Scielo RSS <![CDATA[Archives of Clinical Psychiatry (São Paulo)]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=0101-608320040005&lang=pt vol. 31 num. 5 lang. pt <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[<b>Edição especial</b>: <b>estimulação magnética transcraniana</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-60832004000500001&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt <![CDATA[<B>História dos tratamentos biológicos</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-60832004000500002&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Contexto: Trata-se de uma discussão de como surgiram os tratamentos biológicos no decorrer da história da psiquiatria.<hr/>Context: It's about a discussion on how begun the biological treatment throughout Psychiatry History. <![CDATA[<B>Princípios físicos da estimulação magnética transcraniana</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-60832004000500003&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Este trabalho descreve brevemente os principais aspectos da física e da tecnologia envolvidos no processo de estimulação magnética. Apresenta a lei de indução de Faraday e descreve como um pulso de campo magnético, intenso e rápido, tem condições de gerar campos elétricos localizados, adequados à produção de correntes elétricas em determinados tecidos. Discute-se, também, como a geometria da bobina e o perfil temporal dos pulsos de corrente que a percorrem, são usados para otimizar a distribuição e intensidade dos campos elétricos induzidos.<hr/>This work presents a brief discussion of the physics and technology of magnetic stimulation. From Faraday's law of induction we describe how a fast and intense pulse of magnetic field may produce localized electric fields, suitable to generate electric currents in certain tissues. We discuss how the coil geometry, and the time profile of the pulse of current may be used to optimize the distribution and intensity of the induced electric fields. <![CDATA[<B>Neurofisiologia e plasticidade no córtex cerebral pela estimulação magnética transcraniana repetitiva</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-60832004000500004&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Um velho dogma da biologia afirma que só existiria capacidade de reorganização cortical (neuroplasticidade) em animais muito jovens; no adulto, tal capacidade seria pequena ou mesmo inexistente. Aqui, revisamos estudos realizados em animais e em humanos que demonstram uma capacidade de reorganização cortical nos sistemas sensoriais e motores em indivíduos adultos. Destacamos os estudos realizados com a técnica de estimulação magnética transcraniana. O córtex cerebral asulto é capaz de reorganização após lesões do sistema nervoso periférico ou central ou no contexto do aprendizado.<hr/>An old biological dogma states that a potencial for cortical reorganization (neuroplasticity) exists nly in young animals, being lost in adlt life. Here we review studies carried out both in animals and humans, whixh demonstrate cortical reorganization in sensory and motor systems in adult subjects. We particulary emphasiza human studies carried out with the aid of transcranial magnetic stimulation. The adult cortex is capable of reorganization after peripheral or central nervous system lesions and as a result of learning. <![CDATA[<B>O retorno da estimulação cerebral na terapêutica dos transtornos neuropsiquiátricos</B>: <B>o papel da estimulação magnética transcraniana na prática clínica</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-60832004000500005&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Estimulação magnética transcraniana (EMT) é uma nova técnica capaz de estimular o cérebro humano com algumas vantagens sobre as já existentes. A EMT é indolor, não-invasiva, simples de ser aplicada e, mais importante, é considerada de baixo risco para pesquisas em seres humanos. Essa nova ferramenta tem sido proposta para ser usada como tratamento de diversas doenças neurológicas e psiquiátricas. A EMT pode atuar modulando a excitabilidade cortical no cérebro humano. Portanto, essa técnica pode ser usada no tratamento de patologias cerebrais que cursem com alterações de excitabilidade cortical, como epilepsia, acidente vascular cerebral, distonia, doença de Parkinson, depressão e esquizofrenia. Alguns desses transtornos têm sido extensivamente estudados, tal como a depressão, porém os resultados ainda não permitem a aplicação desse método na prática clínica. Entretanto, no futuro, a EMT pode se tornar uma poderosa ferramenta na terapêutica em neuropsiquiatria. O objetivo do autor nesta revisão foi de apresentar os princípios básicos da EMT e discutir os resultados preliminares dos estudos publicados sobre o uso dessa técnica no tratamento das doenças psiquiátricas e neurológicas.