Scielo RSS <![CDATA[Estudos de Psicologia (Campinas)]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=0103-166X20150002&lang=en vol. 32 num. 2 lang. en <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[Willingness to Forgive Scale: Structure, reliability and factorial invariance]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-166X2015000200151&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este artigo teve como objetivo adaptar para o contexto brasileiro a Escala de Disposição para Perdoar, conhecendo evidências de validade (fatorial e convergente) e precisão (consistência interna, homogeneidade e confiabilidade composta). Nesse sentido, realizaram-se dois estudos. No estudo 1, participaram 220 estudantes universitários de uma instituição privada de João Pessoa, Paraíba, com idade média de 24 anos (81,7% do sexo feminino), que responderam à Escala de Disposição para Perdoar e a perguntas demográficas. Uma análise de componentes principais revelou uma estrutura unifatorial, explicando 44,3% da variância total, com alfa de Cronbach (α) de 0,88. No estudo 2, participaram 302 estudantes universitários de uma instituição pública da mesma cidade, apresentando idade média de 22 anos (52,3% do sexo masculino), tendo respondido aos mesmos instrumentos. Uma análise fatorial confirmatória corroborou a estrutura unifatorial (Goodness-of-Fit Index = 0,90, Root Mean-Square Error of Approximation = 0,09), que se mostrou invariante quanto ao gênero dos participantes (ΔRoot Mean-Square Error of Approximation &lt;0,01). Além disso, observaram-se índices favoráveis de precisão (α = 0,85, homogeneidade = 0,30 e confiabilidade composta = 0,85), mostrando evidências de validade convergente (Variância Média Extraída = 0,82). Concluiu-se que a medida apresenta evidências de validade e precisão no contexto de pesquisa, porém são demandados novos estudos sobre sua estabilidade temporal e validade discriminante.<hr/>The aim of the article was to adapt the Willingness to Forgive Scale for the Brazilian context and to know its evidence of validity (factorial and convergent) and reliability (internal consistency, homogeneity, and composite reliability). In this regard, two studies were conducted. In study 1, 220 undergraduate students from a private university from João Pessoa, Paraíba, with a mean age of 24 years (81.7% female) answered the Willingness to Forgive Scale and demographic questions. A principal components analysis revealed a one-factor structure, which accounted for 44.3% of the total variance, with a Cronbach's alpha of 0.88. In study 2, 302 undergraduate students from a public university in the same city, with mean age of 22 years (52.3% men) answered the same instruments. A confirmatory factor analysis confirmed the one-factor structure (Goodness-of-Fit Index = 0.90, Root Mean-Square Error of Approximation = 0.09), which showed to be invariant regarding participants' gender (ΔRoot Mean-Square Error of Approximation &lt;0.01). Furthermore, good indicators of reliability (α = 0.85, homogeneity = 0.30, and composite reliability = 0.85) were observed showing evidence of convergent validity (Mean Extracted Variance = 0.82). In conclusion, this measure collected evidence of validity and reliability considering the research context; nevertheless, further studies must be conducted to verify its temporal stability and discriminant validity. <![CDATA[Evaluation of prejudice against sexual and gender diversity: Construction of an instrument]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-166X2015000200163&lng=en&nrm=iso&tlng=en O Brasil carece de ferramentas para avaliar o preconceito contra a diversidade sexual e de gênero, sendo necessários instrumentos com boas evidências de validade e confiabilidade e, principalmente, adaptados para o contexto brasileiro. Uma vez que o preconceito está fortemente associado à cultura e que no Brasil o preconceito contra orientações não heterossexuais está especialmente relacionado com expressões de gênero discordantes das hegemônicas, este estudo propõe a criação de um instrumento construído para as especificidades do contexto brasileiro, com evidências de validade e confiabilidade. Participaram do estudo 800 sujeitos, moradores de áreas rurais e urbanas do sul do Brasil, os quais responderam ao questionário Escala de Preconceito contra Diversidade Sexual e de Gênero. Foram conduzidas análises a partir da Teoria de Resposta ao Item, de validade de critério e de correlação com outro instrumento que avalia o mesmo construto. A escala apresentou boas evidências de validade e fidedignidade, bem como contextualização para a realidade brasileira, sugerindo que se trata de uma ferramenta útil para avaliar o preconceito.