Scielo RSS <![CDATA[Boletim do Instituto Oceanográfico]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=0373-552419950002&lang=en vol. 43 num. 2 lang. en <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[<b>Editorial</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0373-55241995000200001&lng=en&nrm=iso&tlng=en <![CDATA[<b>Mesoscale ocean variability signal recovered from altimeter data in the SW Atlantic Ocean</b>: <b>a comparison of orbit error correction in three Geosat data sets</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0373-55241995000200002&lng=en&nrm=iso&tlng=en Orbit error is one of the largest sources of uncertainty in studies of ocean dynamics using satellite altimeters. The sensitivity of GEOSAT mesoscale ocean variability estimates to altimeter orbit precision in the SW Atlantic is analyzed using three GEOSAT data sets derived from different orbit estimation methods: (a) the original GDR data set, which has the lowest orbit precision, (b) the GEM-T2 set, constructed from a much more precise orbital model, and (c) the Sirkes-Wunsch data set, derived from additional spectral analysis of the GEM-T2 data set. Differences among the data sets are investigated for two tracks in dynamically dissimilar regimes of the Southwestern Atlantic Ocean, by comparing: (a) distinctive features of the average power density spectra of the sea height residuals and (b) space-time diagrams of sea height residuals. The variability estimates produced by the three data sets are extremely similar in both regimes after removal of the time-dependent component of the orbit error using a quadratic fit. Our results indicate that altimeter orbit precision with appropriate processing plays only a minor role in studies of mesoscale ocean variability.<hr/>Erro orbital tem sido a principal fonte de incerteza no processamento de dados altimétricos. Recentes conjuntos de dados, baseados em modelos de predição orbital mais avançados c em novas metodologias de correção de erro, já foram capazes de reduzir o erro orbital de ate uma ordem de magnitude em comparação com os GDRs originais. Ncslc trabalho nós avaliamos os resultados dessas melhores eslimativas na descrição da variabilidade "meso- escalar" na parte sudoeste do oceano Atlântico Sul. Comparamos resultados obtidos cm tres conjuntos de dados: os GDRs originais c os conjuntos de dados GEM-T2 c Sirkes-Wunsch. Para garantir a "sensibilidade" das estimativas dc variabilidade mcso-cscalar quanto às mudanças na precisão orbital, utilizamos as mesmas "correções ambientais" c o mesmo método dc processamento de dados no tratamento dos três conjuntos dc dados. Para investigar as possíveis diferenças entre os valores de variabilidade meso-escalar produzidos pelos tres conjuntos dc dados utilizamos as características espectrais dos residuais de "amplitude do mar" obtidas antes c depois da remoção do erro orbital "dependente" do tempo. O fato da componente mcso-cscalar do espectro quase não ter sido afetada pela remoção do maior comprimento de onda do sinal (o que corresponde principalmente ao erro orbital) sugere que muito pouco do sinal meso-escalar foi realmente removido através deste processo. Um "pico" menor no espectro da "faixa" B confirma uma variabilidade oceânica local menor com respeito à faixa A. Uma análise mais profunda demonstra que, após a remoção do erro orbital, os residuais de amplitude do mar são incrivelmente similares entre os três conjuntos de dados para uma determinada faixa. Tal resultado sugere que a precisão orbital contribui apenas parcialmente para o estudo da variabilidade meso-escalar oceânica. Esta conclusão só é válida se o erro orbital dependente do tempo puder ser removido sem se remover simultaneamente uma porção excessiva do sinal meso-escalar. Nossos resultados sugerem que estudos de variabilidade mesoescalar não requerem dados dc órbita altimótrica extremamente precisos. Além disso, apesar deste trabalho só analisar dados do GEOSAT do oceano Atlântico Sul, acredita-se que tal resultado possa ser extrapolado para outras regiões do mar. Isto é devido às características espectrais do erro orbital dependente do tempo c à possibilidade de remoção deste erro sem remoção de grande parle do sinal meso-escalar oceânico. Estes