Scielo RSS <![CDATA[Revista Brasileira de Medicina do Esporte]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=1517-869220090001&lang=en vol. 15 num. 1 lang. en <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[<b>Editorial</b>: <b>residência médica em medicina do exercício e do esporte e a consolidação da especialidade</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-86922009000100001&lng=en&nrm=iso&tlng=en <![CDATA[<b>Effects of swimming and resistance training on bone mineral density of older women</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-86922009000100002&lng=en&nrm=iso&tlng=en Exercícios com impacto como caminhada, saltos, corridas e exercícios resistidos são muito utilizados para prevenção da perda óssea em idosas. No entanto, poucos são os estudos que relatam os efeitos da natação na manutenção da massa óssea em mulheres idosas. Portanto, o objetivo deste estudo foi comparar os efeitos da natação com o treinamento resistido na densidade mineral óssea (DMO) de mulheres idosas. Vinte e três mulheres com idade média de 63,9 ± 6,49 anos foram divididas em dois grupos: 1) grupo natação (NAT, n = 13, que) treinou em intensidade entre 60 e 90% da freqüência cardíaca de reserva; 2) grupo treinamento resistido (TR, n = 10), que treinou os principais grupamentos musculares com três séries a 80% de 1RM. Os dois grupos praticaram três vezes por semana com uma hora de duração para cada sessão, durante seis meses. A DMO do colo do fêmur e da coluna lombar (L2-L3-L4) foi mensurada através de DXA antes (T0) e após seis meses de treino (T6). Os resultados mostraram que as médias para a DMO lombar em T0 (0,9250 ± 0,1506g/cm²) e T6 (0,9303 ± 0,1269g/cm²) para o NAT e em T0 (0,9739 ± 0,1249g/cm²) e T6 (0,9737 ± 0,1317g/cm²) para o TR não foram diferentes quando comparadas intra ou intergrupos. De modo similar, não houve diferenças entre a DMO do colo do fêmur em T0 (0,7784 ± 0,1523g/cm²) e T6 (0,7905 ± 0,1610g/cm²) para o NAT e T0 (0,7546 ± 0,1360g/cm²) e T6 (0,7522 ± 0,1421g/cm²) para o TR. Os resultados deste estudo não demonstraram diferenças na DMO entre NAT e TR após seis meses de treino; e que tanto TR quanto NAT não produzem aumentos significativos na DMO de mulheres idosas nesse período.<hr/>Impact exercises like walking, jumping, running and resistance exercises are largely used to prevent bone loss in older women; however, few studies report the benefits of swimming to bone tissue. Therefore, the purpose of this study was to compare the effects of swimming with resistance training on bone mineral density (BMD) of older women. Twenty-three women with mean age of 63.9 ± 6.49 years were divided in two groups: 1) Swimming group (SWM, n = 13) trained at intensity between 60 and 90% of heart hate reserve; 2) Resistance training group (RT, n = 10) trained the main muscular groups with three sets at 80% of 1RM. Both groups trained 3 days/week, one hour per session, during six months. Femoral neck and lumbar spine (L2 L3 L4) BMD were assessed by DXA before (T0) and after six months (T6) of training. Results showed that mean BMD at lumbar spine at T0 (0.9250 ± 0.1506g/cm²) and T6 (0.9303 ± 0.1269g/cm²) for SWM, and at T0 (0.9739/ ±/ 0.1249g/cm²) and T6 (0.9737 ± 0.1317g/cm²) for RT were not different when inter and intra-compared. Similarly, there were no differences in femoral neck BMD at T0 (0.7784 ± 0.1523g/cm²) and T6 (0.7905±0.1610g/cm²) for SWM, or T0 (0.7546 ± 0.1360g/cm²) and T6 (0.7522 ± 0.1421g/cm²) for RT. The results of this study showed no difference in BMD between RT and SWM after six months of training. Additionally, neither RT nor SWN produced significant increases in BMD of older women. <![CDATA[<b>Post-exercise pressoric responses of exercises performed at different loads by normotensive women</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-86922009000100003&lng=en&nrm=iso&tlng=en O treinamento com pesos (TP) vem sendo amplamente recomendado para a melhoria de alguns componentes da aptidão física relacionada à saúde. Mais recentemente, vem-se discutindo o impacto do