Scielo RSS <![CDATA[Estudos Econômicos (São Paulo)]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=0101-416120150002&lang=en vol. 45 num. 2 lang. en <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[A qualidade do ranking das escolas de ensino médio baseado no ENEM é questionável]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-41612015000200253&lng=en&nrm=iso&tlng=en <title>Resumo</title><p>Este trabalho questiona a qualidade do ranking das escolas do ensino médio baseado no ENEM. Escolas menores tendem a apresentar desempenho: (i) mais extremado; (ii) com flutuações de curto prazo mais significativas; e (iii) com maior peso de “fatores não persistentes" na decomposição da variância da sua nota. Adicionalmente, o ranking tem um componente transitório importante, que tende a desaparecer na edição seguinte. Por fim, a probabilidade de uma escola manter, no futuro, uma determinada posição no ranking é relativamente baixa. Em suma, a qualidade das informações contida no ranking é baixa.</p><hr/><title>Abstract</title><p>The findings in this paper question the quality of the high schools’ ranking based on ENEM. Small schools’ test scores tend to: (i) be more extreme; (ii) have larger short run fluctuations; and (iii) have a greater weight of “non-persistent factors" in the decomposition of their scores’ variance. Moreover, the ranking has an important temporary component that tends to disappear in the next edition. Finally, the probability that one school maintains, in the future, a given position in the ranking is small. In sum, the quality of the information provided by the ranking is low.</p> <![CDATA[Existe realmente convergência de renda entre países?]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-41612015000200287&lng=en&nrm=iso&tlng=en <title>Resumo</title><p>A maioria dos trabalhos sobre convergência de renda pressupõe que os países são unidades geográficas isoladas, não considerando os efeitos espaciais (dependência e heterogeneidade) subjacentes. Este artigo investiga a análise de convergência de renda entre países, incorporando o efeito de vizinhança proporcionado pela interação espacial, e, portanto, controlando-se para os efeitos espaciais, dependência espacial e heterogeneidade espacial observável e não observável. Para se conseguir isso, foi construído um modelo de convergência espacial local para 148 países no período quinquenal entre 1985 e 2005, em primeiras diferenças, usando a técnica da Regressão Ponderada Geograficamente. Os principais resultados revelam a existência de múltiplos equilíbrios quando considerada a análise de convergência local. Um grupo de países se aproxima de um equilíbrio particular em virtude da existência de atributos correlatos ou porque se encontrava em uma localização inicial correspondente àquele equilíbrio, fato em consonância com a convergência em clubes ou múltiplos equilíbrios. A diferença, todavia, repousa no fato de que os intervalos de convergência aqui definidos são consequência de como o crescimento de um país se processa, em termos de seu próprio ritmo condicionado às suas características socioeconômicas iniciais, relativamente ao crescimento de outros países e não em relação a si mesmo. Além disso, em contraste com os clubes de convergência, esses intervalos de convergência são definidos ex-post, levando em consideração a dinâmica de crescimento específica a cada país.</p><hr/><title>Abstract</title><p>The most studies on income convergence imply that countries are isolated geographic units, not considering the underlying spatial interaction (spatial dependence and heterogeneity). This paper investigates the analysis of income convergence among countries incorporating the neighborhood effect provided by the spatial interaction and, thereby, controlling for spatial dependence and spatial heterogeneity. To do so, a local spatial model was constructed over five-year period between 1985 and 2005 for 148 countries. Main findings reveal the existence of multiple equilibria considering the analysis of local convergence. A group of countries is approaching a particular equilibrium due to the existence of correlated attributes or because it was in an initial location corresponding that equilibrium, fact in line with the convergence clubs and multiple equilibria. The convergence intervals defined here result from how economic growth in a country progresses as for its pace, which is conditioned to its initial socioeconomic characteristics in relation to the growth of other countries and not in relation to its own growth trajectory. Furthermore, in contrast to convergence clubs, these convergence intervals are defined ex-post, taking into consideration the growth dynamics specific to each country.