Scielo RSS <![CDATA[Cadernos CEDES]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=0101-326220100001&lang=en vol. 30 num. 80 lang. en <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[<b>Arte na educação</b>: <b>pesquisas e experiências em diálogo</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-32622010000100001&lng=en&nrm=iso&tlng=en <![CDATA[<b>Education trough art for a sustainable future</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-32622010000100002&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este artigo fundamenta que a arte e a educação através da arte têm um papel importante na construção de um futuro sustentável porque promovem criatividade, inovação e pensamento crítico, capacidades fundamentais para uma cultura emancipadora, de igualdade e responsabilidade social, e condições essenciais para o desenvolvimento de um futuro sustentável. Pela sua natureza holística, a educação através da arte pode, quando direcionada para a educação para a cidadania e para os valores, transformar o currículo e recriar a escola por meio de projetos transdisciplinares, quebrando as barreiras entre áreas do saber e proporcionando espaços únicos de aprendizagem. No entanto, para que tal aconteça é preciso rever e reformular os paradigmas atuais da educação e as abordagens da educação através da arte e, sobretudo, apostar mais na formação de educadores e professores.<hr/>Education through art has a crucial role in the development of a sustainable development because it promotes creativity, innovation and critical thinking. Such skills are necessary to acquire an emancipating culture of equality and social responsibility, essential conditions to develop a sustainable future. If directed towards citizenship and education for values, the holistic nature of art education may transform the curriculum and reform school through transdisciplinary projects breaking boundaries between knowledge areas and enabling unique learning sites. However, this will only be possible if we reformulate current education paradigms and art education approaches and teacher training. <![CDATA[<b>Art and pedagogy</b>: <b>beyond the marked territories</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-32622010000100003&lng=en&nrm=iso&tlng=en O artigo apresenta uma experiência em projeto social com crianças em situação de risco social e pessoal, envolvendo uma pedagoga e um artista. Ambos estudavam na mesma universidade, mas só se encontravam no trabalho. Dividiam responsabilidades, mas não as partilhavam. Como professora de ambos, em disciplinas e institutos diferentes, tive a oportunidade de acompanhar de perto seus embates. Proponho, aqui, uma reflexão sobre a necessidade, apesar das dificuldades, de aproximação de profissionais dos campos da arte e da educação. E, também, sobre a importância de encontrarmos caminhos para a pesquisa em arte na educação, que respeitem a especificidade do campo. Tomando como referência a psicologia junguiana, procuro discutir a importância de encontrar na imagem o fio condutor para a pesquisa em arte e a necessidade de desenvolvermos uma observação atenta e cuidadosa durante a pesquisa, dando tempo para emergir tudo o que for necessário ser descoberto.<hr/>This paper presents an educational experience in a social project for children living in at-risk conditions, involving one pedagogue and one artist. Both of them were working on the same project and studying at the same university, but only met at the project site. They partook of the same responsibilities, but didn't share them with each other. As I taught both of these students, though they were in different institutes and teacher training courses, I could follow their debates very closely. My aim here is to reflect on the necessity, despite the difficulties, of bringing together professionals from the fields of art and education. I also focus on the importance of finding methodologies for art education research that respect the specificities of this field. Using Jungian psychology as my primary reference, I discuss the importance of using images as guidelines for research in art and the need to develop very attentive and respectful observation strategies, so that everything that needs to be discovered has time to emerge. <![CDATA[<b>To enchant others, enchant yourself first</b>: <b>circle dancing and teacher training</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-32622010000100004&lng=en&nrm=iso&tlng=en A dança é uma forma ancestral de magia, invenção dos deuses que a ensinaram aos homens, diz-nos a mitologia hindu. Envolvido no mistério e movimento da dança, o dançarino pode encantar; porém, antes de tudo é preciso que encante a si mesmo. Não seria este também o caminho do professor? Fazer para si para poder fazer ou propor aos educandos, encantar-se para poder encantar; criar para poder seguir com as crianças a aventura da criação; ousar para poder encorajar? Nesta direção, a pergunta que percorre o presente artigo é assim formulada: como contribuir com o processo de encantamento dos professores, como alimentar a sensibilidade, nos percursos da formação universitária? Buscando respostas no processo de pesquisa, identifica-se na experiência com as danças circulares, tradição de diferentes povos, um profícuo caminho pelo qual aquele espaço de encantamento, de inteireza, de educação estética, igualmente, pode ser provocado.