Scielo RSS <![CDATA[Sao Paulo Medical Journal]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=1516-318020080003&lang=pt vol. 126 num. 3 lang. pt <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[<b><i>Primum non nocere</i></b><i><b>. Quomo sapere?</b></i><b> [Firstly, do no harm. How can we know this?] Drug-eluting stents versus surgery</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-31802008000300001&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt <![CDATA[<b>Fórmulas clínicas, opinião materna e ultra-sonografia na predição do peso ao nascer</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-31802008000300002&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt CONTEXT AND OBJECTIVE: Accurate fetal weight estimation is important for labor and delivery management. So far, there has not been any conclusive evidence to indicate that any technique for fetal weight estimation is superior to any other. Clinical formulas for fetal weight estimation are easy to use but have not been extensively studied in the literature. This study aimed to evaluate the accuracy of clinical formulas for fetal weight estimation compared to maternal and ultrasound estimates. DESIGN AND SETTING: Prospective study involving 100 full-term, cephalic, singleton pregnancies delivered within three days of fetal weight estimation. The setting was a tertiary public teaching hospital in São Paulo, Brazil. METHODS: Upon admission, the mother's opinion about fetal weight was recorded. Symphyseal-fundal height and abdominal girth were measured and two formulas were used to calculate fetal weight. An ultrasound scan was then performed by a specialist to estimate fetal weight. The four estimates were compared with the birth weight. The accuracy of the estimates was assessed by calculating the percentage that was within 10% of actual birth weight for each method. The chi-squared test was used for comparisons and p < 0.05 was considered significant. RESULTS: The birth weight was correctly estimated (± 10%) in 59%, 57%, 61%, and 65% of the cases using the mother's estimate, two clinical formulas, and ultrasound estimate, respectively. The accuracy of the four methods did not differ significantly. CONCLUSION: Clinical formulas for fetal weight prediction are as accurate as maternal and ultrasound estimates.<hr/>CONTEXTO E OBJETIVO: A avaliação correta do peso fetal é importante na assistência ao trabalho de parto. Até o presente, não existe evidência conclusiva que aponte que algum método de estimar o peso fetal seja superior aos outros. As fórmulas clínicas usadas para estimar o peso fetal são de fácil realização, porém não têm sido extensivamente estudadas na literatura. Este estudo visou avaliar a acurácia das fórmulas clínicas na predição do peso fetal, comparadas ao peso estimado através da opinião materna e da ultra-sonografia e ao peso ao nascer. TIPO DE ESTUDO E LOCAL: Estudo prospectivo envolvendo 100 gestantes de termo, com feto único e cefálico, que tiveram seus partos dentro de três dias da estimativa do peso fetal. O estudo foi realizado em maternidade ensino, pública e terciária, na cidade de São Paulo, Brasil. MÉTODOS: Ao ser internada, a opinião da gestante acerca do peso fetal foi registrada. Mediu-se a altura uterina e a circunferência abdominal maternas e esses números foram usados em duas fórmulas clínicas para se estimar o peso fetal. Um especialista realizou então uma ultra-sonografia para estimativa do peso fetal. As quatro estimativas foram comparadas com o peso ao nascer e a acurácia de cada método foi avaliada comparando-se a porcentagem de estimativas dentro de 10% do peso ao nascimento. O teste do χ2 foi usado para comparações e p < 0,05 considerado significante. RESULTADOS: O peso ao nascer foi corretamente estimado (± 10%) em 59%, 57%, 61% e 65% das vezes através da opinião materna, das duas fórmulas clínicas e da ultra-sonografia, respectivamente. Não houve diferença significante na acurácia dos quatro métodos. CONCLUSÕES: As fórmulas clínicas são tão precisas na avaliação do peso fetal quanto a opinião materna e a ultra-sonografia. <![CDATA[<b>Estimativa da captação renal absoluta com ácido dimercaptosuccínico marcado com tecnécio-99m</b>: <b>comparação direta com a radioatividade medida em peças de nefrectomi</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-31802008000300003&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt CONTEXT AND OBJECTIVE: Studies using radionuclides are the most appropriate method for estimating renal function. Dimercaptosuccinic acid chelate labeled with technetium-99m (99mTc-DMSA) is the radiopharmaceutical of choice for high-resolution imaging of the renal cortex and estimation of the functional renal mass. The aim of this study was to evaluate a simplified method for determining the absolute renal uptake (ARU) of 99mTc-DMSA prior to nephrectomy, using the radioactivity counts of nephrectomy specimens as the gold standard. DESIGN AND SETTING: Prospective study at the Division of Nuclear Medicine, Department of Radiology, Universidade Estadual de Campinas. METHODS: Seventeen patients (12 females; range 22-82 years old; mean age 50.8 years old) underwent nephrectomy for various reasons. Renal scintigraphy was performed three to four hours after intravenous administration of a mean dose of 188.7 MBq (5.1 mCi) of 99mTc-DMSA, which was done six to 24 hours before surgery. The in vivo renal uptake of 99mTc-DMSA was determined using the radioactivity of the syringe before the injection (measured using a dose calibrator) and the images of the syringe and kidneys, obtained from a scintillation camera. After surgery, the reference value for renal uptake of 99mTc-DMSA was determined by measuring the radioactivity of the nephrectomy specimen using the same dose calibrator. RESULTS: The ARU measurements were very similar to those obtained using the reference method, as determined by linear regression (r-squared = 0.96). CONCLUSION: ARU estimation using the proposed method before nephrectomy seems to be accurate and feasible for routine use.