Scielo RSS <![CDATA[Radiologia Brasileira]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=0100-398420170006&lang=pt vol. 50 num. 6 lang. pt <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[Radiologia Brasileira e o <em>ranking</em> das revistas internacionais de radiologia e das revistas brasileiras de medicina]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-39842017000600001&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt <![CDATA[Aspectos de imagem do sistema nervoso central na dengue]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-39842017000600002&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt <![CDATA[The emerging radiological features of Zika virus infection]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-39842017000600003&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt <![CDATA[Análise quantitativa por tomografia computadorizada da vasculatura pulmonar em pacientes com hipertensão pulmonar utilizando programa automático]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-39842017000600351&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Abstract Objective: To perform a quantitative analysis of the lung parenchyma and pulmonary vasculature of patients with pulmonary hypertension (PH) on computed tomography angiography (CTA) images, using automated software. Materials and Methods: We retrospectively analyzed the CTA findings and clinical records of 45 patients with PH (17 males and 28 females), in comparison with a control group of 20 healthy individuals (7 males and 13 females); the mean age differed significantly between the two groups (53 ± 14.7 vs. 35 ± 9.6 years; p = 0.0001). Results: The automated analysis showed that, in comparison with the controls, the patients with PH showed lower 10th percentile values for lung density, higher vascular volumes in the right upper lung lobe, and higher vascular volume ratios between the upper and lower lobes. In our quantitative analysis, we found no differences among the various PH subgroups. We inferred that a difference in the 10th percentile values indicates areas of hypovolemia in patients with PH and that a difference in pulmonary vascular volumes indicates redistribution of the pulmonary vasculature and an increase in pulmonary vasculature resistance. Conclusion: Automated analysis of pulmonary vessels on CTA images revealed alterations and could represent an objective diagnostic tool for the evaluation of patients with PH.<hr/>Resumo Objetivo: Avaliar, quantitativamente, as alterações do parênquima e da vasculatura pulmonar em exames de angiotomografia computadorizada (angio-TC) de pacientes com hipertensão pulmonar (HP), utilizando programa de análise totalmente automática. Materiais e Métodos: Avaliamos, retrospectivamente, prontuários e exames de angio-TC de 45 pacientes com HP (28 mulheres e 17 homens; idade de 53 ± 14,7 anos), em comparação com um grupo controle mais jovem sem comorbidades detectadas (13 mulheres e 7 homens; idade de 35 ± 9,6 anos). Os grupos diferiram estatisticamente quanto à idade (p = 0,0001). Resultados: Análise automática mostrou valores menores do percentil 10 da densidade dos pulmões, maior volume vascular do lobo superior direito e volume vascular relativo entre lobos superiores e inferiores nos pacientes com HP, quando comparados com o grupo controle. Não encontramos diferenças da análise quantitativa por angio-TC entre grupos de pacientes com HP. Inferimos que a diferença nos valores do percentil 10 indique a presença das áreas de oligoemia nos pacientes com HP, enquanto as diferenças nos volumes vasculares indiquem redistribuição da trama e aumento da resistência vascular pulmonar. Conclusão: A análise quantitativa automática da vasculatura pulmonar em imagens de angio-TC identificou alterações e pode representar ferramenta diagnóstica objetiva na avaliação da HP. <![CDATA[Achados de ressonância magnética em criptococose do sistema nervoso central: comparação entre pacientes imunocompetentes e imunossuprimidos]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-39842017000600359&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Abstract Objective: To assess the magnetic resonance imaging (MRI) patterns associated with central nervous system infection with Cryptococcus sp. in relation to patient immune status. Materials and Methods: This was a retrospective study of MRI data for 19 patients with neurocryptococcosis who underwent the examination between January 2000 and March 2014. The MRI characteristics examined included lesion topography, aspects of diffusion, T1-weighted images, T2-weighted images, and contrast enhancement patterns. Results: In all cases, cryptococcal infection was confirmed by cerebrospinal fluid analysis. Of the 19 patients, 10 were immunocompromised and 9 were immunocompetent. Abnormal imaging patterns occurred alone or in conjunction with other manifestations. The imaging patterns found in immunocompromised patients included the following: leptomeningeal enhancement, in 6; pachymeningeal enhancement, in 3 (due to intracranial hypotension in 2); perivascular space involvement, in 4; granulomas, in 2; hydrocephalus, in 2; miliary nodules, in 1; and plexitis, in 1. In immunocompetent patients, the following imaging patterns were observed: leptomeningeal enhancement, in 5; perivascular space involvement, in 3; granulomas, in 3; cryptococcoma, in 1; ventriculitis, in 1; and hydrocephalus, in 1. In 2 immunocompetent patients, diffusion-weighted imaging showed diffusion restriction in cerebral cryptococcal granuloma. Conclusion: In both groups, the most common imaging finding was leptomeningeal enhancement, followed by dilatation of perivascular spaces with the presence of mucoid material. Rare presentations, such as miliary nodules, plexitis, ventriculitis, and pachymeningeal enhancement, were also observed. None of the imaging patterns common to immunocompetent and immunocompromised patients differed significantly in frequency between them.