Scielo RSS <![CDATA[História (São Paulo)]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=0101-907420130002&lang=es vol. 32 num. 2 lang. es <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-90742013000200001&lng=es&nrm=iso&tlng=es <![CDATA[<b>Tropical Scheherazade</b>: <b>narratives and dialogues of the Brazilian environmental history</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-90742013000200002&lng=es&nrm=iso&tlng=es Por meio da evocação de elementos narrativos d'As mil e uma noites, este ensaio discute o surgimento e o desenvolvimento da história ambiental desde 1970, em consonância com graves desequilíbrios naturais que ameaçam a sociedade contemporânea. A história ambiental possibilita diálogos sociais com grupos ambientalistas, cientistas de diversas áreas e pesquisadores da história social, cultural e política. As amplas e promissoras possibilidades de investigação propiciam abordagens transdisciplinares e transnacionais. Um dos enfoques estimulantes diz respeito ao patrimônio. Abrem-se perspectivas para o estudo do patrimônio natural urbano - como no caso dos fícus de Belo Horizonte - e do patrimônio representado por áreas protegidas, a exemplo da ilha da Trindade.<hr/>Evoking narrative elements of The Book of the Thousand Nights and a Night, this essay discusses the apperaring and development of environmental history since 1970, in consonance with serious natural imbalances that have threatened the contemporary society. Environmental history enables historians to dialogue with environmental groups, scientists and researchers from various fields of social, cultural and political history. Large and promising research opportunities provide transdisciplinary and transnational approaches. One of the stimulating approaches relates to heritage, opening up perspectives for the study of the urban environmental heritage - as in the case of the ficus in Belo Horizonte city - and also the natural heritage represented by protected areas, such as the Trindad Island, in Brazil. <![CDATA[<b>The concept of biodiversity and the history of conservation biology</b>: <b>from wilderness preservation to biodiversity conservation</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-90742013000200003&lng=es&nrm=iso&tlng=es Trata do surgimento do conceito de biodiversidade e do processo de emergência da biologia da conservação como uma subdisciplina da biologia. Mostra as relações entre a biologia da conservação e o ativismo que se desenvolve com o objetivo de promover a conservação da biodiversidade. Discute como, ao longo do tempo, no campo das preocupações com a proteção do patrimônio natural, houve um deslocamento da noção de preservação da wilderness para a de conservação da biodiversidade.<hr/>The essay deals with the emergence of the concept of biodiversity and with the rise of conservation biology as a subdiscipline of biology. It shows the relationship between conservation biology and the activism that develops with the objective of promoting biodiversity conservation. It refers to how, over time, in the field of concerns about the protection of natural heritage, there has been a shift from the notion of preservation of wilderness to the conservation of biodiversity. <![CDATA[<b>Nature and economic progress on the Northwest region of São Paulo (1910-1920)</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-90742013000200004&lng=es&nrm=iso&tlng=es A história da colonização de grande parte do interior paulista está intimamente relacionada ao processo de expansão da cafeicultura, iniciada em meados do século XIX. O desejo imperioso de alcançar solos férteis impulsionou milhares de trabalhadores em direção às novas fronteiras agrícolas, que se alargavam em movimentos contíguos, rumo às regiões mais recônditas do território, fazendo surgir cidades, muitas das quais crescendo ao lado da malha ferroviária que se ampliava impulsionada pelos investimentos públicos e privados interessados nos fluxos de capitais oriundos dessa intensa atividade cafeeira. A região Noroeste, inserida neste processo macroeconômico, tornou-se, na década de 1920, uma das mais ricas zonas produtoras de café do estado de São Paulo, e sua condição de franja pioneira em ascensão permite, de modo especial, o estudo das interações entre o homem e a natureza no passado, sob o olhar crítico da história ambiental.