Scielo RSS <![CDATA[Lua Nova: Revista de Cultura e Política]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=0102-644520120001&lang=en vol. num. 85 lang. en <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[<b>Apresentação</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-64452012000100001&lng=en&nrm=iso&tlng=en <![CDATA[<b>Citizenship and black rhetoric for social inclusion</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-64452012000100002&lng=en&nrm=iso&tlng=en A formação das classes sociais brasileiras de certo modo coincidiu com as hierarquias herdadas da colonização: os povos anteriormente conquistados ou escravizados, que passaram a ser definidos por meio da classificação por raças, nesse processo tornaram-se também subalternos. A extensão de direitos iguais para todos os membros da nação se constituiu igualmente de forma peculiar. Neste artigo, eu exploro o modo pelo qual as hierarquias sociais se mantiveram e se reproduziram no contexto em que a liberdade individual foi a base para a formação nacional, assim como a maneira com que os anseios históricos de liberdade cederam lugar, na motivação dos ativistas negros, à igualdade de oportunidades.<hr/>The formation of Brazilian social classes coincided somehow with hierarchies inhered from colonization: the peoples previously conquered and enslaved, who became defined through the classification by race, in that process also became subordinate. The extention of equal rights among the nation's members was constituted in a particular way. In this article I explore how social hierarchies were maintained and reproduced in an ideological context in which the liberty of citizens was the basis for the formation of the modern nation, and how the historical claim for freedom was substituted by equality as political motivation for Black activism. <![CDATA[<b>The black protest in contemporary Brazil (1978-2010)</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-64452012000100003&lng=en&nrm=iso&tlng=en O protesto de rua é, no presente artigo, a unidade analítica privilegiada para o estudo da trajetória política do movimento negro brasileiro contemporâneo. A análise compreende o processo político que vai desde o seu ato inaugural - que abriria as cortinas de um novo ciclo de mobilização no bojo das lutas pela liberação democrática numa sociedade fortemente mobilizada contra a ditadura -, até a institucionalização de suas demandas e lideranças políticas, estas últimas agora agentes da igualdade racial junto ao poder público instituído.<hr/>The street protest is, in this article, the privileged analytical unit to study the political history of Brazilian black movement. The analysis includes the political process since its inaugural act - which would open the curtains of a new cycle of mobilization in the nest of struggles in a democratic society strongly mobilized against dictatorship - to the institucionalization of its demands and its political leaders, who are now agents of the racial equality at the instituted public power. <![CDATA[<b>A family of culture</b>: <b>the Souza Carneiros in Salvador of the early twentieth century</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-64452012000100004&lng=en&nrm=iso&tlng=en A partir de uma etnografia histórica da sociedade baiana de inícios do século XX, o artigo trata da trajetória social e familiar do jornalista, etnógrafo e folclorista Edison de Souza Carneiro (1912-1972). O foco do texto é duplo: de um lado, reconstruir a posição social e política dos Souza Carneiro nos espaços das elites dirigentes de Salvador, atentando-se aos efeitos dessa posição na forma como questões relativas à raça e à negritude da família foram vivenciadas por seus membros, e, de outro, desvelar como estas coordenadas de natureza familiar, política e étnica rebateram nos primeiros experimentos intelectuais de Edison Carneiro, no final de década de 1920.<hr/>Based on an ethnography of the history of the early twentieth century Bahian society, the article addresses the social and familiar trajectory of the journalist, ethnographer, and folklorist Edison de Souza Carneiro (1912-1972). The paper's objectives are twofold: on the one hand, to reconstruct the social and political position of the Souza Carneiro family among the ruling elites of Salvador, especially regarding the effects of their race and blackness in their personal experience, and, on the other hand, to reveal how these familiar, political and ethnic experiences affected the early work of Edison Carneiro in the late 1920s. <![CDATA[<b>Time and melancholy</b>: <b>Republic, modernity and black citizenship in the short story of Astolfo Marques (1876-1918)</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-64452012000100005&lng=en&nrm=iso&tlng=en A história da Proclamação da República na periferia setentrional do Império brasileiro (1822-1889), assim como as especificidades de suas consequências culturais na