Scielo RSS <![CDATA[DELTA: Documentação de Estudos em Lingüística Teórica e Aplicada]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=0102-445020030002&lang=en vol. 19 num. 2 lang. en <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[<B>Ambiguity generated for the homonymy</B>: <B>theoretical revisitation, bordering lines with the polisemy and proposal of distinctive criteria</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-44502003000200001&lng=en&nrm=iso&tlng=en O presente trabalho almeja expor o fenômeno da homonímia no português do Brasil, enquanto ambigüidade presente em uma língua natural, por meio de uma revisitação teórica em diversos autores e em confronto com a polissemia. Ademais, pretende-se, além de redefinir conceitualmente a homonímia, propor critérios semânticos distintivos para esse fenômeno lingüístico, tais como a análise sêmica, o campo léxico, o uso de expressões cristalizadas e a ocorrência de traços especificadores.<hr/>This paper is an attempt to describe and to discuss phenomenon of homonymy in Brazilian Portuguese as an ambiguity present in a natural language, by means of a theoretical revisitation to several authors and in confrontation with polisemy. It is also intended, besides conceptually redefining homonymy, to propose distinctive semantic criteria for this linguistic phenomenon, such as the semic analysis, the field lexicon, the use of crystallized expressions and the occurrence of specify features. <![CDATA[<B>The neutralization in portuguese</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-44502003000200002&lng=en&nrm=iso&tlng=en O sistema fonológico do português brasileiro possui duas regras de neutralização em favor da vogal alta e não três, como se vinha postulando. O subsistema assimétrico de quatro vogais da postônica não-final é apenas um efeito de freqüência, pois ambas as vogais médias /e,o/ mostram-se sensíveis ao alçamento. Tudo indica que se trata de expansão do sistema mínimo de três vogais que, em busca da regularização, cria variação entre dois subsistemas, o de cinco e o de três vogais. O artigo desenvolve-se na linha da fonologia não-linear, considerando dados resultantes de análise de regra variável.<hr/>The phonological system of Brazilian Portuguese has two rules of neutralization in favor of high vowels and not three, as it has been postulated. The asymmetrical subsystem of four pos- tonic vowels in non-final position is only an effect of frequency, for both middle vowels /e, o/ are shown to be sensitive to raising. It seems to be a case of expansion of the minimum system of three vowels which, in search of regularization, causes variation between two subsystems, the one with five and the one with three vowels. This paper is developed in the non-linear framework and the data are results of variable rule analysis. <![CDATA[<B>Factive structures: syntactic patterns</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-44502003000200003&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este artigo investiga as propriedades estruturais e semânticas das construções factivas e a relação dessas propriedades com possibilidades de extração. Argumenta-se que a tradicional classificação dessa construção como ilha fraca, ou excepcionalmente como forte, no caso do grego moderno, é insustentável. Tomando-se o ponto comum às estruturas complemento de predicados factivos, a saber, o seu caráter pressuposicional, assume-se que esses predicados selecionam um complemento do tipo [+específico]. A diversificação em relação ao padrão de extração se configura como um reflexo da maneira estrutural como esse requerimento é satisfeito.<hr/>This paper investigates the relationship between structural and semantic properties of factive sentences and the pattern of extraction exhibited. It is argued that a classification as weak or strong island is unfeasible for what has been termed Factive Island. The kinds of structures allowed as factive complements are analyzed as well as their corresponding behavior concerning extraction. The common feature these structures show is their presuppositional character, which is derived from a selection requirement. I assume that factive predicates select a [+ specific] complement. The differences showed concerning extraction constitute a spontaneous effect from the structural way each construction may satisfy this requirement. <![CDATA[<B>Bilingualism and speech</B>: <B>evidences from a study on VOT of english and portuguese voiceless plosives</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-44502003000200004&lng=en&nrm=iso&tlng=en Esta pesquisa investiga o tempo de ataque do vozeamento das oclusivas surdas produzidas por bilíngües de infância falantes do português e inglês, com o intuito de detectar se as diferenças sutis na realização fonética de um contraste fonológico que estão presentes na produção dos monolíngües são reproduzidas na fala desses bilíngües. O corpus foi formado por 3 palavras do português e 3 do inglês gravadas em sentença veículo. As gravações foram submetidas à análise acústica usando-se o CSRE (Canadian Speech Research Environment). Os resultados obtidos indicam que bilíngües de infância não mantêm seus códigos lingüísticos separados. Sua competência lingüística parece basear-se em um sistema reestruturado caracterizado por propriedades articulatórias e acústicas derivadas da interação dos sistemas fonéticos das línguas envolvidas e da interação de outras variáveis tais como idade, background lingüístico da família e do ambiente social preponderante.