Scielo RSS <![CDATA[Horizontes Antropológicos]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=0104-718320120001&lang=en vol. 18 num. 37 lang. en <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[<b>Apresentação</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-71832012000100001&lng=en&nrm=iso&tlng=en <![CDATA[<b>Trazendo as coisas de volta à vida</b>: <b>emaranhados criativos num mundo de materiais</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-71832012000100002&lng=en&nrm=iso&tlng=en O artigo desenvolve os conceitos de antropologia ecológica criticando as noções de objeto e de rede e, por extensão a teoria do ator-rede. Desafiando a noção estabelecida de "objeto", propõe-se a retomada da noção de "coisa", porosa e fluida, perpassada por fluxos vitais, integrada aos ciclos e dinâmicas da vida e do meio ambiente. A seguir, a teoria do ator-rede, de Latour, Law e Callon é criticada por manter e reproduzir uma divisão metafísica entre sujeitos e objetos (atribuindo a estes uma agência fetichizada) e ignorando a distribuição desigual de fluxos e sentidos ao longo da rede. Numa discussão inspirada em Heidegger e Deleuze, é proposta a ideia alternativa de "malha" (meshwork) para pensar a cultura material e as relações de comunicação, integração e fluxos entre coisas.<hr/>The article broadens the concepts of Ecological Anthropology by criticizing the notions of object and network, and - by its extension - the Actor-Network Theory (ANT). Challenging the established notion of 'object', it proposes the return of the notion of 'thing', porous and fluid, permeated by vital flows, integrated into the dynamics of life and of the environment. Hereafter the Actor-Network Theory (of Latour, Callon and Law) is criticized for maintaining and reproducing a metaphysical division between subjects and objects (assigning to these a fetishized agency) and ignoring the unequal distribution of flows and directions along the network. In a discussion inspired by Heidegger and Deleuze, the article proposes an alternative idea of 'mesh' (meshwork) to think about the material culture and the communication relations, integration and flows among things. <![CDATA[<b>Aportes teórico-metodológicos para o estudo de redes transnacionais de líderes pentecostais e carismáticos</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-71832012000100003&lng=en&nrm=iso&tlng=en O presente trabalho busca fornecer fundamentação teórico-metodológica ao conceito de rede aplicado ao estudo do pentecostalismo. Para tanto, abordarei os métodos de pesquisa associados ao estudo de redes e suas contribuições mais recentes. Num primeiro momento, nas décadas de 1950 e 1960, desenvolveu-se no campo da antropologia uma abordagem empiricista centrada na descrição e análise de relações observáveis dentro de um território limitado. No momento atual, diálogos com a história das ciências, a filosofia e a geografia permitem-nos repensar as redes num quadro teórico amplo, como lócus privilegiado do sincretismo e de novas formas de territorialidade. A análise de processos de transnacionalização religiosa pentecostal ao sul da América Latina pode se beneficiar da ancoragem teórica fornecida por essas discussões.<hr/>The present article aims to provide theoretical and methodological basis to the concept of network applied to the study of Pentecostalism. Therefore, I will describe synthetically the research methods associated to network studies and their recent developments. In a first moment, along the 50' and the 60', it was unfolded an empirical approach based on description and analysis of observable relations on a limited territory. Currently, dialogues with History of Science, Philosophy and Geography allow us to rethink networks in a wide-range scope, as a privileged locus in which we can study syncretism and new forms of territoriality. The analysis of transnational religious processes at Southern Latin America could be improved by the theoretical anchorage offered by these discussions. <![CDATA[<b>Pour une anthropologie des stéréotypes</b>: <b>quelques propositions théoriques</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-71832012000100004&lng=en&nrm=iso&tlng=en En anthropologie, l'intérêt pour les stéréotypes est relativement récent et, malgré l'importance croissante des échanges culturels, ceux-ci restent peu étudiés d'où une certaine carence théorique sur la question. Rarement objectivées ou analysées en tant que catégories répondant à des imaginaires spécifiques, ces représentations sont en outre trop souvent abordées, voire adoptées, de façon partiale et irréfléchie sans prendre en compte les conflits et les négociations, les usages auxquels elles sont soumises au quotidien, en action. Nous intéressant donc aux stéréotypes en tant que catégories inscrites dans des systèmes de catégorisation ainsi qu'à leur étude en contexte, nous proposons de développer une anthropologie spécifique, une anthropologie des stéréotypes ayant ses concepts, ses méthodes et ses outils...