Scielo RSS <![CDATA[Revista Brasileira de Terapia Intensiva]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=0103-507X20160003&lang=pt vol. 28 num. 3 lang. pt <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[Diretrizes brasileiras em terapia intensiva: vamos encarar este desafio...]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2016000300213&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt <![CDATA[Intensivistas brasileiros: estafados, porém (ainda) satisfeitos com a escolha?]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2016000300215&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt <![CDATA[Avanços na atuação, mais benefícios... as perspectivas dos times de resposta rápida]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2016000300217&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt <![CDATA[Diretrizes para avaliação e validação do potencial doador de órgãos em morte encefálica]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2016000300220&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt RESUMO O transplante de órgãos é a única alternativa para muitos pacientes portadores de algumas doenças terminais. Ao mesmo tempo, é preocupante a crescente desproporção entre a alta demanda por transplantes de órgãos e o baixo índice de transplantes efetivados. Dentre as diferentes causas que alimentam essa desproporção, estão os equívocos na identificação do potencial doador de órgãos e as contraindicações mal atribuídas pela equipe assistente. Assim, o presente documento pretende fornecer subsídios à equipe multiprofissional da terapia intensiva para o reconhecimento, a avaliação e a validação do potencial doador de órgãos.<hr/>ABSTRACT Organ transplantation is the only alternative for many patients with terminal diseases. The increasing disproportion between the high demand for organ transplants and the low rate of transplants actually performed is worrisome. Some of the causes of this disproportion are errors in the identification of potential organ donors and in the determination of contraindications by the attending staff. Therefore, the aim of the present document is to provide guidelines for intensive care multi-professional staffs for the recognition, assessment and acceptance of potential organ donors. <![CDATA[Os diferentes delineamentos de pesquisa e suas particularidades na terapia intensiva]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2016000300256&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt RESUMO Os diferentes delineamentos de pesquisa apresentam diversas vantagens e limitações, inerentes às suas características principais. O conhecimento sobre o emprego adequado de cada um deles é de grande importância na aplicabilidade da epidemiologia clínica. Em terapia intensiva, uma classificação hierárquica dos delineamentos, sem compreender suas peculiaridades neste contexto, pode muitas vezes ser errônea, devendo-se atentar para problemas corriqueiros em ensaios clínicos randomizados e em revisões sistemáticas/metanálises, que abordem questões clínicas referentes a cuidados de pacientes gravemente enfermos.<hr/>ABSTRACT Different research designs have various advantages and limitations inherent to their main characteristics. Knowledge of the proper use of each design is of great importance to understanding the applicability of research findings to clinical epidemiology. In intensive care, a hierarchical classification of designs can often be misleading if the characteristics of the design in this context are not understood. One must therefore be alert to common problems in randomized clinical trials and systematic reviews/meta-analyses that address clinical issues related to the care of the critically ill patient. <![CDATA[Epidemiologia das infecções graves nas unidades de terapia intensiva latino-americanas]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2016000300261&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt RESUMO Os diferentes delineamentos de pesquisa apresentam diversas vantagens e limitações, inerentes às suas características principais. O conhecimento sobre o emprego adequado de cada um deles é de grande importância na aplicabilidade da epidemiologia clínica. Em terapia intensiva, uma classificação hierárquica dos delineamentos, sem compreender suas peculiaridades neste contexto, pode muitas vezes ser errônea, devendo-se atentar para problemas corriqueiros em ensaios clínicos randomizados e em revisões sistemáticas/metanálises, que abordem questões clínicas referentes a cuidados de pacientes gravemente enfermos.<hr/>ABSTRACT Different research designs have various advantages and limitations inherent to their main characteristics. Knowledge of the proper use of each design is of great importance to understanding the applicability of research findings to clinical epidemiology. In intensive care, a hierarchical classification of designs can often be misleading if the characteristics of the design in this context are not understood. One must therefore be alert to common problems in randomized clinical trials and systematic reviews/meta-analyses that address clinical issues related to the care of the critically ill patient. <![CDATA[O que todo intensivista deveria saber sobre os sistemas de escore prognóstico e mortalidade ajustada ao risco]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2016000300264&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt RESUMO Os diferentes delineamentos de pesquisa apresentam diversas vantagens e limitações, inerentes às suas características principais. O conhecimento sobre o emprego adequado de cada um deles é de grande importância na aplicabilidade da epidemiologia clínica. Em terapia intensiva, uma classificação hierárquica dos delineamentos, sem compreender suas peculiaridades neste contexto, pode muitas vezes ser errônea, devendo-se atentar para problemas corriqueiros em ensaios clínicos randomizados e em revisões sistemáticas/metanálises, que abordem questões clínicas referentes a cuidados de pacientes gravemente enfermos.<hr/>ABSTRACT Different research designs have various advantages and limitations inherent to their main characteristics. Knowledge of the proper use of each design is of great importance to understanding the applicability of research findings to clinical epidemiology. In intensive care, a hierarchical classification of designs can often be misleading if the characteristics of the design in this context are not understood. One must therefore be alert to common problems in randomized clinical trials and systematic reviews/meta-analyses that address clinical issues related to the care of the critically ill patient. <![CDATA[Prevalência de síndrome de <em>burnout</em> em médicos intensivistas de cinco capitais brasileiras]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2016000300270&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt RESUMO Objetivo: Estimar a prevalência de burnout em médicos intensivistas que trabalham em unidades de terapia intensiva adulto, pediátrica e neonatal, de cinco capitais brasileiras. Métodos: Estudo epidemiológico descritivo, com amostra aleatória e estratificada por conglomerado, de 180 médicos intensivistas de cinco capitais, representando as regiões geográficas brasileiras: Porto Alegre (RS), São Paulo (SP), Salvador (BA), Goiânia (GO) e Belém (PA). Um questionário autoaplicável avaliou dados sociodemográficos e o nível de burnout foi avaliado por meio do Maslach Burnout Inventory. Resultados: Foram avaliados 180 médicos, sendo 54,4% do sexo feminino. A média de idade foi 39 ± 8,1 anos, 63,4% com a especialização como a maior titulação, 55,7% com até 10 anos de trabalho em unidade de terapia intensiva e 46,1% possuíam título de especialista em terapia intensiva. A maioria (50,3%) tinha carga horária semanal de trabalho entre 49 e 72 horas, e o tipo de vínculo mais frequente foi empregado assalariado. Níveis elevados de exaustão emocional, despersonalização e ineficácia foram encontrados em 50,6%, 26,1% e 15,0%, respectivamente. A prevalência de burnout foi de 61,7%, quando considerado nível alto em pelo menos uma dimensão e de 5% com nível alto nas três dimensões simultaneamente. Conclusão: Observou-se elevada prevalência da síndrome de burnout entre os médicos intensivistas. Estratégias para promoção e proteção à saúde desses trabalhadores devem ser discutidas e implementadas nos hospitais.