Scielo RSS <![CDATA[Tempo Social]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=0103-207020110001&lang=es vol. 23 num. 1 lang. es <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[<b>Apresentação</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702011000100001&lng=es&nrm=iso&tlng=es <![CDATA[<b>Subjectivity at work in question</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702011000100002&lng=es&nrm=iso&tlng=es Neste artigo a subjetividade no trabalho e a centralidade do trabalho na construção do sujeito, da sua saúde mental e sua identidade são tratadas à luz da psicodinâmica do trabalho. Destaca-se, a partir de pesquisas e ações desenvolvidas, a invisibilidade, decorrente do que não é reconhecido pelos outros e pela hierarquia nas organizações. Diferentes maneiras de organizar o trabalho privilegiaram visões distintas e parciais das pessoas, desconsiderando a existência do sujeito. O conceito da racionalidade pathica distingue o sujeito de um operador, sendo a vivência, neste caso, central. O sujeito busca o sentido num processo de realização de si no interior de um coletivo, é aquele que zela para que os resultados do trabalho sejam os melhores possíveis.<hr/>This paper examines the question of subjectivity in the workplace and the central role of work in the construction of subjects and their mental health, in light of advances in the psychodynamics of work. One of the most recurrent issues appearing in studies and initiatives in this field is the invisibility of work, the lack of recognition from others, especially corporate hierarchies. Different ways of organizing work privilege distinct and partial views of people, ignoring the existence of the subject. The concept of pathic rationality helps distinguish a view of the worker's subjectivity in which lived experience is central. The subject looks for meaning in a process of self-realization within a collective, striving to ensure that the end results of the work are as good as possible. <![CDATA[<b>Sale boulot</b>: <b>a window onto the most colossal dirty work in history (a vision of social suffering from the French laboratory)</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702011000100003&lng=es&nrm=iso&tlng=es Este artigo é uma contribuição para a genealogia contemporânea do que se convencionou chamar trabalho sujo. Mais especificamente, é um comentário da noção de "trabalho do mal" elaborada por assim dizer a quatro mãos por Christophe Dejours e Joseph Torrente a partir de uma visão histórica do Holocausto, baseada na descoberta da experiência coletiva do "trabalho atroz" como chave explicativa da destruição dos judeus na Europa. Em resumo, a revelação de como o horror do Terceiro Reich deriva da imposição do genocídio como um trabalho de massa realizado por uma legião de colaboradores zelosos. Uma hipótese até então adormecida na melhor historiografia que precisou esperar a intensificação do sofrimento social pelo trabalho sujo do neoliberalismo hoje para enfim despertar e sugerir este curto-circuito explosivo num verdadeiro diagnóstico de época.<hr/>This article is a contribution to the contemporary genealogy of what has become known as dirty work. More specifically it is a commentary on the notion of 'evil work' developed conjointly by Christophe Dejours and Joseph Torrente through a historical view of the Holocaust based on the discovery of the collective experience of 'atrocious work' as a key to explaining the destruction of the Jews in Europe. In sum, the revelation of how the horror of the Third Reich derives from the imposition of genocide as mass work undertaken by a legion of zealous collaborators. A hypothesis until then dormant in even the best historiography that needed to wait for the intensification of social suffering through the dirty work of today's neoliberalism for it to awaken finally and suggest this explosive short-circuit in a true diagnosis of an era. <![CDATA[<b>Work in question in the "depression epidemic"</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702011000100004&lng=es&nrm=iso&tlng=es Entendemos que o sofrimento social - particularmente quando se manifesta na forma da depressão - é inerente à atual configuração do mundo do trabalho e afeta às mais diversas ocupações profissionais, todas elas marcadas pela desfiliação e pela sobrecarga de trabalho. Paradoxalmente à época da superestimação dos transtornos mentais e da medicalização da sociedade, o sofrimento no trabalho é expulso do campo clínico, teórico e político.