TP em indivíduos com disfunções crônico-degenerativas como a hipertensão arterial. Assim, o objetivo deste estudo foi comparar o efeito de um programa de TP executado com diferentes sobrecargas sobre o comportamento da pressão arterial (PA) pós-exercício. Para tanto, 16 mulheres jovens (20,5 ± 1,5 anos) e aparentemente saudáveis, após ser submetidas a oito semanas de TP para equiparação dos níveis de condicionamento muscular, foram separadas, aleatoriamente, em dois grupos. A partir daí, cada grupo realizou 12 semanas de TP sob diferentes intensidades (GI = 3 X 6-8 RM e GII = 3 X 10-12 RM, respectivamente), com a freqüência de três sessões semanais em dias alternados. Medidas de PA foram obtidas em repouso, por meio do método auscultatório, e nos minutos 1, 5, 10 e 30 após o término de uma sessão de TP. ANOVA two way para medidas repetidas foi utilizada nas comparações entre grupos nos diferentes períodos de tempo, ao passo que o teste post hoc de Scheffé foi empregado para a identificação das diferenças específicas, sendo adotado nível de significância de 5%. Nenhuma diferença estatisticamente significante foi encontrada, tanto para a PA sistólica (PAS) quanto diastólica (PAD), na comparação entre os grupos. Todavia, o efeito hipotensivo do TP foi identificado somente no GI, a PAS apresentando redução significante, quando comparada com os valores de repouso, a partir do 10º minuto de recuperação pós-exercício (P < 0,05). Os resultados sugerem que a resposta hipotensiva pós-exercício acarretada pelo TP parece ser melhorada discretamente por protocolos de maior intensidade.<hr/>Resistance training (RT) has been widely recommended for improvement of some health-related physical fitness components. Recently, the impact of RT in individuals with chronic-degenerative dysfunctions such as hypertension has been discussed. Thus, the aim of this study was to compare the effects of one program of resistance training performed at different intensities on post-exercise blood pressure response. Therefore, sixteen apparently healthy young women (20.5 ± 1.5 year-old) were randomly separated in two groups after having been submitted to an eight-week RT for equalization of muscular fitness levels. Each group then performed 12 weeks of RT prescribed by one of two different-intensity protocols (GI = 3 x 6-8 RM; GII = 3 x 10-12 RM; three alternated days per week). Systolic (SBP) and diastolic (DBP) blood pressures were assessed at rest and at minutes 1, 5, 10 and 30 after training, through auscultatory technique. Two-way ANOVA for repeated measures was used for comparison between groups at the different moments, and Scheffé post-hoc test (a = 5%) was applied to point out where the differences occur. No significant statistical difference (P > 0.05) was found for SBP or DBP between groups at any moment. However, the RT hypotensive effect was observed only for GI, with the SBP showing a significant reduction when compared to rest values at minutes 10 and 30 of recovery (P < 0.05). In conclusion, only higher intensity resistance training can exert a slightly acute hypotensive effect on young females. <![CDATA[<b>BODE prognostic index of mortality and physical activity in chronic obstructive pulmonary patients</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-86922009000100004&lng=en&nrm=iso&tlng=en INTRODUÇÃO E OBJETIVO: A DPOC é importante causa de mortalidade no mundo. Para predizer a mortalidade em pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), o índice BODE é utilizado e sua pontuação pode ser reduzida com a prática de atividade física. Este estudo objetiva verificar a associação entre o índice BODE com atividade física em indivíduos com DPOC. MÉTODOS: Foi calculado o índice BODE usando as variáveis: distância no teste da caminhada de seis minutos (TC6'); Medical Research Council Dyspnea Score (MRC); índice de massa corpórea (IMC) e grau de obstrução ao fluxo aéreo (VEF1). Os indivíduos foram divididos em grupos classificados em ativos fisicamente (AF) e inativos fisicamente (IF). O teste do qui-quadrado foi