Scielo RSS <![CDATA[Revista Brasileira de Terapia Intensiva]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=0103-507X20120001&lang=es vol. 24 num. 1 lang. es <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[<b>Prevention of delirium in critically ill patients</b>: <b>a new beginning?</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2012000100001&lng=es&nrm=iso&tlng=es <![CDATA[<b>Immunoinflammatory prognostic markers of early-onset neonatal sepsis in critically ill preterm newborns</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2012000100002&lng=es&nrm=iso&tlng=es <![CDATA[<b>Physical therapy in critically ill adult patients</b>: <b>recommendations from the Brazilian Association of Intensive Care Medicine Department of Physical Therapy</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2012000100003&lng=es&nrm=iso&tlng=es A incidência de complicações decorrentes dos efeitos deletérios da imobilidade na unidade de terapia intensiva contribui para o declínio funcional, aumento dos custos assistenciais, redução da qualidade de vida e mortalidade pós-alta. A fisioterapia é uma ciência capaz de promover a recuperação e preservação da funcionalidade, podendo minimizar estas complicações. Para nortear as condutas fisioterapêuticas nas unidades de terapia intensiva, um grupo de especialistas reunidos pela Associação de Medicina Intensiva Brasileira (AMIB), desenvolveu recomendações mínimas aplicáveis à realidade brasileira. Prevenção e tratamento de atelectasias, condições respiratórias relacionadas à remoção de secreção e condições relacionadas a falta de condicionamento físico e declínio funcional foram as três áreas discutidas. Além destas recomendações específicas, outro aspecto importante foi a consideração de que a prescrição e execução de atividades, mobilizações e exercícios físicos são do domínio específico do fisioterapeuta e o seu diagnóstico deve preceder qualquer intervenção.<hr/>Complications from immobility in intensive care unit patients contribute to functional decline, increased healthcare costs, reduced quality of life and higher post-discharge mortality. Physical therapy focuses on promoting recovery and preserving function, and it may minimize the impact of these complications. A group of Brazilian Association of Intensive Care Medicine physical therapy experts developed this document that contains minimal physical therapy recommendations appropriate to the Brazilian real-world clinical situation. Prevention and treatment of atelectasis, procedures related to the removal of secretions and treatment of conditions related to physical deconditioning and functional decline are discussed. Equally important is the consideration that prescribing and executing activities, mobilizations and exercises are roles of the physical therapist, whose diagnosis should precede any intervention. <![CDATA[<b>The effects of mechanical ventilation on oxidative stress</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2012000100004&lng=es&nrm=iso&tlng=es OBJETIVO: A ventilação mecânica constitui um dos pilares terapêuticos da unidade de terapia intensiva, entretanto, deve-se avaliar os efeitos deletérios por ela ocasionados, logo objetivamos avaliar o estresse oxidativo de pacientes internados em unidade de terapia intensiva submetidos à ventilação mecânica invasiva. MÉTODOS: Estudo transversal onde foram incluídos 12 pacientes que estavam em ventilação mecânica invasiva. As coletas sanguíneas (3 mL) foram realizadas no primeiro e último dia em que o paciente estava submetido a ventilação mecânica invasiva e utilizou-se o plasma para avaliação das substâncias que reagem ao ácido tiobarbitúrico (TBARS) e os glóbulos vermelhos para dosagem de superóxido dismutase (SOD) e da catalase. RESULTADOS: Os pacientes apresentaram média de idade de 64,8±17,6 anos; volume corrente de 382±44,5 mL e APACHE II de 15±7. Quando comparado o TBARS inicial e ao final da ventilação houve diferença significativa (3,54±0,74 vs. 4,96±1,47; p=0,04). Em relação às enzimas antioxidantes não houve diferença. Observa-se correlação entre as variáveis PaO2/FiO2 e TBARS (r = 0,4); SOD e PaO2/FiO2 (r = 0,51) e SOD e APACHE II (r = 0,56). Quanto ao desfecho da internação, 6 pacientes foram a óbito. CONCLUSÃO: Pacientes submetidos à ventilação mecânica invasiva podem apresentar alteração do estado redox, marcado pelo aumento no TBARS e redução das enzimas antioxidantes.<hr/>OBJECTIVE: Mechanical ventilation is a mainstay of therapy in intensive care units; however, its deleterious effects need to be assessed. Therefore, we aimed to assess oxidative stress in patients admitted to an intensive care unit undergoing invasive mechanical ventilation. METHODS: This cross-sectional study included 12 invasive mechanical ventilation patients. Blood samples (3 mL) were collected on the first and last days on invasive mechanical ventilation. Thiobarbituric acid-reacting substances (TBARS) were assessed in plasma, and superoxide dismutase (SOD) and catalase (CAT) were assessed in erythrocytes. RESULTS: The mean age was 64.8 ± 17.6 years, the tidal volume (VT) 382 ± 44.5 mL, and the APACHE II score 15 ± 7. When initial and final TBARS were compared, a significant difference was identified (3.54 ± 0.74 vs. 4.96 ± 1.47, p = 0.04). Antioxidant enzymes showed no significant differences. Correlations between PaO2/FiO2 and TBARS (r = 0.4), SOD and PaO2/FiO2 (r = 0.51) and APACHE II and SOD (r = 0.56) were identified. Six patients died. CONCLUSION: Patients undergoing invasive mechanical ventilation can develop redox state changes, showing increased TBARS and reduced antioxidant enzymes. <![CDATA[<b>Inflammatory and oxidative cord blood parameters