Scielo RSS <![CDATA[Brazilian Journal of Botany]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=0100-840419980003&lang=en vol. 21 num. 3 lang. en <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[<B>As espécies de <I>Machaerium </I>Pers. (Leguminosae - Papilionoideae - Dalbergieae) ocorrentes no estado de São Paulo</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84041998000300001&lng=en&nrm=iso&tlng=en The genus Machaerium is represented in the state of São Paulo by 17 species: M. acutifolium Vog., M. amplum Benth., M. brasiliense Vog., M. cantarellianum Hoehne, M. declinatum (Vell.) Stellfeld, M. dimorphandrum Hoehne, M. hirtum (Vell.) Stellfeld, M. lanceolatum (Vell.) J.F. Macbr., M. nictitans (Vell.) Benth., M. oblongifolium Vog., M. paraguariense Hassl., M. scleroxylon Tul., M. stipitatum Vog., M. triste Vog., M. uncinatum (Vell.) Benth., M. vestitum Vog. e M. villosum Vog. A key to the species, descriptions, commentaries, illustrations and data on distribution are provided.<hr/>Machaerium Pers. está representado no estado de São Paulo por 17 espécies: M. acutifolium Vog., M. amplum Benth., M. brasiliense Vog., M. cantarellianum Hoehne, M. declinatum (Vell.) Stellfeld, M. dimorphandrum Hoehne, M. hirtum (Vell.) Stellfeld, M. lanceolatum (Vell.) F.J. Macbr., M. nictitans (Vell.) Benth., M. oblongifolium Vog., M. paraguariense Hassl., M. scleroxylon Tul., M. stipitatum Vog., M. triste Vog., M. uncinatum (Vell.) Benth., M. vestitum Vog. e M. villosum Vog. Uma chave para as espécies, descrições, comentários, ilustrações e dados de distribuição são fornecidos. <![CDATA[<B>Aspectos fenológicos e germinação de sementes de quatro populações de <I>Eupatorium vauthierianum</I> DC. (Asteraceae)</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84041998000300002&lng=en&nrm=iso&tlng=en Observations of flowering, fruit development and seed germination of four populations of E. vauthierianum in Paranapiacaba region showed a discrepancy of about 20 days in the time of flowering. In May, the earliest populations presented heads with flowers in different stages of development and frutification occurred in mid-June. The complete development from flower buds to ripe fruits lasted approximately 55 days. The number of fruits per head varied from 10 to 26 and the percentage of fertile fruits from 5.5 to 100%. Seed germination assays showed variations in the germination capability both within and among populations. Germination was shown to be greater at 20°C than 25°C and 30°C. Moreover, 12 hour photoperiod was shown to be more effective than full darkness for seed germination.<hr/>Através do estudo do florescimento e da frutificação de quatro populações de Eupatorium vauthierianum, na região de Paranapiacaba, observou-se uma defasagem de florescimento de cerca de 20 dias entre as populações mais precoces e as mais tardias. Para as mais precoces, os capítulos estavam com flores em diferentes estádios de desenvolvimento em maio e a plena frutificação ocorreu em meados de junho. Decorreram cerca de 55 dias da fase de botão floral até a de fruto maduro. O número de frutos (aquênios) por capítulo variou de 10 a 26 e a porcentagem de aquênios férteis por capítulo variou de 5,5 a 100%. Através do estudo da germinação observou-se variação na capacidade germinativa, tanto dentro como entre as populações estudadas. A temperatura de 20°C mostrou-se mais eficiente na promoção da germinação que 25°C e 30°C, o mesmo ocorrendo com o fotoperíodo de 12 horas quando comparado ao tratamento de escuro. <![CDATA[<B>Fungal succession on leaves of <I>Alchornea triplinervia </I>(Spreng.) Muell. Arg. submerged in a stream of an Atlantic Rainforest in the state of São Paulo, Brazil</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84041998000300003&lng=en&nrm=iso&tlng=en Leaves of Alchornea triplinervia (Spreng.) Muell. Arg. were submerged in a stream in an Atlantic Rainforest in São Paulo state, Brazil, from July/1988 to June/1989 and from July/1989 to May/1990. Fungi were isolated by the leaf disks washing technique followed by plating on culture media and also by using baiting techniques (using substrates with