Scielo RSS <![CDATA[Psicologia & Sociedade]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=0102-718220090004&lang=en vol. 21 num. SPE lang. en <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[<b>Editorial</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822009000400001&lng=en&nrm=iso&tlng=en <![CDATA[<b>Editorial Edição Especial 2009</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822009000400002&lng=en&nrm=iso&tlng=en <![CDATA[<b>Experience and language as resistance strategies</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822009000400003&lng=en&nrm=iso&tlng=en Neste artigo visamos apontar, apoiadas em W. Benjamim e G. Agamben, a fragilização do registro da experiência e sua incidência na lógica do poder/violência. Analisamos, pretendendo desmistificar a eficácia dos discursos mortificadores da experiência, a figura do "mulçumano"; - nome que designava os mortos-vivos nos campos de concentração, conforme relato de Primo Levi e outros. Tal figura é emblemática do estado limite a que chegaram algumas pessoas e podem expressar o destino de alguns sujeitos na contemporaneidade. Pudemos identificar nessa posição tanto um movimento na direção da perda do laço identificatório com o semelhante, como uma forma de resistência à violência perpetrada pelo discurso social. Tal resistência consiste em operar uma mimese ao objeto resto, o que permite ao sujeito a manutenção da estrutura fantasmática. Indicamos que, apesar das estratégias do poder, o sujeito reinventa modos de se situar na relação ao Outro, nos quais se fazem importantes a presença e a palavra, incluindo aí a experiência psicanalítica.<hr/>Drawing on Walter Benjamin and Giorgio Agamben, this article points out the fragilization of the registration of the experience and its incidence in the logic of power / violence. Seeking to demythify the efficacy of discourses that mortify experiences, it analyzes the figure of the "Muslim"; (Muselmänn) - name that conveyed the walking dead in the Nazi concentration camps, according to accounts by Primo Levi and others. Such figure is emblematic of the limit condition some people have reached and can express the fate of some subjects in contemporary society. This position allows identifying both a movement toward the loss of an identifying bond with one's kind and a means to resist the violence perpetrated by the social discourse. This resistance consists in operating a mimesis of the object-rest, which permits the subject to maintain the phantasmatic structure. The article indicates that, despite power strategies, the subject reinvents ways to situate himself, in which the presence and the word are important, therein including the psychoanalytical experience. <![CDATA[<b>Some remarks on the current condition of structuralism</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822009000400004&lng=en&nrm=iso&tlng=en Comment rendre compte d'une possible actualité du structuralisme? L'auteur s'attache à distinguer un structuralisme qui ne repose que sur des antinomies d'un autre qui suppose le dépassement des antinomies.<hr/>How shall we give any current explanation to structuralism? The author wishes to distinguish the structuralism which relies only upon antinomies and the one that supposes going farther these antinomies.<hr/>Como dar conta de uma possível atualidade do estuturalismo? O autor se propõe a distinguir um estruturalismo que se baseia em antinomias de um outro que supõe a ultrapassagem das mesmas. <![CDATA[<b>Psychoanalysis littorals</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822009000400005&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este trabalho se propõe a abordar algumas fronteiras estabelecidas pelo discurso analítico, principalmente com o campo da literatura. Sua principal referência se sustenta no tema dos "litorais", seguindo a proposição lacaniana criada pelo neologismo "lituraterra". Essa proposição, além de permitir construir interfaces da psicanálise com outros campos, também é o suporte para a produção dentro da própria psicanálise. Sua especificidade é a de constituir seu sujeito passando pela proposta de uma "extimidade", numa torsão na concepção corriqueira do dentro e fora. O tema que permitirá situar a construção dessas bordas situa-se na questão da escrita.