<hr/>The text argues that social suffering - particularly when manifest in the form of depression - is inherent to the current configuration of the world of work and affects the most diverse professional occupations, all of them marked by dissociation and overwork. Paradoxically in an era involving the overestimation of mental disturbances and the medicalization of society, suffering at work is expelled from the clinical, theoretical and political field. <![CDATA[<b>Bodies in rebellion and suffering-resistance</b>: <b>adolescents in conflict with the law</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702011000100005&lng=es&nrm=iso&tlng=es Neste texto apresentamos duas modalidades de sofrimento experimentadas por adolescentes autores de ato infracional no cumprimento de medida de internação, especialmente quando colocados numa espécie de zona intermediária entre a vida e a morte. Em uma, o sofrimento torna-se ato político numa espécie de rebelião de si. Trata-se de um sofrimento-resistência em que se passa do lugar de vítima ao de testemunha. Na outra, a patologização dos adolescentes fará da experiência de sofrimento e dos corpos em luta atos cada vez mais isolados, individuais e sem potência. Trabalhamos em seguida as duas experiências de sofrimento em sua dimensão ético-política, considerando a presença na realidade brasileira de um cruzamento extremo entre mecanismos de soberania (sociedade autoritária) e de biopoder: fazer viver (os cidadãos) e fazer morrer (os inimigos), um em nome do outro. Sugerimos, por fim, a necessidade de (re)politizar a violência exercida e padecida pelos jovens como forma de desnaturalizar a violência juvenil.<hr/>In this text I present two modalities of suffering experienced by adolescents responsible for committing offenses while in detention, especially when caught in a kind of intermediary zone between life and death. In the first modality, suffering turns into a political act of self-rebellion, a suffering-resistance in which the subject passes from victim to witness. In the second modality, the pathologization of the adolescents turns their experience of suffering and rebelling bodies into increasingly isolated, individual and disempowered acts. Subsequently I focus on the ethical-political dimension of two experiences of suffering, highlighting the presence in contemporary Brazil of an extreme overlap between mechanisms of sovereignty (authoritarian society) and biopower: making some live (the citizens) and others die (the enemies), one in the name of the other. Finally I suggest the need to (re)politicize the violence committed and suffered by young people as a form of denaturalizing youth violence. <![CDATA[<b>Discontent, suffering and symptom</b>: <b>a Lacanian diagnostic re-reading via animist perspectivism</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702011000100006&lng=es&nrm=iso&tlng=es O objetivo deste artigo é apresentar a noção de forma de vida como conceito útil para a recontextualização da diagnóstica psicanalítica, decorrente dos trabalhos de Jacques Lacan, no quadro da metadiagnóstica da modernidade, desenvolvida pelas teorias sociais, especialmente as de extração crítica. Para justificar a utilidade clínica e crítica do conceito de forma de vida vamos realizar uma redescrição das oposições fundamentais da diagnóstica psicanalítica (falta e excesso, produção e improdução, determinação e indeterminação), consideradas, respectivamente, como derivativos da esfera do desejo, da linguagem e do trabalho. Para tanto, propomos uma homologia entre a psicopatologia psicanalítica e a noção de perspectivismo ameríndio, desenvolvida por Viveiros de Castro (2002), que adquire neste trabalho uma dupla finalidade: 1) responder a críticas dirigidas ao estruturalismo lacaniano em psicopatologia; e 2) justificar a distinção entre sintoma, sofrimento e mal-estar.<hr/>The objective of this article is to explore the notion of life form as a useful concept for recontextualizing psychoanalytic diagnosis, as inspired by the works of Jacques Lacan, within the framework of the metadiagnosis of modernity developed by social theories, especially those of a critical inclination. To justify the clinical and critical utility of the concept of life form, the text embarks on a re-description of the fundamental oppositions of psychoanalytic diagnosis (lack and excess, production and non-production, determination and indetermination) as derived from the spheres of desire, language and work respectively. This aim in mind, the text proposes a homology between psychoanalytic psychopathology and the notion of Amerindian perspectivism developed by Viveiros de Castro (2002), which assumes a double