Scielo RSS <![CDATA[Estudos Avançados]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=0103-401420080001&lang=pt vol. 22 num. 62 lang. pt <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[<B>Editorial</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142008000100001&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt <![CDATA[<B>Conferências de San Marino</B>: <B>apresentação</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142008000100002&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt <![CDATA[<B>A Revolução, a nação e a paz</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142008000100003&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Procura-se aqui analisar a noção de "paz perpétua" e de "exportação da revolução" à luz das experiências da Revolução Francesa e da Revolução de Outubro, considerando o debate precedente e sucessivo a essas experiências revolucionárias, acentuando a novidade representada pela Revolução Francesa e, enfim, criticando as análises segundo as quais a tradição política que vai da Revolução Francesa à Revolução de Outubro forjou, com o universalismo, o instrumento ideológico para justificar um intervencionismo universal.<hr/>This is an attempt to analyze the notion of "perpetual peace" and of "exporting the revolution", considering the experiences of the French and Russian Revolutions, their previous and successive debates and the innovations of the French Revolution. Moreover, the analyses according to which the political tradition from the French to the October Revolution has falsified, through universalism, the ideological instrument in order to justify the universal interventionism are criticized. <![CDATA[<B>O eclipse da nação (1940-1945)</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142008000100004&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Observando alguns documentos e fatos de história cultural dos anos 1940-1945, tem-se a impressão de que nação e termos correlatos (pátria, povo, comunidade nacional, Estado) continuamente desapareçam e reapareçam, em particular nas reconstruções dos fatos finais do segundo conflito mundial. Criou-se então - na convergência de mudanças mundiais e eventos "nacionais" - uma espécie de vazio, que poderia ser chamado de "eclipse da nação". As "histórias de historiadores" aqui apresentadas brevemente indicam que esse vazio envolveu uma série de elementos culturais decisivos na estruturação das relações sociais "nacionais". Desse vazio, logo ocultado e "preenchido" com novos conteúdos, deve-se dar conta para entender como se formaram "novas" comunidades de cidadãos após a Segunda Guerra Mundial.<hr/>The observation of some documents and facts of the cultural history of the period from 1940 to 1945 gives us the impression that the nation and some correlated terms (such as patriotism, people, national community, State) continuously disappear and reappear, especially in the reconstructions of the final facts of the Second World War. A kind of void - in the convergence of world changes and "national" events - was, then, created; which could be called a "nation’s eclipse". The "histories by historians", briefly presented here, indicate that this void has involved a series of decisive cultural elements in the structuring of national social relations. The void is soon concealed and filled with new contents, but one should be aware of it in order to understand how "new" communities of citizens were formed after the Second World War. <![CDATA[<B>O mito fascista da romanidade</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142008000100005&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Este ensaio procura analisar como o mito de Roma foi utilizado por Mussolini para criar uma "especificidade" fascista que coincidisse com uma "especificidade" da nação italiana. Práticas rituais, gestos, valores, símbolos foram retomados, de forma variamente arbitrária, para construir um mito que gerava novas ambigüidades, e que constituiu, à diferença do nazismo, um empecilho para a própria sobrevivência da "romanidade" após Mussolini.<hr/>This essay aims to analyze how the myth of Rome was used by Mussolini to create a fascist specificity that coincided with a specificity of the Italian nation. Ritual practices, gestures, values and symbols were retaken, sometimes arbitrarily, in order to build a myth that generated new ambiguities and that, different from Nazism, constituted a hindrance to the survival of "romanity" after Mussolini. <![CDATA[<B>Religião e nação na Europa no século XIX</B>: <B>algumas notas comparativas</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142008000100006&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Este ensaio procura analisar a relação ente nação e religião entre a segunda metade do século XIX e a primeira década do século XX, durante o processo Nation building que se verifica em várias nações européias. Propõe-se aqui uma análise comparada entre os casos de França, Itália, a parte checa do Império Austro-Húngaro e Alemanha. Dando conta das pesquisas mais recentes sobre a afirmação do nacionalismo nesse período, rebate-se a afirmação simplista de que o sucesso do nacionalismo dependeu do desmoronamento da religião do final do século XVIII.