</p> <![CDATA[O problema das elasticidades nos modelos de crescimento com restrição externa: Contribuições ao debate]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-41612015000200317&lng=en&nrm=iso&tlng=en <title>Resumo</title><p>O objetivo do trabalho é analisar o <italic>problema das elasticidades</italic> nos modelos de crescimento com restrição externa da tradição do crescimento puxado pela demanda agregada. Mais especificamente, analisar porque existem diferenças entre as elasticidades-renda da demanda por importações e exportações dos países industrializados em desenvolvimento com relação aos países desenvolvidos. Para tanto, inicialmente resgatamos o modelo <italic>benchmark</italic> de Thirlwall (1979), enfatizando o papel das referidas elasticidades na explicação das distintas taxas de crescimento entre os países. Em seguida, mostramos o desdobramento dos modelos <italic>demand led</italic> dessa tradição, bem como o que se considera ser uma lacuna importante dessa literatura, qual seja, a não explicação dos fatores que determinam a persistência de diferenças nas elasticidades do comércio mesmo com a industrialização de grande parte da "periferia". Por fim, são apresentadas contribuições teóricas associadas a abordagens alternativas do pensamento econômico (pós-keynesianos, evolucionários, institucionalistas) que, ao complementarem essas lacunas, avançam em questões importantes no entendimento do processo de crescimento das economias em desenvolvimento. As considerações finais mostram que as elasticidades-renda do comércio exterior dependem de uma série de características estruturais da economia (devem ser consideradas como endógenas nos referidos modelos) e que a persistência de diferenças requer uma análise mais complexa do processo de crescimento.</p> <![CDATA[A dinâmica do enriquecimento paulista no século XIX: das origens à diversificação do capital da família Lacerda Franco]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-41612015000200347&lng=en&nrm=iso&tlng=en <title>Resumo</title><p>O texto visa apreender a formação e diversificação da riqueza paulista durante o século XIX. A análise recai sobre os Lacerda Franco, importante família cujos membros principiaram economicamente em atividades de cunho interno (lavoura de mantimentos, criação e comércio de animais, produção de aguardente) nas terras próximas da vila de São Paulo e, posteriormente, migraram para o Oeste Paulista, tornando-se senhores de engenho e cafeicultores. Esse processo de enriquecimento aponta a formação de sociedades agrícolas, casa comissária e exportadora, indústria, banco, diversificando as formas de riqueza dentro do complexo exportador cafeeiro da segunda metade do XIX. O fio condutor do trabalho é a apreensão da dinâmica (movimento) desse processo, materializada, através da documentação da família e de suas empresas – o que diferencia o trabalho das análises correntes apoiadas de forma unívoca em inventários –, de suas estratégias econômicas, nas diferentes atividades que os enriqueceram e nas difusas formas de alocação do capital.</p><hr/><title>Abstract</title><p>The text aims to seize the formation and diversification of São Paulo’s wealth during the nineteenth century. The analysis rests on the Lacerda Franco, important family whose members started economically in activities of internal market (farm supplies, animal farming and trade, production of brandy) at lands near the village of São Paulo and later migrated to the Oeste Paulista, becoming planters and farmers. This enrichment process shows the formation of agricultural societies, commissioner and exporter firms, industry, banking, diversifying the forms of wealth within the coffee exporter complex in the second half of the XIX. The focus of the study is to apprehend the dynamic (movement) of this process, materialized through the documentation of the family and its businesses – what differentiates the work of the current analyzes supported unequivocally in inventories – the economic strategies, in different economic activities that they have enriched and the diffuse forms to invest their earnings.