<hr/>The history of the colonization of great part of Sao Paulo's countryside is deeply related to the expansion of coffee bean production which began in the midnineteenth century. The bounden desire to reach fertile soil boosted millions of workers towards these new agricultural borders, which were spreading through contiguous movements toward the most hidden regions of this territory, provoking the arising of cities, many of them that grew along the Brazilian train complex that was also expanding, impelled by public and private investments interested in the capital flow generated by this intense coffee bean production. The Northwest region of Sao Paulo, inserted in this macroeconomic process became, in 1920's, one of the richest coffee bean production zones of Sao Paulo and its condition of rising pioneer fringe allows, in a particular way, the study of men and nature's interaction in the past, under the critical look of environmental history. <![CDATA[<b>Preserve and protect in a science museum</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-90742013000200005&lng=es&nrm=iso&tlng=es O espaço universitário é compreendido como o da pesquisa e do estudo, mas as necessidades diárias de preservação, proteção, manutenção e limpeza só se tornam visíveis quando falham ou faltam. Apresentamos as características das funções de preservação e segurança que foram/são realizadas no Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade de São Paulo, órgão da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária que, por sua localização e histórico, necessita de cuidados especiais. Ele se localiza no espaço físico onde antes existiu o Observatório Astronômico de São Paulo, depois, Instituto de Astronomia e Geofísica - IAG-USP, no interior do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga - PEFI, na cidade de São Paulo. Há nele atividades de preservação e de reconversão de edifícios históricos. E a localização da instituição e suas características específicas exigem condições de segurança nos pontos de contato com a comunidade do entorno e com os usuários do espaço.<hr/>Reflections on the university campus usually focus on its relevancy as a research and teaching area; however, the need for preservation, protection, maintenance and cleaning only become visible in the event of inadequacy or lack thereof. The aim of this study is to address the characteristics of the preservation and security measures performed at the Science and Technology Park of the University of São Paulo (Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade de São Paulo), agency subjected to the Dean's Office for Culture and University Extension (Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária). Because of its history and location, the Park requires special care. The Park's land formerly housed the Astronomical Observatory of São Paulo and the Institute of Astronomy and Geophysics of the University of São Paulo (Instituto de Astronomia e Geofísica - IAG-USP), within the Fontes do Ipiranga State Park (Parque Estadual das Fontes do Ipiranga - PEFI), in the city of São Paulo. Preservation and reconversion activities relative to historical buildings are developed at the Park. The institution's location and its specificities require security in its borders, as well as in relation to the users of the park. <![CDATA[<b>Museum intervention on urban space</b>: <b>history, culture and citizenship at "Lagoa do Nado" Park</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-90742013000200006&lng=es&nrm=iso&tlng=es Entre 2003 e 2009, o Museu Histórico Abílio Barreto (MHAB), de Belo Horizonte, formulou uma política de acervos dedicada a ampliar o leque de artefatos passíveis de tratamento museológico. Considerando o espaço urbano suporte de memória, realizou intervenções museais, em que a história de lugares da cidade era narrada por meio de painéis acomodados em expositores feitos em aço e vidro com base de concreto, concebidos para integrar (e dialogar com) aquele. Abordando aqui o último desses projetos, reflito sobre a experiência de musealização do lugar, sítio particular que seria reivindicado por moradores para se tornar parque municipal e receber um centro cultural. Cruzando material obtido em trabalhos de campo com a pesquisa em arquivo e contrastando cotidiano e memória oficial, a pesquisa resultou numa exposição que aborda a configuração do lugar em sua dinâmica e complexidade, como espaço disputado por diferentes atores em diversos contextos históricos.<hr/>Between the years of 2003 and 2009 the History Museum Abilio Barreto (MHAB), at Belo Horizonte, formulated a policy of collections dedicated to increase the range of objects to be comprehended as museum artifacts. Considering the urban space as memory support , the museum promoted museum interventions, in which the history ofcity places was narrated through panels housed in display cases made of steel and glass with a concrete base, designed to integrate (and communicate with) it. Addressing here the last of these projects, I will consider the experience of musealization of the place, a private grange that would be claimed by residents to become a city park and receive a cultural center. Crossing the material obtained in field studies with archival research, and contrasting everyday life and official records, the survey resulted in an exhibition that addresses the configuration of the place in its dynamics and complexity, as an area disputed by different actors in different historical contexts. <![CDATA[<b>Brazil and the Germanic world in medicine and public health (1850-1918)</b>: <b>a bird's eye view of its history</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-90742013000200007&lng=es&nrm=iso&tlng=es Este artigo faz um inventário das relações entre médicos e pesquisadores