Scielo RSS <![CDATA[Kriterion: Revista de Filosofia]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=0100-512X20160001&lang=en vol. 57 num. 133 lang. en <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[APRESENTAÇÃO]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-512X2016000100007&lng=en&nrm=iso&tlng=en <![CDATA[THE 'TWO TRUTHS' DOCTRINE (SATYADVAYA) AND THE NATURE OF UPĀYA IN NĀGĀRJUNA]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-512X2016000100017&lng=en&nrm=iso&tlng=en ABSTRACT The objective of this article is to contribute to the understanding of Nāgārjuna's 'two truths' doctrine (satyadvaya) as presented in the Mūlamadhyamakakārikā ("The Fundamental Verses of the Middle Path") (XXIV.8-10). For that purpose, we argue that 'two truths' doctrine the basic structural framework for the operational functionality of upāya of upāya (lit., 'skilful means'), perhaps the most important epistemological/pedagogical notion of Mahāyāna Buddhism.<hr/>RESUMO O objetivo deste artigo é contribuir para a compreensão da doutrina das "duas verdades" (satyadvaya), tal como presente no Mūlamadhyamakakārikā ("Os versos fundamentais do caminho do meio") (XXIV.8-10) de Nāgārjuna. Argumentamos, para tanto, que a doutrina das "duas verdades" constitui o fundamento estrutural básico para a funcionalidade operacional do upāya (lit., "meios hábeis"), que é, talvez, a noção epistemológico-pedagógica mais importante do budismo Mahāyāna. <![CDATA[AS DUAS VERDADES DE NĀGĀRJUNA NOS COMENTÁRIOS DE BHĀVIVEKA E CANDRAKĪRTI]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-512X2016000100043&lng=en&nrm=iso&tlng=en RESUMO Entre os vários pontos da obra de Nāgārjuna que deram origem a análises e discussões, o tema das 'duas verdades' é um dos mais controversos. Com efeito, dentro da ampla bibliografia dedicada a essa temática, são muitas, e amiúde divergentes, as tentativas de explicar o que Nāgārjuna entendesse - no verso 24.8 das suas Mūla-madhyamaka-kārikā (MMK) - com as expressões 'verdade convencional' e 'verdade suprema'. Esses pontos de vista interpretativos, entretanto, frequentemente, parecem prescindir daquele que talvez seja o critério mais confiável para dirimir as controvérsias relativas às MMK: i. e., a leitura dos comentários indianos às mesmas MMK. Em contraste com essa tendência, este escrito objetiva investigar as passagens do Prajñāpradīpa e das Prasannapadā onde encontramos explicações, respectivamente de Bhāviveka e de Candrakīrti, que dizem respeito às duas verdades. O resultado dessa pesquisa se apresentará como nitidamente favorável à interpretação da doutrina das duas verdades que, em outros escritos, chamei de 'pedagógica'.<hr/>ABSTRACT Among the many passages of Nāgārjuna's work that have generated analysis investigation and discussion, the issue of the 'two truths' is one of the most controversial ones. In fact, within the vast bibliography dedicated to this topic, attempts to explain what Nāgārjuna meant - in verse 24.8 of his Mūla-madhyamaka-kārikā (MMK) - by 'conventional' and 'supreme truth' are many and frequently divergent. However, it often seems that these interpretative views neglect what probably is the most reliable criterion for solving controversies in the MMK: i. e., the reading of Indian commentaries to the MMK. Going against this trend, this paper aims to investigate passages of Bhāviveka's Prajñāpradīpa and of Candrakīrti's Prasannapadā where we find explanations that concern the two truths. The result of this research will look quite favorably on the interpretation of the two truths doctrine that I called, in other works of mine, "pedagogical". <![CDATA[VERDADE E VAZIO EM NĀGĀRJUNA: O CAPÍTULO XXIV DOS <em>MŪLAMADHYAMAKAKĀRIKĀ</em>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-512X2016000100065&lng=en&nrm=iso&tlng=en RESUMO Em nosso artigo, faremos uma breve exposição sobre o capítulo XXIV ("Exame das Quatro Nobres Verdades") dos Mūlamadhyamakakārikā ("Versos fundamentais sobre o caminho do meio"), de Nāgārjuna, e buscaremos oferecer uma defesa de nossa