<hr/>Resumo Objetivo: Avaliar os padrões de ressonância magnética (RM) associados à infecção do sistema nervoso central por Cryptococcus sp. em relação ao status imunológico dos pacientes. Materiais e Métodos: Dados de RM de 19 casos de neurocriptococose foram analisados retrospectivamente de janeiro de 2000 a março de 2014. As características de RM examinadas incluíram: sítio da lesão, aspectos em difusão, imagens ponderadas em T1 e T2 e padrões de realce pelo contraste. Resultados: A infecção por Cryptococcus sp. foi confirmada pela análise do liquor em todos os casos. Dos 19 pacientes, 10 eram imunossuprimidos e 9 eram imunocompetentes. Os padrões de imagem anormais ocorreram isoladamente ou em associação com outras manifestações. Os padrões de imagem encontrados nos pacientes imunossuprimidos incluíram: realce leptomeníngeo (n = 6), realce paquimeníngeo (n = 3; 2 devidos a hipotensão intracraniana), envolvimento do espaço perivascular (n = 4), granulomas (n = 2), hidrocefalia (n = 2), nódulos miliares (n = 1) e plexite (n = 1). Em pacientes imunocompetentes, os padrões de imagem incluíram: realce leptomeníngeo (n = 5), envolvimento do espaço perivascular (n = 3), granulomas (n = 3), criptococoma (n = 1), ventriculite (n = 1) e hidrocefalia (n = 1). As sequências ponderadas em difusão mostraram restrição em 2 pacientes imunocompetentes com granulomas intracerebrais por criptococose. Conclusão: O achado mais comum de imagem em ambos os grupos foi realce leptomeníngeo, seguido de dilatação dos espaços perivasculares pela presença do material mucoide. Apresentações raras como nódulos miliares, plexite, ventriculite e realce paquimeníngeo foram também observadas. Nenhum dos padrões de imagem comuns aos pacientes imunocompetentes e imunossuprimidos diferiu significativamente em frequência entre eles. <![CDATA[Alterações cerebrais na ressonância magnética em escolares que nasceram prematuramente e tiveram hemorragia intracraniana]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-39842017000600366&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Abstract Objective: To determine whether preterm infants diagnosed with intracranial hemorrhage (by transfontanellar ultrasound) at birth have cerebral lesions that are detectable by magnetic resonance imaging (MRI) upon reaching school age. Materials and Methods: MRI scans of the brain were obtained in 22 school-age children. Fifteen had presented intracranial hemorrhage at birth, and seven had not. We calculated the odds ratio (OR) for the occurrence of brain alterations detectable by MRI and the kappa index for discrepancies among the radiological reports. Results: The children without previous intracranial hemorrhage presented normal MRI findings. Of the 15 children with previous intracranial hemorrhage, 6 (40%) presented brain alterations on MRI: isolated ventricular alteration (dilation and asymmetry), in 2 (13.3%); and ventricular asymmetry accompanied by parenchymal lesion, in 4 (26.7%). The nine remaining children with previous intracranial hemorrhage (60%) presented normal MRI findings. The children with previous intracranial hemorrhage were more likely to present ventricular alteration (OR = 7.8) and parenchymal lesions (OR = 5.4). Conclusion: Ventricular and parenchymal brain alterations detected by MRI suggest isolated morphologic alterations that do not result in neurological impairment detectable on physical examination in school-age children.<hr/>Resumo Objetivo: Investigar se ocorrem lesões cerebrais detectáveis na ressonância magnética (RM) cerebral em escolares que foram prematuros e tiveram hemorragia intracraniana diagnosticada pela ultrassonografia transfontanelar ao nascer. Materiais e Métodos: Foi realizada RM cerebral em 22 escolares, sendo 15 com história de hemorragia intracraniana e 7 não. Calculou-se a odds ratio (OR) de ocorrer alterações cerebrais detectáveis na RM cerebral e o valor de kappa para avaliar discrepâncias entre laudos radiológicos. Resultados: Os escolares sem hemorragia intracraniana apresentaram RM cerebral normal. Dos 15 pacientes com hemorragia intracraniana, 6 (40%) tiveram alteração na RM cerebral na idade escolar, sendo 2 (13,3%) com alteração ventricular isolada e 4 (26,7%) com assimetria ventricular associada a lesão parenquimatosa. Nove escolares (60%) com hemorragia intracraniana apresentaram RM cerebral normal. Os escolares com hemorragia intracraniana tiveram maior chance de apresentar alteração ventricular (OR = 7,8) e lesão parenquimatosa (OR = 5,4) na RM cerebral. Conclusão: As alterações ventriculares e parenquimatosas detectadas na RM cerebral sugerem alterações morfológicas isoladas, que não constituem comprometimento neurológico detectável ao exame físico na idade escolar. <![CDATA[Aspectos tomográficos do trauma torácico aberto: lesões por projéteis de arma de fogo e armas brancas]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-39842017000600372&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Abstract Objective: The aim of this study was to analyze the various computed tomography findings in penetrating chest trauma, as well as to determine the frequency and extent of the lesions. Material and Methods: We studied the computed tomography findings from 40 cases of penetrating thoracic trauma, of which 35 (85.8%) were gunshot wounds and 5 (14.2%) were caused by another type of weapon. Results: Pulmonary lesions were found in 39 cases (97.5%), manifesting as contusions in 34 cases (85%), atelectasis in 8 (20%), lacerations in 1 (2.5%) and hematomas in 1 (2.5%). Hemothorax was seen in 31 cases (77.5%), and pneumothorax was seen in 22 cases (55%). Mediastinal lesions were observed in 8 cases (20%), including mediastinal hematoma in 3 cases (7.5%), hemopericardium in 3 (7.5%), and pneumomediastinum in 2 (5%). Diaphragmatic rupture was seen in 2 cases (5%). Conclusion: In patients with penetrating thoracic trauma, computed tomography of the chest is an important tool for characterizing the affected organs and evaluating the path of injury, as well as the severity and extent of the lesions. The images obtained are also useful in estimating the risk of death and determining the best therapeutic approach.