chitin, keratin and cellulose), what resulted on 565 fungal registers corresponding to 81 taxa. The most common species found during this study of the fungal succession were Trichoderma viride Pers. ex S.F. Gray and Fusarium oxysporum Schlecht emend. Snyd. &amp; Hans. (23 registers), Penicillium hirsutum Dierckx (21 registers), Fusarium solani (Mart.) Appel &amp; Wollenw. emend. Snyd. &amp; Hans. (17), followed by 14 registers of: Cylindrocladium scoparium Morgan, Triscelophorus monosporus Ingold and Polychytrium aggregatum Ajello. Although the monthly obtained mycota had been composed by species of different taxonomic groups, the fungal succession was defined by the initial presence of typical terrestrial leaf inhabiting fungi (mostly Deuteromycotina), followed by species of Mastigomycotina and Zygomycotina. Combining culture methods and baiting techniques, it was possible to verify the presence of terrestrial fungi on the decomposition of submerged leaves and the importance of zoosporic fungi in the fungal succession. This is the first paper about the fungal succession on the decomposition of leaves submerged in a lotic ecosystem in Brazil.<hr/>Folhas de Alchornea triplinervia (Spreng.) Muell. Arg. foram submersas em um riacho na Mata Atlântica no estado de São Paulo, Brasil, de julho de 1988 a junho de 1989 e de julho de 1989 a maio de 1990. Os fungos foram isolados pela técnica de lavagem de discos de folhas seguida por plaqueamento em meio de cultura, bem como pela técnica de iscagem (utilizando substratos com quitina, queratina e celulose), resultando em 565 registros de ocorrências de fungos, distribuídos em 81 táxons. Os fungos mais comuns durante a sucessão foram Trichoderma viride Pers. ex S.F. Gray e Fusarium oxysporum Schlecht emend. Snyd. &amp; Hans. (23 registros), Penicillium hirsutum Dierckx (21 registros), Fusarium solani (Mart.) Appel &amp; Wollenw. emend. Snyd. &amp; Hans. (17), seguidos por 14 registros de Cylindrocladium scoparium Morgan, Triscelophorus monosporus Ingold e Polychytrium aggregatum Ajello. Embora a micota obtida mensalmente tenha sido composta por espécies de diferentes grupos taxonômicos, a sucessão fúngica foi definida pela presença inicial de fungos habitantes de folhas, tipicamente terrestres (na maioria Deuteromycotina), seguida por espécies de Mastigomycotina e Zygomycotina. Combinando métodos de cultivo e técnicas de iscagem, foi possível verificar a presença de fungos terrestres na decomposição de folhas submersas e a importância dos fungos zoospóricos na sucessão fúngica. Este é o primeiro trabalho sobre sucessão fúngica durante a decomposição de folhas submersas em ambiente lótico no Brasil. <![CDATA[<B>Aspectos morfo-anatômicos e fisiológicos de <I>Peltophorum dubium</I> (Spr.) Taub. submetida ao alagamento e à aplicação de etrel</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84041998000300004&lng=en&nrm=iso&tlng=en The effects of flooding and ethrel application on P. dubium for a 70-day period were studied in order to elucidate the aspects of plants tolerance to hypoxia. During the experiment the thickness of the stem base, and the allocation of dry matter for the roots, stems and leaves were evaluated. Flooding increased both the thickness of the stem base as well as a great hypertrophy of the lenticels. The ethrel application did not induce the formation of adventitious roots, but it stimulated the hypertrophy of lenticels. The flooding and/or ethrel application significantly affected the growth and development of the plants. This effect was greater in the flooded plants which had their lenticels sealed. The results show that P. dubium can tolerate periods of flooding, possibly because of the morpho-anatomic modifications induced by variations in the hormone levels, led by ethylene.