Scielo RSS <![CDATA[Revista Brasileira de História]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=0102-018820170002&lang=pt vol. 37 num. 75 lang. pt <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[Editorial]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01882017000200007&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt <![CDATA[Apresentação]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01882017000200013&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt <![CDATA[<strong>A atuação dos indígenas na História do Brasil: revisões historiográficas</strong>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01882017000200017&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt RESUMO Para discutir a importância de incorporar os índios na História do Brasil como protagonistas, apresento uma reflexão sobre algumas mudanças historiográficas resultantes dessa incorporação, apontando a relevância acadêmica, social e política dessa prática. A inclusão dos índios em nossa história na condição de sujeitos tem propiciado novas interpretações sobre vários temas. Este artigo aborda alguns deles, priorizando minha pesquisa sobre os índios no Rio de Janeiro, em perspectiva comparativa com outras regiões do Brasil. Lembrando que a história indígena articula-se com as histórias colonial e nacional, o texto enfatiza a importância de estreitar diálogos entre os especialistas para compreensões mais complexas dos processos históricos. Do ponto de vista político e social, as novas interpretações históricas sobre os índios cumprem o papel essencial de desconstruir ideias preconceituosas e discriminatórias.<hr/>ABSTRACT To discuss the importance of incorporating the Indians in the History of Brazil as protagonists, I present a reflection on some historiographical changes resulting from such incorporation, pointing out the academic, social and political relevance of this practice. The inclusion of the Indigenous agency in our history has provided new interpretations on various themes. This article addresses some of them, focusing primarily on my research on the Indians in Rio de Janeiro, in a comparative perspective with other regions of Brazil. Considering that the Indian history is articulated with colonial and national histories, the text emphasizes the importance of increasing dialogues among specialists for more complex understandings of historical processes. From the political and social point of view, these new historical interpretations have an essential role of deconstructing prejudiced and discriminatory ideas against the Indians. <![CDATA[As cachoeiras como bolsões de histórias dos grupos indígenas das terras baixas sul-americanas]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01882017000200039&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt RESUMO O artigo discute o papel das cachoeiras como locais que por milhares de anos foram constantemente visitados e ocupados por coletivos indígenas das terras baixas sul-americanas. Nossos guias foram a análise da paisagem e da cultura material pertencentes a sítios arqueológicos que surgem no entorno desses lugares a partir do Holoceno Inicial. Como exemplo do potencial histórico das cachoeiras, apresentamos três sucintos estudos de caso: Teotônio (alto Madeira); Tucuruí (baixo Tocantins) e Xingó (baixo São Francisco). A principal conclusão é que esses marcos paisagísticos devem ser compreendidos como bolsões de histórias e devem receber atenção especial quanto à sua preservação.<hr/>ABSTRACT The main objective of this article is to discuss how waterfalls and rapids were constantly visited and occupied for thousands of years by indigenous collectives from the South-American lowlands. Landscape analysis and material culture from archaeological sites, that appear since the early Holocene on the surrounding areas of these places, were our guides. We present three case studies as examples of the historical potential of the waterfalls: Teotônio (Upper Madeira), Tucuruí (Lower Tocantins) and; Xingó (Lower São Francisco). Our main conclusion is that these landmarks should be understood as pockets of histories and should receive special attention as to their preservation. <![CDATA[“De farinha, bendito seja Deus, estamos por agora muito bem”: uma história da mandioca em perspectiva atlântica]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01882017000200069&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt RESUMO O artigo faz um inventário de referências à mandioca a partir da crônica colonial, da literatura de viagem e da correspondência administrativa, buscando analisar as formas do conhecimento indígena envolvidas no plantio da mandioca e na produção da farinha. Mediante a apropriação desses saberes e constatada a durabilidade do produto, estuda-se a importância transatlântica da planta e da farinha de mandioca para o sustento de africanos, escravos em trânsito pelo Atlântico, marinheiros em circulação pelo mundo a partir da era das navegações europeias e mesmo para o suprimento de demandas do Reino de Portugal. A intenção é ultrapassar fronteiras políticas, culturais e linguísticas, demonstrando como o saber dos indígenas foi parte fundante da história atlântica, mesmo que a circulação geográfica desses homens e mulheres pelos mares fosse restrita.