Scielo RSS <![CDATA[Revista Brasileira de Educação Especial]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=1413-653820130001&lang=pt vol. 19 num. 1 lang. pt <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[<b>Editorial</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-65382013000100001&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt <![CDATA[<b>Maus-tratos em crianças e adolescentes com deficiência e/ou perturbações do desenvolvimento</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-65382013000100002&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt A presente investigação tem como principal objetivo analisar as características da associação entre deficiência e/ou perturbações do desenvolvimento e maus-tratos na população infanto-juvenil portuguesa, e destacar as respectivas implicações no domínio da educação especial. A amostra é constituída por 198 crianças e adolescentes com deficiência e/ou perturbações do desenvolvimento, que foram vítimas de maus-tratos. A informação foi recolhida através de um questionário, elaborado para este fim, e respondido por psicólogos e assistentes sociais. Em termos dos resultados obtidos, verificou-se que o maltrato misto (associação entre duas ou mais formas de maltrato) foi o mais comum, seguindo-se a negligência. Os agentes de maltrato mais frequentes foram os progenitores. A detecção dos maus-tratos foi efetuada, em regra, na etapa pré-escolar, sendo as suas principais fontes as instituições/serviços que já acompanhavam a família. Foi também detectada uma elevada percentagem de problemas de saúde física e mental, de dependências e de dificuldades de inserção social nos pais destas crianças/adolescentes. A quase generalidade das crianças e famílias beneficiou de alguma intervenção após a sinalização dos maus-tratos. No que respeita a conclusões, e uma vez que os maus-tratos tendem a ocorrer cedo e em famílias com múltiplos fatores de risco, apontam-se estratégias de intervenção familiar e sublinha-se a importância que os programas de intervenção precoce podem revestir. Também se indica o papel que os professores podem desempenhar na detecção dos maus-tratos e realça-se a relevância e a composição dos programas direcionados para o ensino de estratégias de proteção e autodefesa.<hr/>This study analyses characteristics of the association between disability and/or developmental disorders and abuse among Portuguese children and youth. It also underscores the consequences of this association for special education. The sample consists of 198 children and adolescents with disabilities and/or developmental disorders that were abused. The data was collected using a checklist designed specifically for this study, completed by psychologists and social workers. The results showed that the most frequent type of abuse was a combination of two or more types of maltreatment, followed by neglect. The most frequent perpetrators were the parents, who were also the children's main caretakers. Abuse was identified early, usually at age 4, and mainly by institutions or services that were already following the families. A high percentage of physical and mental health problems, substance abuse and social inclusion difficulties in the parents of these children and adolescents was also observed. After identification of abuse, almost all of these children and families benefitted from some kind of intervention. In conclusion, since abuse usually occurs early and in families with multiple risk factors, we indicate the need for family intervention strategies and highlight the importance of early childhood intervention programs. The role that teachers play in screening abuse is also pointed out, as well as the relevance of setting up programs directed towards the acquisition of self-protection skills. <![CDATA[<b>Efeitos da comunicação alternativa na interação professor-aluno com paralisia cerebral não-falante</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-65382013000100003&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt A fala tem sido vista como modalidade comunicativa socialmente exigida para a construção de relações em diferentes contextos e culturas. Entretanto, essa nem sempre é o recurso mais disponível principalmente para aqueles que apresentam alterações no seu desenvolvimento. Nesse sentido, os recursos e estratégias de Comunicação Alternativa são utilizados como ferramentas úteis para que o aluno com deficiência não-falante possa alcançar maior participação social nos diversos ambientes. Por isso, a presente pesquisa analisou a interação professor-aluno com paralisia cerebral antes e após o uso de estratégias e recursos de comunicação alternativa em sala de aula comum. Realizou-se estudo de caráter quanti-qualitativo, do tipo estudo de caso com pesquisa-intervenção. Foram realizadas quatro etapas