Scielo RSS <![CDATA[Educar em Revista]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=0104-406020140005&lang=en vol. num. SPE-1 lang. en <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[<b>Editorial</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40602014000500001&lng=en&nrm=iso&tlng=en <![CDATA[<b>Apresentação</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40602014000500002&lng=en&nrm=iso&tlng=en <![CDATA[<b>Deconstructing the nuclear family in Norwegian textbooks</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40602014000500003&lng=en&nrm=iso&tlng=en In this article the author presents how Norwegian textbooks in the 1990s and later make the nuclear family the norm of living together. The textbooks are for the secondary school in the curricula subjects of natural Science and environmental studies, social studies and home economics. The nuclear family in the chosen textbooks consists of the biological two-sex model and the cultural and social two-gender model. Some texts show the eagerness to present more than the heterosexual family life, and opens up to homosexuality both as sexual and social behavior. Single living is given little space in the textbook<hr/>Neste artigo a autora demonstra como os livros didáticos noruegueses, nos anos de 1990 e posteriores, fazem da família nuclear a norma de vida em comum. Os livros didáticos são dirigidos para o ensino médio, nos conteúdos curriculares de Ciências Naturais e Estudos Ambientais, Estudos Sociais e Economia Doméstica. A família nuclear, nesses livros didáticos, consiste no modelo biológico dos dois sexos e no modelo cultural e social de dois gêneros. Alguns textos demonstram uma vontade de apresentar algo além da vida familiar heterossexual, mostrando a homossexualidade como modelo sexual e social. Ao modelo monoparental é dado pouco espaço nos livros didáticos. <![CDATA[<b>Neoliberal governmentality and the challenge of a LGBT post-identitarian ethics/aesthetics in education</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40602014000500004&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este trabalho combina duas pesquisas teóricas e pretende estudar a relação que vem se estabelecendo, na atualidade, entre a ideia de diversidade sexual (e seus desdobramentos no campo da política, dos movimentos sociais e da educação) e os dispositivos anátomo-bio-políticos que configuram os atuais mecanismos de governamentalidade, os quais visam capturar as diferenças sexuais, alçando-as ao campo da normalização e da heteronormatividade. A partir desse pressuposto, o texto organiza-se em dois momentos: o primeiro deles visa mostrar como os sujeitos LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros) vêm sendo produzidos tomando-se como referência a "viabilidade-moral-econômica" de seus corpos e de suas práticas sexuais e afetivo-amorosas. Com esse argumento pretendemos pensar como, na contemporaneidade, as formas de governamento dos sujeitos da diversidade sexual têm se dado a partir de uma relação de parceria entre os movimentos sociais e o Estado. No segundo momento, valemo-nos da noção de ética/estética da existência em Foucault, para mostrar as tensões presentes nesse empreendimento biopolítico que promove uma espécie de captura da diferença sexual, deixando, assim, pouco espaço para a constituição de outros modos de vida. Nosso objetivo é o de promover deslocamentos em relação à lógica identitária, a partir do questionamento da teorização político-educacional LGBT. Trata-se de desvincular tal produção teórica do modelo identitário que sustenta a atual noção de diversidade sexual, em favor de um pensamento que nos permita vislumbrar outros modos de vida homossexuais.<hr/>This paper is the outcome of the combination of two theoretical researches and it intends to analyze the relationship that has been recently established between the idea of sexual diversity (and its consequences in the political field, in social movements and in education) and the anatomo-bio-political apparatuses which configure the current governmental mechanisms that aim at the capture of sexual differences, placing them in the field of normality and heteronormativity. Once this theoretical assumption is taken, the text is organized and developed into two moments: the first one intends to show how the production of LGBT (lesbian, gay, bisexual, and transgender) subjects has been contemporarily activated thru the pattern of the "moral-economic-viability" of their bodies, sexual, loving and affective practices. By means of this reasoning, we try to think how contemporary forms of governing the subjects of sexual diversity have been developed in the course of a certain partnership between social movements and the Brazilian State. In the second moment, we employ some Foucauldian notions such as ethics/aesthetics