própria interpretação de sua filosofia, comparando-a com as interpretações semântica e pedagógica propostas, respectivamente, por Garfield e Siderits, por um lado, e Ferraro, por outro. Na nossa exposição, discutiremos a relação entre vazio, cooriginação dependente e verdade, apontando a íntima ligação entre esses termos no interior da filosofia de Nāgārjuna e buscando indicar em que sentido as quatro nobres verdades do budismo, de acordo com o filósofo, só podem ser verdadeiras se elas forem vazias. A partir dessa análise, esperamos poder estabelecer uma relação entre verdade convencional e verdade suprema, tal como abordada nesse capítulo, segundo a qual tanto a verdade convencional quanto a suprema são vazias, sendo que a diferença entre ambas consistiria em que a primeira diz respeito à existência convencional das coisas, enquanto a segunda diz respeito à ausência de essência delas. Nesse sentido, tratar-se-á de analisar como seria possível, para Nāgārjuna, uma compreensão acerca da verdade que nos parece tão contraintuitiva, a saber, a de que a verdade só é possível se for relativa (no sentido de se inserir na cooriginação dependente de todas as coisas e ser vazia de essência ou natureza própria). Esperamos, assim, fazer uma pequena contribuição para a discussão de alguns dos conceitos mais relevantes do pensamento desse importante filósofo budista, sobretudo no que diz respeito à relação da verdade suprema com o vazio.<hr/>ABSTRACT In our article, we shall make a brief exposition of the chapter XXIV ("Examination of the Four Noble Truths") of Nāgārjuna's Mūlamadhyamakakārikā ("The Fundamental Wisdom of The Middle Way"), and we shall attempt to offer a defense of our own interpretation of his philosophy, comparing it to the semantic and pedagogic interpretations proposed, respectively, by Garfield and Siderits, on the one hand, and Ferraro, on the other. In our exposition, we shall discuss the relationship between emptiness, dependent co-origination and truth, pointing to the intimate connection between those terms within Nāgārjuna's philosophy and attempting to indicate in what sense the four noble truths of Buddhism, according to the philosopher, can only be true if they are empty. Through this analysis, we hope to be able to establish a relation between conventional truth and ultimate truth according to which both conventional and ultimate truth are empty, distinguishing themselves only insofar as the first one concerns the conventional existence of things, while the second one concerns the absence of essence of the very same things. With this in mind, we shall analyze how could it be possible, for Nāgārjuna, to have a comprehension on truth that seems to be so counter-intuitive, to wit, that truth is only possible if it's relative (meaning that it is given within the dependent co-origination of all things and is empty of essence or a nature of its own). We hope thus to make a small contribution to the discussion of some of the most important concepts of this important Buddhist philosopher, especially with regard to the relation between ultimate truth and emptiness. <![CDATA[AS "DUAS VERDADES" NA PERSPECTIVA DO "SATYA-SIDDHI-ŚĀSTRA": UM CONTRASTE COM A VISÃO DE NĀGĀRJUNA]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-512X2016000100085&lng=en&nrm=iso&tlng=en RESUMO Este artigo pretende analisar o tópico das "Duas Verdades" na história do pensamento budista. Seu objetivo consiste em elucidar esse tópico a partir do ponto de vista do "Satya-siddhi-śāstra". Parte-se aqui de uma consideração metodológica referente ao problema das múltiplas tradições intelectuais do universo budista, desenvolvendo-se uma análise do conceito das "Duas Verdades" presente no "Satya-siddhi-śāstra".