 unidades de penicilina, todos menos um se mantinham comcura clínica e sorológica. No mesmo período de observação, de 6 doentes de 14 a 25 anos de idade com lesões semelhantes e tratados com 180.000 unidades também em 10 dias, quatro se mantinham curados clínica e sorològicamente, e os outrso dois, embora com cura clínica, continuavam com R. Wa. positiva. 6) Depois de 1 ano de observação após o tratamento de lesões boubáticas terciárias, de 5 doentes que receberam 600.000 unidades de penicilina durante 20 a 60 dias, todos se mantinham com cura clínica e apenas um não apresentava cura sorológica. No mesmo período de observação, de 3 doentes com lesões semelhantes e que receberam 900.000 unidade em 60 e 105 dias, todos continuavam com cura clínica, mas um permanecia com R. Wa. positiva. Ainda no mesmo período de observação, de 2 doentes também de lesões terciárias, e que receberam 1.200.000 unidades de 3 a 5 meses, ambos continuavam com cura clínica mas apenas um permanecia com R. Wa. negativa. Uma paciente com gangoza que recebera 1.750.000 unidades em 5 meses e 10 dias continuava com cura clínica, mas com R. Wa. fortemente positiva. Êste caso foi suspeito de penicilinorresistente. 7) Depois de 2 anos de observação após o tratamento, 2 boubáticos com lesões primo-secundárias tratados com néo arsfenamina em 6 e 7 mese e com 5.45 grs. e 14.55 grs. respectivamente, mantinham-se curados clínica e sorològicamente. No mesmo período de observação, de 3 doentes com lesões terciárias tratados com néo-arsfenamina e que receberam de 4.80 grs. a 29.15 grs. em 2 a 14 meses de tratamento, 2 se mantinham curados clínica e sorològicamente, e o restante teve recidiva, sendo tratado em seguida com penicilina. O caso que recebeu 20.15 grs. de néo-arfenamina em 14 meses de tratamento foi particularmente rebelde à terapêutica. 8) Experiências com penicilina dissolvida em óleo de amendoim mais cêra de ablha deram os seguintes resultados: a) Uma única injeção de 100.000 unidade em 6 pacientes de 8 a 11 anos foi completamente falha. b) Uma única injeção de 200.0000 unidades em 6 pacientes de 12 a 15 anos também falhou. c) Duas injeções de 100.000 unidades cada uma, em 2 dias em pacientes de 16 a 21 anos, deram cura clínica provável a apenas 2 doentes de 6 tratados. d) Três injeções de 100.000 unidades cada uma, em 3 dias, em pacientes de 8 a 11 anos, deram cura clínica a 3 doentes de 6 tratados. e) Todos êsses doentes referidos como curados clinicamente, permaneciam com sorologia positiva. 8) Experiências realizadas empregando a penicilina associada à néo-arsfenamina em 6 dias de tratamento deram os seguintes resultados, após 6 meses de observação. A) Três doentes com secundarismo boubático, de 10 a 13 anos de idade tratados com 100.000 unidades amis 0,30 gr., mantinham-se curados clínica e sorològicamente;.b) de três doentes de 15 a 19 anos também com secundarismo,tratados... <![CDATA[Ação inativante de corantes sobre a alexina ou complemento]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0074-02761947000200013&lng=es&nrm=iso&tlng=es Os autores estudaram a ação inativante de corantes sôbre a alexina. Para isto, empregaram 50 corantes das diferentes séries químicas, chegando à conclusão que sòmente 11 dêles possuem esta ação: o ponceau, vermelho congo, violeta de metila, auramina, eosina, rosa bengala, verde verdadeiro, violeta paris, azul de metila, pironina amarela e a anilina zul. Verificaram que êles inativam sempre em proporção constante: 0,5 ml- de uma solução a 1% e que esta ação parece ser independente das constantes físicas do corante (carga elétrica, pêso molecular, absorção máxima no espectrômetro) e das peculiaridades intrinsicas de suas constituições químicas. Determinaram também que êstes corantes inativaram em sua maioria o quarto componente termoestável (C4) da alexina, exceção feita do vermelho congo e da violeta de metila que inativavam o terceiro componente termoestável (C3). A pi-ronina amarela revelou atuar sôbre os 3.° e 4.° compenentes (C3 e C4) ou sobre algum elemento indispensável a ação dêles.<hr/>The authors studied the inactivating action of dies on alexin. To do this research they used 50 dies of the different chemical series, and arrived at the conclusion that only 11 of these dies have that action: the ponceau, Congo red, methyl violet, auramin, eosin, Bengal rose, 'ecth' green, Paris vio¬let, methyl blue, pironin yellowish and blue anilin. It was verified that they always inactivate in constant proportion: 0,5 ml. of a solution at 1% and that this action seems to be independent of the physical constants of the dye (ele¬ctric charge, mollecular weight, maximum absorption in the espectrometer) and the intrinsic peculiarities of their chemical constitutions. The authors also verified that these dyes in their majority inactivated