<hr/>Visando elucidar aspectos de tolerância das plantas à hipoxia, estudaram-se os efeitos do alagamento e da aplicação de etrel em P. dubium (canafístula), num período de 70 dias. Durante o experimento foram avaliados a espessura da base do caule e a alocação de matéria seca para as raízes, caules e folhas. A inundação provocou aumento da espessura da base do caule e grande hipertrofia de lenticelas. A aplicação de etrel não induziu a formação de raízes adventícias, porém estimulou a hipertrofia de lenticelas. O alagamento e/ou aplicação de etrel afetaram significativamente o crescimento e o desenvolvimento das plantas. Este efeito foi maior nas plantas alagadas que tiveram suas lenticelas vedadas. Os resultados indicam que P. dubium pode tolerar certos períodos de inundação, possivelmente em razão das modificações morfo-anatômicas induzidas por variações nos níveis hormonais, lideradas pelo etileno. <![CDATA[<B>Ontogenia inicial do androceu de espécies de Ochnaceae subfam. Sauvagesioideae através da análise em microscopia eletrônica de varredura</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84041998000300005&lng=en&nrm=iso&tlng=en The family Ochnaceae can be divided into two presumably monophyletic subfamilies. Traditionally, the Ochnaceae are included in the order Theales, subclass. Dilleniidae, characterized by a centrifugal development of the androecium. Some time ago it was demonstrated, however, that the development of the androecium of Ochna atropurpurea (subfam. Ochnoideae) follows a centripetal pattern. To clarify whether this pattern might be characteristic for the whole family, the early androecial ontogeny of five species from four genera of subfam. Sauvagesioideae was investigated with the help of a SEM. In all the species studied the development of the androecium follows a centrifugal pattern. Data are still insufficient to allow for conclusions about which type of ontogeny is primitive in the family.<hr/>A família Ochnaceae pode ser dividida em duas subfamílias supostamente monofiléticas. Tradicionalmente, as Ochnaceae são incluídas na Ordem Theales, Subclasse Dilleniidae, que se caracterizam por apresentar um padrão centrífugo de desenvolvimento do androceu. Foi demonstrado, entretanto, que o desenvolvimento do androceu de Ochna atropurpurea (Ochnaceae subfam. Ochnoideae) é centrípeto. Para esclarecer se esse padrão seria característico para a família como um todo, foi investigada a ontogenia do androceu de cinco espécies de quatro gêneros, pertencentes à subfam. Sauvagesioideae, com o auxílio de MEV. Em todas as espécies investigadas, o desenvolvimento do androceu segue o padrão centrífugo. Os dados são ainda insuficientes para permitir conclusões sobre qual tipo de desenvolvimento deve ser primitivo para a família. <![CDATA[<b>Inulin production by <i>Vernonia herbacea</i> as influenced by mineral fertilization and time of harvest</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84041998000300006&lng=en&nrm=iso&tlng=en The underground organs of Vernonia herbacea (Vell.) Rusby, known as rhizophores, acumulate 80% of their dry mass as fructans of the inulin type. In view of the growing industrial use of fructans as dietetic and general food products, and of their medical application, the present investigation aimed at evaluating the effect of mineral fertilization and period of cultivation on the production of these carbohydrates in field trials. Plants used in the experiments were obtained by vegetative propagation from rhizophores collected from plants growing in natural areas of the cerrado, and cultivated for two years. Fertilization consisted of N:P2O5:K2O (80:200:150 kg.ha-1) plus 80 kg.ha-1 nitrogen as dressing. Soil fertilization did not stimulate biomass or inulin production, but in the second year of cultivation a dramatic gain in biomass and inulin was detected in both treated and control plants. Inulin production varied from 113 to 674 kg.ha-1 which corresponds to 43% of the rhizophore dry mass. The composition of fructans was not altered by fertilization, although treated plants had a higher proportion of sucrose and fructans with degree of polymerization 3-8 in the second year of cultivation. The results identify this species as a fructan source similar to other commercial crops and recommend further agronomic studies, aimed at increasing the production of this polysaccharide.