Scielo RSS <![CDATA[Psicologia & Sociedade]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=0102-718220060001&lang=en vol. 18 num. 1 lang. en <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[<B>Editorial</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822006000100001&lng=en&nrm=iso&tlng=en <![CDATA[<B>Psychology, identity and politics in neoliberal government technologies</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822006000100002&lng=en&nrm=iso&tlng=en Neste artigo partimos de uma concepção do neoliberalismo como tecnologia de governo, isto é, concebemos o neoliberalismo não unicamente como modelo sócio-econômico, mas também como entrelaçado de discursos e práticas que produz efeitos sociais e identitários. A partir desta perspectiva, propomo-nos mostrar, em primeiro lugar, os tipos de subjetividades que configuram as modalidades de governo neoliberais e, em segundo lugar, o papel que jogam as disciplinas psicológicas nessa configuração. Nas tecnologias de governo neoliberais a autonomia pessoal não é a antítese do poder político, mas um elemento fundamental para seu exercício. O neoliberalismo requer sujeitos ativos, auto-responsáveis e "empresários de si próprios" e os discursos e práticas psicológicos participam na elaboração de códigos morais que enfatizam esse ideal de autonomia responsável. Deste ponto de vista, a análise crítica da subjetividade converge com a análise crítica da psicologia.<hr/>This paper is based on a conception of neoliberalism as a government technology, i.e. neoliberalism is conceived not only as a socioeconomic model but as a network of discourses and practices producing social and identitarian effects. From this perspective, we intend to show firstly the type of subjectivities that shape neoliberal government modalities and secondly the role played by psychological disciplines in such a process. In neoliberal government technologies, personal autonomy is not the antithesis to political power but rather a fundamental element to its exercise. Neoliberalism requires active, self-responsible subjects, basically "entrepreneurs of themselves"; psychological discourses and practices do participate in the production of moral codes which emphasize the responsible autonomy ideal. From this approach, the critical analysis of subjectiveness converges with the critical analysis from psychology. <![CDATA[<B>Reinventing the psy practices</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822006000100003&lng=en&nrm=iso&tlng=en A proposta do presente artigo é problematizar o lugar legitimado de saber/poder do psicólogo. Para tanto, partiremos de nossa prática acadêmica, quer seja como professora, estudante de graduação, estagiária, extensionista ou supervisora para colocar em análise a produção do profissional especialista em atribuir significados aos processos de vida. Apostamos, a partir das idéias de Foucault, na provisoriedade das verdades e na possibilidade de criação e de invenção, contrariando as naturalizações e dicotomizações presentes na formação e atuação em psicologia.<hr/>The purpose of this article is to criticize the legitimated role of knowledge/power played by Psychologists. In order to do so, we will start our work based on our academic practices, whether as teachers, students, trainees, extension service professionals, or supervisors, to analyze the production of a kind of professional who specializes on assigning meanings to the processes of life. We believe, based on Foucault's ideas, in the temporariness of truths and in the possibilities for creation and invention, opposing the naturalizations and dichotomizations so common on current psychological studies and practices. <![CDATA[<B>Subjectivity in movement</B>: <B>the MST in Rio Grande do Norte</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822006000100004&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este trabalho propõe uma discussão acerca dos processos de subjetivação em trabalhadores sem-terra acampados, vinculados ao Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) no Rio Grande do Norte. Elegemos como dispositivos de subjetivação a vivência cotidiana do acampamento e o discurso político do MST. Foram utilizadas entrevistas semi-estruturadas junto a dezesseis trabalhadores e trabalhadoras e observações das práticas cotidianas do grupo. Os resultados apontam a emergência de produções subjetivas articuladas ao projeto coletivista político-ideológico do MST, materializadas na figura do "Sem-Terra", bem como modos singulares de subjetivação que implicam na criação de espaços de ruptura que, muitas vezes, se chocam com a perspectiva macropolítica desse movimento social. Pretendemos enfatizar que os novos arranjos subjetivos que emergem e se movimentam são efeitos dos modos de uso do corpo e de apropriação do espaço ocupado e configuram-se como elementos imprescindíveis de sustentação do movimento enquanto uma experiência de resistência no seio do capital.