resultados, contudo, não significam que não se deva tentar obter valores orbitais mais precisos. Pelo contrário, tal melhoramento pode ser capaz de levar à eliminação dc algumas das limitações atualmente existentes na utilização dc dados altimétricos. Por exemplo, estimativas dc órbita do GEOSAT mais precisas nos permitiriam estudar a variabilidade oceânica cm larga escala e, através de uma melhor compreensão do geoide, nos auxiliariam no estudo da circulação oceânica "meso e largoescalar" geral. <![CDATA[<b>Recent sedimentation n the coastal region of Ubatuba, state of São Paulo</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0373-55241995000200003&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este trabalho tem, como objetivo, o estabelecimento de um modelo de sedimentação para as enseadas semi-confinadas da região costeira de Ubatuba, Estado de São Paulo, a partir da identificação dos principais mecanismos de aporte e remobilização de sedimentos e da definição de sua variabilidade. A área de estudo compreende cinco enseadas: Ubatuba, Toninhas, Flamengo, Fortaleza e Mar Virado. A metodologia de trabalho consistiu de cinco séries de estações fixas de correntometria e termossalinometria e seis séries de perfis de termossalinometria, executadas a intervalos aproximados de 3 meses, além da coleta de 115 amostras de sedimentos superficiais. Os sedimentos foram analisados quanto a granulometria, teores de carbono e nitrogênio orgânicos e carbonato biodetrítico e quanto aos constituintes da fração grossa. Os resultados demonstraram a existência de condições dinâmicas para a remobilização de sedimentos arenosos finos, durante a passagem de sistemas frontais sobre a área, e para o transporte de material em suspensão durante todo o período investigado. Indicam, também, a existência de padrões de sedimentação próprios para cada enseada, levando a uma variabilidade espacial dos tipos sedimentológicos, como função das características fisiográficas e hidrodinámicas de cada unidade. É feita, também uma avaliação da importância das áreas continentais no aporte de sedimentos terrígenos e, particularmente, da matéria orgânica, para a área.<hr/>The present study investigates the modern sedimentation pattern in Ubatuba coastal region, State of São Paulo, through the identification of the main mechanisms of input and remobilization of sediments and through the definition of their temporal variations. The study area covers five bays: Ubatuba Bay, Toninhas Bay, Flamengo Bay, Fortaleza Bay and Mar Virado Bay. Results show the existence of dynamic conditions for remobilization of fine sandy sediments previously and during the passage of cold fronts over the area, and for the transport of suspended material during the entire period of the study. Sedimentation patterns unique to each bay, occurring as function of the physiographic and hydrodynamic characteristics of each bay are also identified. Besides sediment remobilization, input of terrigenous materials from the continental area is also evaluated. <![CDATA[<b>Nitrate reductase activity in the diatom<i> Biddulphia longicmris</i></b>: <b>characterization and daily oscillation</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0373-55241995000200004&lng=en&nrm=iso&tlng=en Nitrate reductase (NR) activity was studied in the marine diatom Biddulphia longicmris. During 24 hours of sampling, NR activity was found during day time and in the transition day-night. Nitrite anions, the product of nitrate reduction, was released by the cells at the times NR was active, and accumulated in the culture medium. Whenever the cultures of B. longicmris were submitted to nitrogen deprivation, NR activity could not be detected. In vitro determination of KM values for NR using nitrate or NADH were respectively 50//M and 80 /*M. Temperature and pH dependence of NR activity were also determined for this organism.