Scielo RSS <![CDATA[Educação & Sociedade]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=0101-733020060001&lang=en vol. 27 num. 94 lang. en <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[<B>Homenagem a Beth Pompêo</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302006000100001&lng=en&nrm=iso&tlng=en <![CDATA[<B>The poetry of the body</B>: <B>the defense of an austere morality</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302006000100002&lng=en&nrm=iso&tlng=en O objetivo deste texto é o estudo das proposições feitas por Fernando de Azevedo relativamente à educação brasileira, em seu primeiro trabalho intelectual, produzido em 1915 e intitulado A poesia do corpo. O autor apresentou este texto em 1916 na forma de tese de concurso para a vaga de professor da cadeira de Ginástica e Educação Física no Ginásio Mineiro. Sem postular qualquer espécie de determinismo, objetiva-se verificar a existência de "tendências e conflitos" que possam ter marcado sua futura produção intelectual. Neste texto, especificamente, examina-se como aparece para Fernando de Azevedo e outros intelectuais da época, tais como Olavo Bilac, Coelho Neto, Euclides da Cunha e Monteiro Lobato, o tema do "rebaixamento do nível moral" no país.<hr/>This paper studies the proposals concerning Brazilian education made by Fernando de Azevedo in his first intellectual work, A poesia do corpo (The poetry of the body), written in 1915. This author presented his text in 1916 in the form of a dissertation for the competitive examination for the title of professor at the Chair of Ginástica e Educação Física (Gymnastics and Physical Education) of the Ginásio Mineiro. Avoiding any kind of determinism, the text strives to verify the presence of "trends and conflicts" that may have marked his future intellectual production. It explores more specifically how the theme of the "lowering of the moral level" in Brazil emerges in Fernando de Azevedo and other intellectuals of his time, such as Olavo Bilac, Coelho Neto, Euclides da Cunha and Monteiro Lobato. <![CDATA[<B>Policy cycle approach</B>: <B>a contribution to the analysis of educational policies</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302006000100003&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este artigo discute as contribuições da "policy cycle approach" (abordagem do ciclo de políticas) para a análise de políticas educacionais. Essa abordagem foi formulada por Stephen Ball e Richard Bowe e tem sido utilizada em diferentes contextos como referencial teórico-analítico para o estudo de políticas educacionais. O texto apresenta as idéias centrais da referida abordagem, o debate em torno desta e suas contribuições para a análise de políticas educacionais. O texto apresenta também um conjunto de questões norteadoras para a análise da trajetória de políticas ou programas educacionais com base nos cinco contextos do ciclo de políticas: contexto de influência, contexto da produção de texto, contexto da prática, contexto dos resultados/efeitos e contexto de estratégia política. O artigo argumenta que essa abordagem se constitui num referencial analítico útil e que permite uma análise crítica e contextualizada de programas e políticas educacionais desde sua formulação até a sua implementação no contexto da prática, bem como os seus resultados/efeitos.<hr/>This paper discusses the contributions of the 'policy cycle approach' to analyze educational policies. Formulated by Stephen Ball and Richard Bowe, such approach has been applied in different contexts as a theoretical and analytical framework to examine educational policies. This paper presents the main ideas of this approach, the debate surrounding it, and its contribution to the analysis of educational policies. Based on the five contexts of the policy cycle, namely: influence, text production, practice, outcomes and the political strategy; this paper also presents a set of questions to the trajectory analysis of educational policies or programs. It argues that this approach is a useful analytical framework that allows a critical and contextualized analysis of programs and educational policies from their formulation to their implementation in the context of practice as well as the policy effects. <![CDATA[<B>The revenge of the fetish</B>: <B>reflection on the culture industry, education through harshness and vice</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302006000100004&lng=en&nrm=iso&tlng=en Os danos no processo formativo, decorrentes da hegemonia da indústria cultural, são investigados há algum tempo por pesquisadores das áreas de filosofia, psicologia, sociologia e história da educação. De forma geral, concluiu-se que não há uma relação de causa e efeito entre a indústria cultural e a produção de consciências reificadas. Porém, é preciso compreender de que modo o consumidor dos produtos da indústria cultural se esforça para permanecer na condição de objeto, ao invés de ser sujeito de suas ações. Tem-se como objetivo, neste artigo, refletir sobre a produção e propagação deste impulso conformista. Para tanto, parte-se do seguinte pressuposto: a chave para o entendimento das nuances desse impulso se encontra na análise das transformações históricas da relação entre a indústria cultural e a educação pela dureza.