of existence in order to highlight the tensions that pervade the biopolitical mechanisms which promote the capture of sexual difference, leaving almost no space for the constitution of another ways of living. The paper intends to produce some theoretical displacements in the prevailing identity logics, developing a critical questioning of LGBT educational and political theorizations. In other words, we aim at breaking the bounds that bind together the identity model and actual policies of sexual diversity, in order to think about other homosexual ways of living. <![CDATA[<b>Transforming corporealities: beyond the pedagogical normality</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40602014000500005&lng=en&nrm=iso&tlng=en En este escrito reflexionaremos acerca de interpelaciones que corporalidades dislocadas de la ostensiva heteronormatividad realizan a las instituciones educativas, abriendo posibilidades para estirar y desbordar los límites epistemológicos y habilitar acciones pedagógicas y políticas en su interior. Las especulaciones que propondremos están situadas en perspectivas político epistemológicas feministas, queer y decoloniales, engarzadas con y entre nuestras prácticas en el activismo feminista y en nuestro trabajo en el campo de la formación docente en instituciones educativas públicas. El texto consta de tres partes. En la primera, configurada como una breve genealogía, nos detendremos en aportes del feminismo radical, en tanto abrevamos de ellos para politizar nuestra mirada del mundo y sus relaciones. Lo hacemos sin rehuir algunas menciones críticas que mereció esta perspectiva feminista. En la segunda, traeremos líneas de pensamiento construidas a partir de un proyecto de extensión: Por una educación pública antidiscriminatoria, no androcéntrica, no sexista, no heterosexista; de un trabajo de investigación: Aproximaciones al estudio del movimiento sexo-genérico en Argentina; y de intervenciones institucionales desarrolladas en la Universidad Nacional del Comahue y en el Instituto de Formación Docente n.º 12 de Neuquén. En la tercera, proyectamos algunos interrogantes en la búsqueda constante por dinamitar las ficcionales fronteras de la heteronormatividad en las aulas, para una pedagogía otra, para una pedagogía transgresora al decir de Deborah Britzman.<hr/>Neste texto realizaremos reflexões sobre as interpelações que as corporalidades deslocadas da ostensiva heteronormatividade realizam sobre as instituições educacionais, criando possibilidades para distender e transbordar os limites epistemológicos, além de possibilitar ações pedagógicas e políticas em seu interior. As especulações que propomos neste texto estão situadas nas perspectivas político-epistemológicas feministas, queer e anticoloniais, entrelaçadas com/entre nossas práticas no ativismo feminista e em nosso trabalho no campo da formação docente em instituições educacionais públicas. O texto é composto por três partes. Na primeira, configurada como uma breve genealogia, iremos nos deter nas questões do feminismo radical, abreviando a exposição para politizar nosso olhar sobre o mundo e suas relações, o que fazemos sem deixar de mencionar algumas críticas a esta perspectiva feminista. Na segunda, traremos reflexões construídas a partir de um projeto de extensão intitulado Por una educación pública antidiscriminatoria, no androcéntrica, no sexista, no heterosexista; além de uma pesquisa intitulada Aproximaciones al estudio del movimiento sexo-genérico en Argentina e intervenções institucionais desenvolvidas na Universidad Nacional del Comahue e no Instituto de Formación Docente n.º 12 de Neuquén. Na terceira parte, interrogamos sobre uma busca constante por dinamitar as fronteiras fictícias da heteronormatividade nos cursos de formação, para pensarmos uma pedagogia outra ou uma pedagogia transgressora, segundo Deborah Britzman.<hr/>In this paper we will reflect upon the interpellations which dislocated corporealities from ostensive heteronormativity perform in relation to educational institutions, opening possibilities to stretch and overflow epistemological limits and to enable pedagogical and political actions inside them. These speculations are grounded on queer and postcolonial epistemological political feminist perspectives, linked with and amongst our practices in feminist activism, in addition to our work in the field of teacher training in institutions of public education. This paper consists of three parts. In the first one, configured as a brief genealogy, we focus on the contributions of radical feminism, since we are nourished by them in order to politicize our gaze of the world and of their relationships. In this section, we do not avoid mentioning some critical remarks that this feminist perspective deserves. In the second part, we bring up some lines