principais: 1) filmagens antes da introdução desses recursos em sala de aula; 2) capacitação dos professores na escola e; 3) assessoria técnica ao professor para o uso da comunicação alternativa e; 4) filmagens dos episódios interativos com o uso dessas tecnologias. As interações foram transcritas e agrupadas em elos. Nessa pesquisa, um elo compreendeu o comportamento do iniciador dirigido ao interlocutor e a resposta sequencial deste ao iniciador. Verificou-se que as interações estabelecidas apresentavam no máximo quatro elos, com maior frequência para episódios de 1º e 2º elos. Após a intervenção, observou-se cenário diferenciado com a presença de interações de até 6º elo, com freqüência maior para episódios de 1º, 2º e 3º elos. Além disso, a professora manifestou tendência para utilizar os símbolos apenas como ferramenta de avaliação e ensino de conceitos, percepção essa que se transformou a medida que essa se apropriava das tecnologias de comunicação alternativa.<hr/>Speech has been regarded as a social communicative modality required for building relationships in different contexts and cultures. Nevertheless, this is not always a readily available resource, especially for those who have developmental disorders. In this sense, Augmentative and Alternative Communication resources and strategies have been used by nonspeaking students with disabilities as useful tools to achieve greater social participation in different environments. Therefore, the present study examined the interaction between teachers and a student with cerebral palsy before and after the use of Alternative Communication strategies in the classroom. The study had a quantitative and qualitative nature and was designed as an intervention study. There were four main stages: 1) filming before the introduction of the resources in the classroom, 2) training the school teachers 3) providing technical assistance regarding the use of alternative communication to the child's teacher 4) filming teacher-student interactions using these technological resources. The interactions were transcribed and grouped into links. In this research, a link means the initiator's behavior directed to the exchange partner and the response in sequence from the interlocutor back to the initiator. It was found that the established interactions presented a maximum of four links, with greater frequency for episodes of 1st and 2nd links. After the intervention, there were different contexts with the presence of interactions up to the 6th link, often greater frequency for episodes of 1st, 2nd and 3rd links. In addition, the teacher showed a tendency to use symbols only as a tool for evaluating and teaching concepts. This perception changed as the teacher became familiarized with the Augmentative and Alternative Communication technology resources. <![CDATA[<b>Atendimento educacional especializado para alunos com surdocegueira</b>: <b>um estudo de caso no espaço da escola regular</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-65382013000100004&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt This article examines and discusses the different forms of Specialized Educational Support offered to students with deafblindness, in Basic Education, in regular schools of the city of Salvador, Bahia, pointing out significant aspects, highlighted the barriers and opportunities to meet the special needs of these students . This work is part of a doctorate research in education and has a qualitative approach, the case study, taking as sample, four deafblind students, three of them are in elementary school, and one in a high school. The instrument for colect the information was an interview with the professionals and the data were organized using three categories: the dynamics of the Specialized Educational Support, the action of the professional development in the Specialized Educational Support and the connection between the Specialized Educational Support and the special needs of students with deafblindness. The results indicated: the absence of a planned action, leading an improvisations and fragmentation of the Specialized Educational Support; isolation of professionals. This situation originates in pedagogical actions disjointed between the regular classroom teachers and specialists; ignore the special educational needs of students with deafblindness with consequent invisibility of these students in school. <![CDATA[<b>Processos de escolarização de pessoas com deficiência visual</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-65382013000100005&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt No Brasil há singulares processos sobre o acesso à escolarização da pessoa com deficiência. Mesmo com políticas específicas e legislações definidas para a área nos últimos anos, estados e municípios se organizaram de diferentes formas e