<hr/>In Brazil there is a lack of tools to assess such prejudices with good evidences of validity and reliability, and, especially, contextualized to the Brazilian context. Since prejudice is strongly associated to the culture and that in Brazil prejudice against non-heterosexual orientations is especially related hegemonic discordant gender expressions we created an instrument. The overall objective of this article is to establish evidences of validity and reliability for this instrument developed for the specificities of the Brazilian reality. Eight-hundred respondents from rural and urban areas of southern Brazil completed the Scale of Prejudice Against Sexual and Gender Diversity. Analyzes were conducted using Item Response Theory, criterion validity, and relationship with an instrument that measures the same construct. The scale showed good validity and reliability, and adaptability for the Brazilian reality, suggesting that it is a useful tool to assess prejudice. <![CDATA[Translation and semantic adaptation of the Attentional Control Scale for the Brazilian Context]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-166X2015000200173&lng=en&nrm=iso&tlng=en A capacidade de controlar a atenção é uma tarefa complexa que demanda diferentes processos mentais. O presente estudo teve como objetivo traduzir e adaptar o Questionário de Controle Atencional para o Brasil. A pesquisa foi realizada com a ajuda de dois painéis multidisciplinares: um formado por profissionais de Psicologia Experimental e Neurociências responsáveis por auxiliar nas adaptações semânticas, e outro de especialistas em Psicologia da Atenção responsáveis por julgar os itens em três aspectos: clareza, coerência e compatibilidade semântica. O Coeficiente de Validade de Conteúdo foi utilizado para avaliar os itens a partir dos escores desses juízes. Dentre os 20 itens, apenas três não se mantiveram acima do critério de 0,80: itens 3, 16 e 20. Os resultados foram discutidos considerando os problemas enfrentados na adaptação do instrumento. Concluiu-se que o Questionário de Controle Atencional foi traduzido adequadamente e apresenta equivalência semântica com seu original estadunidense.<hr/>The ability to control attention is a complex task that requires different mental processes. The present study aims to translate and adapt the Attentional Control Scale to Brazil. The research was conducted with the support of two multidisciplinary panels: one formed by Experimental Psychologists and Neuroscientists who were responsible to help throughout the semantic adaptation process, and another one formed by Attention Psychology specialists responsible to judge items in three aspects: comprehensiveness, coherence and semantic compatibility. The Content Validity Coefficient was used to assess items from judges scores. Among 20 items, only three did not hold values above the 0.80 criteria: items 3, 16 and 20. Results were discussed considering the problems faced throughout the adaptation of the instrument. It was concluded that the Attentional Control Scale was adequately translated and it shows semantic equivalency with the American original scale. <![CDATA[Relation between school success promotion strategies and student's engagement with school]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-166X2015000200187&lng=en&nrm=iso&tlng=en As associações entre as percepções dos alunos acerca das características da escola e o envolvimento dos alunos com a escola são ainda pouco compreendidas. O objetivo deste estudo foi avaliar a relação entre a percepção dos alunos acerca das estratégias de promoção de sucesso educativo e o seu envolvimento com a escola. Participaram neste estudo 529 alunos do 2º e 3º ciclo de um município do Norte de Portugal, Vila Nova de Famalicão. Os resultados demonstram a existência de uma correlação positiva e estatisticamente significativa entre a percepção dos alunos acerca das estratégias de otimização de aprendizagem e o envolvimento escolar. Estes resultados têm fortes implicações para os esforços de melhoria e da eficácia da escola, incluindo para a promoção de trajetórias acadêmicas positivas.<hr/>The association between the students' perception of the school characteristics and the students' engagement with school requires further research. The aim of the study was to describe the association between the students' perception of school success promotion strategies and students' engagement with school. The sample consisted of 529 students, enrolled in elementary and middle-school classes, from a municipality in Northern Portugal, Vila Nova de Famalicão. The results showed a statistically significant positive correlation between the students' perception of the school success promoting strategies and students' engagement with school. These results have strong implications with respect to the efforts to improve education and school effectiveness, including the promotion of positive academic trajectories. <![CDATA[Reading comprehension and phonological awareness: Evidence of validity of their measures]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-166X2015000200201&lng=en&nrm=iso&tlng=en O presente estudo buscou evidência de validade para medidas que avaliam construtos relacionados, a saber, a compreensão de leitura e a consciência fonológica. Participaram da pesquisa 112 crianças de ambos os gêneros, com idade entre 6 e 12 anos (M = 8,46; DP = 1,68), matriculadas no 2° e no 5° anos do Ensino Fundamental de uma escola pública do interior de São Paulo. Os estudantes foram submetidos ao teste de Cloze, ao Roteiro de Avaliação da Consciência Fonológica e à Prova de Consciência Fonológica por Produção Oral, sendo os dois últimos aplicados individualmente. Os resultados obtidos confirmaram a existência de validade de critério por grupos contrastantes, uma vez que as crianças que obtiveram escores altos na Prova de Consciência Fonológica por Produção Oral também apresentaram desempenhos significativamente superiores no Cloze e no Roteiro de Avaliação da Consciência Fonológica.