Scielo RSS <![CDATA[ABCD. Arquivos Brasileiros de Cirurgia Digestiva (São Paulo)]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=0102-672020150002&lang=en vol. 28 num. 2 lang. en <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[Orthoses, prostheses, controls and ethics]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-67202015000200093&lng=en&nrm=iso&tlng=en <![CDATA[Metastatic lymph node ratio, 6th or 7th AJCC edition: witch is the best lymph node classification for esophageal cancer? Prognosis factor analysis in 487 patients]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-67202015000200094&lng=en&nrm=iso&tlng=en BACKGROUND: The esophageal cancer is one of the most common and aggressive worldwide. Recently, the AJCC changed the staging system, considering, among others, the important role of the lymph node metastasis on the prognosis. AIM: To discuss the applicability of different forms of lymph node staging in a western surgical center. METHODS: Four hundred eighty seven patients with esophageal cancer were enrolled. Three staging systems were evaluated, the 6th and the 7th AJCC editions and the Lymph Node Metastatic Ratio. RESULTS: The majority of the cases were squamous cell carcinoma. The mean lymph node sample was eight. Considering the survival, there was no significant difference between the patients when they were classified by the 7th AJCC edition. Analysis of the Lymph Node Metastatic Ratio, just on the group of patients with 0 to 25%, has shown significant difference (p=0,01). The 6th AJCC edition shows the major significant difference between among the classifications evaluated. CONCLUSION: In this specific population, the 7th AJCC edition for esophageal cancer was not able to find differences in survival when just the lymph node analysis was considered. <hr/> RACIONAL: O câncer de esôfago é um dos mais comuns e agressivos que existem. Recentemente o AJCC mudou o sistema de estadiamento, considerando, entre outros fatores, a importância da metástase linfonodal sobre o prognóstico. OBJETIVO: Discutir a aplicabilidade de diferentes formas de estadiamento linfonodal em um serviço de cirurgia ocidental. MÉTODOS: Quatrocentos e oitenta e sete pacientes com câncer de esôfago foram arrolados. Três estadiamentos foram avaliados, a 6a e a 7a Edição do AJCC e o Índice de Metástase Linfonodal. RESULTADOS: A maioria foi casos foi composta por carcinoma epidemóide. A média de amostra linfonodal foi de oito. Considerando a sobrevida, não houve diferença significativa entre os pacientes quando foram classificados pela 7a Edição do AJCC. Analisando o Índice de Metástase linfonodal, apenas o grupo de pacientes com 0-25% mostrou diferença significativa (p=0,01). A 6a Edição do AJCC mostrou a maior diferença entre as classificações avaliadas. CONCLUSÃO: Considerando as características da amostra, a nova classificação do AJCC não foi capaz de evidenciar diferenças significativas na sobrevida dos pacientes, quando apenas o estadiamento linfonodal foi avaliado. <![CDATA[Surgical treatment analysis of idiopathic esophageal achalasia]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-67202015000200098&lng=en&nrm=iso&tlng=en BACKGROUND: Idiopathic esophageal achalasia is an inflammatory disease of unknown origin, characterized by aperistalsis of the esophageal body and failure of the lower esophageal sphincter in response to swallowing, with consequent dysphagia. AIM: To demonstrate the results of surgical therapy in these patients, evaluating the occurred local and systemic complications. METHODS: Were studied retrospectively 32 patients, 22 of whom presented non-advanced stage of the disease (Stage I/II) and 10 with advanced disease (Stage III/IV). All of them had the clinical conditions to be submitted to surgery. The diagnoses were done by clinical, endoscopic, cardiological, radiological and esophageal manometry analysis. Pre-surgical evaluation was done with a questionnaire based on the most predisposing factors in the development of the disease and the surgical indication was based on the stage of the disease. RESULTS: The patients with non-advanced stages were submitted to cardiomyotomy with fundoplication, wherein in the post-surgical early assessment, only one (4,4%) presented pulmonary infection, but had a good outcome. In patients with advanced disease, seven were submitted to esophageal mucosectomy preserving the muscular layer, wherein one patient (14,2%) presented dehiscence of gastric cervical esophagus anastomosis as well as pulmonary infection; all of these complications were resolved with proper specific treatment; the other three patients with advanced stage were submitted to transmediastinal esophagectomy; two of them presented hydropneumothorax with good evolution, and one of them also presented fistula of the cervical esophagogastric anastomosis, but with spontaneous healing after conservative treatment and nutritional support. The two patients with fistula of the cervical anastomosis progressed to stenosis, with good results after endoscopic dilations. In the medium and long term assessment done in 23 patients, all of them reported improvement in life quality, with return to swallowing. CONCLUSION: The strategy proposed for the surgical treatment of idiopathic esophageal achalasia according to the stages of the disease was of great value, due to post-surgical low morbidity complications and proper recovery of swallowing. <hr/> RACIONAL: A acalásia idiopática do esôfago é doença inflamatória de causa desconhecida, caracterizada por aperistalse do corpo do esôfago e falha do relaxamento do esfíncter esofágico inferior em resposta às deglutições, com consequente disfagia. OBJETIVO: Demonstrar os resultados da terapêutica cirúrgica desses pacientes, avaliando suas complicações locais e sistêmicas. MÉTODOS: Foram estudados retrospectivamente 32 pacientes portadores de acalásia idiopática do esôfago, sendo 22 com doença não avançada (Grau I/II) e 10 com doença avançada (Grau III/IV); todos tinham condições clínicas de serem submetidos à terapêutica cirúrgica. O diagnóstico foi realizado por meio de análise clínica, endoscópica, cardiológica, radiológica e manométrica. Foi realizada avaliação pré-operatória com questionário baseado nos fatores mais predisponentes ao desenvolvimento da doença, e a indicação da técnica cirúrgica foi baseada no grau da lesão. RESULTADOS: Os pacientes com doença não avançada foram submetidos à cardiomiotomia com fundoplicatura, sendo que na avaliação precoce do pós-operatorio apenas um deles (4,4%) apresentou infecção pulmonar, mas com boa evolução. Os pacientes com doença avançada em sete foi realizada a mucosectomia esofágica com conservação da túnica muscular, sendo que um paciente (14,2%) apresentou deiscência da anastomose esofagogástrica cervical e também infecção pulmonar, tendo ambas complicações sido resolvidas com tratamento específico; os outros três com doença avançada foram submetidos à esofagectomia transmediastinal, sendo que dois apresentaram hidropneumotórax, com boa evolução; um destes pacientes também apresentou fistula da anastomose esofagogástrica cervical, mas com fechamento espontâneo após tratamento conservador e suporte nutricional. Os dois pacientes que apresentaram fistula da anastomose cervical, evoluíram com estenose, mas com boa evolução após dilatações endoscópicas. Na avaliação a médio e longo prazos realizada em 23 pacientes, todos relataram acentuada melhora na qualidade de vida com retorno da deglutição. CONCLUSÃO: O tratamento cirúrgico