<hr/>Transcranial magnetic stimulation (TMS) is a new technique capable of stimulating the brain with some advantages over existing ones. TMS is painless, non-invasive, simple to apply and, more importantly, it is considered of low risk for research in human. This new tool has been proposed to be used in several neurologic and psychiatric diseases. The mechanism of TMS action might be based on the modulation of cortical brain excitability. Therefore, brain disorders with cortical excitability dysfunction such as epilepsy, stroke, distonia, Parkinson disease, depression and schizophrenia may be benefited from this method. Some of these disorders have been extensively studied during the last decade - such as depression - but the results to date are still not strong enough to prove the real clinical benefit of this technique. TMS is still experimental and more work is needed, but in the future, TMS may become a major therapeutic tool in neuropsychiatry. The objective of the authors in this article is to review the basic principles of TMS and discuss the results of published studies about the clinical applications of TMS. <![CDATA[<B>Estimulação magnética transcraniana de repetição associada a antidepressivo</B>: <B>início e intensidade da resposta antidepressiva</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-60832004000500006&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt OBJETIVOS: Avaliar diferentes estudos que analisam o grau de eficácia da resposta antidepressiva entre a associação de estimulação magnética transcraniana de repetição (EMTr) com antidepressivos em pacientes deprimidos graves. MÉTODOS: Os autores revisaram vários estudos em que a EMTr foi usada concomitantemente a antidepressivos em pacientes deprimidos graves. Adicionalmente, relatou-se um estudo feito no Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Estudo duplo-cego, randomizado, unicêntrico, placebo-controlado com 46 pacientes atendendo aos critérios diagnósticos da DSM-IV para episódio depressivo severo. Os pacientes estavam em uso de amitriptilina. RESULTADOS: De forma geral, a maioria dos estudos mostra que a EMTr apresenta boa eficácia antidepressiva quando associada a antidepressivos. Há grande diversidade de parâmetros técnicos utilizados, tipos de bobina, diferentes técnicas de placebo e uso de diferentes antidepressivos. O estudo realizado no Instituto de Psiquiatria mostrou que o emprego da EMTr de alta freqüência aumentou a resposta antidepressiva à amitriptilina e diminuiu o tempo para o início da resposta antidepressiva em relação ao grupo placebo. CONCLUSÕES: EMTr é um método novo, promissor e com grande potencial para o tratamento da depressão. Apesar disso, observa-se que não há ainda uniformidade no emprego dos parâmetros técnicos, nem tampouco das técnicas de placebo. O estudo realizado no Instituto de Psiquiatria do HC- FMUSP mostrou grandes taxas de resposta e remissão em relação ao grupo com estimulação sham e amitriptilna.<hr/>OBJECTIVE: Transcranial magnetic stimulation has been developed as a noninvasive method to stimulate the cortex, and the treatment of depression is one of its potential therapeutic applications. This report makes a review about add-on trials (hf-rTMS plus antidepressants) discuss whether rTMS does accelerate the onset of action, and increase the therapeutic effects of antidepressants. METHOD: The authors review controlled studies of nonconvulsive rTMS therapy for depression associated with antidepressants. In addition, the authors presented a randomized, double-blind, unicentric trial performed at Institute of Psychiatry of Faculty of Medicine of University of São Paulo with patients meeting DSM-IV criteria for non-psychotic severe depressive episode in order to assess if hf-rTMS augments and accelerates the onset of action of amytriptiline. RESULTS: Most data support an antidepressant effect of high-frequency repetitive TMS administered to the left prefrontal cortex. The absence of psychosis might predict treatment success. Technical parameters possibly affecting treatment success include intensity and duration of treatment, but these suggestions require systematic testing. CONCLUSIONS: rTMS shows promise as a novel antidepressant treatment. Systematic and large-scale studies are needed to identify patient populations most likely to benefit and treatment parameters most likely to produce success. In addition to its potential clinical role, TMS promises to provide insights into the pathophysiology of depression through research