<hr/>This research investigates early bilinguals' production of voiceless plosives in both English and Portuguese as far as VOT lag is concerned, in order to detect if subtle differences in the phonetic realization of a phonological contrast typical of monolinguals' production is reproduced in their speech. The speech material consisted of 3 Portuguese words and 3 English words in carrier sentences. The recordings were submitted to acoustic analyses using the CSRE (Canadian Speech Research Environment). The results indicate that early bilinguals do not keep their two linguistic codes apart. The data show evidence that their competence is based on a restructured system characterized by acoustics and articulatory properties derived from the interaction of the phonetic systems of the languages involved and of other variables such as age, family and social linguistic background. <![CDATA[<B>"Linguistic" intuitions about sign language in the 18th and 19th centuries, according to the understanding of two deaf writers from that time</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-44502003000200005&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este estudo apresenta e discute algumas concepções "lingüísticas" sobre a língua de sinais circulantes no período que denominamos modernidade a partir, principalmente, de dois textos: de um livro, escrito por um tipógrafo surdo, publicado em Paris em 1779, e de um ensaio assinado por um professor, também surdo, escrito em 1840. O objetivo da presente reflexão é mostrar a similaridade de algumas colocações, realizadas por eles, com certos conceitos e preconceitos ainda existentes sobre o que seja, do ponto de vista lingüístico, o que genericamente se denomina "língua de sinais". Considerações sobre seu papel na educação de pessoas surdas também serão realizadas, e projetadas para o presente, a partir daqueles mesmos textos.<hr/>This paper discusses some "linguistic" conceptions about Sign Language which were current in the Modern Age, based mostly on two texts: one a book written by a deaf typographer and published in Paris in 1779; the other an essay written in 1840 by a deaf professor. Similarities will be shown to hold between their statements and several extant concepts and prejudices about what is generically called "Sign Language" from a linguistic point of view. Based on those same texts, considerations which are pertinent to the present will be made regarding the role of Sign Language in Deaf Education. <![CDATA[Western Linguistics: an historical introduction]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-44502003000200006&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este estudo apresenta e discute algumas concepções "lingüísticas" sobre a língua de sinais circulantes no período que denominamos modernidade a partir, principalmente, de dois textos: de um livro, escrito por um tipógrafo surdo, publicado em Paris em 1779, e de um ensaio assinado por um professor, também surdo, escrito em 1840. O objetivo da presente reflexão é mostrar a similaridade de algumas colocações, realizadas por eles, com certos conceitos e preconceitos ainda existentes sobre o que seja, do ponto de vista lingüístico, o que genericamente se denomina "língua de sinais". Considerações sobre seu papel na educação de pessoas surdas também serão realizadas, e projetadas para o presente, a partir daqueles mesmos textos.<hr/>This paper discusses some "linguistic" conceptions about Sign Language which were current in the Modern Age, based mostly on two texts: one a book written by a deaf typographer and published in Paris in 1779; the other an essay written in 1840 by a deaf professor. Similarities will be shown to hold between their statements and several extant concepts and prejudices about what is generically called "Sign Language" from a linguistic point of view. Based on those same texts, considerations which are pertinent to the present will be made regarding the role of Sign Language in Deaf Education. <![CDATA[Discourse and Social Life]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-44502003000200007&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este estudo apresenta e discute algumas concepções "lingüísticas" sobre a língua de sinais circulantes no período que denominamos modernidade a partir, principalmente, de dois textos: de um livro, escrito por um tipógrafo surdo, publicado em Paris em 1779, e de um ensaio assinado por um professor, também surdo, escrito em 1840. O objetivo da presente reflexão é mostrar a similaridade de algumas colocações, realizadas por eles, com certos conceitos e preconceitos ainda existentes sobre o que seja, do ponto de vista lingüístico, o que genericamente se denomina "língua de sinais". Considerações sobre seu papel na educação de pessoas surdas também serão realizadas, e projetadas para o presente, a partir daqueles mesmos textos.