Scielo RSS <![CDATA[Brazilian Journal of Psychiatry]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=1516-444620090002&lang=en vol. 31 num. 2 lang. en <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[<b>The National Science and Technology Institute in Child and Adolescence Developmental Psychiatry</b>: <b>a new paradigm for Brazilian Psychiatry focused on our children and their future</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462009000200001&lng=en&nrm=iso&tlng=en <![CDATA[<b>Coping strategies for craving management in nicotine dependent patients</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462009000200002&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJECTIVE: The aim of this study was to investigate the association between the intensity of craving and the types of coping skills used by nicotine-dependent patients. METHOD: This was an experimental study. The sample comprised 201 subjects, mean age 38.15 years. The participants were randomly divided into groups of zero, 30 and 60 minutes of nicotine abstinence. The following instruments were administered: the Chart of Sociodemographic Data, the Fagerström Test for Nicotine Dependence, the Questionnaire of Smoking Urges, and the Coping Strategies Inventory. RESULTS: The most frequently used coping strategies are presented in descending order: accepting responsibility, self-control and distancing. There was a positive correlation between the confrontive coping strategy and the total score on the Questionnaire of Smoking Urges (rs = 0.146; p = 0.045) and the score on Factor 1 (rs = 0.165; p = 0.023). CONCLUSION: The most intense craving can lead nicotine-dependent individuals to use confrontive coping strategies that make them unable to control their emotions or to face the situations of high risk of relapse. This finding demonstrates that the treatment of smokers should include psychological education about the pitfalls of using these types of strategy and should teach them new types of coping strategies for craving management.<hr/>OBJETIVO: O objetivo deste estudo foi investigar a associação entre a intensidade do craving e os tipos de habilidade de coping utilizados por dependentes de tabaco. MÉTODO: Estudo experimental. A amostra foi de 201 sujeitos, com uma média de idade de 38,15 anos. Os participantes foram divididos, aleatoriamente, em grupos de zero, 30 e 60 minutos de abstinência do tabaco. Os instrumentos aplicados foram uma ficha com dados sociodemográficos, Fagerström Test for Nicotine Dependence, Questionnaire of Smoking Urges e Inventário de Estratégias de Coping. RESULTADOS: As estratégias de coping mais utilizadas, em ordem decrescente, foram aceitação de responsabilidade, auto-controle e distanciamento. Foram encontradas correlações positivas entre a estratégia de confrontamento e total de pontos do Questionnaire of Smoking Urges (rs = 0,146; p = 0,045) e pontos no Fator 1 (rs = 0,165; p = 0,023). CONCLUSÃO: O craving mais intenso pode levar o dependente a utilizar estratégias de confrontamento que são pouco eficientes na contenção das emoções e no enfrentamento das situações de risco de recaída. Este achado é relevante, pois demonstra que, no tratamento de tabagistas, é preciso psicoeducar os pacientes para os riscos da utilização deste tipo de estratégia e ajudá-los para que utilizem novos tipos de estratégias de coping para o manejo do craving. <![CDATA[<b>Knowledge and attitudes related to drug abuse and prevention displayed by public school educators</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462009000200003&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJECTIVE: To investigate the connection between knowledge about and the attitudes towards drug abuse by students displayed by public school educators in Brazil. METHOD: Cross-sectional study, with probabilistic sampling encompassing 20% of the municipal elementary schools located in the city of São Paulo from which educators were enrolled to answer three questionnaires: 1) professional and personal data; 2) assessment of their attitudes in drug abuse situations; 3) assessment of their knowledge on drug abuse. RESULTS: Considering possible values between -17 and +21, professionals scored 11.5 ± 3.8 in the Attitudes scale. These values correspond to more empathic attitudes. Scores in the Knowledge on Drugs Scale were 55.2 ± 12.5 (possible values: 0 to 100). Correlation between the Attitudes Scale and the time spent working as education professionals was -0.288 (p < 0.01). The difference in the means in the Attitude Scale according to professional academic qualifications was statistically significant (-1.93, t = 2.26; gl = 80; p < 0.05). CONCLUSION: The level of knowledge about drugs displayed by educators was average and not influenced by the professional's academic qualifications. In contrast, their attitudes were predominantly empathic and directly associated to their academic qualifications and inversely associated to the amount of time they had spent in that position.<hr/>OBJETIVO: Investigar a associação entre conhecimento e atitudes relacionadas ao abuso de drogas por estudantes entre educadores das escolas públicas brasileiras. MÉTODO : Corte transversal, com amostra probabilística de 20% das escolas municipais de Ensino Fundamental da cidade de São Paulo, cujos coordenadores pedagógicos foram submetidos a três questionários: 1) dados pessoais e profissionais; 2) escala de atitudes em situações relacionadas ao abuso de drogas; 3) escala de conhecimento sobre abuso de drogas. RESULTADOS: considerando os valores possíveis entre -17 e +21, encontramos média de 11,5 ± 3,8 na Escala de Atitudes. Isto corresponde a atitudes mais compreensivas. A média encontrada das taxas na escala de Conhecimento sobre Drogas foi 55,2 ± 12,5 (valores possíveis: 0 a 100). A correlação da Escala de Atitudes com tempo de trabalho como coordenadores pedagógicos foi -0,288 (p < 0,01). A diferença de médias na Escala de Atitudes de acordo com o nível de escolaridade foi estatisticamente significante (-1,93; t = 2,26; gl = 80; p < 0,05). CONCLUSÃO: O conhecimento sobre drogas demonstrado pelos educadores foi mediano e não influenciado pela formação acadêmica. Em contraste, suas atitudes foram predominantemente compreensivas, diretamente associadas com o nível de escolaridade dos educadores e inversamente associadas com o tempo de trabalho como coordenadores pedagógicos. <![CDATA[<b>Seasonality of suicide in the city of Sao Paulo, Brazil, 1979-2003</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462009000200004&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJECTIVE: To evaluate suicide seasonality in the city of São Paulo within an urban area and tropical zone. METHOD: Suicides were evaluated using the chi-square test and analysis of variance (ANOVA) by comparing monthly, quarterly and half-yearly variations, differentiating by gender. Analyses of time series were carried out using the autocorrelation function and periodogram, while the significance level for seasonality was confirmed with the Fisher's test. RESULTS: The suicides of the period between 1979 and 2003 numbered 11,434 cases. Differences were observed in suicides occurring in Spring and Autumn for the total sample (ANOVA: p-value = 0.01), and in the male sample (ANOVA: p-value = 0.02). For the analysis of time series, seasonality was significant only for the period of 7 months in the male sample (p-value = 0.04). DISCUSSION: In this study, no significant seasonal differences were observed in the occurrences of suicides, with the exception of the male sample. The differences observed did not correspond with the pattern described in studies carried out in temperate zones. Some of the climatic particularities of the tropical zone might explain the atypical pattern of seasonality of suicides found in large populations within an urban area and tropical zone.<hr/>OBJETIVO: Avaliar a sazonalidade do suicídio na cidade de São Paulo, uma área urbana em zona tropical. MÉTODO: Os suicídios foram avaliados pelo teste de qui-quadrado e análise de variância (ANOVA), comparando variações mensais, trimestrais e semestrais, diferenciando por gênero. Também foi realizada a análise de séries temporais, utilizando a função de autocorrelação e periodograma, além da confirmação, com o teste de Fisher de significância para sazonalidade. RESULTADOS: Os suicídios do período entre 1979 e 2003 totalizaram 11.434 casos. Foram observadas diferenças apenas nos suicídios ocorridos na primavera e outono na amostra total (ANOVA: p-valor = 0,01), e na amostra para o sexo masculino (ANOVA: p-valor = 0,02). Pela análise de séries temporais, a sazonalidade foi significativa apenas para o período de sete meses, na amostra para o sexo masculino (p-valor = 0,04). DISCUSSÃO: Neste estudo não foram observadas diferenças sazonais significativas na ocorrência de suicídios, com exceção da amostra masculina. Tais diferenças não correspondem ao padrão descrito nos estudos realizados em zona temperada. Algumas das particularidades climáticas da zona tropical poderiam explicar o padrão atípico de sazonalidades de suicídios em uma grande população de área urbana e zona tropical. <![CDATA[<b>Influence of depression and early adverse experiences on illicit drug dependence</b>: <b>a case-control study</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462009000200005&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJECTIVE: The purpose of this study was to investigate the association between depression and illicit drug dependence among a Latin-American population. METHOD: illicit drug dependent patients (n = 137) and controls (n = 274) were interviewed using the Diagnostic Interview for Genetic Studies, in order to detect lifetime and current depressive disorder and illicit (cocaine, cannabis or inhalants) substance dependence. A regression analysis was used to estimate the odds ratio for drug dependence according to the diagnosis of depression. RESULTS: The lifetime diagnosis of depression (p = 0.001; OR = 4.9; 95% CI, 1.9-12.7) predicts illegal drugs dependence. Sociodemographic variables such as male gender (p < 0.001; OR = 36.8; 95% CI, 11.8-114) and occupational situation (p = 0.002; OR = 5.0; 95% CI, 1.8-13) as well as alcohol dependence (p = 0.01; OR = 3.4; 95% CI, 1.3-8.7) significantly influenced depression and drug dependence. Additional influent factors detected were having parents (p = 0.006; OR = 18.9; 95% CI, 2.3-158) or friends (p < 0.001; OR = 64.4; 95% CI, 6.5-636) who are illicit drugs dependents. CONCLUSION: although a causal relationship between dependence on illicit drugs and depression cannot be determined, comparison of the sequence of events point to the occurrence of depression later in life than dependence. It remains to be determined whether depression is a comorbidity of dependence, sharing etiological factors, or a consequence of drug abuse and/or abstinence.