<hr/>The impairments of the educational process resulting from the predominance of the culture industry have long been a subject of investigation for researchers in the fields of philosophy, sociology and history of education. Their conclusions usually state that there is no cause-effect relationship between the culture industry and the production of reified consciences. However, one must understand how the consumer of the culture industry products prefers sticking to his condition of object to being the subject of his own actions. This article reflects upon how this conformist impulse is generated and propagated. To this end, it starts from the following postulation: the key to understanding the nuances of this impulse lies in the analysis of the historical transformations of the relation between the cultural industry and the education through harshness. <![CDATA[<B>The teaching body subjectivity policy in the curriculum of the Brazilian educational media</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302006000100005&lng=en&nrm=iso&tlng=en O artigo analisa as práticas para a produção da subjetividade docente divulgadas no discurso da mídia educativa brasileira sobre a educação escolar. Nesse discurso, divulga-se um currículo de formação docente que ensina às professoras o que devem ser e como devem proceder. O empreendimento analítico operado neste estudo - possibilitado pelo uso de ferramentas analíticas foucaultianas, tais como discurso, governo e subjetivação - consistiu em descrever e discutir como o currículo da mídia educativa opera, como ele objetiva e subjetiva. Defendo que a subjetividade demandada da professora no currículo midiático analisado é montada e regulada não por meio de uma imposição de práticas a serem seguidas, mas sim por meio da ativação nesse sujeito de motivações, desejos, esperanças e sonhos pessoais e profissionais, individuais e coletivos.<hr/>This paper analyses the practices for forming the teaching body subjectivity publicized in the discourse of the Brazilian educative media. Such discourse divulges a training curriculum that teaches female teachers how to be and to proceed. The here methodology adopted - allowed by the use of Foucaultian analytical tools, such as discourse, government and subjectivation - consists in describing and discussing how the curriculum of the educative media works, and how it objectivates and subjectivates. This study advocates that the subjectivity demanded from female teachers is not built, molded and regulated through the imposition of practices to be followed, butrather through the activation of motivations, desires, hopes and also personal, professional, individual and collective dreams in this subject. <![CDATA[<B>Media, school and critical reading of the world</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302006000100006&lng=en&nrm=iso&tlng=en O texto faz uma reflexão sobre o uso da imprensa na sala de aula e sua relação com o processo de aprendizagem. Questiona a excessiva inserção de fragmentos do discurso jornalístico nos livros didáticos em detrimento de outros gêneros. Discute a qualidade da narrativa jornalística e os riscos que ela encerra se não houver uma leitura crítica da mídia. Defende a necessidade de trabalho integrado entre educadores e jornalistas para a real compreensão do processo de produção da imprensa, construção da linguagem e da linha editorial dos veículos de comunicação.<hr/>This paper focuses on the classroom use of newspaper and magazine texts and its connection with the learning process. It criticizes the excessive usage of fragments of journalistic discourse in school textbooks, to the detriment of other text forms. The quality of journalistic narration is questioned and the risks incumbent on an acritical reading of the media. It advocates the necessity of cooperation between educators and journalists to foster an effective understanding of the news production process, to improve language construction, and to generate awareness of the media's editorial lines and policies. <![CDATA[<B>The meanings of work according to technicians with secondary education</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302006000100007&lng=en&nrm=iso&tlng=en Baseando-nos numa pesquisa realizada com duas gerações de técnicos de nível médio, buscamos compreender os diálogos que esse segmento de trabalhadores estabelece com o mundo do trabalho no contexto da modernidade tardia. São aqui discutidos os significados por eles conferidos ao trabalho, no contexto da reestruturação produtiva. Como tal processo é percebido por esse grupo de trabalhadores qualificados? Como percebem as atividades por eles exercidas nas empresas? Em que medida são "cooptados" ou não pelos discursos patronais? Que condições demandam para estabelecerem uma relação positiva com o trabalho? Que tipos de relações sociais vivenciam no trabalho e como as analisam? Pretende-se com o estudo contribuir para a reflexão acerca dos processos formativos de trabalhadores, escolares ou não, indicando os temas apontados pelos próprios trabalhadores como centrais na sua experiência e, portanto, merecedores de análise durante sua formação.