<hr/>Na antropologia o interesse por estereótipos é relativamente recente e, apesar da crescente importância de intercâmbios culturais, continuam sendo pouco estudadas estabelecendo uma certa carência teórica sobre a questão. Raramente analisados como categoria que respondem a imaginários específicos, estas representações são freqüentemente abordadas ou até mesmo adotadas de forma parcial e precipitada sem levar em consideração os conflitos e negociações, usos aos quais são submetidos no cotidiano, ou seja, em ação. Devido ao nosso interesse por estereótipos enquanto categoria inscrita em sistemas de categorização assim como pelo seu estudo contextualizado, propomos desenvolver uma antropologia específica, uma antropologia de estereótipos com seus próprios conceitos, métodos e ferramentas... <![CDATA[<b>Luzes e sombras no dia social</b>: <b>o símbolo ritual em Victor Turner</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-71832012000100005&lng=en&nrm=iso&tlng=en O tema do ritual é marcante na obra de Victor Turner, em especial nos trabalhos diretamente baseados em sua experiência de campo entre os lunda-ndembus realizada nos anos 1950. O artigo examina as formulações do autor nessa fase de sua obra, tomando como fio condutor o conceito de símbolo ritual, que condensa aspectos centrais da abordagem dos rituais. O conceito de símbolo ritual é examinado "em ação", ou seja, é enfocado através de diferentes textos e visto como um dos lugares da obra turneriana onde o esforço de teorização se associou à apreensão etnográfica dos sentidos do ritual. Com essa noção, ao articular reflexões sobre as dimensões cognitivas e experienciais da vida social, Turner buscou abranger dimensões inconscientes do pensamento e da ação. O exame de sua hermenêutica do símbolo indica uma solução de compromisso entre duas direções de pensamento turneriano: a tendência metafísica e religiosa e sua aproximação de formulações psicanalíticas freudianas.<hr/>Ritual is one of Victor Turner's main themes. The author's interest in the subject emerges since his early works based in the fieldwork among the Lunda-Ndembu in the 1950's. The paper examines Turner's approach to ritual in this initial phase of his career and takes the concept of ritual symbol as a guideline. This concept encapsulates the core aspects of Turner's view of ritual and is examined "in action", that means in its movement through different texts. The ritual symbol is seen as one locus of Turner's work in which his efforts of conceptualization are strongly associated with his keen ethnographic sense of ritual. With this notion, Turner articulated cognitive and experiential dimensions of social life, and sought to unravel its unconscious dimensions. Turner's development of a semantic and hermeneutic approach to the ritual symbol emerges as a compromise between two quite different directions of his thought: his metaphysical and religious tendencies and his movements towards Freudian psychoanalytic formulations. <![CDATA[<b>O poder da fé, o milagre do poder</b>: <b>mediadores evangélicos e deslocamento de fronteiras sociais</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-71832012000100006&lng=en&nrm=iso&tlng=en A partir de dois estudos de caso analisarei neste artigo a articulação de duas tendências do universo evangélico pentecostal: a da vida apartada do mundo e aquela centrada no milagre e no protagonismo divino. A articulação entre elas forma um conjunto, cuja integração variada constitui na atualidade a presença evangélica na esfera pública. Enquanto conjunto, as igrejas evangélicas reconstruíram as fronteiras do religioso, para "dentro" e para "fora". Para "dentro" redefiniram magia e religião deslocando o encantamento do mundo, convencionalmente mantido como mágico, através do catolicismo, para o interior da religião como milagre. Para "fora" os evangélicos adotaram em suas práticas e discursos uma forma de sacralização dos seus agentes e dos seus instrumentos. A aura divina passou a habitar os muitos domínios sociais que, por sua vez, passaram a fornecer a matéria-prima necessária para forjar o protagonismo dos seus pastores.<hr/>Based upon two cases studies this paper is an attempt to analyse the articulation between two tendancies in the pentacostal evangeslist universe: life separated from the world and life centered on miracle and divine protagonism. The articulation in between these two tendancies constitutes a whole: the moving integration of it represent in the daily life the evangelical presence in the public sphere. As a whole, the evangelist churches are reconstructing the frontiers of what religious is, "inside" and "outside". "Inside" they are redefining magic and religion, desplacing the world enchantment, usualy maintained as "magical" by catholicism, inside the proper religious sphere as miracle. "Outside", the evangelists maintain through their discourses and practical life a way to sacrament their agents and instruments. A divine aura seems to invade the various and necessary social domains througn which have to be established their pastor's leadership. <![CDATA[<b>Problemas e tensões entre as noções de produção, propriedade intelectual e cultura</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-71832012000100007&lng=en&nrm=iso&tlng=en Neste artigo, analiso as relações entre as noções de produção, propriedade intelectual e cultura. Partindo das articulações entre inventor e invenção, mostro quais caminhos problematizam a categoria da propriedade intelectual, sublinhando dualidades do pensamento ocidental. Assinalo três tensões para tratamento da propriedade intelectual pela antropologia, especialmente entre cultura material e bens intangíveis; continuidades e rupturas entre propriedade intelectual e cultural; e a dissolução da multiplicidade na ditocomia "público versus privado". Para reflexão, apresento um caso etnográfico a partir da convivência com pequenos agricultores agroecologistas do oeste catarinense e discuto suas experiências coletivas associadas a um conjunto de problemas que a agricultura "moderna" os faz enfrentar. Exploro a gramática que opera em suas vidas e que possui conexões com os regimes de propriedade intelectual. A proposição é mostrar que estes são alguns dos emblemas do modo pelo qual o capitalismo renova e (des)constitui a experiência.