<hr/>OBJETIVO: O objetivo do presente estudo foi investigar a associação entre depressão e dependência de drogas ilícitas entre a população Latino-Americana. MÉTODO: Indivíduos dependentes de drogas ilícitas (n = 137) e controles (n = 274) foram entrevistados pela Entrevista Diagnóstica para Estudos Genéticos para investigar desordem depressiva corrente, ou durante sua vida, e dependência de drogas ilícitas (cocaína, maconha ou inalantes). Análise de regressão logística foi usada para estimar a razão de chances para dependência de drogas levando em conta o diagnóstico de depressão. RESULTADOS: O diagnóstico de depressão durante sua vida (p = 0,001; OR = 4,9; 95% CI, 1,9-12,7) prediz a dependência de drogas ilícitas. Os dados sociodemográficos sexo masculino (p < 0,001; OR = 36,8; 95% CI, 11,8-114) e situação ocupacional (p = 0,002; OR = 5,0; 95% CI, 1,8-13), e a dependência de álcool (p = 0,01; OR = 3,4; 95% CI, 1,3-8,7) influenciam significativamente a depressão e a dependência de drogas. Ainda, outros fatores importantes que influenciam são ter pais (p = 0,006; OR = 18,9; 95% CI, 2,3-158) ou amigos (p < 0,001; OR = 64,4; 95% CI, 6,5-636) dependentes de drogas ilícitas. CONCLUSÃO: O delineamento utilizado não possibilitou evidenciar a seqüência de eventos no processo de causalidade. No entanto, a variável depressão ocorreu com maior freqüência após a iniciação do uso de drogas. Sugere-se a realização de estudos para avaliar se a depressão é uma comorbidade da dependência ou uma conseqüência do abuso de drogas ou abstinência. <![CDATA[<b>Bipolar disorder first episode and suicidal behavior</b>: <b>are there differences according to type of suicide attempt?</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462009000200006&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJECTIVE: The objective of this study was to test the hypothesis that the polarity of the first mood episode may be a marker for suicidal behavior, particularly the violent subtype. METHOD: One hundred and sixty-eight patients diagnosed with bipolar disorder (DSM-IV) were grouped according to type of first episode: depression or manic/hypomanic. Groups were compared for demographic and clinical variables. We performed logistic regression in order to test the association between first episode polarity and suicidal behavior. RESULTS: We found that depressed patients have a lifetime history of more suicide attempts. However, univariate analysis of number of suicide attempts showed that the best model fits the bipolar II subtype (mean square = 15.022; p = 0.010) and lifetime history of psychotic episodes (mean square = 17.359; p = 0.021). Subgrouping the suicide attempts by subtype (violent or non-violent) revealed that manic/hypomanic patients had a greater tendency toward attempting violent suicide (21.2 vs. 14.7%, X² = 7.028, p = 0.03). Multiple logistic regression analysis confirmed this result. CONCLUSION: Depressed patients had more suicide attempts over time, which could be explained by the higher prevalence of bipolar II subtype in this group, whereas manic/hypomanic patients had a lifelong history of more frequent violent suicide attempts, not explained by any of the variables studied. Our results support the evidence that non-violent suicide attempters and violent suicide attempters tend to belong to different phenotypic groups.<hr/>OBJETIVO: O estudo pretende avaliar se a polaridade do primeiro episódio de humor prediz o comportamento suicida no transtorno bipolar, especialmente a tentativa de suicídio violenta. MÉTODO: Foram avaliados 168 pacientes com diagnóstico de transtorno bipolar (DSM-IV) subdivididos em dois grupos de acordo com a polaridade do primeiro episódio de oscilação do humor: se primeiro episódio foi depressão (PD) ou se primeiro episódio foi de mania (PM). Comparamos as variáveis clínicas e demográficas dos dois grupos através do teste do qui quadrado e analisamos os resultados utilizando a regressão logística e análise univariada. RESULTADOS: Os pacientes definidos como PD apresentaram maior número de tentativas de suicídio ao longo da vida. Entretanto, após analisar os resultados através do método estatístico univariado, verificou-se que as únicas variáveis associadas com histórico de múltiplas tentativas de suicídio foram o diagnóstico de transtorno bipolar do tipo II (mean square = 15,022; p = 0,010) e a história de sintomas psicóticos (mean square = 17,359; p = 0,021). Ao avaliar a questão sob a perspectiva do tipo de tentativa de suicídio (se violenta ou não violenta), encontramos que os pacientes PM apresentavam maior probabilidade de cometer tentativas de suicídio violentas ao longo da vida (21,2% vs. 14,7%, X² = 7,028, p = 0,03). A análise estatística por regressão logística múltipla confirmou os resultados encontrados. CONCLUSÃO: Apenas o diagnóstico de transtorno bipolar tipo II e a existência de sintomas psicóticos são fatores associados com histórico de múltiplas tentativas de suicídio. A polaridade do primeiro episódio não está associada com o número de tentativas de suicídio em geral, entretanto existe associação entre tentativa de suicídio violenta e primeiro episódio de polaridade maníaca. Os resultados reforçam a evidência de que a tentativa de suicídio violenta é diferente da tentativa de suicídio não violenta, do ponto de vista fenotípico. <![CDATA[<b>Health-related quality of life predictors during medical residency in a random, stratified sample of residents</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462009000200007&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJECTIVE: To evaluate the quality of life during the first three years of training and identify its association with sociodemographicoccupational characteristics, leisure time and health habits. METHOD: A cross-sectional study with a random sample of 128 residents stratified by year of training was conducted. The Medical Outcome Study -short form 36 was administered. Mann-Whitney tests were carried out to compare percentile distributions of the eight quality of life domains, according to sociodemographic variables, and a multiple linear regression analysis was performed, followed by a validity checking for the resulting models. RESULTS: The physical component presented higher quality of life medians than the mental component. Comparisons between the three years showed that in almost all domains the quality of life scores of the second year residents were higher than the first year residents (p < 0.01). The mental component scores remained high for third year residents (p < 0.01). Predictors of higher quality of life were: second or third year of residency, satisfaction with the training program, sufficient time for leisure, and care of critical patients for less than 30 hours per week. CONCLUSION: The mental component of quality of life was the most impaired component, indicating the importance of caring for residents' mental health, especially during their first year and when they are overloaded with critical patients.<hr/>OBJETIVO: Avaliar a qualidade de vida do médico residente durante os três anos do treinamento e identificar sua associação com as características sociodemográficas-ocupacionais, tempo de lazer e hábitos de saúde. MÉTODO: Foi realizado um estudo transversal com amostra randomizada de 128 residentes, estratificada por ano de residência. O Medical Outcome Study-Short Form 36 foi aplicado; as distribuições percentis dos domínios de qualidade de vida de acordo com variáveis sociodemográficas foram analisadas pelo teste de Mann-Whitney e regressão linear múltipla, bem como estudo de validação pós-regressão. RESULTADOS: O componente físico da qualidade de vida apresentou medianas mais altas do que o mental. Comparações entre os três anos mostraram que quase todos os domínios de qualidade de vida tiveram escores maiores no segundo do que no primeiro ano (p < 0,01); em relação ao componente mental observamos maiores escores no terceiro ano do que nos demais (p < 0,01). Preditores de maior qualidade de vida foram: estar no segundo ou terceiro ano, satisfeito com o treinamento, ter tempo suficiente para lazer e atender paciente critico por menos do que 30 horas semanais. CONCLUSÃO: O componente mental da qualidade de vida foi o mais prejudicado, indicando a importância do cuidado da saúde mental, especialmente durante o primeiro ano do treinamento, e quando eles estão sobrecarregados por pacientes críticos. <![CDATA[<b>Highly reported prevalence of drinking and driving in Brazil</b>: <b>data from the first representative