Scielo RSS <![CDATA[Brazilian Journal of Botany]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=0100-840419980002&lang=en vol. 21 num. 2 lang. en <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[<b>Composição florística da vegetação de carrasco, Novo Oriente, CE</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84041998000200001&lng=en&nrm=iso&tlng=en The floristic composition of the vegetation in the southern part of the Ibiapaba plateau was studied at Novo Oriente, Ceará - Brazil (5°28’ - 5°43’S and 40°52’ - 40º55’W ; 750-850 m altitude). A total of 184 species in 52 families was collected, including herbs, vines, shrubs and trees. Families with the highest number of species were Caesalpiniaceae (17 species), Fabaceae (16 species), Euphorbiaceae (15 species), Myrtaceae (11 species), Bignoniaceae (10 species) and Mimosaceae (9 species). Of 102 shrub and tree species in the area, 24 occurred in both caatinga and cerrado, 29 in cerrado, 17 in caatinga, one in forest and 31 only in carrasco. It is not yet possible to define whether carrasco is a degraded cerradão or a type vegetation on its own. Surveys in other carrasco areas are necessary in order to contribute to solve this problem.<hr/>Foi caracterizada a composição florística da vegetação de carrasco do sul do planalto da Ibiapaba em Novo Oriente, Ceará (5°28’ - 5°43’S e 40°52’ - 40º55’W ; 750-850 m de altitude), ocorrendo em Areias Quartzosas profundas. Foram coletadas 184 espécies, incluindo ervas, cipós, subarbustos, arbustos e árvores, distribuídas em 52 famílias. As famílias com maior número de espécies foram Caesalpiniaceae (17), Fabaceae (16), Euphorbiaceae (15), Myrtaceae (11), Bignoniaceae (10) e Mimosaceae (9). De 102 espécies arbustivas e arbóreas da área estudada, 24 ocorreram em áreas de caatingas e cerrados, 29 em cerrados, 17 em caatinga, uma espécie em mata e 31 foram exclusivas do carrasco. Não foi possível definir se o carrasco é um cerradão degradado ou um tipo próprio de vegetação, sendo necessária para isso a realização de levantamentos em outras áreas similares. <![CDATA[<B>Biologia floral e reprodução de <I>Solanum paniculatum </I>L. (Solanaceae) no estado de São Paulo, Brasil</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84041998000200002&lng=en&nrm=iso&tlng=en Studies on floral biology and visitors were done over different years in two populations (Brotas and Campinas) of "jurubeba," a common neotropical invader shrub. The flowers are dish-shaped and have a mellow odour. Pale-violet petals contrasting with yellow anthers make a visually attractive set. Pollen is the only reward for visitors. The species is alogamous. On average, 19% of the flowers in both populations had short styles; only long-styled flowers generated fruits, thus presenting a functional andromonoecism. Fruiting ratios in natural conditions differed between Brotas (43%) and Campinas (17%). The fruiting ratio due to manual polinization was 46% in Brotas and nihil in Campinas, this probably being due to a long dry period. Both microsporogenesis regularity and pollen high viability indicate that the process of sexual reproduction is normal. Poricide anthers and other flower features of S. paniculatum are associated with the buzz pollination syndrome, which requires bees with a specific behavior for pollen removal. The main pollinators are Oxaea flavescens, Bombus morio, and Xilocopa frontalis in the Campinas population, and Augochloropsis sp 1 e Augochloropsis sp 2 in the Brotas population.<hr/>Estudos de biologia floral e dos animais visitantes, em anos diferentes, foram feitos em duas populações (Brotas e Campinas) de jurubeba, um arbusto invasor neotropical. As flores, do tipo aberto, têm odor muito suave. Pétalas de côr violeta-pálido, contrastando com as anteras amarelas, formam um conjunto visualmente atrativo. O pólen é a única recompensa para os visitantes. A espécie é alógama. Uma média de 19% das flores em ambas as populações apresentaram estilete curto e somente flores de estilete longo formaram frutos, indicando a existência de andromonoicia funcional. As taxas de frutificação em condições naturais diferiram entre Brotas (43%) e Campinas (17%). A frutificação por polinização manual foi de 46% em Brotas e nula em Campinas, provavelmente devido a um longo período de seca. A regularidade da microsporogênese