<hr/>A atividade de nitrato redutase (NR) foi estudada na diatomácea marinha Biddulphia longicmris. A NR é a enzima responsável pelo processo de assimilação de nitrato. O nitrato é reduzido no interior da célula a nitrito pela ação da NR. Esta enzima é normalmente oligomérica e utiliza o NADH como substrato doador de elétrons. Em alguns organismos também são encontradas NRs capazes de utilizarem o NADPH como doador eletrônico para a redução do nitrato a nitrito. Para a diatomácea B. longicmris foram apresentadas evidências de que a sua NR é específica para NADH e que a redução de nitrato em presença de NADPH não acontece. Determinações in vitro dos valores das constantes de Michaelis-Menten (KM) usando nitrato e NADH como substratos, são respectivamente 50µ e 80µM. A temperatura ótima de reação enzimática e a sua dependência ao pH também foram estudadas. Cultivos de B. longicmris foram acompanhados por períodos de 24 horas e foi mostrado que a atividade de NR é encontrada em maiores níveis durante os períodos de transição de luz/escuro. Os anions nitrito, produtos da redução de nitrato, são eliminados pelas células nos períodos de maior atividade de NR e se acumulam no meio de cultura. Células submetidas à ausência de nitrato apresentam uma repressão da expressão de NR, sendo ativadas quando pulsos de nitrato são fornecidos a estas culturas. <![CDATA[<b>Routine metabolism and ammonia excretion of the Antarctic amphipod Waldeckia obesa in two different temperatures</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0373-55241995000200005&lng=en&nrm=iso&tlng=en Realizaram-se estimativas, a 0ºC e a 3ºC, do consumo médio e específico de oxigênio e da excreção média e específica de amónia de anfípodas antárticos da espécie Waldeckia obesa, coletados na Baía do Almirantado, Ilha Rei George, Antártica. Os experimentos foram realizados na Estação Antártica Brasileira "Comandante Ferraz" e no Laboratório de Ecologia Polar do Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo. Foram empregados animais entre 120 mg a 620 mg e entre 40 mg e 690 mg de peso úmido, nos experimentos a 0ºC e a 3ºC, respectivamente. Dentro dessas faixas de peso, o consumo médio de oxigênio, a 0ºC, variou de 2,22µl/h a 10,81µl/h e o específico de 0,011µl/mg/h a 0,018µl/mg/h. A 3ºC, o consumo médio de oxigênio variou de 1,83µl/h a 14,19µl/h e o específico de 0,033µl/mg/h a 0,022µl/mg/h. O Q10, calculado a partir das médias das classes, foi de 6,95. Por sua vez, a excreção média de amónia, a 0ºC, variou de 13,84 ng.at/h a 55,34 ng.at/h e a específica entre 0,090 ng.at/mg/h a 0,042 ng.at/mg/h. A 3ºC, a excreção média de amónia variou de 5,11 ng.at/h a 38,33 ng.at/h e a específica de 0,088 ng.at/mg/h a 0,059 ng.at/mg/h. A relação 0:N indica que uma mistura de proteínas e lipídios é utilizada como substrato para o catabolismo. A 3ºC, entretanto, há uma tendência a aumentar a contribuição dos lipídios nesse substrato. O consumo de oxigênio de Waldeckia obesa é bastante baixo estando de acordo com os valores encontrados, a 0ºC, por outros autores. Esses dados, juntamente com resultados recentes encontrados na literatura, indicam a fragilidade da hipótese de "adaptação metabólica ao frio", que supõe terem os animais marinhos ectotérmicos antárticos taxas metabólicas elevadas, como resposta adaptativa às baixas temperaturas. Os dados de consumo de oxigênio e excreção de amónia fornecem material básico para extrapolação a parâmetros populacionais, fornecendo subsídios para a avaliação do papel ecológico desses animais no ecossistema em que vivem.<hr/>Mean and specific oxygen consumption and ammonia excretion were measured at 0ºC and 3ºC, in the Antarctic amphipod Waldeckia obesa collected in Admiralty Bay, King George Island, Antarctica. Experiments were carried out at the Brazilian Antarctic Station "Comandante Ferraz" and at the Laboratory of Polar Ecology of the Oceanographic Institute of São Paulo University. Individuals ranging from 120 mg to 620 mg and from 40 mg to 690 mg were employed in experiments at 0ºC and 3ºC, respectively. Within this range of weight, mean oxygen consumption varied from 2.22µ1/h to 10.81µ1/h and specific consumption from 0.011µ 1/mg/h to 0.018µ 1/mg/h, at 0ºC. At 3ºC, mean oxygen consumption varied from 1.83 µ1/h to 14.9µi/h and specific consumption from 0.033µ1/mg/h to 0.022µ1/mg/h. Q10 value calculated from average oxygen consumption was 6.95. Mean ammonia excretion, at 0ºC, varied from 13.84 ng.at/h to 55.34 ng.at/h and specific excretion from 0.090 ng.at/mg/h to 0.042 ng.at/mg/h. At 3ºC, mean ammonia excretion varied from 5.11 ng.at/h to 38.33 ng.at/h and specific excretion from 0.088 ng.at/mg/h