household study</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462009000200008&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJECTIVE: Brazil lacks information about driving under the influence of alcohol (DUI) originated from representative samples obtained from the general population. METHOD: 333 subjects with a valid driver's license and drinking in the last 12 months were drawn from a multistaged sample of 2,346 adults from the first Brazilian Household Survey of Patterns of Alcohol Use. A multivariate analysis was conducted to understand the associations between risk factors and driving after drinking three or more drinks. RESULTS: the overall DUI prevalence reported in the sample was 34.7% - 42.5% among males and 9.2% among females. Being male (OR = 6.0, 95% CI 2.9-12.6), having a previous DUI accident (OR = 7.9, 95% CI 2.5-24.9), binging in the last year (OR = 2.2, 95% CI 1.03-4.5) and having an unfavorable opinion towards policies (OR = 2.9, 95% CI 1.4-6.2) remained associated with heavy drinking and driving after model adjustments. DISCUSSION: This was the first study evaluating driving under the influence of alcohol in a representative sample of the Brazilian population. The prevalence of DUI found is alarming, and possibly underestimated in the sample. Results demonstrate the need for more studies on this association and show directions towards preventive strategies for the specific high-risk group of male drivers with previous problems with alcohol and unfavorable opinions about prevention policies.<hr/>OBJETIVO: O Brasil carece de informação sobre beber e dirigir a partir de amostras representativas da população. MÉTODO: Uma amostra de 2.346 adultos do I Levantamento Nacional Domiciliar sobre Padrões de Consumo de Álcool forneceu 333 indivíduos com carteira de motorista e que haviam bebido álcool nos últimos 12 meses. Utilizou-se análise multivariada para compreender associações entre fatores de risco e dirigir após três ou mais drinques. RESULTADOS: A prevalência de beber e dirigir na amostra foi 34,7% - 42,5% nos homens e 9,2% nas mulheres. Ser homem (OR = 6,0; IC95% 2,9-12,6), ter tido acidente prévio com beber e dirigir (OR = 7,9; IC95% 2,5-24,9), ter tido "consumo excessivo episódico" no ultimo ano (OR = 2,2; IC95% 1,03-4,5) e ter uma opinião desfavorável sobre políticas públicas (OR = 2,9; IC95% 1,4-6,2) mantiveram-se associados com consumo pesado e dirigir após ajustes no modelo. DISCUSSÃO: Este é o primeiro estudo que avalia beber e dirigir em uma amostra representativa da população brasileira. A prevalência de beber e dirigir encontrada é alarmante e possivelmente subestimada nesta amostra. Os achados demonstram a necessidade de outros estudos sobre esta associação, e dão indicações sobre possíveis estratégias preventivas para este grupo específico de motoristas masculinos com problemas prévios com álcool e opiniões desfavoráveis sobre políticas de prevenção. <![CDATA[<b>Association study between the -62A/T <i>NFKBIL1 </i>polymorphism and obsessive-compulsive disorder</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462009000200009&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJECTIVE: Evidence from family and molecular genetic studies support the hypothesis of involvement of immunologic mechanisms in the pathophysiology of obsessive-compulsive disorder. The nuclear factor of kappa light polypeptide gene enhancer in B-cells inhibitor-like 1 (NFKBIL1) has been suggested as a modulator of the immunological system. Given the importance of NFKBIL1 in the immunological response, the present study investigated the -62A/T polymorphism (rs2071592), located in the promoter region of its gene (NFKBIL1), as a genetic risk factor for the development of obsessive-compulsive disorder. METHOD: The -62A/T NFKBIL1 polymorphism was investigated in a sample of 111 patients who met DSM-IV criteria for obsessive-compulsive disorder and 272 healthy age- and gender-matched controls. RESULTS: There were no differences in genotypic distributions between patients and controls (χ2 = 0.98; 2 d.f.; p = 0.61). DISCUSSION: Despite these negative findings, more comprehensive polymorphism coverage within the NFKBIL1 is warranted in larger samples. Populations with different ethnic backgrounds should also be studied. CONCLUSION: The results of the present investigation do not provide evidence for the association between the -62A/T NFKBIL1 polymorphism and obsessive-compulsive disorder in this Brazilian sample.<hr/>OBJETIVO: Evidências advindas de estudos de família e de genética molecular têm dado suporte à hipótese do envolvimento de mecanismos imunológicos na fisiopatologia do transtorno obsessivo-compulsivo. Tem sido sugerido que o potencializador do fator nuclear do polipeptídeo kappa light em células-B inibidoras-like 1 (NFKBIL1) é um modulador do sistema imunológico. Dada a importância do NFKBIL1 na resposta imunológica, o presente estudo investigou o polimorfismo -62A/T (rs2071592), localizado na região promotora de seu gene, como fator de risco genético para o desenvolvimento do transtorno obsessivo-compulsivo. MÉTODO: O polimorfismo -62A/T do gene do NFKBIL1 foi investigado em uma amostra de 111 pacientes com o diagnóstico de transtorno obsessivo-compulsivo, de acordo com os critérios do DSM-IV, e 272 controles saudáveis emparelhados por idade e gênero. RESULTADOS: Não houve diferenças na distribuição genotípica entre pacientes e controles (χ2 = 0,98; 2 d.f.; p = 0,61). DISCUSSÃO: Apesar dos resultados negativos, estudos compreendendo mais polimorfismos no gene do NFKBIL, em amostras maiores, são necessários. Populações com diferentes origens étnicas também precisam ser avaliadas. CONCLUSÃO: Os resultados da presente investigação não evidenciam associação entre o polimorfismo -62A/T do gene do NFKBIL1 e o transtorno obsessivo-compulsivo nesta amostra brasileira. <![CDATA[<b>Brain-derived neurotrophic factor gene val66met polymorphism and executive functioning in patients with bipolar disorder</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462009000200010&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJECTIVE: In the present study, we investigate the association between the val66met polymorphism of the brain-derived neurotrophic factor (BNDF) and the performance on the Wisconsin Card Sorting Test in a sample of Caucasian Brazilian patients with bipolar disorder. METHOD: Sixty-four patients with bipolar disorder were assessed and their performance on the Wisconsin Card Sorting Test was compared with the allele frequency and genotype of the val66met polymorphism of the brain-derived neurotrophic factor. RESULTS: The percentage of non-perseverative errors was significantly higher among patients with the val/val genotype. There was no association between (BNDF) genotype frequency and other Wisconsin Card Sorting Test domains. CONCLUSION: Our results did not replicate previous descriptions of an association between a worse cognitive performance and the presence of the met allele of the val66met brain-derived neurotrophic factor gene polymorphism.<hr/>OBJETIVO: O presente estudo tem por objetivo investigar a associação entre o polimorfismo val66met do gene do fator neurotrófico derivado do cérebro (BDNF) e o desempenho cognitivo no Teste Wisconsin de Classificação de Cartas em uma amostra de pacientes bipolares brasileiros caucasianos. MÉTODO: Sessenta e quatro pacientes com transtorno bipolar foram avaliados em relação a sua cognição por meio do Teste Wisconsin de Classificação de Cartas que foi comparada com a freqüência alélica e genotípica do polimorfismo val66met do gene do fator neurotrófico derivado do cérebro. RESULTADOS: O percentual de erros não-perseverativos foi significativamente maior nos indivíduos com genótipo val/val. Não foi encontrada diferença significativa entre a freqüência genotípica do polimorfismo do BDNF e os outros domínios do Teste Wisconsin de Classificação de Cartas. CONCLUSÃO: O estudo do polimorfismo val66met em relação ao desempenho executivo em pacientes bipolares caucasianos de uma amostra brasileira não reproduziu achados anteriores que sugeriam um pior desempenho em indivíduos portadores do alelo met. <![CDATA[<b>Neuropsychological differences between attention deficit hyperactivity disorder and control children and adolescents referred for academic impairment</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462009000200011&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJECTIVE: To compare the performances of children and adolescents with attention deficit hyperactivity disorder with a group of control comparison subjects, both taken from a large clinical sample, using some of the most widely employed attention-based Brazilian tests. METHOD: The performances of 186 children and adolescents with attention deficit hyperactivity disorder were compared to that of 80 control individuals based on attention and working memory scores. Both groups had been referred due to academic impairment. All individuals were submitted to the TAVIS-3 sustained, shifted and focused attention tests, as well as to the working memory tests that make up the WISC-III Freedom from Distractibility Index (Digit Span and Arithmetic). RESULTS: The control group was slightly older than the attention deficit hyperactivity disorder group (p = 0.07); IQ and schooling did not differ between groups (p = 0.34 and p = 0.38, respectively). While performing a test requiring sustained attention for a longer period of time, the attention deficit hyperactivity disorder group showed a significantly higher number of commission errors compared to the controls, thus presenting sustained attention deficits (p = 0.003); when the influence of IQ, age and schooling was reduced, the attention deficit hyperactivity disorder group also made more omission errors during a sustained attention task in comparison to the control group, thus achieving a borderline significance level (p = 0.08); the attention deficit hyperactivity disorder group also performed worse in Digit Span forward and backward (p = 0.013 and p = 0.01, respectively) and in Arithmetic (p = 0.008). Other scores did not achieve significance. CONCLUSION : Our findings suggest that some of the most commonly used Brazilian attention-based tests - especially the sustained attention and working memory tests - may be useful to help distinguish subjects with attention deficit hyperactivity disorder from control subjects.