purpose in this work: (1) to respond to critiques of Lacanian structuralism in psychopathology; and (2) to justify the distinction between symptom, suffering and discontent. <![CDATA[<b>The social and its vicissitudes in Lacanian psychoanalysis</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702011000100007&lng=es&nrm=iso&tlng=es O deslocamento das interpretações do legado teórico de Jacques Lacan promovido pela Associação Mundial de Psicanálise (AMP) tem incorporado cada vez mais o social em suas elaborações clínicas e nas propostas de intervenção fora do setting clássico. A principal delas, a chamada "psicanálise aplicada à terapêutica", consolida esse deslocamento e fornece as chaves para a unificação diagnóstica entre sintomas individuais e fenômenos culturais, notadamente por meio da amenização da influência do estruturalismo na trama conceitual da obra de Lacan. A consequente destituição do "simbólico" em favor de uma "clínica do real" aplicada ao social expressa a intensificação da conversão da teoria lacaniana em discurso e dispositivo de controle, sendo este o verdadeiro significado da emergência das questões políticas e culturais da sociedade no núcleo do lacanismo hegemônico.<hr/>The shift in the interpretations of Jacques Lacan's theoretical legacy promoted by the International Psychoanalytic Association (IPA) has increasingly incorporated the social into its clinical formulations and proposals for therapeutic intervention beyond the classical setting. The main such proposal, dubbed 'applied psychoanalysis,' consolidates this shift and provides the theoretical means for the diagnostic unification of individual symptoms and cultural phenomena, notably by reducing the influence of structuralism on the conceptual framework of Lacan's work. The resulting displacement of the 'symbolic' in favour of a 'clinical practice of the real,' as applied to the social, expresses an intensification in the process of converting Lacanian theory into a discourse and device for social control, the latter being the true significance of the emergence of political and cultural issues relating to society at the core of hegemonic Lacanianism. <![CDATA[<b>Individual experience and objectivity in Minima moralia</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702011000100008&lng=es&nrm=iso&tlng=es Escritos no período entre a redação e a publicação definitiva de Dialética do esclarecimento, os 153 aforismos de Minima moralia também podem ser descritos como uma investigação das causas que levaram a humanidade a se afundar "em uma nova espécie de barbárie". Essa questão, no entanto, em Minima moralia, é examinada a partir de uma metodologia e de uma perspectiva bastante peculiares. Adorno se propõe a nada menos que traduzir a experiência individual e subjetiva em uma forma de conhecimento objetiva e universal.<hr/>Written in the period between the drafting and final publication of Dialectic of Enlightenment, the 153 aphorisms of Adorno's Minima moralia can be described, like the work co-authored with Horkheimer, as an investigation into the causes that led humanity to sink "into a new kind of barbarism." However, in Minima moralia this question is examined from a highly singular perspective and methodology. Adorno proposes nothing less then the translation of individual and subjective experience into a universal and objective form of knowledge. <![CDATA[<b>Negative philosophy? Bourdieu and the foundations of reason</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702011000100009&lng=es&nrm=iso&tlng=es Apoiado na discussão detida de alguns dos argumentos centrais das Meditações pascalianas, de Pierre Bourdieu, o artigo busca mostrar que na obra do sociólogo há uma tensão permanente entre (crítica ao) universalismo e (crítica ao) relativismo. Evidencia-se primeiramente como Bourdieu apresenta desde seus escritos iniciais uma perspectiva marcada por certas ressonâncias relativistas, na qual a noção de arbitrário desempenha um papel central. A seguir, confronta-se esse conjunto de proposições com as críticas de Habermas (e do próprio Bourdieu) a Foucault e às correntes ditas pós-modernas, para então explicitar de que maneira o autor apresenta, desde meados da década de 1970, um conjunto oposto de argumentos que buscam fundamentar a razão em bases sociais. Ao final, as duas perspectivas são confrontadas, de modo a expor seus cruzamentos paradoxais, assim como suas possíveis conciliações.