proposto da acalásia idiopática do esôfago de acordo com grau da doença foi de grande valia, devido às complicações pós-operatórias presentes serem de baixa morbidade, além de proporcionar retorno adequado da deglutição. <![CDATA[Israeli Arabs develop diverticulitis at a younger age and are more likely to require surgery than Jews]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-67202015000200102&lng=en&nrm=iso&tlng=en BACKGROUND: Only few studies have examined the impact of racial differences on the age of onset, course and outcomes of diverticulitis. AIM: To provide data about the epidemiology of diverticulitis in northern Israel, and to determine whether ethnicity is a predictor of age of onset, complications, and need for surgery. METHODS: Was conducted a retrospective review of the charts of all patients diagnosed with a first episode of diverticulitis in our hospital between 2005 and 2012. RESULTS: Were found 638 patients with a first episode of acute diverticulitis in the eight year interval. Israeli Arabs developed a first episode of diverticulitis at a younger age compared to Jews (51.2 vs 63.8 years, p&lt;0.01). Arabs living in rural areas developed diverticulitis at a younger age than Arabs living in urban centers (49.4 vs 54.5 years, P=0.03). Jewish and Arabic men developed diverticulitis at younger age compared to their female counterparts (59.9 vs 66.09, p&lt;0.01, and 47.31 vs 56.93, p&lt;0.01, respectively). Arabs were more likely [odds ratio (OR)=1.81 ,95% confidence interval (CI)1.12-2.90, p=0.017] than Jews to require surgical treatment (urgent or elective) for diverticulitis. CONCLUSIONS: Israeli Arabs tend to develop diverticulitis at a younger age and are more likely to require surgical treatment for diverticulitis compared to Jews. Arabs living in rural areas develop diverticulitis at a younger age than Arabs living in urban centers. These findings highlight a need to address the root cause for ethnic differences in onset, course and outcome of acute diverticulitis. <hr/> RACIONAL: Somente poucos estudos examinaram o impacto das diferenças raciais na idade de início, curso e os resultados da diverticulite. OBJETIVO: Fornecer dados sobre a epidemiologia da diverticulite no norte de Israel, e determinar se a etnia é preditor de idade de início, complicações e necessidade de tratamento cirúrgico. MÉTODOS: Foi realizado estudo retrospectivo dos prontuários de todos os pacientes diagnosticados com um primeiro episódio de diverticulite em nosso hospital entre 2005 e 2012. RESULTADOS: Foram encontrados 638 pacientes com um primeiro episódio de diverticulite aguda no intervalo de oito anos. Os árabes israelenses desenvolveram o primeiro episódio de diverticulite em idade mais jovem em comparação com os judeus (51,2 vs 63,8 anos, p&lt;0,01). Árabes que vivem em áreas rurais a diverticulite foi desenvolvida em idade mais jovem do que os árabes que vivem em centros urbanos (49,4 vs 54,5 anos, p=0,03). Homens judeus e árabes desenvolveram diverticulite em idade mais jovem em comparação com os seus homólogos do sexo feminino (59,9 vs 66,09, p&lt;0,01, e 47,31 vs 56,93, p&lt;0,01, respectivamente). Os árabes eram mais prováveis ​​do que os judeus de necessitar de tratamento cirúrgico (urgência ou eletiva) para a diverticulite [odds ratio (OR)=1,81, intervalo de confiança de 95% (CI) 1,12-2,90, p=0,017]. CONCLUSÕES: Os árabes israelenses tendem a desenvolver diverticulite em idade mais jovem e são mais propensos a necessitar de tratamento cirúrgico para a diverticulite em comparação com os judeus. Árabes que vivem em áreas rurais desenvolvem diverticulite em idade mais jovem do que os árabes que vivem em centros urbanos. Estes resultados destacam a necessidade de abordar a causa raiz para diferenças étnicas em início, o curso e o resultado da diverticulite aguda. <![CDATA[Adequate lymphadenectomy for colorectal cancer: a comparative analysis between open and laparoscopic surgery]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-67202015000200105&lng=en&nrm=iso&tlng=en BACKGROUND: In the surgical treatment of colorectal cancer, a lymphadenectomy is considered adequate when at least 12 lymph nodes are removed. AIM: To evaluate whether videolaparoscopic surgery positively affects the rates of adequate lymphadenectomy. METHODS: An observational study was conducted with patients undergoing either open or videolaparoscopic surgery for colorectal cancer between 2008 and 2013. The following variables were collected: gender, age, tumor site, histology, degree of differentiation, tumor stage, number of lymph nodes removed, and number of lymph nodes affected by the disease. RESULTS: A total of 62 patients with colorectal cancer were included; 42 (67.7%) received open surgery, and 20 (32.3%) laparoscopic surgery. Regarding lymphadenectomy, a mean of 13 lymph nodes (95% CI: 10-16) were removed in the group that received open surgery, while 19 lymph nodes were removed (95% CI: 14-24) in the laparoscopic surgery group (p=0.021). Adequate lymphadenectomy (removal of at least 12 lymph nodes) was achieved in 58.1% of the total cases, in 50.0% of the patients who received open surgery, and in 75% of those who received laparoscopic surgery. Non-elderly patients and those with an advanced disease stage were more likely to receive an adequate lymphadenectomy (p=0.004 and p=0.035, respectively). CONCLUSION: Disease stage and patient age were the factors that had the greatest influence on achieving an adequate lymphadenectomy. The type of surgery did not affect the number of lymph nodes removed. <hr/> RACIONAL: No tratamento cirúrgico do câncer colorretal, a linfadenectomia é considerada adequada quando pelo menos 12 linfonodos são removidos. OBJETIVO: Avaliar se a operação videolaparoscópica afeta positivamente as taxas de linfadenectomia adequada. MÉTODOS: Estudo observacional foi realizado com pacientes submetidos à operação aberta ou videolaparoscópica para câncer colorretal entre 2008 e 2013. As seguintes variáveis ​​foram coletadas: gênero, idade, localização do tumor, histologia, grau de diferenciação, estágio do tumor, número de linfonodos removidos , e número de nódulos linfáticos afetados pela doença. RESULTADOS: Um total de 62 pacientes com câncer colorretal foram incluídos; 42 (67,7%) receberam operação aberta e 20 (32,3%) laparoscópica. Quanto à linfadenectomia, média de 13 nódulos linfáticos (95% CI: 10-16) foram removidos no grupo que recebeu a operação aberta, enquanto 19 linfonodos foram removidos (IC 95%: 14-24) no grupo laparoscópico (p=0,021). Linfadenectomia adequada (remoção de, pelo menos, 12 nódulos linfáticos) foi obtida em 58,1% dos casos no total, em 50,0% dos pacientes que receberam a operação aberta, e em 75% dos que receberam a laparoscópica. Pacientes não idosos e aqueles com estágio avançado da doença eram mais propensos a receber linfadenectomia adequada (p=0,004 e p=0,035, respectivamente). CONCLUSÃO: O estágio da doença e a idade do paciente foram os fatores que tiveram a maior influência sobre a realização de linfadenectomia adequada. O tipo de procedimento cirúrgico não afetou o número de linfonodos removidos. <![CDATA[Predictor factors for choledocholithiasis]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-67202015000200109&lng=en&nrm=iso&tlng=en BACKGROUND: The choledocolithiasis has an incidence of 8-20% in patients with cholecystolithiasis. The preoperative diagnosis guides the interventional treatment on the bile duct AIM: To evaluate the sensitivity and specificity of the laboratory