<hr/>OBJETIVO: Comparar o desempenho de crianças e adolescentes portadores de transtorno da falta de atenção com hiperatividade e controles de amostra clínica ampla utilizando alguns dos testes de atenção brasileiros mais utilizados. MÉTODO: Desempenho de 186 crianças e adolescentes com transtorno da falta de atenção com hiperatividade foi comparado a 80 controles em medidas de atenção e memória operacional. Ambos os grupos foram encaminhados devido ao comprometimento acadêmico. Todos os participantes foram submetidos a testes de sustentação, alternância de conceitos e seletividade da atenção visual (TAVIS-3), além dos testes de memória operacional que compõem o índice de distratibilidade da bateria WISC-III (Span de Dígitos e Cálculos). RESULTADOS: O grupo controle era um pouco mais velho que grupo de portadores (p = 0,07); QI e escolaridade não diferiram entre grupos (p = 0,34 e p = 0,38, respectivamente). Controlando as influências do QI, idade e escolaridade, o grupo de portadores apresentou número de erros por ação em tarefa de sustentação da atenção significativamente maior que os controles (p = 0,003); o grupo de portadores também apresentou mais erros por omissão em tarefa de sustentação da atenção, atingindo nível de significância limítrofe (0,08). O grupo transtorno da falta de atenção com hiperatividade também teve desempenho comprometido no Span de Dígitos ordem direta e reversa (p = 0,013 e p = 0,01, respectivamente) e em Cálculos (p = 0,008). Outras medidas não alcançaram significância estatística. CONCLUSÃO: Nossos achados podem sugerir que alguns dos testes de atenção mais utilizados em nosso meio podem ser úteis na discriminação de portadores de transtorno da falta de atenção com hiperatividade e controles, especialmente tarefas de sustentação da atenção e memória operacional. <![CDATA[<b>The psychiatric side-effects of rimonabant</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462009000200012&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJECTIVE: Experimental evidence has suggested that drugs that enhance cannabinoid type-1 (CB1) receptor activity may induce anxiolytic and antidepressant effects, whilst the opposite has been reported with antagonists. Thus, the objective of the present review is to discuss the potential psychiatric side-effects of CB1 receptor antagonists, such as rimonabant, which has been recently marketed in several countries for the treatment of smoking cessation, obesity and associated metabolic disorders. METHOD: Literature searches were performed in PubMed and SciELO databases up to February 2009. The terms searched were "obesity", "rimonabant", "cannabinoids", "unwanted effects", "diabetes", "smoking cessation" and "side-effects". RESULTS: Clinical trials have revealed that rimonabant may promote weight loss in obese patients, although it may also induce symptoms of anxiety and depression. DISCUSSION: Patients taking CB1 receptor antagonists should be carefully investigated for psychiatric side-effects. These drugs should not be prescribed for those already suffering from mental disorders. Nevertheless, the development of new compounds targeting the endocannabinoid system for the treatment of several conditions would be necessary and opportune.<hr/>OBJETIVO: Evidência experimental sugere que drogas que aumentam a atividade dos receptores canabinóides tipo 1 (CB1) podem induzir efeitos ansiolíticos ou antidepressivos, enquanto que o oposto tem sido relatado com antagonistas. Assim, o objetivo da presente revisão é discutir os potenciais efeitos-colaterais psiquiátricos de antagonistas do receptor CB1, como o rimonabanto, que foi recentemente liberado para comercialização em diversos países para o tratamento do tabagismo, obesidade e de desordens metabólicas associadas. MÉTODO: Foi realizada uma busca na literatura no PubMed e Scielo até fevereiro de 2009, com os termos "obesity", "rimonabant", "cannabinoids", "unwanted effects", "diabetes" , "smoking cessation" e "side effects". RESULTADOS: Ensaios clínicos revelaram que o rimonabanto pode produzir perda de peso em pacientes obesos, embora também possa induzir sintomas de ansiedade e depressão. DISCUSSÃO: Pacientes tomando antagonistas do receptor CB1 devem ser cuidadosamente examinados quanto aos efeitos-colaterais psiquiátricos. Estas drogas não devem ser prescritas a indivíduos que já sofrem de transtornos mentais. Entretanto, o desenvolvimento de novos compostos que atuem no sistema endocanabinóide para o tratamento das mais diversas condições parece necessário e oportuno. <![CDATA[<b>A review of psychiatric genetics research in the Brazilian population</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462009000200013&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJECTIVE AND METHOD: A large increase in the number of Brazilian studies on psychiatric genetics has been observed in the 1970's since the first publications conducted by a group of researchers in Brazil. Here we reviewed the literature and evaluated the advantages and difficulties of psychiatric genetic studies in the Brazilian population. CONCLUSION: The Brazilian population is one of the most heterogeneous populations in the world, formed mainly by the admixture between European, African and Native American populations. Although the admixture process is not a particularity of the Brazilian population, much of the history and social development in Brazil underlies the ethnic melting pot we observe nowadays. Such ethnical heterogeneity of the Brazilian population obviously brings some problems when performing genetic studies. However, the Brazilian population offers a number of particular characteristics that are of major interest when genetic studies are carried out, such as the presence of isolated populations. Thus, differences in the genetic profile and in the exposure to environmental risks may result in different interactions and pathways to psychopathology.<hr/>OBJETIVO E MÉTODO: Desde a década de 70, quando os primeiros estudos em genética psiquiátrica conduzidos por um grupo de brasileiros foram publicados, o número de trabalhos realizados no Brasil vem aumentando consideravelmente. Através desta revisão, avaliamos as vantagens e as dificuldades da realização de pesquisas em psiquiatria genética na população brasileira. CONCLUSÃO: A população brasileira é uma das mais heterogêneas do mundo, formada principalmente pela combinação entre populações européia, africana e nativa americana. Apesar de a mistura entre raças não ser uma particularidade da população brasileira, a história e o desenvolvimento social no Brasil ocasionou uma grande miscigenação étnica, a qual é observada atualmente. Devido à heterogeneidade de suas origens, diversos problemas são levantados em estudos genéticos realizados no Brasil. Porém, a população brasileira oferece características particulares para desenvolvimento de pesquisas genéticas, como a presença de populações isoladas. Portanto, diferenças genéticas e exposição a riscos ambientais podem resultar em diferentes interações e caminhos para alterações psicopatológicas. <![CDATA[<b>Systematized physical activity and cognitive performance in elderly with Alzheimer's dementia</b>: <b>a systematic review</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462009000200014&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJETIVO : Apesar da crescente evidência dos benefícios do exercício físico para a cognição, existem controvérsias a respeito da prática de atividade física sistematizada em pacientes com doença de Alzheimer. Desta forma, o objetivo deste trabalho foi o de realizar uma revisão sistemática dos estudos que analisaram o efeito da atividade física sistematizada no desempenho cognitivo em idosos com doença de Alzheimer. MÉTODO : Efetuou-se uma pesquisa na PsycINFO, Biological Abstracts, Medline, Web of Science, Physical Education Index e SPORTDiscus, no período de 1990 a 2008, utilizando-se as seguintes palavras-chave: "physical activity", "physical therapy", "exercise", "fitness", "aerobic", "strength", "intervention", "cognition", "cognitive performance", "Alzheimer's disease", "Alzheimer's dementia", "Alzheimer", além de referências cruzadas dos artigos selecionados. RESULTADOS: Foram encontrados oito estudos que preencheram os critérios de inclusão adotados para o presente trabalho. Estes estudos mostraram que a atividade física sistematizada contribuiu para melhorar pelo menos temporariamente as funções cognitivas em paciente com doença de Alzheimer, particularmente, atenção, funções executivas e linguagem. CONCLUSÃO: Não foi possível estabelecer um protocolo de recomendações a respeito do tipo e intensidade da atividade física sistematizada necessária para produzir benefícios no funcionamento cognitivo. No entanto, a prática regular de atividade física sistematizada parece contribuir para a preservação ou mesmo melhora das funções cognitivas em pacientes com doença de Alzheimer.