utilizado para testar a independência das variáveis. O teste t foi utilizado para comparar as variáveis TC6', MRC, IMC, VEF1 entre os grupos de indivíduos AF e IF. RESULTADOS E CONCLUSÃO: Em 38 pacientes com moderada e grave obstrução ao fluxo aéreo (36,5 ± 11,9), o valor médio do BODE foi de 4,1 ± 2,1 para o grupo de indivíduos AF; para o grupo de indivíduos IF, o valor médio do BODE foi de 6 ± 2,2. Houve diferença significativa na comparação das variáveis TC6', MRC, BODE entre os grupos. Existiu maior ocorrência de indivíduos que praticam atividade física de se situar nos quartis um e dois e os indivíduos que não praticam atividade física se situarem nos quartis três e quatro. A existência da maior pontuação do BODE para os pacientes com DPOC considerados inativos fisicamente sustenta o conceito geral de que a inatividade aumenta o risco de morte.<hr/>INTRODUCTION: COPD is an important cause of morbidity and mortality in the world. The BODE is an important predictive index of mortality and its scores can be reduced with the practice of physical activity. OBJECTIVE: To verify the association between BODE and physical activity in patients with chronic obstructive pulmonary disease (COPD). METHODS: the BODE index was calculated using the following variables: distance in the 6-minute walk test (6MWT); Medical Research Council Dyspnea Score (MRC); body mass index (BMI) and degree of pulmonary function (FEV1). The patients were divided in groups classified as physically active (PA) or physically inactive (PI). Qui-square test was used to verify the independence of the variables. T-Student test was used to compare the 6WMT, MRC, BMI, FEV1 variables between PA and PI groups. RESULTS AND CONCLUSION: In 38 patients with moderate and serious obstruction to the air flow (36.5 ± 11.9), BODE mean value was of 4.1/ ±/ 2.1 for the PA group, while for the PI group BODE mean value was of ± 2.2. Significant difference in the comparison of WD6', MRC, BODE variables between groups was observed. There was more occurrence of individuals who practice physical activity in quartiles one and two, while individuals who do not practice aerobic physical activity were in quartiles three and four. Higher scores of BODE for DPOC patients considered physically inactive supports the general concept that inactivity increases risk of death. <![CDATA[<b>Type 1 diabetes mellitus in the lack of autonomic neuropathy does not alter the sudoresis rate in exercise</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-86922009000100005&lng=en&nrm=iso&tlng=en A sudorese é o principal mecanismo autonômico termorregulatório na espécie humana. A taxa de sudorese (TS) durante o exercício pode ser influenciada por diversos fatores, entre eles doenças, como o diabetes mellitus tipo 1, cujos pacientes são vítimas potenciais de distúrbios termorregulatórios. Os exercícios regulares são recomendados para diabéticos e, inclusive, alguns deles tornam-se atletas. No entanto, ainda não foi medida a TS de diabéticos durante exercício progressivo até a exaustão (GXT) e comparada com a de indivíduos sadios com características antropométricas semelhantes. O presente estudo comparou a TS de sete voluntários diabéticos (DM) e sete controles (GC), semelhantes quanto à idade, gênero, composição corporal e capacidade aeróbica. Antes e após o GXT, foram medidos a gravidade específica da urina (GEU), o peso e a glicemia capilar. A TS global foi calculada dividindo-se a variação do peso pelo tempo de coleta e área de superfície corporal. A TS local do antebraço foi calculada utilizando-se a variação do peso de um filtro absorvente corrigido pela sua área e tempo de coleta. As TS locais do antebraço e da perna foram induzidas por iontoforese com pilocarpina (0,5%) no grupo DM. A freqüência cardíaca (FC) foi registrada antes, durante e após GXT. A temperatura média da pele (TMP) e as condições térmicas ambientais foram medidas durante o experimento. A glicemia capilar foi maior no DM, como o esperado. As TS global e local foram semelhantes entre os grupos, enquanto que a FC no repouso e a TMP no repouso e no exercício foram maiores no DM. Não houve diferença entre as TS do antebraço e da perna no DM com a pilocarpina. Concluiu-se que a resposta sudorípara foi semelhante entre diabéticos jovens e grupo controle durante exercício progressivo em ambiente temperado.