Scielo RSS <![CDATA[Pró-Fono Revista de Atualização Científica]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=0104-568720070003&lang=en vol. 19 num. 3 lang. en <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-56872007000300001&lng=en&nrm=iso&tlng=en <![CDATA[<B>Development of sucking rhythm and the influence of stimulation in premature infants</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-56872007000300002&lng=en&nrm=iso&tlng=en TEMA: o desenvolvimento do padrão de sucção em recém-nascido pré-termo no período neonatal é importante não só para o estabelecimento de uma sucção eficiente, mas também para o desenvolvimento motor-oral. A alimentação segura e eficiente do recém-nascido pré-termo está relacionada a uma sucção com ritmo e coordenação. A estimulação da sucção não-nutritiva pode influenciar a evolução do padrão de sucção e o desenvolvimento do ritmo de sucção nos recém-nascidos pré-termo. OBJETIVO: analisar a evolução do ritmo de sucção, na sucção não-nutritiva e na sucção nutritiva, em função da estimulação da sucção não-nutritiva e do avanço da idade gestacional corrigida. MÉTODO: foram envolvidos 95 recém-nascidos pré-termo (RNPT) distribuídos de forma aleatória em três grupos: Grupo 1, grupo controle (35 RNPT), sem estimulação da sucção não-nutritiva; Grupo 2 (30 RNPT), com estimulação da sucção não-nutritiva com chupeta ortodôntica para prematuros Nuk® e Grupo 3 (30 RNPT), com estimulação da sucção não-nutritiva por meio do dedo enluvado. RESULTADOS: os recém-nascidos tinham idade gestacional de nascimento média de 30,5 semanas (± 1,57), idade gestacional corrigida ao entrar no estudo média de 31,6 semanas (± 1,31) e peso de nascimento médio de 1.390 gramas, sem diferenças estatísticas entre os grupos. O número de eclosões e pausas por minuto aumentou 0,16 a cada semana e a duração das eclosões 0,81 segundos; a duração das pausas diminuiu 3,8 segundos a cada semana e o número de sucções/segundo foi constante, na sucção não-nutritiva 1,15 e na sucção nutritiva 0,95. Não foram encontradas diferenças estatísticas entre os três grupos em nenhuma das variáveis estudadas. CONCLUSÃO: a estimulação da sucção não-nutritiva em recém-nascido pré-termo não modificou a evolução do ritmo de sucção, tendo sido o processo de maturação, representada pela idade gestacional corrigida, o maior determinante desse processo.<hr/>BACKGROUND: the sucking development pattern of the preterm newborn (PTNB) in the neonatal period is important for an effective sucking and oral motor development. The establishment of a safe and efficient feeding in pre-term newborns is related to a rhythmic and coordinated sucking. Nonnutritive sucking stimulation can have an influence on the development of sucking and the development of sucking rhythm of pre-term newborns. AIM: to analyze the development of the sucking rhythm, in non-nutritive and nutritive sucking in preterm newborns, as a consequence of non-nutritive sucking stimulation and in terms of corrected gestational age. METHOD: 95 preterm newborns randomly divided in three groups: Group 1, control group (35 PTNB), did not receive non-nutritive sucking stimulation; Group 2 (30 PTNB), received non-nutritive sucking stimulation using an orthodontic pacifier for premature infants (Nuk®); and Group 3 (30 PTNB), received non-nutritive sucking stimulation using a gloved finger. RESULTS: the mean gestational age was of 30.5 weeks (± 1.57), the mean corrected gestational age at the moment of enrollment in the study was of 31.6 weeks (± 1.31), and the mean birth weight was of 1.390 grams, with no statistical differences between the groups. The number of sucking bursts and pauses per minute increased by 0.16 per week and the duration of the bursts by 0.81 seconds; the duration of pauses decreased by 3.8 seconds per week while the number of sucks/second was constant, 1.15 and 0.95 for non-nutritive and nutritive sucking, respectively. No statistically significant differences were found between the groups for any of the studied variables. CONCLUSION: the stimulation of non-nutritive suction in preterm newborns did not modify the post-natal development of sucking rhythm. The process of maturation, represented by the corrected gestational age, was considered the most responsible factor for this process. <![CDATA[<B>Analysis of the speech and language national scientific production on written language</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-56872007000300003&lng=en&nrm=iso&tlng=en TEMA: a produção científica nacional sobre a linguagem escrita no âmbito da Fonoaudiologia. OBJETIVO: analisar parte da produção fonoaudiológica brasileira acerca da linguagem escrita, entre os anos de 1980 a 2004, levando em conta o período da publicação; a distribuição de freqüência por período; os tipos de publicações; as sub-temáticas abordadas e a autoria. MÉTODO: a pesquisa de caráter documental configurou a opção metodológica selecionada para a realização desse estudo. Foram analisados livros, capítulos