<hr/>This work intends to discuss some frontiers established by the psychoanalytical discourse, mainly with literature as a privileged field of dialogue. Its principal reference is supported by the subject of the "littoral", following the Lacanian proposition created by the neologism "lituraterre". This proposition allows us to build interfaces between psychoanalysis and other fields, and it is also the support for the production inside psychoanalysis itself. This approach is a reversion of the ordinary conception of the relationship between internal / external. The subject that will allow us to situate the construction of these edges concerns the question of the writing. <![CDATA[<b>Letter and image</b>: <b>gary hill, videoart and psychoanalysis</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822009000400006&lng=en&nrm=iso&tlng=en O artigo examina as relações entre imagem e linguagem, privilegiando o conceito de letra em Jacques Lacan. São tecidas considerações sobre esta articulação no sonho e na videoarte, examinando-se particularmente dois trabalhos do artista americano Gary Hill: Around and About (1980) e Ura Aru (1985-86). Defende-se a existência de dois pólos de incidência da letra: aquele de um encontro com a imagem e aquele de uma forte tensão em relação à imagem. Este último pode levar a uma quebra do funcionamento especular em prol de uma espécie de reviramento do imaginário, deixando entrever o que chamamos de "avesso do imaginário". Nesta virada, surge o sujeito em sua condição utópica, pois sem lugar e remetido a um devir imprevisível.<hr/>This paper investigates the relationship between image and language, especially by using the lacanian concept of letter. This question is particularly explored in two works by the American videoartist Gary Hill: Around and About (1980) and Ura Aru (1985-86). We argue that the letter has two ways of incidence: a mix with image or a strong tension with it. This tension can, in some conditions, lead to a break in specular mode of functioning and provoke a kind of reversion of the imaginary, letting us approach what we name the "reverse of the imaginary". In this turning, the subject emerges in his utopic condition, since he has no definite place, but stands in an unforeseeable future. <![CDATA[<b>Lacan, deleuze and guattari</b>: <b>writings that speak to one another</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822009000400007&lng=en&nrm=iso&tlng=en O presente artigo busca estabelecer as balizas para um trabalho de aproximação entre o pensamento de Lacan e o de Deleuze-Guattari, acompanhando as reverberações do que escrevem Deleuze e Guattari no texto lacaniano, e vice-versa, como escritas que se falam. A pesquisa considera que o debate mantido entre esses autores - mesmo quando não explicitado - marcou de forma decisiva as suas produções, dando mostras da efetividade de uma interlocução que, ao pôr em causa suas diferenças, fez-se produtora de movimentos e transformações. Vale-se, nesse sentido, como método de pesquisa, da noção de amizade, tal como formulada por Foucault e Derrida.<hr/>Examining the conceptual elaborations of Jacques Lacan on the one hand and of either Gilles Deleuze or Gilles Deleuze and Félix Guattari on the other, through the reverberations upon Lacan of that which Deleuze and Guattari write and vice-versa we hear writings that speak to one another. Even if not always explicit, this conversation has marked the productions of these authors productions in a decisive manner, bespeaking the effectiveness of a dialogue that engenders movements and transformations as it brings its differences into play. <![CDATA[<b>The origin of the histogriography</b>: <b>historicity, writing and <i>plus-de-jouir</i></b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822009000400008&lng=en&nrm=iso&tlng=en La naturaleza de la historiografía no puede ser esclarecida históricamente, sino sólo en el ámbito de la lectura. Utilizando como alegoría "El origen del mundo" de Gustave Courbet y su historia, tematizo el arjé de la historiografía y propongo que el objeto de la historiografía es el hiato permanente entre la historicidad y las historias que sin cesar intentan capturar su movimiento. Motivo por el cual la labor del historiógrafo guardaría una relación esencial con aquellas del desconstructor y del psicoanalista.<hr/>The nature of histogriography cannot be elucidated historically, but can be clarified in the domain of reading. Taking allegorical recourse to Gustave Courbet´s "The origin of the world" and its colorful history, I thematize the Arkhe of historiography and propose the thesis that the object of historiography is the permanent hiatus between historicity and the histories that ceaselessly attempt to capture its movement. That is the reason why the task of the historiographer would be essentially related to that of the psychoanalyst and the deconstructor.