<hr/>This Essay aims to analyze the relation between nation and religion from the second half of the 19th century to the first decade of the 20th century, during the process of Nation building that could be observed in several European nations. We propose a comparative analysis of the following cases: France, Italy, the Czech part of the Austro-Hungarian Empire, and Germany. Considering the recent researches on the affirmation of nationalism in that period, we respond to the simplistic statement that the success of nationalism depended on the ruin of religion after the end of the 18th century. <![CDATA[<B>A religião da política em Israel</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142008000100007&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt A sociedade israelense constitui um exemplo interessante de religião da política, ou seja, um exemplo de como a dimensão política de uma sociedade pode adquirir um aspecto religioso próprio, assumindo um caráter de sacralidade. No início da experiência sionista acentua-se em Israel a religião do trabalho, a construção de um calendário cívico, a formação de uma nova identidade nacional. A partir da metade dos anos 1970, outros fatores prevalecem: a memória da Shoah, a construção de lugares do martírio nacional, o mito da resistência até o último homem. Chama-se a atenção, neste ensaio, para os percursos de uma sociedade civil que sente a necessidade de reescrever os contornos de sua identidade e remodelar a memória pública, pensando em si mesma como comunidade nacional.<hr/>Israeli society constitutes an interesting example of the religion of politics, that is, an example of how the political dimension of a society may acquire a religious aspect of its own and assume a sacred character. In the beginning of the Zionist experience, the religion of labor, the construction of a civic calendar and of a new national identity gained importance. From the mid 1970’s on, other factors have prevailed. They are: memories from the Ha-Shoah, the construction of national martyrdom sites, and the myth of resistance until the last man. In this essay, the tracks taken by a civil society that feels the necessity of redefining the contours of its identity and remodeling its public memory, considering itself a national community, are emphasized. <![CDATA[<B>Bonaparte libertador</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142008000100008&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Este ensaio procura analisar as ambigüidades presentes na guerra de libertação conduzida pelos revolucionários franceses nos vários países europeus, seguindo os limites nem sempre claros entre as tentativas de "exportação da revolução" e a realização de uma "guerra de conquista". Considera-se a diferente posição assumida a esse propósito pelos jacobinos e pelos girondinos, e a reação à presença francesa no interior das populações "libertadas" ou "dominadas" por Napoleão.<hr/>This essay aims to analyze the ambiguities in the liberation war conducted by the French revolutionaries in several European countries. It follows the limits, which are not always so clear, between the attempts of "exporting the revolution" and the rea-lization of a "war of conquest". The different positions taken by the Jacobins and the Girondists regarding this matter and the reaction to the French presence of the populations that were "freed" or "dominated" by Napoleon are also considered. <![CDATA[<B>A resiliência do Estado Nacional diante da globalização</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142008000100009&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Apesar da literatura sobre o recente enfraquecimento de funções básicas do Estado Nacional por obra da globalização, o Estado-nação vem demonstrando admirável resiliência, isto é, flexibilidade e capacidade de adaptação às mudanças. Partindo da perspectiva das relações internacionais, o artigo realiza levantamento da geografia política do mundo contemporâneo, indicando as razões que levaram à criação, no século XX, de nada menos de 150, do total de cerca de duzentos Estados existentes. Analisa o caráter ambivalente dos fatores de mudança, nem sempre no sentido do enfraquecimento do Estado, e se detém no caso da União Européia, única exceção de êxito na construção, ainda incompleta, de configuração pós-nacional.