<hr/>OBJECTIVE: Despite the growing evidence of the benefits of physical exercise for cognition, there is a controversy about the systematic practice of physical activity in patients with Alzheimer's disease. Therefore, the objective of this study was to procedure a systematic review of studies that analyzed the effect of systematized physical activity on cognitive performance in elderly individuals with Alzheimer's disease. METHOD: We conducted a search in PsycINFO, Biological Abstracts, Medline, Web of Science, Physical Education and SPORTDiscus Index from 1990 to 2008, using the following keywords: "physical activity", "physical therapy", "exercise", "fitness", "aerobic", "strength", "intervention", "cognition", "cognitive performance", "Alzheimer's disease", "Alzheimer's dementia", "Alzheimer's", and cross-references of selected articles. RESULTS: There were found eight studies that met inclusion criteria adopted for the present work. These studies showed that systematized physical activity contributed to at least improve temporarily some cognitive functions of patients with Alzheimer's disease, particularly, attention, executive functions and language. CONCLUSION: Unable to establish a protocol of recommendations about the type and intensity of systematized physical activity required to produce benefits in cognitive functioning. However, the practice of regular systematized physical activity appears to contribute to the preservation or improvement of cognitive functions in patients with Alzheimer's disease. <![CDATA[<b>Facial emotion recognition in bipolar disorder</b>: <b>a critical review</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462009000200015&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJECTIVE: Literature review of the controlled studies in the last 18 years in emotion recognition deficits in bipolar disorder. METHOD: A bibliographical research of controlled studies with samples larger than 10 participants from 1990 to June 2008 was completed in Medline, Lilacs, PubMed and ISI. Thirty-two papers were evaluated. RESULTS: Euthymic bipolar disorder presented impairment in recognizing disgust and fear. Manic BD showed difficult to recognize fearful and sad faces. Pediatric bipolar disorder patients and children at risk presented impairment in their capacity to recognize emotions in adults and children faces. Bipolar disorder patients were more accurate in recognizing facial emotions than schizophrenic patients. DISCUSSION: Bipolar disorder patients present impaired recognition of disgust, fear and sadness that can be partially attributed to mood-state. In mania, they have difficult to recognize fear and disgust. Bipolar disorder patients were more accurate in recognizing emotions than depressive and schizophrenic patients. Bipolar disorder children present a tendency to misjudge extreme facial expressions as being moderate or mild in intensity. CONCLUSION: Affective and cognitive deficits in bipolar disorder vary according to the mood states. Follow-up studies re-testing bipolar disorder patients after recovery are needed in order to investigate if these abnormalities reflect a state or trait marker and can be considered an endophenotype. Future studies should aim at standardizing task and designs.<hr/>OBJETIVO: Revisão da literatura de estudos controlados publicados nos últimos 18 anos sobre déficits no reconhecimento de emoções no transtorno bipolar. MÉTODO: Foi realizada uma pesquisa bibliográfica no Medline, Lilacs, PubMed e ISI, selecionando-se o período de 1990 a junho de 2008. Foram incluídos apenas estudos controlados, que tivessem uma das amostras com mais de 10 participantes, totalizando 32 artigos. RESULTADOS: Bipolares eutímicos apresentaram prejuízo no reconhecimento de nojo e medo. Em mania, mostraram dificuldade para reconhecer medo e tristeza. Transtorno bipolar pediátrico e crianças de risco apresentam dificuldade para reconhecer emoções nos rostos de adultos e de crianças. Bipolares foram mais precisos para reconhecer emoções do que os pacientes esquizofrênicos. DISCUSSÃO: Pacientes com transtorno bipolar apresentam prejuízo no reconhecimento de nojo, medo e tristeza, os quais podem ser apenas em parte atribuídos ao estado de humor. No episódio maníaco, eles têm dificuldade para reconhecer medo e nojo. Entretanto, eles são mais precisos no reconhecimento de emoções do que pacientes deprimidos e esquizofrênicos. Crianças com transtorno bipolar apresentam tendência a julgar expressões faciais extremas como sendo de intensidade leve ou moderada. CONCLUSÃO: Déficits afetivos e cognitivos em bipolares sofrem variações dependendo do estado de humor. Estudos de seguimento, reavaliando pacientes após a remissão dos sintomas, são necessários para investigar se estas anormalidades refletem um estado ou traço da doença e se podem ser consideradas endofenótipos. Estudos futuros devem padronizar tarefas e metodologia. <![CDATA[<b>Post-therapy group for pathological gamblers </b>: <b>improvement beyond symptoms</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462009000200016&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJECTIVE: Literature review of the controlled studies in the last 18 years in emotion recognition deficits in bipolar disorder. METHOD: A bibliographical research of controlled studies with samples larger than 10 participants from 1990 to June 2008 was completed in Medline, Lilacs, PubMed and ISI. Thirty-two papers were evaluated. RESULTS: Euthymic bipolar disorder presented impairment in recognizing disgust and fear. Manic BD showed difficult to recognize fearful and sad faces. Pediatric bipolar disorder patients and children at risk presented impairment in their capacity to recognize emotions in adults and children faces. Bipolar disorder patients were more accurate in recognizing facial emotions than schizophrenic patients. DISCUSSION: Bipolar disorder patients present impaired recognition of disgust, fear and sadness that can be partially attributed to mood-state. In mania, they have difficult to recognize fear and disgust. Bipolar disorder patients were more accurate in recognizing emotions than depressive and schizophrenic patients. Bipolar disorder children present a tendency to misjudge extreme facial expressions as being moderate or mild in intensity. CONCLUSION: Affective and cognitive deficits in bipolar disorder vary according to the mood states. Follow-up studies re-testing bipolar disorder patients after recovery are needed in order to investigate if these abnormalities reflect a state or trait marker and can be considered an endophenotype. Future studies should aim at standardizing task and designs.<hr/>OBJETIVO: Revisão da literatura de estudos controlados publicados nos últimos 18 anos sobre déficits no reconhecimento de emoções no transtorno bipolar. MÉTODO: Foi realizada uma pesquisa bibliográfica no Medline, Lilacs, PubMed e ISI, selecionando-se o período de 1990 a junho de 2008. Foram incluídos apenas estudos controlados, que tivessem uma das amostras com mais de 10 participantes, totalizando 32 artigos. RESULTADOS: Bipolares eutímicos apresentaram prejuízo no reconhecimento de nojo e medo. Em mania, mostraram dificuldade para reconhecer medo e tristeza. Transtorno bipolar pediátrico e crianças de risco apresentam dificuldade para reconhecer emoções nos rostos de adultos e de crianças. Bipolares foram mais precisos para reconhecer emoções do que os pacientes esquizofrênicos. DISCUSSÃO: Pacientes com transtorno bipolar apresentam prejuízo no reconhecimento de nojo, medo e tristeza, os quais podem ser apenas em parte atribuídos ao estado de humor. No episódio maníaco, eles têm dificuldade para reconhecer medo e nojo. Entretanto, eles são mais precisos no reconhecimento de emoções do que pacientes deprimidos e esquizofrênicos. Crianças com transtorno bipolar apresentam tendência a julgar expressões faciais extremas como sendo de intensidade leve ou moderada. CONCLUSÃO: Déficits afetivos e cognitivos em bipolares sofrem variações dependendo do estado de humor. Estudos de seguimento, reavaliando pacientes após a remissão dos sintomas, são necessários para investigar se estas anormalidades refletem um estado ou traço da doença e se podem ser consideradas endofenótipos. Estudos futuros devem padronizar tarefas e metodologia. <![CDATA[<b>Fluoxetine associated with severe extrapyramidal symptoms in a patient with basal ganglia lesion</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462009000200017&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJECTIVE: Literature review of the controlled studies in the last 18 years in emotion recognition deficits in bipolar disorder. METHOD: A bibliographical research of controlled studies with samples larger than 10 participants from 1990 to June 2008 was completed in Medline, Lilacs, PubMed and ISI. Thirty-two papers were evaluated. RESULTS: Euthymic bipolar disorder presented impairment in recognizing disgust and fear. Manic BD showed difficult to recognize fearful and sad faces. Pediatric bipolar disorder patients and children at risk presented impairment in their capacity to recognize emotions in adults and children faces. Bipolar disorder patients were more accurate in recognizing facial emotions than schizophrenic patients. DISCUSSION: Bipolar disorder patients present impaired recognition of disgust, fear and sadness that can be partially attributed to mood-state. In mania, they have difficult to recognize fear and disgust. Bipolar disorder patients were more accurate in recognizing emotions than depressive and schizophrenic patients. Bipolar disorder children present a tendency to misjudge extreme facial expressions as being moderate or mild in intensity. CONCLUSION: Affective and cognitive deficits in bipolar disorder vary according to the mood states. Follow-up studies re-testing bipolar disorder patients after recovery are needed in order to investigate if these abnormalities reflect a state or trait marker and can be considered an endophenotype. Future studies should aim at standardizing task and designs.