Scielo RSS <![CDATA[Ambiente & Sociedade]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=1414-753X20000001&lang=en vol. num. 6-7 lang. en <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[<B>Time of sustainability</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-753X2000000100001&lng=en&nrm=iso&tlng=en El desarrollo sustentable, como todo desarrollo, se despliega en el tiempo. Mas este proceso no ocurre en los tiempos de la evolución biológica y del progreso económico. No es el tiempo cronológico en el que se suceden inercias y se enlazan las tendencias de la realidad existente. La sustentabilidad es la marca del límite de la racionalidad unidimensional de la modernidad, de una crisis de civilización que abre nuevos horizontes y evoca otros sentidos del tiempo. En la sustentabilidad convergen los tiempos multifacéticos de diversos procesos materiales y simbólicos -geológicos, biológicos, económicos, tecnológicos, culturales- y se enlazan las diferentes racionalidades que configuran la complejidad ambiental. Los tiempos de la sustentabilidad se forjan en formas del ser que se proyectan del pasado hacia el futuro arraigando en nuevas identidades. En esa perspectiva se esboza una visión fenomenológica de inspiración heideggeriana sobre los tiempos de sustentabilidad.<hr/>Sustainable development, like any deveolopment, happens in time. But this process does not occur in the time of biological evolution or economic growth. It is not within cronological time that inercies happen and tendencies of existing reality take place. Sustentability is in the edge of the modern unidimensional rationality, of a civilization in crisis which opens new horizons and evokes different senses of time. Sustainability contains different times of diverse material and symbolic processes -geological, biological, economic, technological, cultural- and gathers different rationalities which shape environmental complexity. Sustainability times are forged by forms that are projected from the past to the future, resulting in new identities. This perspective inspires a heideggerian phenomenologic view on the times of sustainability. <![CDATA[<B>Political-institutional sustainability indicators</B>: <B>making and settling public demands</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-753X2000000100002&lng=en&nrm=iso&tlng=en O trabalho analisa a internalização de indicadores político-institucionais de sustentabilidade nas políticas públicas em oito cidades de médio e grande porte do sul e sudeste do Brasil, através da análise da formulação e implementação de políticas públicas com características socioambientais. As cidades escolhidas como estudos de casos continham em suas agendas políticas locais propostas relativas à questão ambiental . São elas: São Paulo, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Curitiba, Vitória, Joinville e Uberlândia.<hr/>This paper analyses the internalization of political-institutional sustainability indicators in the public policies of eight large and medium-sized cities in Southern and Southeastern Brazil. This is done through the analysis of formulation and implementation of public policies with socio-environmental characteristics. The eight cities -São Paulo, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Joinville, Vitória and Uberlândia- were chosen on the basis of containing proposals regarding environmental issues in their local political agendas. <![CDATA[<B>Transnational campaigns for the Amazon</B>: <B>NGO strategies, trade and official responses</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-753X2000000100003&lng=en&nrm=iso&tlng=en The campaign against the illegal mahogany trade from the Amazon has increased the need for special working links between NGOs based in Brazil and those located in the Northern hemisphere, particularly Britain, since the UK is regarded as one of the major importers of that particular timber. The article discusses the origins, development and different strategies of the mahogany campaign -the major transnational campaign for the Amazon rainforest in the 1990s- as well as the reactions from the timber trade and the Brazilian government. Considering the interface of social justice and forest issues, the analysis presents the ways in which the Amazon is understood and projected into the global sphere, and how such a global perspective -currently dominated by efforts towards timber certification through the Forest Stewardship Council (FSC)- may render a more complex local reality invisible.<hr/>A campanha contra o comércio de mogno extraído ilegalmente da Amazônia tem acentuado a necessidade de um trabalho conjunto entre ONGs brasileiras e aquelas situadas no hemisfério Norte, sobretudo as britânicas, uma vez que o Reino Unido é considerado um dos maiores importadores dessa madeira. O artigo discute as origens, o desenvolvimento e as diferentes estratégias empregadas na campanha do mogno -principal campanha transnacional pela floresta amazônica nos anos 90- assim como as reações por parte do comércio madereiro e do governo brasileiro. Considerando as interfaces entre justiça social e os temas florestais, a análise apresenta as diferentes formas em que a Amazônia é compreendida e projetada no espaço global, sublinhando como tais perspectivas globais -hoje concentradas nos esforços para a certificação florestal através do Conselho de Manejo Florestal (FSC)- acabam por tornar invisível uma realidade local mais complexa. <![CDATA[<B>Sociability and the