região, ainda carece de análises mais detalhadas. No Maranhão de fin de siècle, a crise econômica do sistema agroexportador, somada à crise política do trabalho escravo, legou às primeiras décadas do regime republicano uma intensa luta social em torno da definição dos limites da cidadania, na qual a subalternização racial da população negra é um ponto decisivo. O presente trabalho é uma aproximação desses impasses através da obra ficcional do escritor negro maranhense Raul Astolfo Marques (1876-1918). Filho de uma cafusa livre, o autor é fruto da geração de descendentes escravos que se debateu com a fragilidade da liberdade conquistada na Abolição e do formalismo da igualdade outorgada em 15 de Novembro de 1889. Uma parte significativa da sua literatura poderia ser entendida como uma tentativa sistemática de interpretar essas esperanças e frustrações. O tema da República comparece ao longo de toda a sua trajetória intelectual em textos como "Abnegação" (1901), "A última sessão" (1903), "O discurso do Fabrício" (1903), "A opinião da Euzébia" (1904), "De coroa e barrete" (1908) e "Reis republicanos" (1916). Resta dizer que A nova aurora (1913), seu único romance, é inteiramente dedicado à descrição dos primeiros meses de implantação do regime republicano. Na primeira parte do ensaio indagamos quais "versões da história" e episódios significativos orientam a reconstrução ficcional das consequências do 15 de Novembro na periferia do Brasil, focalizando o conto "O discurso do Fabrício" e a crônica "A última sessão". No segundo momento, abordamos o tratamento literário dado pelo autor ao problema da política pública republicana no governo Rodrigues Alves (1902-1906), período auge da ideologia sanitarista no país e com tremendo impacto no Maranhão, devido à eclosão da peste bubônica no início de 1904. Nesse sentido, articulando texto, pré-texto e contexto, visa-se desvendar os caminhos de uma escolha literária orientada por um ambiente cultural cada vez mais insulado e periférico no jogo político oligárquico nacional, de hegemonia paulista e mineira, mas também mediado por relações de dependência socioeconômica e subordinação racial.<hr/>The history of the Republic Proclamation in Northern periphery of the Brazilian Empire (1822-1889), as well as the specificities of its regional cultural consequences still lack more detailed analysis. In Maranhão fin de siècle, the economic crisis of agro-export system added to the slave labor political crisis bequeathed to the republican regime early decades an intense social struggle around the definition of the citizenship boundaries, in which the racial subordination of black people is a crucial point. This paper looks closer to these deadlocks through the fictional work of the black writer Raul Astolfo Marques (1876-1918). Son of a free cafusa, the author is an outgrowth of a generation of slave descendants who have floundered in the fragility of freedom conquered in the formalism of Slave Abolition and equality, granted on November 15, 1889. A significant part of his literature can be understood as a systematic attempt to interpret these hopes and frustrations. The republic subject appears throughout his intellectual career, in writings e.g. "Abnegação" (1901), "A última sessão" (1903), "O discurso do Fabrício" (1903), "A opinião da Euzébia" (1904), "De coroa e barrete" (1908) e "Reis republicanos" (1916). It remains to be said that his only novel A nova aurora (1913) is entirely devoted to the description of the first month of republican regime implementation. In the first part of the present paper, I ask which "versions of history" and significant episodes guide his fictional reconstruction of the November 15th 1889 consequences, focusing the short story "O discurso do Fabrício" and the chronicle "A última sessão". In the second part, I discuss the literary treatment given by the author to the problem of public policy in Rodrigues Alves (1902-1906) republican government, the heyday of sanitation ideology in the country, with tremendous impact in Maranhão due to the outbreak of bubonic plague in early 1904s. In this respect, combining text, pre-text and context, it is intended to unveil the pathways of a literary choice guided by an increasingly insulated and peripheral cultural environment in the oligarchic political game with hegemony of São Paulo and Minas Gerais, but also mediated by dependent socio-economic relations and racial subordination. <![CDATA[<b>Race and political behavior</b>: <b>participation, activism, and resources in Belo Horizonte</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-64452012000100006&lng=en&nrm=iso&tlng=en A discussão sobre raça na política brasileira é mote entre cientistas sociais de diversas perspectivas: seja pelo seu papel na formação do Estado nacional, nos movimentos sociais ou ainda nas políticas públicas voltadas a grupos raciais. Utilizando a abordagem centrada em recursos, argumenta-se que o pertencimento a um grupo racial não afeta de forma substantiva a propensão a atuar politicamente em Belo Horizonte, ao passo que fatores socioeconômicos, como renda e escolaridade, são nitidamente mais relevantes. Esses resultados empíricos, por sua vez, não eliminam o fato de que a abordagem dos recursos apresenta limitações para testar os fatores que levariam à mobilização racialmente orientada no Brasil.