do Brasil e da Europa germânica de 1850 a 1918. Parte das trajetórias de alguns que clinicaram em núcleos de colonização do Brasil assinala a importância de instituições de Berlim e Viena como modelos para o ensino médico no Brasil e o prestígio então conquistado por remédios alemães. Trata de controvérsias científicas, práticas sanitárias e instituições de pesquisa relacionadas à bacteriologia e à medicina tropical, utilizando como fio condutor Adolpho Lutz (1855-1940), cuja transferência do Instituto Bacteriológico de São Paulo para o Instituto Oswaldo Cruz ocorre em 1908, auge da influência alemã sobre a vida científica desta instituição. Nas Memórias do Instituto Oswaldo Cruz, os trabalhos científicos eram veiculados em português e alemão até a Primeira Guerra Mundial, quando mudam as relações de ascendência e interlocução entre cientistas brasileiros e estrangeiros, firmando-se os EUA como polo hegemônico de nova rede.<hr/>The article provides an overview of relations between doctors and researchers in Brazil and Germanic Europe from 1850 to 1918. The important role that institutions in Berlin and Vienna played as medical teaching models for Brazil and the prestige enjoyed then by German drugs find reflection in the careers of some of those who practiced medicine in areas where immigrants settled in Brazil. In 1908, at the peak of German influence over scientific life at the Oswaldo Cruz Institute, Adolpho Lutz (1855-1940) was transferred from the Bacteriological Institute in São Paulo to this establishment in Rio de Janeiro; the scientist serves as a compass to explore scientific controversies, sanitary practices, and research institutes in the realm of bacteriology and tropical medicine. In the journal Memórias do Instituto Oswaldo Cruz, scientific articles were released in Portuguese and German until World War I, when there was a shift in relationships of ascendency and communicative exchange between Brazilian and foreign scientists, as the United States secure the hegemonic position in the new network. <![CDATA[<b>Distribution and concentration of wealth based on <i>post mortem </i>inventories in cases of negative net worth</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-90742013000200008&lng=es&nrm=iso&tlng=es Analisamos a distribuição e concentração da riqueza concernente a 678 inventários de duas localidades do Vale do Ribeira paulista (Iguape e Xiririca), abertos entre 1800 e 1880. De início, distinguimos a distribuição da riqueza bruta (soma de todos os bens e haveres pertencentes ao inventariado) e da riqueza líquida (riqueza bruta, deduzidas as dívidas passivas). Este segundo padrão realoca a posição de 64% dos patrimônios, destacando-se cerca de 10% cuja riqueza líquida revelou-se negativa. Utilizando como referência a atividade econômica vinculada ao inventariado, avaliamos o impacto do uso das duas medidas na distribuição da riqueza e propusemos a utilização de um índice de Gini que possibilita a incorporação destes valores negativos.<hr/>We analyzed the distribution and concentration of the wealth in 678 inventories of two localities (Iguape and Xiririca) of the Valley of Ribeira, São Paulo, opened between the years of 1800 and 1880. At first, we distinguished the distribution of the gross wealth (sum of all the property and assets belonging to the inventoried) and of the liquid wealth (gross wealth deduced the passive debts). This as standard places the position of 64% of the patrimonies, highlighting about 10% whose liquid wealth showed negative. Using as reference the economic activity tied with the inventoried, we evaluated the impact of the use of the two measures in the distribution of the wealth and proposed the use of the Gini coefficient which makes possible the incorporation of these negative values. <![CDATA[<b>An adequate fun?</b>: <b>Bullfighting in the 19th century Rio de Janeiro (1870-1884)</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-90742013000200009&lng=es&nrm=iso&tlng=es Esse estudo tem por objetivo discutir a retomada da organização de touradas observável no Rio de Janeiro entre os anos de 1876 e 1884. Centralmente é analisado o debate sobre a adequação da prática, processo que ao final levou a mais uma proibição da promoção de corridas de touros na cidade, ainda que por um curto período de tempo. Argumenta-se que em torno das tensões que se estabeleceram ao redor dos eventos tauromáquicos manifestaram-se algumas importantes questões do contexto histórico. Para alcance do objetivo, como fontes foram utilizados jornais publicados na capital no período em tela.