<hr/>Resumo Objetivo: Analisar os diferentes achados da tomografia computadorizada no trauma torácico aberto e determinar sua frequência e extensão. Materiais e Métodos: Neste trabalho foram estudados os aspectos tomográficos de 40 pacientes com trauma torácico aberto, sendo 35 casos causados por lesão por arma de fogo (85,8%) e 5 por arma branca (14,2%). Resultados: As lesões pulmonares predominaram, tendo sido observadas em 39 casos (97,5%), manifestadas sob a forma de contusões em 34 (85%), atelectasias em 8 (20%), lacerações em 1 (2,5%) e hematomas em 1 (2,5%). Hemotórax foi demonstrado em 31 casos (77,5%) e pneumotórax em 22 casos (55%). Lesões mediastínicas estiveram presentes em 8 casos (20%), com hematoma mediastínico em 3 casos (7,5%), hemopericárdio em 3 (7,5%) e pneumomediastino em 2 (5%). Lesão diafragmática foi observada em 2 pacientes (5%). Conclusão: A tomografia computadorizada de tórax, nos casos de trauma torácico aberto, permite caracterizar os órgãos acometidos, avaliar o trajeto das lesões, sua gravidade e extensão, sendo útil na estimativa de risco de vida e na escolha das abordagens terapêuticas. <![CDATA[SPECT/CT com análogos radiomarcados de somatostatina na avaliação de infecções granulomatosas sistêmicas]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-39842017000600378&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Abstract Objective: To evaluate SPECT/CT with radiolabeled somatostatin analogues (RSAs) in systemic granulomatous infections in comparison with gallium-67 (67Ga) citrate scintigraphy. Materials and Methods: We studied 28 patients with active systemic granulomatous infections, including tuberculosis, paracoccidioidomycosis, pneumocystosis, cryptococcosis, aspergillosis, leishmaniasis, infectious vasculitis, and an unspecified opportunistic infection. Of the 28 patients, 23 had started specific treatment before the study outset. All patients underwent whole-body SPECT/CT imaging: 7 after injection of 99mTc-EDDA-HYNIC-TOC, and 21 after injection of 111In-DTPA-octreotide. All patients also underwent 67Ga citrate imaging, except for one patient who died before the 67Ga was available. Results: In 20 of the 27 patients who underwent imaging with both tracers, 27 sites of active disease were detected by 67Ga citrate imaging and by SPECT/CT with an RSA. Both tracers had negative results in the other 7 patients. RSA uptake was visually lower than 67Ga uptake in 11 of the 20 patients with positive images and similar to 67Ga uptake in the other 9 patients. The only patient who did not undergo 67Ga scintigraphy underwent 99mTc-EDDA-HYNIC-TOC SPECT/CT-guided biopsy of a lung cavity with focal RSA uptake, which turned to be positive for aspergillosis. Conclusion: SPECT/CT with 99mTc-EDDA-HYNIC-TOC or 111In-DTPA-octreotide seems to be a good alternative to 67Ga citrate imaging for the evaluation of patients with systemic granulomatous disease.<hr/>Resumo Objetivo: Avaliar o estudo SPECT/CT com análogos de somatostatina radiomarcados (RSA) em infecções granulomatosas sistêmicas, em comparação com o estudo com gálio-67 (67Ga). Materiais e Métodos: Vinte e oito paciente com infecção granulomatosa sistêmica ativa foram estudados, incluindo tuberculose, paracoccidioidomicose, pneumocistose, criptococose, aspergilose, leishmaniose, vasculite infecciosa e uma infecção oportunista inespecífica. Vinte e três tinham iniciado o tratamento previamente ao estudo. Todos fizeram imagem de varredura e SPECT/CT, 7 deles pós-injeção de 99mTc-EDDA-HYNIC-TOC e os outros 21 pós-injeção de 111In-DTPA-octreotide. Todos os pacientes também fizeram cintilografia com 67Ga, exceto um, que fez biópsia guiada por 99mTc-EDDA-HYNIC-TOC. Resultados: Vinte e sete sítios de atividade foram detectados com 67Ga em 20 de 27 pacientes, também vistos nos estudos com RSA. Ambos foram negativos nos outros 7 pacientes. A captação de RSA foi visualmente menor que a de 67Ga em 11 de 20 pacientes positivos e similar nos outros 9. Um paciente que não pôde fazer cintilografia com 67Ga, fez biópsia guiada por 99mTc-EDDAHYNIC-TOC SPECT/CT em uma cavidade pulmonar com captação desse traçador, que foi positiva para aspergilose. Conclusão: SPECT/CT com 99mTc-EDDA-HYNIC-TOC ou 111In-DTPA-octreotide parece ser uma boa alternativa para o estudo com 67Ga na avaliação de pacientes com doença granulomatosa sistêmica. <![CDATA[Avaliação imaginológica da paciente com derrame papilar]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-39842017000600383&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Abstract Nipple discharge is a common symptom in clinical practice, representing the third leading breast complaint, after pain and lumps. It is usually limited and has a benign etiology. The risk of malignancy is higher when the discharge is uniductal, unilateral, spontaneous, persistent, bloody, or serous, as well as when it is accompanied by a breast mass. The most common causes of pathologic nipple discharge