Scielo RSS <![CDATA[Revista de Economia Contemporânea]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=1415-984820150003&lang=pt vol. 19 num. 3 lang. pt <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[MOBILIDADE, ACESSIBILIDADE E PRODUTIVIDADE: NOTA SOBRE A VALORAÇÃO ECONÔMICA DO TEMPO DE VIAGEM NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-98482015000300343&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo O objetivo deste artigo é introduzir no debate sobre valoração do tempo de viagem dos trabalhadores urbanos uma visão alternativa sobre a integração de alguns de seus canais de transmissão para a economia. A relação entre tempo de deslocamento, mobilidade e produtividade é explorada, juntamente com a possibilidade de se capturar seus efeitos de equilíbrio geral em um sistema econômico espacial. O método proposto é aplicado para o caso da RMSP. Além de oferecermos parâmetros adicionais para avaliação econômica de projetos de mobilidade urbana na RMSP, efetuamos o cálculo das perdas econômicas associadas às fricções de mobilidade excessivas na região.<hr/>Abstract The purpose of this paper is to introduce into the debate on valuation of urban workers travel time an alternative view that integrates some of their transmission channels to the economy. The relationship between commuting time, mobility and productivity is explored, along with the ability to capture higher order (general equilibrium) effects in a spatial economic system. The proposed method is applied to the case of the São Paulo Metropolitan Region (SPMR). In addition to offering additional parameters for economic assessment of urban mobility projects in the SPMR, we calculate the economic losses associated with excessive mobility frictions in the region. <![CDATA[A QUESTÃO DA MOBILIDADE URBANA NAS METRÓPOLES BRASILEIRAS]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-98482015000300366&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt RESUMO O tempo de deslocamento de casa ao trabalho tem se elevado substancialmente nas regiões metropolitanas brasileiras durante a última década. Esse fenômeno tem implicações fortes sobre o bem-estar dos indivíduos, porém as consequências desse problema não se distribuem uniformemente entre a população. O presente trabalho visa contribuir para o debate sobre a questão da mobilidade urbana nas metrópoles brasileiras analisando a evolução do tempo de deslocamento entre 1992 e 2013 e suas diferenças de acordo com características do trabalhador, como sexo, cor e renda per capita , e do posto de trabalho. Verifica-se que o aumento do tempo médio de deslocamento ocorreu a partir de 2003, caracterizando uma questão particularmente importante para as metrópoles brasileiras no terceiro milênio. Os trabalhadores com maiores tempos médios de deslocamento residem nas regiões metropolitanas do Rio de Janeiro e de São Paulo. Entretanto, as maiores taxas de crescimento ocorreram nas metrópoles do Pará, Salvador e Recife, sugerindo a necessidade de melhor direcionamento e planejamento de políticas públicas na mobilidade urbana. Considerando as diferenças socioeconômicas, destaca-se que os mais pobres e os mais ricos (extremos da distribuição de renda) tendem a apresentar tempos de deslocamento menores do que os trabalhadores de famílias de renda média. Esse padrão se mantém ao longo do tempo, com aumento do tempo médio de deslocamento entre os mais pobres, mostrando uma face da desigualdade. Porém, o maior aumento ocorreu entre os mais ricos, colocando a questão da mobilidade urbana para além dos problemas de exclusão social.<hr/>ABSTRACT The commuting time has risen substantially at metropolitan areas in Brazil over the last decade. This phenomenon has strong implications on the well-being of individuals, on the labor supply patterns and on regional urban development. However, the consequences of this problem are unevenly distributed among the population. This paper aims to contribute to the debate of urban mobility issue in Brazilian cities by analyzing the commuting time evolution between 1992 and 2013 and their differences according to the workers own characteristics, such as gender, race, income, and job. The average commuting time raised since 2003, featuring a particularly important issue for Brazilian metropolises in the second millennium. Workers with higher average commuting times reside in the metropolitan areas of Rio de Janeiro and São Paulo. However, the highest growth rates occurred in the metropolitan areas of Pará, Salvador and Recife, suggesting the need for better-targeted and planned urban mobility public policies. Considering the socioeconomic differences, the poorest and the richest (extremes of the income distribution) tend to have lower commuting times than the general population. This