<hr/>ABSTRACT This article hopes to analyze the topic of the "Two truths" in the history of Buddhist thought. The subject is to elucidate this topic from the point of view of the "Satya-siddhi-śāstra". The starting point is the methodological considerations concerning the multiple intellectual traditions present in the Buddhist universe developing an analysis of the "Two truths" as present in the "Satya-siddhi-śāstra". <![CDATA[O CAMINHO E AS SUAS ETAPAS: AS QUATRO NOBRES VERDADES (<em>CATVARYĀRYASATYAṆI</em>), O NOBRE ÓCTUPLO CAMINHO (<em>ĀRYĀṢṬĀṆGIKAMARGA</em>) E OS ESTÁGIOS DOS BUSCADORES]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-512X2016000100105&lng=en&nrm=iso&tlng=en RESUMO Este artigo objetiva ser uma breve introdução à práxis soteriológica budista, enfatizando, num primeiro momento, as quatro nobres verdades (catvaryāryasatyaṇi), aquele conjunto de intuições fundamentais formuladas pelo Buda desde o seu primeiro sermão; depois se descreve o nobre óctuplo caminho (āryāṣṭāṇgikamarga), o conjunto de práticas ensinadas pelo Buda para a consecução da experiência do despertar; finalmente, descrevem-se os estágios do caminho tanto no ambiente theravādin quanto na tradição mahāyāna.<hr/>ABSTRACT This article aims at being a brief introduction to the soteriological praxis of Buddhism, underscoring, firstly, the four noble truths (catvaryāryasatyaṇi), that set of cornerstone intuitions propounded by the Buddha since his first sermon; then, the noble eightfold path (āryāṣṭāṇgikamarga), the set of practices that aims at the experience of awakening taught by the Buddha is described; finally, the stages of the way are described, both in the theravādin tradition as well as in mahāyāna's. <![CDATA[TEXTO COMO <em>MAṆḌALA</em>: A ESTRATIGRAFIA DISCURSIVA NO <em>GUṆAKĀRAṆḌAVYŪHASŪTRA</em>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-512X2016000100127&lng=en&nrm=iso&tlng=en RESUMO Este artigo apresenta e discute alguns resultados de uma pesquisa sobre um manuscrito sânscrito budista contendo o Guṇakāraṇḍavyūhasūtra, que foi investigado por meio de uma abordagem interdisciplinar com vistas a compreender as estratégias sociorreligiosas que permearam sua gênese narrativa em um novo milieu. Os resultados apontam para uma monumentalização narrativa do texto Mahāyāna original indiano - o Kāraṇḍavyūhasūtra - durante sua transposição para o contexto do budismo esotérico no Nepal. Por meio de um número crescente de molduras concêntricas, a retórica cronológica e soteriológica do sūtra adquiriu uma transcendência discursiva que o transformou num maṇḍala textual, i.e., ele possui uma dimensão estrutural diretamente associada aos cosmogramas sagrados que permeiam os diferentes contextos dessa região.<hr/>ABSTRACT This paper presents and discusses some results from a research conducted on a Buddhist Sanskrit manuscript containing the Guṇakāraṇḍavyūhasūtra, which was investigated by means of an interdisciplinary approach to understand the social and religious strategies, which permeated its narrative genesis in the new milieu. Results point to a narrative monumentalization of the original Indian Mahāyāna text - the Kāraṇḍavyūhasūtra - while it's being transposed into the Buddhist esoteric context in Nepal. Through an increasing number of framing devices, the chronological and soteriological rhetoric of the sūtra has acquired a discursive transcendence which transformed it into a textual maṇḍala, i.e., it presents a structural dimension directly associated with the sacred cosmograms which pervade different contexts of this region. <![CDATA[A SKETCH ON NĀGĀRJUNA'S PERSPECTIVES ON "RELATION"]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-512X2016000100153&lng=en&nrm=iso&tlng=en ABSTRACT The aim of this paper is to provide a sketch on the way Nāgārjuna deals with the idea of 'relation'. The concept of 'relation' as expressed in the Pāli sources is here theoretically systematized according to three patterns: 1. (onto)logical, 2. strictly subordinative existential, 3. non-strictly subordinative existential. After having discussed Nāgārjuna's acceptance and treatment of these three patterns, particular attention is paid to the non-strictly subordinative existential relation. This kind of relation is meant to describe the way the factors of the conditioned co-origination are linked to each other and is