e a alta taxa de viabilidade dos grãos de pólen mostraram a normalidade do processo de reprodução sexuada. Anteras poricidas e outras características florais de S. paniculatum estão associadas à síndrome da polinização vibrátil, que requer abelhas especializadas para a retirada de pólen. Os principais polinizadores foram Oxaea flavescens, Bombus morio, e Xylocopa frontalis na população de Campinas e Augochloropsis sp 1 e Augochloropsis sp 2 na de Brotas. <![CDATA[<B>Ocorrências novas de briófitas para o Brasil</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84041998000200003&lng=en&nrm=iso&tlng=en The floristic inventory of two municipalities located in the state of Rio de Janeiro has revealed seven new species of bryophytes for Brazil: Bryum renauldii Ren. &amp; Card., Harpalejeunea uncinata Steph., Kymatocalyx dominicensis (Spruce) Váña, Lejeunea minutiloba Evans, Macrocoma frigidum (C. Müll.) Vitt, Pireella cymbifolia (Sull.) Card. and Tortula rhizophylla (Sak.) Iwats. &amp; Saito and a new species from the state of Rio de Janeiro, Lejeunea caespitosa Lindenb. ex G. L. &amp; Nees, thus once more modifying the worldwide range of species of bryophytes.<hr/>Os inventários florísticos de dois municípios no estado do Rio de Janeiro evidenciaram a presença de sete novas espécies de briófitas para o Brasil: Bryum renauldii Ren. &amp; Card., Harpalejeunea uncinata Steph., Kymatocalyx dominicensis (Spruce) Váña, Lejeunea minutiloba Evans, Macrocoma frigidum (C. Müll.) Vitt, Pireella cymbifolia (Sull.) Card. e Tortula rhizophylla (Sak.) Iwats. &amp; Saito e uma nova espécie para o estado do Rio de Janeiro, Lejeunea caespitosa Lindenb. ex G. L. &amp; Nees, modificando mais uma vez os padrões de distribuição geográfica mundial das espécies de briófitas. <![CDATA[<B>Teor de flavonóides e fenóis totais em folhas de <I>Pyrostegia venusta</I> Miers. de mata e de cerrado</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84041998000200004&lng=en&nrm=iso&tlng=en A quantitative analysis of the foliar flavonoids, total phenolics, and tannins of Pyrostegia venusta originating from the forest and cerrado were carried out to check the influence of these biocores in the production of these elements. The results for both flavonoids and phenolics revealed no significant differences between forest and cerrado, plants, this thus implying that the species does not present phenotipic plasticity based upon these characters, when considering soil differences of both places. Tannins were absent in the leaves of this plant.<hr/>Foram realizadas análises quantitativas de flavonóides, fenóis solúveis e taninos de folhas de Pyrostegia venusta coletadas na mata e no cerrado, com o objetivo de verificar a influência desses biócoros na sua produção. Tanto os resultados de flavonóides como os de fenóis não mostraram diferenças significativas entre as plantas de mata e cerrado, sugerindo que a espécie não apresenta plasticidade fenotípica baseada nesses caracteres, considerando as diferenças de solo dos locais de coleta. Não foram detectados taninos nas folhas desta espécie. <![CDATA[<B>Influência de fontes de nitrogênio sobre o desenvolvimento das gemas axilares de explantes caulinares de <I>Chrysanthemum morifolium</I> Ramat. cultivado<I> in vitro</B></I>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84041998000200005&lng=en&nrm=iso&tlng=en The effect of different nitrogen sources on the induction and rooting of axillary shoots in Chrysanthemum morifolium was tested. The total nitrogen concentration was maintained constant (60 mM) in all treatments, only the nitrogen source varying. Treatment E1 was a complete MS (Murashige &amp; Skoog 1962) medium. The remaining treatments were: E2 = ammonium; E3 = nitrate; E4 = nitrate+urea (1.65 mM); E5 = nitrate+urea (3.33 mM); E6 = urea; E7 = urea+ glutamine, and E8 = glutamine. No phytohormones were added to the media. In treatment E1, both shoot and root development were promoted. The use of nitrate as the only source of nitrogen (treatment E3) was sufficient to maintain vigorous growth and no significant difference was found in any of the parameters measured when compared with the basic MS medium. The presence of urea promoted root development in Chrysanthemum, especially when used in addition to nitrate (treatments E4 and E5), hereby producing a dense root system. Both glutamine (treatment E7) and ammonium (treatment E2) were inefficient when used as the sole nitrogen source. Both of these sources resulted in a less vigorous plant growth, this being reflected in lower values for all of the parameters measured.