construction of identities among anthropocentric and ecocentric associations</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-753X2000000100004&lng=en&nrm=iso&tlng=en Até que ponto as associações ambientalistas que emergiram no seio da sociedade civil a partir dos anos 50 são portadoras do projeto da modernidade? Em que medida são elas não só o resultado da modernidade mas também catalisadoras de seus principais valores? O presente artigo se coloca como tarefa investigar a relação de afinidade entre organizações civis ambientalistas e modernidade. Para tal, analisa algumas das dimensões centrais que constituem a modernidade além das diferentes maneiras a partir das quais o movimento ambientalista internalisa o mundo natural na construção de suas identidades e na proposição de sociabilidades que venham a pautar as relações dos homens entre si e deles com a natureza.<hr/>To what extent are the environmental associations that emerged from the 50s on the bearers of the so-called "modernity project"? Are they only a consequence of modernity itself or also "propelling elements" of modernity's main values? This paper investigates the possible relationships between environmental civil organizations and modernity. It stresses the dimensions that constitute modernity, and tackles the particular ways in which the environmental movement internalizes nature when building up its specific identities, as well as when proposing social references for the relationship of men and relationships between humankind and the natural world. <![CDATA[<B>Perceptions on Amazon turtles consumption</B>: <B>sustainability and alternatives to present management</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-753X2000000100005&lng=en&nrm=iso&tlng=en Quelônios têm uma longa história de uso na Amazônia. Nos dias atuais são consumidos, ainda que ilegalmente, por populações urbanas e rurais. Mas há pouca discussão sobre essa questão. Uma pesquisa de opinião e sobre hábitos de consumo de quelônios na Amazônia nos leva à discussão sobre como as pessoas percebem o problema, as alternativas para uma situação anômala e preocupante e as perspectivas para se atingir a sustentabilidade.<hr/>Turtles have been historically used in the Amazon. Nowadays they are consumed, although illegally, by urban and rural populations, but the question is not usually on target. A poll and a research on consumption habits lead us to discuss how the people perceive the problem, the alternatives to such anomalous and concerning situation, and the perspectives to reach sustainability. <![CDATA[<B>System Thinking</B>: <B>a proper approach to understand the environment</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-753X2000000100006&lng=en&nrm=iso&tlng=en Os sistemas ecológicos são muito mais complexos e difíceis de entender que os sistemas tecnológicos. Consequentemente, se nós estivermos interessados em produzir uma reestruturação radical nestes sistemas, necessária para resolver os problemas mais dramáticos do mundo atual, deveremos fazê-lo de forma diferente para que possamos alcançar um melhor entendimento desses problemas. Este artigo mostra como a metodologia do Raciocínio Sistêmico pode ser utilizada como uma componente fundamental para atingir esse entendimento e mostra as características essenciais que fazem deste enfoque algo diferente de todos os outros métodos. Com este propósito, o artigo oferece um conjunto básico de métodos e idéias visando ao entendimento do ambiente desde um ponto de vista sistêmico.<hr/>Ecological systems are far more complex and harder to understand than tecnological systems. If we want a radical system restructure, necessary to solve the world&acute;s most dramatic problems, we must think differently in order to obtain a better understanding of these issues. This paper will address how the System Thinking method can be used as a major tool to achieve this goal. It highlights the difference of this approach providing some basic ideas and methods to understand the enviroment from a systemic point of view. <![CDATA[<B>From center to periphery </B>: <B>environment and daily life in the city of São Paulo</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-753X2000000100007&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este artigo apresenta resultados de pesquisa que aborda a percepção dos moradores sobre os problemas ambientais, a forma de resolução e os agentes envolvidos. Os problemas ambientais urbanos são pesquisados no nível domiciliar através da percepção que os moradores têm de suas qualidade e condições de vida. Para apresentar as diferenças nas percepções, nas atitudes e nas condições sócio-ambientais do município, foram escolhidas três regiões que representam os estratos de alta, média e baixa renda que residem nas regiões central, intermediária e periférica. Os resultados da pesquisa mostram que, apesar das conhecidas diferenças entre áreas centrais e periféricas, os moradores revelam uma grande dependência da ação governamental. As diferenças na ênfase dada aos problemas entre as três regiões mostram que enquanto os mais excluídos privilegiam o aspecto quantitativo -garantia do acesso ao serviço- os moradores dos bairros centrais e intermediários privilegiam uma perspectiva global do serviço -limpeza dos rios, fontes de água e reservatórios de água. Os resultados reforçam as já bem conhecidas diferenças e desigualdades entre as áreas centrais, intermediárias e periféricas da cidade, sendo que neste complexo contexto urbano, a realidade sócio-ambiental de uma grande parte da população está caracterizada pelas dimensões da exclusão, dos problemas, do risco, da falta de informação e dos canais de participação.