markers and imaging studies for choledocholithiasis preoperatively. METHODS: The study comprised 254 patients divided into two groups: the control group (207 patients), patients without choledocholithiasis intraoperatively and cases group (47 patients), that enrolled the patients with choledocholithiasis intra-operatively. Were evaluated the laboratory markers, image exams and intra-operative diagnostic aspects. RESULTS: The sample was homogeneous for age and gender. It was observed that 47% of the cases the patients did not show comorbidities. Hospitalization showes in cases group acute pancreatitis in12.8%, jaundice in 30%, fever in 30% and pain in the right hypochondrium in 95%. By comparing them, was observed that fever and jaundice were the signs and symptoms with statistical significance. Patients with choledocholithiasis had transaminases, alkaline phosphatase, gamma-glutamyl transferase and higher bilirubin with statistical significance (p&lt;0.001). In regard to imaging studies, ultrasound was fairly accurate for cholelithiasis and choledocholithiasis (p&lt;0.001). CONCLUSION: Changes in canalicular and transaminase enzymes are suggestive for preoperative choledocholithiasis; GGT showed better sensitivity and alkaline phosphatase greater specificity; ultrasonography and nuclear magnetic resonance cholangiopancreatography showed high specificity. <hr/> RACIONAL: A coledocolitíase tem incidência de 8-20% em pacientes com colecistolitíase. O diagnóstico pré-operatório orienta o tratamento intervencionista sobre a via biliar OBJETIVO: Avaliar a sensibilidade e especificidade dos marcadores laboratoriais e exames de imagem para coledocolitíase no pré-operatório. MÉTODO: Total de 254 pacientes foi dividido em dois grupos: grupo controle (207 pacientes) com os pacientes que não apresentaram coledocolitíase no intra-operatório e o grupo casos (47 pacientes), que foram os que apresentaram coledocolitíase no intra-operatório. Foram avaliados os marcadores laboratoriais, exames de imagem (ultrassonografia e colangiorresonância) e conclusão intra-operatória para diagnóstico. RESULTADOS: A amostra foi homogênea para sexo e idade. Foi observado que no grupo casos 47% dos pacientes não apresentaram comorbidades. Quanto ao motivo de internação observou-se no grupo casos que 12,8% apresentavam pancreatite aguda, 30% icterícia, 30% febre e 95% dor em hipocôndrio direito. Ao comparar os grupos observou-se que febre e icterícia foram o sinal e sintoma com relevância estatística. Os pacientes com coledocolitíase apresentaram transaminases, fosfatase alcalina, gama-glutamil transferase e bilirrubinas mais elevadas com significância estatística (p&lt;0,001). Em relação aos exames de imagem, observou-se que a ultrassonografia demonstrou boa acurácia para colecistolitíase e coledocolitíase (p&lt;0,001) . CONCLUSÃO: As alterações das enzimas canaliculares e transaminases são sugestivas para investigação pré-operatória de coledocolitíase, sendo que a GGT apresentou melhor sensibilidade e a fosfatase alcalina maior especificidade. A ultrassonografia e a colangioressonância nuclear magnética apresentaram alta especificidade. <![CDATA[Prevalence of gallstones in 1,229 patients submitted to surgical laparoscopic treatment of GERD and esophageal achalasia: associated cholecystectomy was a safe procedure]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-67202015000200113&lng=en&nrm=iso&tlng=en BACKGROUND: Association between esophageal achalasia/ gastroesophageal reflux disease (GERD) and cholelithiasis is not clear. Epidemiological data are controversial due to different methodologies applied, the regional differences and the number of patients involved. Results of concomitant cholecistectomy associated to surgical treatment of both diseases regarding safety is poorly understood. AIM: To analyze the prevalence of cholelithiasis in patients with esophageal achalasia and gastroesophageal reflux submitted to cardiomyotomy or fundoplication. Also, to evaluate the safety of concomitant cholecistectomy. METHODS: Retrospective analysis of 1410 patients operated from 2000 to 2013. They were divided into two groups: patients with GERD submitted to laparocopic hiatoplasty plus Nissen fundoplication and patients with esophageal achalasia to laparoscopic cardiomyotomy plus partial fundoplication. It was collected epidemiological data, specific diagnosis and subgroups, the presence or absence of gallstones, surgical procedure, operative and clinical complications and mortality. All groups/subgroups were compared. RESULTS: From 1,229 patients with GERD or esophageal achalasia, submitted to laparoscopic cardiomyotomy or fundoplication, 138 (11.43%) had cholelitiasis, occurring more in females (2.38:1) with mean age of 50,27 years old. In 604 patients with GERD, 79 (13,08%) had cholelitiasis. Lower prevalence occurred in Barrett's esophagus patients 7/105 (6.67%) (p=0.037). In 625 with esophageal achalasia, 59 (9.44%) had cholelitiasis, with no difference between chagasic and idiopathic forms (p=0.677). Complications of patients with or without cholecystectomy were similar in fundoplication and cardiomyotomy (p=0.78 and p=1.00).There was no mortality or complications related to cholecystectomy in this series. CONCLUSIONS: Prevalence of cholelithiasis was higher in patients submitted to fundoplication (GERD). Patients with chagasic or idiopatic forms of achalasia had the same prevalence of cholelithiasis. Gallstones occurred more in GERD patients without Barrett's esophagus. Simultaneous laparoscopic cholecystectomy was proved safe. <hr/> RACIONAL: São controversas as relações entre megaesôfago e doença do refluxo gastroesofágico (DRGE) com colelitíase, especialmente a forma mais adequada de conduzir pacientes com ambas. Dados epidemiológicos são díspares devido às diversas metodologias aplicadas, às diferenças regionais e à quantidade de pacientes envolvidos. OBJETIVO: Estudar a prevalência de colelitíase em pacientes submetidos às operações de refluxo gastroesofágico e megaesôfago (chagásicos ou não) e a segurança da colecistectomia estar associada. MÉTODO: Análise retrospectiva de 1410 pacientes operados entre 2000 e 2013. Eles foram divididos em dois grupos: os com DRGE e operados por hiatoplastia/fundoplicatura a Nissen laparoscópicas e os com acalásia por cardiomiotomia e fundoplicatura parcial laparoscópicas. Foram coletados dados epidemiológicos, diagnóstico, a presença ou não de litiase biliar, tratamento cirúrgico efetuado, complicações clínicas ou cirúrgicas e mortalidade. Todos os grupos e subgrupos foram comparados. RESULTADOS: Foram estudados 1229 pacientes portadores de megaesôfago e/ou DRGE, operados por fundoplicatura com hiatoplastia, nos casos de DRGE, e cardiomiectomia com fundoplicatura, nos casos de megaesôfago, no período de 2000 a 2013, verificando-se presença de colelítiase ou colecistectomia prévia. A colelítiase ocorreu mais no sexo feminino (2,38:1) e na faixa etária entre os 50 e 70 anos. A prevalência global foi de 11,43%; 13,08% na DRGE, menor nos portadores de esôfago de Barrett (6,67%) sendo a diferença significativa (p=0,037); e 9,44% no megaesôfago, não havendo diferença significativa entre os chagásicos e os idiopáticos (p=0,677). Não houve mortalidade ou complicações relacionadas à colecistectomia nesta série. CONCLUSÕES: A prevalência de colelitíase é maior nos pacientes com DRGE do que nos com megaesôfago. Não há diferenças na prevalência de colelitíase nos pacientes com megaesôfago chagásico e não chagásico. É mais frequente