<hr/>Based on a detailed discussion of some of the central arguments of Pierre Bourdieu's Pascalian Meditations, this article looks to show that the sociologist's work contains a permanent tension between (the critique of) universalism and (the critique of) relativism. Firstly the text shows how even Bourdieu's earliest writings reveal certain relativist tendencies in which the notion of the arbitrary plays a central role. This set of propositions is then compared and contrasted with the critiques directed by Habermas and Bourdieu himself against Foucault and so-called postmodernist approaches, before turning to how the author presents an opposing set of arguments from the mid 1970s onwards that seek to ground reason on social bases. Finally, the two perspectives are compared in a way that exposes their paradoxical intersections as well as their potential points of reconciliation. <![CDATA[<b>Heidegger, Agamben and the animal</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702011000100010&lng=es&nrm=iso&tlng=es Neste ensaio analiso a reflexão filosófica heideggeriana acerca da relação entre o ser humano e o animal, tal como esta se apresenta particularmente em obras como Carta sobre o humanismo, A caminho da linguagem ou Os conceitos fundamentais da metafísica. Nosso objetivo é demonstrar a importância dessa contribuição para entendermos o modo como Giorgio Agamben interpreta o conceito foucaultiano de biopoder. Assim, para Agamben, a animalização da política não é um fenômeno moderno, mas diz respeito àquilo que permanece impensado na metafísica como um todo. De fato, sua crítica mais ampla à cultura política ocidental, e que não se atém apenas a formas modernas de administração da vida, passa pela reflexão heideggeriana sobre o niilismo, sobre a metafísica e sobre a incômoda figura do animal. Nosso propósito final é discutir, com Agamben, mas também com Derrida, em que medida Heidegger consegue oferecer um quadro teórico capaz de pensar o biopoder contemporâneo num terreno radicalmente diferente daquele que nos foi legado pela metafísica.<hr/>In this essay I analyse Heidegger's philosophical reflection on the relationship between human beings and animals, particularly as these ideas unfold in works like Letter on humanism, On the way to language and The fundamental concepts of metaphysics. My aim is to show the importance of this contribution to understanding the way in which Agamben reinterprets the Foucauldian concept of biopower. For Agamben, the animalization of politics is not a modern phenomenon, but concerns what remains unthought in metaphysics as a whole. Indeed his broader critique of Western political culture - which does not restrict itself merely to the analysis of modern forms of administrating life - draws heavily on Heidegger's reflection on nihilism, metaphysics and the troublesome figure of the animal. My final proposal in this text is to discuss, with Agamben, but also with Derrida, the extent to which Heidegger is successful in offering a theoretical framework capable of apprehending contemporary forms of biopower on grounds radically distinct from those inherited from metaphysics. <![CDATA[<b>The young Marx and the concept of alienation</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702011000100011&lng=es&nrm=iso&tlng=es Este artigo faz uma reflexão sobre a primeira fase da produção intelectual de Karl Marx, considerando especialmente a temática da alienação. Na primeira parte, um retrospecto de algumas das características do pensamento de Marx é desenvolvido com vistas a clarificar o fato de que a identidade teórica de Karl Marx não é necessariamente coincidente, em todos os aspectos, nem com o materialismo histórico como paradigma historiográfico e sociológico, nem com o "marxismo" como programa de ação política. A intenção, aqui, é esclarecer posições específicas do pensamento de Karl Marx. Na última parte, desenvolvem-se algumas considerações sobre a temática da alienação na obra de Marx.<hr/>This article explores the early period of Karl Marx's intellectual output, focusing in particular on the theme of alienation. The first part of the article surveys some of the key features of Marx's thought in order to demonstrate that his theory of identity is not necessarily fully coincident either with historic materialism as a historiographical and sociological paradigm, or with 'Marxism' as a program of political action. The intention, here, is to clarify specific stances within Karl Marx's thought. The final part of the article offers some reflections on the theme of alienation in his work. <![CDATA[<b>Decent work and precariousness instability</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702011000100012&lng=es&nrm=iso&tlng=es Na atual fase do