<hr/>This paper reviews the differences in household perceptions of what constitutes environmental problems, what should be done about them, and who should take action. Built on a household survey undertaken in the city of São Paulo, the paper presents the environmental conditions in three selected areas: one central, one intermediate, and one peripheral. People's responses to improve the environment are then compared. In the lower peripheral area, the main concern relates to the lack of service in general, and the major solution would consequently be to expand public investments. The intermediate and central areas are less affected by poor infrastructure; however, they suffer more from air pollution. This is overwhelming in terms of priority in government action. In spite of the differences between central and peripheral regions relating to access to services, both express a very strong dependency on government action. <![CDATA[<B>Sustainable communities</B>: <B>the potential for eco-neighbourhoods</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-753X2000000100008&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este artigo apresenta resultados de pesquisa que aborda a percepção dos moradores sobre os problemas ambientais, a forma de resolução e os agentes envolvidos. Os problemas ambientais urbanos são pesquisados no nível domiciliar através da percepção que os moradores têm de suas qualidade e condições de vida. Para apresentar as diferenças nas percepções, nas atitudes e nas condições sócio-ambientais do município, foram escolhidas três regiões que representam os estratos de alta, média e baixa renda que residem nas regiões central, intermediária e periférica. Os resultados da pesquisa mostram que, apesar das conhecidas diferenças entre áreas centrais e periféricas, os moradores revelam uma grande dependência da ação governamental. As diferenças na ênfase dada aos problemas entre as três regiões mostram que enquanto os mais excluídos privilegiam o aspecto quantitativo -garantia do acesso ao serviço- os moradores dos bairros centrais e intermediários privilegiam uma perspectiva global do serviço -limpeza dos rios, fontes de água e reservatórios de água. Os resultados reforçam as já bem conhecidas diferenças e desigualdades entre as áreas centrais, intermediárias e periféricas da cidade, sendo que neste complexo contexto urbano, a realidade sócio-ambiental de uma grande parte da população está caracterizada pelas dimensões da exclusão, dos problemas, do risco, da falta de informação e dos canais de participação.<hr/>This paper reviews the differences in household perceptions of what constitutes environmental problems, what should be done about them, and who should take action. Built on a household survey undertaken in the city of São Paulo, the paper presents the environmental conditions in three selected areas: one central, one intermediate, and one peripheral. People's responses to improve the environment are then compared. In the lower peripheral area, the main concern relates to the lack of service in general, and the major solution would consequently be to expand public investments. The intermediate and central areas are less affected by poor infrastructure; however, they suffer more from air pollution. This is overwhelming in terms of priority in government action. In spite of the differences between central and peripheral regions relating to access to services, both express a very strong dependency on government action. <![CDATA[<B>Los límites del desarollo sustentable</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-753X2000000100009&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este artigo apresenta resultados de pesquisa que aborda a percepção dos moradores sobre os problemas ambientais, a forma de resolução e os agentes envolvidos. Os problemas ambientais urbanos são pesquisados no nível domiciliar através da percepção que os moradores têm de suas qualidade e condições de vida. Para apresentar as diferenças nas percepções, nas atitudes e nas condições sócio-ambientais do município, foram escolhidas três regiões que representam os estratos de alta, média e baixa renda que residem nas regiões central, intermediária e periférica. Os resultados da pesquisa mostram que, apesar das conhecidas diferenças entre áreas centrais e periféricas, os moradores revelam uma grande dependência da ação governamental. As diferenças na ênfase dada aos problemas entre as três regiões mostram que enquanto os mais excluídos privilegiam o aspecto quantitativo -garantia do acesso ao serviço- os moradores dos bairros centrais e intermediários privilegiam uma perspectiva global do serviço -limpeza dos rios, fontes de água e reservatórios de água. Os resultados reforçam as já bem conhecidas diferenças e desigualdades entre as áreas centrais, intermediárias e periféricas da cidade, sendo que neste complexo contexto urbano, a realidade sócio-ambiental de uma grande parte da população está caracterizada pelas dimensões da exclusão, dos problemas, do risco, da falta de informação e dos canais de participação.