as predictors of neonatal sepsis severity</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2012000100005&lng=es&nrm=iso&tlng=es OBJETIVOS: Sepse neonatal corresponde a uma síndrome complexa, causada por resposta inflamatória sistêmica descontrolada, associada a um foco infeccioso que pode determinar disfunção ou falência de um ou mais órgãos ou mesmo a morte. Apresenta incidência elevada em neonatos prematuros, sendo importante correlacionarmos fatores prognósticos para otimizar nosso diagnóstico precoce e resposta a terapêutica nestes pacientes. Este estudo teve por objetivo determinar a relação entre marcadores inflamatórios e parâmetros oxidativos com fatores prognósticos em sepse neonatal precoce. MÉTODOS: Foi realizado um estudo observacional, prospectivo e foram coletados os dados de 120 pacientes, da maternidade de hospital universitário. Foram incluídos na pesquisa neonatos prematuros (< 37 semanas de gestação) com pelo menos um outro fator de risco para sepse neonatal. Foram determinados os níveis de interleucina (IL)-6, IL-10, substâncias reativas ao ácido tiobarbitúrico e de proteínas carboniladas em sangue do cordão umbilical e sua relação com gravidade de sepse. RESULTADOS: Os níveis das substâncias reativas ao ácido tiobarbitúrico e IL-6, mas não IL-10 e proteínas carboniladas, apresentaram correlação significativa com o escore de gravidade SNAPPE-II (r=0,385, p=0,017 e r=0,435 / p=0,02, respectivamente). Não houve relação dos marcadores com a mortalidade dos pacientes. CONCLUSÃO: Substâncias reativas ao ácido tiobarbitúrico e IL-6 têm uma correlação de média a moderada com o escore de gravidade SNAPPE-II, mas não com mortalidade.<hr/>OBJECTIVES: Neonatal sepsis is a complex syndrome involving an uncontrolled systemic inflammatory response associated with an infection. It may result in the dysfunction or failure of one or more organs or even death. Given its high incidence in premature neonates, the identification of prognostic factors to optimize the early diagnosis and therapeutic interventions are highly desirable. This objective study determine the relationship between inflammatory markers and oxidative parameters as prognostic factors in early neonatal sepsis. METHODS: We conducted a prospective observational study by collecting data from 120 patients in the maternity unit of a university hospital. Preterm (<37 weeks of pregnancy) infants with at least one additional risk factor for neonatal sepsis were included. The levels of interleukin (IL)-6, IL-10, thiobarbituric acid reactive species (TBARS) and protein carbonyls and their association with sepsis severity were determined in the cord blood. RESULTS: Levels of IL-6 and TBARS, but not IL-10 and protein carbonyls, demonstrated a mild to moderate correlation with the SNAPPE-II severity score (r=0.435, p=0.02 and r = 0.385, p = 0.017, respectively). No correlations were found between these markers and mortality. CONCLUSION: TBARS and IL-6 have a mild to moderate correlation with SNAPPE-II, but none of the studied markers were able to predict mortality in our sample. <![CDATA[<b>Thrombocitopenia in sepsis</b>: <b>an important prognosis factor</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2012000100006&lng=es&nrm=iso&tlng=es OBJETIVO: Demonstrar associação da trombocitopenia e do comportamento das plaquetas, com a mortalidade em pacientes sépticos. MÉTODOS: Foram selecionados os pacientes que apresentaram critérios de sepse na admissão ou em qualquer momento no curso da internação e excluídos os que ficaram menos de 24h internados. A trombocitopenia foi definida como contagem plaquetária abaixo de 150.000/mm³ e a recuperação, definida como retorno da contagem para níveis acima de 150.000/mm³ após trombocitopenia. Observaram-se variáveis de prognóstico na admissão (APACHE II), contagem plaquetária durante os dias de internação e desfecho. RESULTADOS: Dos 56 pacientes, 34 desenvolveram trombocitopenia no curso da sepse (Grupo 1). A mortalidade nesse grupo foi de 76,4%, e entre os não trombocitopênicos (Grupo 2) de 40,9%, (RR 1,87; IC 95% 1,12 - 3,12; p = 0,0163). Em 44,1% dos pacientes do Grupo 1, houve queda > 50% das plaquetas em relação à admissão, e desses, 93,3% evoluíram para óbito (RR 1,48; IC 95% 0,93 - 2,36; p = 0,0528). Entre os pacientes do Grupo 1 que apresentaram recuperação na contagem plaquetária, 53,3% sobreviveram, e dos que mantiveram trombocitopenia sem recuperação, 100% evoluíram para óbito (RR 2,14; IC 95% 1,35 - 3,39; p = 0,0003). Entre os pacientes com APACHE II > 22, os trombocitopênicos apresentaram mortalidade de 81,8% (p = 0,25) contra nenhuma morte entre os não trombocitopênicos, enquanto no grupo com APACHE II ≤ 22, a mortalidade dos trombocitopênicos foi de 74% (p = 0,0741) contra 42,8% dos não trombocitopênicos. CONCLUSÃO: A trombocitopenia, bem como seu comportamento evolutivo com queda >50% ou não recuperação, mostraram-se fatores de mau prognóstico no grupo de pacientes sépticos estudado.