the fourth component termo-stable (C4) of the alexin, with exception of the Congo red and the methyl violet which inactivated the third component termo-estable (C3). The pironin yellowish showed to act on the 3rd and 4th components (C3 and C4) or over any indispensable element to their action. <![CDATA[Contribuição ao conhecimento dos helmintos dos peixes d'agua doce do Brasil: I: Trematoda, Aspidogastridae)]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0074-02761947000200014&lng=es&nrm=iso&tlng=es Os autores estudaram a ação inativante de corantes sôbre a alexina. Para isto, empregaram 50 corantes das diferentes séries químicas, chegando à conclusão que sòmente 11 dêles possuem esta ação: o ponceau, vermelho congo, violeta de metila, auramina, eosina, rosa bengala, verde verdadeiro, violeta paris, azul de metila, pironina amarela e a anilina zul. Verificaram que êles inativam sempre em proporção constante: 0,5 ml- de uma solução a 1% e que esta ação parece ser independente das constantes físicas do corante (carga elétrica, pêso molecular, absorção máxima no espectrômetro) e das peculiaridades intrinsicas de suas constituições químicas. Determinaram também que êstes corantes inativaram em sua maioria o quarto componente termoestável (C4) da alexina, exceção feita do vermelho congo e da violeta de metila que inativavam o terceiro componente termoestável (C3). A pi-ronina amarela revelou atuar sôbre os 3.° e 4.° compenentes (C3 e C4) ou sobre algum elemento indispensável a ação dêles.<hr/>The authors studied the inactivating action of dies on alexin. To do this research they used 50 dies of the different chemical series, and arrived at the conclusion that only 11 of these dies have that action: the ponceau, Congo red, methyl violet, auramin, eosin, Bengal rose, 'ecth' green, Paris vio¬let, methyl blue, pironin yellowish and blue anilin. It was verified that they always inactivate in constant proportion: 0,5 ml. of a solution at 1% and that this action seems to be independent of the physical constants of the dye (ele¬ctric charge, mollecular weight, maximum absorption in the espectrometer) and the intrinsic peculiarities of their chemical constitutions. The authors also verified that these dyes in their majority inactivated the fourth component termo-stable (C4) of the alexin, with exception of the Congo red and the methyl violet which inactivated the third component termo-estable (C3). The pironin yellowish showed to act on the 3rd and 4th components (C3 and C4) or over any indispensable element to their action. <![CDATA[Contribuição ao conhecimento dos helmintos dos peixes d'agua doce do Brasil: II: (Trematoda, Heterophyidae)]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0074-02761947000200015&lng=es&nrm=iso&tlng=es Os autores estudaram a ação inativante de corantes sôbre a alexina. Para isto, empregaram 50 corantes das diferentes séries químicas, chegando à conclusão que sòmente 11 dêles possuem esta ação: o ponceau, vermelho congo, violeta de metila, auramina, eosina, rosa bengala, verde verdadeiro, violeta paris, azul de metila, pironina amarela e a anilina zul. Verificaram que êles inativam sempre em proporção constante: 0,5 ml- de uma solução a 1% e que esta ação parece ser independente das constantes físicas do corante (carga elétrica, pêso molecular, absorção máxima no espectrômetro) e das peculiaridades intrinsicas de suas constituições químicas. Determinaram também que êstes corantes inativaram em sua maioria o quarto componente termoestável (C4) da alexina, exceção feita do vermelho congo e da violeta de metila que inativavam o terceiro componente termoestável (C3). A pi-ronina amarela revelou atuar sôbre os 3.° e 4.° compenentes (C3 e C4) ou sobre algum elemento indispensável a ação dêles.<hr/>The authors studied the inactivating action of dies on alexin. To do this research they used 50 dies of the different chemical series, and arrived at the conclusion that only 11 of these dies have that action: the ponceau, Congo red, methyl violet, auramin, eosin, Bengal rose, 'ecth' green, Paris vio¬let, methyl blue, pironin yellowish and blue anilin. It was verified that they always inactivate in constant proportion: 0,5 ml. of a solution at 1% and that this action seems to be independent of the physical constants of the dye (ele¬ctric charge, mollecular weight, maximum absorption in the espectrometer) and the intrinsic peculiarities of their chemical constitutions. The authors also verified that these dyes in their majority inactivated the fourth component termo-stable (C4) of the alexin, with exception of the Congo red and the methyl violet which inactivated the third component termo-estable (C3). The pironin yellowish showed to act on the 3rd and 4th components (C3 and C4) or over any indispensable element to their action.