pattern is maintained over time, with higher average commuting time between the poorest, showing a face of inequality. However, the travel time of the richest grew more than among the poorest, which raises the question of urban mobility beyond the problems of social exclusion. <![CDATA[EM BUSCA DO TEMPO PERDIDO: UMA ESTIMATIVA DO PRODUTO PERDIDO EM TRÂNSITO NO BRASIL]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-98482015000300403&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo: Este artigo estima as perdas econômicas associadas a problemas de mobilidade urbana no Brasil por meio do cálculo da produção média desperdiçada em função do tempo de deslocamento ao trabalho, usando dados do Censo Demográfico de 2010. Os resultados são apresentados em valores absolutos e relativos (% do PIB) para estados, regiões metropolitanas (RMs) e municípios do Brasil, com ênfase na diferença de tempo gasto nas RMs e municípios do interior de cada estado. Os valores encontrados foram significativos, e a perda total estimada é de 1,8% do PIB. Caso o tempo de deslocamento nas RMs fosse igual ao dos municípios do interior, haveria uma redução de 27,6% (R$26,7 bilhões) das perdas totais, indicando que melhorias na mobilidade urbana podem trazer grandes retornos sociais.<hr/>Abstract: This article estimates economic losses associated with urban mobility problems in Brazil by calculating the average production loss due to commuting time to work, using data from the 2010 Demographic Census. The results are presented in absolute and relative values (% of GDP) for States, Metropolitan Regions (RMs) and municipalities in Brazil, with emphasis on the difference in time spent in RMs and municipalities and the interior of each state. The results were significant, and the total estimated loss is 1.8% of GDP. If the commuting time in the RMs were equal to those of municipalities in the interior, there would be a reduction of 27.6% (R$ 26.7 billion) of total losses, suggesting that improvements in urban mobility can bring great social returns. <![CDATA[POLÍTICA FISCAL EM PERSPECTIVA: O CICLO DE 16 ANOS (1999-2014)]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-98482015000300417&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt RESUMO Este artigo oferece uma contribuição para o debate sobre as mudanças no regime fiscal brasileiro, caracterizando melhor o ciclo de contração e expansão da política fiscal entre 1999 e 2014. Em primeiro lugar, analisa estatísticas inéditas do resultado primário acima da linha que incorporam a esfera regional de governo. Isto permite compreender melhor a recente fase expansionista da política fiscal brasileira (2010-2014), identificando não só seus determinantes em termos de receitas e despesas, mas também o componente derivado dos governos estaduais e municipais. Adicionalmente, emprega diversos indicadores para caracterizar melhor esta fase expansionista em comparação com períodos anteriores. Por fim, analisa a sustentabilidade da trajetória da despesa pública em diferentes cenários.<hr/>ABSTRACT This paper contributes to the debate over fiscal regime changes in Brazil, better characterizing the cycle of contraction and expansion of fiscal policy between 1999 and 2014.Firstly, the paper presents an analysis based on detailed statistics about primary budget balance that incorporate regional level of government in order to provide a better understanding of the recent expansionary fiscal policy in Brazil (2010-2014). It identifies not only the main determinants in terms of revenues and expenditures but also those related to local and state governments. Additionally, several indicators were used to better characterize that fiscal expansion compared to previous periods and, finally, the paper analyzes the sustainability of public spending trajectory under different scenarios. <![CDATA[SUBDESENVOLVIMENTO E ESTAGNAÇÃO NA AMÉRICA LATINA, DE CELSO FURTADO]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-98482015000300448&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo O artigo efetua uma apresentação do modelo estagnacionista de Celso Furtado (1965/1966), bem como da estrutura e argumentos gerais do livro Subdesenvolvimento e Estagnação na América Latina , de 1966. Propõe-se que o modelo estagnacionista de Furtado envolve uma reexposição de seu modelo clássico de desenvolvimento econômico do Brasil, a qual envolve a utilização do acelerador. Se as conclusões estagnacionistas são controversas no que se refere aos impasses da diversificação da estrutura industrial latino-americana e brasileira nos anos 1960, a apresentação do modelo representa um acréscimo ao modelo histórico-estrutural de Furtado e contribui para o entendimento dos recursos analíticos do autor. O livro de 1966 contém ainda valiosas contribuições sobre política brasileira, consequências da penetração do capital industrial internacional e impactos sobre a distribuição de renda.