of thought formulated in an extension project entitled Concerning anti-discriminatory, non-androcentric, non-sexist, non-heterosexist public education. This extension project is itself part of the research project Approaches to the study of sex-gender movements in Argentina and of some institutional interventions developed at the National University of Comahue and the Institute of Teacher Education n. 12 of Neuquén. Finally, in the last and third section we propose some critical questions oriented by our steady intention of exploding the fictional boundaries of heteronormativity in classrooms towards "another" pedagogy, that is, a transgressive pedagogy, like Deborah Britzman says. <![CDATA[<b>Gender, French style: how does the Republican School talks about gender?</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40602014000500006&lng=en&nrm=iso&tlng=en En septembre 2011, le gouvernement français a instauré l'apprentissage du « genre » dans les manuels de sciences et vie de la terre en première L (littéraire) et ES (économique et sociale). Un an avant les débats autour de l'ouverture du mariage aux couples de même sexe, la France se divise sur le double sujet polémique de l'école et du genre. Cet article retracera cet épisode annonciateur des grandes manifestations homophobes que la France a connu en 2012-2013. Il portera son attention sur les programmes en tant que tel, mais aussi sur leur efficacité et sur ce qu'ils laissent entrevoir de la manière dont la France réagit aux questions de genre et de sexualité.<hr/>Em setembro de 2011 o governo francês instaurou a aprendizagem do "gênero" nos manuais de ciências da vida e da terra nas séries L (littéraire) e ES (économique et sociale). Um ano antes, nos debates em torno da abertura do casamento aos casais do mesmo sexo, a França se dividiu sobre o duplo tema polêmico, da escola e do gênero. Este artigo retraçará esse episódio anunciador das grandes manifestações homofóbicas que a França conheceu, em 2012-2013. O artigo dirigirá sua atenção sobre os programas, mas também sobre sua eficácia e sobre aquilo que se deixa entrever sobre a maneira que a França responde às questões de gênero e sexualidade.<hr/>In September, 2011, the French government instituted the learning of 'gender' in the sciences and earth life manuals in the L (literary) and ES (economic and social) series. One year before, regarding the debates concerning same sex marriage, France was divided in the double polemical subject of gender and school. The present text retraces that episode which has announced the huge homophobic manifestations that France has known in 2012-2013. It focuses attention on the programs, but also on its efficacy and on what they let us understand about the way France has reacted against gender and sexual questions. <![CDATA[<b>Youths, social moratorium and gender: identity fluctuation and/in narrated stories</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40602014000500007&lng=en&nrm=iso&tlng=en O artigo desdobra-se de uma pesquisa inscrita nos campos dos estudos de gênero e culturais em articulação com o pós-estruturalismo foucaultiano, que focalizou a relação entre juventudes e processos de escolarização. O trabalho de campo incluiu entrevistas narrativas realizadas com 19 jovens, observações do espaço escolar e discussões em grupo com estudantes da Educação de Jovens e Adultos (EJA) de uma escola estadual da periferia de Porto Alegre/RS. Aqui, apresentamos uma análise cultural das narrativas juvenis, na qual problematizamos o conceito de moratória social para discutir relações entre juventude, moratória social e gênero. Nessa análise, o processo de escolarização emergiu como um forte componente da moratória e como o lugar onde se ancoram as experiências que importam, na perspectiva dos/as próprios/as jovens, quando se trata da constituição de seu futuro, de seu vir a ser. Evidenciou-se, também, que a juventude se oferece de modo diferente a jovens homens e mulheres e que elas e eles vivem a moratória em tempos e de modos distintos, principalmente quando ao gênero se articula a dimensão de classe.