<hr/>Sudoresis is the main autonomic human thermoregulatory mechanism. It can be influenced by several factors, including diseases, among them diabetes mellitus Type 1 (DM1), whose patients are potential victims of thermoregulatory disturbances. Regular physical exercises are recommended to diabetic people and some of them even become athletes. However, up to now, the sweat rate (SR) of diabetic patients during graded exercise until exhaustion (GXT) has not been compared to the SR of healthy individuals with similar physical characteristics. The present study measured global (SRglobal) and local (SRlocal) sweat rates during GXT in 14 diabetic (DM) and control subjects (CG), similar in age, gender, body composition and aerobic capacity. Urine specific gravity (Gu), body mass and blood glucose (Gblood) were measured before and after GXT. Besides that, Srlocal (forearm and leg) was measured by iontophoresis with pilocarpine (0.5%) in the DM group. Heart rate (HR), skin temperature (Tsk) and environmental thermal conditions were measured during the experiment. Both initial and final Gblood were higher in the DM, as expected. The Gu were similar between groups. Exercise induced similar SRglobal and SRlocal in both groups, whereas the rest HR and rest and exercise Tsk were higher in the DM. Forearm and leg SR were not different in the DM. It was concluded that the sweating response was not different between young diabetic patients and control group during GXT in a temperate environment. <![CDATA[<b>Physical activity practice in adolescence and prevalence of osteoporosis in adulthood</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-86922009000100006&lng=en&nrm=iso&tlng=en O objetivo deste trabalho foi avaliar a associação entre prática de atividade física na adolescência e osteoporose na vida adulta. Realizou-se um estudo de base populacional incluindo uma amostra aleatória de 1.016 indivíduos de 50 anos ou mais. Atividade física no lazer foi avaliada utilizando o Questionário Internacional de Atividade Física - IPAQ. Os indivíduos foram definidos como ativos se estiveram engajados em atividade física durante a sua adolescência (10-19 anos) pelo menos por seis meses consecutivos. Os indivíduos ativos na adolescência demonstraram probabilidade 67% menor do que os inativos de apresentar osteoporose na vida adulta (p < 0,001). Esse resultado se manteve significativo após ajuste para os fatores de confusão (p = 0,005) e para o efeito mediador do nível de atividade física na idade adulta (p = 0,007). Conclui-se que a prática de atividade física na adolescência reduz o risco de osteoporose, independentemente do nível de atividade física na vida adulta. Desse modo, a adolescência é um importante período no desenvolvimento da saúde óssea.<hr/>The aim of the present study was to assess the association between physical activity practice in adolescence and the prevalence of osteoporosis in adulthood. A population-based study with a randomly-selected sample of 1.016 individuals, aged 50 years or older was carried out. Leisure physical activity was assessed using the International Physical Activity Questionnaire (IPAQ). Individuals were defined as active in adolescence (10-19 years) if had been engaged in physical activity for at least six consecutive months. Individuals classified as active in adolescence were 67% less likely to present osteoporosis in adulthood than inactive ones (p/ </ 0.001). This result was still significant after adjustment for confounders (p/ =/ 0.005) and for the mediating effect of adult physical activity (p/ =/ 0.007). In conclusion, physical activity in adolescence reduces the risk of osteoporosis in later life regardless of activity levels in adulthood. Thus, adolescence is a crucial period of life for