<hr/>According to Hindu mythology, dancing is an ancestral form of magic, an invention gods taught to mankind. Wrapped in the mystery and movement of dancing, dancers can enchant others, but they have to enchant themselves first. Should dancing teachers also follow this path? Doing things for themselves to be able to do or propose things to their pupils? Enchanting themselves to enchant others? Creating to help the children pursue the creative adventure? Daring to encourage? The questions that guide the present paper are: How can one contribute to the process of teachers' enchantment? How can one feed sensibility during continuing teacher education? Looking for answers in the research process, this paper sees in the circle dancing experience, a tradition shared by different peoples, a fruitful way to promote a space for enchantment, wholeness and aesthetic education. <![CDATA[<b>Towards authenticity</b>: <b>meeting with difference</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-32622010000100005&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este artigo apresenta reflexões sobre um estudo de caso, na Nova Zelândia, de um curso de Arte em uma classe de alunos de sete a nove anos. Investiga a motivação e os resultados gerados por um trabalho em equipe, que usa a arte como base de integração para um exame histórico, social e pessoal. Levanta questões sobre como professores de uma cultura dominante, e seus jovens alunos, podem se abrir às referências indígenas presentes na cultura de seu país e criar, com elas, um autêntico vínculo pessoal. Procura ilustrar algumas tensões geradas pelo papel tradicional do professor "controlador" e "detentor do conhecimento", revelando a face sutil da autoridade ilegítima. Como fazer com que a arte na escola abra espaço para que as crianças possam realmente se expressar e não apenas seguir à risca as indicações e diretrizes de seus respectivos professores? As respostas podem estar na maneira como os professores também se arriscam a serem autênticos, buscando suas referências histórico-culturais e as que se encontram nos arredores da escola.<hr/>This paper presents reflects on the case study of an art unit in a class of seven- to nine-year-olds, in New Zealand. It examines the motivation and outcomes generated by team teaching using art as the primary means of integration to explore personal and social history. It raises questions as to how teachers within a dominant culture can open themselves and their young students to suppressed indigenous histories and draw an authentic personal connection to them. The paper seeks to illustrate some underlying tensions around the notions of 'control' and 'knowledge holder' embedded within teachers' traditional roles and to raise the subtle face of illegitimate authority. In school settings, noted for rewarding students for compliance to the teacher's initiative, how might art experiences lay open the ground for children's authentic work to emerge? The answers appear to be found in the relational, where the teacher also risks being authentic in meeting with the cultural histories situated near the school's physical environment. <![CDATA[<b>Secrets of the heart</b>: <b>school as a space for the sensitive look</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-32622010000100006&lng=en&nrm=iso&tlng=en Nesse artigo apresentamos a experiência da construção, na escola, de um espaço para o afeto. Em tal espaço, através da atividade artística, torna-se possível trabalhar perdas, cultivar segredos, sonhos e desejos. Espaço-lugar que permite a construção de um olhar sensível para as histórias de cada um e para a memória coletiva. A dinâmica envolvida na proposta expressa uma dimensão do ensino de arte na atualidade, como espaço de atuação entre a objetividade e a subjetividade no trabalho com os alunos. Nesta sintonia, durante as aulas de arte que configuraram a experiência aqui analisada, alinhávamos histórias dos participantes com os fios da experiência estética, cruzando referências das culturas africana e indígena com a tradição das bordadeiras, que tecem a sua história de vida com fios e panos. Na composição de todos esses elementos, criamos na escola um lugar de acolhimento das individualidades, das subjetividades de cada um de nós, verdadeiros tesouros segredados.