<hr/>The article unfolds from a research enrolled in the fields of gender and cultural studies in conjunction with Foucauldian post-structuralism, which focused the relation between youths and schooling processes. The fieldwork included narrative interviews conducted with 19 youngsters, observations of the school space and group discussions with students of Youth and Adult Education (Educação de Jovens e Adultos - EJA) from a State School located in the outskirts of Porto Alegre/RS. We present here a cultural analysis of juvenile narratives, in which we problematize the concept of social moratorium in order to discuss relations between youth, social moratorium and gender. In this analysis, the schooling process emerged as a strong component of the moratorium and as the place where experiences that matter from the perspective of youngsters are anchored, concerning their future and their becoming. It was also evident that youth offers itself differently to young men and women and that they live the moratorium in diverse times and ways, especially when the dimension of class is articulated to gender. <![CDATA[<b>Homosexual experience in the school context</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40602014000500008&lng=en&nrm=iso&tlng=en Neste artigo, partimos da utilização da carta de uma estudante adolescente à sua professora de Ciências, atribuindo a essa relação e à Escola sentidos atravessados por saber/poder. Uma carta que nos convida a olhar como vamos nos constituindo como sujeitos de desejo e como vamos acionando saberes para sermos capazes de produzir saberes sobre nós mesmos, tomando-nos como objeto de investigação. Dessa maneira, a questão que se coloca como foco deste artigo é, então, o que faz dos sujeitos, sujeitos de uma sexualidade específica, o que faz dos sujeitos, homossexuais. Trata-se de uma questão atual, que parte da atualidade para questionar a ideia de experiência homossexual como o encontro tenso entre os jogos de verdade, poder e subjetividades. Eis a tensão que nos faz reconhecer-nos como sujeitos sexuais.<hr/>In this article, we start discussing a letter from a teenage student to her Science teacher, attributing to this relation and to the school meanings pervaded by knowledge/power. This letter invites us to think how we are constructed as subjects of desire and how we activate knowledge in order to produce the knowledge about ourselves, taking ourselves as an object of investigation. In this way, the focal question of this article is what makes subjects, subjects of a specific sexuality, what makes a homosexual subject. This is a contemporary question, one that starts at the present in order to question the idea of the homosexual experience as a tense encounter between truth, power and subjectivities, a tension that makes us recognize ourselves as sexual subjects. <![CDATA[<b>"Kraal your sheep 'cause my ram is loose!" Intersecting gender, sexuality and place in regional subjectification</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40602014000500009&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este artigo analisa aspectos da produção discursiva da heteronormatividade a partir da intersecção regional. Assumimos, com base em perspectivas pós-críticas, a problematização discursivo-desconstrucionista sobre as experimentações (prescritivas ou contestatórias) da sexualidade e as formas de regulação, normalização ou contestação do gênero. Ocupamo-nos em compreender como o corpo se dispõe como materialidade discursiva das práticas e dos modos de regulação heteronormativos, considerando também esse processo desde os assombros da heterossexualidade compulsória. O trabalho está organizado a partir de recortes de uma pesquisa sobre as práticas pedagógicas na Educação Física escolar, cujo campo e interlocuções se produziram no Vale do Jiquiriçá/BA, região do interior baiano. Os achados deste estudo indicam a imbricada relação entre corpo, gênero e sexualidade na experiência de modos de vida regionais, de maneira que sustentamos a relevância de particularizarmos a vida do lugar como elemento fundamental nas problematizações desses três temas.<hr/>This paper analyses aspects of the discursive production of heteronormativity at a regional intersection. Inspired by post-critical perspectives, we assume discursive-deconstructionist problematizations about prescriptive or contesting sexual experimentations and forms of regulation, of normalization or of gender contestation. We try to understand how the body constitutes itself as a discursive materiality of practices and of heteronormative regulation manners, also considering this process on compulsory heterosexuality haunts. This work is part of a research project concerning pedagogical practices in Physical Education at school and its field investigation and interlocutions were produced at Vale do Jiquiriçá/BA, in the countryside of Bahia State, Brazil. The discoveries of this study show an imbricate relation between body, gender and sexuality in regional ways of life experience, and so we sustain the relevance of particularizing the life style of the place as a fundamental element in the problematization about those three issues. <![CDATA[<b>Sexuality and identity in the school system: notes from an activity in a distance learning course</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40602014000500010&lng=en&nrm=iso&tlng=en O artigo discute a construção das identidades docentes e discentes no âmbito escolar articulada às questões de gênero e sexualidade. Ele parte da