<hr/>Rusby, denominados rizóforos, acumulam frutanos do tipo inulina como principal carboidrato de reserva, que podem atingir até 80% da massa seca em condições naturais do cerrado. Em vista do uso crescente da inulina na indústria de produtos dietéticos e alimentícios em geral e de sua aplicação médica, o presente trabalho teve por objetivo avaliar a produção desse carboidrato em condições de campo sob o efeito da adubação mineral e tempo de cultivo. As plantas utilizadas no experimento foram obtidas por multiplicação vegetativa a partir de rizóforos coletados de plantas crescendo em condições naturais e, em seguida cultivadas em área de cerrado natural por dois anos. A adubação básica consistiu de N:P2O5:K2O (80:200:150 kg.ha-1) com uma adubação nitrogenada de cobertura (N=80 kg.ha-1). Os resultados mostraram que a adubação não estimulou o aumento da biomassa e nem a produção de inulina. O tempo de cultivo, entretanto, afetou positivamente a produtividade de V. herbacea, havendo um ganho expressivo em biomassa e em frutano total (inulina), no segundo ano de cultivo. A produção de inulina variou de 113 a 674 kg.ha-1, correspondendo a 43% da matéria seca do rizóforo. A composição básica dos frutanos não foi alterada, embora as plantas adubadas tenham apresentado maior proporção de sacarose e frutanos com grau de polimerização de 3 a 8 no segundo ano de cultivo. Os resultados obtidos até o momento indicam ser esta espécie uma fonte de inulina comparável a outras culturas comerciais, sendo recomendado, portanto, a realização de estudos agronômicos, visando ao aumento da produção desse polissacarídeo. <![CDATA[<b>Biologia reprodutiva de <i>Butia capitata</i> (Martius) Beccari var. <i>odorata</i> (Palmae) na restinga do município de Laguna, SC</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84041998000300007&lng=en&nrm=iso&tlng=en This study aimed at describing the reproductive plants in a population of Butia capitata, and evaluating the phenological and biological aspects of reproduction. The study area, locally named "Restinga", is of a coastal sandy shrub like vegetation, located at Laguna (SC, Brazil). A total of 215 plants was registered in a sampling area of 2500m2. The average height of these palms was 86.39 cm (S= 27.39; min= 1 and max= 311). Plants with heights equal or below 20 cm did not present reproduction traits . The percentage of reproductive plants increased in the larger sized classes. However, not all the plants in the reproductive phase flower in subsequent years. The parameters, heights and number of leaves, beside the height and length of leaf blade and number of leaves and inflorescences, were positively correlated. Flowering occurs during the spring and summer, with a peak in November and December. B. capitata showed a protandric pattern of reproduction. The duration of the male phase per inflorescence was 7.95 days and of the female one 3.95 days. An interval of 2.45 days was observed between these phases. The simultaneous occurrence of inflorescences in the male phase and in the female phase, in a same palm, was rare in the population, this fact favouring xenogamic polinization. Fruit maturation occurred from November to May, with a peak in February (summer). B. capitata produced 1 to 6 inflorescences/plant. The fruit supply during seven months, the high density of this palm, and the great proportion of reproductive plants in the population, characterize B. capitata as a food resource for frugivorous animal and human populations in coastal zones.<hr/>Este estudo avaliou as características morfológicas, fenológicas e aspectos da biologia reprodutiva dos indivíduos de uma população de Butia capitata em uma restinga no litoral de Laguna, SC. Numa área de 2500 m2, foram registradas 215 plantas com altura média total de 86,39 cm (S= 27,39; min= 1 e máx= 311). Os indivíduos com altura igual ou inferior a 20 cm não apresentavam evidências de reprodução. A porcentagem de plantas reprodutivas aumentou entre plantas de maior porte, mas nem todos os indivíduos em fase reprodutiva floresceram em anos subseqüentes. Os parâmetros altura total e número de folhas, altura total e comprimento do limbo foliar, assim como número de folhas e número de infrutescências se apresentaram positivamente correlacionados. A floração