<hr/>Foram testadas diferentes fontes de nitrogênio na indução e enraizamento de brotações axilares de Chrysanthemum morifolium. Manteve-se constante o teor de nitrogênio total (60 mM) em todos os tratamentos realizados, variando-se apenas as fontes nitrogenadas. O tratamento E1 constituiu-se do meio MS (Murashige &amp; Skoog 1962) completo. Os demais tratamentos foram: E2 = amônio; E3 = nitrato; E4 = nitrato+uréia (1,65 mM); E5 = nitrato+uréia (3,33 mM); E6 = uréia; E7 = uréia+glutamina e E8 = glutamina. Em nenhum tratamento foram adicionados fitorreguladores. No tratamento E1 houve um favorecimento de desenvolvimento de plantas de crisântemo in vitro tanto da parte aérea como de raízes. Porém, a utilização apenas de nitrato como única fonte de nitrogênio (tratamento E3) foi suficiente para sustentar o desenvolvimento das plantas, pois, para a maioria dos parâmetros analisados não foi observada diferença significativa em relação às plantas mantidas no meio básico de MS. A presença de uréia no meio de cultura incrementou o desenvolvimento de raízes de crisântemo, principalmente quando utilizada em adição ao nitrato (tratamentos E4 e E5), proporcionando um sistema radicular bastante denso. Quando utilizadas como única fonte de nitrogênio, tanto a glutamina (tratamento E7) como o íon amônio (tratamento E2) não se mostraram eficientes. O resultado do uso das fontes mencionadas foi um baixo desenvolvimento das plantas, como evidenciado pelos baixos valores de crescimento obtidos em todos os parâmetros analisados. <![CDATA[<B>Reserve substances and storage of <I>Cyathea delgadii</I> Sternb. spores</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84041998000200006&lng=en&nrm=iso&tlng=en The spores used were collected from a population of trees of Cyathea delgadii Sternb. growing in a gallery forest at the Reserva Biológica e Estação Experimental de Moji Guaçu, São Paulo state, Brazil (22°18’S and 47°11’W). The germination of spores of Cyathea delgadii decreases with time when kept in closed bottles under storage at 4°C in darkness. Germination is still very high after storage for one year. Spores stored for three years do not germinate. The results also show a decrease in soluble proteins and an increase in starch after several months storage.<hr/>Todos os esporos utilizados foram coletados de uma população de Cyathea delgadii em uma mata ciliar na Reserva Biológica e Estação Experimental de Moji Guaçu, SP (22° 18’S e 47°11’W). Com o passar do tempo, os esporos de Cyathea delgadii deixam de germinar quando armazenados em vidros fechados mantidos no escuro a 4°C. Germinação ainda é observada com esporos armazenados por um ano. Não há germinação de esporos armazenados por três anos. Após vários meses de armazenamento, foram observados uma diminuição do conteúdo de proteínas e um aumento do nível de amido. <![CDATA[<B>Metabolismo respiratório de raízes de espécies arbóreas tropicais submetidas à inundação</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84041998000200007&lng=en&nrm=iso&tlng=en Aiming at elucidating certain aspects of the respiratory metabolism of roots of flood-tolerant tropical tree species (Lonchocarpus muehlbergianus, Sebastiania commersoniana and Sesbania virgata) as well as flood-intolerant species (Peltophorum dubium and Schinus terebinthifolius), plants were submitted to 2, 10 and 60 days of flooding. After these periods, the absorption of O2 and liberation of CO2 by the roots were determined. The respiratory metabolism of the roots of tolerant species presented a drop due to flooding. Only S. commersoniana presented a recovery in respiration after 60 days of flooding. The intolerant species S. terebinthifolius did not present alterations caused by flooding in its aerobic metabolism, whereas P. dubium, also intolerant, presented a drop in the absortion of O2 with two days of hypoxia, and recovery after 60 days. The liberation of CO2 in the tolerant species followed the same pattern of O2 absorption, with the exception of S. commersoniana, which presented a reduction in the liberation of CO2 after 60 days of flooding similar to what happened to P. dubium. In S. terebinthifolius there was no significant reduction with flooding. The difficulty in establishing a difference pattern in the respiratory metabolism of the species studied, concerning tolerance to flooding, emphasizes the complexity of tropical plant responses.