exemplified by Nāgārjuna by means of the father-son bond. A possible way to explain the conditioned co-origination doctrine in the light of the father-son example is here suggested by having resource to the 'Cambridge change' theory. Even if in the Pāli Canon the non-strictly subordinative existential pattern is said to apply to all the other factors of the conditioned co-origination, there is no direct evidence that it concerns also the avidyā-saṃskāras link. It will be shown how Nāgārjuna, by applying it to the avidyā-saṃskāras link, seems to introduce a new perspective in the conditioned co-origination theory.<hr/>RESUMO O objetivo deste artigo é proporcionar um esboço da maneira na qual Nāgārjuna aborda a ideia de 'relação'. O conceito de 'relação' que encontramos nas fontes pāli é aqui sistematizado teoricamente conforme três padrões: 1. (onto)lógico, 2. existencial estritamente subordinativo, 3. existencial não estritamente subordinativo. Após ter discutido a recepção e o tratamento nagarjunianos desses três padrões, este estudo dedica atenção especial à relação existencial não estritamente subordinativa. Esse tipo de relação visa descrever a maneira na qual os fatores da cooriginação condicionada estão ligados entre eles, e é tipificada por Nāgārjuna pelo exemplo da ligação pai-filho. Para explicar a doutrina da cooriginação condicionada à luz do exemplo pai-filho, um modo possível aqui sugerido é por meio do recurso à teoria do 'Cambridge change'. Embora no cânone pāli se diga que o modelo de relação existencial não estritamente subordinativa se aplique a todos os outros fatores da cooriginação condicionada, não há nenhuma evidência direta de que ele concerna também à ligação avidyā-saṃskāras. Será mostrado como Nāgārjuna, ao aplicar esse modelo à ligação avidyā-saṃskāras, pareça introduzir uma nova perspectiva na teoria da cooriginação condicionada. <![CDATA[DEVELOPMENT OF LOGIC IN INDIA: SIGNIFICANCE OF 'THE DUOLOGUE BETWEEN PĀYĀSI AND KASSAPA' ("LONG DISCOURSES")]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-512X2016000100177&lng=en&nrm=iso&tlng=en ABSTRACT 'The Duologue of King/Governor Pāyāsi' ("Long Discourses") has long been recognised as a source for the proto-materialism current at the time of the Buddha. What needs to be stressed is the significance of the text as a pointer to the development of Logic in India. Perception (observation and experiment employing the joint method of agreement and difference), which is an accepted method of experimental enquiry, and reasoning from analogy, which can lead at best to a probable conclusion - these two are the only means employed to settle the dispute concerning the existence of the other-world. The Jain version of the same duologue-cum-parable, though varying in minor details regarding the name and identity of the monk refuting the king/governor, contains the same contrast, namely, perception versus analogical reasoning. There can be little doubt that the original parable was conceived with a view to asserting the existence of the other-world. In the Kaṭha Upaniṣad (sixth century BCE), an earlier Brahmanical text, however, instead of argument by analogy, verbal testimony (śabda) was invoked to settle the same point. Naciketas is assailed by doubt about the existence of a person after his or her death. The authority of Yama, the Pluto of Indian mythology, is invoked to convince him that the other-world does exist. Thus, the three parables taken together exhibit three means of knowledge in operation: verbal testimony and argument by analogy pitted against perception.