<hr/>OBJECTIVE: To demonstrate an association between thrombocytopenia and platelet behavior in predicting mortality in septic patients. METHODS: Patients with criteria for sepsis at admission or at any time during hospitalization were selected; patients hospitalized for less than 24 hours were excluded. Thrombocytopenia was defined as a platelet count lower than 150.000/mm³, and recovery was defined as returning to levels above 150.000/mm³ after showing thrombocytopenia. We assessed the admission prognosis variables (APACHE II), platelet counts during the hospitalization and outcomes. RESULTS: Of the 56 patients included, 34 developed thrombocytopenia during sepsis (Group 1) and had a 76.4% mortality rate. The mortality rate among patients not showing thrombocytopenia (Group 2) was 40.9% (RR 1.87; 95% CI 1.12 - 3.12; p = 0.0163). In 44.1% of Group 1 patients, the platelet counts drops by >50% compared with the admission counts; 93.3% of these patients eventually died (RR 1.48; 95% CI 0.93 - 2.36; p = 0.0528). Among the Group 1 patients showing recovered platelet counts, 53.3% survived; 100% of the patients with unrecovered thrombocytopenia died (RR 2.14; 95% CI 1.35 - 3.39; p = 0.0003). Among the patients with APACHE II scores > 22, the thrombocytopenic patients had an 81.8% mortality rate (p = 0.25), while no deaths occurred among the non-thrombocytopenic patients. For the patients with APACHE II scores ≤ 22, the mortality rate of the thrombocytopenic patients was 74% (p = 0.0741), versus 42.8% for the non-thrombocytopenic patients. CONCLUSION: For this sample of septic patients, thrombocytopenia and its progression, defined as a >50% drop or failure to recover platelet count, were shown to be markers of poor prognosis. <![CDATA[<b>Positive end-expiratory pressure increases strain in patients with ALI/ARDS</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2012000100007&lng=es&nrm=iso&tlng=es OBJETIVO: O objetivo deste estudo foi avaliar os efeitos da pressão expiratória final positiva no estiramento, recrutamento e recrutamento e desrecrutamento cíclico avaliados por tomografia computadorizada pulmonar em pacientes com lesão pulmonar aguda/síndrome do desconforto respiratório agudo. MÉTODOS: Trata-se de um estudo aberto, controlado, não randomizado, de intervenção, em pacientes com lesão pulmonar aguda/síndrome do desconforto respiratório agudo. Foram realizados cortes simples de tomografia computadorizada durante pausas inspiratórias e expiratórias com um volume corrente de 6 ml/kg e níveis de pressão expiratória final positiva de 5, 10, 15 e 20 cmH2O. Medimos as densidades do parênquima pulmonar em unidades Hounsfield e calculamos o recrutamento, recrutamento e desrecrutamento cíclico induzidos pela pressão expiratória final positiva, assim como o estiramento. RESULTADOS: O aumento dos níveis de pressão expiratória final positiva aumenta de forma consistente o recrutamento e o estiramento globais (p<0,01), o que se correlacionou de forma significante com a pressão de platô (r²=0,97; p<0,01). O aumento dos níveis de pressão expiratória final positiva aumentou sistematicamente a distensão alveolar em todo o eixo esternovertebral. CONCLUSÃO: A distensão alveolar é um efeito adverso da pressão expiratória final positiva que deve ser ponderado em qualquer paciente em relação ao seus potenciais benefícios no recrutamento. Em razão do número reduzido de pacientes, estes dados devem ser considerados como geradores de hipótese e não limitar a aplicação de valores elevados de pressão expiratória final positiva em pacientes com hipoxemia grave.<hr/>OBJECTIVE: The objective of this study was to assess the effects of positive end-expiratory pressure on recruitment, cyclic recruitment and derecruitment and strain in patients with acute lung injury and acute respiratory distress syndrome using lung computed tomography. METHODS: This is an open, controlled, non-randomized interventional study of ten patients with acute lung injury and acute respiratory distress syndrome. Using computed tomography, single, basal slices of the lung were obtained during inspiratory and expiratory pauses at a tidal volume of 6 ml/kg and a positive end-expiratory pressure of 5, 10, 15 and 20 cmH2O. The densities of the lung parenchyma were measured in Hounsfield units. The values for positive end-expiratory pressure-induced recruitment, cyclic recruitment and derecruitment and strain were then calculated. RESULTS: Increasing levels of positive end-expiratory pressure were correlated with increased recruitment and global strain (p < 0.01), which was significantly correlated with plateau pressure (r² = 0.97, p < 0.01). In addition, increasing levels of positive end-expiratory pressure systematically increased strain along the sternovertebral axis. CONCLUSION: While strain is an adverse effect of positive end-expiratory pressure, the decision use positive end-expiratory pressure with any patient should be balanced against the potential benefits of recruitment. Due to the small number of patients in this study, the present data should be treated as hypothesis generating and is not intended to limit the clinical application of a high level of positive end-expiratory pressure in patients with severe hypoxemia. <![CDATA[<b>The incidence of delirium in patients pretreated with statins who remain in an intensive care unit after cardiac surgery</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2012000100008&lng=es&nrm=iso&tlng=es OBJETIVO: Determinar a associação entre a administração pré-operatória de estatina e o delírium pós-operatório em uma corte prospectiva de pacientes submetidos à cirurgia cardíaca. MÉTODOS: Foram analisados pacientes adultos internados na unidade de terapia intensiva após cirurgia cardíaca entre janeiro e junho de 2011. A triagem para delirium foi realizada utilizando o Confusion Assessment Method para analisar delirium em uma unidade de terapia intensiva (CAM-ICU) e Delirium Screening Checklist para terapia intensiva (ICDSC) durante a internação na terapia intensiva RESULTADOS: Cento e sessenta e nove pacientes foram submetidos à cirurgia cardíaca eletiva, dos quais 40,2% estavam utilizando estatina no pré-operatório. Delirium foi identificado em 14,9% dos pacientes que não utilizavam estatina comparado com 11,8% dos que utilizavam (p=0,817) quando avaliados pelo CAM-ICU. Utilizando o ICDSC 18,8% dos pacientes que não usam estatina comparado com 10.3% dos que usam (p=0,191). CONCLUSÃO: Não há relação entre uso de estatinas com a ocorrência de delirium em pacientes submetidos a cirurgia cardíaca.