<hr/>Notwithstanding recent studies about the alleged weakening of some basic functions of nation-states on account of globalization, national states have been showing remarkable resiliency, that is, flexibility and adaptability to change. Starting from the perspective of international relations, the article undertakes a review of contemporary world’s political geography, pointing out some of the reasons that explain the creation, during the XXth century, of 150 out of a total number of 200 existing national states. It analyses the ambivalent nature of some of the forces for change, not always towards national state weakening, and devotes special attention to the European Union, the only example of a still unfinished construction of a post-national configuration. <![CDATA[<B>Nação, nacionalismo, Estado</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142008000100010&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Apesar da literatura sobre o recente enfraquecimento de funções básicas do Estado Nacional por obra da globalização, o Estado-nação vem demonstrando admirável resiliência, isto é, flexibilidade e capacidade de adaptação às mudanças. Partindo da perspectiva das relações internacionais, o artigo realiza levantamento da geografia política do mundo contemporâneo, indicando as razões que levaram à criação, no século XX, de nada menos de 150, do total de cerca de duzentos Estados existentes. Analisa o caráter ambivalente dos fatores de mudança, nem sempre no sentido do enfraquecimento do Estado, e se detém no caso da União Européia, única exceção de êxito na construção, ainda incompleta, de configuração pós-nacional.<hr/>Notwithstanding recent studies about the alleged weakening of some basic functions of nation-states on account of globalization, national states have been showing remarkable resiliency, that is, flexibility and adaptability to change. Starting from the perspective of international relations, the article undertakes a review of contemporary world’s political geography, pointing out some of the reasons that explain the creation, during the XXth century, of 150 out of a total number of 200 existing national states. It analyses the ambivalent nature of some of the forces for change, not always towards national state weakening, and devotes special attention to the European Union, the only example of a still unfinished construction of a post-national configuration. <![CDATA[<B>Notas sobre nação e nacionalismo</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142008000100011&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt O artigo examina alguns pressupostos psicossociológicos do nacionalismo quanto à identidade coletiva e às suas relações com o problema geral da igualdade. O nacionalismo "oficial" brasileiro do século passado e a "Teoria da dependência" são objeto de breve avaliação crítica, sobretudo à luz da nova dinâmica econômica global, além de confrontar-se o ânimo nacionalista com os anseios relacionados a um ideal pluralista.<hr/>The article examines a few psychosociological aspects of nationalism in terms of collective identity and their relationship with the general problem of equality. The "official" Brazilian nationalism from last century and the "Dependence theory" are objects of a brief critical analysis in the light of the new global economic dynamics. Also, the national spirit and the longings for a pluralist ideal are confronted. <![CDATA[<B>Nacionalismo no centro e na periferia do capitalismo</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142008000100012&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Neste trabalho, inicialmente, argumento que o nacionalismo é uma das ideologias das sociedades modernas conjuntamente com o liberalismo, o socialismo, o eficientismo e o ambientalismo. Em seguida, na primeira seção, defino a nação como a forma de sociedade politicamente organizada que nasce com a revolução capitalista e leva à formação dos estados-nação, e o nacionalismo como a ideologia correspondente: seu objetivo é a autonomia e o desenvolvimento econômico nacional. Na segunda seção, distingo o nacionalismo dos países centrais daquele dos países periféricos; enquanto nos primeiros o nacionalismo é implícito, nos periféricos ou é explícito ou então deriva para o cosmopolitismo. Na terceira, argumento que, embora o imperialismo seja inevitável entre países fortes e fracos, ele mudará de características na medida em que essa relação de forças se modificar graças ao nacionalismo dos dominados. Ainda nessa seção, faço uma breve referência ao Brasil. Finalmente, volto às ideologias do capitalismo para mostrar que, ao contrário das demais, o nacionalismo é uma ideologia particularista - o que aumenta a resistência a ela e facilita a tarefa de dominação dos países centrais. Não obstante, o nacionalismo não morre porque é um princípio organizador da sociedade capitalista.