<hr/>This study searched for evidence of validity for measures that evaluate related constructs, namely, reading comprehension and phonological awareness. A total of 112 second- and fifth-grade children of both sexes between the ages of 6 and 12 years (M = 8,46; SD = 1,68) from a public elementary school in a town in São Paulo participated in the study. The students answered a cloze test, the Phonological awareness assessment and Phonological Awareness Test by Oral Production, the last two being administered individually. The results confirmed the existence of criterion validity in contrasting groups, as the children who obtained high scores on the Phonological Awareness Test by Oral Production also showed significantly higher performance on the cloze test and the Phonological awareness assessment. <![CDATA[Evaluation of theory of mind: A study with students from public and private schools]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-166X2015000200213&lng=en&nrm=iso&tlng=en This study assessed the development of the theory of mind in preschool children aged 4 and 5 years old, along with potential interactions among gender, age and whether children were from private or public schools. A total of 178 children (91 students from public schools and 87 from private schools) participated in the study. After securing ethical compliance with applicable guidelines, we applied the Theory-of-Mind-Scale. There was no evidence of differences regarding gender (p &lt; 0.38). Differences were found in regard to age (p &lt; 0.001) and whether students were from private or public schools (p &lt; 0.008). Five-year-old children performed better on the scale and children from private schools also performed better than those from public schools. The results show that the scale was sufficiently sensitive to capture the evolutionary sequence of the theory of mind and the relevance of socio-cultural factors. Because research in this field is still incipient, we emphasize the importance of further studies conducted with larger samples.<hr/>Este estudo avalia o desenvolvimento da teoria da mente em pré-escolares de 4 e 5 anos de idade, bem como as possíveis interações entre as variáveis sexo, idade e rede de ensino. Participaram da pesquisa 178 crianças, das quais 91 alunos de escolas públicas e 87 de escolas particulares. Após procedimentos éticos, aplicou-se a Escala de Teoria da Mente. Não foi evidenciada distinção quanto ao sexo (p &lt; 0,38). Foram verificadas diferenças quanto à idade (p &lt; 0,001) e rede de ensino (p &lt; 0,008). Crianças de 5 anos obtiveram melhor desempenho na escala. As crianças oriundas de escolas particulares apresentaram um desempenho superior às das escolas públicas. Resultados indicam que a escala foi sensível para captar a sequência evolutiva da teoria da mente e a relevância dos fatores socioculturais. Por ser uma área ainda em fase emergente de investigação no Brasil, ressalta-se a importância de estudos com amostras maiores. <![CDATA[A proposal for a behavioral pre-consultation: Analysis of the use of a protocol during consultations]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-166X2015000200221&lng=en&nrm=iso&tlng=en This study aimed to analyze how physicians, caregivers, and children use protocols regarding estimated issues to medical visits, procedure named pre-consultation lists, along treatment for childhood cancer. Three pediatricians and 24 dyads child-caregiver took part; each pair was interviewed before medical visits in order to report doubts, needs and issues estimated to the consultation. This list was attached to child's medical record as a memo of themes to discuss in the next medical visit. Results show that two physicians included effectively this file in their consultations and discussed a great amount of issues listed by caregivers and patients. Children did not refer to the listed issues, but parents, in smaller amounts, discussed the themes in the protocol. This procedure contributed to insert the child in consultations and it may facilitate the focus on specific themes, however the physician's main role in managing communication during pediatric medical visits is highlighted.