litíase biliar nos pacientes sem esôfago de Barrett em relação portadores. A colecistectomia videolaparoscópica simultânea se mostrou-se segura. <![CDATA[Transanal minimally invasive surgery for total mesorectal excision (ETM) through transanal approach (TaETM) with robotic and Transanal Endoscopic Operations (TEO) combined access: step by step surgery]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-67202015000200117&lng=en&nrm=iso&tlng=en RATIONAL: In the treatment of colorectal cancer, from 1982 Heald proposed standardization of the total mesorectal excision, with a significant reduction in the recurrence rate. But the treatment of lower rectal lesions is still a challenge. AIM: To describe the association of robotic low anterior resection- TATA (Transanal Abdominal Transanal Resection), with transanal access using Transanal Endoscopic Operations - TEO in the treatment of lower rectal cancer. METHOD: The TATA performs robotic abdominal approach and the TEO performs the perineal approach, developing total mesorectal excision (TME) transanally (TaETM). RESULT: The TaETM technique was applied in a woman with rectal adenocarcinoma 5 cm from the anal verge that had been submitted to chemoradiation. The procedure was performed with satisfatory operative time and favorable oncological outcome (grade 3 mesorectal excision). CONCLUSION: This is a promising minimally invasive procedure in the armamentarium of rectal cancer treatment, specially in challenging scenarios such as narrow pelvis, obesity and very low rectal tumors. <hr/> RACIONAL: No tratamento do câncer colorretal, a partir de 1982 Heald propôs padronização da excisão total do mesorreto, com redução importante no índice de recidivas. Apesar disso, o tratamento das lesões do reto inferior ainda permanecem um desafio. OBJETIVO: Descrever a associação da abordagem robótica por via abdominal - TATA (Transanal Abdominal Transanal Resection), com o acesso transanal utilizando o Transanal Endoscopic Operations - TEO no tratamento do câncer de reto inferior. MÉTODO: A TATA realiza o tempo abdominal por robótica e o TEO o tempo perineal, desenvolvendo a excisão total do mesorreto (ETM) por via transanal (TaETM). RESULTADO: A técnica TaETM foi aplicada em mulher com adenocarcinoma de reto a 5 cm da margem anal que tinha sido submetida à radioquimioterapia. O procedimento foi realizado com um tempo cirúrgico satisfatório bem como resultado oncológico favorável (ressecção mesorretal grau 3). Paciente obteve alta no segundo dia pós-operatório com seguimento ambulatorial satisfatório. CONCLUSÃO: Trata-se de um procedimento minimamente invasivo bastante promissor no arsenal terapêutico do câncer de reto, principalmente em situações de maior dificuldade técnica como pelve estreita, obesidade e lesões do reto distal. <![CDATA[Laparoscopic totally extraperitoneal (TEP) hernioplasty using two trocars: anatomical landmarks and surgical technique]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-67202015000200121&lng=en&nrm=iso&tlng=en BACKGROUND: Among endoscopic hernioplasties, totally extraperitoneal (TEP) and transabdominal preperitoneal (TAPP) approach are widely accepted alternatives to open surgery, both providing less postoperative pain, hospital length of stay and early return to work. Classical TEP technique requires three skin incisions for placement of three trocars in the midline or in triangulation. AIM: To describe a technique using only two trocars for laparoscopic total extraperitoneal for inguinal hernia repair. METHOD: Extraperitoneal access: place two regular trocars on the midline. The 10 mm is inserted into the subcutaneous in horizontal direction after a transverse infra-umbilical incision and then elevated at 60º angle. The 5 mm trocar is inserted at the same level of the pubis with direct vision. Preperitoneal space dissection: introduction 0º optical laparoscope through the infra-umbilical incision for visualization and preperitoneal dissection; insufflation pressure must be below 12 mmHg. Dissection of some anatomical landmarks: pubic bone, arcuate line and inferior epigastric vessels. Exposure of "triangle of pain" and "triangle of doom". Insertion through the 10 mm trocar polypropylene mesh of 10x15 cm to cover the hernia sites. Peritoneal sac and the dorsal edge of the mesh are repositioned in order to avoid bending or mesh displacement. It is also important to remember that the drainage is not necessary. RESULTS: The 2-port TEP required less financial costs than usual because it is not necessary an auxiliary surgeon to perform the technique. Trocars, suturing material and wound dressing were spared in comparison to the classical technique. Besides, there were only two incisions, which provides a better plastic result and less postoperative pain. CONCLUSION: The TEP technique using two trocars is an alternative technique which improves cosmetic and financial outcomes. <hr/> RACIONAL: Dentre as correções endoscópicas das hérnias, as abordagens totalmente extraperitoneal (TEP) e transabdominal pré-peritoneal (TAPP) são amplamente aceitas como alternativas à operação aberta, fornecendo menos dor no período pós-operatório, menor tempo de permanência hospitalar e retorno precoce ao trabalho. A técnica TEP clássica requer três incisões na pele para a colocação de três trocárteres na linha média ou em triangulação. OBJETIVO: Descrever uma técnica utilizando apenas dois trocárteres para hernioplastia laparoscópica totalmente extraperitoneal (TEP). MÉTODO: Acesso extraperitoneal: são inseridos dois trocárteres sobre a linha média; um de 10 mm é inserido no subcutâneo em direção horizontal após incisão infra-umbilical transversal e, em seguida, elevado ao ângulo de 60°; outro de 5 mm é inserido ao nível do pubis com visão direta. Tempos operatórios: 1) dissecção do espaço preperitoneal: introdução da ótica laparoscópica de 0º através da incisão infra-umbilical para visualização e dissecção pré-peritoneal; pressão de insuflação inferior a 12 mmHg; 2) Dissecção de alguns reparos anatômicos: pubis, linha arqueada e vasos epigástricos inferiores; 3) reconhecimento do "triângulo da dor" e "triângulo do desastre"; 4) Inserção através do trocáter de 10 mm de tela de polipropileno de 10x15 cm para cobrir o sitio da hérnia; 5) Reposicionamento do peritônio e da borda dorsal da tela para evitar dobras ou deslocamento da tela. Não é necessária a drenagem. RESULTADOS: Esta técnica foi utilizada em nove pacientes e apresentou bom resultado sem necessidade de um cirurgião auxiliar para executá-la, apenas dois trocáteres, menos material de sutura e de curativos. Além disso, exigiu apenas duas incisões, o que proporcionou melhor resultado estético e menor dor no período pós-operatório. CONCLUSÃO: A técnica proposta utilizando dois trocárteres é uma alternativa viável, com melhora dos resultados cosméticos e financeiros. <![CDATA[Profile of patients with gastrointestinal stromal tumors (GIST)]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-67202015000200124&lng=en&nrm=iso&tlng=en BACKGROUND: There is an improvement on the GIST treatment in last decade due to biomolecular research and adjuvant therapy with tyrosine kinases inibitors. However, both modalities of treatment rarely are available in Brazilian public hospital. AIM: Evaluate GIST patients profile in public oncologic hospital. METHODS: A retrospective study was made on patients with GIST diagnosed and treated between 2001 and 2013. RESULTS: Sixty-nine patients were included, mean age 59 years with slight predominance in