<hr/>In this paper, I analyze links between the notions of production, intellectual property and culture. Starting at the articulations among inventor and invention, I show some problems about the category of intellectual property, highlighting dualities of the Western thought. I emphasize three tensions for analyzing intellectual property issues in anthropology, especially between material culture and intangible goods; continuities and ruptures on intellectual and cultural property; and the dissolution of multiplicity in the "public vs. private" dichotomy. An ethnographic case-study is presented, carried out within organic smallholders from the West of Santa Catarina, Brazil. In this case, I discuss their collective experiences associated to a set of problems they face while dealing with "modern" agriculture. The paper explores the grammar which operates in their lives and has connections to the intellectual property regimes. The intention is to show that those are some emblems in the way capitalism renew and (de)constitute experience. <![CDATA[<b>Antropologia depois do "fim da teoria"</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-71832012000100008&lng=en&nrm=iso&tlng=en O artigo propõe a definição de etnografia nos termos de Rickert: uma narrativa antropológica que figura uma síntese da realidade, ou melhor, um "conceito de realidade". Sua função é reduzir a complexidade do real para permitir que ele seja apreendido e pensado. Nesse sentido configura uma "redução" da diversidade e da complexidade histórica e cultural; um instrumento eficiente para o antropólogo que reconhece o problema da relação entre explicação da realidade e sua "imprevisibilidade", mas que se recusa a desistir da ideia de ciência como forma de organização do conhecimento.<hr/>The paper proposes a definition of ethnography in Rickert's terms: an anthropological narrative that is a "synthesis of reality", or rather a "concept of reality". Its function is to reduce the complexity of reality in order to allow it to be perceived and to be thought. In this sense, all ethnography is a "reduction"; an efficient tool for the anthropologist who recognizes the problem of the relationship between explanation and unpredictability of reality, but who refuses to give up the idea of science as a way of organizing knowledge. <![CDATA[<b>Antropologia e filosofia</b>: <b>estética e experiência em Clifford Geertz e Walter Benjamin</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-71832012000100009&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este artigo estuda as concepções de estética e experiência de Clifford Geertz e Walter Benjamin como possibilidades argumentativas e metodológicas para pensar a realidade e suas formas estéticas. Utiliza-se para isso as discussões metodológicas de Geertz, especialmente a respeito do lugar da estética e de sua relação com os demais âmbitos do humano, que encetaram uma nova forma de concebê-los para a etnografia e antropologia de modo geral, e os estudos de Benjamin a respeito da estética como expressão fisionômica de uma época, de determinada realidade, especialmente os que se referem sobre a modernidade. Constata-se essa possibilidade a partir da observação de que a estética e a experiência, nos autores, são tomadas como dimensões da realidade que se relacionam, não de modo mecânico, e sim como âmbitos que atravessam a realidade, os artefatos estéticos, os discursos, e esses assim devem ser observados.<hr/>This article study the conceptions of aesthetics and experience of Clifford Geertz and Walter Benjamin as argumentative and methodological possibilities for thinking reality and its aesthetic forms. Uses for this Geertz's methodological discussions, especially regarding the place of aesthetics and its relation to other spheres of the human, which has embarked on a new way of conceiving them to ethnography and anthropology in general, and studies Benjamin about the aesthetics and physiognomical expression of an era, a certain reality, especially those concerning about modernity. There is that possibility from the observation that the aesthetics and experience, in the authors, are taken as the dimensions of reality are related, not mechanically, but as areas that cross the reality, the aesthetic artifacts, the speeches, and so these must be observed. <![CDATA[<b><i>O quem das coisas</i></b>: <b>etnografia e feitiçaria em <i>Les mots, la mort, les sorts</i></b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-71832012000100010&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este artigo discorre sobre a relação entre a etnografia e a feitiçaria na obra Les mots, la mort, les sorts de Jeanne Favret-Saada. O seu objetivo inicial é apresentar os principais temas, e conceitos, propostos pela autora na descrição que faz da feitiçaria. Trata-se, nesse caso, de elaborar um comentário sobre o livro chamando a atenção para as inúmeras possibilidades que abre para uma "antropologia da feitiçaria". Destaco, entre muitas, o uso cuidadoso que a autora faz do que hoje chamaríamos de um "procedimento de equivalência" ou "princípio de simetria", a saber, do modo através do qual a etnografia e a feitiçaria, situadas em um mesmo "plano de imanência", descrevem-se mutuamente, dispondo-se em uma relação recíproca de transformação.