<hr/>This paper reviews the differences in household perceptions of what constitutes environmental problems, what should be done about them, and who should take action. Built on a household survey undertaken in the city of São Paulo, the paper presents the environmental conditions in three selected areas: one central, one intermediate, and one peripheral. People's responses to improve the environment are then compared. In the lower peripheral area, the main concern relates to the lack of service in general, and the major solution would consequently be to expand public investments. The intermediate and central areas are less affected by poor infrastructure; however, they suffer more from air pollution. This is overwhelming in terms of priority in government action. In spite of the differences between central and peripheral regions relating to access to services, both express a very strong dependency on government action. <![CDATA[<B>Ecologia, capital e cultura</B>: <B>racionalidade ambiental, democracia participativa e desenvolvimento sustentáve</B><b>l</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-753X2000000100010&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este artigo apresenta resultados de pesquisa que aborda a percepção dos moradores sobre os problemas ambientais, a forma de resolução e os agentes envolvidos. Os problemas ambientais urbanos são pesquisados no nível domiciliar através da percepção que os moradores têm de suas qualidade e condições de vida. Para apresentar as diferenças nas percepções, nas atitudes e nas condições sócio-ambientais do município, foram escolhidas três regiões que representam os estratos de alta, média e baixa renda que residem nas regiões central, intermediária e periférica. Os resultados da pesquisa mostram que, apesar das conhecidas diferenças entre áreas centrais e periféricas, os moradores revelam uma grande dependência da ação governamental. As diferenças na ênfase dada aos problemas entre as três regiões mostram que enquanto os mais excluídos privilegiam o aspecto quantitativo -garantia do acesso ao serviço- os moradores dos bairros centrais e intermediários privilegiam uma perspectiva global do serviço -limpeza dos rios, fontes de água e reservatórios de água. Os resultados reforçam as já bem conhecidas diferenças e desigualdades entre as áreas centrais, intermediárias e periféricas da cidade, sendo que neste complexo contexto urbano, a realidade sócio-ambiental de uma grande parte da população está caracterizada pelas dimensões da exclusão, dos problemas, do risco, da falta de informação e dos canais de participação.<hr/>This paper reviews the differences in household perceptions of what constitutes environmental problems, what should be done about them, and who should take action. Built on a household survey undertaken in the city of São Paulo, the paper presents the environmental conditions in three selected areas: one central, one intermediate, and one peripheral. People's responses to improve the environment are then compared. In the lower peripheral area, the main concern relates to the lack of service in general, and the major solution would consequently be to expand public investments. The intermediate and central areas are less affected by poor infrastructure; however, they suffer more from air pollution. This is overwhelming in terms of priority in government action. In spite of the differences between central and peripheral regions relating to access to services, both express a very strong dependency on government action. <![CDATA[<B>A técnica e os riscos da modernidade</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-753X2000000100011&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este artigo apresenta resultados de pesquisa que aborda a percepção dos moradores sobre os problemas ambientais, a forma de resolução e os agentes envolvidos. Os problemas ambientais urbanos são pesquisados no nível domiciliar através da percepção que os moradores têm de suas qualidade e condições de vida. Para apresentar as diferenças nas percepções, nas atitudes e nas condições sócio-ambientais do município, foram escolhidas três regiões que representam os estratos de alta, média e baixa renda que residem nas regiões central, intermediária e periférica. Os resultados da pesquisa mostram que, apesar das conhecidas diferenças entre áreas centrais e periféricas, os moradores revelam uma grande dependência da ação governamental. As diferenças na ênfase dada aos problemas entre as três regiões mostram que enquanto os mais excluídos privilegiam o aspecto quantitativo -garantia do acesso ao serviço- os moradores dos bairros centrais e intermediários privilegiam uma perspectiva global do serviço -limpeza dos rios, fontes de água e reservatórios de água. Os resultados reforçam as já bem conhecidas diferenças e desigualdades entre as áreas centrais, intermediárias e periféricas da cidade, sendo que neste complexo contexto urbano, a realidade sócio-ambiental de uma grande parte da população está caracterizada pelas dimensões da exclusão, dos problemas, do risco, da falta de informação e dos canais de participação.