Scielo RSS <![CDATA[Lua Nova: Revista de Cultura e Política]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=0102-644520190002&lang=pt vol. num. 107 lang. pt <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[Da experiência política clássica à análise de conjuntura]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-64452019000200007&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt <![CDATA[TEORIA POLÍTICA CLÁSSICA: RAMIFICAÇÕES DE GRÉCIA E ROMA]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-64452019000200015&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo Apresenta-se aqui uma reflexão em torno do estatuto da teoria política clássica e dos modos constitutivos dessa mesma reflexão. Dessa perspectiva, é possível conceber a teoria política clássica como uma variada estrutura temática e argumentativa que abarca diversos gêneros e registros discursivos e cuja trama recorrente deve e pode ser reconstruída buscando apreender sua significação contextualizada e os sentidos de sua apropriação atual. Por fim, exemplifica-se essa operação de reconstrução e captação histórico-intelectual com os tópicos tratados pelos artigos que compõem o presente Dossiê.<hr/>Abstract This introductory article proposes a reflection on the status of classical political theory and its constitutive modes of thought. From this perspective, classical political theory is conceived as a heterogeneous thematic and argumentative structure that encompass different genres and levels of discourse, which recurring framework can and ought to be reconstructed aiming to apprehend its contextual meaning and the meaningful relevance of its current appropriations. Finally, such historical and intellectual exercise is exemplified by the different topics that constituted the subject-matter of the articles presented in this monographic study. <![CDATA[A ANTROPOLOGIA DA DEMOCRACIA. O DEMOCRATA NA ORAÇÃO FÚNEBRE DE PÉRICLES]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-64452019000200031&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumen En el presente artículo nos proponemos reflexionar acerca de por qué en la Oración Fúnebre de Pericles la democracia produce individuos cualitativamente superiores a los demás regímenes políticos y cómo son. Y nuestra conclusión es que, dignos sucesores de la herencia de sus antepasados, no sólo multiplicaron la herencia ampliando el imperio, sino transformando también la autoctonía en autarquía y con ella en libertad. A la convicción del esfuerzo como medio de lograr sus objetivos sumaron el valor de la responsabilidad (tanto en su vida pública como en su vida privada, uniendo así la autonomía y la tolerancia personales a la libertad, la igualdad y el mérito públicos) y el del hedonismo, que lograron compatibilizar con el valor y la planificación racional de sus empresas. Finalmente, consideró dignos de recuerdo no sólo los éxitos, sino también los fracasos, esto es, trasladó la moralidad desde el mundo exterior al mundo interior, regido ya por la conciencia.<hr/>Resumo No presente artigo nos propomos refletir acerca do porquê, na Oração Fúnebre de Péricles, a democracia produz indivíduos qualitativamente superiores aos demais regimes políticos. A conclusão é que, como dignos sucessores da herança de seus antepassados, não somente multiplicaram a herança ampliando o império, senão transformando, também, a autoctonia em autarquia e esta em liberdade. À convicção do esforço como meio de alcançar seus objetivos somaram-se o valor da reponsabilidade (tanto em sua vida pública quanto privada, unindo assim a autonomia e a tolerância pessoais à liberdade, à igualdade e ao mérito públicos) e o hedonismo, que buscaram compatibilizar com o valor e a planificação racional de seus empreendimentos. Daí surgiu um indivíduo novo, que sintetizava em sua pessoa ao menos dois dos não democratas e liberava o raio de ação dos valores para reger relações sociais até então desconhecidas. Finalmente, considerou dignos de recordação não somente os êxitos, senão também os fracassos, isto é transladou a moralidade desde o mundo exterior ao mundo interior, regido pela consciência.<hr/>Abstract The article examines the reason why, according to Pericles’ Funeral Oration, democracy produces individuals qualitatively superior to those in other political regimes and what they are like. And our conclusion is that, as worthy successors of the inheritance of their ancestors, they not only multiplied their inheritance by extending the empire, but also by transforming the autochthony into autarchy and, by it, into freedom. To the conviction that effort was the means to achieve their goals they added the value of responsibility (both in their public life and in their private life, thus uniting personal autonomy and tolerance to public liberty, equality and merit) and the value of hedonism, which they managed to combine with the bravery and rational planning of their ventures. Finally, he regarded as worthy of memory not only successes but also failures, that is, he transferred morality from the outside world to the inner world, which was already ruled by conscience. <![CDATA[MAQUIAVEL: A AMBIÇÃO E O DILEMA DAS LEIS AGRÁRIAS]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-64452019000200055&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo O debate sobre as leis agrárias e os limites da propriedade privada colocam em campos opostos partidários da nobreza e da plebe. Os primeiros acusam os proponentes de reformas agrárias de avançarem sobre a propriedade legítima, causando o fim da república romana, enquanto os últimos denunciam o caráter predatório das aquisições à custa do bem público e da liberdade. Este artigo procura mostrar que no capítulo 37, Livro I, dos Discursos sobre a década de Tito Lívio, Nicolau Maquiavel apresenta sua versão dessa controvérsia, adotando o princípio retórico in utramque partem e explorando o dilema gerado pela consideração da ambição nos assuntos humanos, para recusar uma solução mediada entre as duas partes.