<hr/>ABSTRACT Objective: To estimate the prevalence of burnout in intensivist doctors working in adult, pediatric and neonatal intensive care units in five Brazilian capitals. Methods: Descriptive epidemiological study with a random sample stratified by conglomerate with 180 intensivist doctors from five capitals representing the Brazilian geographic regions: Porto Alegre (RS), Sao Paulo (SP), Salvador (BA), Goiania (GO) and Belem (PA). A self-administered questionnaire examining sociodemographic data and the level of burnout was evaluated through the Maslach Burnout Inventory. Results: A total of 180 doctors were evaluated, of which 54.4% were female. The average age was 39 ± 8.1 years, 63.4% had specialization as the highest degree, 55.7% had up to 10 years of work experience in an intensive care unit, and 46.1% had the title intensive care specialist. Most (50.3%) had weekly workloads between 49 and 72 hours, and the most frequent employee type was salaried. High levels of emotional exhaustion, depersonalization and inefficacy were found (50.6%, 26.1% and 15.0%, respectively). The prevalence of burnout was 61.7% when considering a high level in at least one dimension and 5% with a high level in three dimensions simultaneously. Conclusion: A high prevalence of burnout syndrome among intensivist doctors was observed. Strategies for the promotion and protection of health in these workers must be discussed and implemented in hospitals. <![CDATA[Avaliação de 5 anos de atuação de um time de resposta rápida liderado por médico intensivista em hospital universitário]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2016000300278&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt RESUMO Objetivo: Avaliar a implementação de time de resposta rápida multidisciplinar liderado por médico intensivista em hospital universitário. Métodos: Estudo de coorte retrospectiva realizado pela análise de fichas de atendimentos preenchidas durante os atendimentos realizados pelo time de resposta rápida do hospital universitário entre março de 2009 e fevereiro de 2014. Resultados: Foram coletados dados de 1.628 atendimentos realizados em 1.024 pacientes pelo time de resposta rápida, sendo 1.423 códigos amarelos e 205 códigos azuis. Houve maior número de atendimentos no primeiro ano, após implementação do time de resposta rápida. A análise multivariada identificou idade (OR 1,02; IC95% 1,02 - 1,03; p &lt; 0,001), sexo masculino (OR 1,48; IC95% 1,09 - 2,01; p = 0,01), mais de um atendimento (OR 3,31; IC95% 2,32 - 4,71; p &lt; 0,001), internação para especialidades clínicas (OR 1,77; IC95% 1,29 - 2,42; p &lt; 0,001), pedido de vaga de unidade de terapia intensiva posterior ao código (OR 4,75; IC95% 3,43 - 6,59; p &lt; 0,001) e admissão em unidade de terapia intensiva prévia ao código (OR 2,13, IC95% 1,41 - 3,21; p = 0,001) como fatores de risco para mortalidade hospitalar de pacientes atendidos em códigos amarelos. Conclusão: Os índices de mortalidade hospitalar foram elevados quando comparados aos da literatura e houve maior número de atendimentos no primeiro ano de atuação do time de resposta rápida. Houve maior mortalidade hospitalar entre pacientes internados para especialidades clínicas.<hr/>ABSTRACT Objective: To evaluate the implementation of a multidisciplinary rapid response team led by an intensive care physician at a university hospital. Methods: This retrospective cohort study analyzed assessment forms that were completed during the assessments made by the rapid response team of a university hospital between March 2009 and February 2014. Results: Data were collected from 1,628 assessments performed by the rapid response team for 1,024 patients and included 1,423 code yellow events and 205 code blue events. The number of assessments was higher in the first year of operation of the rapid response team. The multivariate analysis indicated that age (OR 1.02; 95%CI 1.02 - 1.03; p &lt; 0.001), being male (OR 1.48; 95%CI 1.09 - 2.01; p = 0.01), having more than one assessment (OR 3.31; 95%CI, 2.32 - 4.71; p &lt; 0.001), hospitalization for clinical care (OR 1.77; 95%CI 1.29 - 2.42; p &lt; 0.001), the request of admission to the intensive care unit after the code event (OR 4.75; 95%CI 3.43 - 6.59; p &lt; 0.001), and admission to the intensive care unit before the code event (OR 2.13; 95%CI 1.41 - 3.21; p = 0.001) were risk factors for hospital mortality in patients who were seen for code yellow events. Conclusion: The hospital mortality rates were higher than those found in previous studies. The number of assessments was higher in the first year of operation of the rapid response team. Moreover, hospital mortality was higher among patients admitted for clinical care. <![CDATA[Análise do conhecimento da população geral e profissionais de saúde sobre doação de órgãos após morte cardíaca]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2016000300285&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt RESUMO Objetivo: Avaliar o conhecimento e a aceitação da população e dos profissionais que trabalham em unidades de terapia intensiva sobre a doação de órgãos após morte cardíaca. Métodos: Foram elencados os três hospitais com mais notificações de morte encefálica em Curitiba e estabelecidos dois grupos de entrevistados pelo mesmo questionário: o público geral, ou seja, acompanhantes de pacientes em unidades de terapia intensiva, e profissionais de saúde que trabalhavam nas mesmas unidades de terapia intensiva. O questionário aplicado perguntou sobre dados demográficos, a intenção de doar órgãos e o conhecimento da legislação vigente, bem como sobre morte encefálica e doação após morte cardíaca. Resultados: No total, foram 543 questionários coletados, sendo 442 de familares e 101 de profissionais de saúde. Observou-se predomínio de mulheres e de católicos em ambos os grupos. O sexo feminino apresentou maior intenção de doar. Os profissionais de saúde tiveram um desempenho melhor na comparação de conhecimento. A intenção de doar órgãos foi significativamente maior no grupo de profissionais de saúde (p = 0,01). Não houve diferença significativa na intenção de doar com relação ao grau de instrução ou renda. Houve maior aceitação da doação após morte cardíaca não controlada entre os católicos, quando comparados com os evangélicos (p &lt; 0,001). Conclusão: A maioria da população geral teve intenção de doar, sendo maior a intenção no sexo feminino. Escolaridade e renda não influenciaram em tal decisão. A modalidade de transplante que utiliza doação após morte cardíaca não controlada não teve boa aceitação na população estudada, apontando para a necessidade de mais esclarecimentos para o uso no nosso meio.<hr/>ABSTRACT Objective: To evaluate the knowledge and acceptance of the public and professionals working in intensive care units regarding organ donation after cardiac death. Methods: The three hospitals with the most brain death notifications in Curitiba were selected, and two groups of respondents were established for application of the same questionnaire: the general public (i.e., visitors of patients in intensive care units) and health professionals working in the same intensive care unit. The questionnaire contained questions concerning demographics, intention to donate organs and knowledge of current legislation regarding brain death and donation after cardiac death. Results: In total, 543 questionnaires were collected, including 442 from family members and 101 from health professionals. There was a predominance of women and Catholics in both groups. More females intended to donate. Health professionals performed better in the knowledge comparison. The intention to donate organs was significantly higher in the health professionals group (p = 0.01). There was no significant difference in the intention to donate in terms of education level or income. There was a greater acceptance of donation after uncontrolled cardiac death among Catholics than among evangelicals (p &lt; 0.001). Conclusion: Most of the general population intended to donate, with greater intentions expressed by females. Education and income did not affect the decision. The type of transplant that used a donation