<hr/>RESUMO 'O duólogo do rei/governador Pāyāsi' ("Discursos Longos") há muito tempo é reconhecido como uma fonte da corrente protomaterialista da época do Buda. O que é necessário ressaltar é o significado desse texto como um indicador do desenvolvimento da lógica na Índia. Percepção (observação e experimento que empregam o método dúplice do acordo e da diferença), aceita como método de investigação experimental, e raciocínio por analogia, que no máximo pode conduzir a uma conclusão provável - apenas esses dois são os meios utilizados para dirimir a disputa que diz respeito à existência do outro-mundo. A versão jaina do mesmo duólogo-cum-parábola, mesmo com variações que concernem ao nome e à identidade do monge que se opõe ao rei/governador, contém o mesmo contraste, a dizer, percepção contra raciocínio por analogia. Não há muita dúvida de que a parábola original foi concebida com o intuito de afirmar a existência do outro-mundo. Entretanto, na Kaṭha Upaniṣad (século sexto a.C.), um texto bramânico mais antigo, em vez do argumento por analogia, o testemunho verbal (śabda) foi invocado para resolver o mesmo ponto. Naciketas é tomado pela dúvida sobre a existência da pessoa depois da sua morte. A autoridade de Yama, o Plutão da mitologia indiana, é invocada para convencê-lo que o outro-mundo existe. Portanto, as três parábolas juntas exibem três meios de conhecimento em função: testemunho verbal e argumento por analogia opostos à percepção. <![CDATA[O FILOSOFAR BUDISTA: BREVES REFLEXÕES SOBRE O FAZER FILOSÓFICO E AS SUAS MOTIVAÇÕES]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-512X2016000100189&lng=en&nrm=iso&tlng=en RESUMO Este texto propõe a trazer à tona alguns aspectos dos estudos do budismo e de sua filosofia no Brasil, que têm sido, de alguma forma, negligenciados ou tratados de modo pouco condizente com a proposta com que este filosofar foi inicialmente concebido. Não se trata de convencer ou "converter" acadêmicos brasileiros a pensarem de maneira similar aos eruditos budistas, mas simplesmente destacar pontos que parecem relevantes para dar continuidade a um debate que já vem sendo estabelecido, particularmente na última década. Com este propósito, serão levantadas questões como as motivações e métodos do fazer filosófico, o dogmatismo, a ética e formas de transmissão de conhecimento.<hr/>ABSTRACT This text aims to highlight some aspects of the study of Buddhism and its philosophy in Brazil, which have been either neglected or treated in a manner that is incongruous with the proposal upon which this philosophy was initially conceived. The motivation here is not to convince or "convert" Brazilian scholars to think in a similar way to the Buddhist scholars, but simply to bring out points that seem to be relevant to foster the debate that has already been established, particularly in the last decade. For this purpose, issues regarding motivation and method in philosophical work, dogmatism, ethics and modes of knowledge transmission will be raised. <![CDATA[LEIBNIZ Y LA FILOSOFÍA DE LA RELIGIÓN EN NISHIDA KITARÔ]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-512X2016000100207&lng=en&nrm=iso&tlng=en ABSTRACT This paper is an analysis of the manner Nishida Kitarô (1870-1945), in the process of construction of his own philosophy of religion, enters into dialogue with Leibniz's thought concerning Pre-established Harmony. Although the philosophy of religion is an important theme and Nishida goes back to Leibniz at some points in his textual career, there are relatively few studies that touch on the relationship between these two thinkers. I study Nishida's approach under three headings. The first section concerns ten main aspects of the world of pre-established harmony. The second tries to show the manner in which such a world becomes a guide towards a philosophy of religion, placing the emphasis on three characteristically Christian aspects: a created, fallen, and Trinitarian world. The third section includes some elements such as the entrance into religion, metanoia, satori and a comparison between Christian agape and Buddhist maha-kruna. These are themes on which Nishida elaborates in his 1945 masterpiece, The Logic of Basho and a Religious Worldview.