<hr/>OBJECTIVE: To determine the association between the preoperative administration of statins and postoperative delirium in a prospective cohort of patients undergoing cardiac surgery. METHODS: All adult patients who were admitted to the intensive care unit following cardiac surgery between January and June 2011 were included. Delirium was screened during the postoperative period using the Confusion Assessment Method for Intensive Care Unit (CAM-ICU) and Intensive Care Delirium Screening Checklist (ICDSC). RESULTS: A total of 169 patients underwent elective cardiac surgery, and 40.2% of the patients were treated preoperatively with statins. Delirium was identified using the CAM-ICU in 14.9% of patients not taking preoperative statins in comparison with 11.8% of the patients taking statins (p = 0.817). Using the ICDSC, delirium was identified in 18.8% of patients not taking statins in comparison with 10.3% of the patients taking statins (p = 0.191). CONCLUSION: The use of preoperative statins is not correlated with postoperative delirium in patients undergoing cardiac surgery. <![CDATA[<b>Expiratory peak flow and respiratory system resistance in mechanically ventilated patients undergoing two different forms of manually assisted cough</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2012000100009&lng=es&nrm=iso&tlng=es OBJETIVO: A ventilação mecânica associa-se à retenção de secreções traqueobrônquicas. A tosse manualmente assistida contribui para o deslocamento do muco brônquico, enquanto a pressão positiva ao final da expiração incrementa a ventilação colateral e mantêm a patência da via aérea. O objetivo deste estudo foi analisar os efeitos da aplicação da tosse manualmente assistida isoladamente ou associada ao incremento da pressão expiratória final positiva e do tempo inspiratório (tosse manualmente assistida otimizada) sobre o pico de fluxo expiratório e a mecânica do sistema respiratório de pacientes em ventilação mecânica. MÉTODOS: Ensaio clínico controlado e randomizado, em que foram avaliados a mecânica respiratória e o pico de fluxo expiratório de pacientes de ambos os sexos submetidos à aspiração traqueal isolada, tosse manualmente assistida seguida de aspiração traqueal e tosse manualmente assistida otimizada seguida de aspiração traqueal. RESULTADOS: Trinta e cinco pacientes completaram o estudo. A resistência do SR (Rsr) reduziu significativamente após a realização da tosse manualmente assistida otimizada (16,0 ± 3,6 vs 12,4 ± 3,1 cmH2O/L/s; p = 0,04). O pico de fluxo expiratório durante a realização da tosse manualmente assistida otimizada foi significativamente maior que o observado durante a tosse manualmente assistida (112,3 ± 15,6 vs95,8 ± 18,3 Lpm; p < 0,05)e ambas foram significativamente maiores que aquele observado no grupo submetido à aspiração traqueal isoladamente (52,0 ± 7,6 Lpm; p < 0,001). CONCLUSÃO: A tosse manualmente assistida otimizada aumenta o pico de fluxo expiratório quando comparada à tosse manualmente assistida, promovendo redução da resistência do sistema respiratório.<hr/>OBJECTIVE: Mechanical ventilation is associated with retained airway secretions. Manually assisted cough contributes to the displacement of bronchial mucus, whereas positive end-expiratory pressure increases collateral ventilation and maintains airway patency. This study aimed to assess the effects of manually assisted cough, either alone or added to increased positive end-expiratory pressure and inspiratory time (optimized manually assisted cough), on the expiratory peak flow and respiratory system mechanics in mechanically ventilated patients. METHODS: In this controlled and randomized clinical trial, respiratory mechanics and expiratory peak flow were assessed in male and female patients undergoing either tracheal suctioning alone, manually assisted cough followed by tracheal suctioning or optimized manually assisted cough followed by tracheal suctioning. RESULTS: Thirty-five patients completed the trial. Respiratory system resistance was significantly reduced after optimized manually assisted cough (16.0 ± 3.6 versus 12.4 ± 3.1 cmH2O/L/s; p = 0.04). The expiratory peak flow during optimized manually assisted cough was significantly higher in comparison with the values observed during manually assisted cough (112.3 ± 15.6 versus 95.8 ± 18.3 Lpm; p < 0.05). Both values were significantly higher than the values observed in the group undergoing tracheal suctioning alone (52.0 ± 7.6 Lpm; p < 0.001). CONCLUSION: Optimized manually assisted cough increases the expiratory peak flow in comparison with manually assisted cough; in addition, this procedure reduces respiratory system resistance. <![CDATA[<b>The effects of orthostatism in adult intensive care unit patients</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2012000100010&lng=es&nrm=iso&tlng=es OBJETIVO: Analisar o nível de consciência, efeitos pulmonares e hemodinâmicos em pacientes intensivos durante a posição ortostática. MÉTODOS: Estudo realizado de abril de 2008 a julho de 2009 na unidade de terapia intensiva adulto do HC-UNICAMP. Foram incluídos quinze pacientes que estiveram mecanicamente ventilados por mais de sete dias; traqueostomizados; em nebulização intermitente; pressão inspiratória máxima inferior a -25cmH2O; índice de Tobin inferior a 105; drive ventilatório preservado, ausência de sedativos; pressão parcial de oxigênio arterial maior que 70mmHg; saturação de oxigênio maior que 90% e estabilidade hemodinâmica. Os parâmetros avaliados, nas inclinações de 