Scielo RSS <![CDATA[Tempo Social]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=0103-207020140001&lang=es vol. 26 num. 1 lang. es <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[<b>Apresentação</b>: <b>Controvérsias desafiadoras</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702014000100001&lng=es&nrm=iso&tlng=es <![CDATA[<b>Care, intersectionality and feminism</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702014000100002&lng=es&nrm=iso&tlng=es Este artigo propõe uma análise retrospectiva de uma pesquisa etnográfica realizada num estabelecimento medicalizado para pessoas idosas. Trata-se de compreender quais as condições sociais e organizacionais favoráveis a uma cultura do cuidado. A pesquisa não permitiu a superação dos antagonismos em termos de raça entre a equipe de direção e de supervisão e a equipe das cuidadoras. Mas formalizou a oposição entre o "profissionalismo" concebido pela supervisão como sendo a "boa distância" e a ética do cuidado das auxiliares de enfermagem e cuidadoras expressa em termos de amor.<hr/>This article proposes a retrospective analysis of an ethnographic study conducted in a medical establishment for the elderly. Its aim is to understand which social and organizational conditions favour a culture of care. The research was unable to overcome the racial antagonisms between the management and supervision team and the team of carers. However it did formalize the opposition between the professionalism conceived by the supervisors as maintaining a good distance and the ethics of care of the nursing auxiliaries and carers expressed in terms of love. <![CDATA[<b>Arenas of conflict surrounding care</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702014000100003&lng=es&nrm=iso&tlng=es O texto explora as arenas de conflito em torno do cuidado em asilos. Equipe técnica, cuidadoras e idosos dependentes constituem uma configuração específica da vida nessas instituições. Trata-se de analisar o modo pelo qual a questão é abordada por Pascal Molinier no artigo "Interseccionalidade, cuidado e feminismo", tendo como contraponto minha pesquisa sobre mulheres imigrantes cuidadoras de idosos na Itália e o emprego doméstico no Brasil.<hr/>The text explores the arenas of conflict surrounding care in rest homes. Technical teams, carers and elderly dependents constitute a specific configuration of life in these institutions. Here I analyse the way in which Pascale Molinier approaches the topic in her article "Intersectionality, care and feminism," providing a counterpoint through my research on immigrant women who care for the elderly in Italy and domestic work in Brazil. <![CDATA[<b>Exchanging looks</b>: <b>care relations, class and gender</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702014000100004&lng=es&nrm=iso&tlng=es Este artigo, em diálogo com a reflexão de P. Molinier, explora as continuidades e as rupturas entre a situação de trabalho do care numa instituição francesa, analisada por essa autora, e o nosso campo de pesquisa em São Paulo, com as trabalhadoras sociais. Primeiro, vimos como a entrada em campo configura distintamente as relações tecidas entre pesquisadoras e interlocutoras e o objeto de pesquisa. Em seguida, observamos como o trabalho do cuidado ganha traços particulares, na medida em que tanto agentes e usuárias compartem a mesma origem social como as ações se desenvolvem no próprio meio.<hr/>Responding to P. Molinier s work, this article looks to explore the continuities and ruptures between the care situation in the French institution analysed by the author, and our own research field in São Paulo, involving female social workers. First we examine how access to the field produces distinct relational configurations between researchers, interlocutors and the research subject. This is followed by an exploration of how care work reveals particular features when agents and users have the same social background, and their actions are developed in the same context. <![CDATA[<b>Gender, class and race: the intersectionality and consubstantiality of social relations</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702014000100005&lng=es&nrm=iso&tlng=es Uma das principais controvérsias atuais no campo dos estudos do trabalho e do gênero é a maneira de conceitualizar a interdependência das relações sociais de raça, sexo e classe, que alguns designam por "interseccionalidade", outros por "consubstancialidade". A controvérsia é apresentada a partir de uma perspectiva "situada", avessa à definição da ciência como objetiva e racional. A seguir, o conceito de consubstancialidade é aplicado à análise das relações de gênero, de raça e de classe no trabalho de care, trabalho material, técnico e emocional, em que essas relações aparecem imbricadas.