de livros e artigos publicados em sete periódicos nacionais de Fonoaudiologia (1980 a 2004). RESULTADOS: as produções científicas em torno da linguagem escrita, no período considerado, perfazem um total de 236 publicações. Desse total, 3,39% foram publicadas na década de 1980; 44,1% na década de 1990; e 52,5% durante o período de 2000-2004. Quanto ao tipo das publicações, 18,5% foram publicadas em forma de livro, 39% de capítulo de livro e 42,5% de artigo em periódico. Quanto à autoria das publicações, 42 autores (76,36%), são vinculados a instituições de ensino superior, como docentes ou discentes, com maior concentração no Estado de São Paulo e menor no Rio de Janeiro. As produções analisadas versaram sobre cinco sub-temáticas: "distúrbios de linguagem escrita" (52%); "processo de apropriação da linguagem escrita" (23,5%); "surdez e linguagem escrita" (8,90%); "alterações neurológicas e linguagem escrita" (8,22%) e "escola e linguagem escrita" (7,53%). CONCLUSÃO: a pesquisa permitiu recuperar parte da memória acerca da construção de um campo de atuação e de conhecimento da área fonoaudiológica: a linguagem escrita. O ascendente crescimento de publicações em torno dessa temática aponta para o implemento de pesquisas nesse campo da Fonoaudiologia e, portanto, a pertinência de estudos que objetivem analisar os rumos da produção científica relativa ao mesmo.<hr/>BACKGROUND: national scientific production on written language in the scope of the Speech-Language and Hearing Sciences. AIM: to analyze part of the production of the Brazilian Speech-Language and Hearing Sciences on written language, between the years of 1980 and 2004, considering the following: publication period; distribution per period; types of publication; themes; and authorship. METHOD: this research was developed through the selection and analysis of documents, such as; books, book chapters, and scientific articles published in seven national journals of the Speech-Language and Hearing Sciences (1980 to 2004). RESULTS: scientific written production found in the studied period consisted of 236 publications. From this total, 3.39% were published during the 80s; 44.1% during the 90s; and 52.5% during the period of 2000-2004. Regarding the type of publication, 18.5% of the scientific production was published as books, 39% as book chapters and 42.5% as research articles. Considering authorship, 42 authors (76.36%) are entailed to institutions of higher education, either as professors or as students, with a higher concentration in the State of São Paulo and a lower concentration in the State of Rio de Janeiro. Overall, the analyzed written productions considered five themes: "Written language disorders" (52%); "Written language appropriation process" (23.5%); "Written language and deafness" (8.90%); "Written language and neurological disorders" (8.22%) and "Written language and school" (7.53%). CONCLUSION: this research recovered part of the scientific production on written language in the field of the Speech-Language and Hearing Sciences. The increase of publications on this theme suggests an improvement of the researches in the field of the Speech-Language and Hearing Sciences and, therefore, points to the importance of studies that analyze trends in our scientific production. <![CDATA[<B>Influence of temporal aspects in auditory temporal processing tests</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-56872007000300004&lng=en&nrm=iso&tlng=en TEMA: processamento temporal auditivo. OBJETIVO: comparar o desempenho de crianças, em testes de processamento temporal auditivo de acordo com diferentes paradigmas temporais como intervalo inter-estímulos, duração do estímulo e tipo de tarefa solicitada (discriminação ou ordenação). MÉTODO: foram avaliadas 27 crianças de 9 a 12 anos. Para analisar o efeito de cada variável temporal, foi desenvolvida e aplicada uma adaptação do teste americano "Repetition Test", contendo quatro testes de discriminação e de ordenação de frequência, e quatro testes de discriminação e de ordenação de duração. Para investigar a variável "tipo de tarefa solicitada", foram elaborados testes envolvendo discriminação e ordenação de frequência e discriminação e ordenação de duração. Para investigar a variável "duração do estímulo", foram elaborados testes de discriminação e ordenação de freqüência com estímulos de 200ms e 100ms e testes de discriminação e ordenação de duração com estímulos de 200/400ms e 300/600ms. Para investigar a variável "intervalo inter-estímulos", foram elaborados testes com intervalos inter-estímulos variáveis aleatoriamente entre 50ms e 250ms. RESULTADOS: em relação à variável intervalo inter-estímulos, não houve diferença estatisticamente significante entre a média de acertos quando os intervalos variavam de 50 a 250 ms, em todos os testes realizados; em relação à duração do estímulo, o grupo apresentou pior desempenho para estímulos com menor duração (100ms) em comparação com estímulos maiores, mas apenas nos testes envolvendo freqüência; em relação à ordem solicitada, o grupo apresentou pior desempenho nas tarefas de ordenação, se comparada com discriminação. CONCLUSÃO: variáveis temporais como duração do estímulo e tipo de ordem solicitada (discriminação e ordenação) podem interferir no desempenho de crianças em testes de processamento temporal auditivo.