<hr/>This paper aims to discuss the resumption of the organization of bullfighting observed in Rio de Janeiro between the years 1876 and 1884. Centrally it is analyzed the debate about the adequacy of the practice, a process that ultimately led to a further prohibiting of the promotion of bullfights in the city. It is argued that the tensions around bullfighting events manifested some important questions of historical context. To reach the goal, sources such as newspapers published in the capital in the period displayed were used. <![CDATA[<b>The institutional mechanisms of 1937's dictatorship</b>: <b>an analysis of the contradictions on the Federal Interventorship regime</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-90742013000200010&lng=es&nrm=iso&tlng=es O objetivo deste artigo é analisar o regime de intromissão política nos estados por meio do estudo do mecanismo das Interventorias Federais. Focalizamos o período do Estado Novo (1937-1945). Não se examina aqui uma Interventoria específica nem os conflitos específicos entre uma facção da elite política de um estado determinado com os novos comandantes do Estado nacional. O foco, a partir da discussão de evidências selecionadas de vários casos particulares (São Paulo, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Minas Gerais), coletadas tanto na historiografia do período como no Arquivo Getulio Vargas, está na análise dos principais problemas que a ditadura de Vargas - uma vez indicados os interventores no lugar dos governadores - teve de fazer, face a: i) autonomia político-administrativa dos novos chefes da política local; ii) dificuldade para impor a unidade ideológica do regime ditatorial a todos os agentes políticos; e iii) uma coordenação precária do sistema como um todo, baseada apenas na lealdade pessoal e na conveniência política das partes envolvidas neste arranjo institucional.<hr/>The aim of this article is to analyze the political intervention regime in states through the study of Federal Interventorship mechanisms. We center our attention on the "Estado Novo" and do not take into account any particular Interventoria, nor any specific struggle between a political faction in a given state with new leaders of the National State. The focus, throughout the discussion of evidence from some singular states (São Paulo, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Minas Gerais), collected both in historiography and at Getulio Vargas archive, is in the analysis of the main difficulties that the Vargas dictatorship had to face - once nominated the Interventors replacing the Governors:i) the political and administrative autonomy of the new leaders in local politics;ii) the difficulty to impose on ideological unity from the dictatorship regime to all political agents; andiii) a poor coordination of the system taken as a whole, based only in personal loyalty and political convenience of the players taking part of the institutional arrangement. <![CDATA[<b>The pilgrimage of the soul in the <i>Scivias </i>of Hildegard of Bingen</b>: <b>creation, fall, redemption and salvation</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-90742013000200011&lng=es&nrm=iso&tlng=es Hildegard de Bingen, religiosa beneditina que viveu no século XII, alegava ter escrito sua primeira obra, o Scivias, obedecendo a um "comando divino" que ela teria recebido em uma de suas visões espirituais. Segundo Hildegard, essas visões a acompanhavam desde sua infância, e nelas ela recebia mensagens "divinas". O Scivias, escrito entre 1141 e 1151, consistia, de acordo com Hildegard, na transcrição dessas mensagens e era uma obra com ensinamentos em ortodoxia doutrinária. A obra, contendo as visões de Hildegard, é dividida em três partes de tamanho desigual que tratam respectivamente da criação e queda (primeira parte), da redenção e da salvação. Este artigo visa a analisar a quarta visão da primeira parte do Scivias em que Hildegard narra a peregrinação de uma alma pecadora. A caminhada dessa alma é interessante à medida que sintetiza, em sua jornada, as etapas doutrinárias cristãs trabalhadas em todo o Scivias, a saber, criação, queda, redenção e salvação.<hr/>Hildegard of Bingen, religious Benedictine woman who lived in the twelfth century, claimed to have written her first work, the Scivias, under a "prophetic call", that she would have received in one of her spiritual visions. According to Hildegard, her visions had been with her since childhood and in them she received "divine" messages. The Scivias, written between 1141 and 1151, consisted of, as Hildegard claimed, the transcription of these messages and it was a work with teachings in doctrinal orthodoxy. The book, with Hildegard's visions, is divided in three parts of unequal size which deal respectively with creation and fall (first part), redemption and salvation. This article aims to analyse the fourth vision of the first part of the Scivias in which Hildegard relates a pilgrimage of a sinner soul. The journey of this soul is interesting as it synthetizes the doctrinal phases worked in all Scivias, meaning creation, fall, redemption and salvation. <![CDATA[<b>Varnhagen no caleidoscópio</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-90742013000200012&lng=es&nrm=iso&tlng=es Hildegard de Bingen, religiosa beneditina que viveu no século XII, alegava ter escrito sua primeira obra, o Scivias, obedecendo a um "comando divino" que ela teria recebido em uma de suas visões espirituais. Segundo Hildegard, essas visões a acompanhavam desde sua infância, e nelas ela recebia mensagens "divinas". O Scivias, escrito entre 1141 e 1151, consistia, de acordo com Hildegard, na transcrição dessas mensagens e era uma obra com ensinamentos em ortodoxia doutrinária. A obra, contendo as visões de Hildegard, é dividida em três partes de tamanho desigual que tratam respectivamente da criação e queda (primeira parte), da redenção e da salvação. Este artigo visa a analisar a quarta visão da primeira parte do Scivias em que Hildegard narra a peregrinação de uma alma pecadora. A caminhada dessa alma é interessante à medida que sintetiza, em sua jornada, as etapas doutrinárias cristãs trabalhadas em todo o Scivias, a saber, criação, queda, redenção e salvação.