com distintas propostas educacionais para os alunos com deficiência. Com base nesse contexto, o objetivo dessa pesquisa foi descrever e analisar as trajetórias e expectativas de vida escolar de pessoas com deficiência visual, que frequentaram um curso comunitário preparatório para o vestibular e almejavam ingressar no ensino superior. Especificamente neste texto, o foco selecionado foi a trajetória escolar do aluno com deficiência visual, da educação infantil até o final do ensino fundamental. Participaram do estudo quatro pessoas com deficiência visual que concluiram o ensino médio, fizeram o curso comunitário preparatório para o vestibular em 2011 e almejavam ingressar no ensino superior. Optou-se, neste artigo, por trabalhar com a história de vida dos sujeitos pesquisados, pois a compreendemos como síntese do tempo histórico e lugar social. Um dos pontos discutidos neste estudo se refere às consequências das mudanças políticas da educação especial na história de vida escolar desses alunos, principalmente em relação à sala de recursos e sala comum. Relatos sobre a falta de preparo das escolas e professores para possibilitar o aprendizado dos conteúdos escolares se cruzam com memórias de professores e funcionários que buscaram suas próprias estratégias para ensinar esses alunos na década de 1990.<hr/>In Brazil, the processes by means of which people with disabilities access schooling are quite unique. Despite the specific policies and legislation that has been enacted in the field in recent years, states and municipalities have structured service delivery in different ways, setting up distinct educational proposals for students with disabilities. Based on this context, the aim of this study was to describe and analyze the trajectories and expectations of school experience for students with visual impairment, who attended a community course to prepare for university level exams, because they aspired to admission to higher education. Specifically in this text, the focus that was selected was the school career of students with visual impairments from early childhood through the end of middle school. The participants were four persons with visual disabilities who had concluded high school, attended community preparatory course for the college entrance exams in 2011 and planned to enter university. Understanding that we were addressing a synthesis of historical time and social place of the research subjects, we chose the life history approach. One of the issues discussed in this article relates to the consequences of policy changes in special education for the educational experience of this school, especially as regards the relationship between resource classes and regular classrooms. Reports about how unprepared schools and teachers are regarding enabling learning of educational content coincide with the memories of teachers and other school employees who have attempted to encounter their own strategies for teaching these students in the 1990s. <![CDATA[<b>Ensino de fatos aritméticos para escolares com deficiência intelectual</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-65382013000100006&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt este estudo identificou os procedimentos de contagem usados por crianças com deficiência intelectual e verificou os efeitos de um programa de intervenção direcionado ao ensino de fatos aritméticos. Participaram três crianças, entre oito e 12 anos, de uma escola da rede municipal de ensino de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, que atende fundamentalmente às classes socioeconômicas baixas. A partir da revisão de literatura sobre os processos cognitivos envolvidos na resolução de problemas aditivos e as implicações para o seu ensino, avaliou-se a eficácia de um modelo de intervenção pedagógica como um recurso para o avanço no uso dos procedimentos de contagem. Foi aplicado um programa em 10 encontros, realizados uma vez por semana, com duração de aproximadamente cinquenta minutos cada. A proposta caracterizou-se pelo ensino direto, explícito e sistemático, através de sequências de instrução, partindo dos procedimentos de contagem usados pelos estudantes, que foram avaliados em dois momentos (pré-teste e pós-teste). Verificou-se que houve um avanço nos procedimentos de contagem utilizados pelas crianças após a intervenção, revelando que o programa foi eficaz. Mesmo intervenções de curta duração, como é o caso desta, podem trazer benefícios importantes para as crianças com deficiência intelectual, benefícios estes que serão a base de seus conhecimentos posteriores.