<hr/>Abstract The debate on agrarian laws and the limits on private landholding puts in opposite fields the supporters of nobility and those of the plebs. The former accuse the reformers of violating legitimate property, and as a result, provoke the end of Roman republic; the latter denounce that their acquisitions destroy the common good and liberty. The article aims at showing that in chapter 37, Discourses on Livy, I, Nicolò Machiavelli presents his own version of that controversy, as he adopts the rhetoric principle of in utramque partem and explores the dilemma produced by the influence of ambition on human condition to refuse a mediate solution between the two parts. <![CDATA[O QUE A AMIZADE (PHILIA) NOS DIZ SOBRE OS FUNDAMENTOS DA DEMOCRACIA? PRESSUPOSTOS DE UMA “DEMOFILIA”]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-64452019000200091&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo Na perspectiva de Aristóteles, a política constitui a continuação da investigação ética. Se for verdade que a philia, ou amizade, ocupa o lugar mais alto de sua ética, é preciso então voltar a atenção do pensamento político para ela. Este artigo tem como objetivo explorar os sentidos da philia formulada na visão paradigmática de Aristóteles. Trata de investigar seu caráter de fundamento da pólis grega, bem como sua afinidade com a democracia antiga. Por último, esboça os sinais recônditos da persistência dos pressupostos da philia na democracia moderna, traçando o que sugerimos como tradição da “demofilia”.<hr/>Abstract According to Aristotle’s perspective, politics constitutes the continuity of research on ethics. If it is a fact that philia or friendship occupies the highest position on his ethics system, therefore it might be essential to turn some attention of the political thought to it. This article aims to explore the meanings of philia formulated upon the paradigmatic view of Aristotle. It seeks to investigate philia’s character as a Greek polis foundation, as well as its affinity with ancient democracy. Finally, it outlines the inmost signs of the persistence of philia’s assumptions in modern democracy, outlining what we suggest as a tradition of “demophilia”. <![CDATA[Maquiavel, pensador trágico]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-64452019000200127&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo O artigo defende que Maquiavel foi um pensador trágico. Após breve introdução sobre os aspectos centrais de uma visão trágica de mundo, apresento, na primeira seção, evidências de que o autor de O Príncipe poderia ter chegado a esta visão a partir das fontes disponíveis no seu contexto intelectual. Entre estas fontes, destaco a recepção do livro De Rerum Natura, de Lucrécio, na Florença renascentista. Na segunda seção, procuro explicitar a visão trágica do cosmos presente nos textos de Maquiavel, com ênfase na sua teoria do encontro (riscontro). Na terceira seção, defendo que diante deste cosmos trágico, Maquiavel coloca-se em favor de uma afirmação trágica, que aposta na virtù mesmo sabendo que seu sucesso depende de um encontro feliz com a Fortuna, que pode acontecer ou não.<hr/>Abstract The article argues that Machiavelli was a tragic thinker. After a brief introduction to the key aspects of a tragic view of the world, I offer, in the first section, evidence that the author of The Prince could have reached this view from the sources available to his intellectual circle. Among these sources, I focus on Lucretius’ book De Rerum Natura, and its reception in Renaissance Florence. In the second section, I show the tragic view of the cosmos in Machiavelli’s texts, with an emphasis on his theory of the encounter (riscontro). In the third section, I argue that faced with this tragic cosmos, Machiavelli defends a tragic affirmation that wagers on virtù, knowing that success depends on a happy encounter with Fortune, which may or may not happen. <![CDATA[LEI, LIBERDADE E DIVERSIDADE DE FINS NO PLURALISMO DE VALORES]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-64452019000200169&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo O artigo analisa a relação entre a ideia de lei e de liberdade no pluralismo de valores. A partir da obra de Isaiah Berlin são apresentadas três concepções de lei: a lei como intervenção arbitrária, a lei como não interferência e a lei como uma intervenção moralmente aceita. A primeira se manifestaria quando a lei força sem motivos justos os sujeitos a uma ação. É esta ideia que fornece sentido à frase de Berlin: “toda lei é uma infração da liberdade”. A segunda corresponde ao enfoque libertarista, que Berlin critica porque destrói a liberdade de escolha. Por último, o artigo aponta que o pluralismo de valores concilia a ideia de lei como uma intervenção com o conceito de liberdade.