Scielo RSS <![CDATA[Revista Brasileira de Medicina do Esporte]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=1517-869220000005&lang=en vol. 6 num. 5 lang. en <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[<b>Atividade física orientada para as crianças Brasileiras</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-86922000000500001&lng=en&nrm=iso&tlng=en <![CDATA[<b>Comparison of the exercise intensity at lactate minimum, lactate threshold, and anaerobic threshold during bicycle exercise with endurance athletes</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-86922000000500002&lng=en&nrm=iso&tlng=en O objetivo deste estudo foi comparar a intensidade de exercício no lactato mínimo (LACmin), com a intensidade correspondente ao limiar de lactato (LL) e limiar anaeróbio (LAn). Participaram do estudo, 11 atletas do sexo masculino (idade, 22,5 + 3,17 anos; altura, 172,3 + 8,2 cm; peso, 66,9 + 8,2kg; e gordura corporal, 9,8 + 3,4%). Os indivíduos foram submetidos, em uma bicicleta eletromagnética (Quinton - Corival 400), a dois testes: 1) exercício contínuo de cargas crescentes - carga inicial de 100W, com incrementos de 25W a cada três min. até a exaustão voluntária; e 2) teste de lactato mínimo - inicialmente os indivíduos pedalaram duas vezes 425W (+ 120%<img border=0 width=32 height=32 src="../../../../../img/revistas/rbme/v6n5/a2e01.gif" align=top>max) durante 30 segundos, com um min. de intervalo, com o objetivo de induzir o acúmulo de lactato. Após oito min. de recuperação passiva, os indivíduos iniciaram um teste contínuo de cargas progressivas, idêntico ao descrito anteriormente. O LL e o LAn foram identificados como sendo o menor valor entre a razão - lactato sanguíneo (mM) / intensidade de exercício (W), e a intensidade correspondente a 3,5mM de lactato sanguíneo, respectivamente. O LACmin foi identificado como sendo a intensidade correspondente a menor concentração de lactato durante o teste de cargas progressivas. Não foi observada diferença significante entre a potência do LL (197,7 + 20,7W) e do LACmin (201,6 + 13,0W), sendo ambas significantemente menores do que do LAn (256,7 + 33,3W). Não foram encontradas também diferenças significantes para o <img border=0 width=32 height=32 src="../../../../../img/revistas/rbme/v6n5/a2e01.gif" align=top>(ml.kg-1.min-1) e a FC (bpm) obtidos no LL (43,2 + 5,01; 152,0 + 13,0) e no LACmin (42,1 + 3,9; 159,0 + 10,0), sendo entretanto significantemente menores do que os obtidos para o LAn (52,2 + 8,2; 174,0 + 13,0, respectivamente). Pode-se concluir que o teste de LACmin, nas condições experimentais deste estudo, pode subestimar a intensidade de MSSLAC (estimada indiretamente pelo LAn), o que concordacom outros estudos que determinaram a MSSLAC diretamente. Assim, são necessários mais estudos que analisem o possível componente tempo-dependente (intensidade inicial) que pode existir no protocolo do LACmin.<hr/>The objective of this study was to compare the exercise intensity at lactate minimum (LACmin), with the intensity corresponding to lactate threshold (LT) and anaerobic threshold (AT). Eleven male athletes (age, 22.5 + 3.17 yr.; height, 172.3 + 8.2 cm; weight, 66.9 + 8.2 kg; and body fat, 9.8 + 3.4 %), participated in this study. The individuals performed two tests in an electromagnetic cycle (Quinton - Corival 400): 1) progressive load test - initial load of 100 W, with increments of 25 W to volitional fatigue; and 2) lactate minimum test - initially the individuals performed two supramaximal boats (+ 120% <img border=0 width=32 height=32 src="../../../../../img/revistas/rbme/v6n5/a2e01.gif" align=top>max) for 30 seconds, with 1-min. rest interval between boats to induce hyperlactemia. After 8 min. of passive recovery, individuals began a progressive load test, identical to that previously described. LT and AT were identified as the smallest values among the ratio - blood lactate (mM) : exercise intensity (W), and the intensity corresponding to 3.5 mM of blood lactate, respectively. The LACmin intensity (the intensity corresponding to the nadir on the blood lactate versus intensity plot) was determined from the zero gradient tangent to a spline function fitting the blood lactate data derived from the incremental part of the test. No significant difference was observed among the power at the LT (197.7 + 20.7 W) and LACmin (201.6 + 13.0 W), being both significantly lower than AT (256.7 + 33.3 W). There were no significant differences for the <img border=0 width=32 height=32 src="../../../../../img/revistas/rbme/v6n5/a2e01.gif" align=top>(ml.kg-1.min-1) and HR (bpm) obtained at the LT (43.2 + 5.01; 152.0 + 13.0) and LACmin (42.1 + 3.9; 159.0 + 10.0), being however significantly lower than that obtained at the AT (52.2 + 8.2; 174.0 + 13.0, respectively). It can be concluded that the LACmin test, under the condition of this investigation, can