<hr/>Hildegard of Bingen, religious Benedictine woman who lived in the twelfth century, claimed to have written her first work, the Scivias, under a "prophetic call", that she would have received in one of her spiritual visions. According to Hildegard, her visions had been with her since childhood and in them she received "divine" messages. The Scivias, written between 1141 and 1151, consisted of, as Hildegard claimed, the transcription of these messages and it was a work with teachings in doctrinal orthodoxy. The book, with Hildegard's visions, is divided in three parts of unequal size which deal respectively with creation and fall (first part), redemption and salvation. This article aims to analyse the fourth vision of the first part of the Scivias in which Hildegard relates a pilgrimage of a sinner soul. The journey of this soul is interesting as it synthetizes the doctrinal phases worked in all Scivias, meaning creation, fall, redemption and salvation. <![CDATA[<b>Mitos do Estado arcaico: evolução dos primeiros Estados, cidades e civilizações</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-90742013000200013&lng=es&nrm=iso&tlng=es Hildegard de Bingen, religiosa beneditina que viveu no século XII, alegava ter escrito sua primeira obra, o Scivias, obedecendo a um "comando divino" que ela teria recebido em uma de suas visões espirituais. Segundo Hildegard, essas visões a acompanhavam desde sua infância, e nelas ela recebia mensagens "divinas". O Scivias, escrito entre 1141 e 1151, consistia, de acordo com Hildegard, na transcrição dessas mensagens e era uma obra com ensinamentos em ortodoxia doutrinária. A obra, contendo as visões de Hildegard, é dividida em três partes de tamanho desigual que tratam respectivamente da criação e queda (primeira parte), da redenção e da salvação. Este artigo visa a analisar a quarta visão da primeira parte do Scivias em que Hildegard narra a peregrinação de uma alma pecadora. A caminhada dessa alma é interessante à medida que sintetiza, em sua jornada, as etapas doutrinárias cristãs trabalhadas em todo o Scivias, a saber, criação, queda, redenção e salvação.<hr/>Hildegard of Bingen, religious Benedictine woman who lived in the twelfth century, claimed to have written her first work, the Scivias, under a "prophetic call", that she would have received in one of her spiritual visions. According to Hildegard, her visions had been with her since childhood and in them she received "divine" messages. The Scivias, written between 1141 and 1151, consisted of, as Hildegard claimed, the transcription of these messages and it was a work with teachings in doctrinal orthodoxy. The book, with Hildegard's visions, is divided in three parts of unequal size which deal respectively with creation and fall (first part), redemption and salvation. This article aims to analyse the fourth vision of the first part of the Scivias in which Hildegard relates a pilgrimage of a sinner soul. The journey of this soul is interesting as it synthetizes the doctrinal phases worked in all Scivias, meaning creation, fall, redemption and salvation. <![CDATA[<strong>Paisagens sobrepostas:</strong><b> índios, posseiros e fazendeiros nas matas de Itapeva (1723-1930)</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-90742013000200014&lng=es&nrm=iso&tlng=es Hildegard de Bingen, religiosa beneditina que viveu no século XII, alegava ter escrito sua primeira obra, o Scivias, obedecendo a um "comando divino" que ela teria recebido em uma de suas visões espirituais. Segundo Hildegard, essas visões a acompanhavam desde sua infância, e nelas ela recebia mensagens "divinas". O Scivias, escrito entre 1141 e 1151, consistia, de acordo com Hildegard, na transcrição dessas mensagens e era uma obra com ensinamentos em ortodoxia doutrinária. A obra, contendo as visões de Hildegard, é dividida em três partes de tamanho desigual que tratam respectivamente da criação e queda (primeira parte), da redenção e da salvação. Este artigo visa a analisar a quarta visão da primeira parte do Scivias em que Hildegard narra a peregrinação de uma alma pecadora. A caminhada dessa alma é interessante à medida que sintetiza, em sua jornada, as etapas doutrinárias cristãs trabalhadas em todo o Scivias, a saber, criação, queda, redenção e salvação.