<hr/>ABSTRACT This article does an inventory of references about the manioc starting from the colonial chronic, the travel literature and the administrative correspondence, aiming to analyze the forms of the indigenous knowledge related to the manioc planting and the flour production. With the appropriation of that knowledge and verification of the product’s durability, I analyze the transatlantic importance of the plant and of the manioc flour to the Africans sustenance, slaves traveling across the Atlantic, and sailors in circulation around the world in the era of European navigations and even to the supply of the Portugal Kingdom’s demands. The intention is go beyond the political, cultural and linguistic borders, demonstrating how the indigenous knowledge was a fundamental part of the Atlantic History, despite the restricted geographic circulation of that men and women in the seas. <![CDATA[A escrita política e o pensamento dos Guarani em tempos de autogoverno (c.1753)]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01882017000200097&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt RESUMO Em meados do século XVIII os Guarani das reduções escreveram com frequência, documentos em que expressam um pensamento político próprio. Nesses textos é possível observar sua capacidade de agir, mas também sua percepção dos acontecimentos em curso por meio de um pensamento em guarani. Essa autonomia indígena, em um momento de contestação política, estava embasada nas teorias que pautaram a sua instrução e que paradoxalmente serviram para justificar ações em defesa dos seus interesses, devidamente amparados nos valores da monarquia católica.<hr/>ABSTRACT By the middle of eighteen century, the Guarani from the reductions frequently wrote their own documents in which were expressed their very political thoughts. Through these texts it is possible to observe not only their action capacity but also their perception of the events in progress by a Guarani way of thinking. This indigenous autonomy, in a moment of political contestation, was based upon the theories which they were taught and which paradoxically served to justify their actions on defending their interests, properly supported on the catholic monarchy values. <![CDATA[Canibalismo e a legitimidade da guerra justa na época da Independência]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01882017000200119&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt RESUMO No início do século XIX, os esforços do Estado português para dominar os povos indígenas independentes se concentraram na Mata Atlântica que ligava o leste de Minas Gerais ao litoral. O presente artigo atribui aos nativos a contenção das tendências mais violentas desse projeto, depois que a Coroa portuguesa lhes declarou guerra em 1808. Acusados de canibalismo, os índios Botocudo, entre outros, enfrentaram o extermínio. Depois de muitos anos, contudo, a Coroa passou a adotar uma política de incentivo à troca material com esses caçadores e coletores. Essa reviravolta foi uma resposta à capacidade dos nativos de evitar a conquista mediante uma combinação eficaz de contra-ataques, recuos e, acima de tudo, de comprometimento estratégico com os invasores coloniais, o que levou à dispersão do conflito. Ao convencer alguns funcionários quanto à sua humanidade, os índios debilitaram a política bélica da Coroa, mesmo quando enfrentaram outra ameaça à sua sobrevivência - a crescente violência privada.<hr/>ABSTRACT In the early nineteenth century, state efforts to conquer independent indigenous peoples focused on the Atlantic forest connecting eastern Minas Gerais to the coast. This article credits natives with restraining the most violent tendencies of this project after the Portuguese Crown declared war against them in 1808. Accused of cannibalism, the Botocudo Indians, among others, faced extermination. After several years, however, the crown shifted to a policy of fostering material exchange with these hunters and gatherers. This reversal was a response to the native capacity to forestall conquest through an effective combination of counterattacks, retreat, and, above all, strategic engagement with colonial intruders in ways that diffused conflict. Convincing some officials of their humanity, the Indians undermined the crown’s war policy even as they faced another threat to their survival, mounting private violence. <![CDATA[Os índios do Ceará na Confederação do Equador]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01882017000200145&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt RESUMO Este artigo discute o envolvimento político e militar dos índios do Ceará na Confederação do Equador de 1824. Nesse conflito, seu posicionamento em relação ao imperador do Brasil dependeu bastante da conjuntura cearense frente à nacional. Se tradicionalmente era reconhecida sua devoção ao monarca, índios e suas lideranças contestaram as políticas de Pedro I que cerceavam sua liberdade. Em tais situações de confronto bélico é possível refletir acerca dos significados indígenas de vassalos e cidadãos brasileiros, neste caso, com base nas ideias do liberalismo por eles apropriadas e em seu antilusitanismo particular. A política dos índios nesse contexto, que dialogava elementos tradicionais com preceitos liberais, lidava com a discriminação dos não índios, o anseio de autonomia das elites locais e o autoritarismo da Coroa, em meio a mudanças nos estatutos legais que cada vez mais ameaçavam suas condições de trabalho e a preservação de suas terras.