<hr/>BACKGROUND: auditory temporal processing. AIM: to compare the performance of children in auditory temporal processing tests according to different temporal variables such as inter-stimulus interval, stimuli duration and type of task (discrimination or ordering). METHOD: 27 children, with ages between 9 to 12 years, were evaluated. In order to analyze the effect of temporal variables, an adaptation of the American "Repetition test" was developed, containing four tests of frequency discrimination and ordering, and four tests of temporal discrimination and ordering. In order to investigate the variable 'type of requested task', tests involving frequency and temporal discrimination and ordering were elaborated. In order to evaluate the variable 'stimulus duration', frequency discrimination and ordering tests were elaborated, with stimulus durations of 200ms and 100 ms. In addition, temporal discrimination and ordering tests were carried out, with stimulus durations of 200/400ms and 300/600ms. In order to evaluate the variable 'inter-stimulus interval', tests were elaborated with randomly variable inter-stimulus intervals, ranging between 50ms and 250ms. RESULTS: regarding inter-stimulus interval, there was no statistically significant difference between the average number of correct answers when intervals varied between 50 and 250ms, in all of the tests. Regarding stimulus duration, the research group presented a poor performance for when stimulus had a shorter duration (100ms), compared to those with longer duration, but only in the tests involving frequency. Regarding order, the research group presented a poor performance in ordering tasks when compared to discrimination tasks. CONCLUSION: temporal variables such stimuli duration and type of task (discrimination and ordering) can interfere in the performance of children in tests of auditory temporal processing. <![CDATA[<B>Newborn hearing screening program</B>: <B>association between hearing loss and risk factors</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-56872007000300005&lng=en&nrm=iso&tlng=en TEMA: perda auditiva em neonatos. OBJETIVOS: verificar a prevalência de alterações auditivas em neonatos do Hospital São Paulo, observando se há correlação com as variáveis: peso de nascimento, idade gestacional, relação peso e idade gestacional e fatores de risco para deficiência auditiva. MÉTODO: realizou-se uma análise retrospectiva dos prontuários de 1696 recém nascidos, sendo 648 nascidos pré-termo e 1048 a termo. Todas as crianças foram submetidas à avaliação audiológica constituída por pesquisa das emissões otoacústicas transientes e do reflexo cocleopalpebral e medidas de imitância acústica, estabelecendo-se o diagnóstico do tipo e grau de perda. RESULTADOS: a perda auditiva neurossensorial foi identificada em 0,82% das crianças nascidas a termo, e 3,1% das crianças pré-termo (com diferença estatisticamente significante). A perda auditiva condutiva foi a mais freqüente nas duas populações sendo observada em 14,6% das crianças nascidas a termo e 16,3% das crianças pré-termo. Houve suspeita de alterações do sistema auditivo central em 5,8% das crianças pré-termo e 3,3% das crianças a termo. Na população de crianças nascidas a termo, houve correlação significante entre falha na triagem auditiva e os riscos antecedente familiar e síndrome, sendo 37 vezes maior a chance de uma criança com síndrome falhar na triagem e sete vezes maior a chance de falhar na orelha direita quando esta tiver antecedente familiar de perda auditiva. Quanto menor a idade gestacional (< 30 semanas) e o peso ao nascimento (< 1500g), três vezes mais chance de falhar na triagem auditiva. CONCLUSÕES: houve maior ocorrência de perda auditiva nas crianças pré-termo de UTI neonatal. A idade gestacional e o peso de nascimento foram variáveis importantes relacionadas na probabilidade de falha na triagem auditiva. Houve correlação entre o fator de risco síndrome e a perda auditiva neurossensorial em crianças nascidas a termo.