<hr/>Visando elucidar alguns aspectos do metabolismo respiratório de raízes inundadas de espécies arbóreas tropicais tolerantes (L. muehlbergianus, S.commersoniana e S. virgata) e intolerantes (P. dubium e S. terebinthifolius), plantas foram submetidas a 2, 10 e 60 dias de alagamento. Após estes períodos, determinou-se a absorção de O2 e liberação de CO2 pelas raízes. O metabolismo respiratório das raízes de espécies tolerantes apresentou uma queda com o alagamento. Somente S. commersoniana apresentou uma recuperação da respiração após 60 dias de inundação. A espécie intolerante S. terebinthifolius não teve seu metabolismo aeróbico afetado pelo alagamento, enquanto que P. dubium, também intolerante, apresentou queda na absorção de O2 com dois dias de hipoxia e recuperação após 60 dias. A liberação de CO2 nas espécies tolerantes seguiu o mesmo padrão da absorção de O2, com exceção de S. commersoniana, que teve uma redução na liberação de CO2 após 60 dias de inundação semelhante ao ocorrido com P. dubium. Em S. terebinthifolius não houve redução significativa com o alagamento. A dificuldade de se estabelecer diferenças no metabolismo respiratório das espécies estudadas, quanto a tolerância a inundação, ressalta a complexidade de respostas das plantas tropicais. <![CDATA[<B>Sistemas reprodutivos e polinização em espécies simpátricas de <I>Erythroxylum</I> P. Br. (Erythroxylaceae) do Brasil</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84041998000200008&lng=en&nrm=iso&tlng=en The breeding systems and pollination of Erythroxylum campestre St. Hil., E. suberosum St. Hil. and E. tortuosum Mart. were investigated on the Fazenda Água Limpa, UnB, Brasília, DF. These species are sympatric, and are commonly found in open cerrados where they flower synchronously for about four months. They are distylic, that is, they have flowers with long styles (pin) as well as with short ones (thrum), both of which possessing stamens of a corresponding height. Flowers of the three species are similar, being small, sweet-scented, creamish, and diurnal, as well as nectar producers (sugar concentration about 20.2%), and lasting for only one day. Artificial pollination revealed that E. suberosum and E. tortuosum are self-incompatible and that fruits were obtained only by legitimate cross-pollination. E. campestre is partially self-compatible. In all species the number of fruits resulting by natural pollination was higher than that by the artificial means. Except for E. campestre, fluorescence microscopy studies revealed that pollen tubes in pin flowers from self-crosses were arrested in the styles and in the thrum flowers at the stigmas. Flowers of the three Erythroxylum were indistinctly visited by 14 wasp species, 14 bee species and two diptera species. Brachygastra, Polistes, Polybia and Pepsis wasps were considered effective pollinators, based on efficiency in contacting the stigmas, while Trigona spinipes and Apis mellifera were considered occasional pollinators.<hr/>Foram investigadas a biologia reprodutiva e a polinização de Erythroxylum campestre St. Hil., E. suberosum St. Hil. e E. tortuosum Mart., ocorrentes na Fazenda Água Limpa, Brasília, DF. Estas espécies são simpátricas, comumente encontradas em cerrados abertos e florescem em média quatro meses por ano. As três espécies são distílicas, isto é, apresentam flores com estiletes longos (longistiladas) e flores com estiletes curtos (brevistiladas), ambas com estames em posicionamentos correspondentes. As flores são similares, pequenas, suavemente perfumadas, de cor creme claro, diurnas, produtoras de néctar (concentração média de sacarose de 20,2%) e duram um dia. Os testes de polinização artificial revelaram que E. suberosum e E. tortuosum são auto-incompatíveis e só formaram frutos de polinizações legítimas. Porém, E. campestre é parcialmente auto-compatível. Em todas as espécies a produção de frutos resultantes de polinização natural, foi maior que aquela de polinizações artificiais. Com exceção de E. campestre, os estudos de