<hr/>CONTEXTO E OBJETIVO: Os estudos com radionuclídeos são os mais adequados para se estimar a função renal. O ácido dimercaptosuccínico marcado com tecnécio-99m (DMSA-99mTc) é o radiofármaco de escolha para imagens de alta resolução dos rins, permitindo, também, estimar massa de parênquima renal funcionante. O objetivo deste estudo foi avaliar um método mais simples para determinar-se a captação renal absoluta (CRA) de DMSA-99mTc antes de nefrectomias e validá-lo utilizando-se as contagens radioativas das próprias peças de nefrectomia como padrão-ouro. TIPO DE ESTUDO E LOCAL: Estudo prospectivo, desenvolvido no Serviço de Medicina Nuclear do Departamento de Radiologia da Universidade Estadual de Campinas. MÉTODOS: Foram estudados 17 pacientes (12 pacientes do sexo feminino, média de idade de 50,8 anos), selecionados para a realização de nefrectomia. A cintilografia renal foi realizada três a quatro horas após a administração venosa de 188,7 MBq de DMSA-99mTc, seis a 24 horas antes da cirurgia. A CRA in vivo foi determinada utilizando-se a radioatividade da seringa antes da injeção (medida com um calibrador de dose) e as imagens da seringa e dos rins, obtidas em uma câmara de cintilação. Após a cirurgia, o valor de referência para a CRA foi determinado medindo-se a radioatividade da peça de nefrectomia com o mesmo calibrador de dose. RESULTADOS: Os valores de CRA foram muito semelhantes àqueles obtidos com o método de referência, conforme foi demonstrado pela análise de regressão linear (r-quadrado = 0,96). CONCLUSÃO: A estimativa da CRA com o método proposto antes de nefrectomiasparece ser acurado e aplicável ao uso rotineiro. <![CDATA[<b>Recursos materiais e humanos para a reanimação neonatal nas maternidades públicas das capitais brasileiras</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-31802008000300004&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt CONTEXT AND OBJECTIVE: In 2002, the early neonatal mortality rate in Brazil was 12.42 per thousand live births. Perinatal asphyxia was the greatest cause of neonatal death (about 23%). This study aimed to evaluate the availability of the resources required for neonatal resuscitation in delivery rooms of public hospitals in Brazilian state capitals. DESIGN AND SETTING: Multicenter cross-sectional study involving 36 hospitals in 20 Brazilian state capitals in June 2003. METHODS: Each Brazilian region was represented by 1-4% of its live births. A local coordinator collected data regarding physical infrastructure, supplies and professionals available for neonatal resuscitation in the delivery room. The information was analyzed using the Statistical Package for the Social Sciences, version 10. RESULTS: Among the 36 hospitals, 89% were referral centers for high-risk pregnancies. Each institution had a monthly mean of 365 live births (3% < 1,500 g and 15% < 2,500 g). The 36 hospitals had 125 resuscitation tables (3-4 per hospital), all with overhead radiant heat, oxygen and vacuum sources. Appropriate equipment for pulmonary ventilation was available for more than 90% of the 125 resuscitation tables. On average, one pediatrician, three nurses and five nursing assistants per shift worked in the delivery rooms of each institution. Out of the 874 pediatricians and 1,037 nursing personnel that worked in the delivery rooms of the 36 hospitals, 94% and 22%, respectively, were trained in neonatal resuscitation. CONCLUSIONS: The main public maternity hospitals in Brazilian state capitals have the resources to resuscitate neonates at birth.<hr/>CONTEXTO E OBJETIVO: Em 2002, a mortalidade neonatal precoce brasileira foi 12,42 para cada mil nascidos vivos e a asfixia perinatal foi responsável por 23% dessas mortes. Este estudo visa avaliar a disponibilidade dos recursos necessários para a reanimação neonatal nas salas de parto de hospitais públicos brasileiros. TIPO DE ESTUDO E LOCAL: Estudo transversal multicêntrico de 36 maternidades, em 20 capitais brasileiras, em junho de 2003. MÉTODOS: As maternidades selecionadas em cada região brasileira representaram 1-4% dos nascidos vivos da região. O coordenador local da pesquisa respondeu a um questionário estruturado com dados a respeito da estrutura física, os equipamentos e o pessoal disponível para a reanimação neonatal em cada maternidade. A análise descritiva foi feita por meio do programa Statistical Package for Social Science 10.0. RESULTADOS: 89% das 36 maternidades eram referência para gestação de risco. Cada hospital tinha um número médio mensal de 365 nascimentos (3% < 1.500 g e 15% < 2.500 g). Os 36 hospitais tinham 125 mesas de reanimação (3-4/hospital), todas com calor