females (51%). The main symptom was abdominal pain associated with incidental imaging finding. The occurrence of other associated neoplasm was in 28.8% of cases. The positivity of CD117 was 97.1%. The most frequent location was the stomach in 55.1% of cases. The R0 resection was possible in 63.8% and the recurrence rate was 20.3 %, with liver and peritoneum the main affected sites. Overall survival in the whole sample was 71%. Free survival rate of disease was 64%. The use of imatinib was limited to patients with residual disease (unresectable disease, R2 and R1 resection), metastatic disease or recurrence. CONCLUSION: In order to improve GIST treatment is necessary to add the biomolecular analysis to risk stratification. However, for this to occur, incentive in biomolecular research is required, to increase the possibility of patient survival. <hr/> RACIONAL: O tratamento do GIST tem se aprimorado muito na última década através das pesquisas biomoleculares e o uso adjuvante dos inibidores das tirosinas quinases. Entretanto, nos hospitais públicos brasileiros nem sempre são disponíveis tais ferramentas. OBJETIVO: Avaliar o perfil dos pacientes portadores de GIST em hospital público oncológico. MÉTODOS: Análise retrospectiva de todos os casos de GIST tratados no período de 2001 a 2013. RESULTADOS: Analisaram-se 69 pacientes, com média de idade de 59 anos e com discreto predomínio no sexo feminino (51%). A principal forma de apresentação clínica foi dor abdominal associada com achado de exame de imagem. A ocorrência de outra neoplasia associada foi de 28,8%. A positividade do CD117 foi de 97,1%. A localização mais frequente foi o estômago em 55,1%. A ressecção R0 foi possível em 63,8% dos casos e a taxa de recidiva foi de 20,3%, sendo fígado e peritôneo os sítios principais acometidos. A sobrevida global na amostra toda foi de 71%. A taxa de sobrevida livre de doença foi de 64%. A utilização do imatinibe ficou restrita aos pacientes com doença residual (ressecção R2, R1 ou metastáticos), irressecáveis ou com recidiva. CONCLUSÃO: Afim de aprimorar o tratamento do GIST é necessário acrescentar a análise biomolecular à estratificação de risco. Porém, para que isto ocorra, políticas de incentivo e fomento na pesquisa biomolecular são necessárias, ampliando a possibilidade de sobrevida dos pacientes. <![CDATA[Anatomical basis for the intrahepatic glissonian approach during hepatectomies]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-67202015000200128&lng=en&nrm=iso&tlng=en BACKGROUND: Anatomical liver resections are based on some basic technical principles such as vascular control, ischemic area delineation to be resected and maximum parenchymal preservation. These aspects are achieved by the intrahepatic glissonian approach, which consists in accessing the pedicles of hepatic segments within the hepatic parenchyma. Small incisions on well-defined anatomical landmarks are performed to approach the pedicles, making dissection of the hilar plate unnecessary. AIM: Analyze parameters in liver anatomy related to intrahepatic surgical technique to glissonians pedicles, to set the normal anatomy related to the procedure and thereby facilitate the attainment of this technique. METHODS: Anatomical parameters related to the intrahepatic glissonian approach were studied in 37 cadavers. Measurements were performed with precision instruments. Data were expressed as mean±standard deviation. The subjects were divided into groups according to gender and liver weight and groups were compared statistically. RESULTS: Twenty-five cadavers were male and 12 female. No statistically significant difference was observed in virtually all parameters when groups were compared. This demonstrates the consistency of the anatomical parameters related to the intrahepatic glissonian approach. CONCLUSION: The results obtained in this study made possible major technical advances in the realization of open and laparoscopic hepatectomies with intrahepatic glissonian approach, and can help surgeons to perform liver resections by this method. <hr/> RACIONAL: Ressecções hepáticas anatômicas são baseadas em alguns princípios técnicos básicos, como o controle vascular, delimitação de área isquêmica a ser ressecada e máxima preservação do parênquima. Isto pode ser obtido pelo acesso intra-hepático aos pedículos glissonianos, que consiste em controle dos pedículos dos segmentos dentro do parênquima hepático. Pequenas incisões ao redor da placa hilar, em marcos anatômicos bem definidos, são utilizadas para acesso aos pedículos, tornando desnecessária a dissecção do hilo hepático. OBJETIVO: Analisar parâmetros da anatomia do fígado relacionada com a técnica cirúrgica da abordagem intra-hepática aos pedículos glissonianos, para definir a anatomia normal relacionada ao procedimento e, assim, facilitar a realização desta técnica. MÉTODOS: Parâmetros anatômicos relacionados à abordagem intra-hepática aos pedículos glissonianos foram estudados em 37 cadáveres. As medições foram realizadas com instrumentos de precisão. Os dados foram expressos em média±desvio-padrão. Os indivíduos foram divididos em grupos de acordo com o sexo e peso do fígado e os grupos foram comparados estatisticamente. RESULTADOS: Vinte e cinco cadáveres eram do sexo masculino e 12 do feminino. Não houve diferença estatisticamente significativa em praticamente todos os parâmetros quando os grupos foram comparados. Isto demonstra a consistência dos parâmetros anatômicos relacionadas com a técnica intra-hepática de acesso glissoniano. CONCLUSÃO: Os resultados obtidos neste estudo possibilitaram grandes avanços técnicos na realização de hepatectomias abertas e laparoscópicas com abordagem intra-hepática aos pedículos glissonianos, e pode ajudar cirurgiões a realizar procedimentos seguros e eficazes por este método. <![CDATA[Lipid profile in cirrhotic patients and its relation to clinical outcome]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-67202015000200132&lng=en&nrm=iso&tlng=en BACKGROUND: Carriers of hepatitis C virus have lower levels of total cholesterol, high density lipoprotein-cholesterol, low density lipoprotein- cholesterol and triglycerides compared to uninfected patients. With the progression of liver disease, the values ​​for cholesterol and its fractions reduce linearly, with reduction ratio of lipid profile and markers Child-Pugh and MELD. AIM: To determine the relationship between decrease dlipid profile with clinical outcome presented (liver transplantation or death pre-transplant). METHODS: Was conducted a cross sectional analytical study of a follow-up study performed by reviewing medical records. Cirrhotic patients treated at theClinic of Gastroenterology from a large tertiary hospital with cirrhosis of viral etiology and/or alcohol were studied. The clinical characteristics (gender, age and etiology of cirrhosis) and lipid profile data from150 patients were collected in the year 2010.To analyze the occurrence of clinical outcomes (liver transplantation or death pre-transplant) patients were evaluated after four years. RESULTS: The prevalent cause was hepatitis C virus (53,3%), followed by alcohol (32%) and hepatitis C and alcohol (14,6%). Males represented 62% of the sample and the average age was 63.1±9.11 years. The prevalent lipid changes were hypocholesterolemia associated with hypotriglyceridemia (36,6%) and isolated hypocholesterolemia (34,6%). Analyzing groups of patients that showed abnormalities related to lipid profile, was identified a significant association between isolated