<hr/>Constitui objetivo deste trabalho analisar a maneira como médicos, cuidadores e crianças utilizam protocolos de estimativas de assuntos para discussão, procedimento denominado pré-consulta comportamental, durante atendimentos em onco-hematologia pediátrica. Participaram da pesquisa 3 pediatras e 24 díades criança-cuidador; cada dupla foi entrevistada antes de consultas para registrar dúvidas, demandas e assuntos estimados para o atendimento. Essa lista era anexada ao prontuário como um lembrete de temas para discussão na consulta em seguida. Os resultados mostraram que dois médicos incluíram efetivamente esse protocolo em seus atendimentos e discutiram grande parte dos assuntos indicados por cuidadores e pacientes. As crianças não fizeram referência aos assuntos listados, mas os pais, em menores proporções, discutiram as questões do protocolo. O procedimento contribuiu para maior inserção da criança nas consultas e pode facilitar o enfoque de temas específicos. Porém, destaca-se a primazia do médico em administrar a comunicação durante as consultas pediátricas. <![CDATA[The constitution of mother-daughter relationship and the development of eating disorders]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-166X2015000200233&lng=en&nrm=iso&tlng=en O presente estudo buscou compreender, por meio de abordagem qualitativa, como mães de adolescentes com transtornos alimentares vivenciaram o processo de cuidar de suas filhas desde a gestação até os dois anos de idade, procurando investigar se essas vivências relacionadas à maternidade guardam relação com o aparecimento futuro do transtorno. Foram entrevistadas seis mães de pacientes com anorexia nervosa, que estavam em seguimento ambulatorial em um serviço especializado. Os relatos maternos foram examinados pela análise de conteúdo. Os resultados evidenciaram dificuldades de sustentação (holding) por parte das mães, que acarretaram intenso sofrimento e sentimento de impotência diante das necessidades básicas das filhas. As crianças foram descritas como vorazes e insatisfeitas, sugerindo que teriam vivenciado dificuldades em assimilar o cuidado oferecido por suas mães em seus primeiros anos de vida. Desse modo, os resultados corroboram a importância de investigar as experiências infantis precoces para a compreensão da etiologia dos transtornos alimentares.<hr/>Based on a qualitative approach, the present study aimed to understand how mothers of adolescents eating disorders with experienced the process of raising their daughters from pregnancy to their second year of age, trying to investigate the influence of those maternity experiences on the development of disorder. We interviewed mothers of six patients with anorexia nervosa who were followed up at a specialized outpatient. Maternal reports were examined by content analysis. Results showed difficulties in holding by mothers, which led to intense suffering and feeling of powerlessness in the face of the basic needs of their daughters. Children were described as voracious and unsatisfied, what suggests that they might have experienced difficulties in coping with the care offered by their mothers in their early development experiences. Thus, results corroborate the importance of investigating early childhood experiences to understand eating disorders etiology. <![CDATA[Professional profile, well-being and job satisfaction among psychologists working in public healthcare services]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-166X2015000200249&lng=en&nrm=iso&tlng=en Different work environments and working conditions can affect or influence levels of well-being and job satisfaction. This study's aim was to analyze the well-being and job satisfaction of 66 psychologists working in the public healthcare services of two municipal healthcare centers and a federal university. Data were submitted to descriptive, variance and correlation analyses. The results revealed general averages with values close to the scales' midpoints. The analysis of variance among the groups of psychologists working in the three different facilities showed significant differences in levels of satisfaction regarding working conditions and the perception of accomplishment/expressiveness. The satisfaction scales were significantly correlated with the well-being scales. The conclusion is that the results show possible interventions designed to reduce or eliminate negative factors and increase well-being and job satisfaction.<hr/>Diferentes ambientes e condições de trabalho podem afetar ou influenciar os níveis de bem-estar e satisfação laboral. O interesse deste estudo foi analisar o bem-estar e a satisfação no trabalho de 66 psicólogos atuantes na saúde pública de duas secretarias municipais de saúde e em uma universidade federal. Os dados foram submetidos a estatísticas descritivas, análises de variância e testes de correlação. Com relação às escalas de Bem-Estar e de Satisfação no Trabalho, as médias apresentaram valores próximos do ponto médio. Foram realizadas análises de variância entre as médias dos grupos de psicólogos que atuavam nas três instituições, indicando diferenças quanto à satisfação com as condições de trabalho e quanto à percepção de realização no trabalho. As escalas de satisfação se correlacionaram significativamente com as escalas de bem-estar. Conclui-se que os resultados encontrados mostram possibilidades de intervenções no sentido de melhorar o bem-estar e a satisfação laboral. <![CDATA[Work-related values and organizational values from the perspective