ocorreu no período de primavera e verão, com pico em novembro e dezembro. B. capitata mostrou ser uma espécie protândrica, com duração média da fenofase masculina/inflorescência de 7,95 dias, da feminina de 3,95 dias e com um intervalo de 2,45 dias entre estas fases. São raras na população, inflorescências em fase masculina e inflorescências em fase feminina simultaneamente numa mesma planta, o que favorece um polinização xenogâmica. Frutos maduros ocorrem de novembro a maio, com pico em fevereiro, com produção de uma a seis infrutescências/planta. A oferta de frutos por sete meses, a alta densidade populacional e uma elevada proporção de plantas reprodutivas na população caracterizam B. capitata como um recurso alimentar para um série de frugívoros, assim como para as populações humanas litorâneas. <![CDATA[<b>Levantamento florístico das espécies vasculares da floresta estacional mesófila semidecídua da Estação Ecológica de Paulo de Faria - SP</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84041998000300008&lng=en&nrm=iso&tlng=en This survey was carried out in a semidecidual forest at the Estação Ecológica de Paulo de Faria, situated along one of the margins of the Rio Grande, in the north of the state of São Paulo (19°58’S e 49°32’W). The Estação Ecológica comprises an area of 435.73 ha. The local climate has two well defined seasons, a dry season from April to September, with a mean rainfall of 167 mm and a wet season from October to March, with a mean rainfall of 978 mm. The soil is caracterized as purpler latosol and predominantly originated from the neocretaceous sediments of Bauru formation. The area was divided into three sampling sites in order to perform the floristic survey. A number of 201 species was identified, being distributed into 149 genera and 60 families (187 were Magnoliopsida, 10 Liliopsida and 4 Pterydophyta). The families with the highest number of species were Leguminosae (14.42%), Bignoniaceae (6.00%), Euphorbiaceae (6.00%) and Apocynaceae (3.50%). A low floristic similarity between this forest and those included in other studies was observed.<hr/>Este trabalho foi desenvolvido em uma floresta semidecídua na Estação Ecológica de Paulo de Faria, no norte do estado de São Paulo, situada na margem esquerda do rio Grande (19°58’S e 49°32’W) e com área de 435,73 ha. O clima caracteriza-se por apresentar duas estações climáticas, uma seca de abril a setembro (média pluviométrica de 167 mm) e outra chuvosa, de outubro a março (média de 978 mm). O solo pertence a unidade taxonômica Latossolo Roxo, é predominantemente originário dos sedimentos neocretáceos da formação Bauru, com relevo suave, ondulado e razoavelmente uniforme. A floresta em estudo foi dividida em três estações de coletas, onde o levantamento florístico foi realizado através de caminhadas por toda a extensão das mesmas. Foram identificadas 201 espécies, distribuídas em 149 gêneros e 60 famílias, sendo 187 de Magnoliopsida, 10 de Liliopsida e 4 de Pteridophyta. As famílias que apresentaram maior número de espécies foram Leguminosae (14,42%), Bignoniaceae (6,00%), Euphorbiaceae (6,00%) e Apocynaceae (3,50%). Foi observada baixa similaridade florística entre a floresta em questão e aquelas incluídas em outros estudos. <![CDATA[<b>Seeds of species from the ‘caatinga’</b>: <b>proteins, oils and fatty acid contents</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84041998000300009&lng=en&nrm=iso&tlng=en The seeds of 14 species from the ‘caatinga’, a dry forest ecosystem of the semiarid region of northeast Brazil, were analysed for total protein and total lipid contents, as well as fatty acid distribution. The seeds of Argemone mexicana L., an introduced and naturalized species in Brazil, commonly found in ‘caatingas’ and other vegetation, were also analysed. The protein contents ranged from 123 g.kg-1 to 551 g.kg-1, higher contents being found in species of Leguminosae, but also in Jatropha mollissima (Pohl) Baill. (Euphorbiaceae, 409 g.kg-1). Oil contents ranged from 10 g.kg-1 to 400 g.kg-1. The contents of protein and oil were found to be inversely proportional in the seeds of most species, the figures for proteins being generally higher than those of oils. Most species presented either oleic or linoleic as predominant fatty acids. Cardiospermum cf. corindum L. presented eicosenoic acid as the predominant fatty acid.