<hr/>Based on a research focusing on two generations of technicians with secondary education, we sought to understand the dialogues that this segment of workers establishes with the world of work in late modernity. We here discuss the meanings they attribute to work in a context of productive restructuring. How is such process felt by this group of qualified workers? How do they perceive the activities they perform in their companies? To what extent are they "co-opted" by employer discourses? Which conditions do they claim to establish a positive relationship to work? In what kind of social relationships do they live at work and how do they analyze them? This study intends to contribute to a reflection on the training processes of workers, be they educational or not, by pointing out the topics the very workers highlighted as crucial in their experience and which, therefore, deserve analysis during their training. <![CDATA[<B>Exclusion and social education</B>: <B>superficial and thorough concepts</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302006000100008&lng=en&nrm=iso&tlng=en O artigo trata da relação entre exclusão e educação social. Objetiva trazer elementos que permitam uma discussão sobre a realidade e as concepções de exclusão/inclusão e educação social, com o fim de re-velar ideologias e interesses que as informam. Trabalha com a hipótese de que existe uma disputa entre projetos sociais e educacionais contraditórios, resultando, daí, estratégias de combate à exclusão e promotoras de inclusão, encarnadas em concepções e práticas de educação social, como resposta às demandas de políticas sociais públicas provenientes das populações de crianças e jovens em situação de vulnerabilidade. A problematização desses conceitos - exclusão e educação social - poderá contribuir à formulação de políticas para a educação pública.<hr/>This paper approaches the relationship between exclusion and social education. It aims at bringing out elements that lead to discuss reality and conceptions of social exclusion/inclusion and social education to dis-close the ideologies and interests that inform them. It develops the hypothesis that some kind of dispute between contradictory social and educational projects have resulted in strategies to fight exclusion and promote inclusion that are based on social education practices, as a response to the public social policies claimed by children and young people at risk. Problemizing these concepts - exclusion and social education - may bring some contributions to the formulation of public education policies. <![CDATA[<B>Knowledge production</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302006000100009&lng=en&nrm=iso&tlng=en O presente estudo trata de um esforço para, a partir do que o próprio Marx descreveu como sendo o seu método e rastreando a aplicação que ele fez, explicitar as características gerais desse método, com o fim de contribuir para que sua aplicação possa se dar para aqueles pesquisadores, do campo marxista, que têm se dedicado a investigar a educação. Disso deriva que seu objeto de estudo não tem como foco o conhecimento, mas sim a produção de conhecimento, entendida como uma particular produção que compõe a produção em geral na atual formação econômico-social. De maneira sintética, busca-se exemplificar qual seria a natureza de uma aplicação do método em ciência da educação no que concerne à produção de conhecimento na prática científica e à produção de conhecimento escolar.<hr/>This paper strives to explain the main features of what Marx himself described as his method, based on the very method and on how Marx applied it, so that researcher from the Marxist field who dedicate to Education may apply it. Thus, its subject is not knowledge itself, but the production of such knowledge understood as a particular production that composes the general one in the current socioeconomic formation. It tries to illustrate in a synthetic way what would be an application of the method to the Science of Education with regard to knowledge production in the scientific practices and schooling knowledge production. <![CDATA[<B>University and the professional training of teachers</B>: <B>new questionings</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302006000100010&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este texto propõe uma análise da situação atual da formação profissional para o ensino e suas relações com a universidade a partir da potencialização de uma vontade de maior eficácia por parte do Estado. Ele identifica três desafios: 1) a colocação em tensão de abordagens plurais do desenvolvimento profissional dos docentes e da melhoria das escolas, 2) os modos de gerenciar a obrigação de resultados em formação, por parte dos professores, e, por trás desses dois primeiros pontos, 3) as relações com a "ciência" e a "pesquisa" no contexto do retorno em força da "ciência dura". Com relação a esses desafios, uma universidade tem mais autonomia que um Instituto de Educação (École normale) e pode, ao se reivindicar da "esquerda do parlamento da ciência" (Kant), afastar certos perigos. Se a universidade não conseguir colocar em tensão fecunda abordagens plurais da melhoria da prática e das escolas, ter uma resposta sofisticada à obrigação de resultados e nem desenvolver nos docentes uma relação crítica com a ciência, quem conseguirá?