<hr/>In this work I show that nationalism, together with liberalism, socialism, efficientism and the environmentalism, is one of the ideologies of the modern societies. In the first section, I define nation as the form of society politically organized that is born with the Capitalist Revolution and leads to the formation of the nation-state, and nationalism as the corresponding ideology: its objective is the autonomy and the national economic development. In the second section, I distinguish the nationalism of the central countries from that one of the peripheral countries; while in the first the nationalism is implicit, in the peripherals is explicit or then turn to the cosmopolitism. In the third section I argument that the imperialism, even being inevitable between strong and week countries, will change its characteristics when this relation of forces is modified as a consequence of the nationalism of the dominated ones. Still in this section, I make one brief reference to Brazil. Finally, I come back to the ideologies of the capitalism to show that, differently from the others, the nationalism is a particularist ideology, which increases the resistance to it and facilitates the task of domination of the central countries. Yet, the nationalism does not disappear because it is an organizer principle of the capitalist society. <![CDATA[<B>Reflexões sobre nação, Estado social e soberania</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142008000100013&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Neste trabalho, inicialmente, argumento que o nacionalismo é uma das ideologias das sociedades modernas conjuntamente com o liberalismo, o socialismo, o eficientismo e o ambientalismo. Em seguida, na primeira seção, defino a nação como a forma de sociedade politicamente organizada que nasce com a revolução capitalista e leva à formação dos estados-nação, e o nacionalismo como a ideologia correspondente: seu objetivo é a autonomia e o desenvolvimento econômico nacional. Na segunda seção, distingo o nacionalismo dos países centrais daquele dos países periféricos; enquanto nos primeiros o nacionalismo é implícito, nos periféricos ou é explícito ou então deriva para o cosmopolitismo. Na terceira, argumento que, embora o imperialismo seja inevitável entre países fortes e fracos, ele mudará de características na medida em que essa relação de forças se modificar graças ao nacionalismo dos dominados. Ainda nessa seção, faço uma breve referência ao Brasil. Finalmente, volto às ideologias do capitalismo para mostrar que, ao contrário das demais, o nacionalismo é uma ideologia particularista - o que aumenta a resistência a ela e facilita a tarefa de dominação dos países centrais. Não obstante, o nacionalismo não morre porque é um princípio organizador da sociedade capitalista.<hr/>In this work I show that nationalism, together with liberalism, socialism, efficientism and the environmentalism, is one of the ideologies of the modern societies. In the first section, I define nation as the form of society politically organized that is born with the Capitalist Revolution and leads to the formation of the nation-state, and nationalism as the corresponding ideology: its objective is the autonomy and the national economic development. In the second section, I distinguish the nationalism of the central countries from that one of the peripheral countries; while in the first the nationalism is implicit, in the peripherals is explicit or then turn to the cosmopolitism. In the third section I argument that the imperialism, even being inevitable between strong and week countries, will change its characteristics when this relation of forces is modified as a consequence of the nationalism of the dominated ones. Still in this section, I make one brief reference to Brazil. Finally, I come back to the ideologies of the capitalism to show that, differently from the others, the nationalism is a particularist ideology, which increases the resistance to it and facilitates the task of domination of the central countries. Yet, the nationalism does not disappear because it is an organizer principle of the capitalist society. <![CDATA[<B>Política econômica e Estado</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142008000100014&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt O artigo enfoca, pela óptica do direito econômico, as influências das políticas econômicas privadas (basicamente do capital transnacional) e dos entes internacionais sobre as políticas econômicas públicas, especialmente as realizadas pelos Estados em desenvolvimento. Enfatiza a mutação do neoliberalismo de regulamentação para o de regulação como exigência dos poderes econômicos privados, identificando entre os seus resultados o enfraquecimento do Estado e a descrença na democracia. E, ainda, defende a existência de espaços para a execução de ações econômicas endógenas por parte dos Estados Nacionais, a fim de viabilizar a eficácia de suas Constituições econômicas e suprir as carências de seus povos.