after uncontrolled cardiac death was not well accepted in the study population, indicating the need for more clarification for its use in our setting. <![CDATA[Limitação de Suporte Avançado de Vida em pacientes admitidos em unidade de terapia intensiva com cuidados paliativos integrados]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2016000300294&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt RESUMO Objetivo: Estimar a incidência de limitação de Suporte Avançado de Vida em pacientes graves internados em unidade de terapia intensiva com cuidados paliativos integrados. Métodos: Estudo de coorte retrospectivo, no qual foram incluídos os pacientes inseridos no programa de cuidados paliativos da unidade de terapia intensiva do Hospital Paulistano, maiores de 18 anos de idade, no período de 1º de maio de 2011 a 31 de janeiro de 2014. As limitações de Suporte Avançado de Vida analisadas foram: ordem para não ressuscitar, ventilação mecânica, hemodiálise e droga vasoativa. Para as variáveis quantitativas, foram calculadas medidas de tendência central. O teste qui quadrado foi utilizado para comparar características dos pacientes com ou sem limitação de Suporte Avançado de Vida e teste de Wilcoxon, para comparar o tempo de internação após Suporte Avançado de Vida. Para significância estatística, consideraram-se o intervalo de confiança e p ≤ 0,05. Resultados: Foram internados na unidade de terapia intensiva 3.487 pacientes, sendo 342 inseridos no programa de cuidados paliativos. Observou-se que, após entrada no programa de cuidados paliativos, demorou uma mediana de 2 (1 - 4) dias para o óbito na unidade de terapia intensiva e 4 (2 - 11) dias para óbito hospitalar. Boa parte das limitações de Suporte Avançado de Vida (42,7%) aconteceu no primeiro dia de internação. A ressuscitação cardiopulmonar (96,8%) e o suporte ventilatório (73,6%) foram as limitações mais adotadas. Conclusão: Foi relevante a contribuição dos cuidados paliativos integrados à unidade de terapia intensiva para a prática da ortotanásia, ou seja, o não prolongamento da vida de um paciente terminal por meios artificiais.<hr/>ABSTRACT Objective: To estimate the incidence of limitations to Advanced Life Support in critically ill patients admitted to an intensive care unit with integrated palliative care. Methods: This retrospective cohort study included patients in the palliative care program of the intensive care unit of Hospital Paulistano over 18 years of age from May 1, 2011, to January 31, 2014. The limitations to Advanced Life Support that were analyzed included do-not-resuscitate orders, mechanical ventilation, dialysis and vasoactive drugs. Central tendency measures were calculated for quantitative variables. The chi-squared test was used to compare the characteristics of patients with or without limits to Advanced Life Support, and the Wilcoxon test was used to compare length of stay after Advanced Life Support. Confidence intervals reflecting p ≤ 0.05 were considered for statistical significance. Results: A total of 3,487 patients were admitted to the intensive care unit, of whom 342 were included in the palliative care program. It was observed that after entering the palliative care program, it took a median of 2 (1 - 4) days for death to occur in the intensive care unit and 4 (2 - 11) days for hospital death to occur. Many of the limitations to Advanced Life Support (42.7%) took place on the first day of hospitalization. Cardiopulmonary resuscitation (96.8%) and ventilatory support (73.6%) were the most adopted limitations. Conclusion: The contribution of palliative care integrated into the intensive care unit was important for the practice of orthothanasia, i.e., the non-extension of the life of a critically ill patient by artificial means. <![CDATA[Cuidados paliativos no paciente com HIV/AIDS internado na unidade de terapia intensiva]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2016000300301&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt RESUMO Objetivo: Descrever as características de pacientes com HIV/AIDS e comparar as medidas terapêuticas e cuidados de fim de vida, antes e após a avaliação da equipe de cuidados paliativos. Métodos: Trata-se de uma coorte retrospectiva, que incluiu todos os pacientes com HIV/AIDS internados na unidade de terapia intensiva do Instituto de Infectologia Emílio Ribas e avaliados pela equipe de cuidados paliativos no período de janeiro de 2006 a dezembro de 2012. Resultados: Dos 109 pacientes avaliados, 89% tinham relato de doenças oportunistas, 70% apresentavam CD4 menor que 100cels/mm3 e apenas 19% aderiram ao tratamento. A mortalidade geral foi de 88%. Dentre os pacientes considerados em provável terminalidade (68%), observaram-se redução do uso da terapia antirretroviral altamente ativa (50,0% para 23,1%; p = 0,02), antibioticoterapia (100% para 63,6%; p &lt; 0,001), drogas vasoativas (62,1% para 37,8%, p = 0,009), terapia de substituição renal (34,8% para 23%; p &lt; 0,0001) e transfusão de hemoderivados (74,2% para 19,7%; p &lt; 0,0001). Foi realizada reunião com a família em 48% dos casos, e 23% dos pacientes em provável terminalidade receberam alta da unidade de terapia intensiva. Conclusão: A equipe de cuidados paliativos foi acionada para pacientes com perfil de elevadas gravidade e mortalidade. Os pacientes acompanhados pela equipe de cuidados paliativos avaliados como provável terminalidade tiveram significativa redução de intervenções potencialmente inapropriadas, e 26% desses pacientes conseguiram receber alta da unidade de terapia intensiva.<hr/>ABSTRACT Objective: To describe the characteristics of patients with HIV/AIDS and to compare the therapeutic interventions and end-of-life care before and after evaluation by the palliative care team. Methods: This retrospective cohort study included all patients with HIV/AIDS admitted to the intensive care unit of the Instituto de Infectologia Emílio Ribas who were evaluated by a palliative care team between January 2006 and December 2012. Results: Of the 109 patients evaluated, 89% acquired opportunistic infections, 70% had CD4 counts lower than 100 cells/mm3, and only 19% adhered to treatment. The overall mortality rate was 88%. Among patients predicted with a terminally ill (68%), the use of highly active antiretroviral therapy decreased from 50.0% to 23.1% (p = 0.02), the use of antibiotics decreased from 100% to 63.6% (p &lt; 0.001), the use of vasoactive drugs decreased from 62.1% to 37.8% (p = 0.009), the use of renal replacement therapy decreased from 34.8% to 23.0% (p &lt; 0.0001), and the number of blood product transfusions decreased from 74.2% to 19.7% (p &lt; 0.0001). Meetings with the family were held in 48 cases, and 23% of the terminally ill patients were discharged from the intensive care unit. Conclusion: Palliative care was required in patients with severe illnesses and high mortality. The number of potentially inappropriate interventions in terminally ill patients monitored by the palliative care team significantly decreased, and 26% of the patients were discharged from the intensive care unit. <![CDATA[Possíveis fatores estressantes na unidade de terapia intensiva neonatal em hospital universitário]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2016000300310&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt RESUMO Objetivo: Verificar possíveis fatores estressantes aos quais os recém-nascidos estão expostos na unidade de terapia intensiva neonatal. Métodos: Os níveis de ruídos contínuos foram verificados por meio do decibelímetro posicionado próximo ao ouvido do recém-nascido; a luminosidade foi verificada pelo luxímetro posicionado dentro das incubadoras diante dos olhos do recém-nascido; e a verificação da temperatura se deu por meio da visualização do display das incubadoras. As avaliações foram realizadas em três períodos do dia, tendo sido realizadas dez medições com intervalo de 1 minuto em cada turno para posteriores análises estatísticas. Resultados: Todos os turnos apresentaram ruídos acima dos níveis aceitáveis. Manhã (p &lt; 0,001), tarde (p &lt; 0,05) e noite (p &lt; 0,001) apresentaram aumento significativo comparado ao controle. A luminosidade excedeu os padrões de normalidade significativamente (p &lt; 0,01) no período da manhã. Quanto à temperatura, observamos que apenas uma das incubadoras encontrava-se dentro dos padrões de normalidade. Conclusão: A intensidade dos ruídos, da luminosidade e da temperatura não estavam de acordo com as normas regulatórias, podendo ser assim um possível fator estressante para o recém-nascido.