<hr/>The objective of this study was to identify procedures used for counting by children with intellectual disabilities and to analyze the effects of an intervention program focused on teaching arithmetic facts. Participants were three children between eight and 12 years from a public school in Porto Alegre, Rio Grande do Sul, whose students come mainly from low socioeconomic families. Based on the review of the literature on the cognitive processes involved in the solution of addition problems and the implications for teaching, we evaluated the efficacy of an educational intervention model as a resource for advancing the use of counting procedures. A ten-meeting program was implemented. These meetings were held once a week and lasted approximately fifty minutes. The proposal consisted of direct, explicit, and systematic teaching by means of instruction sequences, based on the counting procedures used by the students, who were evaluated at two different times (pretest and post test). We found that there was improvement in the counting procedures used by the children after the intervention, revealing that the program was effective. Even brief interventions, such as the present study, can bring important benefits for children with intellectual disability. Such benefits will be the basis of their future knowledge. <![CDATA[<b>Inclusão escolar do aluno com deficiência física</b>: <b>visão dos professores acerca da colaboração do fisioterapeuta</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-65382013000100007&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt O paradigma da inclusão escolar aponta para a necessidade de uma reestruturação organizacional das instituições de ensino regular. Para tanto, faz-se necessário uma rede de apoio e cooperação entre os setores da educação, saúde e assistência social. Nesse sentido, o presente trabalho busca investigar o que os professores do ensino comum pensam a respeito da colaboração do fisioterapeuta nesse processo. Trata-se de uma pesquisa de abordagem qualitativa utilizando-se de um estudo exploratório, cujos dados foram coletados a partir de um questionário aplicado a 22 professores de três escolas selecionadas de forma aleatória e analisados com base em categorias. Todos os professores reconhecem a importância da participação dos profissionais de saúde colaborando para a inclusão escolar dos alunos com deficiência, e, se tratando do fisioterapeuta, todos, com exceção de um dos professores, afirmam que o mesmo pode ajudar na inclusão dos alunos com deficiência física. O atendimento fisioterapêutico contribui para a inclusão escolar na medida em que são realizadas orientações e trocas de informações entre os professores e os fisioterapeutas. Entretanto, essa colaboração seria mais efetiva se houvesse um espaço permanente de debate, reflexão e troca de experiência entre profissionais, trabalhando juntos na escola.<hr/>The school inclusion paradigm points to the need for organizational restructuring of regular educational institutions. Therefore, a network of support and cooperation is necessary among the sectors of education, health and social care. This paper investigates what regular school teachers think about the collaboration of physiotherapists in this process. This is a qualitative study using an exploratory approach; data was collected using a questionnaire administered to 22 teachers from three randomly selected schools and analyzed according to categories. All teachers recognized the importance of health professionals participation to enable the inclusion of students with disabilities, and in the case of physiotherapists, all but one of the teachers stated this helps the inclusion of students with physical disabilities. With the sharing of information between teachers and therapists, and as orientation is carried out, physiotherapy can contribute to school inclusion, however, cooperation would be more effective if there were permanent conditions for debate, reflection and experience exchange among professionals working together in schools. <![CDATA[<b>O brincar de uma criança autista sob a ótica da perspectiva histórico-cultural</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-65382013000100008&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt perspectivas tradicionais acreditam que dentre as características do autismo infantil está a incapacidade ou grande dificuldade destas crianças desenvolverem atividades de brincar. No entanto, assumindo a perspectiva histórico-cultural de desenvolvimento humano - que compreende os sujeitos enquanto seres sociais, constituídos culturalmente, na e pela linguagem - esta afirmação deixa de ser sustentável, uma vez que brincar é uma atividade constituída socialmente. Considerando isto, este estudo tem como objetivo analisar as peculiaridades do brincar de uma criança com autismo infantil, imersa em ricas experiências com outras crianças, com brinquedos e com brincadeiras. A coleta de dados ocorreu a partir de gravações em vídeo de sessões de terapia fonoaudiológica com um grupo de quatro crianças autistas. O