<hr/>Sementes de 14 espécies da caatinga, um ecossistema de floresta seca do semiárido do nordeste do Brasil, foram analisadas para proteína total, teor de lipídeos e distribuição de ácidos graxos. As sementes de Argemone mexicana L., uma espécie introduzida e naturalizada no Brasil, geralmente encontrada na caatinga e em outras vegetações, foram também analisadas. Os teores de proteínas variaram de 123 g.kg-1 a 551 g.kg-1, teores mais elevados sendo encontrados nas espécies de Leguminosae, mas também em Jatropha molissima (Pohl) Baill. (Euphorbiaceae, 409 g.kg-1). Teores de óleo variaram de 10 g.kg-1 a 400 g.kg-1. Os teores de proteína e óleo encontrados foram inversamente proporcionais na maioria das espécies, sendo os números para proteínas geralmente superiores que aqueles de óleo. A maioria das espécies apresentou ácido oléico ou linoléico como predominante. Cardiospermum cf. corindum L. apresentou ácido eicosenóico como ácido graxo predominante. <![CDATA[<B>Anatomia ecológica de <I>Sebastiania commersoniana</I> (Baillon) Smith & Downs (Euphorbiaceae) submetida ao alagamento</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84041998000300010&lng=en&nrm=iso&tlng=en In the woods along the Tibagi River hydrographical basin, in areas subject to periodical flooding, the incidence of S. commersoniana is usual, it often becoming the prevailing species. Plants of this species were kept in well drained and flooded soils for two months, in order to explain some aspects of tolerance to waterlogging. After this period, some plants were returned to the well drained soil in order to check the species behaviour in the re-aeration period. In the roots, flooding induced, an increase of intercellular spaces as well as a thickening of the cortex, and a reduction in the thickeness of the central cylinder. Flooded plants grew less than the control ones, and developed hypertrophic lenticels and some adventitious roots. The re-aired plants recovered in growth. It can be suggested that the morphoanatomical modifications observed are important to explain the tolerance of this species to flooding, if we take into consideration the obtained results, together with those obtained in the literature about floristic and phytosociology, as well as in that dealing with biochemistry.<hr/>Em matas ciliares da Bacia Hidrográfica do Rio Tibagi, nas áreas sujeitas a inundações periódicas, é comum a ocorrência de S. commersoniana onde, geralmente, se torna a espécie dominante. A fim de elucidar alguns aspectos de tolerância ao alagamento, plantas dessa espécie foram mantidas na capacidade de campo e em solo alagado por dois meses. Após esse período, algumas plantas foram desalagadas para verificar o comportamento da espécie no período de reaeração. O alagamento induziu, em raízes, aumento de espaços intercelulares, redução na espessura do cilindro central e aumento na espessura do córtex. Plantas alagadas cresceram menos que as controle e desenvolveram lenticelas hipertróficas caulinares e algumas raízes adventícias. Plantas reaeradas retomaram o crescimento. Se considerarmos os resultados obtidos, juntamente com aqueles da literatura, tanto de florística e fitossociologia como de bioquímica, pode-se sugerir que as modificações morfoanatômicas observadas são importantes para explicar a tolerância dessa espécie à inundação. <![CDATA[<b>Estabelecimento e padrões sazonais de produtividade de <i>Kielmeyera coriacea</b> </i><b>(Spr) Mart. nos cerrados do Planalto Central</b>: <b>efeitos do estresse hídrico e sombreamento</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84041998000300011&lng=en&nrm=iso&tlng=en Savannas (cerrados) of Central Brazil are characterized by patches of woody vegetation scattered in a continuous graminoid layer. The more open savanna formations, where the grass layer predominates, are locally known as "campo sujo". Kielmeyera coriacea is a deciduous tree, characteristic of the "cerrados" of Central