<hr/>ABSTRACT Objective: To investigate possible stressors to which newborns are exposed in the neonatal intensive care unit. Methods: The levels of continuous noise were checked by a decibel meter positioned near the ear of the newborn, brightness was observed by a light meter positioned in the incubator in front of the newborn's eyes, and temperature was checked through the incubator display. The evaluations were performed in three periods of the day, with ten measurements taken at one-minute intervals during each shift for the subsequent statistical analysis. Results: All shifts showed noise above acceptable levels. Morning (p &lt; 0.001), afternoon (p &lt; 0.05) and night (p &lt; 0.001) showed a significant increase compared to the control. The brightness significantly exceeded the normal range (p &lt; 0.01) in the morning. We observed that only one of the incubators was within the normal temperature limits. Conclusion: The noise, brightness and temperature intensities were not in accordance with regulatory standards and thus might be possible stressors to newborns. <![CDATA[Descalonamento, adequação antimicrobiana e positividade de culturas em pacientes sépticos: estudo observacional]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2016000300315&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt RESUMO Objetivo: Avaliar a prevalência de descalonamento antibiótico em pacientes com diagnóstico de sepse grave ou choque séptico em hospital acadêmico, público e terciário, além da adequação antibiótica e da positividade de culturas. Métodos: Foram analisadas prevalência de descalonamento, adequação antibiótica e positividade de culturas entre portadores de sepse grave e choque séptico, entre abril e dezembro de 2013, em uma unidade de terapia intensiva de um hospital universitário terciário. Resultados: Entre os 224 pacientes incluídos, o descalonamento era possível em 29,4% dos casos (66 pacientes), mas foi implementado em 19,6% deles (44 pacientes). Entre os pacientes que receberam descalonamento, metade foi por estreitamento de espectro antimicrobiano. A mortalidade foi de 56,3%, não havendo diferença entre pacientes com ou sem descalonamento (56,8% versus 56,1%; p = 0,999), assim como no tempo de internação. Terapia antimicrobiana empírica foi adequada em 89% dos casos. Houve isolamento de germe em 30% de todas as culturas e em 26,3% das hemoculturas. Conclusão: A taxa de adequação antibiótica empírica foi alta, refletindo ativa política institucional de monitorização do perfil epidemiológico e protocolos institucionais de uso de antimicrobianos. No entanto, o descalonamento antimicrobiano poderia ter sido maior do que o registrado. O descalonamento não impactou mortalidade.<hr/>ABSTRACT Objective: To evaluate the prevalence of antibiotic de-escalation in patients diagnosed with severe sepsis or septic shock at a public academic tertiary hospital and to evaluate antibiotic adequacy and culture positivity. Methods: The prevalence of antibiotic de-escalation, the adequacy of antibiotic treatment and the rates of culture positivity were analyzed in patients with severe sepsis and septic shock between April and December 2013 at an intensive care unit in a tertiary university hospital. Results: Among the 224 patients included in the study, de-escalation was appropriate in 66 patients (29.4%) but was implemented in 44 patients (19.6%). Among the patients who underwent de-escalation, half experienced narrowing of the antimicrobial spectrum. The mortality rate was 56.3%, with no differences between the patients with or without de-escalation (56.8% versus 56.1%; p = 0.999) nor in the length of hospital stay. Empirical antibiotic therapy was appropriate in 89% of cases. Microorganisms were isolated from total cultures in 30% of cases and from blood cultures in 26.3% of cases. Conclusion: The adequacy rate of empirical antibiotic therapy was high, reflecting an active institutional policy of monitoring epidemiological profiles and institutional protocols on antimicrobial use. However, antibiotic de-escalation could have been implemented in a greater number of patients. De-escalation did not affect mortality rates. <![CDATA[Estressores em familiares de pacientes internados na unidade de terapia intensiva]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2016000300323&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt RESUMO Objetivo: Identificar e estratificar os principais fatores estressores para os familiares de pacientes internados na unidade de terapia intensiva adulto de um hospital escola. Métodos: Estudo transversal descritivo com familiares de pacientes internados na unidade de terapia intensiva no período de abril a outubro de 2014. Foi utilizado questionário contendo identificação e dados demográficos dos familiares, dados clínicos dos pacientes, bem como 25 fatores estressores adaptados da Escala de Estressores em Unidade de Terapia Intensiva. O grau de estresse de cada fator foi determinado por uma escala de valores pontuando de 1 a 4. Os fatores estressores foram ranqueados conforme média dos pontos obtida. Resultados: A principal causa de admissão na unidade de terapia intensiva foi clínica em 36 (52,2%) casos. Os principais fatores estressores foram a presença do estado de coma (3,15 ± 1,23), o paciente não conseguir falar (3,15 ± 1,20) e o motivo da internação (3,00 ± 1,27). Quando retirados da análise os 27 (39,1%) pacientes em coma, os fatores de maior estresse para os familiares foram o motivo da internação (2,75 ± 1,354), ver o paciente na unidade de terapia intensiva (2,51 ± 1,227) e o paciente não conseguir falar (2,50 ± 1,269). Conclusão: A dificuldade na comunicação e na relação com o paciente internado na unidade de terapia intensiva foi apontada como os maiores estressores por seus familiares, com destaque para o estado de coma. Por outro lado, o ambiente, as rotinas de trabalho e a relação entre familiar e equipe da unidade de terapia intensiva tiveram menor impacto como fatores estressores.<hr/>ABSTRACT Objective: To identify and stratify the main stressors for the relatives of patients admitted to the adult intensive care unit of a teaching hospital. Methods: Cross-sectional descriptive study conducted with relatives of patients admitted to an intensive care unit from April to October 2014. The following materials were used: a questionnaire containing identification information and demographic data of the relatives, clinical data of the patients, and 25 stressors adapted from the Intensive Care Unit Environmental Stressor Scale. The degree of stress caused by each factor was determined on a scale of values from 1 to 4. The stressors were ranked based on the average score obtained. Results: The main cause of admission to the intensive care unit was clinical in 36 (52.2%) cases. The main stressors were the patient being in a state of coma (3.15 ± 1.23), the patient being unable to speak (3.15 ± 1.20), and the reason for admission (3.00 ± 1.27). After removing the 27 (39.1%) coma patients from the analysis, the main stressors for the relatives were the reason for admission (2.75 ± 1.354), seeing the patient in the intensive care unit (2.51 ± 1.227), and the patient being unable to speak (2.50 ± 1.269). Conclusion: Difficulties in communication and in the relationship with the patient admitted to the intensive care unit were identified as the main stressors by their relatives, with the state of coma being predominant. By contrast, the environment, work routines, and relationship between the relatives and intensive care unit team had the least impact as stressors. <![CDATA[Avaliação de dispositivos médicos nas radiografias de tórax em unidades de terapia intensiva - tempo de prestar atenção!]