microscopia de fluorescência revelaram que os tubos polínicos resultantes de auto-polinização em flores longistiladas foram bloqueados no estilete e em flores brevistiladas no estigma. As três espécies foram indistintamente visitadas por 14 espécies de vespas, 14 de abelhas e duas de dípteros. As vespas dos gêneros Brachygastra, Polistes, Polybia e Pepsis foram consideradas polinizadores efetivos devido à eficiência ao contactarem os estigmas. As abelhas Trigona spinipes e Apis mellifera foram consideradas polinizadores ocasionais. <![CDATA[<B>Padrões de distribuição geográfica das espécies de <I>Stipa</I> L. (Poaceae-Stipeae) ocorrentes no Brasil</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84041998000200009&lng=en&nrm=iso&tlng=en Twenty two species of the genus Stipa occur in Brazil, all of them in the state of Rio Grande do Sul, twelve in the state of Santa Catarina, seven in the state of Paraná and only one, S. sellowiana Nees ex Trin. &amp; Rupr., in the highlands of "Serra da Mantiqueira", in the state of Minas Gerais. This area is the northern limit of distribution of Stipa in Brazil, as well as of the tribe Stipeae. An analysis of the geographical distribution of the species and maps showing their phytogeographic patterns are provided.<hr/>No Brasil ocorrem 22 espécies de Stipa, com maior diversidade no Rio Grande do Sul, onde todas estão presentes, 12 destas atingindo Santa Catarina, sete o Paraná e apenas uma espécie, S. sellowiana Nees ex Trin. &amp; Rupr., alcançando os campos de altitude da Serra da Mantiqueira, em Minas Gerais, limite norte de distribuição do gênero e da tribo Stipeae no Brasil. O trabalho apresenta uma análise da distribuição geográfica destas espécies, fornecendo mapas com os diferentes padrões de distribuição encontrados. <![CDATA[<B>Fungos zoospóricos (Mastigomycotina) da mata atlântica da Reserva Biológica do Alto da Serra de Paranapiacaba, município de Santo André, SP</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84041998000200010&lng=en&nrm=iso&tlng=en A total of 316 occurrences of 20 taxa of Mastigomycotina (zoosporic fungi) was isolated from leaves of Alchornea triplinervia (Spreng.) Müll. Arg. located in the terrestrial and aquatic environment, in samples of soil and stream water, collected monthly from July, 1988 to May, 1990. Among the 13 taxa of Chytridiomycetes and seven of Oomycetes, the most common species were: Karlingia rosea (De Bary &amp; Woronin) Johanson (35 occurrences), Polychytrium aggregatum Ajello (32 occurrences), Rhizophydium elyensis Sparrow (34 occurrences), and Nowakowskiella elegans (Nowak.) Schroeter (32 occurrences). Karlingiomyces sp., Phlyctochytrium sp. and Rhizophydium chitinophyllum Sparrow are reported from the first time to the atlantic rainforest.<hr/>Trezentas e dezesseis ocorrências de 20 táxons de Mastigomycotina (fungos zoospóricos) foram registradas em folhas de Alchornea triplinervia (Spreng.) Müll. Arg. colocadas em ambientes terrestre e aquático, em amostras de solo e de água de riacho coletadas mensalmente de julho de 1988 a maio de 1990. Entre os 13 táxons de Chytridiomycetes e sete de Oomycetes, as espécies com maior ocorrência foram: Karlingia rosea (De Bary &amp; Woronin) Johanson (35 ocorrências), Polychytrium aggregatum Ajello (32 ocorrências), Rhizophydium elyensis Sparrow (34 ocorrências) e Nowakowskiella elegans (Nowak.) Schroeter (32 ocorrências). São citados pela primeira vez para a mata atlântica: Karlingiomyces sp., Phlyctochytrium sp. e Rhizophydium chitinophyllum Sparrow. <![CDATA[<B>Composição florística e fitossociologia do componente arbóreo das florestas ciliares do rio Iapó, na bacia do rio Tibagi, Tibagi, PR</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84041998000200011&lng=en&nrm=iso&tlng=en The floristic composition and the phytosociological structure of 1 ha of riparian forest along the Iapó river (Tibagi river basin) in the municipality of Tibagi, Paraná State, Southern Brazil (24º31’S and 50º25’W), were analysed. One hundred contiguous 10 x 10 m quadrats were used to sample trees with DBH <FONT FACE="Symbol">³</FONT> 5 cm. Frequency, density and dominance parameters were calculated for each species. At this locality 1594 individuals, 127 species, 81 genera and 43 families were recorded on the quadrats. Eugenia blastantha, Faramea porophylla, Casearia obliqua, Nectandra grandiflora, Sebastiania commersoniana, Casearia sylvestris and Actinostemon concolor were the most important species in terms of IVI and IVC. Myrtaceae, Lauraceae and Euphorbiaceae were the families with the largest IVI values. Lauraceae presented 15 species and 142 individuals; Myrtaceae, 14 species and 280 individuals and Euphobiaceae, five species and 274 individuals. The value of the Shannon’s diversity index was 3.67.