Scielo RSS <![CDATA[Revista de Administração Contemporânea]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=1415-655520150007&lang=es vol. 19 num. SPE lang. es <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[Editorial]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-65552015000700001&lng=es&nrm=iso&tlng=es <![CDATA[Internationalization and Corporate Cash Holdings: Evidence from Brazil and Mexico]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-65552015000700002&lng=es&nrm=iso&tlng=es This research expands on previous studies of cash holdings and their determinants by studying the relationship between the degree of internationalization and the level of corporate cash holdings. We used a sample of non-financial, publicly traded companies from Brazil and Mexico for the period from 2006 to 2010. Our results suggest that the degree of internationalization is a determinant of cash, and that cash holding increases quadratically as the degree of company internationalization grows. Such behavior was different from the North American company studies in Chiang and Wang (2011). Similar to previous studies, both Trade-off and Pecking Order predictions are relevant control variables in our model. Finally, companies held less cash on their balance sheets during the pre-crisis period.<hr/>Estendemos estudos anteriores a respeito do nível de caixa e seus determinantes de modo a analisar a relação entre o grau de internacionalização e o nível de caixa das empresas. Diferente das empresas domésticas, as empresas internacionalizadas possuem mais oportunidades de investimento e enfrentam mais adversidades em seus negócios. Utilizamos, para tanto, uma amostra de empresas de capital aberto não financeiras do Brasil e do México para o período de 2006 a 2010. Regressões em painel com efeitos fixos foram aplicadas. Nossos resultados sugerem que o grau de internacionalização é um determinante de caixa e que o nível de caixa aumenta de forma quadrática à medida que o grau de internacionalização da empresa aumenta. Esse comportamento é diferente daquele de empresas norte-americanas, estudadas por Chiang e Wang (2011). Assim como a estudos anteriores, tanto previsões de Trade-Off quanto Pecking Order são relevantes como variáveis de controle em nosso modelo. Por fim, observou-se que, no período antecedente à crise, as empresas seguraram menos caixa em seus balanços. <![CDATA[Capital Structure Rebalancing: Industry Leverage and Financial Slack]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-65552015000700003&lng=es&nrm=iso&tlng=es We assume a model in which a firm's indebtedness is strongly influenced by a fund's supply side because creditors and investors (users of CAPM and market multiples) assess their exposure and risk level at relative bases (similar companies). This behavior induces firms' capital structure targets towards the industry debt median, so managers can just manage capital structure around this value (financial slack). We investigated the role of financial slack, assessed as a measure of relative indebtedness, and industry debt in capital structure rebalancing. We used an initial sample of 32,309 US firm-year observations to estimate the industry median of 64 industries and a subsample of 5,380 observations in 58 industries used to construct a balanced panel for a period of 20 years. The results of the dynamic panel for book leverage indicate that a company's indebtedness tends to follow industry indebtedness, but tends to reverse its trend in a period of two years. Reversion rate is associated with financial slack, i.e., companies farthest from the median debt in an industry converge faster.<hr/>Admitindo-se um modelo em que o endividamento das empresas é fortemente influenciado pelo lado da oferta de recursos pelo fato de os credores e investidores (usuários do CAPM e de múltiplos de mercado) avaliarem sua exposição e nível de risco em bases relativas (empresas similares). Esse comportamento induz a estrutura de capital-alvo das empresas ao endividamento mediano do setor, restando aos gestores apenas gerenciar sua estrutura de capital em torno desse valor (folga financeira). Como objetivo, investigou-se o papel da folga financeira, avaliada como uma medida de endividamento relativo, e do endividamento setorial sobre o rebalanceamento da estrutura de capital das empresas. Para tanto, utilizou-se uma amostra inicial de empresas americanas com 32.309 observações-ano para estimar as medianas setoriais de 64 setores e uma subamostra de 5.380 observações, representando ainda 58 setores, para a construção de um painel balanceado por um período de 20 anos. Os resultados do painel dinâmico para o endividamento