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2016000300330&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt RESUMO Objetivo: Identificar e avaliar o posicionamento correto dos dispositivos médicos mais comumente utilizados, observados nas radiografias de tórax de pacientes durante a permanência em unidade de terapia intensiva de nosso centro. Métodos: Foi realizada uma pesquisa bibliográfica quanto aos critérios utilizados para avaliar o posicionamento correto dos dispositivos médicos nas radiografias de tórax. Avaliamos todas as radiografias de tórax realizadas na unidade de terapia intensiva de nosso centro durante um período de 18 meses. Incluíram-se todas as admissões nas quais foi realizada uma radiografia do tórax na unidade de terapia intensiva, nas quais fosse identificável a presença de pelo menos um dispositivo médico. Para análise, selecionou-se uma radiografia por admissão. As radiografias foram avaliadas por um observador independente. Resultados: De um total de 2.312 radiografias analisadas, 568 foram incluídas neste estudo. Identificaram-se diversos dispositivos médicos, incluindo eletrodos de monitoramento, tubos endotraqueais, cânulas de traqueostomia, cateteres venosos centrais, marca-passos e próteses valvares cardíacas. Dentre os cateteres venosos centrais identificados, 33,6% dos subclávios e 23,8% dos jugulares estavam mal posicionados. Dentre os tubos endotraqueais, 19,9% estavam mal posicionados, enquanto todas as cânulas de traqueostomia tinham posicionamento correto. Conclusão: Frequentemente se identificam, na radiografia de tórax realizada em pacientes na unidade de terapia intensiva, cateteres venosos e tubos endotraqueais mal posicionados. Isso é importante, pois dispositivos mal posicionados podem se relacionar a eventos adversos. Estudos futuros devem investigar possíveis associações entre o mau posicionamento dos dispositivos e eventos adversos.<hr/>ABSTRACT Objective: To identify and evaluate the correct positioning of the most commonly used medical devices as visualized in thoracic radiograms of patients in the intensive care unit of our center. Methods: A literature search was conducted for the criteria used to evaluate the correct positioning of medical devices on thoracic radiograms. All the thoracic radiograms performed in the intensive care unit of our center over an 18-month period were analyzed. All admissions in which at least one thoracic radiogram was performed in the intensive care unit and in which at least one medical device was identifiable in the thoracic radiogram were included. One radiogram per admission was selected for analysis. The radiograms were evaluated by an independent observer. Results: Out of the 2,312 thoracic radiograms analyzed, 568 were included in this study. Several medical devices were identified, including monitoring leads, endotracheal and tracheostomy tubes, central venous catheters, pacemakers and prosthetic cardiac valves. Of the central venous catheters that were identified, 33.6% of the subclavian and 23.8% of the jugular were malpositioned. Of the endotracheal tubes, 19.9% were malpositioned, while all the tracheostomy tubes were correctly positioned. Conclusion: Malpositioning of central venous catheters and endotracheal tubes is frequently identified in radiograms of patients in an intensive care unit. This is relevant because malpositioned devices may be related to adverse events. In future studies, an association between malpositioning and adverse events should be investigated. <![CDATA[Percepção de profissionais de saúde sobre o processo de tomada de decisão na assistência a pacientes pediátricos]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2016000300335&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt RESUMO Objetivo: Avaliar as percepções de médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem sobre sua participação no processo de tomada de decisão de limitação de suporte de vida, em pacientes pediátricos terminais, comparando por categoria profissional. Métodos: Estudo transversal realizado em unidade de terapia intensiva pediátrica de hospital público universitário, terciário, com a participação de médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem. Foi usada a Escala de Voz da MacArthur Admission Experience Survey para avaliar e quantificar a percepção dos profissionais que assistiram 17 pacientes pediátricos em limitação de suporte de vida, nas primeiras 24 horas após o desfecho de cada paciente. Todos os profissionais que atuavam na unidade (n=117), potencialmente elegíveis para a pesquisa, receberam o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido previamente à ocorrência dos casos. Resultados: Participaram 25/40 (62,5%) médicos, 10/17 (58,8%) enfermeiros e 41/60 (68,3%) técnicos de enfermagem, representando 65% dos profissionais elegíveis. A taxa de devolução dos questionários pelos médicos foi maior que a dos técnicos (p = 0,0258). Houve registro de percepção de falta de voz nas três categorias profissionais, em taxas variáveis, porém menos percebida pelos médicos do que pelos enfermeiros e técnicos (p &lt; 0,00001); entre estes últimos, não houve diferença (p = 0,7016). Nas três categorias profissionais, foram assinalados os três itens que compõem a subescala. Em duas das três afirmativas, houve diferença significativa entre médicos e enfermeiros (p = 0,004), e entre médicos e técnicos (p = 0,001). Em uma das afirmativas, não houve diferença entre as três categorias profissionais. Conclusão: Houve percepção de falta de voz no processo de tomada de decisão, em taxas variáveis, nas três categorias de profissionais que assistiram pacientes pediátricos terminais em limitação de suporte de vida, sendo os médicos os que expressaram menor percepção de coerção.<hr/>ABSTRACT Objective: To evaluate the perceptions of physicians, nurses and nursing technicians of their participation in the decision-making process surrounding life support limitation in terminally ill pediatric patients, with comparisons by professional category. Methods: A cross-sectional study was conducted in the pediatric intensive care unit of a tertiary public university hospital with the participation of physicians, nurses and nursing technicians. The MacArthur Admission Experience Survey Voice Scale was used to assess and quantify the perceptions of professionals who assisted 17 pediatric patients with life support limitation within 24 hours after the outcome of each patient was determined. All professionals working in the unit (n = 117) who were potentially eligible for the study received a free and informed consent form prior to the occurrence of the cases studied. Results: Study participants included 25/40 (62.5%) physicians, 10/17 (58.8%) nurses and 41/60 (68.3%) nursing technicians, representing 65% of the eligible professionals identified. The questionnaire return rate was higher for physicians than technicians (p = 0.0258). A perceived lack of voice was reported in all three professional categories at varying rates that were lower for physicians than for nurses and nursing technicians (p &lt; 0.00001); there was no difference between the latter (p = 0.7016). In the three professional categories studied, three subscale items were reported. For two of the three statements, there were significant differences between physicians and nurses (p = 0.004) and between physicians and nursing technicians (p = 0.001). For one of the statements, there was no difference among the three professional categories. Conclusion: Respondents perceived a lack of voice in the decision-making process at varying rates across the three categories of studied professionals who assisted terminally ill pediatric patients with life support limitation, with physicians expressing lowered rates of perceived coercion. <![CDATA[Repercussões da hiperinsuflação manual em recém-nascidos pré-termo sob ventilação mecânica]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2016000300341&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt RESUMO Objetivo: Avaliar as repercussões da hiperinsuflação manual, realizada com ressuscitador manual com e sem válvula de pressão positiva expiratória final, sobre a função respiratória de recém-nascidos pré-termo em ventilação mecânica. Métodos: Estudo transversal com recém-nascidos pré-termo com idade gestacional inferior a 32 semanas, em ventilação mecânica e dependentes desta aos 28 dias de vida, estáveis hemodinamicamente. A hiperinsuflação manual foi aplicada de forma randomizada, alternando o uso ou não uso da válvula de pressão positiva expiratória final, seguida de aspiração intratraqueal finalizando a manobra. Para os dados nominais, foi aplicado o teste de Wilcoxon com hipótese bilateral ao nível de significância de 5% e poder de teste de 80%. Resultados: Foram estudados 28 recém-nascidos pré-termo com peso médio de nascimento 1.005,71 ± 372.16g, idade gestacional média 28,90 ± 1,79 semanas, idade corrigida média de 33,26 ± 1,78 semanas, tempo médio de ventilação mecânica de 29,5 (15 - 53) dias. Ocorreu aumento dos volumes inspiratório e expiratório entre os momentos A5 (antes da manobra) e C1 (imediatamente após aspiração intratraqueal) tanto na manobra com válvula (p = 0,001 e p = 0,009) como sem válvula (p = 0,026 e p = 0,001), respectivamente. Também houve aumento da resistência expiratória entre os momentos A5 e C1 com p = 0,044. Conclusão: Os volumes pulmonares aumentaram na manobra com e sem válvula, havendo diferença significativa no primeiro minuto após a aspiração. Houve diferença significativa na resistência expiratória entre os momentos A5 (antes da manobra) e C1 (imediatamente após aspiração intratraqueal) no primeiro minuto após a aspiração dentro de cada manobra.