radiante, fonte de oxigênio e vácuo. Equipamento adequado para ventilação pulmonar estava disponível em mais de 90% das 125 mesas. Em média, um pediatra, três enfermeiras e cinco auxiliares de enfermagem trabalhavam por turno nas salas de parto de cada instituição. Dos 874 pediatras e 1.037 profissionais de enfermagem que atuavam nas salas de parto, 94% e 22% haviam recebido treinamento em reanimação neonatal respectivamente. CONCLUSÕES: As maternidades públicas das capitais brasileiras apresentam salas de parto com infra-estrutura adequada para a reanimação neonatal. <![CDATA[<b>Enxertos marginais aumentam a mortalidade precoce no transplante de fígado</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-31802008000300005&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt CONTEXT AND OBJECTIVE: Expanded donor criteria (marginal) grafts are an important solution for organ shortage. Nevertheless, they raise an ethical dilemma because they may increase the risk of transplant failure. This study compares the outcomes from marginal and non-marginal graft transplantation in 103 cases of liver transplantation due to chronic hepatic failure. DESIGN AND SETTING: One hundred and three consecutive liver transplantations to treat chronic liver disease performed in the Liver Transplantation Service of Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo between January 2001 and March 2006 were retrospectively analyzed. METHODS: We estimated graft quality according to a validated scoring system. We assessed the pre-transplantation liver disease category using the Model for End-Stage Liver Disease (MELD), as low MELD (< 20) or high MELD (> 20). The parameters for marginal and non-marginal graft comparison were the one-week, one-month and one-year recipient survival rates, serum liver enzyme peak, post-transplantation hospital stay and incidence of surgical complications and retransplantation. The significance level was 0.05. RESULTS: There were no differences between the groups regarding post-transplantation hospital stay, serum liver enzyme levels and surgical complications. In contrast, marginal grafts decreased overall recipient survival one month after transplantation. Furthermore, low-MELD recipients of non-marginal grafts showed better one-week and one-month survival than did high-MELD recipients of marginal livers. After the first month, patient survival was comparable in all groups up to one year. CONCLUSION: The use of marginal graft increases early mortality in liver transplantation, particularly among high-MELD recipients.<hr/>CONTEXTO E OBJETIVO: A utilização de doadores com critérios expandidos (enxertos marginais) é uma importante solução para a carência de órgãos para transplante. No entanto, isto suscita importante dilema ético porque esses órgãos podem aumentar a chance de insucesso do transplante. Este estudo compara os resultados do transplante de órgãos marginais e não-marginais em 103 pacientes portadores de doença hepática crônica. TIPO DE ESTUDO E LOCAL: Cento e três transplantes consecutivos de fígado por doença hepática crônica realizados no Serviço de Transplante de Fígado do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo foram retrospectivamente analisados, compreendendo o período de janeiro de 2001 a março de 2006. MÉTODOS: A qualidade do enxerto foi calculada utilizando sistema de pontuação validado. A doença hepática do receptor também foi classificada em MELD (Model for End-Stage Liver Disease) baixo (< 20) e MELD alto (> 20). Os parâmetros avaliados na comparação entre receptores de órgãos marginais e não-marginais foram: sobrevida do paciente em uma semana, um mês e um ano, pico sérico das enzimas hepatocelulares, dias de internação pós-transplante e incidência de complicações cirúrgicas e retransplantes. O índice de significância foi de 0.05. RESULTADOS: Não houve diferença entre os grupos quanto ao tempo de internação pós-transplante, pico sérico das enzimas hepatocelulares e incidência de complicações cirúrgicas. Em contraste, a utilização de enxertos marginais diminuiu a sobrevida global de um mês. Os receptores de enxertos não-marginais com baixo MELD apresentaram melhor sobrevida em uma semana e um mês do que os receptores de enxertos marginais com alto MELD. Após o período de um mês, a taxa de sobrevida foi similar até um ano em todos os grupos. CONCLUSÃO: Em conclusão, o uso de enxerto marginal aumenta mortalidade precoce no transplante de fígado, principalmente nos receptores com alto MELD. <![CDATA[<b>Fatores que afetam a adesão ao calendário de vacinação contra o sarampo numa cidade brasileira</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-31802008000300006&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt CONTEXT AND OBJECTIVE: The success of vaccination campaigns depends on the degree of adherence to immunization initiatives and schedules. Risk factors associated with children's failure to receive the measles vaccine at the correct age were studied in the city of São Paulo, Brazil. DESIGN AND SETTING: Case-control and exploratory study, in the metropolitan area of São Paulo. METHODS: The caregivers of 122 children were interviewed regarding their perceptions and understanding about the measles vaccination and the disease. RESULTS: The results showed that age, region of residence, marital status and education level were