<hr/>OBJETIVO: Revisão da literatura de estudos controlados publicados nos últimos 18 anos sobre déficits no reconhecimento de emoções no transtorno bipolar. MÉTODO: Foi realizada uma pesquisa bibliográfica no Medline, Lilacs, PubMed e ISI, selecionando-se o período de 1990 a junho de 2008. Foram incluídos apenas estudos controlados, que tivessem uma das amostras com mais de 10 participantes, totalizando 32 artigos. RESULTADOS: Bipolares eutímicos apresentaram prejuízo no reconhecimento de nojo e medo. Em mania, mostraram dificuldade para reconhecer medo e tristeza. Transtorno bipolar pediátrico e crianças de risco apresentam dificuldade para reconhecer emoções nos rostos de adultos e de crianças. Bipolares foram mais precisos para reconhecer emoções do que os pacientes esquizofrênicos. DISCUSSÃO: Pacientes com transtorno bipolar apresentam prejuízo no reconhecimento de nojo, medo e tristeza, os quais podem ser apenas em parte atribuídos ao estado de humor. No episódio maníaco, eles têm dificuldade para reconhecer medo e nojo. Entretanto, eles são mais precisos no reconhecimento de emoções do que pacientes deprimidos e esquizofrênicos. Crianças com transtorno bipolar apresentam tendência a julgar expressões faciais extremas como sendo de intensidade leve ou moderada. CONCLUSÃO: Déficits afetivos e cognitivos em bipolares sofrem variações dependendo do estado de humor. Estudos de seguimento, reavaliando pacientes após a remissão dos sintomas, são necessários para investigar se estas anormalidades refletem um estado ou traço da doença e se podem ser consideradas endofenótipos. Estudos futuros devem padronizar tarefas e metodologia. <![CDATA[<b>Neuropsychological aspects of bipolar disorder</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462009000200018&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJECTIVE: Literature review of the controlled studies in the last 18 years in emotion recognition deficits in bipolar disorder. METHOD: A bibliographical research of controlled studies with samples larger than 10 participants from 1990 to June 2008 was completed in Medline, Lilacs, PubMed and ISI. Thirty-two papers were evaluated. RESULTS: Euthymic bipolar disorder presented impairment in recognizing disgust and fear. Manic BD showed difficult to recognize fearful and sad faces. Pediatric bipolar disorder patients and children at risk presented impairment in their capacity to recognize emotions in adults and children faces. Bipolar disorder patients were more accurate in recognizing facial emotions than schizophrenic patients. DISCUSSION: Bipolar disorder patients present impaired recognition of disgust, fear and sadness that can be partially attributed to mood-state. In mania, they have difficult to recognize fear and disgust. Bipolar disorder patients were more accurate in recognizing emotions than depressive and schizophrenic patients. Bipolar disorder children present a tendency to misjudge extreme facial expressions as being moderate or mild in intensity. CONCLUSION: Affective and cognitive deficits in bipolar disorder vary according to the mood states. Follow-up studies re-testing bipolar disorder patients after recovery are needed in order to investigate if these abnormalities reflect a state or trait marker and can be considered an endophenotype. Future studies should aim at standardizing task and designs.<hr/>OBJETIVO: Revisão da literatura de estudos controlados publicados nos últimos 18 anos sobre déficits no reconhecimento de emoções no transtorno bipolar. MÉTODO: Foi realizada uma pesquisa bibliográfica no Medline, Lilacs, PubMed e ISI, selecionando-se o período de 1990 a junho de 2008. Foram incluídos apenas estudos controlados, que tivessem uma das amostras com mais de 10 participantes, totalizando 32 artigos. RESULTADOS: Bipolares eutímicos apresentaram prejuízo no reconhecimento de nojo e medo. Em mania, mostraram dificuldade para reconhecer medo e tristeza. Transtorno bipolar pediátrico e crianças de risco apresentam dificuldade para reconhecer emoções nos rostos de adultos e de crianças. Bipolares foram mais precisos para reconhecer emoções do que os pacientes esquizofrênicos. DISCUSSÃO: Pacientes com transtorno bipolar apresentam prejuízo no reconhecimento de nojo, medo e tristeza, os quais podem ser apenas em parte atribuídos ao estado de humor. No episódio maníaco, eles têm dificuldade para reconhecer medo e nojo. Entretanto, eles são mais precisos no reconhecimento de emoções do que pacientes deprimidos e esquizofrênicos. Crianças com transtorno bipolar apresentam tendência a julgar expressões faciais extremas como sendo de intensidade leve ou moderada. CONCLUSÃO: Déficits afetivos e cognitivos em bipolares sofrem variações dependendo do estado de humor. Estudos de seguimento, reavaliando pacientes após a remissão dos sintomas, são necessários para investigar se estas anormalidades refletem um estado ou traço da doença e se podem ser consideradas endofenótipos. Estudos futuros devem padronizar tarefas e metodologia. <![CDATA[<b>Internet addiction</b>: <b>perspectives on cognitive-behavioral therapy</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462009000200019&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJECTIVE: Literature review of the controlled studies in the last 18 years in emotion recognition deficits in bipolar disorder. METHOD: A bibliographical research of controlled studies with samples larger than 10 participants from 1990 to June 2008 was completed in Medline, Lilacs, PubMed and ISI. Thirty-two papers were evaluated. RESULTS: Euthymic bipolar disorder presented impairment in recognizing disgust and fear. Manic BD showed difficult to recognize fearful and sad faces. Pediatric bipolar disorder patients and children at risk presented impairment in their capacity to recognize emotions in adults and children faces. Bipolar disorder patients were more accurate in recognizing facial emotions than schizophrenic patients. DISCUSSION: Bipolar disorder patients present impaired recognition of disgust, fear and sadness that can be partially attributed to mood-state. In mania, they have difficult to recognize fear and disgust. Bipolar disorder patients were more accurate in recognizing emotions than depressive and schizophrenic patients. Bipolar disorder children present a tendency to misjudge extreme facial expressions as being moderate or mild in intensity. CONCLUSION: Affective and cognitive deficits in bipolar disorder vary according to the mood states. Follow-up studies re-testing bipolar disorder patients after recovery are needed in order to investigate if these abnormalities reflect a state or trait marker and can be considered an endophenotype. Future studies should aim at standardizing task and designs.<hr/>OBJETIVO: Revisão da literatura de estudos controlados publicados nos últimos 18 anos sobre déficits no reconhecimento de emoções no transtorno bipolar. MÉTODO: Foi realizada uma pesquisa bibliográfica no Medline, Lilacs, PubMed e ISI, selecionando-se o período de 1990 a junho de 2008. Foram incluídos apenas estudos controlados, que tivessem uma das amostras com mais de 10 participantes, totalizando 32 artigos. RESULTADOS: Bipolares eutímicos apresentaram prejuízo no reconhecimento de nojo e medo. Em mania, mostraram dificuldade para reconhecer medo e tristeza. Transtorno bipolar pediátrico e crianças de risco apresentam dificuldade para reconhecer emoções nos rostos de adultos e de crianças. Bipolares foram mais precisos para reconhecer emoções do que os pacientes esquizofrênicos. DISCUSSÃO: Pacientes com transtorno bipolar apresentam prejuízo no reconhecimento de nojo, medo e tristeza, os quais podem ser apenas em parte atribuídos ao estado de humor. No episódio maníaco, eles têm dificuldade para reconhecer medo e nojo. Entretanto, eles são mais precisos no reconhecimento de emoções do que pacientes deprimidos e esquizofrênicos. Crianças com transtorno bipolar apresentam tendência a julgar expressões faciais extremas como sendo de intensidade leve ou moderada. CONCLUSÃO: Déficits afetivos e cognitivos em bipolares sofrem variações dependendo do estado de humor. Estudos de seguimento, reavaliando pacientes após a remissão dos sintomas, são necessários para investigar se estas anormalidades refletem um estado ou traço da doença e se podem ser consideradas endofenótipos. Estudos futuros devem padronizar tarefas e metodologia. <![CDATA[<b>Huntington's disease</b>: <b>a negative family history case report demonstrating reduction of psychiatric symptoms with olanzapine</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462009000200020&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJECTIVE: Literature review of the controlled studies in the last 18 years in emotion recognition deficits in bipolar disorder. METHOD: A bibliographical research of controlled studies with samples larger than 10 participants from 1990 to June 2008 was completed in Medline, Lilacs, PubMed and ISI. Thirty-two papers were evaluated. RESULTS: Euthymic bipolar disorder presented impairment in recognizing disgust and fear. Manic BD showed difficult to recognize fearful and sad faces. Pediatric bipolar disorder patients and children at risk presented impairment in their capacity to recognize emotions in adults and children faces. Bipolar disorder patients were more accurate in recognizing facial emotions than schizophrenic patients. DISCUSSION: Bipolar disorder patients present impaired recognition of disgust, fear and sadness that can be partially attributed to mood-state. In mania, they have difficult to recognize fear and disgust. Bipolar disorder patients were more accurate in recognizing emotions than depressive and schizophrenic patients. Bipolar disorder children present a tendency to misjudge extreme facial expressions as being moderate or mild in intensity. CONCLUSION: Affective and cognitive deficits in bipolar disorder vary according to the mood states. Follow-up studies re-testing bipolar disorder patients after recovery are needed in order to investigate if these abnormalities reflect a state or trait marker and can be considered an endophenotype. Future studies should aim at standardizing task and designs.