underestimate the intensity of MSSLAC (indirectly assessed by AT), which is consistent with other studies that determined MSSLAC directly. Thus, more studies are necessary to access the possible time-dependant component (initial intensity) that may exist in the LACmin test. <![CDATA[<b>Public health and physical activity in the context of developing countries</b>: <b>evidences and perspectives to overcome the delay</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-86922000000500003&lng=en&nrm=iso&tlng=en Partindo-se da constatação de que no continente sul-americano, as investigações sobre Atividade Física/Saúde Coletiva têm tomado rumos que mais se aproximam daqueles agravos que acometem pessoas de países desenvolvidos, cujos resultados raramente podem ser acolhidos como referência para nossa realidade, apresentam-se procedimentos metodológicos sobre as formas de mensuração da atividade física desde as medidas diretas realizadas em laboratório, até as indiretas utilizadas para estimativa de consumo calórico de tarefas habituais. Em seguida, o binômio Saúde Coletiva/Exercício Físico é abordado com ênfase para as perspectivas e limitações desta relação em nosso meio. Em momento subseqüente, considerando a possibilidade do padrão epidemiológico de transição, tematiza-se, a partir da literatura técnica pertinente, a prática de exercícios físicos, saúde e agravos infecciosos, apontando-se para algumas vertentes de investigação em nosso meio, com vistas à superação da lacuna apresentada.<hr/>The investigation of physical activity/public health in South America presents results near to those found in developed countries. Such results are rarely accepted as reference to our reality. The methodological procedures for the evaluation of physical activities range from direct measurements accomplished in laboratory to those used to estimate caloric consumption during daily tasks. Then, the binomial Public Health/Physical Exercise is approached with emphasis on the perspectives and limitations of this relation in our environment. The authors also make a literature review considering the possibility related to the transitional epidemiological standard, focused on the practice of physical exercises, health and infectious illnesses, showing some alternatives for the investigation of the current reality and aiming at overcoming the delay in area. <![CDATA[<b>Alguns aspectos básicos para uma proposta de taxionomia no estudo da composição corporal, com pressupostos em cineantropometria</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-86922000000500004&lng=en&nrm=iso&tlng=en A antropometria é uma área de estudos essencial em cineantropometria, pois proporciona informações específicas sobre a análise da compleição física. As diferentes metodologias de análise da composição corporal estão classificadas como direta, indireta e duplamente indireta. A escolha metodológica deve estar diretamente relacionada com o nível de precisão de análise que se pretende obter: atômico, molecular, celular, tecidual ou genérico. Tais aspectos findam por especificar também o número de componentes da composição corporal a ser inferida (modelo de 2 ou + componentes). A maioria das técnicas metodológicas visa encontrar a densidade corporal do(s) avaliado(s), para a partir daí, através de equações matemáticas, estimar o percentual de gordura corporal (GC). Os percentuais de GC em níveis saudáveis, do ponto de vista da saúde (segundo a Organização Mundial da Saúde) para sedentários ou praticantes regulares de exercícios físicos, devem ser maiores do que aqueles sugeridos para atletas. Com base nestes princípios, o peso ideal teórico deve deixar de ser sugerido, posto que a composição corporal é que influencia a saúde de forma relevante, não a massa corporal absoluta. Por fim, independente da metodologia utilizada, para se obter resultados confiáveis, válidos e fidedignos sobre a composição corporal faz-se necessário: identificar a população a ser avaliada; conhecer os custos, as limitações e as dificuldades técnicas de cada método; tornar-se proficiente, tanto do ponto de vista conceitual-teórico quanto prático, da técnica escolhida; definir as equações a serem utilizadas de acordo com a população a ser avaliada, principalmente para subgrupos específicos; observar atentamente a anamnese para oferecer explicação dos resultados de forma adequada e compreensível ao avaliado e, por fim, referenciar o resultado obtido com base em uma norma ou critério. <![CDATA[<b>Aptidão física, saúde e qualidade de vida relacionada à saúde em adultos</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-86922000000500005&lng=en&nrm=iso&tlng=en A antropometria é uma área de estudos essencial em cineantropometria, pois proporciona informações específicas sobre a análise da compleição física. As diferentes metodologias de análise da composição corporal estão