<hr/>This article discusses the relationship between ethnography and witchcraft in Jeanne Favret-Saada's Les mots, la mort, les sorts (Deadly words). Its first aim is to present the main themes and concepts proposed by the author's description of witchcraft. As such, its purpose is to offer a commentary on the book by drawing attention to the various possibilities that it provides for an 'anthropology of witchcraft'. Among these, the article highlights the author's use of what we could call a 'procedure of equivalence' or 'principle of symmetry', namely the mode through which ethnography and witchcraft, when located on the same 'plane of immanence', can describe each other in a reciprocal relationship of transformation. <![CDATA[<b>O tempo dos inimigos</b>: <b>Reflexões</b><b> sobre uma antropologia da repressão no século XXI</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-71832012000100011&lng=en&nrm=iso&tlng=en Neste artigo pretendo indagar sobre uma "antropologia da repressão". Retomando antigas propostas do antropólogo francês Marc Augé, reflito sobre a pertinência de uma antropologia da repressão para o estudo de dimensões políticas e experienciais da vida social. Para tal, elaboro um itinerário conceptual da repressão do ponto de vista antropológico, para depois propor um exercício de demarcação sobre dois aspectos que lhe são (a priori) inerentes: a temporalidade e a dialética.<hr/>In this article I propose a discussion on an 'anthropology of repression'. Following previous proposals set forth by French anthropologist Marc Augé, I reflect upon the pertinence of repression for the study of political and experiential dimensions of social life. For this, I draw a conceptual itinerary of repression from an anthropological point of view, and then propose a discussion of two of its underlying problems: that of temporality and dialectics. <![CDATA[<b>La noción de imaginación en los estudios sociales de religión</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-71832012000100012&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este artículo analiza el poder heurístico de la noción de imaginación para el estudio de la religión. Desde una perspectiva crítica a la distinción durkheimiana entre creencias y prácticas, el trabajo destaca su importancia para comprender las relaciones entre ambas. Para ello, se explora la literatura que empleó esta herramienta conceptual en antropología y otras ciencias sociales. En segundo lugar, se muestra su asociación con lo imaginario y la imagen, así como su condición liminar y creativa para el cambio religioso. Finalmente, dos casos etnográficos ejemplifican el proceso de la imaginación en el campo de la cosmología y la experiencia religiosa.<hr/>This article analyzes the heuristic power of the notion of imagination for the study of religion. From a critical perspective of the Durkheimian distinction of beliefs and practices, the work highlights its importance for understanding the relationships between them. In doing so, literature that employed such a conceptual tool in anthropology and other social sciences is reviewed. Secondly, the association with the image and the imaginary, as well as its liminar and creative condition for the religious change is showed. Finally, two ethnographic cases exemplify the process of imagination in the field of cosmology and religious experience. <![CDATA[<b>Campos de <i>ajuda</i> e modos de pertencimento</b>: <b>um mapa moral da representação política em campanha eleitoral</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-71832012000100013&lng=en&nrm=iso&tlng=en Na busca de analisar práticas e percepções que se constroem em torno do voto e das escolhas de candidatos, o presente artigo contempla sentidos de pertencimento, reconhecimento e avaliações morais que emergem em uma situação de concorrência de candidatos à Câmara Municipal de Aquiraz (CE) durante o pleito eleitoral de 2008. Trata-se de registrar a existência de uma economia simbólica formada de práticas e percepções que influenciam a adesão a candidatos, construída mais no campo das dádivas que no âmbito do direito. A troca de dádiva e seus limites, os sentidos de pertencimento e reconhecimento e a lógica paradoxal do interesse versus desinteresse fornecem embasamentos teóricos relevantes para explicar a busca de adesão de candidaturas, os sentidos de representação política e as transações estabelecidas em torno do voto.