contábil indicam que o endividamento da empresa tende a acompanhar o endividamento setorial, porém tendem a reverter sua tendência em um período de dois anos. A velocidade de reversão está associada à folga financeira, ou seja, empresas mais distantes do endividamento mediano do seu setor convergem mais rapidamente. <![CDATA[Relevance of Country Risk Premium in Cost of Equity Estimation]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-65552015000700004&lng=es&nrm=iso&tlng=es A prática comum nos procedimentos de avaliação de empresas e na fixação de taxas de retorno por agências regulatórias é usar o capital asset pricing model (CAPM) com a adição de um prêmio por risco Brasil. O presente trabalho documenta essa prática nos laudos de avaliação de empresas para fins de oferta pública de aquisição (OPA), disponíveis no site da Comissão de Valores Mobiliários, e utiliza o método de regressão linear múltipla com retornos mensais de 204 empresas com ações negociadas na BM&amp;FBovespa, cobrindo o período de janeiro de 2009 a dezembro de 2013. A análise conclui que em apenas 17 títulos, o prêmio por risco Brasil não está completamente refletido no comportamento do Ibovespa. Assim, caso seja usado o índice de mercado local para a finalidade de estimação do custo de capital próprio de uma empresa, é redundante e incorreto acrescentar o prêmio por risco Brasil. O trabalho conclui com um exemplo de aplicação do enfoque usual e do enfoque resultante desta constatação a uma empresa real, e aponta que pode haver um erro de precificação correspondente a aproximadamente 17%.<hr/>A common practice in business valuation and the determination of fair rates of return by regulatory agencies is to use the capital asset pricing model (CAPM) with the ad hoc addition of a country risk premium. The present paper documents this practice in the valuation reports required in public acquisition offers available on the CVM (Brazilian Securities and Exchange Commission) website. Multiple linear regression is used with monthly returns for stock shares of 204 firms listed on the BM&amp;FBovespa (Brazilian Stock Exchange). The period covered is from January 2009 to December 2013, and the results indicate that there is a premium for Brazilian risk that is not completely reflected in Ibovespa returns for only 17 securities. Hence, if one uses the local market index when estimating a firm's cost of equity, it would be both redundant and incorrect to add a country risk premium. The paper concludes with a real company example in which the adoption of the conventional approach - with a country risk premium added - would lead to a 17% pricing error. <![CDATA[Bank Capital and Lending in Brazil]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-65552015000700053&lng=es&nrm=iso&tlng=es Este estudo investiga a associação entre capital bancário e concessão de crédito livre no mercado brasileiro de 2003 a 2012, adaptando a metodologia de Berrospide e Edge (2010). Inicialmente, estimamos um capital alvo de longo prazo, ativamente gerenciado pelos bancos, e então calculamos seu capital excedente. Em uma segunda etapa, investigamos se este capital excedente está associado à variação do crédito livre concedido pelos bancos, utilizando regressão de dados em painel. Os resultados indicam relação positiva entre o crescimento do crédito livre e o capital excedente, mais forte na segunda parte do período de análise (após setembro de 2008), mas ainda assim economicamente modesta, contrariando a premissa da alavancagem constante. Os resultados são robustos à utilização de indicadores contábeis diretamente observáveis para o capital bancário. Não se encontrou relação significante entre o capital e o crescimento do crédito nos bancos públicos.<hr/>This paper investigates the relationship between bank capital and lending in the Brazilian market from 2003 to 2012, by adapting the methodology used by Berrospide and Edge (2010). Initially, we estimate a long-term target capital, actively managed by each bank, and then we compute the banks' capital surpluses. In a second step, we investigate whether this capital surplus is related to the change in non-earmarked credit using panel data regressions. The results show a positive relationship between the change in loans and the capital surplus, stronger in the second part of the sample period (after September/2008), but yet economically modest, contradicting the assumption of constant leverage. Similar results are obtained using direct observable accounting indicators of bank capital. There is no significant relationship between capital and credit growth in governmental banks. <![CDATA[How Credit Extension Management