<hr/>One of the principal controversies today in the field of labour and gender studies is the way in which the interdependence of the social relations of race, sex and class is conceptualized, with some authors appealing to "intersectionality" and others to "consubstantiality". The controversy is presented through a "situated" perspective that upturns the definition of science as objective and rational. The concept of consubstantiality is then applied to the analysis of gender relations, race relations and class relations in the care work, as well as the physical, technical and emotional work, in which these relations appear imbricated. <![CDATA[<b>Musicians and their work: gender and race differences</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702014000100006&lng=es&nrm=iso&tlng=es As relações sociais consubstanciais de classe, gênero e raça/cor da pele informam diferenças quando se considera o lugar que músicos ocupam nas formas de vivenciar o campo artístico, seja no trabalho com vínculos duradouros e formais, seja no trabalho intermitente. Os dados estatísticos selecionados evidenciam que o campo da música é, de forma predominante, um espaço constituído de homens brancos (48% do total). As relações sociais de classe acrescentam a importância da origem socioeconômica na formação profissional e no trabalho; em especial dos intérpretes solistas, entre os quais se observa também a predominância de homens brancos.<hr/>Consubstantial social relations of class, gender and race/skin colour inform differences in the ways in which musicians experience the artistic field, whether they are engaged in long-term or intermittent work. Statistical data shows that the music field is predominantly composed of white males (48% of the total). Class relations determined by socioeconomic background also prove important in terms of professional training and work, especially that of soloists, among whom we can again observe the predominance of white males. <![CDATA[<b>Work and inequalities in light of a new model of development</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702014000100007&lng=es&nrm=iso&tlng=es O artigo reflete sobre a situação do trabalho no Brasil. Interpreta estatísticas oficiais sobre ocupação, à luz de uma análise da política econômica em curso no país na última década. O ponto de partida teórico adotado considera que, apesar de o atual processo de globalização possuir implicações universais sobre o trabalho, é importante analisar a realidade nacional a partir da recuperação da sua dinâmica interna; esta aponta para melhorias na inserção ocupacional das mulheres e da população negra, ainda que persistam grandes desigualdades de gênero e raça no mercado de trabalho brasileiro.<hr/>The article examines the labour situation in Brazil. It interprets official statistics on occupation through an analysis of the economic policy implemented in the country over the last decade. Its theoretical starting point is the hypothesis that although the contemporary process of globalization has universal implications for work, we need to analyse the national reality through a reconstruction of its internal dynamic: this analysis shows improvements in the inclusion of women and the black population in formal employment, although large gender and racial inequalities still persist in the Brazilian labour market. <![CDATA[<b>Production and reproduction, home and work</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702014000100008&lng=es&nrm=iso&tlng=es Com base na análise da relação entre casa e trabalho, e do significado dessa relação para a prática do cuidado, o artigo desenvolve uma crítica aos argumentos de Betty Friedan no livro A mística feminina, entendido como uma irônica continuidade do projeto marxista de reduzir a emancipação das mulheres à obtenção de um emprego fora de casa. Assumindo uma oposição entre cuidado e trabalho, amor e dinheiro, certas feministas renegaram o trabalho doméstico. Entretanto, o movimento organizado das trabalhadoras em domicílio, que luta pelo reconhecimento legal de seu trabalho, tem sublinhado a interconexão entre reprodução social e produção; ao mesmo tempo, teóricos têm questionado a ética do trabalho assentada num paradigma produtivista da vida social.<hr/>Based on an analysis of the relation between home and work, and the meaning of this relation for care practices, the article develops a critique of Betty Friedan arguments in the book The feminine mystique, taken as an ironic continuation of the Marxist project of reducing the emancipation of women to getting a job outside the home. Assuming an opposition between care and work, love and money, certain feminists have turned their back on domestic work. However the organized movement of household workers, which campaigns for legal recognition of their work, has underlined the interconnection between social reproduction and production. At the same time, theorists have questioned the work ethic based on a productivist paradigm of social life. <![CDATA[<b>The socialization of care and social inequalities</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702014000100009&lng=es&nrm=iso&tlng=es O presente texto tem como propósito tecer alguns comentários sobre o artigo apresentado por Eillen Boris, tendo como base pesquisas que venho realizando sobre o regime de care no Brasil. Sinalizo para o lugar estratégico que o trabalho doméstico remunerado assume, procurando situá-lo em relação a outras esferas de cuidado, como a repartição das tarefas domésticas entre homens e mulheres e as provisões públicas de educação infantil e no cruzamento de dois sistemas de desigualdades, de gênero e classe social.