<hr/>Seeking to analyze practices and perceptions that build up around the vote and choice of candidates, this paper considers ways of belonging, of recognition, and moral evaluations that emerge in a competitive setting of candidates running for the City Council of Aquiraz, Ceará, during the election campaign of 2008. This work consists of recording the existence of a symbolic economy made up of practice and perceptions which influence the support of candidates, more frequently built in the fields of gift rather than oriented by rights. The exchange of gifts and its limitations, the senses of belonging and recognition, and the paradoxical logic of interest versus disinterest provide relevant theoretical grounds to explain the pursuit of support for candidacies, the meanings of political representation and the transactions set around the vote. <![CDATA[<b>Nota introdutória</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-71832012000100014&lng=en&nrm=iso&tlng=en Na busca de analisar práticas e percepções que se constroem em torno do voto e das escolhas de candidatos, o presente artigo contempla sentidos de pertencimento, reconhecimento e avaliações morais que emergem em uma situação de concorrência de candidatos à Câmara Municipal de Aquiraz (CE) durante o pleito eleitoral de 2008. Trata-se de registrar a existência de uma economia simbólica formada de práticas e percepções que influenciam a adesão a candidatos, construída mais no campo das dádivas que no âmbito do direito. A troca de dádiva e seus limites, os sentidos de pertencimento e reconhecimento e a lógica paradoxal do interesse versus desinteresse fornecem embasamentos teóricos relevantes para explicar a busca de adesão de candidaturas, os sentidos de representação política e as transações estabelecidas em torno do voto.<hr/>Seeking to analyze practices and perceptions that build up around the vote and choice of candidates, this paper considers ways of belonging, of recognition, and moral evaluations that emerge in a competitive setting of candidates running for the City Council of Aquiraz, Ceará, during the election campaign of 2008. This work consists of recording the existence of a symbolic economy made up of practice and perceptions which influence the support of candidates, more frequently built in the fields of gift rather than oriented by rights. The exchange of gifts and its limitations, the senses of belonging and recognition, and the paradoxical logic of interest versus disinterest provide relevant theoretical grounds to explain the pursuit of support for candidacies, the meanings of political representation and the transactions set around the vote. <![CDATA[<b>"Os charruas vivem" nos Gaúchos</b>: <b>a vida social de uma pesquisa de "resgate" genético de uma etnia indígena extinta no Sul do Brasil</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-71832012000100015&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este artigo explora a articulação entre uma pesquisa de ancestralidade genética e a construção social de identidades étnicas no Rio Grande do Sul. Isso é feito através da análise da vida social de um projeto de pesquisa conduzido por pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Tal investigação estabeleceu a continuidade genética entre a população Gaúcha contemporânea e os presumidamente extintos Charrua, uma etnia indígena que vivia na região do Pampa do estado. Ao longo do desenvolvimento do projeto de pesquisa, a ideia de continuidade genética passou por diferentes configurações, a depender de contextos específicos, sendo afirmada com diferentes níveis de certeza. A presente análise enfoca as condições sociais e genéticas que possibilitaram o estabelecimento de tal continuidade, assim como a afirmação da especificidade genética dos Gaúchos. Finalmente, são explorados os impactos sociais dessa pesquisa, em particular as suas articulações com construções de uma identidade regional diferenciada.<hr/>This paper aims to explore the articulation between genetic ancestry research and social constructions of ethnic identity in the state of Rio Grande do Sul. It will do so by analysing the social life of a research project conducted at the UFRGS that established genetic continuity between the contemporary Gaúcho population and the assumedly extinct indigenous Charrua. In the course of time, this idea of genetic continuity has taken on different incarnations, within varying contexts, and affirmed with differing levels of certainty. This paper will focus on the social and genetic conditions that have enabled the establishment of such continuity, as well as the affirmation of the genetic distinctiveness of the Gaúchos. Finally, it will explore the social impacts of this research, in particular its articulation with constructions of a differentiated regional identity. <![CDATA[<b>Resposta ao trabalho de Kent e Santos: "'Os charruas vivem' nos Gaúchos</b>: <b>a vida social de uma pesquisa de 'resgate' genético de uma etnia indígena extinta no Sul do Brasil"</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-71832012000100016&lng=en&nrm=iso&tlng=en As atividades oriundas de ações humanas, incluindo pesquisas científicas, são estruturadas sob contextos individuais e coletivos. A artigo de Kent e Santos considera isso num cenário específico, mas ao descreverem tal fato eles também dão margem a ações interpretativas. O mais importante no trabalho dos autores é chamar a atenção para ciências emergentes de áreas biológicas, cujos resultados poderiam auxiliar não só no entendimento sobre a dinâmica envolvida no "fazer ciência", mas também no como as ações humanas podem estar longe de serem compreendidas dentro de um contexto cultural-reducionista. Desse modo, os autores introduzem mais elementos ao debate sobre a necessidade de persistirem, bem como a legitimidade de ainda existirem, as barreiras que separam a antropologia biológica, na qual a genética humana se identifica, e a antropologia sociocultural.