<hr/>Abstract The article analyzes the relation between the idea of law and freedom in the Value Pluralism. From Isaiah Berlin’s work, the article presents three conceptions of law: the law as arbitrary intervention, the law as non-interference and the law as a morally accepted intervention. The first one occurs when the law unfairly forces the subjects to an action. It is this idea that gives meaning to Berlin´s phrase: “every law is a violation of freedom”. The second one corresponds to the libertarian approach, which Berlin criticizes because it destroys freedom of choice. Finally, the article points out that Value Pluralism reconciles the idea of law as an intervention with the concept of freedom. <![CDATA[A utopia antipolítica de Negri e Hardt]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-64452019000200203&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo Este trabalho tem por objetivo criticar a sociologia e a política de Negri e Hardt. Do ponto de vista sociológico, o exame dos movimentos de captura do comum por mecanismos rentistas do capitalismo tardio sugere ser infundada a aposta dos autores no potencial emancipatório da dinâmica de êxodo supostamente instaurada pela produção comum. Do ponto de vista político, trata-se de interrogar a projeção utópica da multidão como sujeito político revolucionário a quem caberia a tarefa de realizar a democracia absoluta. A fantasia anarquista de Negri e Hardt não apenas repete o purismo de seus predecessores clássicos, como também se mostra inconsciente de que sua materialização redundaria numa espécie de anarcocapitalismo, não no socialismo democrático imaginado pelos autores.<hr/>Abstract Negri and Hardt’s success among the new political activism calls for a critical assessment of their sociology and politics. From a sociological perspective, we shall argue that a critical evaluation of the capture of the commons by late capitalism’s financial mechanisms suggests that the authors’ belief in an emancipatory potential of multitude’s cooperative production is flawed. From a political standpoint, we will examine the assumptions and effects of the utopic projection of the multitude as a revolutionary political subject whose task consists in realizing the “absolute democracy”. The authors’ anarchic fantasy reenacts classic and naive anarchist idea of purity, remaining blind to the fact that its actual realization would pave the way for anarcho-capitalism, rather than the democratic socialism they dreamed of. <![CDATA[PENSAMENTO AO QUADRADO: ROBERTO SCHWARZ E O BRASIL]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-64452019000200235&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo O objetivo deste artigo é analisar a obra (e a trajetória) de Schwarz do ponto de vista da sua abordagem - em suas continuidades e descontinuidades - dos desafios e impasses do pensamento social brasileiro, o qual estaria circunscrito, mesmo nas suas vertentes mais avançadas, como aquela oriunda do “Seminário d’O Capital”, ao horizonte modernizador e industrializante à luz do qual foram pensadas as soluções ao problema da má-formação nacional. Atina-se com a hipótese de que foi a transição precoce das ciências sociais para a crítica literária/cultural, sem renegar a primeira, bem ao contrário, que permitiu a Schwarz forjar uma visão singular da sociedade brasileira, sociedade esta pensada ao quadrado, à maneira adorniana, isto é, divisada através da análise crítica da experiência intelectual e/ou artística da época.<hr/>Abstract The aim of this article is to analyze the work of Schwarz from the point of view of his approach - in its continuities and discontinuities - on the challenges and dilemmas of Brazilian social thought, which would be restricted, even in their most advanced aspects, as the one from the “Seminar of The Capital”, to the horizon of the modernization. It is assumed that it was the early transition of social sciences to literary/cultural critique which allowed Schwarz to build a particular view of the Brazilian society, society squared thought, that is, a view through a critical analysis of the intellectual/artistic experience of the time. <![CDATA[O BRASIL DOS BACHARÉIS: UM DISCURSO LIBERAL UDENISTA]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-64452019000200263&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo Este artigo reconstrói as principais teses e influências intelectuais dos bacharéis udenistas, tratando do pensamento político de personagens como Afonso Arinos, Bilac Pinto, Aliomar Baleeiro, Milton Campos e Prado Kelly. Para a tarefa, são mobilizados escritos jurídicos, memórias, discursos parlamentares e outras reflexões que permitam caracterizar esse pensamento que é voltado à ação, mas que também é expressão de uma visão de mundo transcendente à disputa política mais imediata. O texto se divide em três partes. Na primeira, trata da autoimagem dos bacharéis em oposição à categoria antagônica dos juristas, e distingue dois tipos ideais: os conservadores e os modernizantes. A segunda seção aborda o tipo de liberalismo dos bacharéis, visto como chave para a compreensão das suas trajetórias. Por fim, o trabalho se concentra nos argumentos dos autores sobre as relações entre elites e direito, com o intuito de melhor compreender o sentido da sua missão política e das suas trajetórias ao longo da República de 1946.<hr/>Abstract The article exposes the main arguments and intellectual influences of UDN’s bachelors. In this effort, it presents the political thought of public actors like Afonso Arinos, Bilac Pinto, Aliomar Baleeiro, Milton Campos and Prado Kelly. For this task, it analyses juridical writings, parliamentary speeches, memories and other intellectual writings for a comprehensive view of this thought which is linked to action but is also an expression of a more transcendent worldview. The article is divided in three parts. Firstly, it exposes the self-image of bachelors, opposed to the concept of jurists, and distinguishes two ideal types: the modernizers and the conservatives. The second section argues the relevance of liberal discourse in their political decisions. Finally, the work analyses the relation between elites and law in their arguments, with the purpose of better understand the political mission of these actors and their trajectories during the Republic of 1946.