of university professors: A correlational study]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-166X2015000200259&lng=en&nrm=iso&tlng=en The alignment of personal and organizational values can positively influence performance. Considering the motivational aspect of these values, organizations and workers seek to satisfy their goals and needs through work. Thus, the study of personal and organizational values of university professors can contribute to the production of science, technology and innovation through committed professionals with this strategic axis. The aim of the present study was to evaluate work-related values and their relationship with organizational values. Sixty-eight professors from an institution of higher education, which focuses on innovation, participated in the study. The results showed that Realization at Work was the factor with the highest score; Social Relationships showed correlations with the organizational values Autonomy (p = 0.018), Realization (p = 0.001), Mastery (p = 0.048), Prestige (p = 0.001), Conformity (p = 0.016) and Concern with Community (p = 0.014). These results suggest the importance of values for satisfaction at work and organizational strategies.<hr/>O alinhamento dos valores pessoais e organizacionais pode influenciar positivamente o desempenho profissional. Considerando o aspecto motivacional desses valores, organizações e trabalhadores buscam a satisfação de suas metas e necessidades por meio do trabalho. Nesse sentido, o estudo dos valores pessoais e organizacionais do professor pode contribuir para a produção de ciência, tecnologia e inovação por meio de profissionais engajados com esse eixo estratégico. O objetivo do estudo foi avaliar os valores relativos ao trabalho e sua relação com os valores organizacionais. Participaram da pesquisa 68 professores de uma instituição de ensino superior focada em inovação. Os resultados mostraram que Realização no Trabalho obteve média mais elevada; Relações Sociais apresentou correlações com os valores organizacionais Autonomia (p = 0.018), Realização (p = 0.001), Domínio (p = 0.048), Prestígio (p = 0.001), Conformidade (p = 0.016) e Preocupação com a Coletividade (p = 0.014). Esses resultados sugerem a importância dos valores para a satisfação laboral e para a elaboração de estratégias organizacionais. <![CDATA[Motivational Theory of Coping: A developmental proposal for the analysis of coping with stress]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-166X2015000200269&lng=en&nrm=iso&tlng=en A Teoria Motivacional do Coping é uma proposta desenvolvimentista recente de análise do enfrentamento do estresse relacionada à abordagem do coping como ação regulatória. Qualquer evento pode ser percebido como estressante na medida em que desafie ou ameace as necessidades psicológicas básicas de relacionamento, competência e autonomia. Essa teoria propõe um sistema de análise a partir da organização das estratégias de enfrentamento em 12 categorias, segundo seu provável desfecho adaptativo: (a) positivo: autoconfiança, busca de suporte, resolução de problemas, busca de informações, acomodação e negociação; e (b) negativo: delegação, isolamento, desamparo, fuga, submissão e oposição. A utilização desse sistema na análise do coping infantil permite identificar padrões de enfrentamento relacionados à idade, bem como possibilita avaliar o papel das mudanças desenvolvimentais no uso de determinadas estratégias, contribuindo, assim, para a análise da evolução do coping ao longo da infância.<hr/>Coping Motivational Theory is a recent developmental research designed to analyze the coping with stress related to the coping approach as a regulatory action. Any event may be perceived as stressful as it challenges or threatens the basic psychological needs of relationships, competence and autonomy. This theory proposes an analysis system based on the organization of coping strategies into 12 categories according to their probable adaptation outcome: (a) positive: self-confidence, search for support, problem resolution, search for information, accommodation and negotiation; and (b) negative: delegation, isolation, hopelessness, escape, submission and opposition. The use of this system in the analysis of children's coping allows us to identify patterns of coping related to age, as well as to evaluate the role of developmental changes in the use of specific strategies, thus contributing to the analysis of the evolution of coping throughout childhood. <![CDATA[The self-regulation process on child development]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-166X2015000200281&lng=en&nrm=iso&tlng=en A autorregulação é um processo básico relacionado aos desfechos adaptativos ao longo do desenvolvimento. O objetivo do presente artigo foi realizar uma revisão temática sobre o conceito de autorregulação e suas relações com o desenvolvimento da criança. Primeiramente, foram abordados os fundamentos teóricos sobre o processo de autorregularão no desenvolvimento, de acordo com o Modelo Transacional do Desenvolvimento de Arnold Sameroff. Em seguida, foi focalizada a caracterização deste processo de acordo com os seguintes componentes principais: a regulação cognitiva e os mecanismos neurocognitivos, a regulação emocional e a regulação comportamental. Além disso, foi tratada a relação entre os processos regulatórios e o temperamento. Finalmente, foi também analisada a relevância do papel dos correguladores na composição do processo autorregulatório no desenvolvimento da criança.