<hr/>With regard to the professional training of teachers in university settings, this paper presents an analysis of the present situation based on the rise of the State's insistence on greater effectiveness. It identifies three issues: 1) the necessary tensions between plural approaches to teacher development and school improvement; 2) the ways of dealing with forms of obligation of results in teacher training, and 3) the definition of "science" and "research" in the context of the return to prominence of "hard sciences". It argues that a university has more autonomy than a normal school and can hold itself aloof from certain perils. If university is unable of generating fruitful tensions between plural approaches to teacher development and school improvement; of sophisticatedly responding to the obligation of results; and of developing a critical relationship to science in teachers, who will be? <![CDATA[<B>Teaching and emotional exhaustion</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302006000100011&lng=en&nrm=iso&tlng=en Um estudo epidemiológico transversal com todos os 808 professores da Rede Municipal de Ensino de Vitória da Conquista, Bahia, encontrou elevadas prevalências de queixas de cansaço mental (70,1%) e de nervosismo (49,2%). Diversos fatores de risco associaram-se a cansaço mental e a nervosismo: idade >27 anos, ser mulher, ter filhos, escolaridade média, lecionar >5 anos, vínculo de trabalho estável, trabalho em zona urbana, carga horária semanal >35h, renda >360 reais, sobrecarga doméstica média/alta, não ter atividades de lazer, alta demanda no trabalho e baixo suporte social. A classificação do trabalho docente, segundo o Modelo Demanda-Controle de Karasek, revelou os quadrantes "baixa exigência" (40,3%) e "trabalho ativo" (39,7%), ambos com alto controle das atividades por parte dos professores. Professores em trabalho de "alta exigência" e "trabalho ativo" apresentaram prevalências de cansaço mental e de nervosismo mais elevadas que aqueles de "baixa exigência".<hr/>An epidemiological cross-sectional study among the 808 teachers from Vitória da Conquista, State of Bahia, Brazil, revealed that most of them complained of mental tiredness (70,1%) and nervousness (49,2%). Several risk factors were statistically associated with mental tiredness and nervousness: age > 27 years, being female, having children, having secondary education, teaching for >5 years, stable job, working in urban areas, weekly work hours e"35 hours, income > BRL 360 (&plusmn; USD 185), medium/high domestic overload, having no leisure activity, high psychological demand at work and low social support. According to Karasek's demand-control model, teachers' work was classified in the "low strain" (40.3%) and "active work" (39.7%) quadrants, both with high control of activities by teachers. Teachers with "high strain" and "active work" presented higher prevalence of mental tiredness and of nervousness than those with "low strain" jobs. <![CDATA[<B>Open and shared contents</B>: <B>new perspectives for education</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302006000100012&lng=en&nrm=iso&tlng=en Mudanças em curso no cenário de produção e divulgação de conhecimentos bem como algumas questões importantes indutoras de tais mudanças são apontadas. A principal é o desbalanceamento, cada vez maior, entre os interesses da indústria cultural e os da sociedade, em favor da primeira, provocado, em anos recentes, por mudanças sucessivas no direito de propriedade intelectual por pressão da mesma indústria cultural que tem, hoje, o seu modelo de negócio ameaçado por práticas apoiadas por novas tecnologias de informação e comunicação e, especificamente, pela Internet. Tal desbalanceamento cerceia, em particular, a escola na escolha dos recursos mais apropriados para a educação de seus alunos. Um contramovimento promove "conteúdos abertos". Um ambiente que foi desenhado para apoiar a comunidade escolar na publicação e no compartilhamento de conteúdos para, dessa forma, ajudá-la a promover uma educação com parâmetros mais democráticos e adequados às transformações em curso é apresentado.