Brazil. In this study, we investigated how seasonal changes in soil water availability and light affected productivity patterns and survival of plants of K. coriacea, transplanted in the grass matrix of a "campo sujo" formation. Two-month old plants were transplanted in the first half of the wet season (November-December) of 1994. Most mortality occurred just after plant transplanting, during the wet season. Most of the surviving plants were able to withstand the subsequent dry season, which showed that the dry period was not a major influence on survival. However, in the dry season of the second year, 35% of the surviving plants were removed by armadillos (Dasypus spp). By July of both 1995 and 1996, when soil water potential (<FONT FACE="Symbol">Y</font>soil) reached less than -2.5 MPa at a depth of 5 cm and less than -1.0 MPa at a depth of 15 cm, most of the plants had already lost their leaves. Some of the plants lost all aerial parts and resprouted from the soil in the first months of the wet season, when <FONT FACE="Symbol">Y</font>soil was close to zero. There was little investment in aerial parts during the 28 months of the study period. Plant height increased about 1.5 cm during this period and not more than 3-4 leaves were produced during the wet season of each year. Based on measurements of light availability, estimated CO2 assimilation rates of 5 cm high plants of K. coriacea with horizontal leaves would range between 26 to 40% of the photosynthetic capacity, whereas estimations of CO2 assimilation rates of 50 cm high plants of K. coriacea would reach 80% of the photosynthetic capacity, because plants of this size would not be shaded by the grass layer. In conclusion, these results suggest that the seasonal drought restricted plant productivity of this species. In addition, shading by the grass canopy in the wet season potentially limited plant productivity in the first years of life.<hr/>Kielmeyera coriacea é uma árvore caducifólia, típica dos cerrados do Planalto Central. Neste estudo, investigou-se como as mudanças no potencial da água do solo (<FONT FACE="Symbol">Y</font>s) e a luz afetaram a produtividade e a sobrevivência de indivíduos jovens de Kielmeyera coriacea transplantados na matriz herbácea de uma vegetação do cerrado, em que os elementos arbustivos e arbóreos são esparsos (campo sujo). Indivíduos de 2 meses de idade foram transplantados na primeira metade da estação chuvosa (novembro-dezembro) de 1994. A maior parte da mortalidade dos indivíduos de Kielmeyera coriacea ocorreu nos primeiros meses após o transplante, durante a estação chuvosa. A grande maioria das plantas sobreviventes conseguiu atravessar sua primeira estação seca, mostrando que o período de estiagem não influenciou na sobrevivência das mesmas. No entanto, durante a época seca do segundo ano, 35% das plantas sobreviventes foram removidas por tatus do gênero Dasypus spp. Em meados de julho de ambos os anos, quando o <FONT FACE="Symbol">Y</font>s alcançou valores inferiores a -2,5 MPa a 5 cm e <FONT FACE="Symbol">Y</font>s &lt; -1,0 MPa a 15 cm de profundidade, a grande maioria das plantas já havia perdido suas folhas. Algumas chegaram a perder toda a parte aérea, que rebrotou do solo nos primeiros meses chuvosos quando o <FONT FACE="Symbol">Y</font>s atinge valores próximos de zero. As plantas não mostraram grande investimento em altura, aumentando 1,5 cm em média, durante o período estudado (28 meses), e não mais de 3-4 folhas por planta foram produzidas durante a estação chuvosa de cada ano. Dados de disponibilidade de luz indicaram que plantas com folhas horizontais localizadas a 5 cm de altura teriam uma assimilação potencial de CO2 entre 26 e 40% da sua capacidade máxima durante a estação chuvosa, enquanto que a 50 cm do solo, onde não há mais sombreamento pelo estrato graminoso, chegaria a 80% do máximo. Assim sendo, nos primeiros anos de vida, a disponibilidade de água restringiria a produtividade desta espécie na seca, enquanto o sombreamento pelo estrato herbáceo limitaria a sua produtividade na época chuvosa. <![CDATA[<b>Diversidade e estrutura de fragmentos de mata de várzea e de mata mesófila