designs in which the ability of rTMS to alter brain activity is coupled with functional neuroimaging. <![CDATA[<B>Estimulação magnética transcraniana de baixa freqüência no tratamento da depressão</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-60832004000500007&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Este artigo descreve aspectos neurofisiológicos e clínicos do uso da estimulação magnética transcraniana repetitiva (EMTr), especialmente a de baixa freqüência. Técnicas de neuroimagem e hipóteses sobre o funcionamento da EMTr em longo prazo são abordados. Alguns resultados de estudos que envolvem EMTr de baixa freqüência no tratamento da depressão são citados, especialmente um estudo realizado na Universidade de Brasília usando a aplicação da EMTr de baixa freqüência (0,5Hz), duas vezes por semana, durante quatro semanas, em dez pacientes. Neste estudo utilizando a escala de Hamilton de 17 itens, os pacientes foram analisados em três momentos: T-0, T-1 e T-2, respectivamente, início, meio e final das aplicações. Como resultado se observou um decréscimo significativo (p < 0,01) nas suas pontuações, quando comparados os três momentos, utilizando-se o teste x² de Friedman. As possíveis vantagens desta técnica são discutidas.<hr/>This article describes neurophysiological and clinical aspects of repetitive transcranial magnetic stimulation (rTMS), especially low frequency rTMS. Neuroimaging techniques and hypothesis about long term actions of rTMS are discussed. Some results of low frequency rTMS on the treatment of depression are mentioned, especially one study in the University of Brasilia using low frequency rTMS twice a week, during 4 weeks in 10 patients. In this study, using the 17 item Hamilton scale, patients were scored at three different moments: T-0, T-1 and T-2, respectively, at the beginning, at the middle and at the end of the treatment. According to x² Friedman&acute;s test there was a significant decrease (p < 0,01) in depression scores. When the three moments were compared. Possible advantages of this technique are discussed. <![CDATA[<B>Eletroconvulsoterapia e estimulação magnética transcraniana</B>: <B>semelhanças e diferenças</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-60832004000500008&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Neste artigo, é feita uma revisão detalhada das semelhanças e diferenças entre os dois principais tratamentos biológicos não-medicamentosos existentes na atualidade para o tratamento da depressão, a eletroconvulsoterapia e a estimulação magnética transcraniana de repetição. São comparados detalhadamente os efeitos fisiológicos, os aspectos clínicos, a técnica e os mecanismos de ação. Por fim, é feita uma revisão da eficácia comparativa entre os dois tratamentos para a depressão.<hr/>This article is a detailed review of similarities and differences between the two main non pharmacological biological treatments currently used for depression, electroconvulsive therapy and repetitive transcranial magnetic stimulation. Comparison is made on physiological effects, clinical aspects, technique and mechanisms of action. A review of the clinical efficacy is shown in the end of the article. <![CDATA[<B>Estimulação magnética transcraniana na esquizofrenia</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-60832004000500009&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt A estimulação magnética transcraniana (EMT) é uma nova técnica capaz de estimular o cérebro através de um método indolor, não-invasivo e simples de ser aplicado. A utilização da EMT em pacientes com esquizofrenia tem sido alvo de alguns estudos. Neste artigo é feita uma revisão destes estudos. Inicialmente é feita uma breve descrição dos fundamentos fisiopatológicos que explicariam a sua eficácia e o seu possível mecanismo de ação. A seguir, são analisados os primeiros estudos não controlados e, depois, os estudos sobre os efeitos em sintomas positivos, sintomas negativos e na catatonia. O número de pesquisas neste assunto é crescente, mas a utilização da EMT ainda está no início e é muito cedo para ser usada na prática clínica diária.