<hr/>ABSTRACT This article reflects on the political and military involvement of the native people of Ceará in the Confederation of the Equator, in 1824. In such a conflict, their position in relation to the emperor of Brazil depended a lot on the situation of the province of Ceará regarding the national political situation. In a context of warlike confrontation, it is possible to reflect on the indigenous meanings of Brazilian vassals and citizens and the relations they established with non-Indians and governments, in the midst of changes in their legal statutes that increasingly threatened their working conditions and preservation of their land. <![CDATA[Passo Ruim 1868: as estratégias dos Xokleng nas fronteiras de seus territórios do alto rio Itajaí]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01882017000200169&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt RESUMO Na noite de 13 de janeiro de 1868, um grupo de índios Xokleng atacou e matou seis pessoas num lugar chamado Passo Ruim, na Estrada da Mata, próximo da vila de Rio Negro, então província do Paraná, Brasil. O artigo aborda esse acontecimento no contexto das complexas relações sócio-históricas e culturais que permearam o processo de desterritorialização dos Xokleng do alto vale do rio Itajaí do Norte na segunda metade do século XIX. Busca-se a percepção que os Xokleng tinham dos invasores e como desenvolveram estratégias para lidar com eles. Traça-se um panorama da presença dos Xokleng no processo de ocupação da região, mostrando que eles acompanhavam cada passo dos colonizadores em seus territórios e, em seguida, analisam-se os acontecimentos de Passo Ruim, buscando desvendar como o grupo indígena que ali atuava se relacionou com as expedições enviadas em seu encalço, realçando seu protagonismo.<hr/>ABSTRACT On the night of January 13, 1868, a group of Xokleng indigenous people attacked and killed six people at a place called Passo Ruim, on Estrada da Mata near the village of Rio Negro, then the Province of Paraná, Brazil. This event is approached within the complex socio-historical and cultural relations that permeated the process of deterritorialization of the Xokleng in the upper valley of Itajaí do Norte River in the second half of the nineteenth century. Xokleng’s perception of the invaders is investigated together with the strategies they developed to deal with them. An overview of the presence of the Xokleng in the process of occupation of the region is given, showing that they followed each step the settlers made in their territories. Afterwards, the events of Passo Ruim are analyzed, trying to find out how the indigenous group acting there was related to the expeditions sent in its pursuit, emphasizing its protagonism. <![CDATA[Presente de branco: a perspectiva indígena dos brindes da civilização (Amazônia, século XIX)]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01882017000200195&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt RESUMO O artigo discute a maneira como os índios interpretavam os presentes ou brindes que lhes eram oferecidos como parte do processo de catequese e civilização na Amazônia do século XIX. A análise de documentos oficiais, relatos de viajantes e notícias de jornais permite constatar que os índios, muito longe de serem pessoas ingênuas que se deixavam seduzir por objetos de pouco valor, atribuíam significados próprios aos brindes, traduzindo-os e assimilando-os de acordo com regras determinadas por suas próprias culturas. A leitura indígena dos brindes demonstra que tais objetos não devem ser pensados apenas em torno de seu valor comercial, mas sobretudo pela dimensão simbólica que regulava essas transações do ponto de vista dos indígenas.<hr/>ABSTRACT The article discusses how the Indians interpreted the gifts offered to them as part of the process of catechesis and civilization in the nineteenth century Amazon. Starting from the analysis of official documents, travelers’ accounts and newspaper reports it appears that the Indians, far from being naive people who let themselves be seduced by undervalued objects, ascribed their own meanings to the gifts, translating and assimilating them accordingly to the rules determined by their own cultures. The indigenous reading of the gifts shows that such objects should not be approached only by their commercial value, but mainly from the symbolic dimension which governed these transactions from the point of view of the natives. <![CDATA[“Protagonismo” como Vulnerabilização em Demarcação de Terras Indígenas: o caso do acordo judicial para demarcar a terra Tapeba]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01882017000200217&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt RESUMO Baseado em fontes documentais, mormente documentação jurídica, o artigo analisa desdobramentos recentes do procedimento de