improvement in bone health. <![CDATA[<b>Injuries in the professional soccer players of Marília Atlético Clube: a cohort study of the Brazilian Championship, 2003 to 2005</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-86922009000100007&lng=en&nrm=iso&tlng=en INTRODUÇÃO E OBJETIVOS: Vários autores têm investigado a incidência de lesões no futebol, poucos têm-se preocupado com o tempo de afastamento dos atletas ou com os prejuízos financeiros oriundos de tal situação. O objetivo deste estudo foi confrontar, através de um estudo de coorte histórico, o tempo total de afastamento de atletas lesionados com as variáveis: idade, posição dos jogadores e tipo de lesão. MÉTODOS: Foram analisados os jogadores de futebol profissional do Marília Atlético Clube que atuaram no Campeonato Brasileiro de Futebol - Série B, de 2003 a 2005. As informações foram coletadas através do acesso direto aos prontuários médicos e protocolo de coleta de dados, com um período de seguimento de 24 meses, sendo, posteriormente, realizada a análise estatística. RESULTADOS: A idade dos jogadores variou de 18 a 35 anos (24,5 ± 4,4); os jogadores mais freqüentemente lesionados foram: atacantes (36,8%), zagueiros (26,6%), meias (20%), laterais (10%) e goleiros (6,6%); as lesões mais comuns foram: musculares (46,8%), ligamentares (26,6%), ósseas (16,6%) e meniscais (10%); o tempo de afastamento nos atacantes variou de 10 a 240 dias (28 ± 78,3), nos zagueiros de 20 a 120 dias (26,5 ± 33,9), nos meias de 10 a 180 dias (18,5 ± 66,3), nos laterais de 13 a 240 dias (17 ± 129,9) e nos goleiros de 35 a 60 dias (47,5 ± 17,6). CONCLUSÃO: A análise estatística mostrou não haver correlação entre a idade dos jogadores e o tempo total de afastamento dos mesmos (p = 0,31), não houve diferença significativa entre o tempo de afastamento nas diferentes posições dos jogadores dentro de campo (p = 0,49), houve diferença significativa entre o tempo total de afastamento e os diferentes tipos de lesão (p < 0,001) entre as variáveis: lesões meniscais e ósseas, lesões meniscais e musculares, lesões ligamentares e ósseas e, finalmente, lesões ligamentares e/ musculares.<hr/>INTRODUCTION AND OBJECTIVES: several authors have investigated the incidence of injuries occurred in outdoor soccer games. However, just a few are concerned about the athletes' healing period or the financial damage due to this no-activity period. The purpose of this study was to assess, through a cohort study, the injured athletes' recovery period, facing it to the variables: age, position in game and injure pattern. METHODS: The medical reports of all professional soccer players of Marília Atlético Clube who were injured during the Brazilian Soccer Championship - 2nd Division, from January/2003 to December/2005 were assessed, with a 24 months follow-up. RESULTS: Athletes' mean age (SD) was 24.5 years (4.4 years); the most frequently injured athletes were: strikers (36.8), center-backs (26.6%), center-midfielders (20%), side-midfielders (10%) and goalkeepers (6.6%). The most frequent injuries were: muscular (46.8%), ligament (26.6%), bone (16.6%) and meniscal (10%); the strikers have shown a mean recovery period of 28 days (78.3 days), the center-backs 26.5 days (33.9), the center-midfielders 18.5 days (66.3), the side-midfielders 17 days (129.9) and the goalkeepers 47.5 days (17.6). CONCLUSION: Statistical analysis showed that there was no correlation between athletes' age and their healing period (p/ =/ 0.31); there was no statistical difference between the healing period among the five different athletes' positions (p/ =/ 0.49); there was statistical difference between the healing period and the injury pattern (p/ </ 0.001) among the variables: meniscal and bone injuries, meniscal and muscular injuries, ligament and bone injuries and ligament and muscular injuries. <![CDATA[<b>Prevalence of injuries and associated factors among street runners</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-86922009000100008&lng=en&nrm=iso&tlng=en O objetivo deste estudo foi analisar a prevalência de lesões