<hr/>OBJETIVO: Revisão da literatura de estudos controlados publicados nos últimos 18 anos sobre déficits no reconhecimento de emoções no transtorno bipolar. MÉTODO: Foi realizada uma pesquisa bibliográfica no Medline, Lilacs, PubMed e ISI, selecionando-se o período de 1990 a junho de 2008. Foram incluídos apenas estudos controlados, que tivessem uma das amostras com mais de 10 participantes, totalizando 32 artigos. RESULTADOS: Bipolares eutímicos apresentaram prejuízo no reconhecimento de nojo e medo. Em mania, mostraram dificuldade para reconhecer medo e tristeza. Transtorno bipolar pediátrico e crianças de risco apresentam dificuldade para reconhecer emoções nos rostos de adultos e de crianças. Bipolares foram mais precisos para reconhecer emoções do que os pacientes esquizofrênicos. DISCUSSÃO: Pacientes com transtorno bipolar apresentam prejuízo no reconhecimento de nojo, medo e tristeza, os quais podem ser apenas em parte atribuídos ao estado de humor. No episódio maníaco, eles têm dificuldade para reconhecer medo e nojo. Entretanto, eles são mais precisos no reconhecimento de emoções do que pacientes deprimidos e esquizofrênicos. Crianças com transtorno bipolar apresentam tendência a julgar expressões faciais extremas como sendo de intensidade leve ou moderada. CONCLUSÃO: Déficits afetivos e cognitivos em bipolares sofrem variações dependendo do estado de humor. Estudos de seguimento, reavaliando pacientes após a remissão dos sintomas, são necessários para investigar se estas anormalidades refletem um estado ou traço da doença e se podem ser consideradas endofenótipos. Estudos futuros devem padronizar tarefas e metodologia. <![CDATA[<b>Morbid jealousy and obsessive-compulsive disorder (OCD)</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462009000200021&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJECTIVE: Literature review of the controlled studies in the last 18 years in emotion recognition deficits in bipolar disorder. METHOD: A bibliographical research of controlled studies with samples larger than 10 participants from 1990 to June 2008 was completed in Medline, Lilacs, PubMed and ISI. Thirty-two papers were evaluated. RESULTS: Euthymic bipolar disorder presented impairment in recognizing disgust and fear. Manic BD showed difficult to recognize fearful and sad faces. Pediatric bipolar disorder patients and children at risk presented impairment in their capacity to recognize emotions in adults and children faces. Bipolar disorder patients were more accurate in recognizing facial emotions than schizophrenic patients. DISCUSSION: Bipolar disorder patients present impaired recognition of disgust, fear and sadness that can be partially attributed to mood-state. In mania, they have difficult to recognize fear and disgust. Bipolar disorder patients were more accurate in recognizing emotions than depressive and schizophrenic patients. Bipolar disorder children present a tendency to misjudge extreme facial expressions as being moderate or mild in intensity. CONCLUSION: Affective and cognitive deficits in bipolar disorder vary according to the mood states. Follow-up studies re-testing bipolar disorder patients after recovery are needed in order to investigate if these abnormalities reflect a state or trait marker and can be considered an endophenotype. Future studies should aim at standardizing task and designs.<hr/>OBJETIVO: Revisão da literatura de estudos controlados publicados nos últimos 18 anos sobre déficits no reconhecimento de emoções no transtorno bipolar. MÉTODO: Foi realizada uma pesquisa bibliográfica no Medline, Lilacs, PubMed e ISI, selecionando-se o período de 1990 a junho de 2008. Foram incluídos apenas estudos controlados, que tivessem uma das amostras com mais de 10 participantes, totalizando 32 artigos. RESULTADOS: Bipolares eutímicos apresentaram prejuízo no reconhecimento de nojo e medo. Em mania, mostraram dificuldade para reconhecer medo e tristeza. Transtorno bipolar pediátrico e crianças de risco apresentam dificuldade para reconhecer emoções nos rostos de adultos e de crianças. Bipolares foram mais precisos para reconhecer emoções do que os pacientes esquizofrênicos. DISCUSSÃO: Pacientes com transtorno bipolar apresentam prejuízo no reconhecimento de nojo, medo e tristeza, os quais podem ser apenas em parte atribuídos ao estado de humor. No episódio maníaco, eles têm dificuldade para reconhecer medo e nojo. Entretanto, eles são mais precisos no reconhecimento de emoções do que pacientes deprimidos e esquizofrênicos. Crianças com transtorno bipolar apresentam tendência a julgar expressões faciais extremas como sendo de intensidade leve ou moderada. CONCLUSÃO: Déficits afetivos e cognitivos em bipolares sofrem variações dependendo do estado de humor. Estudos de seguimento, reavaliando pacientes após a remissão dos sintomas, são necessários para investigar se estas anormalidades refletem um estado ou traço da doença e se podem ser consideradas endofenótipos. Estudos futuros devem padronizar tarefas e metodologia. <![CDATA[<b>Sexual compulsion and HIV transmission</b>: <b>a case report</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462009000200022&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJECTIVE: Literature review of the controlled studies in the last 18 years in emotion recognition deficits in bipolar disorder. METHOD: A bibliographical research of controlled studies with samples larger than 10 participants from 1990 to June 2008 was completed in Medline, Lilacs, PubMed and ISI. Thirty-two papers were evaluated. RESULTS: Euthymic bipolar disorder presented impairment in recognizing disgust and fear. Manic BD showed difficult to recognize fearful and sad faces. Pediatric bipolar disorder patients and children at risk presented impairment in their capacity to recognize emotions in adults and children faces. Bipolar disorder patients were more accurate in recognizing facial emotions than schizophrenic patients. DISCUSSION: Bipolar disorder patients present impaired recognition of disgust, fear and sadness that can be partially attributed to mood-state. In mania, they have difficult to recognize fear and disgust. Bipolar disorder patients were more accurate in recognizing emotions than depressive and schizophrenic patients. Bipolar disorder children present a tendency to misjudge extreme facial expressions as being moderate or mild in intensity. CONCLUSION: Affective and cognitive deficits in bipolar disorder vary according to the mood states. Follow-up studies re-testing bipolar disorder patients after recovery are needed in order to investigate if these abnormalities reflect a state or trait marker and can be considered an endophenotype. Future studies should aim at standardizing task and designs.<hr/>OBJETIVO: Revisão da literatura de estudos controlados publicados nos últimos 18 anos sobre déficits no reconhecimento de emoções no transtorno bipolar. MÉTODO: Foi realizada uma pesquisa bibliográfica no Medline, Lilacs, PubMed e ISI, selecionando-se o período de 1990 a junho de 2008. Foram incluídos apenas estudos controlados, que tivessem uma das amostras com mais de 10 participantes, totalizando 32 artigos. RESULTADOS: Bipolares eutímicos apresentaram prejuízo no reconhecimento de nojo e medo. Em mania, mostraram dificuldade para reconhecer medo e tristeza. Transtorno bipolar pediátrico e crianças de risco apresentam dificuldade para reconhecer emoções nos rostos de adultos e de crianças. Bipolares foram mais precisos para reconhecer emoções do que os pacientes esquizofrênicos. DISCUSSÃO: Pacientes com transtorno bipolar apresentam prejuízo no reconhecimento de nojo, medo e tristeza, os quais podem ser apenas em parte atribuídos ao estado de humor. No episódio maníaco, eles têm dificuldade para reconhecer medo e nojo. Entretanto, eles são mais precisos no reconhecimento de emoções do que pacientes deprimidos e esquizofrênicos. Crianças com transtorno bipolar apresentam tendência a julgar expressões faciais extremas como sendo de intensidade leve ou moderada. CONCLUSÃO: Déficits afetivos e cognitivos em bipolares sofrem variações dependendo do estado de humor. Estudos de seguimento, reavaliando pacientes após a remissão dos sintomas, são necessários para investigar se estas anormalidades refletem um estado ou traço da doença e se podem ser consideradas endofenótipos. Estudos futuros devem padronizar tarefas e metodologia. <![CDATA[<b>Specific language impairment in an adult with type I bipolar disorder</b>: <b>a case report</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462009000200023&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJECTIVE: Literature review of the controlled studies in the last 18 years in emotion recognition deficits in bipolar disorder. METHOD: A bibliographical research of controlled studies with samples larger than 10 participants from 1990 to June 2008 was completed in Medline, Lilacs, PubMed and ISI. Thirty-two papers were evaluated. RESULTS: Euthymic bipolar disorder presented impairment in recognizing disgust and fear. Manic BD showed difficult to recognize fearful and sad faces. Pediatric bipolar disorder patients and children at risk presented impairment in their capacity to recognize emotions in adults and children faces. Bipolar disorder patients were more accurate in recognizing facial emotions than schizophrenic patients. DISCUSSION: Bipolar disorder patients present impaired recognition of disgust, fear and sadness that can be partially attributed to mood-state. In mania, they have difficult to recognize fear and disgust. Bipolar disorder patients were more accurate in recognizing emotions than depressive and schizophrenic patients. Bipolar disorder children present a tendency to misjudge extreme facial expressions as being moderate or mild in intensity. CONCLUSION: Affective and cognitive deficits in bipolar disorder vary according to the mood states. Follow-up studies re-testing bipolar disorder patients after recovery are needed in order to investigate if these abnormalities reflect a state or trait marker and can be considered an endophenotype. Future studies should aim at standardizing task and designs.