<hr/>A natureza da historiografia não pode ser esclarecida historicamente, mas apenas no âmbito da leitura. Utilizando como alegoria "A origem do mundo" de Gustave Courbet e sua história, tematizo o arke da historiografia e proponho que o objeto da historiografia é o hiato permanente entre a historicidade e as histórias que permanentemente buscam capturar seu movimento. Motivo pelo qual o trabalho do historiador guardaria uma relação essencial com aqueles do deconstrutor e do psicanalista. <![CDATA[<b>The missing name</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822009000400009&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este artigo discorre sobre a potência da escrita poética mostrando que o poema vem como um empréstimo ao "nome que falta", uma luta para que este lugar da nomeação continue vazio, porém vivo. Isto não implica evidentemente em uma atitude de mudez. Pelo contrário, ao ousar novos significantes o poeta aciona o fracasso do signo em dizer algo do que é. Procuramos articular um fio de argumentação sobre o compromisso ético e político da poesia a partir das sugestões de imagem de um poema de Joaquim Cardozo (1897-1978) intitulado Canto da Serra dos Órgãos.<hr/>This article discusses the power of poetic writings. It shows that a poem is lent to the "missing name" as a way to struggle to keep nomination spaces vacant, but still alive. That evidently doesn't imply a mute attitude. On the contrary, when using new significants the poet activates the failure of the signs in communicating something about what they are. We aim to develop an argument about the ethical and political commitment of poetry based on the image suggestions of a poem by Joaquim Cardozo (1897-1978) entitled Canto da Serra dos Órgãos. <![CDATA[<b>Sinthome, sublimation, sexuation</b>: <b>symptom continuation</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822009000400010&lng=en&nrm=iso&tlng=en à partir du commentaire de Lacan sur Joyce, j'ai développé une thèse lacanienne fondamentale pour penser la transmission entre les générations avec un autre concept que celui de l'identification : le prolongement du symptôme. De plus, l'accent mis sur le sinthome par Lacan, n'empêche pas de situer la sublimation comme l'un des autres prolongements possibles du symptôme initial de Joyce.<hr/>a partir do comentário de Lacan sobre Joyce, desenvolvi uma tese lacaniana fundamental para pensar a transmissão entre gerações com base em outro conceito que o de identificação: o prolongamento do sintoma. Além disso, a ênfase colocada por Lacan sobre o sinthoma, não impede de situar a sublimação como um dos prolongamentos possíveis do sintoma inicial de Joyce.<hr/>Following Lacan's reading of Joyce, I have developed a Lacanian thesis fundamental to the study of intergenerational transmission which uses a concept different from identification: symptom continuation. Moreover, the emphasis Lacan placed on the sinthome does not prevent sublimation from being considered as one of the other possible continuations of Joyce's initial symptom. <![CDATA[<b>The supervision as experience</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822009000400011&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este artigo, que enfoca a supervisão como experiência, faz parte de uma pesquisa sobre a questão da supervisão psicanalítica de tratamentos numa clínica-escola. Para tal, trabalha-se com conceitos psicanalíticos de Freud e Lacan. Busca-se, também, para fazer contraponto, analisar uma concepção filosófica de experiência com Agamben (2005). Para além das considerações teóricas, o artigo apresenta a discussão de uma sessão de supervisão. Realiza-se uma leitura psicanalítica sobre essa experiência. Enfoca-se a análise sobre a condução da supervisão de um material clínico, a situação de tratamento e a especificidade da memória do analista supervisionando a partir da concepção de Fédida (1991).