<hr/>This text offers a commentary on the article presented by Eillen Boris, drawing from my own on-going research into care regimes in Brazil. I highlight the strategic place occupied by paid domestic work, comparing it to other spheres of care, such as the sharing of domestic tasks between men and women and the public provision of child education, and examining the intersection of two systems of inequalities: gender and social class. <![CDATA[<b>Work and family</b>: <b>possibilities for integration</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702014000100010&lng=es&nrm=iso&tlng=es Este artigo analisa a articulação trabalho-família levando em conta, de um lado, o modo como tal discussão transformou-se conceitualmente ao longo do tempo desde os anos de 1970 e, de outro, a constação empírica da permanência de um modelo que repousa na sobrecarga feminina e na menor participação masculina na reprodução. Discute-se em que medida essa permanência se deve à combinação particular de elementos demográficos e socioeconômicos e ao fato de que as poucas políticas existentes de articulação trabalho-família em nosso país não permitem acesso generalizado.<hr/>This article explores work-family integration, taking into account, on one hand, the way in which this discussion has transformed conceptually over time since the 1970s and, on the other, the empirical observation of the persistence of a model based on overburdening women and relatively low male participation in reproduction. The text discusses the extent to which this persistence derives from a specific combination of demographic and socioeconomic elements and the failure of the few work-family integration policies existing in Brazil to provide widespread access. <![CDATA[<b>International comparisons</b>: <b>challenges for studies of work and gende</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702014000100011&lng=es&nrm=iso&tlng=es A comparação internacional é uma prática paradoxal. Ela obriga a comparar o incomparável. Esse artigo se inspira em certas opções da tradutologia para assimilar a comparação internacional à bricolagem. Numa perspectiva pragmática, podemos distinguir quatro estratégias comparativas: o institucionalismo, o culturalismo, a formalização de médio alcance e a política dos indicadores. Para ilustrar essas estratégias o artigo se apoia num material empírico colhido no campo do trabalho e do emprego.<hr/>International comparison is a paradoxical practice. It requires the comparison of the incomparable. This article draws from certain approaches to translatology in order to assimilate international comparison with bricolage. From a pragmatic viewpoint, we can distinguish four comparison strategies: institutionalism, culturalism, medium-range formalization and indicator policies. To illustrate these strategies the article draws on empirical material collected in the field of work and employment. <![CDATA[<b>The 'love for': a repertoire of modes of engagement and the work of the self</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702014000100012&lng=es&nrm=iso&tlng=es Os sociólogos têm abordado o modo como a participação no mundo da alta cultura relaciona-se com estratégias de ascensão social ou com esforços para solidificar ligações entre os que partilham círculos de afiliação diversos. Nessa perspectiva, o consumo de alta cultura subordina-se a séries mais abrangentes de fenômenos sociais e apresenta-se como recurso a ser trocado ou convertido num diferente tipo de capital - seja simbólico, social ou econômico. Neste artigo, baseado em pesquisa intensiva de campo e de arquivo a respeito dos fanáticos por ópera em Buenos Aires, ao invés de atentar para a relação entre afiliação social e inclinações estéticas, visei as práticas culturais como formas de afiliação social em si mesmas. Tomando a metáfora do "amor por" literalmente, usei-a como suporte para produzir uma tipologia das práticas de ligação, explicando como cada um dos tipos pode ser atribuído a um modo específico de trabalho sobre o self produzido a partir do "amor por" algo.