<hr/>This paper discusses some "linguistic" conceptions about Sign Language which were current in the Modern Age, based mostly on two texts: one a book written by a deaf typographer and published in Paris in 1779; the other an essay written in 1840 by a deaf professor. Similarities will be shown to hold between their statements and several extant concepts and prejudices about what is generically called "Sign Language" from a linguistic point of view. Based on those same texts, considerations which are pertinent to the present will be made regarding the role of Sign Language in Deaf Education. <![CDATA[Ensaios sobre as gramáticas do português]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-44502003000200008&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este estudo apresenta e discute algumas concepções "lingüísticas" sobre a língua de sinais circulantes no período que denominamos modernidade a partir, principalmente, de dois textos: de um livro, escrito por um tipógrafo surdo, publicado em Paris em 1779, e de um ensaio assinado por um professor, também surdo, escrito em 1840. O objetivo da presente reflexão é mostrar a similaridade de algumas colocações, realizadas por eles, com certos conceitos e preconceitos ainda existentes sobre o que seja, do ponto de vista lingüístico, o que genericamente se denomina "língua de sinais". Considerações sobre seu papel na educação de pessoas surdas também serão realizadas, e projetadas para o presente, a partir daqueles mesmos textos.<hr/>This paper discusses some "linguistic" conceptions about Sign Language which were current in the Modern Age, based mostly on two texts: one a book written by a deaf typographer and published in Paris in 1779; the other an essay written in 1840 by a deaf professor. Similarities will be shown to hold between their statements and several extant concepts and prejudices about what is generically called "Sign Language" from a linguistic point of view. Based on those same texts, considerations which are pertinent to the present will be made regarding the role of Sign Language in Deaf Education. <![CDATA[Conversas com lingüistas]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-44502003000200009&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este estudo apresenta e discute algumas concepções "lingüísticas" sobre a língua de sinais circulantes no período que denominamos modernidade a partir, principalmente, de dois textos: de um livro, escrito por um tipógrafo surdo, publicado em Paris em 1779, e de um ensaio assinado por um professor, também surdo, escrito em 1840. O objetivo da presente reflexão é mostrar a similaridade de algumas colocações, realizadas por eles, com certos conceitos e preconceitos ainda existentes sobre o que seja, do ponto de vista lingüístico, o que genericamente se denomina "língua de sinais". Considerações sobre seu papel na educação de pessoas surdas também serão realizadas, e projetadas para o presente, a partir daqueles mesmos textos.<hr/>This paper discusses some "linguistic" conceptions about Sign Language which were current in the Modern Age, based mostly on two texts: one a book written by a deaf typographer and published in Paris in 1779; the other an essay written in 1840 by a deaf professor. Similarities will be shown to hold between their statements and several extant concepts and prejudices about what is generically called "Sign Language" from a linguistic point of view. Based on those same texts, considerations which are pertinent to the present will be made regarding the role of Sign Language in Deaf Education. <![CDATA[Professores e formadores em mudança: relato de um processo de reflexão e transformação da prática docente]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-44502003000200010&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este estudo apresenta e discute algumas concepções "lingüísticas" sobre a língua de sinais circulantes no período que denominamos modernidade a partir, principalmente, de dois textos: de um livro, escrito por um tipógrafo surdo, publicado em Paris em 1779, e de um ensaio assinado por um professor, também surdo, escrito em 1840. O objetivo da presente reflexão é mostrar a similaridade de algumas colocações, realizadas por eles, com certos conceitos e preconceitos ainda existentes sobre o que seja, do ponto de vista lingüístico, o que genericamente se denomina "língua de sinais". Considerações sobre seu papel na educação de pessoas surdas também serão realizadas, e projetadas para o presente, a partir daqueles mesmos textos.