<hr/>BACKGROUND: hearing loss in newborns. Aim: to verify the prevalence of auditory alterations in newborns of Hospital São Paulo (hospital), observing if there are any correlations with the following variables: birth weight, gestational age, relation weight/gestational age and risk factors for hearing loss. METHOD: A retrospective analysis of the hospital records of 1696 newborns; 648 records of preterm infants and 1048 records of infants born at term. All of the infants had been submitted to an auditory evaluation consisting of: Transient Otoacoustic Emissions, investigation of the cochleal-palpebral reflexes and acoustic imittance tests, identifying the type and level of hearing loss. RESULTS: sensorineural hearing loss was identified in .82% of the infants who were born at term and in 3.1% of the preterm infants - with a statistically significant difference. Conductive hearing loss was the most frequent type of hearing loss in both groups, occurring in 14.6% of the term infants and in 16.3% of the preterm infants. Alteration of the central auditory system was considered as a possible diagnosis for 5.8% of the preterm infants and for 3.3% of the term infants. For the group of infants who were born at term, a significant correlation was observed between failure in the hearing screening test and the presence of risk factors such as family history and presence of a syndrome - the child who presented a syndrome had 37 times more chances of failing in the hearing screening test and seven times more chances of failing in the right ear when there was a family history for hearing loss. The lower the gestational age (< 30 weeks) and birth weight (< 1500g), the higher the chances of failing in the hearing screening test (3 times more). CONCLUSION: hearing loss had a higher occurrence in preterm infants who remained in the ICU. Gestational age and birth weight were important variables related to the possibility of failure in the hearing screening test. A correlation was observed between the presence of a syndrome and sensorineural hearing loss in infants who were born at term. <![CDATA[<B>Relationship between the severity of temporomandibular disorder and voice</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-56872007000300006&lng=en&nrm=iso&tlng=en TEMA: a disfunção temporomandibular é uma das desordens mais complexas do organismo capaz de desencadear alterações nos movimentos mandibulares que provocam prejuízos tanto na articulação da fala como na qualidade da voz. Na literatura a relação entre o grau de severidade da sintomatologia desta disfunção e a influência desta na produção vocal tem sido pouco estudada. OBJETIVO: verificar a relação entre o grau de severidade de sintomatologia da disfunção temporomandibular com a produção vocal. MÉTODO: participaram deste estudo 24 sujeitos, do gênero feminino, com idade variando entre 16 e 56 anos que foram submetidos à aplicação do questionário de índice anamnésico Fonseca et al. (1994), a exame odontológico, exame otorrinolaringológico e avaliação audiológica. Posteriormente os 24 sujeitos da pesquisa foram submetidos à gravação da voz, em gravador digital para posterior análise perceptivo-auditiva dos parâmetros da voz como: tipo vocal, ressonância, qualidade da emissão, pitch e loudness, e para análise dos parâmetros acústicos da espectrografia de banda larga, banda estreita e dos parâmetros acústicos por meio do Multi Dimensional Voice Program (MDVP) da Key Elementrics Real Time. RESULTADOS: verificou-se que de todos os parâmetros da avaliação perceptivo-auditiva da voz o grau de sintomatologia severo apresentou significância estatística para diminuição da loudness (p = 0,013). A qualidade vocal rouca foi a que mais apareceu nos sujeitos com grau leve e severo, seguida pela soprosa. Na espectrografia de banda larga houve significância estatística para o aumento da anti-ressonância (p = 0,013) no grau severo de disfunção temporomandibular. CONCLUSÃO: verificou-se que o grau de severidade ocasiona diminuição da loudness, aumento de ruído e alteração na ressonância da voz interferindo na qualidade vocal desses sujeitos.<hr/>BACKGROUND: temporomandibular dysfunction is one of the most complex disorders of the body, capable of unchaining alterations in the mandibular movements which in turn can cause damage not only to speech articulation but also to the quality of voice. In the literature, the relationship between the symptomatology severity levels of this dysfunction and their influence on vocal production has been scarcely studied. Aim: to verify the relationship between the symptomatology severity levels of temporomandibular dysfunction and vocal production. METHOD: participants of this study were 24 females, with ages between 16 and 56 years, who were submitted to an anamnesis index questionnaire (Fonseca et al., 1994), to odontological and otolaryngological examinations and to a hearing evaluation. Later, the participants were submitted to a voice recording, using a digital recorder, for a perceptive-auditive analysis of voice parameters such as: vocal type, resonance, quality of emission, pitch and loudness and for the analysis of the acoustic parameters of the wide and narrow band spectrography and of the Multi Dimensional Voice Program (MDVP) - Key Elementrics Real Time software. RESULTS: considering the parameters of the perceptive-auditive evaluation, it was observed that only individuals with severe symptomatology presented a statistically significant decrease in loudness (p = 0.013). The hoarse vocal quality was the most frequent type among the participants, with severities classified as mild and severe, followed by the