esportivas e os fatores associados em corredores de rua por meio de um inquérito de morbidade referida. Os participantes foram selecionados por convite e por voluntariedade entre os corredores do Circuito de Ruas da Cidade de Curitiba-PR. Foram entrevistados 295 indivíduos (77,3% homens). As prevalências foram descritas de acordo com as variáveis de estudo e a regressão de Poisson foi utilizada para testar as associações (p < 0,05). A prevalência de lesões nos últimos seis meses foi de 28,5% (29,8 e 23,9% para homens e mulheres, respectivamente). Maior prevalência de lesões foi observada na faixa etária dos 30,1 aos 45 anos (32,8%), para aqueles com sobrepeso/obesidade (35,2%), para mulheres que treinam mais do que 30 min/dia (31,3%) e homens que treinam mais que 60 min/dia (34,2%). Nenhuma das variáveis investigadas apresentou associação com o relato de lesões. A maior parte dos indivíduos lesionados (60,5%) permaneceu menos de três meses afastada, sendo maior a probabilidade dessa ocorrência (RP: 2,44; IC95%: 0,99-6,06; p = 0,05) para aqueles com volumes de treino entre 31 e 60 min/dia. Conclui-se que a prevalência de lesões foi de aproximadamente 1/3 nos homens e 1/4 nas mulheres. As variáveis investigadas não apresentaram associação com a prevalência de lesões entre os participantes de corrida de rua e a gravidade destas está associada ao volume de treino.<hr/>The aim of this study was to analyze the prevalence of sports-related injuries and associated factors in street runners through a referred morbidity survey. Participants were selected by invitation and by volunteering among the runners from the Curitiba City Street Running Circuit during the months of September to November. 295 runners were interviewed (77.3% men). Prevalence rates were described accordingly to the study variables and Poisson regression was employed to test associations (p/ </ 0.05). The prevalence of sport injures occurred in the last six months was 28.5% (29.8% for men and 23.9% for women). Higher prevalence rates were observed among those aged from 30.1 - 45yr (32.8%); overweight/obese (35.2%); women training more than 30min/day (31.3%); and men training more than 60 min/day (34.2%). None of the variables analyzed were associated with self-reported sport injuries. The majority of injured subjects (60.5%) remained less than three months away from training and those with training volume between 31 and 60 min/day were more likely to show this condition (prevalence ratio/ =/ 2.44; CI95% = 0.99-6.06; p = 0.05). It is concluded that sports injuries prevalence is observed in 1/3 of men and 1/4 of women. The variables investigated were not associated with prevalence of sport injuries in street runners and the injuries severity is associated with training volume. <![CDATA[<b>Glicidic metabolism in rats submitted to denervation of skeletal muscle and swimming exercise</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-86922009000100009&lng=en&nrm=iso&tlng=en A desnervação do músculo esquelético implica alterações do metabolismo da glicose bem conhecidas, porém, pouco se sabe sobre a influência dessas alterações na sensibilidade periférica à insulina do animal como um todo. O presente estudo visou analisar o metabolismo da glicose no músculo sóleo de ratos submetidos à desnervação bem como a resposta dos animais à insulina exógena e ao exercício. Ratos Wistar de três a cinco meses foram submetidos à secção do nervo ciático da pata direita. Após 48 horas, metade iniciou programa de natação, uma hora/dia, cinco dias/semana. Como controle foram utilizados animais íntegros, submetidos ou não ao exercício. Decorridos 28 dias, para a avaliação da resposta à insulina, os ratos foram submetidos ao teste de tolerância à insulina. Os resultados foram analisados através da determinação da taxa de remoção da glicose sanguínea (Kitt). Em outro lote de animais, fatias do músculo sóleo desnervado e da pata contralateral íntegra foram incubadas na presença de glicose (5,5mM), contendo [³H]2-deoxiglicose (0,5µµCi/mL) e [U14C] glicose (0,25µCi/mL) e