<hr/>This paper discusses some "linguistic" conceptions about Sign Language which were current in the Modern Age, based mostly on two texts: one a book written by a deaf typographer and published in Paris in 1779; the other an essay written in 1840 by a deaf professor. Similarities will be shown to hold between their statements and several extant concepts and prejudices about what is generically called "Sign Language" from a linguistic point of view. Based on those same texts, considerations which are pertinent to the present will be made regarding the role of Sign Language in Deaf Education. <![CDATA[Por uma lingüística crítica: linguagem, identidade e questão ética]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-44502003000200011&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este estudo apresenta e discute algumas concepções "lingüísticas" sobre a língua de sinais circulantes no período que denominamos modernidade a partir, principalmente, de dois textos: de um livro, escrito por um tipógrafo surdo, publicado em Paris em 1779, e de um ensaio assinado por um professor, também surdo, escrito em 1840. O objetivo da presente reflexão é mostrar a similaridade de algumas colocações, realizadas por eles, com certos conceitos e preconceitos ainda existentes sobre o que seja, do ponto de vista lingüístico, o que genericamente se denomina "língua de sinais". Considerações sobre seu papel na educação de pessoas surdas também serão realizadas, e projetadas para o presente, a partir daqueles mesmos textos.<hr/>This paper discusses some "linguistic" conceptions about Sign Language which were current in the Modern Age, based mostly on two texts: one a book written by a deaf typographer and published in Paris in 1779; the other an essay written in 1840 by a deaf professor. Similarities will be shown to hold between their statements and several extant concepts and prejudices about what is generically called "Sign Language" from a linguistic point of view. Based on those same texts, considerations which are pertinent to the present will be made regarding the role of Sign Language in Deaf Education. <![CDATA[A manipulação da palavra]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-44502003000200012&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este estudo apresenta e discute algumas concepções "lingüísticas" sobre a língua de sinais circulantes no período que denominamos modernidade a partir, principalmente, de dois textos: de um livro, escrito por um tipógrafo surdo, publicado em Paris em 1779, e de um ensaio assinado por um professor, também surdo, escrito em 1840. O objetivo da presente reflexão é mostrar a similaridade de algumas colocações, realizadas por eles, com certos conceitos e preconceitos ainda existentes sobre o que seja, do ponto de vista lingüístico, o que genericamente se denomina "língua de sinais". Considerações sobre seu papel na educação de pessoas surdas também serão realizadas, e projetadas para o presente, a partir daqueles mesmos textos.<hr/>This paper discusses some "linguistic" conceptions about Sign Language which were current in the Modern Age, based mostly on two texts: one a book written by a deaf typographer and published in Paris in 1779; the other an essay written in 1840 by a deaf professor. Similarities will be shown to hold between their statements and several extant concepts and prejudices about what is generically called "Sign Language" from a linguistic point of view. Based on those same texts, considerations which are pertinent to the present will be made regarding the role of Sign Language in Deaf Education. <![CDATA[Aspectos da gramática do português: uma abordagem funcionalista]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-44502003000200013&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este estudo apresenta e discute algumas concepções "lingüísticas" sobre a língua de sinais circulantes no período que denominamos modernidade a partir, principalmente, de dois textos: de um livro, escrito por um tipógrafo surdo, publicado em Paris em 1779, e de um ensaio assinado por um professor, também surdo, escrito em 1840. O objetivo da presente reflexão é mostrar a similaridade de algumas colocações, realizadas por eles, com certos conceitos e preconceitos ainda existentes sobre o que seja, do ponto de vista lingüístico, o que genericamente se denomina "língua de sinais". Considerações sobre seu papel na educação de pessoas surdas também serão realizadas, e projetadas para o presente, a partir daqueles mesmos textos.