0º, 30º e 50º, foram o nível de consciência; reflexo de blinking; cirtometria tóraco-abdominal; capacidade vital; volume corrente; volume minuto ; força da musculatura respiratória e sinais vitais. RESULTADOS: Não houve alteração do nível neurológico. A freqüência respiratória (f) e V E reduziram-se em 30º com posterior aumento em 50º, no entanto, essas alterações não foram estatisticamente significativas. A cirtometria abdominal e a pressão expiratória máxima apresentaram aumento, novamente sem significância estatística. Em relação à pressão inspiratória máxima e a capacidade vital observou-se aumento estatisticamente significante na comparação entre as angulações 50º e 0º. Já o volume corrente aumentou ao longo do tempo, na comparação entre as angulações 30º e 0º, e entre 50º e 0º. A pressão arterial média sofreu incremento somente na comparação entre 50º e 0º. A freqüência cardíaca elevou-se ao longo do tempo e quando comparada entre 30ºe 0º, 50º e 0º, e 50º e 30º. CONCLUSÃO: O ortostatismo passivo proporcionou melhora do volume corrente, capacidade vital , pressão inspiratória máxima, e aumento da frequência cardíaca e pressão arterial média em pacientes críticos.<hr/>OBJECTIVE: To assess the consciousness level, pulmonary and hemodynamic effects of orthostatic position in intensive care patients. METHODS: This study was conducted from April 2008 to July 2009 in the Adult Intensive Care Unit, Hospital das Clínicas, Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, Brazil. Fifteen patients were included who were mechanically ventilated for more than seven days and had the following characteristics: tracheotomized; receiving intermittent nebulization; maximal inspiratory pressure of less than -25 cm H2O; Tobin score less than 105; preserved respiratory drive; not sedated; partial arterial oxygen pressure greater than 70 mm Hg; oxygen saturation greater than 90%; and hemodynamically stable. With inclinations of 0º, 30º and 50º, the following parameters were recorded: consciousness level; blinking reflex; thoracoabdominal cirtometry; vital capacity; tidal volume; minute volume; respiratory muscle strength; and vital signs. RESULTS: No neurological level changes were observed. Respiratory rate and minute volume (V E) decreased at 30% and later increased at 50%; however, these changes were not statistically significant. Abdominal cirtometry and maximal expiratory pressure increased, but again, the changes were not statistically significant. Regarding maximal inspiratory pressure and vital capacity, statistically significant increases were seen in the comparison between the 50º and 0º inclinations. However, tidal volume increased with time in the comparisons between 30º and 0º and between 50º and 0º. Mean blood pressure increased only for the comparison of 50º versus 0º. Heart rate increased with time for the comparisons between 30º and 0º, between 50º and 0º and between 50º and 30º. CONCLUSION: Passive orthostatism resulted in improved tidal volume and vital capacity, maximal inspiratory pressure and increased heart rate and mean blood pressure in critically ill patients. <![CDATA[<b>Effects of passive mobilization on acute hemodynamic responses in mechanically ventilated patients</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2012000100011&lng=es&nrm=iso&tlng=es OBJETIVO: Avaliar as respostas hemodinâmicas agudas da mobilização passiva de pacientes sob ventilação mecânica. MÉTODOS: Estudo de investigação clínica do tipo transversal, quantitativa e observacional. Incluindo pacientes internados na unidade de terapia intensiva, sedados e sob ventilação mecânica. A infusão de drogas sedativas e analgésicas visava o grau de sedação de 4 a 6 de acordo com a escala de Ramsay. A mobilizaçao passiva consistiu em movimentos de flexo-extensão de quadril e joelho durante cinco minutos. Após 10 minutos de repouso, foram realizados mais cinco minutos de mobilização passiva com flexo-extensão de ombro. As mensurações hemodinâmicas (freqüência cardíaca, pressão arterial sistólica e diastólica e pressão arterial média) foram realizadas 1 minuto antes da realização do protocolo e no primeiro minuto após o término. O duplo produto e a medida do consumo ou captação de oxigênio pelo miocárdio foram obtidas por meio de fórmulas. RESULTADOS: Entre junho a dezembro de 2011 foram incluídos 13 pacientes (69,2% homens) com idade média de 69,1 ± 15,8 anos. A mobilização passiva de membros inferiores e de membros superiores provocou aumentos da frequência cardíaca, do duplo produto e do consumo ou captação de oxigênio pelo miocárdio com diferença estatisticamente significante. Entretanto a pressão arterial média não apresentou diferença significativa. CONCLUSÃO: Os resultados sugerem que a mobilização passiva de membros inferiores e superiores em pacientes sedados sob ventilação mecânica influencia de forma segura nos efeitos hemodinâmicos agudos, particularmente na frequência cardíaca, porém sem alterar significativamente a pressão arterial média.