<hr/>Hildegard of Bingen, religious Benedictine woman who lived in the twelfth century, claimed to have written her first work, the Scivias, under a "prophetic call", that she would have received in one of her spiritual visions. According to Hildegard, her visions had been with her since childhood and in them she received "divine" messages. The Scivias, written between 1141 and 1151, consisted of, as Hildegard claimed, the transcription of these messages and it was a work with teachings in doctrinal orthodoxy. The book, with Hildegard's visions, is divided in three parts of unequal size which deal respectively with creation and fall (first part), redemption and salvation. This article aims to analyse the fourth vision of the first part of the Scivias in which Hildegard relates a pilgrimage of a sinner soul. The journey of this soul is interesting as it synthetizes the doctrinal phases worked in all Scivias, meaning creation, fall, redemption and salvation. <![CDATA[<strong>O discurso da natureza</strong><b>: ecologia e política na América Latina</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-90742013000200015&lng=es&nrm=iso&tlng=es Hildegard de Bingen, religiosa beneditina que viveu no século XII, alegava ter escrito sua primeira obra, o Scivias, obedecendo a um "comando divino" que ela teria recebido em uma de suas visões espirituais. Segundo Hildegard, essas visões a acompanhavam desde sua infância, e nelas ela recebia mensagens "divinas". O Scivias, escrito entre 1141 e 1151, consistia, de acordo com Hildegard, na transcrição dessas mensagens e era uma obra com ensinamentos em ortodoxia doutrinária. A obra, contendo as visões de Hildegard, é dividida em três partes de tamanho desigual que tratam respectivamente da criação e queda (primeira parte), da redenção e da salvação. Este artigo visa a analisar a quarta visão da primeira parte do Scivias em que Hildegard narra a peregrinação de uma alma pecadora. A caminhada dessa alma é interessante à medida que sintetiza, em sua jornada, as etapas doutrinárias cristãs trabalhadas em todo o Scivias, a saber, criação, queda, redenção e salvação.<hr/>Hildegard of Bingen, religious Benedictine woman who lived in the twelfth century, claimed to have written her first work, the Scivias, under a "prophetic call", that she would have received in one of her spiritual visions. According to Hildegard, her visions had been with her since childhood and in them she received "divine" messages. The Scivias, written between 1141 and 1151, consisted of, as Hildegard claimed, the transcription of these messages and it was a work with teachings in doctrinal orthodoxy. The book, with Hildegard's visions, is divided in three parts of unequal size which deal respectively with creation and fall (first part), redemption and salvation. This article aims to analyse the fourth vision of the first part of the Scivias in which Hildegard relates a pilgrimage of a sinner soul. The journey of this soul is interesting as it synthetizes the doctrinal phases worked in all Scivias, meaning creation, fall, redemption and salvation. <![CDATA[<strong>História Ambiental:</strong><b> fronteiras, recursos naturais e conservação da natureza</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-90742013000200016&lng=es&nrm=iso&tlng=es Hildegard de Bingen, religiosa beneditina que viveu no século XII, alegava ter escrito sua primeira obra, o Scivias, obedecendo a um "comando divino" que ela teria recebido em uma de suas visões espirituais. Segundo Hildegard, essas visões a acompanhavam desde sua infância, e nelas ela recebia mensagens "divinas". O Scivias, escrito entre 1141 e 1151, consistia, de acordo com Hildegard, na transcrição dessas mensagens e era uma obra com ensinamentos em ortodoxia doutrinária. A obra, contendo as visões de Hildegard, é dividida em três partes de tamanho desigual que tratam respectivamente da criação e queda (primeira parte), da redenção e da salvação. Este artigo visa a analisar a quarta visão da primeira parte do Scivias em que Hildegard narra a peregrinação de uma alma pecadora. A caminhada dessa alma é interessante à medida que sintetiza, em sua jornada, as etapas doutrinárias cristãs trabalhadas em todo o Scivias, a saber, criação, queda, redenção e salvação.<hr/>Hildegard of Bingen, religious Benedictine woman who lived in the twelfth century, claimed to have written her first work, the Scivias, under a "prophetic call", that she would have received in one of her spiritual visions. According to Hildegard, her visions had been with her since childhood and in them she received "divine" messages. The Scivias, written between 1141 and 1151, consisted of, as Hildegard claimed, the transcription of these messages and it was a work with teachings in doctrinal orthodoxy. The book, with Hildegard's visions, is divided in three parts of unequal size which deal respectively with creation and fall (first part), redemption and salvation. This article aims to analyse the fourth vision of the first part of the Scivias in which Hildegard relates a pilgrimage of a sinner soul. The journey of this soul is interesting as it synthetizes the doctrinal phases worked in all Scivias, meaning creation, fall, redemption and salvation.