<hr/>Social scientists approach the role of race in Brazilian politics from diverse perspectives: its role in the making of the nation-state, social movements, or race-targeted public policies. This paper takes on race as a central issue and looks into race's effect on individual political behavior. Using the resource-based approach as a framework, races does not seem to affect an individual's chance of participating politically in Belo Horizonte, whereas the possession of resources such as income and education substantially increases an individual's likelihood of participation. Despite these findings, it is argued that the resource-based approach has a limited capacity to test all factors that lead to political behavior influenced by racial identity. <![CDATA[<b>Make History, Make Sense</b>: <b>Associação Cultural do Negro (1954-1964)</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-64452012000100007&lng=en&nrm=iso&tlng=en Discutir-se-ão os anos iniciais de atuação da Associação Cultural do Negro, criada por antigos ativistas e intelectuais da imprensa negra paulistana. Naquele perío­do, ela conseguiu promover ações, jornais, livros e atos públicos visando debater o papel do negro na formação da sociedade brasileira, situando-o num lugar alternativo ao da subalternidade imposta pelo fim da escravidão. Foi apoiada por intelectuais, escritores, sociólogos, ativistas (nacionais e estrangeiros) interessados pelos problemas do grupo negro no Brasil e no continente africano, como Florestan Fernandes, Sérgio Milliet, José Mindlin, Henrique Losinkas Alves, Léon Gontran Damas e os intelec­tuais da revista Présence Africaine, entre outros. O interesse do artigo é pensar os alcances e limites dessa associação e suas atividades, pouco refletida pela bibliografia conhecida sobre relações raciais e história de movimentos negros no Brasil.<hr/>It will be discussed the initials years of Associação Cultural do Negro, created by olders activists and intelectuals of black press in São Paulo. During that period, it was able to promote actions, newspapers, books and public events aimed at discussing the role of blacks in the Brazilian society formation, placing it in an alternative place of subordination imposed by the end of slavery. It was supported by intellectuals, writers, sociologists, activists interested in the problems of the black group in Brazil and Africa, as Florestan Fernandes, Sergio Millet, José Mindlin, Henrique Losinkas Alves, Léon Gontran Damas and intellectuals of the journal Présence Africaine, among others. The interest of the paper is to discuss the scope and limits of this association and its activities, not discussed by the literature on race relations and history of black movements in Brazil. <![CDATA[<b>The Brazilian Empire as the true Republic</b>: <b>Joaquim Nabuco's project of a republican monarchy</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-64452012000100008&lng=en&nrm=iso&tlng=en O artigo debruça-se sobre a incompreendida fidelidade à Monarquia por parte de Joaquim Nabuco depois da Abolição da Escravatura, quando ele passou a refletir sobre as condições de possibilidade de construção de uma sociedade republicana liberal no Brasil. Estudando seus escritos monarquistas publicados entre 1888 e 1896, percebe-se que Nabuco permaneceu monarquista por julgar que o advento do regime republicano, na modalidade oligárquica proposta pelo partido homônimo, ao invés de auxiliá-la, prejudicaria o advento de uma sociedade autenticamente republicana, liberal e democrática. Considerações de ordem pragmática levavam-no a ver a Monarquia como um instrumento capaz de mais bem preparar a sociedade brasileira para uma República que fosse além do mero rótulo, sem desnível entre forma e conteúdo, o país legal e o real.<hr/>The article focuses on the misunderstood loyalty to the monarchy by Nabuco after the Abolition of Slavery, when he began to reflect on the conditions of possibility of building a liberal republican society in Brazil. In studying his writings published between 1888 and monarchists 1896, it is clear that Nabuco remained royalist judge by the advent of the republican regime, in the form proposed by the oligarchic party namesake, instead of help it would impair the advent of a truly republican society, liberal and democratic. Pragmatic considerations led him to see the monarchy as a tool to better prepare the Brazilian society to a republic that would go beyond the mere label, with no gap between form and content, the legal and real country.