<hr/>OBJECTIVE: To assess the effects of passive mobilization on acute hemodynamic responses in mechanically ventilated patients. METHODS: This cross-sectional, quantitative, observational study enrolled patients who were admitted to the intensive care unit, sedated and mechanically ventilated. The infusion of sedative and analgesic drugs aimed to maintain a Ramsay scale sedation level of 4 to 6. Passive mobilization consisted of hip and knee flexion-extension movements for five minutes. After 10 minutes of rest, an additional five minutes of flexion-extension passive movements was performed for the shoulders. Hemodynamic assessments (heart rate and systolic, diastolic and mean blood pressure) were performed one minute before the mobilization protocol and one minute after each phase. The double product and myocardial oxygen consumption were calculated using appropriate formulas. RESULTS: A total of 13 patients (69.2% male, with a mean age of 69.1 ± 15.8 years) were admitted from June to December, 2011. Passive mobilization led to statistically significant increases in heart rate, double product and myocardial oxygen consumption. However, mean blood pressure was not significantly altered. CONCLUSIONS: Our results suggest that passive mobilization of mechanically ventilated and sedated patients is safe and provides beneficial effects on acute hemodynamic parameters, particularly heart rate, although mean blood pressure is not significantly altered <![CDATA[<b>Late-onset sepsis in preterm children in a neonatal intensive care unit</b>: <b>a three-year analysis</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2012000100012&lng=es&nrm=iso&tlng=es OBJETIVO: Avaliar a prevalência, os fatores e os agentes etiológicos associados à sepse neonatal tardia em pré-termos de uma unidade de terapia intensiva neonatal. MÉTODOS: Estudo transversal, de dados secundários de prontuários de pré-termos admitidos em uma unidade de terapia intensiva neonatal, no triênio 2008-2010. Caracterizou-se a variável desfecho sepse neonatal tardia pelos critérios da Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Empregaram-se os testes do Qui-quadrado de Pearson, exato de Fisher ou Qui-quadrado de tendência linear para as variáveis qualitativas. Considerou-se significante p<0,05. Realizaram-se análises bivariadas e multivariadas entre as variáveis independentes e a dependente, obtendo-se como medida de efeito as razões de prevalências, considerando-se p<0,20. RESULTADOS: Participaram do estudo 267 prematuros. Destes, 28,5% evoluíram com sepse tardia, com positividade de hemocultura em 17,1%. Evoluíram a óbito 8,2% dos pré-termos e, destes, 68,2% eram do grupo sepse. Associaram-se à hemocultura positiva três óbitos, todos com a participação de Gram-negativos. Na análise bivariada para o desfecho sepse tardia observou-se que, à medida que decresceram a idade gestacional e o peso ao nascer, houve aumento de sua prevalência. A duração de ventilação mecânica e de cateter central de inserção periférica por períodos iguais ou superiores respectivamente a 10 e 11 dias se associaram ao desfecho sepse neonatal tardia em 80,8% e 76,2% dos pré-termos. Na análise multivariada, permaneceu como fator associado à sepse tardia o tempo de cateter central de inserção periférica igual ou superior a 11 dias. Houve maior participação dos Gram-negativos como agentes etiológicos, sendo mais frequentes a Klebsiella pneumoniae e a Escherichia coli. CONCLUSÕES: A sepse tardia mantém-se uma preocupação por sua prevalência nas unidades de terapia intensiva e pela associação a procedimentos invasivos a que são submetidos os pré-termos. Ressaltam-se a tendência à emergência dos Gram-negativos na participação da sepse neonatal tardia e a necessidade de melhores e mais eficientes métodos para identificar os quadros de sepse comprovada.<hr/>OBJECTIVE: To evaluate the prevalence factors and etiologies associated with late neonatal sepsis in preterm neonates in a neonatal intensive care unit. METHODS: This was a cross-sectional study of secondary data pertaining to preterm neonates admitted to the neonatal intensive care unit between 2008 and 2010 and was gathered from medical charts. The outcome variable, late neonatal sepsis, was characterized using the Brazilian national health surveillance agency criteria. Pearson's Chi-squared test, Fisher's exact test and the linear trend Chi-squared test were used to assess the qualitative variables for linear trends. The statistical significance level was set at p < 0.05. Bivariate and multivariate analyses of the independent and dependent variables were conducted to obtain a measure of the effect and prevalence ratios, considering a p-value of less than 0.20 to indicate statistical significance. RESULTS: This study included 267 preterm neonates. Of the participants, 28.5% were characterized as having late-onset sepsis. Positive blood cultures were recorded for 17.1% of the neonates. Death occurred in 8.2% of the total cases, and of these deaths, 68.2% occurred within the sepsis group. Three deaths were associated with positive blood cultures, all of which grew Gram-negative bacteria. The bivariate analysis demonstrated that as the gestational age and birth weight decreased, the prevalence of late-onset sepsis trended upward. Ten or more days on mechanical ventilation was associated with late-onset neonatal sepsis in 80.8% of cases. Peripherally inserted central catheters left in place for 11 or more days were associated with late-onset neonatal sepsis in 76.2% of cases. The multivariate analysis demonstrated that a peripherally inserted catheter left in place for less than 11 days was associated with late-onset neonatal sepsis. Gram-negative bacteria, including Klebsiella pneumoniae and Escherichia coli, were the most frequent causative agents. CONCLUSIONS: Late sepsis remains a concern because of its prevalence in intensive care units and because it increases the number of invasive procedures that preterm children usually undergo in these units. The authors emphasize the expanding role of Gram-negative bacteria in late-onset neonatal sepsis and the need for more efficient methods to identify confirmed sepsis. <![CDATA[<b>Use of intravenous magnesium sulfate for the treatment of severe acute asthma in children in emergency department</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2012000100013&lng=es&nrm=iso&tlng=es