análise de uma experiência de um curso de educação a distância - EaD em que, por meio de uma disciplina específica, buscou-se mapear cenas e ações que foram propostas na escola no sentido de se produzir um debate na área da diversidade. Compreende-se que as identidades constituídas por gêneros, por orientação sexual, por raça/etnia, por classe social, por geração, entre outros marcadores sociais, implicam em diferenças, em distinções vividas por vezes de forma harmônica, e vividas, não raras vezes, de forma conflitiva e/ou violenta. A instabilidade, a incerteza e a transitoriedade atribuídas ao jovem são aspectos que caracterizam também o nosso mundo contemporâneo. Essas novas condições juvenis geram tensões entre os sujeitos envolvidos nas instituições escolares (professoras/es, familiares, e entre as/os próprias/os alunos/as). A análise também permitiu verificar que nas situações de conflitualidade há uma tendência de um culpar o outro revelando: inabilidade dos/das professoras/es, famílias desestruturadas, alunos/as descomprometidos/as, entre outros. Argumenta-se que a temática relacionada à diversidade e especificamente à sexualidade e ao gênero compõe fortemente esse cenário de conflitos, apesar das discussões e avanços na compreensão desses temas existentes na sociedade brasileira como um todo.<hr/>The article discusses the construction of teachers' and students' identities in the school system, articulating it with gender and sexuality issues. It presents an analysis of an experience in a distance education course in which, by means of a specific discipline, it was sought to map scenes and actions that were proposed in the school in order to produce a debate in the area of diversity. Identities consisted of genres, sexual orientation, race/ethnicity, social class, generations, among other social markers, imply differences in living distinctions which are sometimes experienced harmoniously and sometimes in a rather conflicting and/or violent way. The instability, uncertainty and transience attributed to youngsters are also aspects that characterize our contemporary world. These new youth conditions generate tensions between the subjects involved in educational institutions (teachers, families, and among the students themselves). The analysis has also shown that in situations of conflicts there is a tendency to blame each other revealing: the inability of teachers, broken families, uncompromising students, among other factors. It is argued that the themes related to diversity and specifically related to sexuality and gender sharply constitute this scenario of conflicts, despite the discussions and advances in the understanding of these existing topics in the Brazilian society as a whole. <![CDATA[<b>Gender, body and sexuality in childhood books</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40602014000500011&lng=en&nrm=iso&tlng=en Livros para a infância sobre gênero, sexualidade e diversidade são fontes inesgotáveis e férteis para estudos. De 2006 a 2013, serviram de fontes a três pesquisas sob minha coordenação, a partir do referencial teórico dos estudos culturais, dos estudos de gênero e dos pressupostos foucaultianos. Os livros foram analisados como dispositivos pedagógicos para a educação da infância. Foram analisados em relação à linguagem adotada, suas possibilidades de produzir subjetividades na infância bem como por aquilo que produzem e veiculam sobre corpo, gênero e sexualidade. Dentre os dados das pesquisas a destacarmos merece ser enfatizada, nas últimas décadas, a grande profusão de livros dirigidos ao público infantil, sobretudo a partir de 1980. Muitos deles são escritos por autores/as brasileiros/as, o que parece ser um aspecto positivo, pois, nas décadas anteriores, o que havia era uma quantidade considerável de livros traduzidos, que, obviamente, refletiam outras realidades. O que não se vê, no entanto, é a participação efetiva das crianças nessas obras, além de serem silenciadas algumas temáticas como a violência contra a criança e a homossexualidade. O presente artigo tem por objetivo fazer um balanço dos estudos realizados, buscando entender essa produção como artefato cultural e como dispositivo pedagógico de educação da infância, afora salientar algumas características que expressam como eles podem ser instrumentos educativos para as crianças.