<hr/>Sociologists have looked at how the participation in the world of high culture correlates with strategies to attain upward mobility, or attempts to solidify group bonds among those who share other circles of affiliation. In all of these positions high culture consumption is subordinated to a more encompassing series of social phenomena and presented as a resource to be exchanged for or converted into a different kind of capital: either symbolic, social or economic. In this paper, based on intensive fieldwork and archival research among operatic fanatics in Buenos Aires, instead of looking at the relationship between social affiliation and aesthetic proclivities I look at how these cultural practices are forms of social affiliation in themselves. By taking the metaphor the love for literally, I use it as a template to produce a typology for practices of intense attachment, explaining how each of the types can be attributed to a specific kind of work on the self produced by the love for something. <![CDATA[<b>Aging narratives</b>: <b>being old in contemporary society</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702014000100013&lng=es&nrm=iso&tlng=es Com base em entrevistas realizadas a homens e mulheres com mais de 65 anos de idade residentes em Portugal, procura-se elaborar um retrato do que significa ser velho e de qual o impacto do processo de envelhecimento na vida e na identidade da pessoa idosa. Partindo do pressuposto de que, não obstante a maior regulação da idade na sociedade contemporânea, existe grande diversidade nas formas de viver a velhice, mobiliza-se uma perspectiva microssociológica de análise, na primeira pessoa, dos discursos sobre o envelhecimento. Além de diferenças de gênero e de estatuto social, a população idosa revela um relativo conformismo com a velhice, enquanto algo que é natural. Porém, algumas dimensões surgem como problemáticas para a identidade do idoso: o declínio do corpo e da saúde, a sexualidade, a perda de atividade, o isolamento e a discriminação social são dimensões particularmente relevantes para conceituar a pessoa idosa como ator reflexivo e portador de reflexividade.<hr/>Based on interviews conducted with men and women over the age of 65 living in Portugal, the article aims to produce a depiction of what it means to be old and the impact of the aging process on the life and identity of the elderly person. Setting out from the premise that despite the greater regulation of age in contemporary society, a huge diversity of forms of experiencing old age exist, the text employs a microsociological, first-person analytical approach to discourses of aging. As well as differences in gender and social status, the senior population reveals a degree of resignation to aging as a natural process. However a number of aspects emerge as problematic for the elderly persons identity: the decline of the body and health, sexuality, the loss of activity, isolation and social discrimination are particularly relevant dimensions in terms of conceptualizing the elderly person as a reflexive actor. <![CDATA[<b>The scribe and the narrator</b>: <b>memory as resistance in the fight for land among riverside populations of the Upper Tapajós</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702014000100014&lng=es&nrm=iso&tlng=es A memória dos povos da floresta é obstáculo efetivo à grilagem de terras na Amazônia. Isso se dá por dois principais motivos: primeiro, porque oralmente (no mais das vezes), a memória faz vir à tona uma "história subterrânea" dos territórios grilados e desmente o constructo da "versão oficial", documental, surgido na química fantástica dos fóruns e cartórios. Em segundo lugar, porque a memória social desses grupos - edificada sobre o passado, mas renovada no tempo presente - legitima a ordem social local. Minar-lhes a memória significa um grande passo no êxito da expropriação praticada pela grilagem.<hr/>The memory of forest peoples is an effective obstacle to land swindling in Amazonia. Two main reasons exist for this. Firstly (what is most of the time) oral memory reveals the underground history of falsely appropriated territories and exposes the construction of the official version found in documents, the product of the alchemy of the forums and registry offices. Secondly the social memory of these groups - built on the past but renewed in the present - legitimizes the local social order. Eroding their memory represents a significant boost to the success of the expropriations practiced by land swindlers. <![CDATA[<b>The control of space-time in the installation of hydroelectric plants</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702014000100015&lng=es&nrm=iso&tlng=es O processo de instalação de uma usina hidrelétrica de energia (uhe) envolve a apropriação de um espaço em que coexistem territorialidades e temporalidades distintas, especialmente os consórcios de empresas públicas e privadas proponentes dessas obras e as populações locais. Baseado no caso da uhe Foz do Chapecó, no sul do Brasil, esse artigo analisa essa relação conflitiva buscando compreender as estratégias de controle do espaço-tempo utilizadas pelos empreendedores a fim de hegemonizar as populações locais para a instalação da hidrelétrica.