A asma aguda grave é uma emergência médica que deve ser diagnosticada e tratada rapidamente. O tratamento inicial inclui broncodilatadores e corticosteróides sistêmicos. Em casos graves, com fraca resposta ao tratamento padrão, o sulfato de magnésio venoso surge como opção terapêutica. O objetivo deste artigo foi revisar a literatura sobre o uso do sulfato de magnésio venoso na asma aguda em crianças no pronto-socorro no que se refere a eficácia, indicação, dosagem, efeitos adversos e contraindicações. Realizada revisão narrativa por meio das Bases de dados Medline, Lilacs e Cochrane Database of Systmatic Reviews, entre 2000 e 2010. Utilizados os descritores: asthma, children, emergency, magnesium sulfate. Incluídos oito ensaios clínicos controlados, três meta-análises, um estudo retrospectivo, oito artigos de revisão e um estudo transversal. A eficácia do magnésio venoso em crianças foi observada por vários autores, com raros efeitos adversos. Seu uso foi indicado para os pacientes com asma aguda moderada e grave que não responderam ao tratamento inicial com broncodilatador e corticosteróide. As contraindicações em pediatria são poucas. Entre elas estão insuficiência renal e bloqueio atrioventricular. Existem poucos relatos da interação do magnésio com drogas de uso pediátrico. Apesar da segurança, na prática, o magnésio venoso é pouco usado na asma aguda em pediatria. Na maioria das vezes, é indicado tardiamente para impedir falência respiratória e internação na unidade de cuidados intensivos. Os estudos demonstram que o magnésio venoso é uma droga eficaz e segura na criança com asma aguda grave, porém o seu uso no pronto-socorro ainda é limitado.<hr/>Severe acute asthma is a medical emergency that must be quickly diagnosed and treated. Initial treatment includes a bronchodilator agent and systemic corticosteroids. In severe cases with poor response to the standard treatment, intravenous magnesium sulfate is a therapeutic option. This article aimed a literature review on the use of intravenous magnesium sulfate in the emergency room treatment of children with acute asthma. The treatment parameters of effectiveness, indication, dosage, adverse effects and contraindications were assessed. A narrative review of the literature based on a search of the Medline and Lilacs databases and the Cochrane Database of Systematic Reviews for articles published between 2000 and 2010 was conducted. The keywords used included the following: asthma, children, emergency and magnesium sulfate. Eight controlled clinical trials, three meta-analyses, one retrospective study, eight review articles and one cross-sectional study were included. A total of 21 articles were analyzed. Several authors reported that intravenous magnesium was effective in the treatment of acute asthma in children. Adverse effects were rare. The use of intravenous magnesium sulfate was indicated for patients with moderate to severe acute asthma not responding to initial treatment with a bronchodilator agent and systemic corticosteroids. Few contraindications were reported but included kidney failure and atrioventricular block. Reports of adverse drug interactions with magnesium were rare. Although reported as safe, intravenous magnesium is infrequently used in children with acute asthma. Most often it is used in severe, progressed cases to prevent respiratory failure and/or admission to the intensive care unit. Intravenous magnesium was concluded to be effective and safe in children with severe acute asthma, although its use in the emergency room is still limited. <![CDATA[<b>Neurogenic pulmonary edema</b>: <b>a current literature review</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2012000100014&lng=es&nrm=iso&tlng=es O edema pulmonar neurogênico ainda é um fenômeno pouco compreendido no contexto da assistência ao paciente neurológico grave. Trata-se de uma situação clínica relativamente rara. Situações de importante dano cerebral como hemorragia subaracnóidea, traumatismos encefálicos severos, hemorragias cerebrais intra-parenquimatosas, crises convulsivas ou outras condições específicas fazem o perfil do paciente com risco de desenvolver edema pulmonar neurogênico. A falta de reconhecimento desta condição e o seu inadequado manuseio podem levar à piora do sofrimento cerebral por adicional lesão cerebral secundária em decorrência de hipoxemia e de redução da pressão de perfusão cerebral com aumento da morbidade e da letalidade. O objetivo desta revisão foi o de levantar aspectos atuais da fisiopatologia do edema pulmonar neurogênico, sua importância clínica e terapêutica. Embora de ocorrência relativamente rara, o edema pulmonar neurogênico deve ser prontamente reconhecido e tratado para que se evite dano cerebral secundário adicional. Apesar de ainda não totalmente elucidado, o conhecimento da base da fisiopatologia tem importância na estratégia do seu manuseio. Deve-se ter em mente a identificação de diagnósticos diferenciais como pneumonia aspirativa, embolia pulmonar, contusão pulmonar, congestão por sobrecarga de volume dentre outras situações. De forma semelhante, devem ser consideradas situações correlatas como a síndrome do miocárdio atordoado ("stunned myocardium") que podem estar presentes ou associadas ao edema pulmonar neurogênico.