<hr/>This paper reviews the differences in household perceptions of what constitutes environmental problems, what should be done about them, and who should take action. Built on a household survey undertaken in the city of São Paulo, the paper presents the environmental conditions in three selected areas: one central, one intermediate, and one peripheral. People's responses to improve the environment are then compared. In the lower peripheral area, the main concern relates to the lack of service in general, and the major solution would consequently be to expand public investments. The intermediate and central areas are less affected by poor infrastructure; however, they suffer more from air pollution. This is overwhelming in terms of priority in government action. In spite of the differences between central and peripheral regions relating to access to services, both express a very strong dependency on government action. <![CDATA[<B>As origens da crise energética brasileira</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-753X2000000100012&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este artigo apresenta resultados de pesquisa que aborda a percepção dos moradores sobre os problemas ambientais, a forma de resolução e os agentes envolvidos. Os problemas ambientais urbanos são pesquisados no nível domiciliar através da percepção que os moradores têm de suas qualidade e condições de vida. Para apresentar as diferenças nas percepções, nas atitudes e nas condições sócio-ambientais do município, foram escolhidas três regiões que representam os estratos de alta, média e baixa renda que residem nas regiões central, intermediária e periférica. Os resultados da pesquisa mostram que, apesar das conhecidas diferenças entre áreas centrais e periféricas, os moradores revelam uma grande dependência da ação governamental. As diferenças na ênfase dada aos problemas entre as três regiões mostram que enquanto os mais excluídos privilegiam o aspecto quantitativo -garantia do acesso ao serviço- os moradores dos bairros centrais e intermediários privilegiam uma perspectiva global do serviço -limpeza dos rios, fontes de água e reservatórios de água. Os resultados reforçam as já bem conhecidas diferenças e desigualdades entre as áreas centrais, intermediárias e periféricas da cidade, sendo que neste complexo contexto urbano, a realidade sócio-ambiental de uma grande parte da população está caracterizada pelas dimensões da exclusão, dos problemas, do risco, da falta de informação e dos canais de participação.<hr/>This paper reviews the differences in household perceptions of what constitutes environmental problems, what should be done about them, and who should take action. Built on a household survey undertaken in the city of São Paulo, the paper presents the environmental conditions in three selected areas: one central, one intermediate, and one peripheral. People's responses to improve the environment are then compared. In the lower peripheral area, the main concern relates to the lack of service in general, and the major solution would consequently be to expand public investments. The intermediate and central areas are less affected by poor infrastructure; however, they suffer more from air pollution. This is overwhelming in terms of priority in government action. In spite of the differences between central and peripheral regions relating to access to services, both express a very strong dependency on government action. <![CDATA[<B>O ensino de temas sócio-ambientais nas universidades brasileiras</B>: <B>uma amostra comentada de programas de disciplinas</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-753X2000000100013&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este artigo apresenta resultados de pesquisa que aborda a percepção dos moradores sobre os problemas ambientais, a forma de resolução e os agentes envolvidos. Os problemas ambientais urbanos são pesquisados no nível domiciliar através da percepção que os moradores têm de suas qualidade e condições de vida. Para apresentar as diferenças nas percepções, nas atitudes e nas condições sócio-ambientais do município, foram escolhidas três regiões que representam os estratos de alta, média e baixa renda que residem nas regiões central, intermediária e periférica. Os resultados da pesquisa mostram que, apesar das conhecidas diferenças entre áreas centrais e periféricas, os moradores revelam uma grande dependência da ação governamental. As diferenças na ênfase dada aos problemas entre as três regiões mostram que enquanto os mais excluídos privilegiam o aspecto quantitativo -garantia do acesso ao serviço- os moradores dos bairros centrais e intermediários privilegiam uma perspectiva global do serviço -limpeza dos rios, fontes de água e reservatórios de água. Os resultados reforçam as já bem conhecidas diferenças e desigualdades entre as áreas centrais, intermediárias e periféricas da cidade, sendo que neste complexo contexto urbano, a realidade sócio-ambiental de uma grande parte da população está caracterizada pelas dimensões da exclusão, dos problemas, do risco, da falta de informação e dos canais de participação.<hr/>This paper reviews the differences in household perceptions of what constitutes environmental problems, what should be done about them, and who should take action. Built on a household survey undertaken in the city of São Paulo, the paper presents the environmental conditions in three selected areas: one central, one intermediate, and one peripheral. People's responses to improve the environment are then compared. In the lower peripheral area, the main concern relates to the lack of service in general, and the major solution would consequently be to expand public investments. The intermediate and central areas are less affected by poor infrastructure; however, they suffer more from air pollution. This is overwhelming in terms of priority in government action. In spite of the differences between central and peripheral regions relating to access to services, both express a very strong dependency on government action.