breathy type. In the wide band spectrography, there was a statistically significant difference for the anti-resonance increase (p = 0.013) in individuals with severe temporomandibular dysfunction. CONCLUSION: it was verified that the severity level causes a decrease in loudness, an increase of noise and alterations in voice resonance, interfering in the vocal quality of these individuals. <![CDATA[<B>Performance of normal Brazilian adults in a semantic test</B>: <B>effect of literacy</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-56872007000300007&lng=en&nrm=iso&tlng=en TEMA: nas modernas visões sobre as bases neuropsicobiológicas da linguagem, aceita-se seu funcionamento em estreita relação com sistemas de suporte, como atenção e memória. A memória semântica constitui a base do conhecimento, comunicação e aprendizado. O conhecimento semântico se consolida com a exposição a informações e a possibilidade de integração dessas informações. Assim sendo, a idade e a escolaridade podem estar associadas ao conhecimento semântico. OBJETIVO: analisar a interferência do nível de escolaridade no desempenho, de adultos brasileiros normais, na prova semântica. MÉTODO: cinqüenta e seis brasileiros normais, vinte do sexo masculino, trinta e seis do feminino, com faixa etária variando entre vinte e sessenta e cinco anos, e escolaridade entre um e vinte anos, foram divididos em dois grupos, de acordo com o nível de escolaridade. O Grupo 1 (N = 31) com um a oito anos de escolaridade; e o Grupo 2 (N = 25) com escolaridade acima de oito anos. A prova semântica consistiu em apresentar questões, em relação a dez figuras, sobre categoria, traço físico, e função, e após as questões solicitar a nomeação dessas figuras. Resultados: o nível de escolaridade influenciou o desempenho dos sujeitos. Houve diferença entre os Grupos em julgamento de traços semânticos e na nomeação, onde o Grupo 2 obteve os melhores escores na maioria das provas. As questões negativas foram as que apresentaram o maior número de erros. A partir da análise qualitativa das respostas na nomeação observou-se que as figuras de seres animados foram as que mais apresentaram respostas desviantes, com maior ocorrência de substituições por itens coordenados. CONCLUSÃO: foi possível observar que o menor nível de escolaridade influenciou o desempenho negativamente, em tarefas de conhecimento semântico, em ambos julgamento de traços e nomeação, particularmente na categoria animados.<hr/>BACKGROUND: modern concepts on the neuropsychological bases of language consider that its network has a direct relation with the support systems such as attention and memory. Semantic memory constitutes the basis of knowledge, communication and learning. Semantic knowledge is consolidated with the exposure to information and the possibility to integrate information. Thus, aging and literacy can be associated to semantic knowledge. AIM: to analyze in normal Brazilian adults the interference of literacy through the performance in a semantic test. Method: 56 normal Brazilian adults, 20 males and 36 females, with ages between 20 and 56 years and literacy between 1 and 20 years. Participants were divided in two groups according to years of literacy: Group 1 (n = 31) with 1 to 8 years and Group 2 (n=25) with more than 8 years. The semantic test consisted on the presentation of questions related to 10 pictures. These questions involved: category, physical traces and function. After the questions, the naming of the pictures was requested. RESULTS: the level of literacy had an influence on the performance of the participants. There were differences between the groups regarding the judgment of the semantic traces and in the naming task: Group 2 presented better scores in most of the tasks. Negative questions presented a higher number o errors. The qualitative analyses of the answers obtained in the naming task indicate that the animated figures presented a higher number of deviant answers, with a higher occurrence of substitutions by a coordinated answer. CONCLUSION: it was possible to observe that low literacy levels had a negative influence on the performance presented in tasks involving semantic knowledge, judgment of traces and naming, particularly when involving animated pictures. <![CDATA[<B>Cochlear implant</B>: <B>hearing and language in pre-lingual deaf children</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-56872007000300008&lng=en&nrm=iso&tlng=en TEMA: implante coclear em crianças, percepção de fala e linguagem oral, desempenho de audição e de linguagem oral em crianças com deficiência auditiva neurossensorial profunda pré-lingual usuárias de implante coclear. OBJETIVO: estudar o desempenho de audição e de linguagem oral de crianças portadoras de deficiência auditiva neurossensorial profunda bilateral pré-lingual, usuárias de implante coclear multicanal, quanto aos seguintes aspectos: idade da criança na época da realização da pesquisa, tempo de privação sensorial auditiva, tempo de uso do