<hr/>Childhood books on gender, sexuality and diversity are inexhaustible and fertile sources for studies. From 2006 to 2013 they constituted sources of three researches under my supervision, developed from the theoretical framework of cultural studies, gender studies and Foucauldian presuppositions. The books were analyzed as pedagogical devices for children's education. They were discussed concerning the language adopted, their possibilities of producing subjectivities during childhood, as well as concerning what they produce and convey about body, gender and sexuality. Among the data that is worthy to be highlighted over the last decades is the great amount of books directed to children, particularly since the 1980s. Many of them were written by Brazilian authors and this seems to be a positive fact since in earlier decades there was a considerable amount of translated books, which obviously reflected other cultural realities. What has not been noticed, however, is the effective participation of children in these works, in addition to the silencing of some issues such as violence against children and homosexuality. This article seeks to propose a balance of those studies, trying to understand this production as a cultural artifact and as a pedagogical device to the education of children, besides emphasizing some features that express how they can be educational tools for children. <![CDATA[<b>The schooling of sexuality in the state of Goias: what PhD theses and Master dissertations show</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40602014000500012&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este artigo tem como objetivo analisar o que dizem as dissertações e teses sobre o processo de escolarização da sexualidade em Goiás. Por um lado, mostramos o que as produções estudadas dizem sobre os ensinamentos transmitidos nas escolas públicas sobre o tema e, por outro lado, analisamos como a sexualidade na escola é abordada nas produções científicas do estado. Para a escolha das investigações a serem estudadas, estabelecemos como critérios terem sido defendidas até 2012, pensadas ou realizadas no contexto escolar do estado de Goiás e que tratassem da sexualidade na escola. Ficou evidente neste estudo que a sexualidade vem despertando interesse, sobretudo, de profissionais dos campos da saúde e da educação, que divergem sobre quais "saberes" devem ser ensinados e sobre quem pode ensinar o tema na escola, disputando as melhores formas para escolarizar a sexualidade.<hr/>This article aims to analyze how PhD theses and Master dissertations present sexual education in the State of Goias. On the one hand, we seek to investigate what insights are embedded in the public schools and, on the other hand, we sought to analyze how sexuality in the school has been shown in the scientific production of the State. In our discussion of those productions, we established as criteria works which had been defended by 2012, and also thought of or realized in the context of State Schools and which dialogued with the theme in vogue. It became evident that sexuality has very much attracted the interest of professionals of the health field and of the education field as well. These specific fields present in their discourses which "knowledge" should be taught and who is considered able to teach that subject at schools, disputing the best ways to teach sexuality. <![CDATA[<b><i>Testo Yonqui</i></b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40602014000500013&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este artigo tem como objetivo analisar o que dizem as dissertações e teses sobre o processo de escolarização da sexualidade em Goiás. Por um lado, mostramos o que as produções estudadas dizem sobre os ensinamentos transmitidos nas escolas públicas sobre o tema e, por outro lado, analisamos como a sexualidade na escola é abordada nas produções científicas do estado. Para a escolha das investigações a serem estudadas, estabelecemos como critérios terem sido defendidas até 2012, pensadas ou realizadas no contexto escolar do estado de Goiás e que tratassem da sexualidade na escola. Ficou evidente neste estudo que a sexualidade vem despertando interesse, sobretudo, de profissionais dos campos da saúde e da educação, que divergem sobre quais "saberes" devem ser ensinados e sobre quem pode ensinar o tema na escola, disputando as melhores formas para escolarizar a sexualidade.<hr/>This article aims to analyze how PhD theses and Master dissertations present sexual education in the State of Goias. On the one hand, we seek to investigate what insights are embedded in the public schools and, on the other hand, we sought to analyze how sexuality in the school has been shown in the scientific production of the State. In our discussion of those productions, we established as criteria works which had been defended by 2012, and also thought of or realized in the context of State Schools and which dialogued with the theme in vogue. It became evident that sexuality has very much attracted the interest of professionals of the health field and of the education field as well. These specific fields present in their discourses which "knowledge" should be taught and who is considered able to teach that subject at schools, disputing the best ways to teach sexuality.