unrelated to taking measles vaccines adequately. Most individuals remembered being informed about the last annual vaccination campaign by television, but no communication channel was significantly associated with vaccination status. The answers to questions about knowledge of the disease or the vaccine, when analyzed alone, were not associated with taking measles vaccinations at the time indicated by health agencies. The results showed that, when parents felt sorry for their children who were going to receive shots, they delayed the vaccination. Most of the children did not take the measles vaccination on the exactly recommended date, but delayed or anticipated the shots. CONCLUSION: It is clear that there is no compliance with the government's recommended measles vaccination schedule (i.e. first dose at nine and second at 15 months of age, as recommended in 1999 and 2000). Feeling sorry for the children receiving shots can delay vaccination taking.<hr/>CONTEXTO E OBJETIVO: O sucesso das campanhas de vacinação depende da adesão às iniciativas e ao calendário de imunização. Fatores de risco associados com não tomar a vacina contra o sarampo na idade recomendada foram estudados na cidade de São Paulo. TIPO DE ESTUDO E LOCAL: Estudo caso-controle e exploratório, realizado na área metropolitana de São Paulo. MÉTODO: Cuidadores de 122 crianças foram entrevistados sobre sua percepção e compreensão sobre a vacina contra o sarampo e sobre a doença. RESULTADOS: Os resultados mostraram que idade, região de residência, status marital ou nível educacional não se relacionaram com a tomada adequada das vacinas contra o sarampo. A maioria dos indivíduos lembrou-se de ter sido informada sobre a última campanha nacional de vacinação na televisão, mas nenhum canal de comunicação se associou significativamente com o status vacinal. As respostas às questões sobre conhecimentos a respeito da doença e da vacina, quando analisadas em separado, não se associaram à tomada das vacinas nas datas indicadas pelas instituições de saúde. Os resultados mostraram que quando os pais sentiam dó ao verem os filhos tomando as injeções, eles atrasavam a vacinação por pelo menos 20 dias. A maioria das crianças não toma a vacina contra o sarampo exatamente no dia recomendado, mas atrasa ou antecipa as injeções. CONCLUSÃO: Esta claro que não há aderência ao calendário governamental recomendado de vacinação contra o sarampo (i.e. primeira dose aos 9 e segunda dose aos 15 meses de idade, como recomendado em 1999 e 2000). Sentir pena de ver a criança recebendo uma injeção pode atrasar a tomada da vacina. <![CDATA[<b>Expressão do gene <i>MRP1</i> em leucemias agudas</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-31802008000300007&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt CONTEXT AND OBJECTIVE: Overexpression of the multidrug resistance-associated protein 1 (MRP1) gene has been linked with resistance to chemotherapy in vitro, but little is known about its clinical impact on acute leukemia patients. Our aim was to investigate the possible association between MRP1 gene expression level and clinical outcomes among Iranian leukemia patients. DESIGN AND SETTING: This was an analytical cross-sectional study on patients referred to the Hematology, Oncology and Stem Cell Research Center, Sharyatee Public Hospital, whose diagnosis was acute myelogenous leukemia (AML) or acute lymphoblastic leukemia (ALL). All molecular work was performed at NIGEB (public institution). METHODS: To correlate with prognostic markers and the clinical outcome of acute leukemia, MRP1 gene expression was assessed in 35 AML cases and 17 ALL cases, using the quantitative real-time polymerase chain reaction and comparing this to the chemotherapy response type. RESULTS: Mean expression in AML patients in complete remission (0.032 ± 0.031) was significantly lower than in relapsed cases (0.422 ± 0.297). In contrast, no significant difference in MRP1 mRNA level was observed between complete remission and relapsed ALL patients. There was a difference in MRP1 expression between patients with unfavorable and favorable cytogenetic prognosis (0.670 ± 0.074 and 0.028 ± 0.013, respectively). MRP1 expression in M5 was significantly higher (p-value = 0.001) than in other subtypes. CONCLUSIONS: The findings suggest that high MRP1 expression was associated with poor clinical outcome and was correlated with the M5 subtype and poor cytogenetic subgroups among AML patients but not among ALL patients.<hr/>CONTEXTO E OBJETIVO: A superexpressão do gene de resistência a múltiplas drogas associado à proteína 1 (MRP1) tem sido ligada à resistência à quimioterapia in vitro, porém pouco é conhecido sobre seu impacto clínico nos pacientes com leucemia aguda. Nosso objetivo foi investigar a possível associação entre a expressão do gene MRP1 e os desfechos clínicos em pacientes iranianos com leucemia. DESENHO E LOCAL: Este foi um estudo analítico transversal em pacientes encaminhados ao Centro de Pesquisa em Hematologia, Oncologia e Células Tronco do Hospital Público de Sharyatee, com diagnóstico de leucemia mielóide aguda (LMA) ou leucemia linfoblástica aguda (LLA). Todo trabalho molecular foi realizado no NIGEB (instituição pública). MÉTODOS: Para correlação de marcadores prognósticos e desfechos clínicos da leucemia aguda, a expressão do MRP1 foi avaliada em 35 casos