affects Inventory Practices]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-65552015000700006&lng=es&nrm=iso&tlng=es O objetivo deste estudo é analisar o impacto da gestão das práticas de oferta de crédito sobre a de estoques em uma amostra de 432 micro e pequenas empresas. O modelo apoiou-se nas teorias de agência, de custos de transação e da pecking order. Os dados da amostra foram submetidos a técnicas multivariadas, de análise fatorial confirmatória e exploratória, e regressões estruturais simultâneas. A proposição de que a gestão das práticas de crédito determina a gestão de estoques, quando mediada pela gestão de caixa, foi suportada. O estudo dimensionou os reflexos dos efeitos diretos e dos indiretos entre os três construtos latentes.<hr/>The aim of this paper is to analyze the impact credit extension management has on inventory management practices for a sample of 432 micro and small enterprises (MSEs). The model relied on agency, transaction cost and pecking order theories. Sample data were subjected to multivariate techniques of exploratory and confirmatory factor analysis and simultaneous structural regressions. Results support the idea that credit management practices positively determine inventory management, when mediated by cash management. The study measured direct and indirect effects among the three latent construct variables. <![CDATA[Callendar Effect and Behavioral Finance in Brazilian Hedge Funds]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-65552015000700007&lng=es&nrm=iso&tlng=es O objetivo geral deste trabalho consistiu em analisar a relação entre os dias de segunda-feira com a rentabilidade proporcionada pelos fundos de investimentos multimercados brasileiros. A base final de análise foi composta por 3.337 fundos multimercados, totalizando 3.529.808 observações para dados diários, no período de janeiro/2005 a setembro/2013. Com a utilização da análise de regressão com dados em painel, levando-se em consideração variáveis de controle apontadas pela literatura como relevantes, os principais resultados indicaram que o efeito segunda-feira também ocorre no segmento de fundos de investimento, sendo intensificado por períodos de crises financeiras. Contudo constatou-se que esse efeito não foi uniforme entre todas as subcategorias de fundos multimercados. Os resultados foram persistentes entre fundos cujo prazo de resgate é D+0, bem como foram robustos ao controle pela série de retornos do Ibovespa. A discussão foi ancorada principalmente na Teoria de Finanças Comportamentais, buscando-se assim potenciais explicações para essa anomalia de mercado.<hr/>The aim of this paper was to analyze the relationship between Mondays and the profitability provided by Brazilian hedge funds. We used a data basis composed of 3,337 hedge funds, totaling 3,529,808 observations of daily data, during the period from January 2005 until September 2013. To test the hypothesis, we used regression with panel data and we inserted control variables in the model that the literature points out as relevant. The main results showed that the Monday effect also occurs in the hedge funds segment and this effect is intensified in periods of financial crisis. However, we show that the effect is not consistent across all sub-categories of hedge funds. The results were persistent for funds which don't have a redemption period, as well as for the control for the Ibovespa daily returns. The discussion was mainly based on Behavioral Finance Theory in seeking potential explanations for this anomaly. <![CDATA[Capital Structure Rebalancing: Industry Leverage and Financial Slack]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-65552015000700003&lng=es&nrm=iso&tlng=es We assume a model in which a firm's indebtedness is strongly influenced by a fund's supply side because creditors and investors (users of CAPM and market multiples) assess their exposure and risk level at relative bases (similar companies). This behavior induces firms' capital structure targets towards the industry debt median, so managers can just manage capital structure around this value (financial slack). We investigated the role of financial slack, assessed as a measure of relative indebtedness, and industry debt in capital structure rebalancing. We used an initial sample of 32,309 US firm-year observations to estimate the industry median of 64 industries and a subsample of 5,380 observations in 58 industries used to construct a balanced panel for a period of 20 years. The results of the dynamic panel for book leverage indicate that a company's indebtedness tends to follow industry indebtedness, but tends to reverse its trend in a period of two years. Reversion rate is associated with financial slack, i.e., companies farthest from the median debt in an industry converge faster.