are papilloma and ductal ectasia. However, there is a 5% risk of malignancy, mainly ductal carcinoma in situ. The clinical examination is an essential part of the patient evaluation, allowing benign nipple discharge to be distinguished from suspicious nipple discharge, which calls for imaging. Mammography and ultrasound should be used together as first-line imaging methods. However, mammography has low sensitivity in cases of nipple discharge, because, typically, the lesions are small, are retroareolar, and contain no calcifications. Because the reported sensitivity and specificity of ultrasound, it is important to use the correct technique to search for intraductal lesions in the retroareolar region. Recent studies recommend the use of magnetic resonance imaging in cases of suspicious nipple discharge in which the mammography and ultrasound findings are normal. The most common magnetic resonance imaging finding is non-mass enhancement. Surgery is no longer the only solution for patients with suspicious nipple discharge, because short-time follow-up can be safely proposed.<hr/>Resumo O derrame papilar é um sintoma frequente na prática clínica, correspondendo à terceira queixa mais comum, sendo precedido apenas por dor e massas palpáveis. A maioria dos derrames papilares é de origem benigna e transitória, sendo definidos como derrames papilares patológicos os que se apresentam uni ou pauciorificiais, espontâneos, persistentes, serosos ou sanguinolentos e associados a alteração palpável. Os derrames patológicos são mais frequentemente causados por papiloma ou ectasia ductal, porém, existe risco de malignidade de cerca de 5%, constituído principalmente por carcinoma ductal in situ. O exame clínico é parte essencial na avaliação da paciente, permitindo diferenciar entre derrames papilares tipicamente benignos e derrames papilares suspeitos, que necessitam de avaliação pelos métodos de imagem. A mamografia e a ultrassonografia devem ser usadas em conjunto como métodos de imagem de primeira linha, porém, a sensibilidade da mamografia nestes casos é baixa, uma vez que as lesões são comumente retroareolares, pequenas e não calcificadas. A sensibilidade e a especificidade da ultrassonografia variam amplamente na literatura, sendo importante o uso de técnicas corretas para a avaliação de lesões intraductais e retroareolares. Recentemente, a ressonância magnética tem sido indicada nos casos de derrame papilar suspeito com mamografia e ultrassonografia normais, sendo o achado mais comum o realce não nodular. A cirurgia não é mais a única solução para as pacientes com derrame papilar suspeito e todos os exames de imagem normais, tendo em vista que um seguimento em curto prazo pode ser proposto de forma segura. <![CDATA[Colangiorressonância com uso de contraste hepatoespecífico: avaliação perioperatória da via biliar]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-39842017000600389&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Abstract A large number of gadolinium chelates have recently been tested in clinical trials. Some of those have already been approved for clinical use in the United States and Europe. Thus, new diagnostic perspectives have been incorporated into magnetic resonance imaging studies. Among such gadolinium chelates are hepatobiliary-specific contrast agents (HSCAs), which, due to their property of being selectively taken up by hepatocytes and excreted by the biliary ducts, have been widely used for the detection and characterization of focal hepatic lesions. In comparison with conventional magnetic resonance cholangiography (MRC), HSCA-enhanced MRC provides additional information, with higher spatial resolution and better anatomic evaluation of a non-dilated biliary tree. A thorough anatomic assessment of the biliary tree is crucial in various hepatic surgical procedures, such as complex resection in patients with colorectal cancer and living-donor liver transplantation. However, the use of HSCA-enhanced MRC is still limited, because of a lack of data in the literature and the poor familiarity of radiologists regarding its main indications. This pictorial essay aims to demonstrate the use of HSCA-enhanced MRC, with particular emphasis on anatomical analysis of the biliary tree, clinical applications, and the most important imaging findings.<hr/>Resumo Recentemente, um grande número de quelantes de gadolínio tem sido testado em ensaios laboratoriais. Alguns deles já foram inclusive aprovados para uso clínico nos Estados Unidos e na Europa. Com isso, novas perspectivas diagnósticas foram incorporadas nos estudos de ressonância magnética. Dentre estes quelantes de gadolínio, os contrastes hepatobiliares específicos (CHBEs) têm sido amplamente utilizados para a caracterização e detecção de lesões focais hepáticas, essencialmente pela propriedade de serem captados pelos hepatócitos e excretados na via biliar. Além disso, os CHBEs trouxeram novas informações na avaliação da árvore biliar quando comparados à colangiorressonância convencional, proporcionando uma maior resolução espacial e melhor avaliação da anatomia da árvore biliar não dilatada. A avaliação da anatomia biliar é de fundamental importância em cirurgias hepáticas, como ressecções complexas em tumores colorretais ou no transplante hepático com doador vivo, porém, o uso dos CHBEs ainda é restrito para estes propósitos. Em razão da escassa literatura sobre o tema e da pouca familiaridade dos radiologistas com as principais indicações, o presente ensaio iconográfico tem por objetivo demonstrar o uso de CHBEs na avaliação perioperatória das vias biliares, ressaltando a avaliação anatômica, as indicações e os principais achados de imagem. <![CDATA[Aspectos comuns