implante coclear, tipo de implante coclear, estratégia de codificação de fala utilizada, grau de permeabilidade da família no processo terapêutico e estilo cognitivo da criança. MÉTODO: as 60 crianças estudadas foram avaliadas quanto às categorias de audição e de linguagem. Todas as variáveis foram analisadas estatisticamente. Os aspectos psicossociais, considerando o estilo cognitivo da criança e o grau de permeabilidade da família também foram variáveis investigadas. Resultados: quanto ao desempenho de audição e de linguagem com o uso do implante coclear, as categorias auditivas intermediárias e avançadas foram alcançadas por mais da metade do grupo de crianças. Os aspectos estatisticamente significantes no desempenho de audição e de linguagem oral foram: a idade da criança na avaliação, o tempo de privação sensorial auditiva, o tempo de uso do implante coclear, o tipo de implante, a estratégia de codificação dos sons da fala e a permeabilidade da família. CONCLUSÃO: o implante coclear como tratamento de crianças com deficiência auditiva neurossensorial pré-lingual é altamente efetivo, embora complexo pela interação de variáveis que interferem no desempenho da criança implantada, desafiando novos estudos na compreensão da complexidade da implantação em crianças pequenas.<hr/>BACKGROUND: cochlear implant in children, speech perception and oral language, hearing and oral language performance in children with pre-lingual profound sensory-neural hearing impairment, users of cochlear implant. AIM: to study the hearing and oral language performance of children with pre-lingual bilateral profound sensory neural hearing impairment, users of multi-channel cochlear implant considering the following aspects: age of the child when the research was carried out, time of hearing sensorial privation, time of cochlear implant use, type of cochlear implant, type of speech coding strategy used, familial permeability level in relation to the therapeutic process and cognitive style of the child. METHOD: participants of this study were 60 children who were assessed according to hearing and language categories. All of the variables were statistically analyzed. Psycho-social aspects, considering the child's cognitive style and the family's permeability level were also assessed. Results: regarding the hearing and language performance with the use of cochlear implant, the intermediate and advanced hearing categories were accomplished by more than half of the children. The statistically significant aspects in the performance of hearing and oral language were: the age of the child upon evaluation, time of hearing sensorial privation, time of cochlear implant use, type of implant, speech sounds coding strategy and familial permeability. CONCLUSION: the cochlear implant as a treatment for children with pre-lingual sensory-neural hearing impairment is highly effective, although complex, owing to the interaction of variables which interfere in the implanted child's performance. Further studies are needed for the understanding of the implantation complexity in young children. <![CDATA[<B>Indicative factors of early facial aging in mouth breathing adults</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-56872007000300009&lng=en&nrm=iso&tlng=en TEMA: envelhecimento facial precoce em respiradores orais adultos. OBJETIVO: verificar a presença de aspectos indicativos de envelhecimento facial precoce e caracterizar morfometricamente as medidas da projeção do sulco nasogeniano ao tragus e da largura facial (distância entre os bucinadores) em respiradores orais e nasais adultos. MÉTODO: foi realizada, em 60 indivíduos, observação de aspectos indicativos de envelhecimento facial precoce (presença de olheiras, rugas embaixo dos olhos, rugas mentuais e sulco mentual). Em seguida, foram tomadas medidas da projeção do sulco nasogeniano ao tragus e da largura facial (distância entre os bucinadores) utilizando-se paquímetro eletrônico digital. Posteriormente, os voluntários foram submetidos às avaliações fonoaudiológica (anamnese e avaliação miofuncional orofacial) e otorrinolaringológica (anamnese, avaliação clínica e exame de videonasofaringolaringoscopia) para diagnóstico da respiração oral. Após os dados obtidos serem caracterizados com a utilização de técnicas de estatística descritiva, aplicou-se os testes de aderência de Kolmogorov-Smirnov e Shapiro-Wilk e os testes de hipótese Qui-quadrado, Mann-Withney e o teste T de Student para variáveis independentes. As diferenças foram consideradas significativas para valores de p menores que 0,05 e o erro beta admitido foi de 0,1. RESULTADOS: a amostra foi composta apenas por voluntários do sexo feminino. Verificou-se, no grupo teste (respiradores orais), média de idade de 22,04 ± 2,25 anos e, no grupo controle (respiradores nasais), 21,94 ± 2,03 anos. Observou-se, no grupo de respiradores orais, um percentual mais elevado da presença de aspectos indicativos de envelhecimento facial precoce quando comparado aos respiradores nasais, bem como maiores diferenças entre as projeções dos sulcos nasogenianos nas hemifaces direita e esquerda. Entretanto, foram observados maiores valores de largura facial nos respiradores nasais, configurando faces discretamente mais alargadas na região das bochechas. CONCLUSÃO: no presente estudo foram observados maiores indícios de envelhecimento facial precoce no grupo de respiradores orais.