semidecídua submontana do rio Jacaré-Pepira (SP)</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84041998000300012&lng=en&nrm=iso&tlng=en This study compares tree species diversity and community structure between the annually flooded forest (MV) and the submontane semideciduous forest (MS) situated along rivers but outside the frequently flooded area. Fifteen forest fragments were studied along the Jacaré-Pepira River (state of São Paulo) to make this comparison. We used the point-centred-quarter method for floristic survey to record all trees with a diameter greater than 3 cm at breast height (1.3 m). Fragments of MV presented a low species diversity (1.6 nats/tree <FONT FACE="Symbol">£</font> H’ <FONT FACE="Symbol">£</font> 2.9 nats/tree) in relation to fragments of MS (3.0 nats/tree <FONT FACE="Symbol">£</font> H’ <FONT FACE="Symbol">£</font> 4.3 nats/tree). This difference was significant in a discriminant analysis (F= 9.544, p= 0.013). Nevertheless, some fragments presented both forest types (MV and MS), and, as a consequence, had high levels of diversity (H’ near 3.9 nats/tree). The amounts of total density (DT) and total basal area (ABT) presented a wide range of variation, particularly for MS (2040 trees/ha <FONT FACE="Symbol">£</font> DT <FONT FACE="Symbol">£</font> 5479 trees/ha; 21.05 m2/ha <FONT FACE="Symbol">£</font> ABT <FONT FACE="Symbol">£</font> 65.35 m2/ha). In a discriminant analysis, MV and MS could not be distinguished using DT and ABT figures (p&gt; 0.05). The Cover Value Index (sum of relative figures for density and basal-area coverage) showed that the fragments of MV presented always the same most important species (Croton urucurana e Inga affinis ), while the fragments of MS presented a high variety of the most important species, despite the fact that the surveys had been carried out in a short river reach and in similar edaphic and topographic conditions. In the riparian areas there was a strip of transitional forest, which presented intermediate structures between MV and MS, and presented different widths according to topographic conditions and river discharges.<hr/>O objetivo deste trabalho é de comparar a diversidade específica e a estrutura comunitária de mata de várzea (MV), inundada anualmente, e de mata mesófila semidecídua submontana (MS) situada em áreas adjacentes a cursos d’água, mas que não sofre inundações freqüentes. Para realizar esta comparação, foram estudados 15 fragmentos de mata ao longo do rio Jacaré-Pepira, no centro do estado de São Paulo. Utilizou-se o método de quadrantes para amostrar os indivíduos dos estratos arbóreo e arbustivo com 3 cm ou mais de diâmetro do caule a 1,3 m de altura do solo. Os fragmentos de MV apresentam uma baixa diversidade (1,6 nats/tree <FONT FACE="Symbol">£</font> H’ <FONT FACE="Symbol">£</font> 2,9 nats/ind.) em relação aos fragmentos de MS (3,2 nats/ind. <FONT FACE="Symbol">£</font> H’ <FONT FACE="Symbol">£</font> 4,3 nats/ind.). Essa diferença é significativa numa análise discriminante (F= 9,544, p= 0,013). No entanto, alguns fragmentos podem conter os dois tipos de mata (MV e MS) e apresentarem, então, valores altos de diversidade (H’ próximo de 3,9 nats/ind.). Em relação à densidade total (DT) e à área basal total (ABT), os valores apresentam grandes variações, particularmente para os fragmentos de MS (2040 ind./ha <FONT FACE="Symbol">£</font> DT <FONT FACE="Symbol">£</font> 5479 ind./ha; 21,05 m2/ha <FONT FACE="Symbol">£</font> ABT <FONT FACE="Symbol">£</font> 65,35 m2/ha). Nenhum destes dois parâmetros permite distinguir significativamente MS de MV (p &gt; 0,05). Os valores do Índice de Valor de Cobertura (IVC) mostram que os fragmentos de MV apresentam sempre as mesmas espécies de maior IVC (Croton urucurana e Inga affinis ), enquanto os fragmentos de MS apresentam uma grande variedade de espécies de maior IVC, apesar dos levantamentos terem sido feitos num trecho curto do rio e em condições semelhantes de solo e topografia. Nas bordas dos rios, existe uma faixa de mata transicional, de largura variável em função do relevo e da descarga do rio, que apresenta estruturas intermediárias entre as de MV e MS.