<hr/>Human actions, including scientific research, are structured in individual and collective contexts. Kent and Santos's paper considered that in a particular scenario, but when they consider this fact they also give opportunity to interpretive actions. The most important is that the authors draw attention to emerging areas of the biological sciences, whose results could not only assist in understanding the dynamics involved in "doing science", but also as how human actions may be far from being understood only within a cultural-reductionist context. In this way, the authors introduce more elements to the debate on the need to persist, and the legitimacy of the barriers that separate biological anthropology, in which human genetics is inserted, and sociocultural anthropology. <![CDATA[<b>Genes, boleadeiras e abismos colossais</b>: <b>elementos para um diálogo entre genética e antropologia</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-71832012000100017&lng=en&nrm=iso&tlng=en As atividades oriundas de ações humanas, incluindo pesquisas científicas, são estruturadas sob contextos individuais e coletivos. A artigo de Kent e Santos considera isso num cenário específico, mas ao descreverem tal fato eles também dão margem a ações interpretativas. O mais importante no trabalho dos autores é chamar a atenção para ciências emergentes de áreas biológicas, cujos resultados poderiam auxiliar não só no entendimento sobre a dinâmica envolvida no "fazer ciência", mas também no como as ações humanas podem estar longe de serem compreendidas dentro de um contexto cultural-reducionista. Desse modo, os autores introduzem mais elementos ao debate sobre a necessidade de persistirem, bem como a legitimidade de ainda existirem, as barreiras que separam a antropologia biológica, na qual a genética humana se identifica, e a antropologia sociocultural.<hr/>Human actions, including scientific research, are structured in individual and collective contexts. Kent and Santos's paper considered that in a particular scenario, but when they consider this fact they also give opportunity to interpretive actions. The most important is that the authors draw attention to emerging areas of the biological sciences, whose results could not only assist in understanding the dynamics involved in "doing science", but also as how human actions may be far from being understood only within a cultural-reductionist context. In this way, the authors introduce more elements to the debate on the need to persist, and the legitimacy of the barriers that separate biological anthropology, in which human genetics is inserted, and sociocultural anthropology. <![CDATA[<b></b>Devires imagéticos: <b>a etnografia, o outro e suas imagens</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-71832012000100018&lng=en&nrm=iso&tlng=en As atividades oriundas de ações humanas, incluindo pesquisas científicas, são estruturadas sob contextos individuais e coletivos. A artigo de Kent e Santos considera isso num cenário específico, mas ao descreverem tal fato eles também dão margem a ações interpretativas. O mais importante no trabalho dos autores é chamar a atenção para ciências emergentes de áreas biológicas, cujos resultados poderiam auxiliar não só no entendimento sobre a dinâmica envolvida no "fazer ciência", mas também no como as ações humanas podem estar longe de serem compreendidas dentro de um contexto cultural-reducionista. Desse modo, os autores introduzem mais elementos ao debate sobre a necessidade de persistirem, bem como a legitimidade de ainda existirem, as barreiras que separam a antropologia biológica, na qual a genética humana se identifica, e a antropologia sociocultural.<hr/>Human actions, including scientific research, are structured in individual and collective contexts. Kent and Santos's paper considered that in a particular scenario, but when they consider this fact they also give opportunity to interpretive actions. The most important is that the authors draw attention to emerging areas of the biological sciences, whose results could not only assist in understanding the dynamics involved in "doing science", but also as how human actions may be far from being understood only within a cultural-reductionist context. In this way, the authors introduce more elements to the debate on the need to persist, and the legitimacy of the barriers that separate biological anthropology, in which human genetics is inserted, and sociocultural anthropology. <![CDATA[<b></b><i>La mondialisation des sciences sociales</i>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-71832012000100019&lng=en&nrm=iso&tlng=en As atividades oriundas de ações humanas, incluindo pesquisas científicas, são estruturadas sob contextos individuais e coletivos. A artigo de Kent e Santos considera isso num cenário específico, mas ao descreverem tal fato eles também dão margem a ações interpretativas. O mais importante no trabalho dos autores é chamar a atenção para ciências emergentes de áreas biológicas, cujos resultados poderiam auxiliar não só no entendimento sobre a dinâmica envolvida no "fazer ciência", mas também no como as ações humanas podem estar longe de serem compreendidas dentro de um contexto cultural-reducionista. Desse modo, os autores introduzem mais elementos ao debate sobre a necessidade de persistirem, bem como a legitimidade de ainda existirem, as barreiras que separam a antropologia biológica, na qual a genética humana se identifica, e a antropologia sociocultural.