<hr/>BACKGROUND: early facial aging in mouth breathing adults. AIM: to verify the presence of indicative factors of early facial aging and to characterize the measurements of the projection of the nasogeniane fold to the tragus and of the face width in mouth and nose breathing adults. METHOD: aspects of early facial aging were observed in 60 individuals (presence of dark circles and wrinkles under the eyes, mentual wrinkles and mentual ridges). Measurements of the projection of the nasogeniane fold to the tragus and of the face width (distance between the buccinators) were taken using a digital caliper. Later, the volunteers were submitted to speech-language evaluations (anamneses and orofacial myofuntional assessment) and to an otolaryngology inspection in order to establish the diagnosis of mouth breathing (anamneses, clinical evaluation and video laryngoscopy). The obtained data were analyzed according to descriptive statistics and to the following statistic tests: Kolmogorov-Smirnov, Shapiro-Wilk, Qui-square, Mann-Withney and the T-Student test for independent variables. Differences were considered significant when the p value was inferior to .05 and the accepted beta error was of .1. RESULTS: the research sample consisted only of female volunteers. For the research group (mouth breathers) the age average was of 22.04 ± 2.25 years and, for the control group (nose breathers) the age average was of 21.94 ± 2.03 years. The presence of a high percentage of indicative factors of early facial aging was observed for the group of mouth breathers when compared to the group of nose breathers. Greater differences between the projections of the nasogenianos ridges in right and left side of the face was also observed for the group of mouth breathers. However, higher values of face widths were observed for the nose breathing individuals, configuring a discreetly more widened face in the cheek region. CONCLUSIONS: in the present study there was a higher indication of early facial aging for the group of mouth breathers. <![CDATA[<B>Working memory, phonological awareness and spelling hypothesis</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-56872007000300010&lng=en&nrm=iso&tlng=en TEMA: memória de trabalho, consciência fonológica e hipótese de escrita. OBJETIVO: verificar a relação entre a memória de trabalho, a consciência fonológica e a hipótese de escrita em alunos de pré-escola e primeira série. MÉTODO: a amostra foi composta de 90 alunos da rede estadual de ensino que apresentavam desenvolvimento lingüístico típico. Destes, 40 alunos eram da pré-escola, com idade média de seis anos e cinco meses, e 50 eram da primeira série, com idade média de sete anos e dois meses. A amostra selecionada foi submetida à avaliação das habilidades de memória de trabalho com base no Modelo de Memória de Trabalho de Baddeley (2000), envolvendo o componente fonológico. O componente fonológico foi avaliado através do subteste cinco, Memória Seqüencial Auditiva, do Teste Illinois de Habilidades Psicolinguísticas (ITPA), adaptação brasileira realizada por Bogossian e Santos (1977), e da Prova de Repetição de Palavras sem Significado, elaborado por Kessler (1997). As habilidades de consciência fonológica foram estudadas a partir do teste Consciência Fonológica: Instrumento de Avaliação Seqüencial (CONFIAS), elaborado por Moojen et al. (2003), considerando tarefas de consciência silábica e fonêmica. A escrita foi caracterizada conforme a proposta de Ferreiro e Teberosky (1999). RESULTADOS: os pré-escolares apresentaram capacidade de repetir seqüências de 4,80 dígitos e 4,30 sílabas; em consciência fonológica, o desempenho em nível de sílabas foi de 19,68 e 8,58, em nível de fonemas; e hipótese de escrita pré-silábica, em sua maioria. Os alunos de primeira série repetiram, em média, seqüências de 5,06 dígitos e 4,56 sílabas, apresentaram desempenho de 31,32, em consciência fonológica em nível de sílabas, e 16,18, em nível de fonemas; e hipótese alfabética de escrita. CONCLUSÃO: o desempenho em memória de trabalho, consciência fonológica e nível de escrita se inter-relacionam, bem como estão relacionados com a idade cronológica, a maturidade e a escolaridade.