Scielo RSS <![CDATA[Cadernos CEDES]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=0101-326220020003&lang=en vol. 22 num. 58 lang. en <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[<B>Apresentação</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-32622002000300001&lng=en&nrm=iso&tlng=en <![CDATA[<B>Citizen!? where's your identity?</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-32622002000300002&lng=en&nrm=iso&tlng=en <![CDATA[<B>The wish for freedom and the participation of free, poor, "colored" men in the Independence of Brazil</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-32622002000300003&lng=en&nrm=iso&tlng=en A Independência do Brasil não fez parte da "lógica natural" dos fatos, vinculada a uma crise do Sistema Colonial que colocava a Colônia versus a Metrópole. Após o grito do Ipiranga, a imprensa e as autoridades, tanto em suas cartas pessoais como em suas correspondências de trabalho, tocavam no assunto de forma cuidadosa. Tentavam convencer aqueles que eram simpatizantes da "causa do Brasil" de que a independência como separação política era uma realidade a ser mantida. Um dos motivos alegados eram rebeliões das ruas de cidades como o Rio de Janeiro. As insurreições da população "de cor" da Corte não foram apenas uma ameaça constante, erigiram-se em realidade palpável nas fugas, nos ajuntamentos e nos tumultos, que não raro se transformaram em devassas e que pontilham a documentação da Polícia e do Ministério da Justiça. Os escravos e libertos participaram com igual intensidade da política do país e dos movimentos ocorridos. Fizeram uma leitura própria das idéias sobre a independência como autonomia, sobre a liberdade e sobre a libertação do jugo da reescravização, tentando colocá-las na prática em diferentes momentos.<hr/>The Independence of Brazil was not the consequence of a crisis that logically lead to a confrontation between the Colony and the Metropolis. After the "shout of independence" ("Grito do Ipiranga"), press and authorities only evoked that matter, both in their personal and professional correspondence, in a very careful manner. Faced with the street riots in such cities as Rio de Janeiro and others, they tried to convince the advocates of the Brazilian cause that independence as a political separation was a reality to be maintained. More than frequent threats, the uprisings of the "colored" population in the Capital became a tangible reality of runaways, groupings and disturbances that frequently turned into official inquiries, as the Police and Justice Department files clearly show. Both slaves and freemen actively took part in the country politics and all the events that marked the period. They tried to put into practice their own interpretations of the ideas of independence as autonomy; of freedom; and of the risks of going back to slavery. <![CDATA[<B>Citizenship and political participation at the time of Brazilian Independence</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-32622002000300004&lng=en&nrm=iso&tlng=en O presente artigo pretende analisar a conjuntura da Independência do Brasil enquanto uma tentativa de implantar novas idéias e práticas políticas quanto ao relacionamento do indivíduo e da sociedade com o Estado, tendo como fontes principais os escritos de circunstância, ou seja, os periódicos e os panfletos políticos. Nesse sentido, tais novidades poderiam ter resultado na constituição de uma autêntica esfera pública de poder, mas acabaram limitadas e reorientadas em função das circunstâncias da época, impedindo que se criasse uma verdadeira noção de cidadania no país. Verifica-se, portanto, que cidadania e participação política em uma esfera verdadeiramente pública de poder são processos de construção lenta, ainda mais em países como o Brasil, envolvido desde seus inícios pela exclusão que a grande propriedade e a escravidão asseguraram.<hr/>Relying on periodicals and political tracts as its main sources, this paper intends to analyze the period of Brazilian Independence as an endeavor to establish new ideas and political practices regarding the relationship between individuals and both society and the State. However, this drive toward an authentically public political sphere was cut short by circumstances, which hindered the constitution of a true notion of citizenship. If citizenship and political participation do take a long time to mature in a really public political sphere, this time is even longer in such countries as Brazil, ridden almost from the start by the exclusion brought about by large landholdings and slavery. <![CDATA[<B>The Paulista Museum at USP and the memory of Independence</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-32622002000300005&lng=en&nrm=iso&tlng=en O objetivo deste artigo é discutir os vínculos entre o Museu Paulista da usp e o movimento de construção e atualização da memória da Independência, problematizando-se por meio dessas relações o papel pedagógico assumido pela instituição, particularmente na primeira metade do século XX. Pretende-se desse modo contribuir para a reflexão sobre a maneira pela qual um museu de história pode ser interpretado como "lugar de memória" e como espaço para a formulação e encaminhamento de problemas históricos.<hr/>This paper is aimed at discussing the links between the Paulista Museum at the University of São Paulo and the construction and updating processes of the memory of Independence. It also focuses on the pedagogic role this Institution played, mainly during the first half of the XXth century. It thus intends to contribute to the comprehension of museums of history as "places of memory" and as spaces where historical problems are formulated and dealt with. <![CDATA[<B>The public place and the political liturgy</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-32622002000300006&lng=en&nrm=iso&tlng=en Trata-se das formas de celebração do 7 de Setembro e a construção de seu significado simbólico.<hr/>This article analyses the meanings of Independence Day in Brazil.