Scielo RSS <![CDATA[Caderno de Estudos]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=1413-925119980001&lang=en vol. num. 17 lang. en <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[<b>A classificação da contabilidade dentre os ramos do conhecimento humano</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-92511998000100001&lng=en&nrm=iso&tlng=en Embora a Contabilidade, mesmo que de forma não sistemática, já exista a mais de 10.000 anos, ainda não existe unanimidade sobre sua natureza. Para alguns, ela classifica-se como arte; para outros, como técnica ou, ainda, como ciência. Neste artigo, foram analisados os argumentos a favor e contra estas classificações, concluindo-se pelo posicionamento da Contabilidade como uma disciplina de natureza científica enquadrando-se como uma ciência factual, social, considerando que o fator social é preponderante na atividade contábil. Este posicionamento foi fundamentado em uma análise lacônica dos substantivos arte e técnica, objetivando a refutação destes como classificatório para a Contabilidade; e em um estudo mais aprofundado do substantivo ciência, visando o enquadramento da Contabilidade dentro do campo científico. <![CDATA[<b>Uma mensuração de lucro centrada em evidenciar a acréscimo de valor no ativo líquido</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-92511998000100002&lng=en&nrm=iso&tlng=en A partir da década de trinta, a "Demonstração de Resultado" conquista a supremacia sobre o Balanço Patrimonial" e o lucro líquido passa a ser o foco central das demonstrações contábeis. A despeito da importância conquistada, o lucro contábil é constantemente criticado, sendo muitas vezes sugerida a sua substituição por outra medida da atividade econômica. O objetivo deste artigo foi discutir as deficiências existentes no conceito contábil de mensuração de lucro que evidencie acréscimos de valor e não represente, apenas o resíduo do processo de confrontação entre receitas realizadas e custos incorridos. Retomou-se, assim, a discussão ocorrida nos -anos sessenta sobre os conceitos de lucro contábil e lucro econômico, abordando-se, principalmente, os posicionamentos de David Solomons e Emily Chen Chang. No artigo, foi apresentada uma análise sobre a forma atual de mensuração do lucro,segundo os "princípios contábeis geralmente aceitos"propõe-se, ademais, a utilização da abordagem de acréscimo de valor para a mensuração do lucro, apoiada na Teoria Contábil centrada na mensuração ótima de valores ao contrário de enfatizar custos e, como conseqüência, aponta-se a necessidade de revisão de alguns dos princípios contábeis. <![CDATA[<b>True and fair view</b>: <b>um entrave ou um impulso para a contabilidade?</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-92511998000100003&lng=en&nrm=iso&tlng=en Pretendeu-se, após apontar os aspectos históricos e contábeis referentes ao conceito inglês true and fair view - visitando, quando necessário, outras áreas do conhecimento como Ética, Direito e Filosofia que podem ter exercido influência no conceito contábil - discutir a supremacia deste conceito sobre os Princípios Contábeis Geralmente Aceitos. Concluí-se com uma sugestão que, certamente, demandaria um estudo mais profundo, no sentido de que, se os Princípios Contábeis Geralmente Aceitos podem ser considerados um sistema normativo, como procurou-se demonstrar ao longo do trabalho, então, a true and fair view, por suas características, poderia ser considerada sua causa, o que, provavelmente, tornaria a Contabilidade mais ágil para acompanhar a rapidez das mudanças e cumprir assim seu objetivo mais adequadamente. <![CDATA[<b>Um plano de marketing para a contabilidade</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-92511998000100004&lng=en&nrm=iso&tlng=en O público em geral tem acompanhado a recente evolução da Contabilidade? Qual a imagem que esta tem perante o público? De acordo com pesquisa realizada na FEA/USP, há uma certa distância entre o que o público em geral conhece das funções e atributos de um contador e sua atual realidade. Existe ainda uma forte imagem do Contador envolvido com as funções tradicionais de um escritório contábil. Entretanto, a Contabilidade tem demonstrado grandes avanços em diversos campos de especialização, tais como a Gerencial, a Internacional e a Estratégica, entre outros. Este artigo procurou explorar a hipótese de que está ocorrendo um problema de posicionamento "marca" Contabilidade na mente das pessoas, tratando o assunto através de ferramentas de Marketing. <![CDATA[<b>Enfoque sistêmico na administração de investimentos</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-92511998000100005&lng=en&nrm=iso&tlng=en O artigo propôs-se a mostrar o funcionamento de sistema de gestão de investimentos, a partir de um enfoque sistêmico, de modo a permitir dimensionar o grau de risco e eficiência do sistema, contrariamente à avaliação do produto final. Também, apresentou um modelo de sistema visando a sua eficiência. Como resultado, ficaram transparentes as atividades dos seus principais agentes -investidores e instituições financeiras-, um objetivo que as autoridades regulatórias sempre perseguem ao editar as normas. A globalização dos mercados financeiros apresenta um potencial de riscos difícil de quantificar, tanto pelo investidor quanto pelo próprio mercado receptor de investimentos. O enfoque sistêmico, na administração de investimentos, permite que pelo menos esses riscos fiquem transparentes. <![CDATA[<b>Preços de transferência</b>: <b>comentários à Lei nº. 9.430/96</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-92511998000100006&lng=en&nrm=iso&tlng=en O artigo considerou algumas características da Lei nº 9.430/96, primeiramente examinando algumas questões relativas à aplicação do Princípios Arm`s Lenght e, na seqüência, apresentou os métodos utilizados para determinar o preço de transferência, no Brasil. A seguir foi feita uma comparação com os métodos todos da OECD e EUA, em particular para as transações com produtos e mercadorias. Também foram consideradas, as dificuldades de algumas empresas sujeitas à legislação.