<hr/>This paper deal with, by Economical Law view, the effects of private economic policy, essentially of foreign capital, and the international organizations above the public economic policy, mainly that politics performed by the development nations. Lay emphasis on the mutation of the regulatory New Liberalism to the regulation as demand of private economic powers, recongnized enter their results: The decline of the State and the unbelief of democracy. Defends existence of spaces for the execution of endogenous economic actions by part of National States, for the purpose of execute effectiveness of their economical constitution and supply the shortage of their people. <![CDATA[<B>A idéia de nação no século XIX e o marxismo</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142008000100015&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt O texto busca traçar a emergência e o desenvolvimento tanto do conceito de nação, de seus pioneiros formuladores, ao final do século XVIII e início do XIX, como Rousseau, Herder e Fichte, quanto de seus desdobramentos ao longo do século XIX, destacando-se, também, alguns processos concretos de constituição de nações, em particular os casos dos Estados Unidos, da Itália e da Alemanha. Ao final, discute-se a recepção da questão nacional por Marx e Engels.<hr/>The article traces the emergence and development of the concept of nation: from its first formulators (as Rousseau, Herder, and Fichte) to its developments in the nineteenth century. It also highlights some concrete processes of formation of nations, particularly the cases of the United States, Italy and Germany. The article also discusses the reception of the national question by Marx and Engels. <![CDATA[<B>Nação e nacionalismo a partir da experiência brasileira</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142008000100016&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Pensar nação e nacionalismo a partir da experiência brasileira exige um mergulho desde as raízes coloniais até a modernidade. Essa trajetória é marcada por descompassos, e desde o Estado Nacional até a sedimentação da nação e o sentimento de auto-estima com uma "identidade brasileira" transcorre-se mais de um século. Tanto o conceito de Brasil-nação quanto as versões nacionalistas jamais têm alta dramaticidade; as passagens históricas fundamentais - abolição, proclamação da República, Estado Novo - se sucedem com poucos traumas preliminares e, em seqüência, a trajetória opera uma rápida "conservatização". Do ponto de vista econômico, as forças produtivas se desenvolvem dinâmica e intensamente. Apesar da expansão demográfica, da ocupação territorial, da transformação e emergência de novos grupos sociais no campo e na cidade, é preservada a exclusão social de amplas frações da nacionalidade dos benefícios do dinamismo econômico. É ciclotímica a leitura dos nacionais de suas próprias características. A cultura, tanto das elites quanto a popular, fornece chaves para entender as mutações do pensar nacional em relação ao Brasil e o desdobramento de múltiplas características.<hr/>This essay aims to analyze both Nation and Nationalism concepts according to the viewpoint of brazilian experience, from colonial roots to our times, from national state’s birth to the settlement of the Nation and national self-stee. The main historical landmarks happen with few preliminary traumas and are "conservative-zed". Productive forces develop dynamically; demographic expansion and territory occupation continue as society changes and new groups emerge; however, large population segments keep excluded from the welfare economic development should provide. Natives' self-perception is rather cyclothymical. Both popular and elite’s culture provide the keys to understand the mutations of national thinking about Brazil, as well as many other features that develop from those two concepts. <![CDATA[<B><I>Brasil e brasileiros</i></B>: <B>notas sobre modelagem de significados políticos na crise do Antigo Regime português na América</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142008000100017&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Partindo da análise do significado político de Brasil e de brasileiro em documentos escritos por colonos em meados dos setecentos, o artigo aponta para a importância analítica do caráter desviante de variantes americanas da matriz societária portuguesa de tipo Ancien Régime. Trabalhando com os conceitos de memória e experiência, sustenta-se nele a idéia de que, por se tornarem assimétricas, as estruturas nacionais portuguesas dos dois hemisférios também se tornaram irredutíveis a um mesmo enquadramento constitucional quando da instauração da conjuntura revolucionária do final dos anos vinte do século XIX.