<hr/>This article, focusing on supervision as experience, is part of a research about the issue of psychoanalytical supervision of treatments in a university clinic. For such, this paper works with psychoanalytical concepts of Freud and Lacan. As a counterpoint, this work searchs, also, an analysis of the philosophical conception of experience with Agamben (2005). Beyond the theoretical approach, this article presents an analysis of a session of supervision. A psychoanalytical approach on this experience is achieved. The analysis is focused on the conduction of the supervision of a clinical material, the situation of treatment and the memory of the supervising analyst from the point of view of Fédida (1991). <![CDATA[<b>Language and pulsional life</b>: <b>the process of representation of the pulsion</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822009000400012&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este artigo visa salientar a participação própria da língua na realização do processo de representação e na determinação da vida pulsional. Com base em conceitos do campo da psicanálise e em obras de S. Freud e J. Lacan, o presente estudo retoma considerações acerca do processo de representação e coloca em discussão a função desempenhada pela língua no seu potencial de simbolização da pulsão. Obtêm-se, com isto, precisões teóricas acerca das condições da realização do processo de representação da pulsão.<hr/>This paper aims at emphasizing the participation of language itself in the making of the representation process and in the determination of the pulsional life. Based on concepts of the psychoanalysis field and on the work of S. Freud and J. Lacan, the present study resumes considerations about the representation process and discusses the function of language on its potential for symbolization of the pulsion. As a result we obtain theoretical precisions regarding the conditions of the making of the representation process of pulsion. <![CDATA[<b>Language as alternative for the quantitative aspects in psychoanalysis</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822009000400013&lng=en&nrm=iso&tlng=en O presente artigo faz parte de uma pesquisa mais ampla que visa explorar as conseqüências intrínsecas à hipótese do inconsciente estruturado como linguagem se levada à sua radicalidade. Para tanto, focamos a problemática que envolve os conceitos referentes à energética freudiana, especialmente o de afeto, e os eventuais riscos de apropriações por projetos de agregação da psicanálise às neurociências. Ou seja, ao invés de adentrarmos nos meandros do regime quantitativo presente desde a obra freudiana e decorrentes aproximações com temas neurocientíficos, buscamos percorrer a outra possibilidade de abordagem dos fenômenos clínicos e psicopatológicos igualmente latentes no método psicanalítico, a saber, a exploração da linguagem e do sentido.<hr/>The following article is included in a larger range research program that intents to explore the inner consequences of the hypothesis of the unconscious structured as a language if taken into account radically. This way, we highlight the problematics that involves the Freudian energetic concepts, specially the affect concept, and the risks that surround them and may lead to eventual undertaken projects of the psychoanalysis by the neurocientific theories. Therefore, instead of entering in the quantitative regime core presents since the beginning of the Freudian works and consequent nearings with neurocientific issues, we'll search to delimit the other approach possibility for the clinical and psychopathological events equally concernent to the psychoanalitic method: the exploration of language and meaning exploration. <![CDATA[<b>The discipline of reading</b>: <b>rhythm and the oral dimension in the 'voice' of the text</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822009000400014&lng=en&nrm=iso&tlng=en Considerando que a prática psicanalítica envolve um cuidadoso trabalho de leitura, o presente artigo aborda a escuta da fala como inseparável da leitura de um texto. Usando os conceitos de Meschonnic, destaca nessa operação um elemento fundamental: a oralidade, considerada a voz do texto. Esta mantém a vivacidade do texto e seu caráter de enunciação, remetendo-o ao inconsciente. Vale-se também da noção de ritmo, que escande ao mesmo tempo em que revela a voz. Ressalta que aí estão dadas as coordenadas para se ritmar a cura, nos termos de Czermak, implicando uma disciplina de leitura a partir da qual são oferecidas as condições para que na posição ética de assujeitado à voz de seu próprio texto, o sujeito venha a tomar o lugar que terá feito seu.