insulina (100U/mL), para análise de captação, oxidação da glicose e síntese de glicogênio. Ratos desnervados submetidos ao exercício apresentaram Kitt (%/min) superior (7,22 ± 0,49) aos dos sedentários (5,31 ± 0,22) e dos controles sedentários (4,53 ± 0,27). A captação da glicose (3,55 ± 0,21 µmol/g.h) pelo músculo desnervado foi inferior à do músculo contralateral no rato sedentários (5,12 ± 0,38 µmol/g.h). O exercício crônico elevou a captação e a oxidação da glicose no músculo desnervado (captação: 5,70 ± 0,41, oxidação: 20,54 ± 1,97) e contralateral (captação: 6,53 ± 0,37, oxidação: 20,39 ± 1,91). O mesmo aconteceu com o grupo controle exercitado. Esses resultados sugerem que alterações restritas do metabolismo glicídico muscular influenciaram a resposta à insulina do animal como um todo. Além disso, o exercício melhorou o aporte e a utilização da glicose no músculo desnervado.<hr/>Denervation of the skeletal muscle involves well known alterations of the glucose metabolism; however, little is known about the influence of these alterations on the peripheral sensitivity to insulin of the animal as a whole. This study aimed to analyze the glucose metabolism in the soleus muscle of rats submitted to denervation as well as their response to exogenous insulin and to exercise. Wistar rats aged from 3 to 5 months were submitted to section of the sciatic nerve in the right paw. After 48 hours, half of them started a swimming program of 1 hour/day, 5 days/week. Intact animals, either submitted to exercise or not, were used as control. The rats were submitted to the insulin tolerance test after 28 days for evaluating the response to insulin. The results were analyzed by determination of the blood glucose removal rate (Kitt). In another batch of animals, slices of the denerved soleus muscle and the counterlateral intact paw were incubated in the presence of glucose (5.5mM), containing [³H]2-deoxyglucose (0.5µCi/mL) and [U14C] glucose (0.25µCi/mL) and insulin (100U/mL), for analysis of glucose uptake, oxidation and glycogen synthesis. Denerved rats submitted to exercise presented KiTT (%/min) higher (7.22 ± 0.49) than the sedentary animals (5.31 ± 0.22), and the sedentary control animals (4.53 ± 0.27). Glucose uptake (3.55 ± 0.21 µmol/g.h) by the denerved muscle was lower than those of the opposite muscle in the sedentary rats (5.12 ± 0.38 µmol/g.h). Chronic exercise raised glucose uptake and oxidation in the counterlateral muscle (uptake: 6.53 ± 0.37, oxidation: 20.39 ± 1.91) and in the denerved muscle (uptake: 5.70 ± 0.41, oxidation: 20.54 ± 1.97). The same situation occurred with the exercised control group. These results suggest that restricted alterations of the muscular glucose metabolism influenced the response to insulin of the animals as a whole. Furthermore, exercise improved the uptake and use of glucose in the denerved muscle. <![CDATA[<b>Maximal lactate steady state in obese rats of both genders</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-86922009000100010&lng=en&nrm=iso&tlng=en A incidência de obesidade vem crescendo entre a população mundial, levando a inúmeras complicaçõe,s como risco de doenças crônico-degenerativas. Por outro lado, o exercício físico tem sido empregado isoladamente ou em associação a dieta, no tratamento dessa doença. Assim, pesquisas envolvendo exercício são imprescindíveis para evolução no tratamento e controle da obesidade. O objetivo deste estudo foi identificar a intensidade de exercício equivalente à transição metabólica aeróbio-anaeróbia em ratos Wistar obesos de ambos os gêneros, por tratamento com glutamato monossódico (MSG), utilizando o protocolo de máxima fase estável de lactato (MFEL). Para isso, foram testados 40 ratos adultos subdivididos em quatro grupos com 10 animais cada um: controle machos, controle fêmeas, obeso machos e obeso fêmeas. Depois de adequada adaptação (três semanas) ao exercício em meio líquido (31 ± 1ºC) os animais foram submetidos a teste de natação (25 min) suportando sobrecargas contínua e aleatória correspondentes a 4,5 - 5,0 - 5,5 - 