<hr/>Starting from the analysis of the political meaning of Brazil and Brazilian in documents written by colonists in the mid 18th century, the article shows the analytical importance of the deviant character of the American variants of the ancien régime type Portuguese social matrix. Working with the concepts of memory and experience, it points out the idea that, once the Portuguese national structures of both hemispheres became asymmetric (during the revolutionary conjuncture of the 1820s), they were also unable to fit into the same constitutional framework. <![CDATA[<B>Nação e nacionalismo no século XXI</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142008000100018&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Não obstante o processo de globalização, o Estado Nacional, para países dotados de satisfatória condição de autonomia, continua sendo o agente decisório. Integrações regionais, como as da União Européia e do Mercosul , tornaram-se necessárias condições de sustentação dessa autonomia.<hr/>In spite of the globalization process, the National State still represents the deciding agent in countries with satisfactory autonomy conditions. Regional integrations such as European Union and Mercosur have become necessary conditions to sustain this autonomy. <![CDATA[<B>Nação, nacionalismo e globalização</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142008000100019&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Não obstante o processo de globalização, o Estado Nacional, para países dotados de satisfatória condição de autonomia, continua sendo o agente decisório. Integrações regionais, como as da União Européia e do Mercosul , tornaram-se necessárias condições de sustentação dessa autonomia.<hr/>In spite of the globalization process, the National State still represents the deciding agent in countries with satisfactory autonomy conditions. Regional integrations such as European Union and Mercosur have become necessary conditions to sustain this autonomy. <![CDATA[<B>Economia solidária</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142008000100020&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Não obstante o processo de globalização, o Estado Nacional, para países dotados de satisfatória condição de autonomia, continua sendo o agente decisório. Integrações regionais, como as da União Européia e do Mercosul , tornaram-se necessárias condições de sustentação dessa autonomia.<hr/>In spite of the globalization process, the National State still represents the deciding agent in countries with satisfactory autonomy conditions. Regional integrations such as European Union and Mercosur have become necessary conditions to sustain this autonomy. <![CDATA[<B>Delgado de Carvalho e a geografia no Brasil como arte da educação liberal</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142008000100021&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt O trabalho expõe aspectos da contribuição de Miguel Delgado de Carvalho (1884-1990) à construção da geografia moderna no Brasil. Emprega com esse objetivo combinadamente as perspectivas contextual (ferramentas historiográficas circularidade e sítio cultural) e também epistemológica.<hr/>The work presents contributions due to M. Delgado de Carvalho (1884-1990) to construct modern geographic thought in Brazil. It employs the contextual approach in historiography, particularly the ideas of circularity and cultural site, and the epistemological one as well. <![CDATA[<B>Um estadista na academia</B>: <B>Joaquim Nabuco na Universidade de Yale</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142008000100022&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Um estudo das conferências acadêmicas que pronunciou Joaquim Nabuco, embaixador do Brasil em Washington, D.C., na Universidade de Yale e mais cinco universidades americanas durante o período 1908-1909. Nabuco volta a Camões como exemplo do amor a uma língua e uma cultura, das quais o Brasil seria a maior realização, e aproxima o espírito do nacionalismo das duas grandes nações como exemplos para a política do pan-americanismo da época.