<hr/>This paper discusses some "linguistic" conceptions about Sign Language which were current in the Modern Age, based mostly on two texts: one a book written by a deaf typographer and published in Paris in 1779; the other an essay written in 1840 by a deaf professor. Similarities will be shown to hold between their statements and several extant concepts and prejudices about what is generically called "Sign Language" from a linguistic point of view. Based on those same texts, considerations which are pertinent to the present will be made regarding the role of Sign Language in Deaf Education. <![CDATA[Convite à leitura de Paulo Freire]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-44502003000200014&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este estudo apresenta e discute algumas concepções "lingüísticas" sobre a língua de sinais circulantes no período que denominamos modernidade a partir, principalmente, de dois textos: de um livro, escrito por um tipógrafo surdo, publicado em Paris em 1779, e de um ensaio assinado por um professor, também surdo, escrito em 1840. O objetivo da presente reflexão é mostrar a similaridade de algumas colocações, realizadas por eles, com certos conceitos e preconceitos ainda existentes sobre o que seja, do ponto de vista lingüístico, o que genericamente se denomina "língua de sinais". Considerações sobre seu papel na educação de pessoas surdas também serão realizadas, e projetadas para o presente, a partir daqueles mesmos textos.<hr/>This paper discusses some "linguistic" conceptions about Sign Language which were current in the Modern Age, based mostly on two texts: one a book written by a deaf typographer and published in Paris in 1779; the other an essay written in 1840 by a deaf professor. Similarities will be shown to hold between their statements and several extant concepts and prejudices about what is generically called "Sign Language" from a linguistic point of view. Based on those same texts, considerations which are pertinent to the present will be made regarding the role of Sign Language in Deaf Education. <![CDATA[Investigando a relação oral/escrito e as teorias do letramento]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-44502003000200015&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este estudo apresenta e discute algumas concepções "lingüísticas" sobre a língua de sinais circulantes no período que denominamos modernidade a partir, principalmente, de dois textos: de um livro, escrito por um tipógrafo surdo, publicado em Paris em 1779, e de um ensaio assinado por um professor, também surdo, escrito em 1840. O objetivo da presente reflexão é mostrar a similaridade de algumas colocações, realizadas por eles, com certos conceitos e preconceitos ainda existentes sobre o que seja, do ponto de vista lingüístico, o que genericamente se denomina "língua de sinais". Considerações sobre seu papel na educação de pessoas surdas também serão realizadas, e projetadas para o presente, a partir daqueles mesmos textos.<hr/>This paper discusses some "linguistic" conceptions about Sign Language which were current in the Modern Age, based mostly on two texts: one a book written by a deaf typographer and published in Paris in 1779; the other an essay written in 1840 by a deaf professor. Similarities will be shown to hold between their statements and several extant concepts and prejudices about what is generically called "Sign Language" from a linguistic point of view. Based on those same texts, considerations which are pertinent to the present will be made regarding the role of Sign Language in Deaf Education. <![CDATA[Português ou Brasileiro? (um convite à pesquisa )]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-44502003000200016&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este estudo apresenta e discute algumas concepções "lingüísticas" sobre a língua de sinais circulantes no período que denominamos modernidade a partir, principalmente, de dois textos: de um livro, escrito por um tipógrafo surdo, publicado em Paris em 1779, e de um ensaio assinado por um professor, também surdo, escrito em 1840. O objetivo da presente reflexão é mostrar a similaridade de algumas colocações, realizadas por eles, com certos conceitos e preconceitos ainda existentes sobre o que seja, do ponto de vista lingüístico, o que genericamente se denomina "língua de sinais". Considerações sobre seu papel na educação de pessoas surdas também serão realizadas, e projetadas para o presente, a partir daqueles mesmos textos.