de LMA e 17 de LLA, usando a reação da cadeia de polimerase quantitativa em tempo real, e comparando este dado ao tipo de resposta à quimioterapia. RESULTADOS: A média da expressão em pacientes com LMA em remissão completa (0,032 ± 0,031) foi significativamente menor que aquela dos casos recidivantes (0,422 ± 0,297). Por outro lado, não foram observadas diferenças significativas nos níveis de mRNA para MRP1 entre os casos de LLA com remissão completa e os casos recidivantes. Houve uma diferença na expressão de MRP1 entre pacientes com prognóstico citogenético não-favorável e favorável (0,670 ± 0,074 e 0,028 ± 0,013, respectivamente). A expressão de MRP1 em M5 foi significativamente maior (valor de p = 0,001) do que em outros subtipos. CONCLUSÕES: Os achados sugerem que a alta expressão de MRP1 se associou com o pior desfecho clínico, estando correlacionada com o subtipo M5 e os subgrupos citogenéticos menos favoráveis para os pacientes com LMA, mas não para pacientes com LLA. <![CDATA[<b>As classificações das fraturas do rádio distal são reprodutíveis? Concordância intra e interobservadores</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-31802008000300008&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt CONTEXT AND OBJECTIVE: Various classification systems have been proposed for fractures of the distal radius, but the reliability of these classifications is seldom addressed. For a fracture classification to be useful, it must provide prognostic significance, interobserver reliability and intraobserver reproducibility. The aim here was to evaluate the intraobserver and interobserver agreement of distal radius fracture classifications. DESIGN AND SETTING: This was a validation study on interobserver and intraobserver reliability. It was developed in the Department of Orthopedics and Traumatology, Universidade Federal de São Paulo - Escola Paulista de Medicina. METHOD: X-rays from 98 cases of displaced distal radius fracture were evaluated by five observers: one third-year orthopedic resident (R3), one sixth-year undergraduate medical student (UG6), one radiologist physician (XRP), one orthopedic trauma specialist (OT) and one orthopedic hand surgery specialist (OHS). The radiographs were classified on three different occasions (times T1, T2 and T3) using the Universal (Cooney), Arbeitsgemeinschaft für Osteosynthesefragen/Association for the Study of Internal Fixation (AO/ASIF), Frykman and Fernández classifications. The kappa coefficient (κ) was applied to assess the degree of agreement. RESULTS: Among the three occasions, the highest mean intraobserver k was observed in the Universal classification (0.61), followed by Fernández (0.59), Frykman (0.55) and AO/ASIF (0.49). The interobserver agreement was unsatisfactory in all classifications. The Fernández classification showed the best agreement (0.44) and the worst was the Frykman classification (0.26). CONCLUSION: The low agreement levels observed in this study suggest that there is still no classification method with high reproducibility.<hr/>CONTEXTO E OBJETIVO: Para que as classificações das fraturas possam ser úteis, elas devem prover o prognóstico, apresentar concordância interobservador e reprodutibilidade intraobservador. O objetivo foi avaliar a concordância intra e interobservadores das classificações das fraturas do rádio distal. TIPO DE ESTUDO E LOCAL: Estudo de validação (concordância intra e interobservadores), desenvolvido no Departamento de Ortopedia e Traumatologia da Universidade Federal de São Paulo - Escola Paulista de Medicina (Unifesp-EPM), São Paulo, Brasil. MÉTODO: Foram avaliadas 90 fraturas do rádio distal com desvio por meio de radiografias por cinco observadores (um médico residente de Ortopedia do terceiro ano, um graduando do sexto ano de medicina, um médico radiologista, um ortopedista especializado em trauma e um ortopedista especializado em cirurgia da mão) em três momentos diferentes, empregando as classificações Universal (Cooney), AO/ASIF (Osteosynthesfragen/Association for the Study of Internal Fixation), Frykman e Fernández. Aplicou-se o coeficiente de concordância kappa (κ) para avaliação das classificações. RESULTADOS: O maior κ intraobservador médio, se considerarmos os três momentos, foi da classificação Universal (κ = 0,61), seguida da Fernández (κ = 0,59), Frykman (κ = 0,55) e AO/ASIF (κ = 0,49). A concordância interobservador foi insatisfatória em todas as classificações. A classificação de Fernández mostrou a melhor concordância (κ = 0,44) e a pior foi a de Frykman (κ = 0,26). CONCLUSÃO: Os baixos níveis de concordância observados neste estudo sugerem que atualmente ainda não há um método de classificação plenamente reprodutível. <![CDATA[<b>Fratura escapular</b>: <b>menor gravidade e mortalidade</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-31802008000300009&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt CONTEXT AND OBJECTIVE: The presence of scapular fracture is believed to be associated with high rates of other injuries and accompanying morbidities. The aim was to study injury patterns and their overall outcomes in patients with scapula fractures. DESIGN AND SETTING: Cross-sectional study of trauma patients treated at six general hospitals in Tehran. METHODS: One-year trauma records were obtained from six general hospitals Among these, forty-one had sustained