<hr/>A study of the academic discourses of Joaquim Nabuco, Brazil’s ambassador in Washington, D.C., at Yale and five more universities from 1908-1909. Nabuco returns to Camões as the example of great love for a language and a culture, nobly represented by Brazil. Nabuco compares the two great nations as examples for the then current politics of pan-americanism. <![CDATA[<B>Brasil na França</B>: <B>a <I>Nitheroy</I> e seus temas</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142008000100023&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Um estudo das conferências acadêmicas que pronunciou Joaquim Nabuco, embaixador do Brasil em Washington, D.C., na Universidade de Yale e mais cinco universidades americanas durante o período 1908-1909. Nabuco volta a Camões como exemplo do amor a uma língua e uma cultura, das quais o Brasil seria a maior realização, e aproxima o espírito do nacionalismo das duas grandes nações como exemplos para a política do pan-americanismo da época.<hr/>A study of the academic discourses of Joaquim Nabuco, Brazil’s ambassador in Washington, D.C., at Yale and five more universities from 1908-1909. Nabuco returns to Camões as the example of great love for a language and a culture, nobly represented by Brazil. Nabuco compares the two great nations as examples for the then current politics of pan-americanism. <![CDATA[<B>A compreensão da vida e da arte de Mário de Andrade</B>: <B>suas cartas</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142008000100024&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Um estudo das conferências acadêmicas que pronunciou Joaquim Nabuco, embaixador do Brasil em Washington, D.C., na Universidade de Yale e mais cinco universidades americanas durante o período 1908-1909. Nabuco volta a Camões como exemplo do amor a uma língua e uma cultura, das quais o Brasil seria a maior realização, e aproxima o espírito do nacionalismo das duas grandes nações como exemplos para a política do pan-americanismo da época.<hr/>A study of the academic discourses of Joaquim Nabuco, Brazil’s ambassador in Washington, D.C., at Yale and five more universities from 1908-1909. Nabuco returns to Camões as the example of great love for a language and a culture, nobly represented by Brazil. Nabuco compares the two great nations as examples for the then current politics of pan-americanism. <![CDATA[<B>Pensamento econômico</B>: <B>um balanço necessário</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142008000100025&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Um estudo das conferências acadêmicas que pronunciou Joaquim Nabuco, embaixador do Brasil em Washington, D.C., na Universidade de Yale e mais cinco universidades americanas durante o período 1908-1909. Nabuco volta a Camões como exemplo do amor a uma língua e uma cultura, das quais o Brasil seria a maior realização, e aproxima o espírito do nacionalismo das duas grandes nações como exemplos para a política do pan-americanismo da época.<hr/>A study of the academic discourses of Joaquim Nabuco, Brazil’s ambassador in Washington, D.C., at Yale and five more universities from 1908-1909. Nabuco returns to Camões as the example of great love for a language and a culture, nobly represented by Brazil. Nabuco compares the two great nations as examples for the then current politics of pan-americanism. <![CDATA[<B>Afinidade e estranhamento</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142008000100026&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Um estudo das conferências acadêmicas que pronunciou Joaquim Nabuco, embaixador do Brasil em Washington, D.C., na Universidade de Yale e mais cinco universidades americanas durante o período 1908-1909. Nabuco volta a Camões como exemplo do amor a uma língua e uma cultura, das quais o Brasil seria a maior realização, e aproxima o espírito do nacionalismo das duas grandes nações como exemplos para a política do pan-americanismo da época.<hr/>A study of the academic discourses of Joaquim Nabuco, Brazil’s ambassador in Washington, D.C., at Yale and five more universities from 1908-1909. Nabuco returns to Camões as the example of great love for a language and a culture, nobly represented by Brazil. Nabuco compares the two great nations as examples for the then current politics of pan-americanism. <![CDATA[<B>Oliveira Vianna entre mitos, utopias e símbolos de brasilidade</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142008000100027&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Um estudo das conferências acadêmicas que pronunciou Joaquim Nabuco, embaixador do Brasil em Washington, D.C., na Universidade de Yale e mais cinco universidades americanas durante o período 1908-1909. Nabuco volta a Camões como exemplo do amor a uma língua e uma cultura, das quais o Brasil seria a maior realização, e aproxima o espírito do nacionalismo das duas grandes nações como exemplos para a política do pan-americanismo da época.<hr/>A study of the academic discourses of Joaquim Nabuco, Brazil’s ambassador in Washington, D.C., at Yale and five more universities from 1908-1909. Nabuco returns to Camões as the example of great love for a language and a culture, nobly represented by Brazil. Nabuco compares the two great nations as examples for the then current politics of pan-americanism.