<hr/>RESUMO Este trabalho é uma análise da forma pela qual Nishida Kitarô (1870-1945), no processo de construção de sua própria filosofia da religião, entra em diálogo com o pensamento de Leibniz relativo à Harmonia Pré-Estabelecida. Embora a filosofia da religião seja um tema importante, e Nishida retome Leibniz em alguns pontos em sua carreira textual, existem relativamente poucos estudos que abordem a relação entre esses dois pensadores. Estudo a abordagem de Nishida sob três categorias. A primeira seção refere-se a dez principais aspectos do mundo de harmonia preestabelecida. A segunda busca demonstrar o modo pelo qual esse mundo se torna um guia para uma filosofia da religião, colocando a ênfase em três aspectos caracteristicamente cristãos: um mundo criado, caído e trinitário. A terceira seção inclui alguns elementos, tais como a entrada na religião, a metanoia, o satori e uma comparação entre o Ágape cristão e o Maha-Kruna budista. Estes são temas sobre os quais Nishida elabora em sua obra-prima de 1945, A Lógica de Basho e uma Visão Religiosa do Mundo. <![CDATA[UM CIRCUNVOLVER DA NOÇÃO DE NADA]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-512X2016000100233&lng=en&nrm=iso&tlng=en RESUMO Este artigo circunscreve a noção de nada absoluto cunhada pela Escola de Kyoto, na intenção de analisar tanto a possibilidade de que exista uma relação intrínseca entre a experiência da linguagem japonesa e essa tentativa contemporânea e historicamente única de realizar um pensamento que conjunte as tradições ocidentais e orientais da filosofia, quanto as diferenças de abordagens filosóficas internas à própria Escola.<hr/>ABSTRACT The purpose of this article is to circumscribe the notion of absolute nothingness created by Kyoto School. The intention is to analyze not only if there is an intrinsic relation between the experience of the Japanese language and the contemporary and historically unique attempt of performing a thought that links the philosophical tradition of both West and East, but also if there are different philosophical approaches in the inner of the Kyoto School itself. <![CDATA[DIALÉTICA, EXPERIÊNCIA E INTUIÇÃO: ENTRE HERMENÊUTICA FILOSÓFICA E FILOSOFIA BUDISTA]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-512X2016000100261&lng=en&nrm=iso&tlng=en RESUMO Hans-Georg Gadamer retomou e elevou a atividade hermenêutica ao status de filosofia. Uma das suas idiossincrasias consiste em entrelaçar, no seu discurso, experiências de ordem ética, política, metafísica e estética. A hermenêutica filosófica pauta-se pela prática do diálogo sobre questões relativas ao pensar e à conduta humana. O presente artigo tem por meta realizar um exercício dialógico entre o projeto filosófico de Gadamer e o pensamento oriental - mais especificamente, o budismo zen da tradição da escola de Kyoto, representada pelo pensamento de Nishida Kitarō. Nossa reflexão será articulada sobre quatro momentos distintos, mas que devem ser tomados dialeticamente: inicialmente, apresentaremos um quadro geral, indicando o estado da questão da hermenêutica gadameriana relativo ao pensamento oriental; a seguir, sustentaremos as semelhanças sobre o modo de proceder de ambas, sua metodologia dialética; posteriormente, aprofundaremos a noção fundamental de experiência e as proximidades que permeiam as perspectivas de ambas as tradições; enfim, como implicação das reflexões precedentes, sustentaremos a hipótese de um saber intuitivo enquanto experiência e ação intuitivas. Ao final, apontaremos algumas conclusões instauradas a partir desse exercício dialógico para a prática filosófica.<hr/>ABSTRACT Hans-Georg Gadamer has taken over and raised hermeneutic activity to philosophy status. One of his idiosyncrasies is weaving, in his speech, ethical, political metaphysical and aesthetic experiences. Philosophical hermeneutics is guided by the practice of the dialogue on issues related to thinking and human behavior. This paper aims to perform a dialogic exercise between Gadamer's philosophical project and the Eastern thought-more specifically, the Zen Buddhism of Kyoto school tradition, represented by Nishida Kitarō's thought. Our reflection will be divided into four distinct moments that should be taken dialectally: first, we will present a general framework mentioning the status quaestionis of Gadamer's hermeneutics