<hr/>Admitindo-se um modelo em que o endividamento das empresas é fortemente influenciado pelo lado da oferta de recursos pelo fato de os credores e investidores (usuários do CAPM e de múltiplos de mercado) avaliarem sua exposição e nível de risco em bases relativas (empresas similares). Esse comportamento induz a estrutura de capital-alvo das empresas ao endividamento mediano do setor, restando aos gestores apenas gerenciar sua estrutura de capital em torno desse valor (folga financeira). Como objetivo, investigou-se o papel da folga financeira, avaliada como uma medida de endividamento relativo, e do endividamento setorial sobre o rebalanceamento da estrutura de capital das empresas. Para tanto, utilizou-se uma amostra inicial de empresas americanas com 32.309 observações-ano para estimar as medianas setoriais de 64 setores e uma subamostra de 5.380 observações, representando ainda 58 setores, para a construção de um painel balanceado por um período de 20 anos. Os resultados do painel dinâmico para o endividamento contábil indicam que o endividamento da empresa tende a acompanhar o endividamento setorial, porém tendem a reverter sua tendência em um período de dois anos. A velocidade de reversão está associada à folga financeira, ou seja, empresas mais distantes do endividamento mediano do seu setor convergem mais rapidamente. <![CDATA[Relevance of Country Risk Premium in Cost of Equity Estimation]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-65552015000700004&lng=es&nrm=iso&tlng=es A prática comum nos procedimentos de avaliação de empresas e na fixação de taxas de retorno por agências regulatórias é usar o capital asset pricing model (CAPM) com a adição de um prêmio por risco Brasil. O presente trabalho documenta essa prática nos laudos de avaliação de empresas para fins de oferta pública de aquisição (OPA), disponíveis no site da Comissão de Valores Mobiliários, e utiliza o método de regressão linear múltipla com retornos mensais de 204 empresas com ações negociadas na BM&amp;FBovespa, cobrindo o período de janeiro de 2009 a dezembro de 2013. A análise conclui que em apenas 17 títulos, o prêmio por risco Brasil não está completamente refletido no comportamento do Ibovespa. Assim, caso seja usado o índice de mercado local para a finalidade de estimação do custo de capital próprio de uma empresa, é redundante e incorreto acrescentar o prêmio por risco Brasil. O trabalho conclui com um exemplo de aplicação do enfoque usual e do enfoque resultante desta constatação a uma empresa real, e aponta que pode haver um erro de precificação correspondente a aproximadamente 17%.<hr/>A common practice in business valuation and the determination of fair rates of return by regulatory agencies is to use the capital asset pricing model (CAPM) with the ad hoc addition of a country risk premium. The present paper documents this practice in the valuation reports required in public acquisition offers available on the CVM (Brazilian Securities and Exchange Commission) website. Multiple linear regression is used with monthly returns for stock shares of 204 firms listed on the BM&amp;FBovespa (Brazilian Stock Exchange). The period covered is from January 2009 to December 2013, and the results indicate that there is a premium for Brazilian risk that is not completely reflected in Ibovespa returns for only 17 securities. Hence, if one uses the local market index when estimating a firm's cost of equity, it would be both redundant and incorrect to add a country risk premium. The paper concludes with a real company example in which the adoption of the conventional approach - with a country risk premium added - would lead to a 17% pricing error. <![CDATA[Bank Capital and Lending in Brazil]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-65552015000700053&lng=es&nrm=iso&tlng=es Este estudo investiga a associação entre capital bancário e concessão de crédito livre no mercado brasileiro de 2003 a 2012, adaptando a metodologia de Berrospide e Edge (2010). Inicialmente, estimamos um capital alvo de longo prazo, ativamente gerenciado pelos bancos, e então calculamos seu capital excedente. Em uma segunda etapa, investigamos se este capital excedente está associado à variação do crédito livre concedido pelos bancos, utilizando regressão de dados em painel. Os resultados indicam relação positiva entre o crescimento do crédito livre e o capital excedente, mais forte na segunda parte do período de análise (após setembro de 2008), mas ainda assim economicamente modesta, contrariando a premissa da alavancagem constante. Os resultados são robustos à utilização de indicadores contábeis diretamente observáveis para o capital bancário. Não se encontrou relação significante entre o capital e o crescimento do crédito nos bancos públicos.