e incomuns das lesões focais esplênicas no estudo com contraste por microbolhas: uma revisão iconográfica]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-39842017000600395&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Abstract The characterization of focal splenic lesions by ultrasound can be quite challenging. The recent introduction of contrast-enhanced ultrasound (CEUS) has come to play a valuable role in the field of imaging splenic pathologies, offering the possibility of an ionizing radiation-free investigation. Because CEUS has been incorporated into everyday clinical practice, malignant diseases such as focal lymphomatous infiltration, metastatic deposits, benign cysts, traumatic fractures, and hemangiomas can now be accurately depicted and characterized without the need for further imaging. More specifically, splenic traumatic fractures do not require additional imaging by computed tomography (with ionizing radiation exposure) for follow-up, because splenic fractures and their complications are safely imaged with CEUS. In the new era of CEUS, more patients benefit from radiation-free investigation of splenic pathologies with high diagnostic accuracy.<hr/>Resumo A caracterização de lesões focais esplênicas pela ultrassonografia pode ser bastante desafiadora. A introdução da ultrassonografia com contraste por microbolhas vem ganhando papel importante no campo da avaliação por imagem das doenças esplênicas, oferecendo um método livre de radiação ionizante. Após a implementação da ultrassonografia contrastada na prática médica, doenças malignas como linfomas e metástases, bem como benignas, como cistos, lesões traumáticas e hemangiomas, podem ser observadas e caracterizadas de maneira acurada, sem a necessidade de prosseguir a investigação com outros métodos de imagem. Mais especificamente, lesões traumáticas esplênicas podem ser acompanhadas por meio da ultrassonografia contrastada, evitando a radiação ionizante da tomografia computadorizada, uma vez que as fraturas esplênicas e suas potenciais complicações são seguramente demonstradas por esse método ultrassonográfico. Na nova era do uso dos contrastes para ultrassonografia, mais pacientes serão beneficiados por investigações livres de radiação para avaliação de afecções do baço, com alta acurácia diagnóstica. <![CDATA[Congenital Zika syndrome and neuroimaging findings]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-39842017000600405&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Abstract The characterization of focal splenic lesions by ultrasound can be quite challenging. The recent introduction of contrast-enhanced ultrasound (CEUS) has come to play a valuable role in the field of imaging splenic pathologies, offering the possibility of an ionizing radiation-free investigation. Because CEUS has been incorporated into everyday clinical practice, malignant diseases such as focal lymphomatous infiltration, metastatic deposits, benign cysts, traumatic fractures, and hemangiomas can now be accurately depicted and characterized without the need for further imaging. More specifically, splenic traumatic fractures do not require additional imaging by computed tomography (with ionizing radiation exposure) for follow-up, because splenic fractures and their complications are safely imaged with CEUS. In the new era of CEUS, more patients benefit from radiation-free investigation of splenic pathologies with high diagnostic accuracy.<hr/>Resumo A caracterização de lesões focais esplênicas pela ultrassonografia pode ser bastante desafiadora. A introdução da ultrassonografia com contraste por microbolhas vem ganhando papel importante no campo da avaliação por imagem das doenças esplênicas, oferecendo um método livre de radiação ionizante. Após a implementação da ultrassonografia contrastada na prática médica, doenças malignas como linfomas e metástases, bem como benignas, como cistos, lesões traumáticas e hemangiomas, podem ser observadas e caracterizadas de maneira acurada, sem a necessidade de prosseguir a investigação com outros métodos de imagem. Mais especificamente, lesões traumáticas esplênicas podem ser acompanhadas por meio da ultrassonografia contrastada, evitando a radiação ionizante da tomografia computadorizada, uma vez que as fraturas esplênicas e suas potenciais complicações são seguramente demonstradas por esse método ultrassonográfico. Na nova era do uso dos contrastes para ultrassonografia, mais pacientes serão beneficiados por investigações livres de radiação para avaliação de afecções do baço, com alta acurácia diagnóstica. <![CDATA[Trombo flutuante no arco aórtico]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-39842017000600406&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Abstract The characterization of focal splenic lesions by ultrasound can be quite challenging. The recent introduction of contrast-enhanced ultrasound (CEUS) has come to play a valuable role in the field of imaging splenic pathologies, offering the possibility of an ionizing radiation-free investigation. Because CEUS has been incorporated into everyday clinical practice, malignant diseases such as focal lymphomatous infiltration, metastatic deposits, benign cysts, traumatic fractures, and hemangiomas can now be accurately depicted and characterized without the need for further imaging. More specifically, splenic traumatic fractures do not require additional imaging by computed tomography (with ionizing radiation exposure) for follow-up, because splenic fractures and their complications are safely imaged with CEUS. In the new era of CEUS, more patients benefit from radiation-free investigation of splenic pathologies with high diagnostic accuracy.