<hr/>Human actions, including scientific research, are structured in individual and collective contexts. Kent and Santos's paper considered that in a particular scenario, but when they consider this fact they also give opportunity to interpretive actions. The most important is that the authors draw attention to emerging areas of the biological sciences, whose results could not only assist in understanding the dynamics involved in "doing science", but also as how human actions may be far from being understood only within a cultural-reductionist context. In this way, the authors introduce more elements to the debate on the need to persist, and the legitimacy of the barriers that separate biological anthropology, in which human genetics is inserted, and sociocultural anthropology. <![CDATA[<b></b><b><i>Os yorubá do Novo Mundo</i></b>: <b>religião, etnicidade e nacionalismo negro nos Estados Unidos</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-71832012000100020&lng=en&nrm=iso&tlng=en As atividades oriundas de ações humanas, incluindo pesquisas científicas, são estruturadas sob contextos individuais e coletivos. A artigo de Kent e Santos considera isso num cenário específico, mas ao descreverem tal fato eles também dão margem a ações interpretativas. O mais importante no trabalho dos autores é chamar a atenção para ciências emergentes de áreas biológicas, cujos resultados poderiam auxiliar não só no entendimento sobre a dinâmica envolvida no "fazer ciência", mas também no como as ações humanas podem estar longe de serem compreendidas dentro de um contexto cultural-reducionista. Desse modo, os autores introduzem mais elementos ao debate sobre a necessidade de persistirem, bem como a legitimidade de ainda existirem, as barreiras que separam a antropologia biológica, na qual a genética humana se identifica, e a antropologia sociocultural.<hr/>Human actions, including scientific research, are structured in individual and collective contexts. Kent and Santos's paper considered that in a particular scenario, but when they consider this fact they also give opportunity to interpretive actions. The most important is that the authors draw attention to emerging areas of the biological sciences, whose results could not only assist in understanding the dynamics involved in "doing science", but also as how human actions may be far from being understood only within a cultural-reductionist context. In this way, the authors introduce more elements to the debate on the need to persist, and the legitimacy of the barriers that separate biological anthropology, in which human genetics is inserted, and sociocultural anthropology. <![CDATA[<b></b>Fé em Deus e pé na tábua: <b>ou como e por que o trânsito enlouquece no Brasil</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-71832012000100021&lng=en&nrm=iso&tlng=en As atividades oriundas de ações humanas, incluindo pesquisas científicas, são estruturadas sob contextos individuais e coletivos. A artigo de Kent e Santos considera isso num cenário específico, mas ao descreverem tal fato eles também dão margem a ações interpretativas. O mais importante no trabalho dos autores é chamar a atenção para ciências emergentes de áreas biológicas, cujos resultados poderiam auxiliar não só no entendimento sobre a dinâmica envolvida no "fazer ciência", mas também no como as ações humanas podem estar longe de serem compreendidas dentro de um contexto cultural-reducionista. Desse modo, os autores introduzem mais elementos ao debate sobre a necessidade de persistirem, bem como a legitimidade de ainda existirem, as barreiras que separam a antropologia biológica, na qual a genética humana se identifica, e a antropologia sociocultural.<hr/>Human actions, including scientific research, are structured in individual and collective contexts. Kent and Santos's paper considered that in a particular scenario, but when they consider this fact they also give opportunity to interpretive actions. The most important is that the authors draw attention to emerging areas of the biological sciences, whose results could not only assist in understanding the dynamics involved in "doing science", but also as how human actions may be far from being understood only within a cultural-reductionist context. In this way, the authors introduce more elements to the debate on the need to persist, and the legitimacy of the barriers that separate biological anthropology, in which human genetics is inserted, and sociocultural anthropology. <![CDATA[<b></b>Una alternativa alla laicità]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-71832012000100022&lng=en&nrm=iso&tlng=en As atividades oriundas de ações