<hr/>OBJETIVO: Revisão da literatura de estudos controlados publicados nos últimos 18 anos sobre déficits no reconhecimento de emoções no transtorno bipolar. MÉTODO: Foi realizada uma pesquisa bibliográfica no Medline, Lilacs, PubMed e ISI, selecionando-se o período de 1990 a junho de 2008. Foram incluídos apenas estudos controlados, que tivessem uma das amostras com mais de 10 participantes, totalizando 32 artigos. RESULTADOS: Bipolares eutímicos apresentaram prejuízo no reconhecimento de nojo e medo. Em mania, mostraram dificuldade para reconhecer medo e tristeza. Transtorno bipolar pediátrico e crianças de risco apresentam dificuldade para reconhecer emoções nos rostos de adultos e de crianças. Bipolares foram mais precisos para reconhecer emoções do que os pacientes esquizofrênicos. DISCUSSÃO: Pacientes com transtorno bipolar apresentam prejuízo no reconhecimento de nojo, medo e tristeza, os quais podem ser apenas em parte atribuídos ao estado de humor. No episódio maníaco, eles têm dificuldade para reconhecer medo e nojo. Entretanto, eles são mais precisos no reconhecimento de emoções do que pacientes deprimidos e esquizofrênicos. Crianças com transtorno bipolar apresentam tendência a julgar expressões faciais extremas como sendo de intensidade leve ou moderada. CONCLUSÃO: Déficits afetivos e cognitivos em bipolares sofrem variações dependendo do estado de humor. Estudos de seguimento, reavaliando pacientes após a remissão dos sintomas, são necessários para investigar se estas anormalidades refletem um estado ou traço da doença e se podem ser consideradas endofenótipos. Estudos futuros devem padronizar tarefas e metodologia. <![CDATA[<b>Depressão</b>: <b>do neurônio ao funcionamento social</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462009000200024&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJECTIVE: Literature review of the controlled studies in the last 18 years in emotion recognition deficits in bipolar disorder. METHOD: A bibliographical research of controlled studies with samples larger than 10 participants from 1990 to June 2008 was completed in Medline, Lilacs, PubMed and ISI. Thirty-two papers were evaluated. RESULTS: Euthymic bipolar disorder presented impairment in recognizing disgust and fear. Manic BD showed difficult to recognize fearful and sad faces. Pediatric bipolar disorder patients and children at risk presented impairment in their capacity to recognize emotions in adults and children faces. Bipolar disorder patients were more accurate in recognizing facial emotions than schizophrenic patients. DISCUSSION: Bipolar disorder patients present impaired recognition of disgust, fear and sadness that can be partially attributed to mood-state. In mania, they have difficult to recognize fear and disgust. Bipolar disorder patients were more accurate in recognizing emotions than depressive and schizophrenic patients. Bipolar disorder children present a tendency to misjudge extreme facial expressions as being moderate or mild in intensity. CONCLUSION: Affective and cognitive deficits in bipolar disorder vary according to the mood states. Follow-up studies re-testing bipolar disorder patients after recovery are needed in order to investigate if these abnormalities reflect a state or trait marker and can be considered an endophenotype. Future studies should aim at standardizing task and designs.<hr/>OBJETIVO: Revisão da literatura de estudos controlados publicados nos últimos 18 anos sobre déficits no reconhecimento de emoções no transtorno bipolar. MÉTODO: Foi realizada uma pesquisa bibliográfica no Medline, Lilacs, PubMed e ISI, selecionando-se o período de 1990 a junho de 2008. Foram incluídos apenas estudos controlados, que tivessem uma das amostras com mais de 10 participantes, totalizando 32 artigos. RESULTADOS: Bipolares eutímicos apresentaram prejuízo no reconhecimento de nojo e medo. Em mania, mostraram dificuldade para reconhecer medo e tristeza. Transtorno bipolar pediátrico e crianças de risco apresentam dificuldade para reconhecer emoções nos rostos de adultos e de crianças. Bipolares foram mais precisos para reconhecer emoções do que os pacientes esquizofrênicos. DISCUSSÃO: Pacientes com transtorno bipolar apresentam prejuízo no reconhecimento de nojo, medo e tristeza, os quais podem ser apenas em parte atribuídos ao estado de humor. No episódio maníaco, eles têm dificuldade para reconhecer medo e nojo. Entretanto, eles são mais precisos no reconhecimento de emoções do que pacientes deprimidos e esquizofrênicos. Crianças com transtorno bipolar apresentam tendência a julgar expressões faciais extremas como sendo de intensidade leve ou moderada. CONCLUSÃO: Déficits afetivos e cognitivos em bipolares sofrem variações dependendo do estado de humor. Estudos de seguimento, reavaliando pacientes após a remissão dos sintomas, são necessários para investigar se estas anormalidades refletem um estado ou traço da doença e se podem ser consideradas endofenótipos. Estudos futuros devem padronizar tarefas e metodologia. <![CDATA[<b>Psicopatologia fenomenológica contemporânea</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462009000200025&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJECTIVE: Literature review of the controlled studies in the last 18 years in emotion recognition deficits in bipolar disorder. METHOD: A bibliographical research of controlled studies with samples larger than 10 participants from 1990 to June 2008 was completed in Medline, Lilacs, PubMed and ISI. Thirty-two papers were evaluated. RESULTS: Euthymic bipolar disorder presented impairment in recognizing disgust and fear. Manic BD showed difficult to recognize fearful and sad faces. Pediatric bipolar disorder patients and children at risk presented impairment in their capacity to recognize emotions in adults and children faces. Bipolar disorder patients were more accurate in recognizing facial emotions than schizophrenic patients. DISCUSSION: Bipolar disorder patients present impaired recognition of disgust, fear and sadness that can be partially attributed to mood-state. In mania, they have difficult to recognize fear and disgust. Bipolar disorder patients were more accurate in recognizing emotions than depressive and schizophrenic patients. Bipolar disorder children present a tendency to misjudge extreme facial expressions as being moderate or mild in intensity. CONCLUSION: Affective and cognitive deficits in bipolar disorder vary according to the mood states. Follow-up studies re-testing bipolar disorder patients after recovery are needed in order to investigate if these abnormalities reflect a state or trait marker and can be considered an endophenotype. Future studies should aim at standardizing task and designs.<hr/>OBJETIVO: Revisão da literatura de estudos controlados publicados nos últimos 18 anos sobre déficits no reconhecimento de emoções no transtorno bipolar. MÉTODO: Foi realizada uma pesquisa bibliográfica no Medline, Lilacs, PubMed e ISI, selecionando-se o período de 1990 a junho de 2008. Foram incluídos apenas estudos controlados, que tivessem uma das amostras com mais de 10 participantes, totalizando 32 artigos. RESULTADOS: Bipolares eutímicos apresentaram prejuízo no reconhecimento de nojo e medo. Em mania, mostraram dificuldade para reconhecer medo e tristeza. Transtorno bipolar pediátrico e crianças de risco apresentam dificuldade para reconhecer emoções nos rostos de adultos e de crianças. Bipolares foram mais precisos para reconhecer emoções do que os pacientes esquizofrênicos. DISCUSSÃO: Pacientes com transtorno bipolar apresentam prejuízo no reconhecimento de nojo, medo e tristeza, os quais podem ser apenas em parte atribuídos ao estado de humor. No episódio maníaco, eles têm dificuldade para reconhecer medo e nojo. Entretanto, eles são mais precisos no reconhecimento de emoções do que pacientes deprimidos e esquizofrênicos. Crianças com transtorno bipolar apresentam tendência a julgar expressões faciais extremas como sendo de intensidade leve ou moderada. CONCLUSÃO: Déficits afetivos e cognitivos em bipolares sofrem variações dependendo do estado de humor. Estudos de seguimento, reavaliando pacientes após a remissão dos sintomas, são necessários para investigar se estas anormalidades refletem um estado ou traço da doença e se podem ser consideradas endofenótipos. Estudos futuros devem padronizar tarefas e metodologia. <link>http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462009000200026&lng=en&nrm=iso&tlng=en</link> <description/> </item> </channel> </rss> <!--transformed by PHP 12:10:16 15-10-2019-->