concerning Eastern thought; then, we will maintain the similarities on how the way to proceed in both, its dialectical methodology; subsequently, we will go deeper into the fundamental notion of experience and the proximities that permeate the perspective of both traditions; finally, as implication of foregoing reflections, we will maintain the hypothesis of an intuitive knowledge as intuitive experience and action. In order to conclude, we will consider some conclusions instituted from that dialogical exercise towards philosophical practice. <![CDATA[NĀGĀRJUNA AND SCHELLING: OUTLINES OF A DIALOGUE ON SELF, WORLD, AND VIEWPOINTS]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-512X2016000100283&lng=en&nrm=iso&tlng=en ABSTRACT The paper intends to build a dialogue between Nāgārjuna and Schelling on Self, world, and standpoints, taking as main references Nāgārjuna's The Fundamental Verses of the Middle Way and Schelling's Philosophical Letters on Dogmatism and Criticism. Whereas Nāgārjuna criticizes the substantialization of beings by resorting to the discourse of the dependent co-origination in order to overcome suffering, Schelling, on his turn, refutes the fanaticism based on dogmatism's tenets in favor of the criticism interpreted according to its spirit, and not according to its letter, in order to emancipate humanity. Starting with a succint contextualization of the Eastern and Western philosophical discourse, proceeding further to discuss the philosophies of both thinkers, the paper is concluded by assessing their theories.<hr/>RESUMO O artigo pretende construir as linhas gerais do diálogo entre Nāgārjuna e Schelling sobre o eu, o mundo e os pontos de vista sobre eles, tomando como referência seus respectivos textos: Versos fundamentais sobre o caminho do meio e cartas filosóficas sobre dogmatismo e criticismo. Enquanto Nāgārjuna critica a substancialização dos entes em favor da explicação destes por meio do discurso calcado na cooriginação dependente tendo em vista a superação do sofrimento, Schelling, por seu turno, rejeita o delírio fanático ancorado nas teses do dogmatismo em favor de uma filosofia crítica, interpretada segundo seu espírito e não de acordo com sua letra, tendo em vista emancipar a humanidade. Iniciando com uma sucinta contextualização do discurso filosófico oriental e ocidental, passando, posteriormente, para a apresentação do pensamento dos dois autores, o artigo é encerrado com uma avaliação de suas teorias. <![CDATA[BUDDHISM AND MODERNITY: IN THE MARGIN OF DONALD S. LOPEZ JR.'S "BUDDHISM AND SCIENCE]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-512X2016000100323&lng=en&nrm=iso&tlng=en ABSTRACT The present article aims at setting the issue of the relationship between Buddhism and science in a historical and philosophical frame wider than that one taken into account by the international scholarship so far. The historical point of view allows us to conclude that the narrative that connects Buddhism with science is not based on features intrinsic to Buddhist thought. In fact, such narrative prospered thanks to the development of a dialectic, typical of the 18th and 19th centuries, between science and religion. The philosophical point of view allows us to conclude that such narrative is backed by a metaphysical-like thought that denies the specificity of both science and Buddhism.<hr/>RESUMO O presente artigo pretende enquadrar a questão do relacionamento entre budismo e ciência num âmbito histórico e filosófico mais amplo do que foi levado em consideração até agora pela scholarship internacional. A perspectiva histórica permite concluir que a narrativa que liga budismo e ciência não é baseada em características intrínsecas ao pensamento budista, mas floresceu em dependência do desenvolvimento da dialética religião-ciência dos séculos XVIII e XIX. A perspectiva filosófica, em contrapartida, permite concluir que essa mesma narrativa é sustentada por um pensamento de cunho metafísico e cientista, que nega a especificidade tanto da ciência quanto do budismo.