<hr/>Abstract The paper aims at presenting the core of Celso Furtado's 'stagnation model' (1965/1966), as well as the structure and general content of his 1966 book Underdevelopment and Stagnation in Latin America . It is argued that Furtado's stagnation model implies a redefinition of his classical account of the Brazilian economic development, involving the utilization of the accelerator. Although the stagnation hypothesis is controversial, at least in what refers to the inevitability of a decrease in the rate of growth sequent to industrial diversification, the development of the model adds to the understanding of Furtado's historical-structural method, and contributes to the assess­ment of the author's analytical resources. The 1966 book involves additional contributions, as those referred to Brazilian politics, impacts of the multinational enterprises, income distribution. <![CDATA[MODELOS HETERODOXOS DE CRESCIMENTO EM ECONOMIAS ABERTAS: UMA EXTENSÃO DOS MODELOS DE KALDOR-THIRLWALL]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-98482015000300475&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt RESUMO O artigo teve por objetivo central contribuir para o processo de construção de modelos de crescimento heterodoxos para economias abertas na linha de ­Kaldor (1970) e Thirlwall (1979). Para tanto: i) recuperou os elementos comuns a esses modelos que forneceram uma base teórica geral para a construção de modelos; ii) buscou melhorar a articulação entre as taxas de crescimento da demanda agregada e a taxa de crescimento permitida pela restrição externa, bem como preencher o vácuo decorrente da ausência do crescimento da demanda agregada; iii) resenhou a literatura que visa melhorar a modelagem da restrição externa nessa linha teórica, recolhendo importantes inspirações para construir uma forma de modelar a restrição externa que evitasse algumas das deficiências presentes na literatura; iv) explorou algumas das propriedades e aspectos mais salientes da solução assim gerada.<hr/>ABSTRACT The article aims as a central tenet to contribute to the process of building heterodox growth models for open economies in line with Kaldor (1970) and Thirlwall (1979). Therefore it: i) retrieved the elements common to these models that provided a general theoretical basis for the model building process, ii) sought to improve coordination between the growth rates of aggregate demand and that allowed by the external constraint, as long as filled the resulting gaps in terms of modeling the growth of aggregate demand, iii) reviewed the literature intended to improve the modeling of the external constraint in this theoretical line, gathering important insights to build a model of external constraints that tried to prevent some of the deficiencies which remained at that literature; iv) explored some of the properties and the most salient features of the solution built in that manner. <![CDATA[ANÁLISE DA RELAÇÃO DE CURTO E LONGO PRAZOS ENTRE AS POLÍTICAS MONETÁRIA E FISCAL COM CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: APLICAÇÃO DE MODELOS VEC]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-98482015000300503&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo O objetivo do artigo foi verificar empiricamente a relação de curto e longo prazo entre as políticas monetárias e fiscais com o crescimento econômico no Brasil no período recente após a implantação do sistema de metas de inflação. A questão se justifica na medida em que os desequilíbrios macroeconômicos vividos no Brasil recentemente podem ser explicados por ausência de coordenação entre as políticas monetária e fiscal. Investiga-se a relação de equilíbrio de longo prazo com a metodologia de modelos de correção de erros vetorial (VEC). Os resultados ilustraram a importância das variáveis de política monetária e fiscal na explicação de variações do PIB brasileiro na relação de longo prazo.<hr/>Abstract This paper aims to assess the relationship between short and long term monetary and fiscal policies, on the one hand, and economic growth in Brazil in recent years, on the other, after the implementation of inflation targeting system. This research question is justified to the extent that the recent macroeconomic imbalances lived in Brazil can be explained by the lack of coordination between monetary and fiscal policies. This study investigates the relationship between long-term equilibrium and the methodology of different vector error correction (VEC). The results illustrate the importance of monetary and fiscal policies as explanatory variables for the variations in the Brazilian GDP in the long term.