enfoque será para as brincadeiras de uma delas, S1 de quatro anos. As gravações foram transcritas e as análises dos dados regidas pela perspectiva da análise microgenética. Os dados mostram que é possível para a criança autista, quando vivenciando interações sociais favoráveis, desenvolver o brincar, os processos imaginativos e as sequencias de ações observadas no grupo social e no uso cultural dos brinquedos. Conclui-se que é fundamental a intervenção do terapeuta durante o processo de interação, atribuindo significações às ações da criança, proporcionando a ela a possibilidade de constituir-se como um ser cultural e de interagir com o outro e, dessa forma, construir as bases para as internalizações que daí decorrerão. Observa-se também que as experiências vivenciadas fora da instituição possibilitam oportunidades de brincar e desenvolver-se durante as brincadeiras, mesmo que de forma mais lenta e específica.<hr/>Traditional perspectives consider that among the characteristics of autism is the inability or great difficulty these children have for engaging in play activities. However, assuming the historical-cultural perspective of human development - which conceives of subjects as social beings, culturally constituted in and through language - this statement is no longer sustainable, since play is a socially constituted activity. From this standpoint, this study aimed to analyze the peculiarities of play in a child with autism, immersed in rich experiences with other children, with toys and games. Data collection was carried out using video recordings of speech therapy sessions with a group of four autistic children. The focus was on one child's play activities (S1, four years). The recordings were transcribed and data was analyzed based on the microgenetic analysis perspective. The data showed that when autistic children experience positive social interactions, it is possible to develop play, imaginative processes and sequences of actions such as those observed in the group's social and cultural use of toys. We conclude that therapist intervention is critical during the interaction process, assigning meanings to the child's actions, enabling the possibility of constitution of cultural being and of interacting with others. This process helps build the basis for internalizations derived from playing with others. As observed, experiences outside the institution provided opportunities to play and develop during the process, albeit more slowly and more specifically. <![CDATA[<b>Avaliação de periódicos científicos</b>: <b>Revista Brasileira de Educação Especial</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-65382013000100009&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt A Revista Brasileira de Educação Especial foi criada em 1992 e tem sido constantemente avaliada, internamente, por pesquisadores da Associação Brasileira de Pesquisadores em Educação Especial, e, externamente, pela Capes e Anped, sendo que a avaliação Capes indicou um Qualis A2. O objetivo deste artigo é discutir essas avaliações para que se possa melhorar ainda mais a qualidade da revista. A avaliação proposta incidiu em parâmetros qualitativos, apresentados pela avaliação da Anped, e estatísticos, disponíveis pelo SciELO. O resultado dessa análise é que a Revista Brasileira de Educação Especial apresenta parâmetros semelhantes, e algumas vezes superiores, às revistas qualificadas em A1. A discussão sobre a melhoria da qualidade da revista indicou: 1) necessidade de recebimento de artigos via internet, por meio de plataforma própria; 2) designação de editores adjuntos ou coeditores de modo a garantir o fluxo de avaliação dos manuscritos recebidos; 3) investimento na infraestrutura, como compra de computadores e softwares para melhorar a editoração da revista.<hr/>The Brazilian Journal of Special Education was first published in 1992 and has been continuously evaluated internally by scholars of the Brazilian Association of Researchers in Special Education, and externally, by Capes and ANPEd. The last evaluation made by Capes indicated a Qualis A2 for the Brazilian Journal of Special Education. The aim of this article is to discuss these evaluations in order to improve the quality of the journal. The proposed evaluation focused on qualitative parameters presented by the Anped assessment, and statistical parameters available by SciELO. The result of this analysis is that the Brazilian Journal of Special Education has similar parameters to journals qualified as A1, and sometimes even higher than those. Discussion of quality improvement of the journal indicated: 1) the need to receive articles via internet through its peer review system; 2) assignment of coeditors to ensure the evaluation flow of submitted manuscripts; 3) investment in infrastructure, such as purchase of computers and software