<hr/>The self-regulation is a basic process related to adapted developmental outcomes. The aim of the present study was to present a topical review about the concept of self-regulation throughout the child development. First, the self-regulation of process of children was examined by Sameroff's Transactional Model of Development theoretical framework. Subsequently, the self-regulation process was characterized according to the following main components: cognitive regulation and neurocognitive mechanisms, emotional regulation, and behavioral regulation. Furthermore, the relationship between the regulatory processes and temperament was examined. Finally, the relevant influence of the co-regulator caregivers on composition of the self-regulatory process of child development was also analyzed. <![CDATA[Parental self-regulation, emotional regulation and temperament: Implications for intervention]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-166X2015000200295&lng=en&nrm=iso&tlng=en This work presents a theoretical and integrative review about parental self-regulation and emotional regulation processes, and its connections with parental coping and temperament. Parents' adaptation requires the ability to regulate their own behavior in reaction to their perception and interpretation of the child's behavior. These self-regulation processes are often intertwined with intense emotions that need to be regulated. Parenting attitudes and behaviors cannot be fully understood without considering the parents' emotional dysregulation and their emotional regulation strategies. However, only few studies focus the effects of parents' emotional regulation strategies on the parenting behavior. Experiential avoidance and overprotection are discussed as extreme cases of parental emotional regulation strategies that may have particularly detrimental effects in childrearing. The authors propose that, although the main parenting interventions already use a self-regulation approach, specific training in adaptive emotional regulation strategies should be included in these programs.<hr/>Este trabalho apresenta uma revisão teórica integrativa dos processos de autorregulação e de regulação emocional parentais e da relação destes conceitos com o coping e o temperamento dos pais. A adaptação parental requer capacidade para regular o comportamento em reação à percepção do comportamento do filho. Estes processos de autorregulação estão frequentemente interligados com emoções intensas que precisam ser reguladas. Os comportamentos parentais não podem ser totalmente compreendidos sem se considerar a desregulação emocional e as estratégias de regulação emocional dos pais. No entanto, poucos trabalhos estudaram os efeitos das estratégias de regulação emocional no comportamento parental. O evitamento experiencial e a superproteção são apresentados como casos extremos de estratégias de regulação emocional parental que podem ter efeitos negativos na educação das crianças. As autoras propõem que, embora os principais modelos de intervenção parental usem uma abordagem de autorregulação, o treino específico em estratégias de regulação emocional adaptativas devem integrar estes programas. <![CDATA[Coping with fetal death by nursery professionals on the dispositional approach and Motivacional Theory of Coping]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-166X2015000200307&lng=en&nrm=iso&tlng=en O enfrentamento (coping) tem sido entendido como uma ação autorregulatória de ajuste ao desequilíbrio provocado pelo estressor, sempre com função adaptativa, ainda que a estratégia de enfrentamento não seja resolutiva. Duas abordagens têm esta definição em comum - a Abordagem Disposicional e a Teoria Motivacional do Coping. Visando a estudar o coping da morte fetal, 36 profissionais de enfermagem de dois hospitais públicos responderam, individualmente, o Inventário COPE com 60 itens e uma Entrevista de Coping Motivacional, com 12 categorias de coping. Esses profissionais lidam com a morte fetal utilizando preferencialmente as seguintes estratégias de enfrentamento: Negociação, Busca de Informação, Autoconfiança e Busca de Suporte (Entrevista), e pela Religiosidade, Reinterpretação positiva e Planejamento (COPE). Discute-se a possibilidade de estudar o coping com base em enfoque multiteórico, a fim de ampliar a compreensão do processo de enfrentamento de condições adversas, como a morte fetal.