<hr/>The present investigation is aimed at pointing out the MST (Landless Workers Movement) as a social movement that concurs to the production of subjectivities of a group of workers in MST settlements in the Brazilian State of Rio Grande do Norte. The authors stressed that those workers' subjectivities are in consonance with their use of their bodies and with the appropriation they make of the territory they've occupied. Semi-structured interviews were conducted with sixteen settlers, as well as observations of the group's daily practices. Results show the emergency of subjective production articulated to the MST's political-ideological project, materialized as the illustration of the "Landless Man" as well as singular manners of subjective production that implicate the need for desire investments, the sensitive reality of the settlers which are often in conflict with the structural perspective or macropolitics glimpsed by the MST. <![CDATA[<B>Somatization in Brazil's low-income migrants</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822006000100005&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este artigo tem por objetivo compreender o entrelaçamento da cultura com reações psicológicas de indivíduos expostos ao processo de migração e estabelecer relações entre o fenômeno da migração e adoecimento psicossomático. O enfoque metodológico é essencialmente qualitativo, baseado em representações sociais de pacientes migrantes e da equipe de funcionários e profissionais de um centro de saúde do município próximo de Campinas. A análise demonstrou que a migração era percebida negativamente, como uma causadora de doenças quando havia perda do emprego/renda e fragmentação de laços familiares e comunitários. Se tais elementos estavam estabilizados, fatores estressantes do cotidiano permaneciam mascarados (mantidos fora da consciência) e a piora da saúde não era atribuída à migração ou à qualidade de vida. O problema da migração e doença, pela perspectiva do centro de saúde, incluía abordagem terapêutica exclusivamente biológica sem outra perspectiva que contribuísse para os sujeitos assimilarem as novas condições de vida num novo ambiente sócio-cultural.<hr/>This paper aims to debate relations between culture and psychological reactions of individuals exposed to the process of migration and to establish relations between migration and psychosomatic sickening. The methodological approach is essentially qualitative and based on social representations of migrant patients, staff and professionals of a public health unit near Campinas. The analysis demonstrated that migration was negatively experienced as producing ailments when loss of job/income, break of family/community ties was involved. When these elements were stabilized, stressful factors of daily life remained covered (out of conscience) and worsening in health condition was attributed neither to migration nor to life quality. The problem of migration and ailments, from the health center perspective, involved merely biological procedures and did not include additional perspectives to help patients to assimilate their new life conditions in a new social environment. <![CDATA[<B>Permanencies and ruptures</B>: <B>gender meanings in female family heads</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822006000100006&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este artigo resultou de um estudo realizado com três mulheres chefes de família, moradoras de um bairro popular em uma cidade catarinense. Ao investigar de que forma constroem-se os sentidos de gênero na trajetória de vida destas mulheres, procurou-se refletir como estes sentidos posicionam os sujeitos na trama das relações sociais e de gênero. Considerando a construção histórica, social e cultural do gênero, pode-se questionar a naturalização da ligação entre sexo e gênero - tão freqüente na psicologia - e a conseqüente regulação na constituição das subjetividades femininas e masculinas dela proveniente. Os resultados apontam a existência de permanências, como a forte presença da moral sexual e do grande valor atribuído por elas à maternidade. Revelam, no entanto, alternativas de exercer pequenas rupturas neste padrão ao criarem, a partir da apropriação de outros saberes e outras significações pelas próprias experiências, um novo patamar de expectativas e possibilidades em suas vidas.