capitalismo, as empresas de ponta são organizadas por projetos. Para os trabalhadores a valorização recai sobre a capacidade de adaptação e de gestão de suas empregabilidades através do engajamento em projetos transitórios. Nosso objetivo é refletir se essa adaptabilidade significaria uma nova relação com o trabalho marcada pela flexibilidade positiva ou seria uma justificação de um contexto de precarização. Com base na análise das vivências dos quadros superiores de empresas de TI, atores emblemáticos de trabalho considerado decente, desenvolvemos a hipótese de um "empreendedorismo de si mesmo" que se configura como justificação da precarização, aqui entendida como processo de institucionalização da instabilidade.<hr/>In the current phase of capitalism, leading companies are primarily organized through projects. Workers are valued according to their ability to adapt and manage their employability through their commitment to transitory projects. The present study explores the question of whether this adaptability signals a new relationship to work involving a positive flexibility, or simply a management regime used to justify heightened job vulnerability. Through an analysis of the experiences of employees working in the upper levels of IT firms, the text develops the hypothesis of 'self entrepreneurship', which emerges as a justification for social vulnerability, understood here as a process of institutionalizing instability. <![CDATA[<b>Representations and stereotypes of Russian and Ukrainian immigrants in Portuguese society</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702011000100013&lng=es&nrm=iso&tlng=es A partir de um estudo aprofundado de caráter qualitativo sobre os imigrantes russos e ucranianos residentes na Área Metropolitana de Lisboa (2003-2007), foi possível evidenciar a conjugação de processos de construção e reconstrução de pertença e de diferença nas definições do "Nós" e dos "Outros" (os portugueses). Os imigrantes autorrepresentam-se como culturalmente diferentes ante a sociedade majoritária, tendendo a evidenciar alguns valores (em torno do trabalho, por exemplo) e práticas culturais no nível da interação. Apercebem-se dos preconceitos de que são alvo, manifestando também suas preconcepções diante da maioria. Foi, assim, possível apreender os atributos e os estereótipos atribuídos pelos "Outros" - elementos-chave para a compreensão dos níveis de distanciamento e proximidade entre os grupos em análise e a sociedade majoritária.<hr/>Based on an in-depth qualitative study of Russian and Ukrainian immigrants living in the metropolitan area of Lisbon (2003-2007), the article shows the combination of processes involved in constructing and reconstructing belonging and difference in their definitions of 'Us' and 'Others' (the Portuguese). The immigrants represent themselves as culturally different to the majority society, citing their distinct values (relating to work, for instance) and cultural practices at the level of interaction. While keenly aware of the stereotyped and prejudiced views others have of them, they also reveal their own preconceptions concerning this surrounding majority. This research material allows us to apprehend the attributes and stereotypes projected by the 'Others' - key elements in terms of comprehending the levels of distance and proximity between the minority groups under study and the wider Portuguese population. <![CDATA[Viver em risco: sobre a vulnerabilidade socioeconômica e civil]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702011000100014&lng=es&nrm=iso&tlng=es A partir de um estudo aprofundado de caráter qualitativo sobre os imigrantes russos e ucranianos residentes na Área Metropolitana de Lisboa (2003-2007), foi possível evidenciar a conjugação de processos de construção e reconstrução de pertença e de diferença nas definições do "Nós" e dos "Outros" (os portugueses). Os imigrantes autorrepresentam-se como culturalmente diferentes ante a sociedade majoritária, tendendo a evidenciar alguns valores (em torno do trabalho, por exemplo) e práticas culturais no nível da interação. Apercebem-se dos preconceitos de que são alvo, manifestando também suas preconcepções diante da maioria. Foi, assim, possível apreender os atributos e os estereótipos atribuídos pelos "Outros" - elementos-chave para a compreensão dos níveis de distanciamento e proximidade entre os grupos em análise e a sociedade majoritária.