demarcação da Terra Indígena Tapeba, no município de Caucaia, zona metropolitana de Fortaleza (CE), em especial o acordo judicial celebrado entre os índios Tapeba, representantes da família Arruda, governo do estado, prefeitura municipal, Fundação Nacional do Índio (Funai) e Ministério da Justiça, visando superar um impasse judicial ao procedimento. Os Tapeba se apresentam como protagonistas desse acordo, embora se possa entender que foram forçados a aceitar um caminho para demarcar sua terra que, até agora, não surtiu efeito. Apelando à noção de vulnerabilização e à literatura crítica sobre resolução negociada de conflitos, o artigo mostra como agências do poder público investem-se da atribuição de representar o interesse geral e o ideal de democracia, ao tempo em que aspiram controlar a situação, no que podem ser definidas como formas de harmonia coercitiva e autodeterminação dirigida.<hr/>ABSTRACT Based on documentary sources, mainly legal documentation, this article analyzes recent developments in the demarcation procedure of the Tapeba Indigenous Land, in Caucaia, Fortaleza (CE), especially the judicial agreement celebrated between the Tapeba Indians, representatives of the Arruda family, State Government, Municipality, National Foundation of the Indian (Funai) and Ministry of Justice, in order to overcome a judicial impasse that hindered the procedure. The Tapeba present themselves as protagonists of the agreement, although one can understand that they were forced to allow to a way to demarcate their land that until now proved ineffective. Appealing to the notion of vulnerability and to the critical literature on alternative dispute resolution, the article shows how public agencies assume the attribution of representing the general interest and the ideal of democracy, while simultaneously aiming to control the situation, in what one can understand as forms of coercive harmony and guided self-determination. <![CDATA[Garotas de loja, história social e teoria social]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01882017000200243&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt RESUMO Os trabalhadores de loja, na maioria mulheres, constituíram uma proporção significativa da força de trabalho da Grã-Bretanha desde a década de 1850, mas ainda sabemos relativamente pouco sobre sua história. Este artigo argumenta que houve uma negligência sistemática em relação a um dos maiores segmentos do emprego feminino por parte dos historiadores, e investiga por que isso aconteceu. Sugere que essa negligência esteja ligada a enfoques do trabalho que negligenciaram o setor de serviços como um todo, bem como a um contínuo mal-estar com as transformações da vida social da sociedade de consumo. Um elemento dessa transformação foi o surgimento de novas formas de trabalho estético, emocional e sexualizado. Certos tipos de “garotas de loja” as incorporaram de forma impressionante. Como resultado, tornaram-se ícones duradouros de consumo de massa, simultaneamente descartados como dublês culturais passivos ou punidos como poderosos agentes de destruição cultural. O artigo entrelaça a história social cotidiana das trabalhadoras de loja com representações inconstantes da “garota de loja”, das paródias do café-concerto vitoriano, mediante a teoria social modernista, ao bizarro ataque à bomba da butique Biba em Londres pela Brigada Angry, no Dia do Trabalho, em 1971. Conclui que os historiadores progressistas têm muito a ganhar ao recuperar essas trabalhadoras e a economia de serviços que elas ajudaram a criar.<hr/>ABSTRACT Shop workers, most of them women, have made up a significant proportion of Britain’s labour force since the 1850s but we still know relatively little about their history. This article argues that there has been a systematic neglect of one of the largest sectors of female employment by historians and investigates why this might be. It suggests that this neglect is connected to framings of work that have overlooked the service sector as a whole as well as to a continuing unease with the consumer society’s transformation of social life. One element of that transformation was the rise of new forms of aesthetic, emotional and sexualised labour. Certain kinds of ‘shop girls’ embodied these in spectacular fashion. As a result, they became enduring icons of mass consumption, simultaneously dismissed as passive cultural dupes or punished as powerful agents of cultural destruction. This article interweaves the social history of everyday shop workers with shifting representations of the ‘shop girl’, from Victorian music hall parodies, through modernist social theory, to the bizarre bombing of the Biba boutique in London by the Angry Brigade on May Day 1971. It concludes that progressive historians have much to gain by reclaiming these workers and the service economy that they helped create. <![CDATA[Characteristics and functioning of a specific labor market: domestic service in Buenos Aires (late 19th and early 20th century)]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01882017000200273&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt RESUMEN Este artículo se centra en las características y el funcionamiento del mercado de trabajo organizado en torno al servicio doméstico en la ciudad de Buenos Aires a fines del siglo XIX y principios del XX. Analiza las diferentes instituciones sociales, culturales y legales que le dieron forma y sustento. Evidencia que coexistieron lógicas económicas, procesos culturales y prácticas sociales con distintos contenidos de racionalidad. Que la estructura y la dinámica específica que asumió condicionaron en gran medida lo que los y las sirvientes podían ser y hacer. Que la naturaleza particular de este mercado de trabajo dio lugar a relaciones de subordinación y dependencia que tuvieron efectos sobre la estructura de relaciones de aquella sociedad porteña.