<hr/>This paper investigates the relationship between bank capital and lending in the Brazilian market from 2003 to 2012, by adapting the methodology used by Berrospide and Edge (2010). Initially, we estimate a long-term target capital, actively managed by each bank, and then we compute the banks' capital surpluses. In a second step, we investigate whether this capital surplus is related to the change in non-earmarked credit using panel data regressions. The results show a positive relationship between the change in loans and the capital surplus, stronger in the second part of the sample period (after September/2008), but yet economically modest, contradicting the assumption of constant leverage. Similar results are obtained using direct observable accounting indicators of bank capital. There is no significant relationship between capital and credit growth in governmental banks. <![CDATA[How Credit Extension Management affects Inventory Practices]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-65552015000700006&lng=es&nrm=iso&tlng=es O objetivo deste estudo é analisar o impacto da gestão das práticas de oferta de crédito sobre a de estoques em uma amostra de 432 micro e pequenas empresas. O modelo apoiou-se nas teorias de agência, de custos de transação e da pecking order. Os dados da amostra foram submetidos a técnicas multivariadas, de análise fatorial confirmatória e exploratória, e regressões estruturais simultâneas. A proposição de que a gestão das práticas de crédito determina a gestão de estoques, quando mediada pela gestão de caixa, foi suportada. O estudo dimensionou os reflexos dos efeitos diretos e dos indiretos entre os três construtos latentes.<hr/>The aim of this paper is to analyze the impact credit extension management has on inventory management practices for a sample of 432 micro and small enterprises (MSEs). The model relied on agency, transaction cost and pecking order theories. Sample data were subjected to multivariate techniques of exploratory and confirmatory factor analysis and simultaneous structural regressions. Results support the idea that credit management practices positively determine inventory management, when mediated by cash management. The study measured direct and indirect effects among the three latent construct variables. <![CDATA[Callendar Effect and Behavioral Finance in Brazilian Hedge Funds]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-65552015000700007&lng=es&nrm=iso&tlng=es O objetivo geral deste trabalho consistiu em analisar a relação entre os dias de segunda-feira com a rentabilidade proporcionada pelos fundos de investimentos multimercados brasileiros. A base final de análise foi composta por 3.337 fundos multimercados, totalizando 3.529.808 observações para dados diários, no período de janeiro/2005 a setembro/2013. Com a utilização da análise de regressão com dados em painel, levando-se em consideração variáveis de controle apontadas pela literatura como relevantes, os principais resultados indicaram que o efeito segunda-feira também ocorre no segmento de fundos de investimento, sendo intensificado por períodos de crises financeiras. Contudo constatou-se que esse efeito não foi uniforme entre todas as subcategorias de fundos multimercados. Os resultados foram persistentes entre fundos cujo prazo de resgate é D+0, bem como foram robustos ao controle pela série de retornos do Ibovespa. A discussão foi ancorada principalmente na Teoria de Finanças Comportamentais, buscando-se assim potenciais explicações para essa anomalia de mercado.<hr/>The aim of this paper was to analyze the relationship between Mondays and the profitability provided by Brazilian hedge funds. We used a data basis composed of 3,337 hedge funds, totaling 3,529,808 observations of daily data, during the period from January 2005 until September 2013. To test the hypothesis, we used regression with panel data and we inserted control variables in the model that the literature points out as relevant. The main results showed that the Monday effect also occurs in the hedge funds segment and this effect is intensified in periods of financial crisis. However, we show that the effect is not consistent across all sub-categories of hedge funds. The results were persistent for funds which don't have a redemption period, as well as for the control for the Ibovespa daily returns. The discussion was mainly based on Behavioral Finance Theory in seeking potential explanations for this anomaly.