<hr/>BACKGROUND: working memory, phonological awareness and spelling hypothesis. AIM: to verify the relationship between working memory, phonological awareness and spelling hypothesis in pre-school children and first graders. METHOD: participants of this study were 90 students, belonging to state schools, who presented typical linguistic development. Forty students were preschoolers, with the average age of six and 50 students were first graders, with the average age of seven. Participants were submitted to an evaluation of the working memory abilities based on the Working Memory Model (Baddeley, 2000), involving phonological loop. Phonological loop was evaluated using the Auditory Sequential Test, subtest 5 of Illinois Test of Psycholinguistic Abilities (ITPA), Brazilian version (Bogossian & Santos, 1977), and the Meaningless Words Memory Test (Kessler, 1997). Phonological awareness abilities were investigated using the Phonological Awareness: Instrument of Sequential Assessment (CONFIAS - Moojen et al., 2003), involving syllabic and phonemic awareness tasks. Writing was characterized according to Ferreiro & Teberosky (1999). RESULTS: preschoolers presented the ability of repeating sequences of 4.80 digits and 4.30 syllables. Regarding phonological awareness, the performance in the syllabic level was of 19.68 and in the phonemic level was of 8.58. Most of the preschoolers demonstrated to have a pre-syllabic writing hypothesis. First graders repeated, in average, sequences of 5.06 digits and 4.56 syllables. These children presented a phonological awareness of 31.12 in the syllabic level and of 16.18 in the phonemic level, and demonstrated to have an alphabetic writing hypothesis. CONCLUSION: the performance of working memory, phonological awareness and spelling level are inter-related, as well as being related to chronological age, development and scholarity. <![CDATA[<B>Using delayed auditory feedback in the treatment of stuttering</B>: <B>evidence to consider</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-56872007000300011&lng=en&nrm=iso&tlng=en TEMA: a realimentação auditiva atrasada (RAA) é ao que parece, uma técnica que tem sido utilizada no tratamento da gagueira com bons resultados. Muitos aparelhos de RAA são comercializados. No entanto, nem todas as pessoas que gaguejam experimentam melhora na fluência da fala ao utilizar a RAA e quando os efeitos são positivos observam-se diferenças consideráveis em relação ao grau e às condições em que a melhora na fala ocorreu. Neste sentido, a decisão de utilizar ou não a RAA no tratamento de um cliente nem sempre é óbvia. OBJETIVO: o presente artigo se propõe a discutir e ilustrar fatores a serem considerados, no que se refere à utilização da RAA em terapia individual, com base em uma revisão de literatura. Quatro tipos de fatores são apresentados: fatores inerentes ao cliente, tais como sexo, idade, severidade de gagueira, tipologia da disfluência, origem da gagueira e tipo biológico; fatores externos ao cliente, como o tempo de retorno da informação auditiva, intensidade, modo de apresentação, modalidade e situação de fala; possíveis efeitos colaterais como redução da velocidade de fala, aumento da freqüência fundamental e da intensidade vocal, prolongamento de vogais e um possível efeito na naturalidade fala; outros fatores como questões estéticas, questões financeiras e duração do efeito na fala. CONCLUSÃO: a revisão aponta a influência de fatores múltiplos, mas com os dados existentes é difícil predizer se o indivíduo será ou não beneficiado pelo uso da RAA. Em suma, além das evidências em relação à influência de diferentes fatores serem ainda pobres, alguns estudos apresentam dados de pouca qualidade que não podem ser considerados "evidência".<hr/>BACKGROUND: there is some indication that the use of delayed auditory feedback (DAF) is a potentially helpful technique in the treatment of stuttering. Several devices for DAF are also commercially. However, not all individuals who stutter experience a positive effect on speech fluency when speaking under DAF. And those who do show a positive effect, may differ considerably as to the degree and the conditions in which the effect is seen. Therefore, the decision whether or not to attempt the use of DAF in an given client is usually not straightforward. AIM: starting from a literature review, the present paper discusses and illustrates factors to take into account when considering the use of RAA in an individual client. Four types of factors are distinguished: factors inherent to the client such as gender, age, stuttering severity, dysfluency pattern, origin of stuttering, and biological subtype; factors outside the client including delay time, intensity, manner of delivery, speech mode, and speech situation; possible side-effects like a reduction in speech rate, an increase of speaking fundamental frequency and vocal intensity, lengthening of vowels, and a possible effect on speech naturalness; others namely cosmetics, finances, and the long-term effect. CONCLUSION: the review shows that most likely multiple factors play a role, but with the currently available data it is very hard to predict whether a given individual will or will not benefit from the use of DAF. Overall, the evidence for the influence of the different factors is still meager. Moreover, some studies present data of a quality that can hardly be considered "evidence".