hypocholesterolemia and clinical outcome-liver transplant(p &lt;0.025) and 18% probability of performing liver transplantation in this group of patients. There was no association between decreased lipid profile and death. CONCLUSION: Isolated hypocholesterolemia contributes to assess the progression of liver disease, because of the association between lowering cholesterol and its fractions and the clinical outcome - liver transplant <hr/> RACIONAL: Portadores do vírus da hepatite C apresentam menores valores de colesterol total, lipoproteína de alta densidade, lipoproteína de baixa densidade e triglicerídeos, quando comparados aos pacientes não infectados. Com a progressão da hepatopatia, os valores de colesterol e suas frações reduzem linearmente, havendo relação entre redução do perfil lipídico e os marcadores Child-Pugh e MELD. OBJETIVO: Verificar a relação entre redução do perfil lipídico e o desfecho clínico apresentado (transplante hepático ou óbito pré-transplante). MÉTODOS: Análise transversal de um estudo de acompanhamento, realizado através da revisão de prontuários médicos. Foram estudados pacientes cirróticos, acompanhados no Ambulatório de Gastroenterologia de um hospital terciário de grande porte com cirrose de causa viral e/ou alcoólica. As características clínicas (sexo, idade e etiologia da cirrose) e dados de perfil lipídico dos 150 pacientes estudados foram coletados no ano de 2010. Para análise da ocorrência dos desfechos clínicos, os pacientes foram avaliados após quatro anos. RESULTADOS: A causa prevalente foi vírus da hepatite C (53,3%), seguida de álcool (32%) e vírus da hepatite C e álcool (14,6%). O sexo masculino representou 62% da amostra e a média de idade foi de 63,1±9,11 anos. As alterações lipídicas prevalentes foram hipocolesterolemia associada à hipotrigliceridemia (36,6%) e hipocolesterolemia isolada (34,6%). Analisando-se os grupos de pacientes que apresentaram alteração referente ao perfil lipídico, identificou-se associação significativa entre hipocolesterolemia isolada e o desfecho clínico - transplante hepático (p&lt;0,025), sendo 18% a probabilidade de realização de transplante hepático neste grupo de pacientes. Não houve associação entre redução do perfil lipídico e óbito. CONCLUSÃO: A hipocolesterolemia isolada contribui para avaliação da progressão da hepatopatia, devido à associação entre redução do colesterol e suas frações e o desfecho clínico-transplante hepático. <![CDATA[Simplified technique for auxiliary orthotopic liver transplantation using a whole graft]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-67202015000200136&lng=en&nrm=iso&tlng=en BACKGROUND: Acute liver failure is associated with a high mortality rate and the main purposes of treatment are to prevent cerebral edema and infections, which often are responsible for patient death. The orthotopic liver transplantation is the gold standard treatment and improves the 1-year survival. AIM: To describe an alternative technique to auxiliary liver transplant on acute liver failure. METHOD: Was performed whole auxiliary liver transplantation as an alternative technique for a partial auxiliary liver transplantation using a whole liver graft from a child removing the native right liver performed a right hepatectomy. The patient met the O´Grady´s criteria and the rational to indicate an auxiliary orthotopic liver transplantation was the acute classification without hemodynamic instability or renal failure in a patient with deterioration in consciousness. RESULTS: The procedure improved liver function and decreased intracranial hypertension in the postoperative period. CONCLUSION: This technique can overcome some postoperative complications that are associated with partial grafts. As far as is known, this is the first case of auxiliary orthotopic liver transplantation in Brazil. <hr/> RACIONAL: A insuficiência hepática aguda está associada à alta taxa de mortalidade e os principais efeitos do tratamento são para evitar o edema cerebral e as infecções, que muitas vezes são responsáveis pela morte do paciente. O transplante hepático é o tratamento padrão-ouro e melhora a sobrevida de um ano. OBJETIVO: Descrever uma técnica alternativa para transplante de fígado auxiliar na insuficiência hepática aguda. MÉTODO: Transplante de fígado auxiliar devido à insuficiência hepática fulminante pela infecção pelo vírus da hepatite B. O paciente preencheu os critérios O´Grady e o racional para indicar o transplante de fígado auxiliar foi a hepatite aguda sem instabilidade hemodinâmica ou insuficiência renal em um paciente com deterioração da consciência. Foi realizado o transplante auxiliar de fígado com enxerto inteiro com uma técnica alternativa para transplante auxiliar parcial de fígado. RESULTADOS: O procedimento demonstrou melhora da função hepática e diminuição da hipertensão intracraniana no pós-operatório. CONCLUSÃO: Esta técnica é viável e pode superar algumas complicações pós-operatórias que estão associadas com enxertos parciais. Tanto quanto sabemos, este é o primeiro caso de transplante de fígado auxiliar descrito no Brasil. <![CDATA[Late surgical complications after gastric by-pass: a literature review]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-67202015000200139&lng=en&nrm=iso&tlng=en INTRODUCTION: Gastric bypass is today the most frequently performed bariatric procedure, but, despite of it, several complications can occur with varied morbimortality. Probably all bariatric surgeons know these complications, but, as bariatric surgery continues to spread, general surgeon must be familiarized to it and its management. Gastric bypass complications can be divided into two groups: early and late complications, taking into account the two weeks period after the surgery. This paper will focus the late ones. METHOD: Literature review was carried out using Medline/PubMed, Cochrane Library, SciELO, and additional information on institutional sites of interest crossing the headings: gastric bypass AND complications; follow-up studies AND complications; postoperative complications AND anastomosis, Roux-en-Y; obesity AND postoperative complications. Search language was English. RESULTS: There were selected 35 studies that matched the headings. Late complications were considered as: anastomotic strictures, marginal ulceration and gastrogastric fistula. CONCLUSION: Knowledge on strategies on how to reduce the risk and incidence of complications must be acquired, and every surgeon must be familiar with these complications in order to achieve an earlier recognition and perform the best intervention. <hr/> INTRODUÇÃO: O bypass gástrico é hoje o procedimento bariátrico mais realizado, mas, apesar disso, várias complicações podem ocorrer com variada morbimortalidade. Provavelmente todos os cirurgiões bariátricos conhecem essas complicações, mas como a cirurgia bariátrica continua a se espalhar, o cirurgião geral deve estar familiarizado com essas complicações e seu manuseio. As complicações do bypass gástrico podem ser divididas em dois grupos: as precoces e tardias, tendo em conta o período de duas semanas após a operação. Este artigo irá focar as tardias. MÉTODO: Foi realizada revisão da literatura utilizando as bases Medline/PubMed, Cochrane Library, SciELO, e informações adicionais sobre sites institucionais de interesse cruzando os descritores: bypass gástrico AND complicações; seguimento AND complicações; complicações pós-operatórias AND anastomose, Roux-en-Y; obesidade AND complicações pós-operatórias. A língua usada para a