<hr/>Ongoing changes in the scenario of knowledge production and dissemination as well as some of the important issues that induced them are pointed out. The main one is an increasing shift of balance from the interests of society to those of the culture industry promoted, these last years, by successive amendments to the intellectual property rights. These were passed under the pressures of that industry whose business model is nowadays threatened by the practices supported by the new information and communication technologies and the Internet in particular. Such shift of balance specifically limits schools in their choices of the most appropriate resources to educate their students. A counter-movement is promoting "open contents" through an environment, presented here, designed to support the school community in publishing and sharing tasks. It is aimed at helping that community promote an education with more democratic and better-suited parameters for the transformations under way. <![CDATA[<B>Language and identity</B>: <B>deafness in question</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302006000100013&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este trabalho discute o papel da língua de sinais na construção da identidade surda. Diferentes autores têm discutido a relação língua(gem) na construção da identidade, destacando-se que esta se constitui a partir da significação - ao significar o sujeito se significa (Orlandi, 1998). Dessa forma, buscamos trazer esta discussão para o campo da surdez levando em conta que, o interlocutor privilegiado da criança surda é o próprio surdo e o lugar de contato com essa língua se dá, para a maioria dos alunos, dentro das instituições ou escolas especiais para surdos. Observamos que a inserção do professor surdo na sala de aula contribui para que os alunos não somente encontrem possibilidades de construção da narrativa em língua de sinais, mas também se percebam como surdos, construindo sua identidade já na idade de 5-7 anos, assumindo e diferenciando papéis na interação, principalmente em relação ao professor surdo e ao professor ouvinte. A perspectiva de educação bilíngüe na área da surdez está antecipando a consciência dos próprios surdos sobre o significado da surdez, o que há bem pouco tempo acontecia somente na idade adulta.<hr/>This paper approaches the role of sign language in the construction of deaf identity. Various authors have discussed how language relates to the construction of identity, pointing out that identity constitutes through meaning - when a subject means they becomes meaningful (Orlandi, 1998). We thus attempt to link this discussionto the field of deaf studies, considering that in the case of deaf children the privileged interaction partner is another deaf person. Most students have their first contact with this language in schools and institutions for the deaf. We have observed advantages when deaf teachers take over classroom teaching: one is that students are able to develop narrative constructions in sign language; another one is that this experience enables them to perceive themselves as deaf, and construct a deaf identity as early as 5-7 years., when they take on and differentiate roles in interaction, especially with regard to the deaf teacher and the hearing teacher. In the field of deafness, the bilingual education approach anticipates deaf people's awareness of the meaning of deafness, which until quite recently was occurred in adulthood. <![CDATA[<B><I>Iracema</I>... de Bodanzky e Senna</B>: <B>uma ficção pouco comportada</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302006000100014&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este trabalho discute o papel da língua de sinais na construção da identidade surda. Diferentes autores têm discutido a relação língua(gem) na construção da identidade, destacando-se que esta se constitui a partir da significação - ao significar o sujeito se significa (Orlandi, 1998). Dessa forma, buscamos trazer esta discussão para o campo da surdez levando em conta que, o interlocutor privilegiado da criança surda é o próprio surdo e o lugar de contato com essa língua se dá, para a maioria dos alunos, dentro das instituições ou escolas especiais para surdos. Observamos que a inserção do professor surdo na sala de aula contribui para que os alunos não somente encontrem possibilidades de construção da narrativa em língua de sinais, mas também se percebam como surdos, construindo sua identidade já na idade de 5-7 anos, assumindo e diferenciando papéis na interação, principalmente em relação ao professor surdo e ao professor ouvinte. A perspectiva de educação bilíngüe na área da surdez está antecipando a consciência dos próprios surdos sobre o significado da surdez, o que há bem pouco tempo acontecia somente na idade adulta.<hr/>This paper approaches the role of sign language in the construction of deaf identity. Various authors have discussed how language relates to the construction of identity, pointing out that identity constitutes through meaning - when a subject means they becomes meaningful (Orlandi, 1998). We thus attempt to link this discussionto the field of deaf studies, considering that in the case of deaf children the privileged interaction partner is another deaf person. Most students have their first contact with this language in schools and institutions for the deaf. We have observed advantages when deaf teachers take over classroom teaching: one is that students are able to develop narrative constructions in sign language; another one is that this experience enables them to perceive themselves as deaf, and construct a deaf identity as early as 5-7 years., when they take on and differentiate roles in interaction, especially with regard to the deaf