a scapular fracture and were included in this study. RESULTS: Scapular fracture occurred predominantly among 20 to 50-year-old patients (78%). Road traffic accidents (RTAs) were the main cause of injury (73.2%; 30/41). Pedestrians accounted for 46.7% (14/30) of the injuries due to RTAs. Falls were the next most common cause, accounting for seven cases (17.1%). Body fractures were the most common type of scapular fractures (80%). Eighteen patients (43.9%) had isolated scapular fractures. Limb fracture was the most common associated injury, detected in 18 cases (43.9%). Three patients (7.3%) had severe injuries (injury severity score, ISS > 16) which resulted in one death (2.4%). The majority of the patients were treated conservatively (87.8%). CONCLUSIONS: Patients with scapula fractures have more severe underlying chest injuries and clavicle fractures. However, this did not correlate with higher rates of injury severity score, intensive care unit admission or mortality.<hr/>CONTEXTO E OBJETIVO: Acredita-se que a presença de fraturas escapulares esteja associada a alta freqüência de outras lesões e morbidades relacionadas. O objetivo foi avaliar o padrão de lesões e os desfechos gerais em pacientes com fraturas escapulares. DESENHO E LOCAL: Trabalho transversal com pacientes apresentando trauma, tratados em seis hospitais gerais em Teerã. MÉTODOS: Registros de trauma foram obtidos em seis hospitais gerais no período de um ano. Entre estes pacientes, 41 sofreram fratura escapular e foram incluídos no estudo. RESULTADOS: A faixa etária predominante para fratura escapular foi 20-50 anos, sendo 78%. Acidentes automobilísticos (AAs) foram a maior causa de lesão, em 73,2% (30/41). Observou-se também que os acidentes com pedestres correspondiam a 46,7% (14/30) das lesões devidas a AAs. Quedas foram a segunda causa mais freqüente, com sete casos (17,1%). Fraturas do corpo estavam o tipo mais freqüente das fraturas escapulares (80%). Dezoito pacientes (43,9%) apresentaram apenas fratura escapular. Fraturas de extremidades foram as lesões mais comumente associadas, observadas em 18 (43,9%). Três pacientes (7,3%) tiveram lesões graves (escala de gravidade das lesões > 16), o que resultou em um caso (2,4%) de óbito. A maioria dos pacientes foi tratada de forma conservadora (87,8%). CONCLUSÕES: Pacientes com fraturas escapulares tiveram lesões torácicas e fraturas de clavícula basicamente mais graves. Porém, não houve correlação com maiores índices da escala de gravidade das lesões, admissão na unidade de terapia intensiva ou mortalidade. <![CDATA[<b>Endometriose intestinal obstrutiva na pós-menopausa</b>: <b>relato de caso e revisão da literatura</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-31802008000300010&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt CONTEXT: Endometriosis is characterized by the presence of endometrial tissue outside the uterine cavity, which is commonly detected in gynecological practice but rarely reported as a coloproctological disorder. The objective of the present report was to discuss a rare case of postmenopausal intestinal endometriosis simulating a malignant lesion, following a review of the literature. CASE REPORT: A 74-year-old woman with complaints of hematochezia and tenesmus of two months' duration accompanied by liquid feces and pelvic pain, but with no other gastrointestinal or gynecological complaints, was referred to our service. She had been menopausal for 22 years, with no hormone replacement treatment, and had undergone panhysterectomy three years before the referral to us, due to endometrial thickening and a right adnexal cyst. Five months before this referral, she had undergone laparotomy due to acute obstructive abdomen, which revealed a tumor mass involving the small bowel. Anatomopathological examination of the enterectomy suggested a hypothesis of intestinal endometriosis. A proctological examination was normal. Computed tomography of the pelvis revealed thickening of the rectosigmoid transition and colonoscopy revealed friable tumor formation in the rectum. A biopsy of the lesion revealed mucosal fragments of endometrial type, which led to a review of the previous anatomopathological examination. The patient underwent rectosigmoidectomy with protective transversotomy, with a good postoperative course, and anatomical examination confirmed the intestinal endometriosis. The patient subsequently suffered a stenosing recurrence of the lesion and has undergone colostomy since then.<hr/>CONTEXTO: A endometriose caracteriza-se pela presença de tecido endometrial fora da cavidade uterina, e a etiopatogenia ainda apresenta controvérsias. O objetivo desta publicação é apresentar e discutir, após revisão da literatura, um raro caso de endometriose intestinal na pós-menopausa que simulava uma lesão maligna. RELATO DE CASO: Mulher de 74 anos apresentou-se com queixas de hematoquezia e tenesmo há dois meses. Relatou também aparecimento de fezes líquidas e dor pélvica no mesmo período, negando outras queixas gastrointestinais ou ginecológicas. Como antecedentes de interesse, revelou que era menopausada há 22 anos, sem terapia de reposição hormonal e realizou uma pan-histerectomia há três anos por espessamento endometrial e cisto anexial direito. Há cinco meses foi submetida a laparotomia exploradora por abdome agudo obstrutivo, com o achado