classificadas como direta, indireta e duplamente indireta. A escolha metodológica deve estar diretamente relacionada com o nível de precisão de análise que se pretende obter: atômico, molecular, celular, tecidual ou genérico. Tais aspectos findam por especificar também o número de componentes da composição corporal a ser inferida (modelo de 2 ou + componentes). A maioria das técnicas metodológicas visa encontrar a densidade corporal do(s) avaliado(s), para a partir daí, através de equações matemáticas, estimar o percentual de gordura corporal (GC). Os percentuais de GC em níveis saudáveis, do ponto de vista da saúde (segundo a Organização Mundial da Saúde) para sedentários ou praticantes regulares de exercícios físicos, devem ser maiores do que aqueles sugeridos para atletas. Com base nestes princípios, o peso ideal teórico deve deixar de ser sugerido, posto que a composição corporal é que influencia a saúde de forma relevante, não a massa corporal absoluta. Por fim, independente da metodologia utilizada, para se obter resultados confiáveis, válidos e fidedignos sobre a composição corporal faz-se necessário: identificar a população a ser avaliada; conhecer os custos, as limitações e as dificuldades técnicas de cada método; tornar-se proficiente, tanto do ponto de vista conceitual-teórico quanto prático, da técnica escolhida; definir as equações a serem utilizadas de acordo com a população a ser avaliada, principalmente para subgrupos específicos; observar atentamente a anamnese para oferecer explicação dos resultados de forma adequada e compreensível ao avaliado e, por fim, referenciar o resultado obtido com base em uma norma ou critério. <![CDATA[<b>Os radicais livres e o dano muscular produzido pelo exercício</b>: <b>papel dos antioxidantes</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-86922000000500006&lng=en&nrm=iso&tlng=en O exercício físico intenso e contínuo é acompanhado pela produção de radicais livres, que provocam uma alteração das membranas celulares, o que causa uma lesão acompanhada por um processo inflamatório ao nível das fibras musculares. Várias causas foram sugeridas para estas alterações, entre as quais o alto grau de estresse provocado pelo exercício, alterações da microcirculação, produção de metabólitos tóxicos e depleção intramuscular dos substratos energéticos. O rápido desenvolvimento da lesão das fibras musculares e do tecido conjuntivo é acompanhado por uma disfunção e migração de componentes intracelulares para os espaços intesticial e plasmático. O dano muscular está associado com aumentos dos níveis plasmáticos de creatinoquinase (CK) e de lactato desidrogenase (LDH), o que serve como indicador do aumento da permeabilidade celular resultante. A formação de radicais livres e o desencadeamento do processo de peroxidação também contribuem para o dano muscular. Embora o papel do exercício na produção da radicais livres não esteja ainda bem esclarecido, um grande número de autores sugerem que a elevação do consumo de oxigênio durante o exercício induz a produção de radicais livres e outras substâncias oxidantes. Recentemente, na literatura foi demonstrado que as vitaminas A (beta-caroteno), E (tocoferol) e C (ácido ascórbico), junto com minerais como o zinco (Zn), atuam como agentes protetores antioxidantes. <![CDATA[<b>III Congresso Sul-Brasileiro de Medicina do Esporte</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-86922000000500007&lng=en&nrm=iso&tlng=en O exercício físico intenso e contínuo é acompanhado pela produção de radicais livres, que provocam uma alteração das membranas celulares, o que causa uma lesão acompanhada por um processo inflamatório ao nível das fibras musculares. Várias causas foram sugeridas para estas alterações, entre as quais o alto grau de estresse provocado pelo exercício, alterações da microcirculação, produção de metabólitos tóxicos e depleção intramuscular dos substratos energéticos. O rápido desenvolvimento da lesão das fibras musculares e do tecido conjuntivo é acompanhado por uma disfunção e migração de componentes intracelulares para os espaços intesticial e plasmático. O dano muscular está associado com aumentos dos níveis plasmáticos de creatinoquinase (CK) e de lactato desidrogenase (LDH), o que serve como indicador do aumento da permeabilidade celular resultante. A formação de radicais livres e o desencadeamento do processo de peroxidação também contribuem para o dano muscular. Embora o papel do exercício na produção da radicais livres não esteja ainda bem esclarecido, um grande número de autores sugerem que a elevação do consumo de oxigênio durante o exercício induz a produção de radicais livres e outras substâncias oxidantes. Recentemente, na literatura foi demonstrado que as vitaminas A (beta-caroteno), E (tocoferol) e C (ácido ascórbico), junto com minerais como o zinco (Zn), atuam como agentes protetores antioxidantes.