<hr/>This article is the result of a study accomplished with three female heads of family living in a popular neighborhood in a town of the Brazilian state of Santa Catarina. When investigating how gender meanings are constructed in the life trajectory of those women, we sought to reflect how those meanings locate the subjects in the plot of social and gender relations. Considering the historical, social and cultural construction of gender, the naturalization of the linking between sex and gender - so frequent in psychology - and the resulting regulation in the constitution of female and male subjectivities deriving from it can be questioned. The results point to the existence of permanencies such as the strong presence of sexual moral and the high value attributed by them to motherhood. They reveal, however, alternatives for carrying out small ruptures in that pattern when creating, from the appropriation of other knowledges and other significations for their own experiences, a new platform of expectations and possibilities in their lives. <![CDATA[<B>Families and patriarchy</B>: <B>from normative prescription to creative subversion</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822006000100007&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este trabalho problematiza o patriarcado enquanto discurso normativo de papéis familiares, uma vez que valores patriarcais atravessaram os tempos e deixam suas marcas na constituição das famílias ainda na atualidade. A articulação do patriarcado ao capitalismo é também discutida como uma das possíveis explicações para o sistema social de opressão das mulheres. A despeito das conquistas sociais e dos dispositivos legais que postulam a igualdade de direitos entre homens e mulheres, as discriminações ditadas pelo patriarcado são uma forma de violência de gênero e de violação dos direitos humanos das mulheres. Entretanto, apesar da prescrição normativa patriarcal, as famílias inventam outros papéis familiares na cotidianidade de suas experiências, o que explode a hegemonia do discurso patriarcal normativo ainda existente. Isto destaca, ainda, a criativa e subversiva capacidade de resistência humana a prescrições impostas, em especial a resistência das mulheres à opressão patriarcal que lhes tem sido imposta há séculos.<hr/>This paper discusses patriarchy as a normative discourse on family roles, as patriarchal values have crossed centuries and still mark today's family constitution. Patriarchy linked to capitalism is also discussed as one possible explanation for women's oppression in the social system. In spite of social and legal achievements about equality rights between men and women, discrimination established by patriarchy is a kind of gender violence and women's human rights violation. However, despite patriarchy's normative prescription, families invent other family roles in their daily experiences, which explodes the remaining hegemonic patriarchal normative discourse. It also shows the creative and subversive human resistance power against imposed prescriptions, specially female resistance power against patriarchal oppression that has been imposed upon women for centuries. <![CDATA[<B>Change of social-educational practices in FEBEM-SP</B>: <B>the social representations of professionals</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822006000100008&lng=en&nrm=iso&tlng=en O objetivo da pesquisa é analisar as representações sociais da mudança de práticas sócio-educativas entre funcionários da Fundação Estadual do Bem-Estar do Menor de São Paulo (FEBEM-SP). Fundamenta-se na teoria moscoviciana das representações sociais. A "mudança" foi contextualizada com base na Psicologia das Minorias Ativas. Foram realizadas entrevistas semi-estruturadas com 15 funcionários de uma unidade que se propunha a erradicar qualquer tipo de violência física contra o adolescente ator de ato infracional. A Análise de Conteúdo Temática identificou três temas-chave: "A proposta", "FEBEM-SP" e "Mudança". O núcleo figurativo da representação social da mudança situa-se em torno da violência física. Se compactuarem com esse tipo de violência, os profissionais contribuem para a consolidação dos métodos tradicionais da instituição. Negá-la significa romper e buscar práticas sócio-educativas mais humanistas, nem sempre vistas como possíveis. Representações sociais arcaicas veiculadas na instituição, fundadas na punição e na violência, dificultam a mudança de suas práticas sócio-educativas.<hr/>The objective of this research is to analyze social representations of change in socio-educational practices among professionals of FEBEM in São Paulo. The work is based in Moscovician theory of social representation. The "change" is based on Psychology of the Active Minorities. Interviews were conducted with 15 professionals of a unit in the Complex of Tatuapé, where any kind of physical violence against the delinquent adolescent is forbidden. The Thematic Analysis of Content identified three keythemes in the discourses: "Proposal", "FEBEM-SP" and "Change". The nucleus of the social representation of change is located around physical violence. If professionals agree with that kind of violence, they will contribute to the consolidation of the traditional approaches of the institution. Opposing it means working for ruptures and seeking more humanist social-educational practices, not