de uma massa tumoral envolvendo alças de delgado. O exame anatomopatológico da enterectomia sugeriu a hipótese de endometriose intestinal. O exame proctológico era normal. A tomografia computadorizada da pelve mostrou um espessamento da transição retossigmóide e a colonoscopia, uma tumoração friável e estenosante no reto alto. A biópsia da lesão revelou fragmentos de mucosa tipo endometrial, que motivou a revisão do anatomopatológico anterior. A paciente foi submetida a retossigmoidectomia abdominal com transversostomia protetora, tendo boa evolução no pós-operatório. O anatomopatológico confirmou endometriose intestinal. Evoluiu com recidiva estenosante da lesão e pemanece colostomizada desde então. <![CDATA[<b>Tratamento cirúrgico na recidiva retroperitoneal de carcinoma renal de células claras após nefrectomia radical</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-31802008000300011&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt CONTEXT: Isolated renal cell carcinoma recurrence at the renal fossa is a rare event. This condition occurs in 1 to 2% of radical nephrectomy cases. It is usually seen in postoperative follow-up imaging examinations such as abdominal computed tomography or abdominal ultrasound. There is controversy among urologists and oncologists regarding the best way to treat this rare situation, because of the few cases in the literature. CASE REPORT: We report on a case of isolated recurrence at the renal fossa due to renal cell carcinoma (RCC), four and a half years after radical nephrectomy, without evidence of metastases in other organs. The diagnosis was made from abdominal tomography performed during outpatient follow-up, in which a retroperitoneal mass was observed in the renal fossa. Excision was carried out by means of a subcostal transversal incision, without complications. One and a half years after the procedure, there was evidence of metastasis in the left lung and, six months later, another recurrence at the ninth anterior right rib, while the patient remained asymptomatic. Aggressive surgical treatment is a good method for controlling this rare situation of single retroperitoneal RCC recurrence. Abdominal tomography must continue to be performed over long periods of follow-up, to monitor for RCC following radical nephrectomy, in order to diagnose any late retroperitoneal recurrences. These must be treated as single RCC metastases.<hr/>CONTEXTO: A recorrência local única do carcinoma renal de células claras em seu leito renal após nefrectomia radical é um evento raro. Estima-se que essa situação ocorra em 0,8% a 3,6% do total de procedimentos. Comumente, seu diagnóstico é realizado através de tomografia computadorizada de abdômen ou ultra-som renal usados no acompanhamento desses pacientes. É polêmico qual o melhor tratamento dessa rara condição entre urologistas e oncologistas devido aos poucos relatos em literatura. RELATO DE CASO: Relatamos um caso de recidiva neoplásica única no leito renal após quatro anos e meio da nefrectomia radical por adenocarcinoma de células claras, sem evidência de metástases a distância em outros órgãos. O diagnóstico foi realizado por meio de tomografia abdominal em acompanhamento ambulatorial, observando-se massa retroperitoneal em topografia renal. A massa foi retirada por meio de uma incisão subcostal ampliada, em cirurgia sem intercorrências. O paciente evoluiu bem no pós-operatório. Após um ano e meio do procedimento, foi evidenciada uma metástase no pulmão esquerdo, e seis meses após, outra recorrência metastática na nona costela anterior à direita, mesmo com paciente totalmente assintomático. O tratamento cirúrgico agressivo em recorrência local única é um bom método para controlar essa rara doença. Tomografia computadorizada de abdômen deve ser feita em acompanhamento de carcinoma renal por longos períodos após a nefrectomia radical para o diagnóstico de recorrências tardias e o tratamento deve ser feito como o de uma metástase recorrente única. <![CDATA[<b>O relógio biológico masculino está batendo</b>: <b>revisão da literatura</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-31802008000300012&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt The term biological clock is usually used by physicians and psychologists to refer to the declining fertility, increasing risk of fetal birth defects and alterations to hormone levels experienced by women as they age. Female fecundity declines slowly after the age of 30 years and more rapidly after 40 and is considered the main limiting factor in treating infertility. However, there are several scientific reports, chapters in books and review articles suggesting that men may also have a biological clock. The aim of our study was to conduct a review of the literature, based on the Medical Literature Analysis and Retrieval System Online (Medline), to evaluate the male biological clock. After adjustments for other factors, the data demonstrate that the likelihood that a fertile couple will take more than 12 months to conceive nearly doubles from 8% when the man is < 25 years old to 15% when he is > 35 years old. Thus, paternal age is a further factor to be taken into account when deciding on the prognosis for infertile couples. Also, increasing male age is associated with a significant decline in fertility (five times longer to achieve pregnancy at the age of 45 years). Patients and their physicians therefore need to understand the effects of the male biological clock on sexual and reproductive health, in that it leads to erectile dysfunction and male infertility, as well as its potential implications for important medical conditions such as diabetes and cardiovascular diseases.