<hr/>Taking into account that psychoanalytic practice involves a careful way of reading, the present article approaches the listening of what is said as part of the reading of a text. It uses the concepts of Meschonnic to circumscribe a fundamental element: the oral dimension which is considered the 'voice' of a text. This dimension helps the text to maintain a live characteristic as well as its enunciation which leads to the unconscious. It uses the notion of rhythm that implies a scansion made in the text that makes for the appearance of the voice. It then emphasizes that a rhythm can be attached to the treatment, in accordance to Czermak, which implies a strict discipline of reading. From that point the conditions are offered to a subject for him/her to occupy an ethical position that implies becoming subjected to the voice of his/her own text. <![CDATA[<b>The experience of writing</b>: <b>the construction of an extra-topic place</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822009000400015&lng=en&nrm=iso&tlng=en Dans cet article, il s'agira de travailler l'écriture comme lieu des reviviscences des événements de temps (sensations anciennes non encore psychisées).Dans ce temps du récit, de l'écriture de soi, tout devient image, tout se projette au-devant dans l'espace visible extime comme dit Lacan mais pourtant ce for extérieur est inaccessible. Les mots sont les témoins de ce temps d'une mémoire ouverte sur les visages mais des visages devenus visages-fantômes. Le temps de l'écriture est le temps du retour des visages en images de mémoire déformées par le travail du temps: ce temps psychique qui modifie les perceptions et offre un autre regard.<hr/>Neste artigo, a escrita é abordada como lugar de revivências dos acontecimentos do tempo (sensações antigas e ainda não subjetivadas). Nesse tempo da narrativa, da escrita de si, tudo se torna imagem, tudo se projeta em um espaço visível extimo, como diz Lacan, contudo esse foro exterior é inacessível. As palavras são as testemunhas desse tempo de uma memória aberta sobre os rostos, mas rostos que se tornaram rostos-fantasmas. O tempo da escrita é o tempo do retorno dos rostos em imagens de memória deformadas pelo trabalho do tempo: esse tempo psíquico que modifica as percepções e oferece um outro olhar.<hr/>In this article, I will develop ideas of writing as a place of revival time events (old sensations not yet "psychisées"). In this time of the narrative, writing of itself, everything becomes an image, everything is projected in the visible space "extime" as Lacan said but yet this outside forum is inaccessible. Words are the witnesses of that time of a memory open to the faces, but faces that became phantom-faces. The time of writing is the time of the return of faces in images distorted by the work of time: this psychic time changes the perceptions and offers another view. <![CDATA[<b>Writing about the act of writing</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822009000400016&lng=en&nrm=iso&tlng=en O objetivo deste texto é propor uma problematização a respeito da escrita e do escrito, cuja incidência específica, por decorrência, dá-se na escrita escolar. Procuro demarcar a polissemia e a impossibilidade que a escrita convoca, valendo-me de vários autores, principalmente Fernando Pessoa e Jacques Lacan. Assinalo, ainda, alguns desdobramentos possíveis entre escrita, escrito, escritura, inscrição e criação.<hr/>This text aims to discuss theoretical problematizations about the act of writing, relating this subject with writing experiences in school. The principal references are concepts of Jacques Lacan and Fernando Pessoa texts about the act of writing. The article puts forward the argument that writing is a complex issue, considering its condition of real "impossibility" and the difficulties that reality of polysemy brings to us. Finally, the author establishes relations between writing, écriture, creation and inscription. <![CDATA[<b>Letters in workshop</b>: <b>the resounding affirmation of "no"</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822009000400017&lng=en&nrm=iso&tlng=en Partindo do recorte do percurso de uma oficinante, assídua frequentadora da Oficina de Escrita que se realiza semanalmente no Hospital Psiquiátrico São Pedro de Porto Alegre, o presente artigo interroga, desde a Psicanálise de Freud e Lacan, as relações existentes entre negação, agressividade e simbólico. A elaboração tem como horizonte refletir sobre a produção da perda como um dos operadores do trabalho em oficina junto a sujeitos que encontraram importantes impasses em sua estruturação.<hr/>Based on an outline of a participant's course in a writing workshop - which is held weekly in São Pedro Psychiatric Hospital, located in Porto Alegre - the present article questions, from the view of Freud's and Lacan's psychoanalysis, the existing relations between negation, aggressiveness and the symbolic. This work's horizon is to reflect on the production of lack as one of the operators of the making in workshops with subjects that encountered important impasses in their structuring.