busca foi o inglês. RESULTADOS: Foram selecionados 35 estudos que combinavam com os descritores. As complicações tardias foram consideradas como: estenose de anastomose, ulceração marginal e fístula gastrogástrica. CONCLUSÃO: O conhecimento sobre as estratégias de como reduzir o risco e incidência das complicações deve ser adquirido ao longo do tempo, e cada cirurgião deve estar familiarizado com essas complicações, a fim de reconhecê-las precocemente e realizar a melhor intervenção. <![CDATA[Oral transit time: a critical review of the literature]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-67202015000200144&lng=en&nrm=iso&tlng=en INTRODUCTION: Oral transit time is one of the parameters observed during the clinical assessment of the swallowing function. The importance of this parameter is due to its impact on the total duration of a meal, whose consequence can be an unfavorable nutritional prognostic. OBJECTIVE: To document scientific papers that measure oral transit time in healthy subjects. METHOD: The review followed the steps proposed by the Cochrane Handbook. The search was done via the PubMed database through the use of descriptors related to the oral phase of swallowing, as well as to types of food consistency. RESULTS: The articles on the theme had different definitions for oral transit time, as well as heterogeneity of tested volumes, age and gender of the participants. The times found varied from 0.35 s to 1.54 s for liquids, from 0.39 s to 1.05 s for pasty foods and from 1 s to 12.8 s for solid foods. Also, regardless of volume or consistency, oral transit time in elderly people is significantly longer than in adults. CONCLUSION: There's no consensus in the literature about oral transit time in healthy subjects. However, this parameter should be valued during the assessment of the swallowing function due to its negative impact on the dynamics of swallowing, which can cause high energy expenditure during feeding. <hr/> Introdução: O tempo de trânsito oral é um dos parâmetros observados na avaliação clínica da deglutição. A importância se deve ao seu impacto na duração total da refeição, o que pode ter como consequência prognóstico nutricional desfavorável. Objetivo: Documentar os textos científicos internacionais que abordem o tempo de trânsito oral em sujeitos saudáveis. Método: Estudo de revisão crítica que segue os preceitos do Cochrane Handbook. Os artigos foram selecionados por meio da base de dados PubMed, com utilização de descritores relacionados à fase oral da deglutição e aos tipos de consistência alimentar. Resultado: Os trabalhos analisados divergiram quanto à definição de tempo de trânsito oral, bem como quanto aos volumes testados e às idades e gêneros dos sujeitos avaliados. Os tempos encontrados variaram de 0,35 s a 1,54 s para líquido, de 0,39 s a 1,05 s para a consistência pastosa e de 1 s a 12,8 s para a consistência sólida. Foi observado também que o tempo de trânsito oral é significativamente aumentado em idosos, em relação a adultos, independente de volume e consistência alimentar. Conclusão: Não há consenso na literatura quanto ao tempo de trânsito oral na população saudável. Ainda assim, entende-se que este parâmetro deva ser valorizado durante a avaliação da disfagia, uma vez que possui impacto negativo na dinâmica da deglutição, o que acarreta desgaste energético ocasionado pela alimentação. <![CDATA[Signet-ring cell hilar cholangiocarcinoma: case report]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-67202015000200148&lng=en&nrm=iso&tlng=en INTRODUCTION: Oral transit time is one of the parameters observed during the clinical assessment of the swallowing function. The importance of this parameter is due to its impact on the total duration of a meal, whose consequence can be an unfavorable nutritional prognostic. OBJECTIVE: To document scientific papers that measure oral transit time in healthy subjects. METHOD: The review followed the steps proposed by the Cochrane Handbook. The search was done via the PubMed database through the use of descriptors related to the oral phase of swallowing, as well as to types of food consistency. RESULTS: The articles on the theme had different definitions for oral transit time, as well as heterogeneity of tested volumes, age and gender of the participants. The times found varied from 0.35 s to 1.54 s for liquids, from 0.39 s to 1.05 s for pasty foods and from 1 s to 12.8 s for solid foods. Also, regardless of volume or consistency, oral transit time in elderly people is significantly longer than in adults. CONCLUSION: There's no consensus in the literature about oral transit time in healthy subjects. However, this parameter should be valued during the assessment of the swallowing function due to its negative impact on the dynamics of swallowing, which can cause high energy expenditure during feeding. <hr/> Introdução: O tempo de trânsito oral é um dos parâmetros observados na avaliação clínica da deglutição. A importância se deve ao seu impacto na duração total da refeição, o que pode ter como consequência prognóstico nutricional desfavorável. Objetivo: Documentar os textos científicos internacionais que abordem o tempo de trânsito oral em sujeitos saudáveis. Método: Estudo de revisão crítica que segue os preceitos do Cochrane Handbook. Os artigos foram selecionados por meio da base de dados PubMed, com utilização de descritores relacionados à fase oral da deglutição e aos tipos de consistência alimentar. Resultado: Os trabalhos analisados divergiram quanto à definição de tempo de trânsito oral, bem como quanto aos volumes testados e às idades e gêneros dos sujeitos avaliados. Os tempos encontrados variaram de 0,35 s a 1,54 s para líquido, de 0,39 s a 1,05 s para a consistência pastosa e de 1 s a 12,8 s para a consistência sólida. Foi observado também que o tempo de trânsito oral é significativamente aumentado em idosos, em relação a adultos, independente de volume e consistência alimentar. Conclusão: Não há consenso na literatura quanto ao tempo de trânsito oral na população saudável. Ainda assim, entende-se que este parâmetro deva ser valorizado durante a avaliação da disfagia, uma vez que possui impacto negativo na dinâmica da deglutição, o que acarreta desgaste energético ocasionado pela alimentação. <![CDATA[Hereditary diffuse gastric cancer: laparoscopic surgical approach associated to rare mutattion of CDH1 gene]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-67202015000200149&lng=en&nrm=iso&tlng=en INTRODUCTION: Oral transit time is one of the parameters observed during the clinical assessment of the swallowing function. The importance of this parameter is due to its impact on the total duration of a meal, whose consequence can be an unfavorable nutritional prognostic. OBJECTIVE: To document scientific papers that measure oral transit time in healthy subjects. METHOD: The review followed the steps proposed by the Cochrane Handbook. The search was done via the PubMed database through the use of descriptors related to the oral phase of swallowing, as well as to types of food consistency. RESULTS: The articles on the theme had different definitions for oral transit time, as well as heterogeneity of tested volumes, age and gender of the participants. The times found varied from 0.35 s to 1.54 s for liquids, from 0.39 s to 1.05 s for pasty foods and from 1 s to 12.8 s for solid foods. Also, regardless of volume or consistency, oral transit time in elderly people is significantly longer than in adults. CONCLUSION: There's no consensus in