<hr/>Resumo A caracterização de lesões focais esplênicas pela ultrassonografia pode ser bastante desafiadora. A introdução da ultrassonografia com contraste por microbolhas vem ganhando papel importante no campo da avaliação por imagem das doenças esplênicas, oferecendo um método livre de radiação ionizante. Após a implementação da ultrassonografia contrastada na prática médica, doenças malignas como linfomas e metástases, bem como benignas, como cistos, lesões traumáticas e hemangiomas, podem ser observadas e caracterizadas de maneira acurada, sem a necessidade de prosseguir a investigação com outros métodos de imagem. Mais especificamente, lesões traumáticas esplênicas podem ser acompanhadas por meio da ultrassonografia contrastada, evitando a radiação ionizante da tomografia computadorizada, uma vez que as fraturas esplênicas e suas potenciais complicações são seguramente demonstradas por esse método ultrassonográfico. Na nova era do uso dos contrastes para ultrassonografia, mais pacientes serão beneficiados por investigações livres de radiação para avaliação de afecções do baço, com alta acurácia diagnóstica. <![CDATA[Fistula between the abdominal aorta and a retroaortic left renal vein: a rare complication of abdominal aortic aneurysm]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-39842017000600407&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Abstract The characterization of focal splenic lesions by ultrasound can be quite challenging. The recent introduction of contrast-enhanced ultrasound (CEUS) has come to play a valuable role in the field of imaging splenic pathologies, offering the possibility of an ionizing radiation-free investigation. Because CEUS has been incorporated into everyday clinical practice, malignant diseases such as focal lymphomatous infiltration, metastatic deposits, benign cysts, traumatic fractures, and hemangiomas can now be accurately depicted and characterized without the need for further imaging. More specifically, splenic traumatic fractures do not require additional imaging by computed tomography (with ionizing radiation exposure) for follow-up, because splenic fractures and their complications are safely imaged with CEUS. In the new era of CEUS, more patients benefit from radiation-free investigation of splenic pathologies with high diagnostic accuracy.<hr/>Resumo A caracterização de lesões focais esplênicas pela ultrassonografia pode ser bastante desafiadora. A introdução da ultrassonografia com contraste por microbolhas vem ganhando papel importante no campo da avaliação por imagem das doenças esplênicas, oferecendo um método livre de radiação ionizante. Após a implementação da ultrassonografia contrastada na prática médica, doenças malignas como linfomas e metástases, bem como benignas, como cistos, lesões traumáticas e hemangiomas, podem ser observadas e caracterizadas de maneira acurada, sem a necessidade de prosseguir a investigação com outros métodos de imagem. Mais especificamente, lesões traumáticas esplênicas podem ser acompanhadas por meio da ultrassonografia contrastada, evitando a radiação ionizante da tomografia computadorizada, uma vez que as fraturas esplênicas e suas potenciais complicações são seguramente demonstradas por esse método ultrassonográfico. Na nova era do uso dos contrastes para ultrassonografia, mais pacientes serão beneficiados por investigações livres de radiação para avaliação de afecções do baço, com alta acurácia diagnóstica. <![CDATA[Envolvimento pulmonar na doença de Gaucher]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-39842017000600408&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Abstract The characterization of focal splenic lesions by ultrasound can be quite challenging. The recent introduction of contrast-enhanced ultrasound (CEUS) has come to play a valuable role in the field of imaging splenic pathologies, offering the possibility of an ionizing radiation-free investigation. Because CEUS has been incorporated into everyday clinical practice, malignant diseases such as focal lymphomatous infiltration, metastatic deposits, benign cysts, traumatic fractures, and hemangiomas can now be accurately depicted and characterized without the need for further imaging. More specifically, splenic traumatic fractures do not require additional imaging by computed tomography (with ionizing radiation exposure) for follow-up, because splenic fractures and their complications are safely imaged with CEUS. In the new era of CEUS, more patients benefit from radiation-free investigation of splenic pathologies with high diagnostic accuracy.<hr/>Resumo A caracterização de lesões focais esplênicas pela ultrassonografia pode ser bastante desafiadora. A introdução da ultrassonografia com contraste por microbolhas vem ganhando papel importante no campo da avaliação por imagem das doenças esplênicas, oferecendo um método livre de radiação ionizante. Após a implementação da ultrassonografia contrastada na prática médica, doenças malignas como linfomas e metástases, bem como benignas, como cistos, lesões traumáticas e hemangiomas, podem ser observadas e caracterizadas de maneira acurada, sem a necessidade de prosseguir a investigação com outros métodos de imagem. Mais especificamente, lesões traumáticas esplênicas podem ser acompanhadas por meio da ultrassonografia contrastada, evitando a radiação ionizante da tomografia computadorizada, uma vez que as fraturas esplênicas e suas potenciais complicações são seguramente demonstradas por esse método ultrassonográfico. Na nova era do uso dos contrastes para ultrassonografia, mais pacientes serão beneficiados por investigações livres de radiação para avaliação de afecções do baço, com alta acurácia diagnóstica. <![CDATA[Retroperitoneal