</p> <![CDATA[O desenvolvimento econômico: uma proposta de abordagem teórica evolucionária e institucionalista]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-41612015000200377&lng=en&nrm=iso&tlng=en <title>Resumo</title><p>O trabalho objetiva propor uma abordagem teórica para analisar o desenvolvimento econômico unindo elementos da Teoria da Regulação (T.R.), do antigo institucionalismo de Veblen e da teoria evolucionária neoschumpeteriana. O texto congrega os conceitos de inovação, rotinas e revoluções tecnológicas, demonstrando que o crescimento emerge das firmas ao plano macroeconômico a partir do progresso técnico. Com a teoria da regulação se demonstra que as formas institucionais devem estar adequadas e fornecer o estímulo à inovação tecnológica e aproveitamento das janelas de oportunidade abertas pela revolução em curso. A essa análise, incorpora-se a noção de hábitos de pensamento de Veblen que, no plano microeconômico, representam as rotinas e afetam as inovações no interior das empresas. Os hábitos são ainda o elemento de sustentação da regulação macroeconômica, pois consolidam a configuração das formas institucionais que podem afetar a acumulação de capital e o desenvolvimento tecnológico. Enfim, entende-se o desenvolvimento a partir das formas institucionais, dos hábitos dos agentes, da inovação e do progresso técnico.</p><hr/><title>Abstract</title><p>The objective of this paper is to propose a theoretical approach in order to analyze the economic development joining it with the Theory of Regulation, the Old Institutionalism by Veblen and the Neo-Schumpeterian Economic Evolutionary Theory. The text congregates the concepts of innovation, routine and technological revolution, showing that the growth depends on the enterprise to the macroeconomic planning trough the technical progress. With the Regulation Theory, the instructional ways have to be adequate to supply the encouragement to the technological innovation and to take advantage of the opportunities open by the current revolution. To this analysis, the notion of Veblen’s thought habits are added, which in the macroeconomic development plans they represent the routines and affect the innovation inside the company. The habits are still the macroeconomic regulation maintenance, because it strengthens the confirmation of institutional ways that can affect the accumulation of capital and the technological development. In conclusion, the development can be understood throughout institutional ways of agent habits of innovation and technical progress.</p> <![CDATA[O papel das redes na mobilidade laboral de curta e longa distância: evidências para o Brasil formal]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-41612015000200401&lng=en&nrm=iso&tlng=en <title>Resumo</title><p>Este artigo tem o objetivo de investigar os determinantes da mobilidade de trabalhadores de curta e longa distância entre microrregiões brasileiras no período 2004-2008, com ênfase no papel das redes de mobilidade preestabelecidas. São construídas matrizes de deslocamento por meio da base de dados Rais-Migra, empregando variáveis explicativas na forma de razão destino/origem, e utilizando como arcabouço metodológico os modelos para dados de contagem, a fim de identificar diferenças e similitudes desses fluxos de trabalhadores em relação a diferentes distâncias. Os resultados apresentam evidências consistentes com o histórico de atratividade das regiões para migração, indicando que redes ou conexões prévias facilitam a mobilidade espacial laboral. Além desses resultados, na mobilidade de curta distância o trabalhador se desloca para destinos com maiores densidade e proporção de graduados, além de menores criminalidade, congestionamento e grau de industrialização. Em longas distâncias, os fluxos são orientados para destinos com menores criminalidade, além de maiores saldos entre trabalhadores admitidos e desligados. A distância entre microrregiões sempre figura como fator inibidor da mobilidade, independente dos cortes de distância usados.</p><hr/><title>Abstract</title><p>This paper aims to investigate the main determinants of mobility of workers between short and long distance in the Brazilian micro-region from 2004 to 2008, emphasizing the role of established migration networks. Matrices to measure the labor flows are constructed by means of Rais-Migra database as wells as are used explanatory variables as destination/origin ratio. Count data models are used as a methodological framework to identify similarities and differences among the determinants of labor mobility according different distances. The results show evidence in favor of the historical attractiveness of micro-regions for migration, supporting the idea that migration networks or previous personal connections facilitate spatial labor mobility. Beyond these results, for short distance mobility, the workers move to destinations more attractive in relation to dynamic labor markets, higher density of population, higher proportion of more educated workers, lower degree of industrialization and smaller crime rates and vehicles per inhabitants. For long distance mobility, workers are oriented to destinations with lower crime rates and greater attractiveness measured by previous flows. The distance decreases the propensity to migrate for both short and long labor movements as an inhibiting factor for mobility, regardless of the cuts away.