<hr/>This paper discusses some "linguistic" conceptions about Sign Language which were current in the Modern Age, based mostly on two texts: one a book written by a deaf typographer and published in Paris in 1779; the other an essay written in 1840 by a deaf professor. Similarities will be shown to hold between their statements and several extant concepts and prejudices about what is generically called "Sign Language" from a linguistic point of view. Based on those same texts, considerations which are pertinent to the present will be made regarding the role of Sign Language in Deaf Education. <![CDATA[Preconceito lingüístico: o que é, como se faz]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-44502003000200017&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este estudo apresenta e discute algumas concepções "lingüísticas" sobre a língua de sinais circulantes no período que denominamos modernidade a partir, principalmente, de dois textos: de um livro, escrito por um tipógrafo surdo, publicado em Paris em 1779, e de um ensaio assinado por um professor, também surdo, escrito em 1840. O objetivo da presente reflexão é mostrar a similaridade de algumas colocações, realizadas por eles, com certos conceitos e preconceitos ainda existentes sobre o que seja, do ponto de vista lingüístico, o que genericamente se denomina "língua de sinais". Considerações sobre seu papel na educação de pessoas surdas também serão realizadas, e projetadas para o presente, a partir daqueles mesmos textos.<hr/>This paper discusses some "linguistic" conceptions about Sign Language which were current in the Modern Age, based mostly on two texts: one a book written by a deaf typographer and published in Paris in 1779; the other an essay written in 1840 by a deaf professor. Similarities will be shown to hold between their statements and several extant concepts and prejudices about what is generically called "Sign Language" from a linguistic point of view. Based on those same texts, considerations which are pertinent to the present will be made regarding the role of Sign Language in Deaf Education. <![CDATA[Fonologia e Variação: recortes do Português Brasileiro]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-44502003000200018&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este estudo apresenta e discute algumas concepções "lingüísticas" sobre a língua de sinais circulantes no período que denominamos modernidade a partir, principalmente, de dois textos: de um livro, escrito por um tipógrafo surdo, publicado em Paris em 1779, e de um ensaio assinado por um professor, também surdo, escrito em 1840. O objetivo da presente reflexão é mostrar a similaridade de algumas colocações, realizadas por eles, com certos conceitos e preconceitos ainda existentes sobre o que seja, do ponto de vista lingüístico, o que genericamente se denomina "língua de sinais". Considerações sobre seu papel na educação de pessoas surdas também serão realizadas, e projetadas para o presente, a partir daqueles mesmos textos.<hr/>This paper discusses some "linguistic" conceptions about Sign Language which were current in the Modern Age, based mostly on two texts: one a book written by a deaf typographer and published in Paris in 1779; the other an essay written in 1840 by a deaf professor. Similarities will be shown to hold between their statements and several extant concepts and prejudices about what is generically called "Sign Language" from a linguistic point of view. Based on those same texts, considerations which are pertinent to the present will be made regarding the role of Sign Language in Deaf Education. <![CDATA[How different are we? Spoken Discourse in Intercultural Communication]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-44502003000200019&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este estudo apresenta e discute algumas concepções "lingüísticas" sobre a língua de sinais circulantes no período que denominamos modernidade a partir, principalmente, de dois textos: de um livro, escrito por um tipógrafo surdo, publicado em Paris em 1779, e de um ensaio assinado por um professor, também surdo, escrito em 1840. O objetivo da presente reflexão é mostrar a similaridade de algumas colocações, realizadas por eles, com certos conceitos e preconceitos ainda existentes sobre o que seja, do ponto de vista lingüístico, o que genericamente se denomina "língua de sinais". Considerações sobre seu papel na educação de pessoas surdas também serão realizadas, e projetadas para o presente, a partir daqueles mesmos textos.<hr/>This paper discusses some "linguistic" conceptions about Sign Language which were current in the Modern Age, based mostly on two texts: one a book written by a deaf typographer and published in Paris in 1779; the other an essay written in 1840 by a deaf professor. Similarities will be shown to hold between their statements and several extant concepts and prejudices about what is generically called "Sign Language" from a linguistic point of view. Based on those same texts, considerations which are pertinent to the present will be made regarding the role of Sign Language in Deaf Education.