Ewing's sarcoma/embryonal tumor: a rare differential diagnosis of back pain]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-39842017000600409&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Abstract The characterization of focal splenic lesions by ultrasound can be quite challenging. The recent introduction of contrast-enhanced ultrasound (CEUS) has come to play a valuable role in the field of imaging splenic pathologies, offering the possibility of an ionizing radiation-free investigation. Because CEUS has been incorporated into everyday clinical practice, malignant diseases such as focal lymphomatous infiltration, metastatic deposits, benign cysts, traumatic fractures, and hemangiomas can now be accurately depicted and characterized without the need for further imaging. More specifically, splenic traumatic fractures do not require additional imaging by computed tomography (with ionizing radiation exposure) for follow-up, because splenic fractures and their complications are safely imaged with CEUS. In the new era of CEUS, more patients benefit from radiation-free investigation of splenic pathologies with high diagnostic accuracy.<hr/>Resumo A caracterização de lesões focais esplênicas pela ultrassonografia pode ser bastante desafiadora. A introdução da ultrassonografia com contraste por microbolhas vem ganhando papel importante no campo da avaliação por imagem das doenças esplênicas, oferecendo um método livre de radiação ionizante. Após a implementação da ultrassonografia contrastada na prática médica, doenças malignas como linfomas e metástases, bem como benignas, como cistos, lesões traumáticas e hemangiomas, podem ser observadas e caracterizadas de maneira acurada, sem a necessidade de prosseguir a investigação com outros métodos de imagem. Mais especificamente, lesões traumáticas esplênicas podem ser acompanhadas por meio da ultrassonografia contrastada, evitando a radiação ionizante da tomografia computadorizada, uma vez que as fraturas esplênicas e suas potenciais complicações são seguramente demonstradas por esse método ultrassonográfico. Na nova era do uso dos contrastes para ultrassonografia, mais pacientes serão beneficiados por investigações livres de radiação para avaliação de afecções do baço, com alta acurácia diagnóstica. <![CDATA[Avaliação da disfunção diafragmática pela ultrassonografia]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-39842017000600410&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Abstract The characterization of focal splenic lesions by ultrasound can be quite challenging. The recent introduction of contrast-enhanced ultrasound (CEUS) has come to play a valuable role in the field of imaging splenic pathologies, offering the possibility of an ionizing radiation-free investigation. Because CEUS has been incorporated into everyday clinical practice, malignant diseases such as focal lymphomatous infiltration, metastatic deposits, benign cysts, traumatic fractures, and hemangiomas can now be accurately depicted and characterized without the need for further imaging. More specifically, splenic traumatic fractures do not require additional imaging by computed tomography (with ionizing radiation exposure) for follow-up, because splenic fractures and their complications are safely imaged with CEUS. In the new era of CEUS, more patients benefit from radiation-free investigation of splenic pathologies with high diagnostic accuracy.<hr/>Resumo A caracterização de lesões focais esplênicas pela ultrassonografia pode ser bastante desafiadora. A introdução da ultrassonografia com contraste por microbolhas vem ganhando papel importante no campo da avaliação por imagem das doenças esplênicas, oferecendo um método livre de radiação ionizante. Após a implementação da ultrassonografia contrastada na prática médica, doenças malignas como linfomas e metástases, bem como benignas, como cistos, lesões traumáticas e hemangiomas, podem ser observadas e caracterizadas de maneira acurada, sem a necessidade de prosseguir a investigação com outros métodos de imagem. Mais especificamente, lesões traumáticas esplênicas podem ser acompanhadas por meio da ultrassonografia contrastada, evitando a radiação ionizante da tomografia computadorizada, uma vez que as fraturas esplênicas e suas potenciais complicações são seguramente demonstradas por esse método ultrassonográfico. Na nova era do uso dos contrastes para ultrassonografia, mais pacientes serão beneficiados por investigações livres de radiação para avaliação de afecções do baço, com alta acurácia diagnóstica. <![CDATA[Malignant peripheral nerve sheath tumor of the vagus nerve: an uncommon cause of progressive dyspnea]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-39842017000600412&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Abstract The characterization of focal splenic lesions by ultrasound can be quite challenging. The recent introduction of contrast-enhanced ultrasound (CEUS) has come to play a valuable role in the field of imaging splenic pathologies, offering the possibility of an ionizing radiation-free investigation. Because CEUS has been incorporated into everyday clinical practice, malignant diseases such as focal lymphomatous infiltration, metastatic deposits, benign cysts, traumatic fractures, and hemangiomas can now be accurately depicted and characterized without the need for further imaging. More specifically, splenic traumatic fractures do not require additional imaging by computed tomography (with ionizing radiation exposure) for follow-up, because splenic fractures and their complications are safely imaged with CEUS. In the new era of CEUS, more patients benefit from radiation-free investigation of splenic pathologies with high diagnostic accuracy.