<hr/>This paper describes an experiment to build a space for affect within school. Through artistic activities, such space permits to deal with losses and share secrets, dreams, and desires. This locus thus allows the construction of a sensible look on each one's story and on collective memories. The dynamics within our proposal expresses a dimension of the current view on art education as an acting space combining objective and subjective aspects of our work with students. This interplay in the art classes focused here allowed to weave participants' stories into the threads of the aesthetic experience, interlacing references of African and Native cultures with the tradition of local embroiderers, who weave their stories with threads and cloths. The composition of all these elements created a shelter for individualities, for each one's subjectivity, for our hidden treasures, in our school. <![CDATA[<b>Teaching visual arts in schools within an inclusive context</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-32622010000100007&lng=en&nrm=iso&tlng=en A heterogeneidade é algo que o professor de Artes Visuais gerencia como parte de seu métier cotidiano. Entretanto, a diversidade se acentuou nas escolas brasileiras a partir do paradigma da inclusão, que assegura espaço no ensino regular para alunos com deficiências. Estes alunos podem necessitar de recursos para o atendimento de suas necessidades específicas em linguagem, motricidade e acesso ao conhecimento. A maioria dos cursos de licenciatura em Arte ainda não forma o professor para atuar na inclusão e, diante da falta de publicações na área, este se encontra despreparado para atuar no contexto da diversidade. Com a intenção de contribuir para as reflexões do professor, este artigo discute o ensino de arte para alunos com deficiências pautado na recente produção brasileira de conhecimento. Valoriza-se a construção de um trabalho de ateliê e de fruição, a partir da divulgação de resultados de pesquisas que falam de contextos educacionais e culturais brasileiros.<hr/>Art teachers always seek strategies to cope with students' heterogeneity in their art classes. However, diversity has grown in Brazilian schools due to the inclusion paradigm, which aims to guarantee them a place in regular classrooms. Students with disabilities may require special resources to meet their specific needs in the area of language, movement and access to knowledge. Since most art education training programs do not recognize that teachers need to be trained to work in an inclusive setting, and because there are few national publications in the field, teachers feel unprepared to teach students with diverse abilities. This paper discusses visual arts teaching for students with disabilities based on the recent production of knowledge in Brazil, so as to contribute to art teacher's thinking. It highlights the value of constructing workshop practicum and art fruition based on research results that focus on Brazilian educational and cultural contexts. <![CDATA[<b>Memory and (re)creation in teacher education</b>: <b>treading paths</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-32622010000100008&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este trabalho apresenta resultados parciais de uma pesquisa sobre as possibilidades formativas estabelecidas na relação entre memória, criação e formação docente. O texto traz reflexões sobre aspectos de uma prática de formação realizada com alunas do curso de Pedagogia da Universidade Estadual de Campinas. Objetivamos, com esta reflexão, estabelecer relações entre os processos de rememoração e de criação de narrativas cênicas vivenciados pelas alunas, na perspectiva de que essas relações venham a contribuir para a pesquisa e as práticas de formação docente. Constituem os referenciais teóricos deste trabalho estudos sobre a pesquisa (auto)biográfica e aportes da Psicologia Analítica de Carl Gustav Jung. Resulta dessa análise a identificação dos processos de criação como espaços privilegiados para a produção e elaboração de símbolos, potencializando a ordenação do vivido por meio do rememorar, do encenar histórias de vida e do registro das experiências de formação com palavras e imagens.<hr/>This work presents partial results of a research on the training possibilities established by the relations among memory, creation and teacher education. It brings reflections about the training practice developed with students of the Graduation in Pedagogy of the State University of Campinas. Those reflections intend to establish relations between the processes of remembering and of creating theatrical narratives experienced by the students, expecting that those relations can contribute to the research and practices of teacher education. The theoretical framework is basically constituted by the studies of self-biographic approach and concepts of the Analytical Psychology of Carl Gustav Jung. This analysis results in the identification of creation processes as a privileged space to produce and draw up symbols allowing to ordinate has been experienced through the acts of remembering, staging life stories, writing and drawing from the experiences lived.