teacher and the hearing teacher. In the field of deafness, the bilingual education approach anticipates deaf people's awareness of the meaning of deafness, which until quite recently was occurred in adulthood. <![CDATA[<B>Retrato da escola no Brasil, sem retoques</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302006000100015&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este trabalho discute o papel da língua de sinais na construção da identidade surda. Diferentes autores têm discutido a relação língua(gem) na construção da identidade, destacando-se que esta se constitui a partir da significação - ao significar o sujeito se significa (Orlandi, 1998). Dessa forma, buscamos trazer esta discussão para o campo da surdez levando em conta que, o interlocutor privilegiado da criança surda é o próprio surdo e o lugar de contato com essa língua se dá, para a maioria dos alunos, dentro das instituições ou escolas especiais para surdos. Observamos que a inserção do professor surdo na sala de aula contribui para que os alunos não somente encontrem possibilidades de construção da narrativa em língua de sinais, mas também se percebam como surdos, construindo sua identidade já na idade de 5-7 anos, assumindo e diferenciando papéis na interação, principalmente em relação ao professor surdo e ao professor ouvinte. A perspectiva de educação bilíngüe na área da surdez está antecipando a consciência dos próprios surdos sobre o significado da surdez, o que há bem pouco tempo acontecia somente na idade adulta.<hr/>This paper approaches the role of sign language in the construction of deaf identity. Various authors have discussed how language relates to the construction of identity, pointing out that identity constitutes through meaning - when a subject means they becomes meaningful (Orlandi, 1998). We thus attempt to link this discussionto the field of deaf studies, considering that in the case of deaf children the privileged interaction partner is another deaf person. Most students have their first contact with this language in schools and institutions for the deaf. We have observed advantages when deaf teachers take over classroom teaching: one is that students are able to develop narrative constructions in sign language; another one is that this experience enables them to perceive themselves as deaf, and construct a deaf identity as early as 5-7 years., when they take on and differentiate roles in interaction, especially with regard to the deaf teacher and the hearing teacher. In the field of deafness, the bilingual education approach anticipates deaf people's awareness of the meaning of deafness, which until quite recently was occurred in adulthood. <![CDATA[<b>Municipal education's challenge</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302006000100016&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este trabalho discute o papel da língua de sinais na construção da identidade surda. Diferentes autores têm discutido a relação língua(gem) na construção da identidade, destacando-se que esta se constitui a partir da significação - ao significar o sujeito se significa (Orlandi, 1998). Dessa forma, buscamos trazer esta discussão para o campo da surdez levando em conta que, o interlocutor privilegiado da criança surda é o próprio surdo e o lugar de contato com essa língua se dá, para a maioria dos alunos, dentro das instituições ou escolas especiais para surdos. Observamos que a inserção do professor surdo na sala de aula contribui para que os alunos não somente encontrem possibilidades de construção da narrativa em língua de sinais, mas também se percebam como surdos, construindo sua identidade já na idade de 5-7 anos, assumindo e diferenciando papéis na interação, principalmente em relação ao professor surdo e ao professor ouvinte. A perspectiva de educação bilíngüe na área da surdez está antecipando a consciência dos próprios surdos sobre o significado da surdez, o que há bem pouco tempo acontecia somente na idade adulta.<hr/>This paper approaches the role of sign language in the construction of deaf identity. Various authors have discussed how language relates to the construction of identity, pointing out that identity constitutes through meaning - when a subject means they becomes meaningful (Orlandi, 1998). We thus attempt to link this discussionto the field of deaf studies, considering that in the case of deaf children the privileged interaction partner is another deaf person. Most students have their first contact with this language in schools and institutions for the deaf. We have observed advantages when deaf teachers take over classroom teaching: one is that students are able to develop narrative constructions in sign language; another one is that this experience enables them to perceive themselves as deaf, and construct a deaf identity as early as 5-7 years., when they take on and differentiate roles in interaction, especially with regard to the deaf teacher and the hearing teacher. In the field of deafness, the bilingual education approach anticipates deaf people's awareness of the meaning of deafness, which until quite recently was occurred in adulthood.