<hr/>ABSTRACT Objective: To assess the effects of manual hyperinflation, performed with a manual resuscitator with and without the positive end-expiratory pressure valve, on the respiratory function of preterm newborns under mechanical ventilation. Methods: Cross-sectional study of hemodynamically stable preterm newborns with gestational age of less than 32 weeks, under mechanical ventilation and dependent on it at 28 days of life. Manual hyperinflation was applied randomly, alternating the use or not of the positive end-expiratory pressure valve, followed by tracheal aspiration for ending the maneuver. For nominal data, the two-tailed Wilcoxon test was applied at the 5% significance level and 80% power. Results: Twenty-eight preterm newborns, with an average birth weight of 1,005.71 ± 372.16g, an average gestational age of 28.90 ± 1.79 weeks, an average corrected age of 33.26 ± 1.78 weeks, and an average mechanical ventilation time of 29.5 (15 - 53) days, were studied. Increases in inspiratory and expiratory volumes occurred between time-points A5 (before the maneuver) and C1 (immediately after tracheal aspiration) in both the maneuver with the valve (p = 0.001 and p = 0.009) and without the valve (p = 0.026 and p = 0.001), respectively. There was also an increase in expiratory resistance between time-points A5 and C1 (p = 0.044). Conclusion: Lung volumes increased when performing the maneuver with and without the valve, with a significant difference in the first minute after aspiration. There was a significant difference in expiratory resistance between the time-points A5 (before the maneuver) and C1 (immediately after tracheal aspiration) in the first minute after aspiration within each maneuver. <![CDATA[To: Heliox in the treatment of status asthmaticus: case reports]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2016000300348&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt RESUMO Objetivo: Avaliar as repercussões da hiperinsuflação manual, realizada com ressuscitador manual com e sem válvula de pressão positiva expiratória final, sobre a função respiratória de recém-nascidos pré-termo em ventilação mecânica. Métodos: Estudo transversal com recém-nascidos pré-termo com idade gestacional inferior a 32 semanas, em ventilação mecânica e dependentes desta aos 28 dias de vida, estáveis hemodinamicamente. A hiperinsuflação manual foi aplicada de forma randomizada, alternando o uso ou não uso da válvula de pressão positiva expiratória final, seguida de aspiração intratraqueal finalizando a manobra. Para os dados nominais, foi aplicado o teste de Wilcoxon com hipótese bilateral ao nível de significância de 5% e poder de teste de 80%. Resultados: Foram estudados 28 recém-nascidos pré-termo com peso médio de nascimento 1.005,71 ± 372.16g, idade gestacional média 28,90 ± 1,79 semanas, idade corrigida média de 33,26 ± 1,78 semanas, tempo médio de ventilação mecânica de 29,5 (15 - 53) dias. Ocorreu aumento dos volumes inspiratório e expiratório entre os momentos A5 (antes da manobra) e C1 (imediatamente após aspiração intratraqueal) tanto na manobra com válvula (p = 0,001 e p = 0,009) como sem válvula (p = 0,026 e p = 0,001), respectivamente. Também houve aumento da resistência expiratória entre os momentos A5 e C1 com p = 0,044. Conclusão: Os volumes pulmonares aumentaram na manobra com e sem válvula, havendo diferença significativa no primeiro minuto após a aspiração. Houve diferença significativa na resistência expiratória entre os momentos A5 (antes da manobra) e C1 (imediatamente após aspiração intratraqueal) no primeiro minuto após a aspiração dentro de cada manobra.<hr/>ABSTRACT Objective: To assess the effects of manual hyperinflation, performed with a manual resuscitator with and without the positive end-expiratory pressure valve, on the respiratory function of preterm newborns under mechanical ventilation. Methods: Cross-sectional study of hemodynamically stable preterm newborns with gestational age of less than 32 weeks, under mechanical ventilation and dependent on it at 28 days of life. Manual hyperinflation was applied randomly, alternating the use or not of the positive end-expiratory pressure valve, followed by tracheal aspiration for ending the maneuver. For nominal data, the two-tailed Wilcoxon test was applied at the 5% significance level and 80% power. Results: Twenty-eight preterm newborns, with an average birth weight of 1,005.71 ± 372.16g, an average gestational age of 28.90 ± 1.79 weeks, an average corrected age of 33.26 ± 1.78 weeks, and an average mechanical ventilation time of 29.5 (15 - 53) days, were studied. Increases in inspiratory and expiratory volumes occurred between time-points A5 (before the maneuver) and C1 (immediately after tracheal aspiration) in both the maneuver with the valve (p = 0.001 and p = 0.009) and without the valve (p = 0.026 and p = 0.001), respectively. There was also an increase in expiratory resistance between time-points A5 and C1 (p = 0.044). Conclusion: Lung volumes increased when performing the maneuver with and without the valve, with a significant difference in the first minute after aspiration. There was a significant difference in expiratory resistance between the time-points A5 (before the maneuver) and C1 (immediately after tracheal aspiration) in the first minute after aspiration within each maneuver. <![CDATA[Resposta para: Heliox no tratamento do mal asmático: relato de casos]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2016000300350&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt RESUMO Objetivo: Avaliar as repercussões da hiperinsuflação manual, realizada com ressuscitador manual com e sem válvula de pressão positiva expiratória final, sobre a função respiratória de recém-nascidos pré-termo em ventilação mecânica. Métodos: Estudo transversal com recém-nascidos pré-termo com idade gestacional inferior a 32 semanas, em ventilação mecânica e dependentes desta aos 28 dias de vida, estáveis hemodinamicamente. A hiperinsuflação manual foi aplicada de forma randomizada, alternando o uso ou não uso da válvula de pressão positiva expiratória final, seguida de aspiração intratraqueal finalizando a manobra. Para os dados nominais, foi aplicado o teste de Wilcoxon com hipótese bilateral ao nível de significância de 5% e poder de teste de 80%. Resultados: Foram estudados 28 recém-nascidos pré-termo com peso médio de nascimento 1.005,71 ± 372.16g, idade gestacional média 28,90 ± 1,79 semanas, idade corrigida média de 33,26 ± 1,78 semanas, tempo médio de ventilação mecânica de 29,5 (15 - 53) dias. Ocorreu aumento dos volumes inspiratório e expiratório entre os momentos A5 (antes da manobra) e C1 (imediatamente após aspiração intratraqueal) tanto na manobra com válvula (p = 0,001 e p = 0,009) como sem válvula (p = 0,026 e p = 0,001), respectivamente. Também houve aumento da resistência expiratória entre os momentos A5 e C1 com p = 0,044. Conclusão: Os volumes pulmonares aumentaram na manobra com e sem válvula, havendo diferença significativa no primeiro minuto após a aspiração. Houve diferença significativa na resistência expiratória entre os momentos A5 (antes da manobra) e C1 (imediatamente após aspiração intratraqueal) no primeiro minuto após a aspiração dentro de cada manobra.