Scielo RSS <![CDATA[Cadernos CEDES]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=0101-326219970002&lang=en vol. 18 num. 43 lang. en <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[<b>Apresentação</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-32621997000200001&lng=en&nrm=iso&tlng=en <![CDATA[<b>Anthropology and education</b>: <b>The origin of a dialogue</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-32621997000200002&lng=en&nrm=iso&tlng=en Antropologia e educação constituem hoje, um campo de confrontação em que a compartimentação do saber atribui à antropologia a condição de ciência e a educação, a condição de prática. Dentro dessa divergência primordial, profissionais de ambos os lados se acusam e se defendem com base em pré-noções, práticas reducionistas e muito desconhecimento. Muitas coisas separam antropólogos e educadores, mas muitas outras os une. Neste texto, busca-se ressaltar o que há de comum e de diferente em ambas as áreas com base na existência de um diálogo do passado que possibilite um diálogo futuro. Considera-se assim, a possibilidade de superação dos preconceitos e, neste sentido, apontar para um avanço do conhecimento.<hr/>Today anthropology and education constitute a field of confrontation where the compartimentalization of knowledge attributes to anthropology the status of science and to education the status of practice. Within this primary divergence, professionals of both sides accuse each other and defend themselves based on preconceived ideas, reductionist practices, and lots of ignorance. Many aspects keep anthropologists and educators apart, but many others bring them together. In this text, we seek to point out what is similar and what is different in both areas based on the existence of a past dialogue which makes possible a future one. Therefore, we consider the possibility of overcoming prejudice and, thus, aiming at an advance in knowledge. <![CDATA[<b>Culturalism and education in the fiftie</b>: <b>the challenge of diversity</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-32621997000200003&lng=en&nrm=iso&tlng=en Partindo da análise das características que o culturalismo assumiu entre nós, quando da sua introdução na década de 30, - uma reflexão a respeito da nossa formação enquanto povo, colocada a serviço de uma política de integração nacional - e da sua repercurssão junto ao projeto educacional que então se formulava no país, o texto se move no sentido de mostrar as transformações operadas nesta área quando os processos de redemocratização, de um lado, e de desenvolvimento, do outro, característicos dos anos 50, colocaram a escola elementar diante de nossos desafios.<hr/>Based on the analysis of the characteristics that culturalism took on when it was introduced among us in the thirties - a reflection on our development as a people which serves a policy of national integration - and of its repercussions on the educational project which was being formulated in the country, the text moves on to show the transformations which occurred in this area when the process of democratization, on one hand, and the process of development, on the other hand, both typical of the fifties, have put elementary school before our challenges. <![CDATA[<b>Another view</b>: <b>Between Anthropology and education</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-32621997000200004&lng=en&nrm=iso&tlng=en O artigo tem como objetivo mapear as relações entre os campos da Antropologia e a Educação, tendo como referência a experiência da autora, considerando três eixos: ensino (pós-graduação e graduação), pesquisa e orientação de teses e dissertações no contexto do Departamento de Educação da PUC-RIO.<hr/>The article aims to map the relationship between anthropology and education adopting as a reference the author's experience considering three axes: teaching (postgraduate and graduate courses), research, and supervision of thesis and dissertations in the Department of Education at the Catholic University in Rio de Janeiro. <![CDATA[<b>Current trends of research in school</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-32621997000200005&lng=en&nrm=iso&tlng=en O presente texto procura mostrar que o interesse dos pesquisadores pela etnografia, no final dos anos 70, está relacionado com o estudo das questões de integração na sala de aula e com os novos metodos de avaliação educacional. Em seguida o texto destaca alguns propósitos e contribuições do uso da etnografia em educação e aponta as principais críticas que vem sendo feitas aos estudos que focalizem a vida escolar cotidiana. Na última parte do texto são discutidos os principais dilemas trazidos pelo uso da abordagem etnográfica em educação e a novas tendências para tentar superar esses dilemas.<hr/>This text seeks to show that researchers' interest in ethnography by the end of the seventies is related to the study of classroom interaction and innovative methods of assessment. Next, the text emphasizes some purposes and contributions of using ethnography in education, and points out the main criticism offered to the studies which focus on school everyday life. In the last part, the text discusses the main dilemmas brought about by the ethnographic approach in education, and the new trends which try to overcome these dilemmas. <![CDATA[<b>Towards an anthropology of universal reach</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-32621997000200006&lng=en&nrm=iso&tlng=en Partindo do pressuposto de que a antropologia e a educação tomam o homem como base comun de reflexão, o texto propõe uma discussão sobre as possíveis diferenças entre as abordagens desses campos do conhecimento, considerando a escolha do lugar teórico a partir do qual uma propósta investigativa é conduzida como o aspecto decisivo da questão. A discussão é estruturada a partir de uma crítica ao discurso pós-moderno que adere ao relativismo - historicamente associado ao sucesso público da antropologia no estudo da diversidade -, e se espraia por todas as ciências humanas no embalo do que se convencionou chamar de "crise de paradigmas", Argumenta-se que sem abrir da característica que dirige o trabalho dos antropólogos, qual seja, o profundo conhecimento de objetos singulares, não se pode furtar ao compromisso científico de inseri-los num contexto mais amplo de compreensão, numa perspectiva passível de encontrar ressonância entre outros pesquisadores sociais. A articulação dos valores universais e das especificidades culturais enquanto dimensões de uma mesma realidade, além de ser uma exigência teórica, impõe-se praticamente na medida em que a democracia passa a ser desafiada pelo movimento global da pobreza, exclusão social e surgimento de particularismos absolutos.<hr/>Based on the presupposition that anthropology and education have man as a common basis of reflection, this text proposes a discussion on the possible differences between the approaches of these fields of knowledge, considering the choice of the theoretical perspective which underlies this investigation as a decisive aspect of the question. This discussion starts with a criticism of the post-modernist discourse which adheres to relativism - historically associated to the public success of anthropology in the study of diversity - and spreads all over the human sciences in a movement now conventionally called "crisis of paradigms". It is argued that, without giving up the characteristics which guides anthropologist's work, that is, the deep knowledge of particular objects, it is not possible to develop a scientific commitment to insert them in a wider context of understanding, within a perspective which can echo among other social researchers. Joining universal values to cultural specificity, considering them as dimensions of the same reality, besides being a theoretical demand, is a practical imposition, for democracy is being challenged by a global movement of poverty, social exclusion, and the emergence of absolute particularities.