<hr/>Neurogenic pulmonary edema in the setting of critically ill neurologic patients is a condition that is not fully understood, and it is a relatively rare condition. Severe brain damage, such as cerebral and subarachnoid hemorrhage, head injuries and seizures, represents a risk factor for developing neurogenic pulmonary edema. Misdiagnosis and inappropriate management may worsen cerebral damage because of secondary brain injury from hypoxemia or reduced cerebral perfusion pressure. These factors may increase morbidity and mortality. This study aimed to review the current concepts on pathophysiologic mechanisms involved in the development of neurogenic pulmonary edema and discuss the associated clinical and therapeutic aspects. <![CDATA[<b>Nutrition therapy in severe head trauma patients</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2012000100015&lng=es&nrm=iso&tlng=es O objetivo do presente artigo é revisar a literatura e organizar os principais achados, gerando recomendações baseadas nas melhores evidências encontradas relativas à terapia nutricional nos casos de traumatismo cranioencefálico. O traumatismo cranioencefálico permanece uma patologia altamente letal, apesar dos avanços em seu diagnóstico e tratamento. Poucas intervenções terapêuticas tem se mostrado eficazes em melhorar este quadro. Há múltiplas alterações metabólicas e hidroeletrolíticas decorrentes do traumatismo cranioencefálico, caracterizadas por um estado hipermetabólico associado a um intense catabolismo, que levam a necessidades nutricionais específicas. Na literatura atual não há diretrizes específicas para terapia nutricional em pacientes vítimas de traumatismo cranioencefálico grave, mas há muitos dados interessantes e questões que estão sendo melhores estudadas, possibilitando um melhor direcionamento da terapia nutricional neste cenário. Além de avaliação e acompanhamento por uma equipe multiprofissional qualificada e treinada para estas questões, a introdução precoce do suporte nutricional, a utilização preferencial da via enteral com a infusão adequada de calorias, o uso de formulações adequadas e nutricionalmente equilibradas para cada caso específico, associadas a utilização de imunonutrientes específicos, melhor controle hidroeletrolítico e metabólico, além de melhor entendimento fisiopatológico e das consequências das próprias terapêuticas instituídas, parece modificar os desfechos destes casos.<hr/>This article reviews the literature, organizes the major findings, and generates the best evidence-based recommendations on nutrition therapy for head trauma patients. Despite recent advances in head trauma diagnosis and therapy, the mortality associated with this condition remains high. Few therapeutic interventions have been proven to effectively improve this condition. Head trauma causes multiple metabolic and electrolytic disorders; it is characterized by a hypermetabolic state that is associated with intensive catabolism, leading to specific nutritional needs. The current literature lacks specific guidelines for nutrition therapy in severe head trauma patients, although a substantial amount of data has been reported and relevant issues are currently being studied; these data may allow better nutrition therapy guidelines for these patients. In addition to a well-trained multi-disciplinary team, the following recommendations appear to improve outcomes: introducing nutrition therapy early; preferred enteral administration; appropriate energy intake; formulations that are tailored to specific patients, including appropriate nutrients; and strict electrolytic and metabolic monitoring. Understanding the pathophysiology and the consequences of therapy is fundamental. <![CDATA[<b>Multidisciplinary care in the intensive care unit for a patient with Prader-Willi syndrome</b>: <b>a dental approach</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2012000100016&lng=es&nrm=iso&tlng=es A síndrome de Prader-Willi (SPW) é uma doença neurocomportamental genética que afeta o desenvolvimento da criança, resultando em obesidade, estatura reduzida, hipotonia, distúrbios endócrinos e déficit cognitivo que podem comprometer a integridade da cavidade oral. O presente estudo tem como finalidade apresentar um caso de paciente branco, masculino, 15 anos de idade portador da referida síndrome cujo exame clínico intra-oral evidenciou presença de placa bacteriana, gengivite, má-oclusão, salivação viscosa e múltiplas lesões ulceradas em lábio, mucosa jugal, gengiva inserida, dorso e ventre lingual e lesões papulares ulceradas em borda lateral da língua. Após realização de biópsia excisional, foi constatada a presença de lesão herpética em cavidade oral e lesões cutâneas típicas do herpes que foram associadas a possível causa de encefalite herpética. Assim, observou-se que grande parcela dos efeitos deletérios da SPW podem ser amenizados com o diagnóstico correto e intervenções terapêuticas e educacionais precoces, sendo importante a atuação de uma equipe multiprofissional integrada e o desenvolvimento de protocolos assistenciais para melhor manejo dos pacientes portadores da síndrome de Prader-Willi.<hr/>Prader-Willi syndrome is a genetic neurobehavioral disease affecting children's development and resulting in obesity, reduced height, hypotonia, endocrine disorders and cognitive deficits, which may impair oral integrity. This study aims to report on a case involving a white male 15-year-old patient with Prader-Willi syndrome whose oral examination revealed bacterial plaque, gingivitis, poor occlusion, viscous salivation and multiple lip, jugal mucosa, inserted gum and tongue ulcerations. An excision biopsy revealed oral ulcerations typical of herpes, which were considered to be likely to correlate with herpes encephalitis. This result demonstrates that a large portion of the deleterious effects of Prader-Willi syndrome can be attenuated by appropriate diagnosis and early therapeutic intervention, highlighting the role of an integrated multidisciplinary team in the development of therapeutic protocols for Prader-Willi syndrome patients.