<hr/>ABSTRACT Objective: To assess the effects of manual hyperinflation, performed with a manual resuscitator with and without the positive end-expiratory pressure valve, on the respiratory function of preterm newborns under mechanical ventilation. Methods: Cross-sectional study of hemodynamically stable preterm newborns with gestational age of less than 32 weeks, under mechanical ventilation and dependent on it at 28 days of life. Manual hyperinflation was applied randomly, alternating the use or not of the positive end-expiratory pressure valve, followed by tracheal aspiration for ending the maneuver. For nominal data, the two-tailed Wilcoxon test was applied at the 5% significance level and 80% power. Results: Twenty-eight preterm newborns, with an average birth weight of 1,005.71 ± 372.16g, an average gestational age of 28.90 ± 1.79 weeks, an average corrected age of 33.26 ± 1.78 weeks, and an average mechanical ventilation time of 29.5 (15 - 53) days, were studied. Increases in inspiratory and expiratory volumes occurred between time-points A5 (before the maneuver) and C1 (immediately after tracheal aspiration) in both the maneuver with the valve (p = 0.001 and p = 0.009) and without the valve (p = 0.026 and p = 0.001), respectively. There was also an increase in expiratory resistance between time-points A5 and C1 (p = 0.044). Conclusion: Lung volumes increased when performing the maneuver with and without the valve, with a significant difference in the first minute after aspiration. There was a significant difference in expiratory resistance between the time-points A5 (before the maneuver) and C1 (immediately after tracheal aspiration) in the first minute after aspiration within each maneuver. <![CDATA[Para: Fatores na admissão à unidade de terapia intensiva associados à readmissão em pacientes onco-hematológicos graves: estudo retrospectivo de coorte]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2016000300352&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt RESUMO Objetivo: Avaliar as repercussões da hiperinsuflação manual, realizada com ressuscitador manual com e sem válvula de pressão positiva expiratória final, sobre a função respiratória de recém-nascidos pré-termo em ventilação mecânica. Métodos: Estudo transversal com recém-nascidos pré-termo com idade gestacional inferior a 32 semanas, em ventilação mecânica e dependentes desta aos 28 dias de vida, estáveis hemodinamicamente. A hiperinsuflação manual foi aplicada de forma randomizada, alternando o uso ou não uso da válvula de pressão positiva expiratória final, seguida de aspiração intratraqueal finalizando a manobra. Para os dados nominais, foi aplicado o teste de Wilcoxon com hipótese bilateral ao nível de significância de 5% e poder de teste de 80%. Resultados: Foram estudados 28 recém-nascidos pré-termo com peso médio de nascimento 1.005,71 ± 372.16g, idade gestacional média 28,90 ± 1,79 semanas, idade corrigida média de 33,26 ± 1,78 semanas, tempo médio de ventilação mecânica de 29,5 (15 - 53) dias. Ocorreu aumento dos volumes inspiratório e expiratório entre os momentos A5 (antes da manobra) e C1 (imediatamente após aspiração intratraqueal) tanto na manobra com válvula (p = 0,001 e p = 0,009) como sem válvula (p = 0,026 e p = 0,001), respectivamente. Também houve aumento da resistência expiratória entre os momentos A5 e C1 com p = 0,044. Conclusão: Os volumes pulmonares aumentaram na manobra com e sem válvula, havendo diferença significativa no primeiro minuto após a aspiração. Houve diferença significativa na resistência expiratória entre os momentos A5 (antes da manobra) e C1 (imediatamente após aspiração intratraqueal) no primeiro minuto após a aspiração dentro de cada manobra.<hr/>ABSTRACT Objective: To assess the effects of manual hyperinflation, performed with a manual resuscitator with and without the positive end-expiratory pressure valve, on the respiratory function of preterm newborns under mechanical ventilation. Methods: Cross-sectional study of hemodynamically stable preterm newborns with gestational age of less than 32 weeks, under mechanical ventilation and dependent on it at 28 days of life. Manual hyperinflation was applied randomly, alternating the use or not of the positive end-expiratory pressure valve, followed by tracheal aspiration for ending the maneuver. For nominal data, the two-tailed Wilcoxon test was applied at the 5% significance level and 80% power. Results: Twenty-eight preterm newborns, with an average birth weight of 1,005.71 ± 372.16g, an average gestational age of 28.90 ± 1.79 weeks, an average corrected age of 33.26 ± 1.78 weeks, and an average mechanical ventilation time of 29.5 (15 - 53) days, were studied. Increases in inspiratory and expiratory volumes occurred between time-points A5 (before the maneuver) and C1 (immediately after tracheal aspiration) in both the maneuver with the valve (p = 0.001 and p = 0.009) and without the valve (p = 0.026 and p = 0.001), respectively. There was also an increase in expiratory resistance between time-points A5 and C1 (p = 0.044). Conclusion: Lung volumes increased when performing the maneuver with and without the valve, with a significant difference in the first minute after aspiration. There was a significant difference in expiratory resistance between the time-points A5 (before the maneuver) and C1 (immediately after tracheal aspiration) in the first minute after aspiration within each maneuver. <![CDATA[Resposta para: Fatores na admissão à unidade de terapia intensiva associados à readmissão em pacientes onco-hematológicos graves: estudo retrospectivo de coorte]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2016000300354&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt RESUMO Objetivo: Avaliar as repercussões da hiperinsuflação manual, realizada com ressuscitador manual com e sem válvula de pressão positiva expiratória final, sobre a função respiratória de recém-nascidos pré-termo em ventilação mecânica. Métodos: Estudo transversal com recém-nascidos pré-termo com idade gestacional inferior a 32 semanas, em ventilação mecânica e dependentes desta aos 28 dias de vida, estáveis hemodinamicamente. A hiperinsuflação manual foi aplicada de forma randomizada, alternando o uso ou não uso da válvula de pressão positiva expiratória final, seguida de aspiração intratraqueal finalizando a manobra. Para os dados nominais, foi aplicado o teste de Wilcoxon com hipótese bilateral ao nível de significância de 5% e poder de teste de 80%. Resultados: Foram estudados 28 recém-nascidos pré-termo com peso médio de nascimento 1.005,71 ± 372.16g, idade gestacional média 28,90 ± 1,79 semanas, idade corrigida média de 33,26 ± 1,78 semanas, tempo médio de ventilação mecânica de 29,5 (15 - 53) dias. Ocorreu aumento dos volumes inspiratório e expiratório entre os momentos A5 (antes da manobra) e C1 (imediatamente após aspiração intratraqueal) tanto na manobra com válvula (p = 0,001 e p = 0,009) como sem válvula (p = 0,026 e p = 0,001), respectivamente. Também houve aumento da resistência expiratória entre os momentos A5 e C1 com p = 0,044. Conclusão: Os volumes pulmonares aumentaram na manobra com e sem válvula, havendo diferença significativa no primeiro minuto após a aspiração. Houve diferença significativa na resistência expiratória entre os momentos A5 (antes da manobra) e C1 (imediatamente após aspiração intratraqueal) no primeiro minuto após a aspiração dentro de cada manobra.