humanas, incluindo pesquisas científicas, são estruturadas sob contextos individuais e coletivos. A artigo de Kent e Santos considera isso num cenário específico, mas ao descreverem tal fato eles também dão margem a ações interpretativas. O mais importante no trabalho dos autores é chamar a atenção para ciências emergentes de áreas biológicas, cujos resultados poderiam auxiliar não só no entendimento sobre a dinâmica envolvida no "fazer ciência", mas também no como as ações humanas podem estar longe de serem compreendidas dentro de um contexto cultural-reducionista. Desse modo, os autores introduzem mais elementos ao debate sobre a necessidade de persistirem, bem como a legitimidade de ainda existirem, as barreiras que separam a antropologia biológica, na qual a genética humana se identifica, e a antropologia sociocultural.<hr/>Human actions, including scientific research, are structured in individual and collective contexts. Kent and Santos's paper considered that in a particular scenario, but when they consider this fact they also give opportunity to interpretive actions. The most important is that the authors draw attention to emerging areas of the biological sciences, whose results could not only assist in understanding the dynamics involved in "doing science", but also as how human actions may be far from being understood only within a cultural-reductionist context. In this way, the authors introduce more elements to the debate on the need to persist, and the legitimacy of the barriers that separate biological anthropology, in which human genetics is inserted, and sociocultural anthropology. <![CDATA[<b></b><b><i>Cosmologias políticas do neocolonialismo</i></b>: <b>como uma política pública pode se transformar em uma política do ressentimento</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-71832012000100023&lng=en&nrm=iso&tlng=en As atividades oriundas de ações humanas, incluindo pesquisas científicas, são estruturadas sob contextos individuais e coletivos. A artigo de Kent e Santos considera isso num cenário específico, mas ao descreverem tal fato eles também dão margem a ações interpretativas. O mais importante no trabalho dos autores é chamar a atenção para ciências emergentes de áreas biológicas, cujos resultados poderiam auxiliar não só no entendimento sobre a dinâmica envolvida no "fazer ciência", mas também no como as ações humanas podem estar longe de serem compreendidas dentro de um contexto cultural-reducionista. Desse modo, os autores introduzem mais elementos ao debate sobre a necessidade de persistirem, bem como a legitimidade de ainda existirem, as barreiras que separam a antropologia biológica, na qual a genética humana se identifica, e a antropologia sociocultural.<hr/>Human actions, including scientific research, are structured in individual and collective contexts. Kent and Santos's paper considered that in a particular scenario, but when they consider this fact they also give opportunity to interpretive actions. The most important is that the authors draw attention to emerging areas of the biological sciences, whose results could not only assist in understanding the dynamics involved in "doing science", but also as how human actions may be far from being understood only within a cultural-reductionist context. In this way, the authors introduce more elements to the debate on the need to persist, and the legitimacy of the barriers that separate biological anthropology, in which human genetics is inserted, and sociocultural anthropology. <![CDATA[<b></b>Cavalo de santo: <b>religiões afro-gaúchas</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-71832012000100024&lng=en&nrm=iso&tlng=en As atividades oriundas de ações humanas, incluindo pesquisas científicas, são estruturadas sob contextos individuais e coletivos. A artigo de Kent e Santos considera isso num cenário específico, mas ao descreverem tal fato eles também dão margem a ações interpretativas. O mais importante no trabalho dos autores é chamar a atenção para ciências emergentes de áreas biológicas, cujos resultados poderiam auxiliar não só no entendimento sobre a dinâmica envolvida no "fazer ciência", mas também no como as ações humanas podem estar longe de serem compreendidas dentro de um contexto cultural-reducionista. Desse modo, os autores introduzem mais elementos ao debate sobre a necessidade de persistirem, bem como a legitimidade de ainda existirem, as barreiras que separam a antropologia biológica, na qual a genética humana se identifica, e a antropologia sociocultural.<hr/>Human actions, including scientific research, are structured in individual and collective contexts. Kent and Santos's paper considered that in a particular scenario, but when they consider this fact they also give opportunity to interpretive actions. The most important is that the authors draw attention to emerging areas of the biological sciences, whose results could not only assist in understanding the dynamics involved in "doing science", but also as how human actions may be far from being understood only within a cultural-reductionist context. In this way, the authors introduce more elements to the debate on the need to persist, and the legitimacy of the barriers that separate biological anthropology, in which human genetics is inserted, and sociocultural anthropology.