the literature about oral transit time in healthy subjects. However, this parameter should be valued during the assessment of the swallowing function due to its negative impact on the dynamics of swallowing, which can cause high energy expenditure during feeding. <hr/> Introdução: O tempo de trânsito oral é um dos parâmetros observados na avaliação clínica da deglutição. A importância se deve ao seu impacto na duração total da refeição, o que pode ter como consequência prognóstico nutricional desfavorável. Objetivo: Documentar os textos científicos internacionais que abordem o tempo de trânsito oral em sujeitos saudáveis. Método: Estudo de revisão crítica que segue os preceitos do Cochrane Handbook. Os artigos foram selecionados por meio da base de dados PubMed, com utilização de descritores relacionados à fase oral da deglutição e aos tipos de consistência alimentar. Resultado: Os trabalhos analisados divergiram quanto à definição de tempo de trânsito oral, bem como quanto aos volumes testados e às idades e gêneros dos sujeitos avaliados. Os tempos encontrados variaram de 0,35 s a 1,54 s para líquido, de 0,39 s a 1,05 s para a consistência pastosa e de 1 s a 12,8 s para a consistência sólida. Foi observado também que o tempo de trânsito oral é significativamente aumentado em idosos, em relação a adultos, independente de volume e consistência alimentar. Conclusão: Não há consenso na literatura quanto ao tempo de trânsito oral na população saudável. Ainda assim, entende-se que este parâmetro deva ser valorizado durante a avaliação da disfagia, uma vez que possui impacto negativo na dinâmica da deglutição, o que acarreta desgaste energético ocasionado pela alimentação. <![CDATA[Retrorectal tumor: a case report of a patient with "schwannoma"]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-67202015000200151&lng=en&nrm=iso&tlng=en INTRODUCTION: Oral transit time is one of the parameters observed during the clinical assessment of the swallowing function. The importance of this parameter is due to its impact on the total duration of a meal, whose consequence can be an unfavorable nutritional prognostic. OBJECTIVE: To document scientific papers that measure oral transit time in healthy subjects. METHOD: The review followed the steps proposed by the Cochrane Handbook. The search was done via the PubMed database through the use of descriptors related to the oral phase of swallowing, as well as to types of food consistency. RESULTS: The articles on the theme had different definitions for oral transit time, as well as heterogeneity of tested volumes, age and gender of the participants. The times found varied from 0.35 s to 1.54 s for liquids, from 0.39 s to 1.05 s for pasty foods and from 1 s to 12.8 s for solid foods. Also, regardless of volume or consistency, oral transit time in elderly people is significantly longer than in adults. CONCLUSION: There's no consensus in the literature about oral transit time in healthy subjects. However, this parameter should be valued during the assessment of the swallowing function due to its negative impact on the dynamics of swallowing, which can cause high energy expenditure during feeding. <hr/> Introdução: O tempo de trânsito oral é um dos parâmetros observados na avaliação clínica da deglutição. A importância se deve ao seu impacto na duração total da refeição, o que pode ter como consequência prognóstico nutricional desfavorável. Objetivo: Documentar os textos científicos internacionais que abordem o tempo de trânsito oral em sujeitos saudáveis. Método: Estudo de revisão crítica que segue os preceitos do Cochrane Handbook. Os artigos foram selecionados por meio da base de dados PubMed, com utilização de descritores relacionados à fase oral da deglutição e aos tipos de consistência alimentar. Resultado: Os trabalhos analisados divergiram quanto à definição de tempo de trânsito oral, bem como quanto aos volumes testados e às idades e gêneros dos sujeitos avaliados. Os tempos encontrados variaram de 0,35 s a 1,54 s para líquido, de 0,39 s a 1,05 s para a consistência pastosa e de 1 s a 12,8 s para a consistência sólida. Foi observado também que o tempo de trânsito oral é significativamente aumentado em idosos, em relação a adultos, independente de volume e consistência alimentar. Conclusão: Não há consenso na literatura quanto ao tempo de trânsito oral na população saudável. Ainda assim, entende-se que este parâmetro deva ser valorizado durante a avaliação da disfagia, uma vez que possui impacto negativo na dinâmica da deglutição, o que acarreta desgaste energético ocasionado pela alimentação. <![CDATA[An extremely rare complication of Meckel's diverticulum: enterocutaneous fistulization of umbilical hernia]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-67202015000200152&lng=en&nrm=iso&tlng=en INTRODUCTION: Oral transit time is one of the parameters observed during the clinical assessment of the swallowing function. The importance of this parameter is due to its impact on the total duration of a meal, whose consequence can be an unfavorable nutritional prognostic. OBJECTIVE: To document scientific papers that measure oral transit time in healthy subjects. METHOD: The review followed the steps proposed by the Cochrane Handbook. The search was done via the PubMed database through the use of descriptors related to the oral phase of swallowing, as well as to types of food consistency. RESULTS: The articles on the theme had different definitions for oral transit time, as well as heterogeneity of tested volumes, age and gender of the participants. The times found varied from 0.35 s to 1.54 s for liquids, from 0.39 s to 1.05 s for pasty foods and from 1 s to 12.8 s for solid foods. Also, regardless of volume or consistency, oral transit time in elderly people is significantly longer than in adults. CONCLUSION: There's no consensus in the literature about oral transit time in healthy subjects. However, this parameter should be valued during the assessment of the swallowing function due to its negative impact on the dynamics of swallowing, which can cause high energy expenditure during feeding. <hr/> Introdução: O tempo de trânsito oral é um dos parâmetros observados na avaliação clínica da deglutição. A importância se deve ao seu impacto na duração total da refeição, o que pode ter como consequência prognóstico nutricional desfavorável. Objetivo: Documentar os textos científicos internacionais que abordem o tempo de trânsito oral em sujeitos saudáveis. Método: Estudo de revisão crítica que segue os preceitos do Cochrane Handbook. Os artigos foram selecionados por meio da base de dados PubMed, com utilização de descritores relacionados à fase oral da deglutição e aos tipos de consistência alimentar. Resultado: Os trabalhos analisados divergiram quanto à definição de tempo de trânsito oral, bem como quanto aos volumes testados e às idades e gêneros dos sujeitos avaliados. Os tempos encontrados variaram de 0,35 s a 1,54 s para líquido, de 0,39 s a 1,05 s para a consistência pastosa e de 1 s a 12,8 s para a consistência sólida. Foi observado também que o tempo de trânsito oral é significativamente aumentado em idosos, em relação a adultos, independente de volume e consistência alimentar. Conclusão: Não há consenso na literatura quanto ao tempo de trânsito oral na população saudável. Ainda assim, entende-se que este parâmetro deva ser valorizado durante a avaliação da disfagia, uma vez que possui impacto negativo na dinâmica da deglutição, o que acarreta desgaste energético ocasionado pela alimentação.