<hr/>ABSTRACT Objective: To assess the effects of manual hyperinflation, performed with a manual resuscitator with and without the positive end-expiratory pressure valve, on the respiratory function of preterm newborns under mechanical ventilation. Methods: Cross-sectional study of hemodynamically stable preterm newborns with gestational age of less than 32 weeks, under mechanical ventilation and dependent on it at 28 days of life. Manual hyperinflation was applied randomly, alternating the use or not of the positive end-expiratory pressure valve, followed by tracheal aspiration for ending the maneuver. For nominal data, the two-tailed Wilcoxon test was applied at the 5% significance level and 80% power. Results: Twenty-eight preterm newborns, with an average birth weight of 1,005.71 ± 372.16g, an average gestational age of 28.90 ± 1.79 weeks, an average corrected age of 33.26 ± 1.78 weeks, and an average mechanical ventilation time of 29.5 (15 - 53) days, were studied. Increases in inspiratory and expiratory volumes occurred between time-points A5 (before the maneuver) and C1 (immediately after tracheal aspiration) in both the maneuver with the valve (p = 0.001 and p = 0.009) and without the valve (p = 0.026 and p = 0.001), respectively. There was also an increase in expiratory resistance between time-points A5 and C1 (p = 0.044). Conclusion: Lung volumes increased when performing the maneuver with and without the valve, with a significant difference in the first minute after aspiration. There was a significant difference in expiratory resistance between the time-points A5 (before the maneuver) and C1 (immediately after tracheal aspiration) in the first minute after aspiration within each maneuver. <![CDATA[Para: Tratamento atual de crianças com asma crítica e quase fatal]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2016000300356&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt RESUMO Objetivo: Avaliar as repercussões da hiperinsuflação manual, realizada com ressuscitador manual com e sem válvula de pressão positiva expiratória final, sobre a função respiratória de recém-nascidos pré-termo em ventilação mecânica. Métodos: Estudo transversal com recém-nascidos pré-termo com idade gestacional inferior a 32 semanas, em ventilação mecânica e dependentes desta aos 28 dias de vida, estáveis hemodinamicamente. A hiperinsuflação manual foi aplicada de forma randomizada, alternando o uso ou não uso da válvula de pressão positiva expiratória final, seguida de aspiração intratraqueal finalizando a manobra. Para os dados nominais, foi aplicado o teste de Wilcoxon com hipótese bilateral ao nível de significância de 5% e poder de teste de 80%. Resultados: Foram estudados 28 recém-nascidos pré-termo com peso médio de nascimento 1.005,71 ± 372.16g, idade gestacional média 28,90 ± 1,79 semanas, idade corrigida média de 33,26 ± 1,78 semanas, tempo médio de ventilação mecânica de 29,5 (15 - 53) dias. Ocorreu aumento dos volumes inspiratório e expiratório entre os momentos A5 (antes da manobra) e C1 (imediatamente após aspiração intratraqueal) tanto na manobra com válvula (p = 0,001 e p = 0,009) como sem válvula (p = 0,026 e p = 0,001), respectivamente. Também houve aumento da resistência expiratória entre os momentos A5 e C1 com p = 0,044. Conclusão: Os volumes pulmonares aumentaram na manobra com e sem válvula, havendo diferença significativa no primeiro minuto após a aspiração. Houve diferença significativa na resistência expiratória entre os momentos A5 (antes da manobra) e C1 (imediatamente após aspiração intratraqueal) no primeiro minuto após a aspiração dentro de cada manobra.<hr/>ABSTRACT Objective: To assess the effects of manual hyperinflation, performed with a manual resuscitator with and without the positive end-expiratory pressure valve, on the respiratory function of preterm newborns under mechanical ventilation. Methods: Cross-sectional study of hemodynamically stable preterm newborns with gestational age of less than 32 weeks, under mechanical ventilation and dependent on it at 28 days of life. Manual hyperinflation was applied randomly, alternating the use or not of the positive end-expiratory pressure valve, followed by tracheal aspiration for ending the maneuver. For nominal data, the two-tailed Wilcoxon test was applied at the 5% significance level and 80% power. Results: Twenty-eight preterm newborns, with an average birth weight of 1,005.71 ± 372.16g, an average gestational age of 28.90 ± 1.79 weeks, an average corrected age of 33.26 ± 1.78 weeks, and an average mechanical ventilation time of 29.5 (15 - 53) days, were studied. Increases in inspiratory and expiratory volumes occurred between time-points A5 (before the maneuver) and C1 (immediately after tracheal aspiration) in both the maneuver with the valve (p = 0.001 and p = 0.009) and without the valve (p = 0.026 and p = 0.001), respectively. There was also an increase in expiratory resistance between time-points A5 and C1 (p = 0.044). Conclusion: Lung volumes increased when performing the maneuver with and without the valve, with a significant difference in the first minute after aspiration. There was a significant difference in expiratory resistance between the time-points A5 (before the maneuver) and C1 (immediately after tracheal aspiration) in the first minute after aspiration within each maneuver. <![CDATA[Resposta para: Tratamento atual de crianças com asma crítica e quase fatal]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2016000300358&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt RESUMO Objetivo: Avaliar as repercussões da hiperinsuflação manual, realizada com ressuscitador manual com e sem válvula de pressão positiva expiratória final, sobre a função respiratória de recém-nascidos pré-termo em ventilação mecânica. Métodos: Estudo transversal com recém-nascidos pré-termo com idade gestacional inferior a 32 semanas, em ventilação mecânica e dependentes desta aos 28 dias de vida, estáveis hemodinamicamente. A hiperinsuflação manual foi aplicada de forma randomizada, alternando o uso ou não uso da válvula de pressão positiva expiratória final, seguida de aspiração intratraqueal finalizando a manobra. Para os dados nominais, foi aplicado o teste de Wilcoxon com hipótese bilateral ao nível de significância de 5% e poder de teste de 80%. Resultados: Foram estudados 28 recém-nascidos pré-termo com peso médio de nascimento 1.005,71 ± 372.16g, idade gestacional média 28,90 ± 1,79 semanas, idade corrigida média de 33,26 ± 1,78 semanas, tempo médio de ventilação mecânica de 29,5 (15 - 53) dias. Ocorreu aumento dos volumes inspiratório e expiratório entre os momentos A5 (antes da manobra) e C1 (imediatamente após aspiração intratraqueal) tanto na manobra com válvula (p = 0,001 e p = 0,009) como sem válvula (p = 0,026 e p = 0,001), respectivamente. Também houve aumento da resistência expiratória entre os momentos A5 e C1 com p = 0,044. Conclusão: Os volumes pulmonares aumentaram na manobra com e sem válvula, havendo diferença significativa no primeiro minuto após a aspiração. Houve diferença significativa na resistência expiratória entre os momentos A5 (antes da manobra) e C1 (imediatamente após aspiração intratraqueal) no primeiro minuto após a aspiração dentro de cada manobra.<hr/>ABSTRACT Objective: To assess the effects of manual hyperinflation, performed with a manual resuscitator with and without the positive end-expiratory pressure valve, on the respiratory function of preterm newborns under mechanical ventilation. Methods: Cross-sectional study of hemodynamically stable preterm newborns with gestational age of less than 32 weeks, under mechanical ventilation and dependent on it at 28 days of life. Manual hyperinflation was applied randomly, alternating the use or not of the positive end-expiratory pressure valve, followed by tracheal aspiration for ending the maneuver. For nominal data, the two-tailed Wilcoxon test was applied at the 5% significance level and 80% power. Results: Twenty-eight preterm newborns, with an average birth weight of 1,005.71 ± 372.16g, an average gestational age of 28.90 ± 1.79 weeks, an average corrected age of 33.26 ± 1.78 weeks, and an average mechanical ventilation time of 29.5 (15 - 53) days, were studied. Increases in inspiratory and expiratory volumes occurred between time-points A5 (before the maneuver) and C1 (immediately after tracheal aspiration) in both the maneuver with the valve (p = 0.001 and p = 0.009) and without the valve (p = 0.026 and p = 0.001), respectively. There was also an increase in expiratory resistance between time-points A5 and C1 (p = 0.044). Conclusion: Lung volumes increased when performing the maneuver with and without the valve, with a significant difference in the first minute after aspiration. There was a significant difference in expiratory resistance between the time-points A5 (before the maneuver) and C1 (immediately after tracheal aspiration) in the first minute after aspiration within each maneuver.