to 0.059 ng.at/mg/h. 0:N ratio indicates that a mixture of protein and lipids is utilized for catabolism. At 3ºC, however, there is a tendency to increase the lipid contribution for the substrate. Oxygen consumption of Waldeckia obesa at 0ºC is very low and is in accordance with the values reported by some other authors. These data and others recent results found in the literature indicate the fragility of the "metabolic cold adaptation" hypothesis, that assumes that marine Antarctic ectotherms have high metabolic rates, as an evolutive adaptation to low temperatures. Oxygen consumption and ammonia excretion data could be extrapolated to populational parameters giving support for the studies on the ecological role of these animals in their ecosystem. <![CDATA[<b>Comparative analysis of surf-zone fishes at São Paulo state, Brazil</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0373-55241995000200006&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este trabalho analisa a composição, a abundância relativa, os padrões temporais e os índices da estrutura das comunidades de peixes da zona de arrebentação das praias da Ilha Comprida, Santos e São Vicente, e Vermelha do Sul e Félix, litorais sul, central e norte, respectivamente, do Estado de São Paulo. No total foram capturadas 99 espécies de peixes, compreendendo 54.384 indivíduos coletados em 1.275 arrastos. Os maiores valores da abundância relativa, do número de espécies, de gêneros, de famílias e de táxons exclusivos foram obtidos no litoral central e os menores no litoral sul. A abundâcia relativa e os índices de diversidade apresentaram o mesmo padrão sazonal para as três áreas, com maiores valores no verão-outono (maiores valores das temperaturas da água e do ar e da precipitação, e menores valores da salinidade), e menores no inverno-primavera (menores valores das temperaturas da água e do ar e da precipitação, e maiores valores da salinidade). A similaridade faunal aumentou do nível de espécie à família, sendo menor entre o litoral central e o litoral norte e maior entre o litoral sul e o litoral central.<hr/>This study analyses the composition, relative abundance, seasonal patterns and community structure indices of surf-zone fishes at Ilha Comprida, Santos and São Vicente, and Vermelha do Sul and Félix, South, Central and North regions, respectively, of São Paulo State. A total of 54,384 individuals of 99 species was captured, the highest values of relative abundance, number of species, genera, families and exclusive taxa were observed at Central Region, and the lowest ones at South Region. The relative abundance and diversity indices showed the same pattern for all regions, with higher values in summer-fall (higher values of water and air temperature and rainfall and lower salinity), and lower ones in winter-spring (lower values of water and air temperature and rainfall, and higher salinity). Faunal similarity increased from species to family, being lower between Central and North and higher between South and Central regions. <![CDATA[<b>A study of circulation and mixing process in the southern par of the cananéia sea</b>: <b>december of 1991</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0373-55241995000200007&lng=en&nrm=iso&tlng=en Foram analisados dados de correntes e de propriedades hidrográficas amostradas durante três ciclos completos de maré, em dezembro de 1991. O máximo valor da componente longitudinal da velocidade da corrente variou, para as condições de enchente e de vazante, de 50 a -100 cm/s com esses extremos precedendo de 1,0 a 1,5 horas a ocorrência dos instantes de maré alta e baixa, respectivamente. A componente transversal de velocidade mostrou que a circulação secundária predominava na direção leste com núcleos de máxima de até 30 cm/s em profundidades médias, enquanto que no sentido oposto (para oeste) essa componente apresentou valores máximos próximos a -10 cm/s na camada de superfície. A variabilidade da salinidade indicou uma quase homogeneidade vertical e durante a enchente o seu máximo (34,5-35,0 %o) precede a maré alta com uma defasagem de 1,0-2,0 horas. Entretanto, durante a vazante, a maré baixa precede o mínimo de salinidade (29,5-30,5 %o) com defasagens entre 2 e 3 horas. Não obstante a região estudada ser parte de um complexo sistema estuarino de planície costeira, o extremo sul do Mar de Cananéia foi classificado, de acordo com o Diagrama Estratificação-circulação, como parcialmente misturado e fracamente estratificado (Tipo 2a). O movimento resultante reverte a 2,5 m de profundidade e quase 100% do fluxo de sal estuário acima é devido a difusão turbulenta.