</p> <![CDATA[Sustainability of Brazilian fiscal policy, once again: corrective policy response over time]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-41612015000200437&lng=en&nrm=iso&tlng=en <title>Abstract</title><p>This paper estimates a fiscal reaction function for Brazil and investigates how the government's fiscal reaction has changed over time when controlling for cyclical variations in output and the relative participation of indexed debt. Using monthly data since 1991, we estimate a rolling reaction function with a one observation step and a sample-window of 12 observations. Our results indicate that the government's fiscal response has been such that a one percent increase in the debt-GDP ratio can be associated to an average increase in the primary surplus of approximately 0.096% over GDP or 9.6 basis points; the government's fiscal reaction has become more stable but less responsive to the debt-income level after 2000 and assumed a declining trend after 2006.</p><hr/><title>Resumo</title><p>O artigo revisita a questão da sustentabilidade da política fiscal brasileira analisando as respostas fiscais do governo a alterações na razão dívida-PIB, com vistas a avaliar qual tem sido a resposta fiscal média do governo brasileiro, e como essa resposta fiscal tem variado ao longo do tempo. Utilizando dados mensais e controlando para variações no produto e participação relativa de títulos indexados, estimamos funções de reação sequenciais com uma janela móvel de 12 observações. Os resultados indicam que a política fiscal no período foi sustentável, com uma resposta fiscal média do governo consolidado de 0.096 pontos percentuais no <italic>superávit</italic> primário para um aumento de um ponto percentual na relação dívida-PIB. Verificamos ainda que a função de reação tornou-se mais estável, porém menos sensível a aumentos da relação dívida/PIB após o ano de 2000 e assumiu uma tendência declinante após 2006.</p> <![CDATA[<italic>VILFREDO PARETO. Manual of Political Economy. A critical and variorum edition. Edited by Aldo Montesano, Alberto Zanni, Luigino Bruni, John Chipman and Michael McLure. Oxford:</italic> Oxford University Press, 2014, 664 p.]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-41612015000200459&lng=en&nrm=iso&tlng=en <title>Abstract</title><p>This paper estimates a fiscal reaction function for Brazil and investigates how the government's fiscal reaction has changed over time when controlling for cyclical variations in output and the relative participation of indexed debt. Using monthly data since 1991, we estimate a rolling reaction function with a one observation step and a sample-window of 12 observations. Our results indicate that the government's fiscal response has been such that a one percent increase in the debt-GDP ratio can be associated to an average increase in the primary surplus of approximately 0.096% over GDP or 9.6 basis points; the government's fiscal reaction has become more stable but less responsive to the debt-income level after 2000 and assumed a declining trend after 2006.</p><hr/><title>Resumo</title><p>O artigo revisita a questão da sustentabilidade da política fiscal brasileira analisando as respostas fiscais do governo a alterações na razão dívida-PIB, com vistas a avaliar qual tem sido a resposta fiscal média do governo brasileiro, e como essa resposta fiscal tem variado ao longo do tempo. Utilizando dados mensais e controlando para variações no produto e participação relativa de títulos indexados, estimamos funções de reação sequenciais com uma janela móvel de 12 observações. Os resultados indicam que a política fiscal no período foi sustentável, com uma resposta fiscal média do governo consolidado de 0.096 pontos percentuais no <italic>superávit</italic> primário para um aumento de um ponto percentual na relação dívida-PIB. Verificamos ainda que a função de reação tornou-se mais estável, porém menos sensível a aumentos da relação dívida/PIB após o ano de 2000 e assumiu uma tendência declinante após 2006.</p>