<hr/>Foram realizados estudos da composição florística e fitossociologia de 1 ha de floresta ciliar do rio Iapó (bacia do rio Tibagi), município de Tibagi, PR (24º31’S e 50º25’W) utilizando-se 100 parcelas contíguas de 10 x 10 m, tendo-se como critério de inclusão um diâmetro à altura do peito (DAP) mínimo de 5 cm. Para cada espécie amostrada foram estimados parâmetros relativos à freqüência, densidade e dominância, além do índice do valor de importância (IVI) e índice do valor de cobertura (IVC). O levantamento resultou em 1594 indivíduos pertencentes a 127 espécies, 81 gêneros e 43 famílias. As espécies mais importantes em IVI e IVC foram Eugenia blastantha, Faramea porophylla, Casearia obliqua, Nectandra grandiflora, Sebastiania commersoniana, Casearia sylvestris e Actinostemon concolor. As três famílias com maior IVI foram Myrtaceae, Lauraceae e Euphorbiaceae, sendo que Lauraceae possui 15 espécies e 142 indivíduos, Myrtaceae, 14 espécies e 280 indivíduos e Euphorbiaceae, cinco espécies e 274 indivíduos. O índice de diversidade de Shannon-Weaver encontrado foi de 3,67. <![CDATA[<B>Fitossociologia de um remanescente de floresta higrófila (mata de brejo) em Campinas, SP</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84041998000200012&lng=en&nrm=iso&tlng=en The phytosociological structure was studied in two hygrophillous forest (swamp forest) fragments, in Campinas, state of São Paulo, Brazil. Ten plots of 10 m x 10 m were stablished in each fragment and all individuals with PBH (perimeter at breast height) <FONT FACE="Symbol">³</FONT> 10 cm were included. The data of both fragments were analised together. It was sampled 955 individuals from 55 species, 44 genera and 29 families. A low species diversity was observed (H’ = 2.80 nats/individual). The most important species, in terms of descending order of IVI, were Calophyllum brasiliensis (Clusiaceae), Protium almecega (Burseraceae), Styrax pohlii (Styracaceae), Syagrus romanzoffiana (Arecaceae), Talauma ovata (Magnoliaceae), Geonoma brevispatha (Arecaceae), Trichilia pallida (Meliaceae), Inga luschnathiana (Mimosaceae), Guarea macrophylla (Meliaceae) and Tapirira guianensis (Anacardiaceae), represented by many individuals. The richest families in species were: Myrtaceae (9 species), Lauraceae (6), Meliaceae (5), Euphorbiaceae (4) and Fabaceae (3). These forests are restrict to permanently flooded soil and display a peculiar forest pattern, with characteristic floristics, structure and physiognomy that distinguish them from other forests of the state of São Paulo.<hr/>Foi realizado um levantamento fitossociológico em dois fragmentos de floresta higrófila (mata de brejo) no município de Campinas, SP. Em cada fragmento foram alocadas 10 parcelas contíguas de 10 m x 10 m e amostrados todos os indivíduos com PAP (perímetro à altura do peito) <FONT FACE="Symbol">³</FONT> 10 cm. Os dados dos dois fragmentos foram agrupados e analisados em conjunto. Ao todo foram amostrados 955 indivíduos de 55 espécies, 44 gêneros e 29 famílias. Foi observada baixa diversidade em espécies (H’ = 2,80 nats/indivíduo). As espécies de maior IVI, em ordem decrescente, foram Calophyllum brasiliensis (Clusiaceae), Protium almecega (Burseraceae), Styrax pohlii (Styracaceae), Syagrus romanzoffiana (Arecaceae), Talauma ovata (Magnoliaceae), Geonoma brevispatha (Arecaceae), Trichilia pallida (Meliaceae), Inga luschnathiana (Mimosaceae), Guarea macrophylla (Meliaceae) e Tapirira guianensis (Anacardiaceae), representadas por grande número de indivíduos. As famílias mais ricas em espécies foram Myrtaceae (9 espécies), Lauraceae (6), Meliaceae (5), Euphorbiaceae (4) e Fabaceae (3). Essas matas são restritas a áreas de solo permanentemente encharcado e revelam um padrão florestal característico, com peculiaridades florísticas, estruturais e fisionômicas que as diferenciam das demais unidades florestais do estado de São Paulo.