<hr/>Coping has been understood as a self-regulatory action adjustment to the imbalance caused by the stressor, always with adaptive function, even if the coping strategy is not solving. Two approaches have this definition in common - Dispositional Approach and the Motivational Theory of Coping. In order to assess the coping of the fetal death, 36 nursing professionals from two public hospitals answered individually COPE Inventory, with 60 items and the "Motivational Coping" Guide Interview, with 12 categories of coping. These professionals coping with fetal death through adaptive ways of coping, such as Negotiation, Information Seeking, Self-reliance and Support Seeking (Interview), and by the Religiosity, Positive Reinterpretation and Planning (COPE). It is necessary discuss the possibility of studying the coping based on various approaches to broaden the understanding of the coping process in adverse conditions such as fetal death. <![CDATA[Coping strategies among children in a pre-surgical situation: Relationship with age, gender, experience with surgery and stress]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-166X2015000200319&lng=en&nrm=iso&tlng=en O estudo objetivou verificar as estratégias de enfrentamento de crianças, com idade entre 7 e 12 anos, em situação pré-cirúrgica, e sua relação com variáveis sociodemográficas, presença de estresse na criança, no acompanhante e experiência prévia com cirurgia. Para tanto, 58 crianças internadas para realização de cirurgias eletivas responderam ao instrumento de avaliação das estratégias de enfrentamento da hospitalização e a um questionário de avaliação do estresse. O acompanhante respondeu a um levantamento sociodemográfico e ao inventário de sintomas de estresse de Lipp. As estratégias mais utilizadas foram distração e solução do problema e as menos utilizadas, afastamento social e oposição. Meninas e filhos de pais com estresse usaram significativamente mais estratégias de regulação da emoção. Observou-se maior uso de reestruturação cognitiva em crianças mais velhas e com experiência prévia em cirurgia. Os resultados sinalizam a necessidade de considerar as variáveis estudadas quando da elaboração de programas de preparação cirúrgica.<hr/>This study's aim was to verify coping strategies among children aged between 7 and 12 years old who will be experiencing surgery and the potential relationship of coping strategies with sociodemographic variables, stress in children and in companions, and the child's prior experience with surgery. A total of 58 children hospitalized and waiting for elective surgeries responded to the Assessment Instrument of Coping to Hospitalization and an instrument to assess stress. The companion received a sociodemographic questionnaire and the Lipp Stress Symptom Inventory. Problem-solving strategies and distraction were the most frequent strategies used, while social withdrawal and opposition were the least frequent. Girls and children of stressful parents used emotion regulation strategies with significantly more frequency. Likewise, greater cognitive restructuring was observed in older children and those with prior experience with surgeries. The results show the need to consider the studied variables when developing pre-operative preparation programs. <![CDATA[Coping behaviors in the child hospitalization context]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-166X2015000200331&lng=en&nrm=iso&tlng=en A criança hospitalizada precisa lidar com estressores que geram ansiedade e sofrimento. Com o objetivo de descrever comportamentos de coping de crianças hospitalizadas e suas relações com idade, sexo e motivo da hospitalização, foram analisadas respostas ao Instrumento de Avaliação das Estratégias de Enfrentamento da Hospitalização de 148 crianças (6-12 anos, M = 9,5 anos), a partir de um banco de dados integrado. Os resultados foram analisados por estatística descritiva e inferencial. Tomar remédio, conversar, assistir televisão, rezar e brincar foram os comportamentos mais referidos. Houve correlação entre comportamentos de coping e diferenças decorrentes do motivo da hospitalização. Meninas cantam mais e referiram mais choro, tristeza e medo do que meninos. Não foram verificadas diferenças em relação à idade, mas o comportamento de chantagem diminuiu em função da maior idade. Sugere-se que variáveis como sexo, motivo da hospitalização e idade sejam consideradas em intervenções com foco no coping da hospitalização.<hr/>Child hospitalization needs to cope with the stressors that cause anxiety and suffering. Aiming at describing the coping behaviors of hospitalized children and their relationships to age, sex and the reason for hospitalization, 148 responses of children aged 6-12 were analyzed (M = 9.5 years old) to the Coping with Hospitalization Scale, from an integrated database. The results were analyzed by descriptive and inferential statistics. Taking some medicine, talking, watching television, praying and playing were the most referred to behaviors. There was a correlation between the coping behaviors and the differences caused by the hospitalization reason. Girls tend to sing more, and demonstrated more crying, sorrow and fear than boys. There were no differences as to age, but persuasion behavior decreases in older children. We suggest that sex, hospitalization reason and age have to be considered in interventions on coping with hospitalization.