to improve editing and publishing. <![CDATA[<b>A revista educação especial/UFSM</b>: <b>divulgação do conhecimento produzido na área, desafios e possibilidades</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-65382013000100010&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt A Revista Brasileira de Educação Especial foi criada em 1992 e tem sido constantemente avaliada, internamente, por pesquisadores da Associação Brasileira de Pesquisadores em Educação Especial, e, externamente, pela Capes e Anped, sendo que a avaliação Capes indicou um Qualis A2. O objetivo deste artigo é discutir essas avaliações para que se possa melhorar ainda mais a qualidade da revista. A avaliação proposta incidiu em parâmetros qualitativos, apresentados pela avaliação da Anped, e estatísticos, disponíveis pelo SciELO. O resultado dessa análise é que a Revista Brasileira de Educação Especial apresenta parâmetros semelhantes, e algumas vezes superiores, às revistas qualificadas em A1. A discussão sobre a melhoria da qualidade da revista indicou: 1) necessidade de recebimento de artigos via internet, por meio de plataforma própria; 2) designação de editores adjuntos ou coeditores de modo a garantir o fluxo de avaliação dos manuscritos recebidos; 3) investimento na infraestrutura, como compra de computadores e softwares para melhorar a editoração da revista.<hr/>The Brazilian Journal of Special Education was first published in 1992 and has been continuously evaluated internally by scholars of the Brazilian Association of Researchers in Special Education, and externally, by Capes and ANPEd. The last evaluation made by Capes indicated a Qualis A2 for the Brazilian Journal of Special Education. The aim of this article is to discuss these evaluations in order to improve the quality of the journal. The proposed evaluation focused on qualitative parameters presented by the Anped assessment, and statistical parameters available by SciELO. The result of this analysis is that the Brazilian Journal of Special Education has similar parameters to journals qualified as A1, and sometimes even higher than those. Discussion of quality improvement of the journal indicated: 1) the need to receive articles via internet through its peer review system; 2) assignment of coeditors to ensure the evaluation flow of submitted manuscripts; 3) investment in infrastructure, such as purchase of computers and software to improve editing and publishing. <![CDATA[<b>Considerações sobre a apreciação dos manuscritos da área de educação especial submetidos à revista Paidéia</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-65382013000100011&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt A Revista Brasileira de Educação Especial foi criada em 1992 e tem sido constantemente avaliada, internamente, por pesquisadores da Associação Brasileira de Pesquisadores em Educação Especial, e, externamente, pela Capes e Anped, sendo que a avaliação Capes indicou um Qualis A2. O objetivo deste artigo é discutir essas avaliações para que se possa melhorar ainda mais a qualidade da revista. A avaliação proposta incidiu em parâmetros qualitativos, apresentados pela avaliação da Anped, e estatísticos, disponíveis pelo SciELO. O resultado dessa análise é que a Revista Brasileira de Educação Especial apresenta parâmetros semelhantes, e algumas vezes superiores, às revistas qualificadas em A1. A discussão sobre a melhoria da qualidade da revista indicou: 1) necessidade de recebimento de artigos via internet, por meio de plataforma própria; 2) designação de editores adjuntos ou coeditores de modo a garantir o fluxo de avaliação dos manuscritos recebidos; 3) investimento na infraestrutura, como compra de computadores e softwares para melhorar a editoração da revista.<hr/>The Brazilian Journal of Special Education was first published in 1992 and has been continuously evaluated internally by scholars of the Brazilian Association of Researchers in Special Education, and externally, by Capes and ANPEd. The last evaluation made by Capes indicated a Qualis A2 for the Brazilian Journal of Special Education. The aim of this article is to discuss these evaluations in order to improve the quality of the journal. The proposed evaluation focused on qualitative parameters presented by the Anped assessment, and statistical parameters available by SciELO. The result of this analysis is that the Brazilian Journal of Special Education has similar parameters to journals qualified as A1, and sometimes even higher than those. Discussion of quality improvement of the journal indicated: 1) the need to receive articles via internet through its peer review system; 2) assignment of coeditors to ensure the evaluation flow of submitted manuscripts; 3) investment in infrastructure, such as purchase of computers and software to improve editing and publishing.