<hr/>Resumo A caracterização de lesões focais esplênicas pela ultrassonografia pode ser bastante desafiadora. A introdução da ultrassonografia com contraste por microbolhas vem ganhando papel importante no campo da avaliação por imagem das doenças esplênicas, oferecendo um método livre de radiação ionizante. Após a implementação da ultrassonografia contrastada na prática médica, doenças malignas como linfomas e metástases, bem como benignas, como cistos, lesões traumáticas e hemangiomas, podem ser observadas e caracterizadas de maneira acurada, sem a necessidade de prosseguir a investigação com outros métodos de imagem. Mais especificamente, lesões traumáticas esplênicas podem ser acompanhadas por meio da ultrassonografia contrastada, evitando a radiação ionizante da tomografia computadorizada, uma vez que as fraturas esplênicas e suas potenciais complicações são seguramente demonstradas por esse método ultrassonográfico. Na nova era do uso dos contrastes para ultrassonografia, mais pacientes serão beneficiados por investigações livres de radiação para avaliação de afecções do baço, com alta acurácia diagnóstica. <![CDATA[Linfoma Burkitt-símile cerebral mimetizando cisto coloide intraventricular]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-39842017000600413&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Abstract The characterization of focal splenic lesions by ultrasound can be quite challenging. The recent introduction of contrast-enhanced ultrasound (CEUS) has come to play a valuable role in the field of imaging splenic pathologies, offering the possibility of an ionizing radiation-free investigation. Because CEUS has been incorporated into everyday clinical practice, malignant diseases such as focal lymphomatous infiltration, metastatic deposits, benign cysts, traumatic fractures, and hemangiomas can now be accurately depicted and characterized without the need for further imaging. More specifically, splenic traumatic fractures do not require additional imaging by computed tomography (with ionizing radiation exposure) for follow-up, because splenic fractures and their complications are safely imaged with CEUS. In the new era of CEUS, more patients benefit from radiation-free investigation of splenic pathologies with high diagnostic accuracy.<hr/>Resumo A caracterização de lesões focais esplênicas pela ultrassonografia pode ser bastante desafiadora. A introdução da ultrassonografia com contraste por microbolhas vem ganhando papel importante no campo da avaliação por imagem das doenças esplênicas, oferecendo um método livre de radiação ionizante. Após a implementação da ultrassonografia contrastada na prática médica, doenças malignas como linfomas e metástases, bem como benignas, como cistos, lesões traumáticas e hemangiomas, podem ser observadas e caracterizadas de maneira acurada, sem a necessidade de prosseguir a investigação com outros métodos de imagem. Mais especificamente, lesões traumáticas esplênicas podem ser acompanhadas por meio da ultrassonografia contrastada, evitando a radiação ionizante da tomografia computadorizada, uma vez que as fraturas esplênicas e suas potenciais complicações são seguramente demonstradas por esse método ultrassonográfico. Na nova era do uso dos contrastes para ultrassonografia, mais pacientes serão beneficiados por investigações livres de radiação para avaliação de afecções do baço, com alta acurácia diagnóstica. <![CDATA[Tumor de células gigantes do seio frontal: típico e improvável]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-39842017000600414&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Abstract The characterization of focal splenic lesions by ultrasound can be quite challenging. The recent introduction of contrast-enhanced ultrasound (CEUS) has come to play a valuable role in the field of imaging splenic pathologies, offering the possibility of an ionizing radiation-free investigation. Because CEUS has been incorporated into everyday clinical practice, malignant diseases such as focal lymphomatous infiltration, metastatic deposits, benign cysts, traumatic fractures, and hemangiomas can now be accurately depicted and characterized without the need for further imaging. More specifically, splenic traumatic fractures do not require additional imaging by computed tomography (with ionizing radiation exposure) for follow-up, because splenic fractures and their complications are safely imaged with CEUS. In the new era of CEUS, more patients benefit from radiation-free investigation of splenic pathologies with high diagnostic accuracy.<hr/>Resumo A caracterização de lesões focais esplênicas pela ultrassonografia pode ser bastante desafiadora. A introdução da ultrassonografia com contraste por microbolhas vem ganhando papel importante no campo da avaliação por imagem das doenças esplênicas, oferecendo um método livre de radiação ionizante. Após a implementação da ultrassonografia contrastada na prática médica, doenças malignas como linfomas e metástases, bem como benignas, como cistos, lesões traumáticas e hemangiomas, podem ser observadas e caracterizadas de maneira acurada, sem a necessidade de prosseguir a investigação com outros métodos de imagem. Mais especificamente, lesões traumáticas esplênicas podem ser acompanhadas por meio da ultrassonografia contrastada, evitando a radiação ionizante da tomografia computadorizada, uma vez que as fraturas esplênicas e suas potenciais complicações são seguramente demonstradas por esse método ultrassonográfico. Na nova era do uso dos contrastes para ultrassonografia, mais pacientes serão beneficiados por investigações livres de radiação para avaliação de afecções do baço, com alta acurácia diagnóstica.