<hr/>Current and hydrographic properties sampled during three tidal cycles in December, 1991, were analysed. The highest values of the along channel velocity for the flood and ebb varied from 50 cm/s to -100 cm/s, respectively, and these values lead the high and low water occurrence with a time lag of 1.0-1.5 hours. The secondary circulation (cross channel component) predominates towards east with speeds in midwater depths up to 30 cm/s. Towards the west the secondary circulation was observed only in the upper layer with maxima speeds close to -10 cm/s. Salinity variability indicates little vertical stratification and during the flood its highest value (34.5-35.0%o) lags high waters at time intervals of 1.0-2.0 hours. However, during the ebb flow the low water leads the salinity minima (29.5-30.5%o) at time intervals between 2 and 3 hours. Although the studied region is part of a complex coastal plain estuary, the southern region of the Cananéia Sea was classified according to the Stratification-circulation Diagram, as partially mixed and weakly stratified (Type 2a). Its net motion reverses at 2.5 m depth and almost 100% of the upstream salt flux is due to turbulent diffusion. <![CDATA[<b>Ackonowledgments</b><b> to referees</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0373-55241995000200008&lng=en&nrm=iso&tlng=en Foram analisados dados de correntes e de propriedades hidrográficas amostradas durante três ciclos completos de maré, em dezembro de 1991. O máximo valor da componente longitudinal da velocidade da corrente variou, para as condições de enchente e de vazante, de 50 a -100 cm/s com esses extremos precedendo de 1,0 a 1,5 horas a ocorrência dos instantes de maré alta e baixa, respectivamente. A componente transversal de velocidade mostrou que a circulação secundária predominava na direção leste com núcleos de máxima de até 30 cm/s em profundidades médias, enquanto que no sentido oposto (para oeste) essa componente apresentou valores máximos próximos a -10 cm/s na camada de superfície. A variabilidade da salinidade indicou uma quase homogeneidade vertical e durante a enchente o seu máximo (34,5-35,0 %o) precede a maré alta com uma defasagem de 1,0-2,0 horas. Entretanto, durante a vazante, a maré baixa precede o mínimo de salinidade (29,5-30,5 %o) com defasagens entre 2 e 3 horas. Não obstante a região estudada ser parte de um complexo sistema estuarino de planície costeira, o extremo sul do Mar de Cananéia foi classificado, de acordo com o Diagrama Estratificação-circulação, como parcialmente misturado e fracamente estratificado (Tipo 2a). O movimento resultante reverte a 2,5 m de profundidade e quase 100% do fluxo de sal estuário acima é devido a difusão turbulenta.<hr/>Current and hydrographic properties sampled during three tidal cycles in December, 1991, were analysed. The highest values of the along channel velocity for the flood and ebb varied from 50 cm/s to -100 cm/s, respectively, and these values lead the high and low water occurrence with a time lag of 1.0-1.5 hours. The secondary circulation (cross channel component) predominates towards east with speeds in midwater depths up to 30 cm/s. Towards the west the secondary circulation was observed only in the upper layer with maxima speeds close to -10 cm/s. Salinity variability indicates little vertical stratification and during the flood its highest value (34.5-35.0%o) lags high waters at time intervals of 1.0-2.0 hours. However, during the ebb flow the low water leads the salinity minima (29.5-30.5%o) at time intervals between 2 and 3 hours. Although the studied region is part of a complex coastal plain estuary, the southern region of the Cananéia Sea was classified according to the Stratification-circulation Diagram, as partially mixed and weakly stratified (Type 2a). Its net motion reverses at 2.5 m depth and almost 100% of the upstream salt flux is due to turbulent diffusion.