<hr/>Based on an in-depth qualitative study of Russian and Ukrainian immigrants living in the metropolitan area of Lisbon (2003-2007), the article shows the combination of processes involved in constructing and reconstructing belonging and difference in their definitions of 'Us' and 'Others' (the Portuguese). The immigrants represent themselves as culturally different to the majority society, citing their distinct values (relating to work, for instance) and cultural practices at the level of interaction. While keenly aware of the stereotyped and prejudiced views others have of them, they also reveal their own preconceptions concerning this surrounding majority. This research material allows us to apprehend the attributes and stereotypes projected by the 'Others' - key elements in terms of comprehending the levels of distance and proximity between the minority groups under study and the wider Portuguese population. <![CDATA[As escolas dos dirigentes paulistas: ensino médio, vestibular, desigualdade social]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702011000100015&lng=es&nrm=iso&tlng=es A partir de um estudo aprofundado de caráter qualitativo sobre os imigrantes russos e ucranianos residentes na Área Metropolitana de Lisboa (2003-2007), foi possível evidenciar a conjugação de processos de construção e reconstrução de pertença e de diferença nas definições do "Nós" e dos "Outros" (os portugueses). Os imigrantes autorrepresentam-se como culturalmente diferentes ante a sociedade majoritária, tendendo a evidenciar alguns valores (em torno do trabalho, por exemplo) e práticas culturais no nível da interação. Apercebem-se dos preconceitos de que são alvo, manifestando também suas preconcepções diante da maioria. Foi, assim, possível apreender os atributos e os estereótipos atribuídos pelos "Outros" - elementos-chave para a compreensão dos níveis de distanciamento e proximidade entre os grupos em análise e a sociedade majoritária.<hr/>Based on an in-depth qualitative study of Russian and Ukrainian immigrants living in the metropolitan area of Lisbon (2003-2007), the article shows the combination of processes involved in constructing and reconstructing belonging and difference in their definitions of 'Us' and 'Others' (the Portuguese). The immigrants represent themselves as culturally different to the majority society, citing their distinct values (relating to work, for instance) and cultural practices at the level of interaction. While keenly aware of the stereotyped and prejudiced views others have of them, they also reveal their own preconceptions concerning this surrounding majority. This research material allows us to apprehend the attributes and stereotypes projected by the 'Others' - key elements in terms of comprehending the levels of distance and proximity between the minority groups under study and the wider Portuguese population. <![CDATA[Righteous dopefiend]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702011000100016&lng=es&nrm=iso&tlng=es A partir de um estudo aprofundado de caráter qualitativo sobre os imigrantes russos e ucranianos residentes na Área Metropolitana de Lisboa (2003-2007), foi possível evidenciar a conjugação de processos de construção e reconstrução de pertença e de diferença nas definições do "Nós" e dos "Outros" (os portugueses). Os imigrantes autorrepresentam-se como culturalmente diferentes ante a sociedade majoritária, tendendo a evidenciar alguns valores (em torno do trabalho, por exemplo) e práticas culturais no nível da interação. Apercebem-se dos preconceitos de que são alvo, manifestando também suas preconcepções diante da maioria. Foi, assim, possível apreender os atributos e os estereótipos atribuídos pelos "Outros" - elementos-chave para a compreensão dos níveis de distanciamento e proximidade entre os grupos em análise e a sociedade majoritária.<hr/>Based on an in-depth qualitative study of Russian and Ukrainian immigrants living in the metropolitan area of Lisbon (2003-2007), the article shows the combination of processes involved in constructing and reconstructing belonging and difference in their definitions of 'Us' and 'Others' (the Portuguese). The immigrants represent themselves as culturally different to the majority society, citing their distinct values (relating to work, for instance) and cultural practices at the level of interaction. While keenly aware of the stereotyped and prejudiced views others have of them, they also reveal their own preconceptions concerning this surrounding majority. This research material allows us to apprehend the attributes and stereotypes projected by the 'Others' - key elements in terms of comprehending the levels of distance and proximity between the minority groups under study and the wider Portuguese population.