always seen as possible. Archaic social representations present in the institution, founded upon punishment and violence, complicate the change of its social-educational practices. <![CDATA[<B>Social representation about female cancer</B>: <B>living experience and professional acting</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822006000100009&lng=en&nrm=iso&tlng=en Esta pesquisa focaliza o câncer feminino através de duas perspectivas: a proveniente dos profissionais de enfermagem do CAISM-UNICAMP e das pacientes internadas nesta instituição. A proposta do presente trabalho exigiu uma postura metodológica qualitativa, implementada através de entrevistas semi-estruturadas e observação participante. Os dados revelam que construções culturais acerca do diagnóstico da doença induzem a mulher a assumir um papel de doente com implicações radicais em sua rotina de vida. No entanto, o hospital está equipado apenas para o tratamento biológico, relacionado com o corpo físico da paciente. O aspecto emocional e social da doença é subtraído, o que pode gerar a prestação de uma assistência parcial ao paciente e descontentamento na equipe profissional. Os resultados mostram também que a aproximação mecanicista da doença e da cura ainda é hegemônica no hospital, um aspecto que promove insatisfação tanto nas pacientes como nas profissionais de saúde.<hr/>This research focuses on female cancer through two perspectives: one that stems from the nursing professionals of CAISM-UNICAMP and other that stems from the patients under treatment at the hospital. The objective of this work required a qualitative methodological approach, implemented through both semi-structured interviews and participant observation. Data show that cultural constructions about disease diagnosis induce women to assume an ill role with radical implications for their everyday life. However, the hospital is equipped to treat only the biological aspects of the patient's physical body. Emotional and social aspects are subtracted - a condition which can generate partial treatment and, at the same time, discontentment among professional staff. Data also show that this aspect promotes dissatisfaction among both patients and the health professionals. <![CDATA[<B>The impact of institutionalization on childhood and adolescence</B>: <B>a literature review</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822006000100010&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este artigo apresenta uma revisão de literatura sobre as instituições de abrigo, discutindo sua influência no desenvolvimento de crianças e adolescentes. A partir da Teoria Ecológica do Desenvolvimento Humano e do Estatuto da Criança e do Adolescente, foram considerados estudos sobre abrigamento, realizados ao longo das últimas décadas. Muitos estudos discutem a vivência institucional, sendo que alguns apontam prejuízos ao desenvolvimento, enquanto outros indicam que a instituição pode ser uma alternativa positiva, quando o ambiente familiar é desorganizado e caótico. Embora sejam observadas melhoras na qualidade da assistência oferecidas pelos abrigos, especialmente após o ECA, discute-se a necessidade de ações direcionadas às equipes das instituições, a fim de oportunizar melhores condições de trabalho e diminuição da rotatividade. Além disso, é necessário entender a instituição como parte da rede de apoio social e afetivo, que também pode oferecer um espaço para o desenvolvimento saudável de crianças e adolescentes.<hr/>This article reviews the literature about the impact of shelter institutions on children and adolescents' development. From a theoretical foundation based on the Ecology of Human Development and the views expressed in the Child and Adolescent's Statute, we searched for research conducted over the past few decades on the impact of shelters. Many researchers discuss institutional life, with some of them discussing its damage to development and others indicating its positive features, particularly when the family environment is disorganized and chaotic. Although progress was observed in the quality of the assistance offered by shelters, especially following passage of the Child and Adolescent's Statute, we discuss proposals aimed at institutions' staff, focusing on improving working conditions and decreasing turnover. In addition, it is necessary to understand those institutions as part of the social and emotional support network, and thus an important space for the healthy development of children and adolescents. <![CDATA[<B>Life in a Brazilian valley</B>: <B>a legacy by Donald Pierson to human and social sciences in Brazil</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822006000100011&lng=en&nrm=iso&tlng=en Um importante legado de Donald Pierson às Ciências Humanas e Sociais no Brasil é a sua obra O Homem no Vale do São Francisco. Este artigo ancora-se numa reflexão sobre o autor e seu trabalho, expondo o cenário do homem no seu habitat, que constitui, parafraseando Pierson, palco de uma relação rara e clara. Ressalta, também, as principais contribuições do desenho traçado pela pesquisa realizada, pontuando os procedimentos metodológicos e alguns diálogos entre os pesquisadores e as comunidades.