<hr/>The process of Installing a Hydroelectric Plant (uhe) involves the appropriation of a space in which distinct territorialities and temporalities exist, especially between the consortia of public and private companies proposing construction of these works and the local populations. Based on the case of the Foz do Chapecó Plant in the south of Brazil, this article analyses this conflictual relation, seeking to comprehend the strategies for controlling space-time used by the construction forms to dominate the local populations and install the hydroelectric dam. <![CDATA[<b> À quoi sert un économiste</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702014000100016&lng=es&nrm=iso&tlng=es O processo de instalação de uma usina hidrelétrica de energia (uhe) envolve a apropriação de um espaço em que coexistem territorialidades e temporalidades distintas, especialmente os consórcios de empresas públicas e privadas proponentes dessas obras e as populações locais. Baseado no caso da uhe Foz do Chapecó, no sul do Brasil, esse artigo analisa essa relação conflitiva buscando compreender as estratégias de controle do espaço-tempo utilizadas pelos empreendedores a fim de hegemonizar as populações locais para a instalação da hidrelétrica.<hr/>The process of Installing a Hydroelectric Plant (uhe) involves the appropriation of a space in which distinct territorialities and temporalities exist, especially between the consortia of public and private companies proposing construction of these works and the local populations. Based on the case of the Foz do Chapecó Plant in the south of Brazil, this article analyses this conflictual relation, seeking to comprehend the strategies for controlling space-time used by the construction forms to dominate the local populations and install the hydroelectric dam. <![CDATA[<b>A gênese da sociedade do espetáculo: teatro em Paris, Berlim, Londres e Viena</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702014000100017&lng=es&nrm=iso&tlng=es O processo de instalação de uma usina hidrelétrica de energia (uhe) envolve a apropriação de um espaço em que coexistem territorialidades e temporalidades distintas, especialmente os consórcios de empresas públicas e privadas proponentes dessas obras e as populações locais. Baseado no caso da uhe Foz do Chapecó, no sul do Brasil, esse artigo analisa essa relação conflitiva buscando compreender as estratégias de controle do espaço-tempo utilizadas pelos empreendedores a fim de hegemonizar as populações locais para a instalação da hidrelétrica.<hr/>The process of Installing a Hydroelectric Plant (uhe) involves the appropriation of a space in which distinct territorialities and temporalities exist, especially between the consortia of public and private companies proposing construction of these works and the local populations. Based on the case of the Foz do Chapecó Plant in the south of Brazil, this article analyses this conflictual relation, seeking to comprehend the strategies for controlling space-time used by the construction forms to dominate the local populations and install the hydroelectric dam. <![CDATA[<b> A subsistência do homem e ensaios correlatos</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702014000100018&lng=es&nrm=iso&tlng=es O processo de instalação de uma usina hidrelétrica de energia (uhe) envolve a apropriação de um espaço em que coexistem territorialidades e temporalidades distintas, especialmente os consórcios de empresas públicas e privadas proponentes dessas obras e as populações locais. Baseado no caso da uhe Foz do Chapecó, no sul do Brasil, esse artigo analisa essa relação conflitiva buscando compreender as estratégias de controle do espaço-tempo utilizadas pelos empreendedores a fim de hegemonizar as populações locais para a instalação da hidrelétrica.<hr/>The process of Installing a Hydroelectric Plant (uhe) involves the appropriation of a space in which distinct territorialities and temporalities exist, especially between the consortia of public and private companies proposing construction of these works and the local populations. Based on the case of the Foz do Chapecó Plant in the south of Brazil, this article analyses this conflictual relation, seeking to comprehend the strategies for controlling space-time used by the construction forms to dominate the local populations and install the hydroelectric dam. <![CDATA[<b> A imigração ucraniana ao Paraná: memória, identidade e religião</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702014000100019&lng=es&nrm=iso&tlng=es O processo de instalação de uma usina hidrelétrica de energia (uhe) envolve a apropriação de um espaço em que coexistem territorialidades e temporalidades distintas, especialmente os consórcios de empresas públicas e privadas proponentes dessas obras e as populações locais. Baseado no caso da uhe Foz do Chapecó, no sul do Brasil, esse artigo analisa essa relação conflitiva buscando compreender as estratégias de controle do espaço-tempo utilizadas pelos empreendedores a fim de hegemonizar as populações locais para a instalação da hidrelétrica.<hr/>The process of Installing a Hydroelectric Plant (uhe) involves the appropriation of a space in which distinct territorialities and temporalities exist, especially between the consortia of public and private companies proposing construction of these works and the local populations. Based on the case of the Foz do Chapecó Plant in the south of Brazil, this article analyses this conflictual relation, seeking to comprehend the strategies for controlling space-time used by the construction forms to dominate the local populations and install the hydroelectric dam.