<hr/>Transcranial magnetic stimulation (TMS) is a new technique capable of stimulating the brain through a painless, non-invasive and simple method. Its use in patients with schizophrenia has been the target of some studies. This article reviews these studies. Initially a brief discussion is offered about phisiopathologic basis that could explain its efficacy and its possible mechanism of action. The first open studies are analysed and, at last, studies about effects on positive and negative symptoms and catatonia are discussed. Research in this field is growing, although the use of TMS is in its beginning and it is early to draw any conclusions about its practical use on daily practice. <![CDATA[<B>Aplicação da estimulação magnética transcraniana de repetição no tratamento do transtorno obsessivo-compulsivo e outros transtornos de ansiedade</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-60832004000500010&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt A estimulação magnética transcraniana de repetição (EMTr) vem sendo amplamente investigada como ferramenta terapêutica em transtornos psiquiátricos, especialmente a depressão. Neste trabalho, compilamos as informações provenientes de estudos que investigaram as aplicações da EMTr no tratamento dos transtornos de ansiedade: transtorno do pânico (TP), transtorno de estresse pós-taumático (TEPT), transtorno de ansiedade generalizada (TAG) e especialmente o transtorno obsessivo compulsivo (TOC). Três estudos foram publicados abordando o tratamento do TOC, sendo que utilizaram metodologias e parâmetros de aplicação extremamente diversos, dificultando a obtenção de informações conclusivas sobre a efetividade deste tratamento. Quatro estudos publicados sobre TEPT e EMTr também apresentam dados conflitantes e pouco comparáveis, mas destaca-se publicação recente com desenho duplo-cego e resultados positivos. Quanto ao TP e o TAG, apenas pequenas investigações iniciais foram realizadas. Conclusão: Apesar dos estudos citados, não há dados conclusivos sobre a eficácia terapêutica da EMTr nos transtornos de ansiedade. Isto se dá especialmente devido aos estudos com amostras pequenas e desenho aberto. Portanto, devem ser realizados estudos mais aprofundados para que possamos obter estas respostas.<hr/>Repetitive transcranial magnetic stimulation (rTMS) have been widely studied as a therapeutic method in psychiatric disorders, specially in major depression. In this paper, we have compiled the information from studies concerning the use of rTMS as a therapeutic tool for anxiety disorders: panic disorder (PD), post-traumattic stress disorder (PTSD), generalized anxiety disorder (GAD) and mainly obsessive-compulsive disorder (OCD).Three studies have been published concerning treatment of OCD with rTMS, but they are very different in their methods and in the application parameters and location, making it difficult to draw any conclusion about the efficacy of rTMS in this cases. Four studies published on PTSD also showed very ambiguous and hardly comparable data, but a recent double-blind study with positive results is discussed. Very few inicial investigations are available concerning PD and GAD. Conclusion: Although many studies are mentioned, thete is no conclusive data about the therapeutic efficacy of rTMS in anxiety disorders. It is mainly due to a large number of open-labelled studies with small sample sizes. Therefore, studies with a deeper approach are needed to provide this answers. <![CDATA[<B>Magnetoconvulsoterapia</B>: <B>indução de convulsões com estimulação magnética transcraniana</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-60832004000500011&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt A indução proposital de convulsões através da estimulação magnética transcraniana, chamada de magnetoconvulsoterapia, é uma nova técnica que tem sido utilizada para o tratamento de transtornos neuropsiquiátricos, principalmente depressão. É um tratamento que utiliza um aparelho estimulador que cria um campo magnético variável no tempo, aplicado sobre o crânio, através de uma bobina de estimulação. Neste artigo, é feita uma detalhada revisão dos 11 casos nos quais a convulsão foi induzida com finalidade terapêutica. Apesar de ainda incipiente, é uma técnica que poderá substituir a indução elétrica de convulsões (eletroconvulsoterapia), caso se mostre com equivalente eficácia e perfil mais seguro quanto aos efeitos colaterais e complicações, por ser o estímulo mais localizado.<hr/>The induced seizure through Transcranial magnetic stimulation (TMS), also called magnetic seizure therapy, is a new technique that has been used for the treatment of neuropsychiatric disorders, specially depression. It uses a magnetic stimulator that generates a magnetic field that is applied over the patient's skull with a coil. This article reviews the eleven cases in which the seizure was induced deliberately for therapeutic purposes. Although just in it's beginning, it is a technique that can substitute electrically induced seizures (electroconvulsive therapy), if it shows the same efficacy and a more safe profile related to side effects and possible complications, taking the fact that the stimuli are more focused.