<hr/>O termo relógio biológico é geralmente usado por médicos e psicólogos para se referir ao declínio da fertilidade, aumento no risco de defeitos congênitos, e níveis hormonais alterados que a mulher com o passar dos anos apresenta. A fecundidade feminina declina paulatinamente após os 30 anos e mais rapidamente após os 40 anos e é considerada como o principal fator limitante nos tratamentos da infertilidade. Entretanto, existem vários artigos científicos capítulos de livros e artigos de revisão sugerindo que o homem também apresente um relógio biológico. O objetivo do nosso estudo foi realizar uma revisão no Medline (Medical Literature Analysis and Retrieval System Online) para avaliar o relógio biológico masculino. Após ajustar para outros fatores, foi demonstrado que a probabilidade de um casal apresentar uma demora superior a 12 meses para engravidar praticamente duplica de 8% quando o homem possui idade inferior a 25 para 15% quando possui idade superior a 35 anos; desta forma, a idade paterna é um fator a ser levado em consideração quando se decidir sobre o prognóstico de um casal infértil. Além disso, a idade avançada está associada com um declínio significante na fertilidade (tempo para engravidar superior a cinco vezes aos 45 anos de idade), sendo independente de idade da parceira, freqüência de relação sexual e estilo de vida, assim como os efeitos de outros fatores de risco para subfertilidade. Os pacientes e seus médicos devem entender os efeitos do relógio biológico na saúde sexual e reprodutiva, levado à disfunção erétil e infertilidade, assim como às potenciais contribuições para condições médicas como diabetes e doenças cardiovasculares. <![CDATA[<b>Publish or perish</b>: <b>a provocation</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-31802008000300013&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt The term biological clock is usually used by physicians and psychologists to refer to the declining fertility, increasing risk of fetal birth defects and alterations to hormone levels experienced by women as they age. Female fecundity declines slowly after the age of 30 years and more rapidly after 40 and is considered the main limiting factor in treating infertility. However, there are several scientific reports, chapters in books and review articles suggesting that men may also have a biological clock. The aim of our study was to conduct a review of the literature, based on the Medical Literature Analysis and Retrieval System Online (Medline), to evaluate the male biological clock. After adjustments for other factors, the data demonstrate that the likelihood that a fertile couple will take more than 12 months to conceive nearly doubles from 8% when the man is < 25 years old to 15% when he is > 35 years old. Thus, paternal age is a further factor to be taken into account when deciding on the prognosis for infertile couples. Also, increasing male age is associated with a significant decline in fertility (five times longer to achieve pregnancy at the age of 45 years). Patients and their physicians therefore need to understand the effects of the male biological clock on sexual and reproductive health, in that it leads to erectile dysfunction and male infertility, as well as its potential implications for important medical conditions such as diabetes and cardiovascular diseases.<hr/>O termo relógio biológico é geralmente usado por médicos e psicólogos para se referir ao declínio da fertilidade, aumento no risco de defeitos congênitos, e níveis hormonais alterados que a mulher com o passar dos anos apresenta. A fecundidade feminina declina paulatinamente após os 30 anos e mais rapidamente após os 40 anos e é considerada como o principal fator limitante nos tratamentos da infertilidade. Entretanto, existem vários artigos científicos capítulos de livros e artigos de revisão sugerindo que o homem também apresente um relógio biológico. O objetivo do nosso estudo foi realizar uma revisão no Medline (Medical Literature Analysis and Retrieval System Online) para avaliar o relógio biológico masculino. Após ajustar para outros fatores, foi demonstrado que a probabilidade de um casal apresentar uma demora superior a 12 meses para engravidar praticamente duplica de 8% quando o homem possui idade inferior a 25 para 15% quando possui idade superior a 35 anos; desta forma, a idade paterna é um fator a ser levado em consideração quando se decidir sobre o prognóstico de um casal infértil. Além disso, a idade avançada está associada com um declínio significante na fertilidade (tempo para engravidar superior a cinco vezes aos 45 anos de idade), sendo independente de idade da parceira, freqüência de relação sexual e estilo de vida, assim como os efeitos de outros fatores de risco para subfertilidade. Os pacientes e seus médicos devem entender os efeitos do relógio biológico na saúde sexual e reprodutiva, levado à disfunção erétil e infertilidade, assim como às potenciais contribuições para condições médicas como diabetes e doenças cardiovasculares.