<hr/>One important legacy left by Donald Pierson to Human and Social Sciences in Brazil is his work Life in a Brazilian Valley. This article is a reflection about the author and his work, showing man's background in his habitat, which constitutes, in Pierson's words, the stage for a rare and clear relationship. It emphasizes the main contributions of the design sketched by the research, pointing out the methodological procedures and some dialogues between researchers and communities. <![CDATA[<B>The competition and defeat experience in contemporary sports</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822006000100012&lng=en&nrm=iso&tlng=en Diante das necessidades impostas aos atletas de alto rendimento na atualidade, a superação se tornou um princípio e um termo recorrente entre aqueles que conseguiram chegar entre os mais destacados, os vencedores. Na estrutura do esporte contemporâneo observa-se a reprodução do modelo liberal que privilegia a vitória, embora sejam premiados os três primeiros colocados em disputas olímpicas. Isso leva muitas vezes o ganhador da medalha de prata e de bronze a se sentir derrotado, negando um feito digno de registro histórico. Os desdobramentos da derrota não são suficientemente estudados, o que contribui para uma atitude de negação em relação a essa situação tanto por parte de atletas como de profissionais que atuam no universo esportivo. O objetivo deste trabalho é apresentar uma discussão sobre o imaginário da derrota no esporte contemporâneo e como esse evento se dá entre atletas brasileiros ganhadores de medalhas olímpicas, bem como as suas várias representações no contexto social contemporâneo.<hr/>Considering the needs for high performance imposed to athletes nowadays, overcoming limits has become a principle and a recurrent term among those who achieve prominence: winners. In the structure of contemporary sports we observe a reproduction of the liberal model which privileges victory, although the first three prizes are awarded in Olympic disputes. This situation very often makes silver and bronze medallists feel defeated, denying their achievement, which is worth a historical record. The unfolding of defeat has not been properly studied, which contributes to denial of that situation by both athletes and professionals who work within the sports universe. The aim of this paper is to present a debate on the image of defeat in contemporary sports as well as how it takes place among Olympic medallists, together with its several representations in the contemporary social context. <![CDATA[<B>Cenas da clínica psicanalítica</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822006000100013&lng=en&nrm=iso&tlng=en Diante das necessidades impostas aos atletas de alto rendimento na atualidade, a superação se tornou um princípio e um termo recorrente entre aqueles que conseguiram chegar entre os mais destacados, os vencedores. Na estrutura do esporte contemporâneo observa-se a reprodução do modelo liberal que privilegia a vitória, embora sejam premiados os três primeiros colocados em disputas olímpicas. Isso leva muitas vezes o ganhador da medalha de prata e de bronze a se sentir derrotado, negando um feito digno de registro histórico. Os desdobramentos da derrota não são suficientemente estudados, o que contribui para uma atitude de negação em relação a essa situação tanto por parte de atletas como de profissionais que atuam no universo esportivo. O objetivo deste trabalho é apresentar uma discussão sobre o imaginário da derrota no esporte contemporâneo e como esse evento se dá entre atletas brasileiros ganhadores de medalhas olímpicas, bem como as suas várias representações no contexto social contemporâneo.<hr/>Considering the needs for high performance imposed to athletes nowadays, overcoming limits has become a principle and a recurrent term among those who achieve prominence: winners. In the structure of contemporary sports we observe a reproduction of the liberal model which privileges victory, although the first three prizes are awarded in Olympic disputes. This situation very often makes silver and bronze medallists feel defeated, denying their achievement, which is worth a historical record. The unfolding of defeat has not been properly studied, which contributes to denial of that situation by both athletes and professionals who work within the sports universe. The aim of this paper is to present a debate on the image of defeat in contemporary sports as well as how it takes place among Olympic medallists, together with its several representations in the contemporary social context.