<hr/>ABSTRACT This article focuses on the characteristics and operation of the labor market organized around domestic service in the city of Buenos Aires in the late 19th and early 20th century. It analyses the different social, cultural and legal institutions that both gave shape to it and laid its foundations. It shows that in its creation economic rationales, cultural processes, and social practices with different logics coexisted. It also shows that its specific structure and dynamics determined to a large extent what servants could do and be, and that the specific nature of this labor market favored relations of subordination and dependence that impacted on the social structure of that society. <![CDATA[União Internacional Protetora dos Animais de São Paulo: práticas, discursos e representações de uma entidade nas primeiras décadas do século XX]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01882017000200297&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt RESUMO O artigo examina a trajetória da União Internacional Protetora dos Animais de São Paulo nas primeiras décadas do século XX. Com base em jornais diários publicados no estado e na revista Zoophilo Paulista, editada pela entidade, analisamos suas ações e estratégias discursivas no intuito de sensibilizar a população e o poder público para a necessidade de proteger os animais. No meio urbano em expansão a convivência entre humanos e animais se apresentava como um desafio, exigindo mudanças e adaptações na forma de lidar com os bichos, o que envolvia aspectos sociais, políticos, econômicos e culturais. Nesses termos, pensar os animais foi um importante exercício de reflexão para se questionar a violência humana e os limites da exploração econômica e da ação do homem sobre a natureza.<hr/>ABSTRACT The article examines the trajectory of the International Union for the Protection of Animals of São Paulo in the first decades of the 20th century. Based on daily newspapers published in the state and the magazine Zoophilo Paulista, edited by the organization, we analyze their actions and discursive strategies in order to sensitize the citizens and the government to the need of protect animals. In an expanding urban environment, human-animal coexistence was a challenge, requiring changes and adaptations in the way of dealing with animals, which involved social, political, economic and cultural aspects. In these terms, thinking about animals was important to question human violence, the limits of economic exploitation and of human action on nature. <![CDATA[Navarrete Linares, Federico. <em>Hacia otra historia de América</em>: nuevas miradas sobre el cambio cultural y las relaciones interétnicas]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01882017000200321&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt RESUMO O artigo examina a trajetória da União Internacional Protetora dos Animais de São Paulo nas primeiras décadas do século XX. Com base em jornais diários publicados no estado e na revista Zoophilo Paulista, editada pela entidade, analisamos suas ações e estratégias discursivas no intuito de sensibilizar a população e o poder público para a necessidade de proteger os animais. No meio urbano em expansão a convivência entre humanos e animais se apresentava como um desafio, exigindo mudanças e adaptações na forma de lidar com os bichos, o que envolvia aspectos sociais, políticos, econômicos e culturais. Nesses termos, pensar os animais foi um importante exercício de reflexão para se questionar a violência humana e os limites da exploração econômica e da ação do homem sobre a natureza.<hr/>ABSTRACT The article examines the trajectory of the International Union for the Protection of Animals of São Paulo in the first decades of the 20th century. Based on daily newspapers published in the state and the magazine Zoophilo Paulista, edited by the organization, we analyze their actions and discursive strategies in order to sensitize the citizens and the government to the need of protect animals. In an expanding urban environment, human-animal coexistence was a challenge, requiring changes and adaptations in the way of dealing with animals, which involved social, political, economic and cultural aspects. In these terms, thinking about animals was important to question human violence, the limits of economic exploitation and of human action on nature. <![CDATA[Castilho, Celso Thomas. <em>Slave Emancipation and Transformations in Brazilian Political Citizenship</em>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01882017000200327&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt RESUMO O artigo examina a trajetória da União Internacional Protetora dos Animais de São Paulo nas primeiras décadas do século XX. Com base em jornais diários publicados no estado e na revista Zoophilo Paulista, editada pela entidade, analisamos suas ações e estratégias discursivas no intuito de sensibilizar a população e o poder público para a necessidade de proteger os animais. No meio urbano em expansão a convivência entre humanos e animais se apresentava como um desafio, exigindo mudanças e adaptações na forma de lidar com os bichos, o que envolvia aspectos sociais, políticos, econômicos e culturais. Nesses termos, pensar os animais foi um importante exercício de reflexão para se questionar a violência humana e os limites da exploração econômica e da ação do homem sobre a natureza.<hr/>ABSTRACT The article examines the trajectory of the International Union for the Protection of Animals of São Paulo in the first decades of the 20th century. Based on daily newspapers published in the state and the magazine Zoophilo Paulista, edited by the organization, we analyze their actions and discursive strategies in order to sensitize the citizens and the government to the need of protect animals. In an expanding urban environment, human-animal coexistence was a challenge, requiring changes and adaptations in the way of dealing with animals, which involved social, political, economic and cultural aspects. In these terms, thinking about animals was important to question human violence, the limits of economic exploitation and of human action on nature. <![CDATA[Silva, Maciel Henrique. <em>Nem mãe preta, nem negra fulô</em>: histórias de trabalhadoras domésticas em Recife e Salvador (1870-1910)]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01882017000200333&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt RESUMO O artigo examina a trajetória da União Internacional Protetora dos Animais de São Paulo nas primeiras décadas do século XX. Com base em jornais diários publicados no estado e na revista Zoophilo Paulista, editada pela entidade, analisamos suas ações e estratégias discursivas no intuito de sensibilizar a população e o poder público para a necessidade de proteger os animais. No meio urbano em expansão a convivência entre humanos e animais se apresentava como um desafio, exigindo mudanças e adaptações na forma de lidar com os bichos, o que envolvia aspectos sociais, políticos, econômicos e culturais. Nesses termos, pensar os animais foi um importante exercício de reflexão para se questionar a violência humana e os limites da exploração econômica e da ação do homem sobre a natureza.<hr/>ABSTRACT The article examines the trajectory of the International Union for the Protection of Animals of São Paulo in the first decades of the 20th century. Based on daily newspapers published in the state and the magazine Zoophilo Paulista, edited by the organization, we analyze their actions and discursive strategies in order to sensitize the citizens and the government to the need of protect animals. In an expanding urban environment, human-animal coexistence was a challenge, requiring changes and adaptations in the way of dealing with animals, which involved social, political, economic and cultural aspects. In these terms, thinking about animals was important to question human violence, the limits of economic exploitation and of human action on nature. <![CDATA[Valente, Rubens. <em>Os fuzis e as flechas</em>: história de sangue e resistência indígena na ditadura]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01882017000200339&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt RESUMO O artigo examina a trajetória da União Internacional Protetora dos Animais de São Paulo nas primeiras décadas do século XX. Com base em jornais diários publicados no estado e na revista Zoophilo Paulista, editada pela entidade, analisamos suas ações e estratégias discursivas no intuito de sensibilizar a população e o poder público para a necessidade de proteger os animais. No meio urbano em expansão a convivência entre humanos e animais se apresentava como um desafio, exigindo mudanças e adaptações na forma de lidar com os bichos, o que envolvia aspectos sociais, políticos, econômicos e culturais. Nesses termos, pensar os animais foi um importante exercício de reflexão para se questionar a violência humana e os limites da exploração econômica e da ação do homem sobre a natureza.<hr/>ABSTRACT The article examines the trajectory of the International Union for the Protection of Animals of São Paulo in the first decades of the 20th century. Based on daily newspapers published in the state and the magazine Zoophilo Paulista, edited by the organization, we analyze their actions and discursive strategies in order to sensitize the citizens and the government to the need of protect animals. In an expanding urban environment, human-animal coexistence was a challenge, requiring changes and adaptations in the way of dealing with animals, which involved social, political, economic and cultural aspects. In these terms, thinking about animals was important to question human violence, the limits of economic exploitation and of human action on nature.