6,0 e 6,5% do peso corporal (PC), com intervalo de 72 horas entre elas. Os animais dos grupos obesos tiveram aumentos no peso do tecido adiposo subcutâneo, mesentérico e retroperitonial em relação aos grupos controle. O índice de Lee foi maior nos animais obesos em comparação com os controles. Foi possível identificar a MFEL a 6,0% do PC nos dois grupos obesos. Para o grupo controle fêmea, a MFEL esteve por volta de 5,0% do PC enquanto que nos controle macho a 4,5% do PC. Desse modo pode-se concluir que a obesidade induzida por MSG interfere na cinética de lactato durante o exercício em ambos os sexos, alterando a intensidade de esforço referente à transição metabólica.<hr/>The purpose of this study was to identify the exercise intensity equivalent to the aerobic/anaerobic metabolic transition in obese rats of both genders using the maximal lactate steady state (MLSS) protocol. Four groups of rats were tested on MLSS protocol (swimming exercise): male control n=10, female control n=10, male obese n=10 and female obese n=10, after suitable adaptation to exercise in liquid medium and obesity induction by monossodic glutamate (MSG) administration. The obese groups had significant increase in subcutaneous adipose tissue as well as mesenteric and retroperitoneal fat depots comparing to the control groups. The Lee index was higher in the obese animals in comparison to their respective controls. It was possible to identify the MLSS at 6.0% of body weight for both obese groups. Concerning the female control group, the MLSS was determined at the intensity of 5.0% of body weight, whereas for the male control at 4.5% of body weight. It was concluded that obesity induced by MSG interferes in lactate kinetics during exercise and alters the effort intensity corresponding to the metabolic transition in both genders. <![CDATA[<b>Comparison of the sensory discomfort index during neuromuscular electrical stimulation with low and medium excitomotor frequencies in healthy women</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-86922009000100011&lng=en&nrm=iso&tlng=en INTRODUÇÃO: A estimulação elétrica neuromuscular é uma estratégia clínica para aumento da performance muscular. Sabe-se que um dos principais fatores limitantes da estimulação elétrica para aumento de força é o desconforto causado pelas correntes utilizadas. OBJETIVO: O objetivo deste estudo foi comparar o nível de desconforto sensorial causado por correntes de baixa e média freqüência na estimulação elétrica neuromuscular do músculo quadríceps femoral. MÉTODOS: Participaram do estudo 45 voluntárias saudáveis com idade entre 18 e 30 anos. Todas as voluntárias foram submetidas à estimulação elétrica com correntes de baixa e média freqüência. A análise do desconforto sensorial foi feita por meio de uma escala visual analógica (EVA). RESULTADOS: Os resultados revelaram um valor médio de 6,1 para o desconforto sensorial na estimulação de baixa freqüência (BF) e de 6,4 para a estimulação de média freqüência (MF), não havendo diferença estatisticamente significante entre elas (p = 0,61). Em relação às intensidades utilizadas, a média foi de 45,64mA para a estimulação de BF e 121,67mA na estimulação com a MF, sendo essa diferença estatisticamente significante (p < 0,0001). CONCLUSÃO: Não houve diferença entre o desconforto sensorial causado por correntes de baixa e média freqüência na estimulação elétrica neuromuscular do músculo quadríceps femoral.<hr/>INTRODUCTION: Neuromuscular electrical stimulation is a clinical strategy for increasing of muscular performance. It is known that one of the main limiting factors of the electrical stimulation for strength increase is the discomfort caused by the currents used in the process. OBJECTIVE: The objective of this study was to compare the level of sensory discomfort caused by low and medium frequency currents in the neuromuscular electrical stimulation of the quadriceps femoris muscle. METHODS: Forty-five female healthy volunteers with age between 18 and 30 years participated in the study. All the volunteers were submitted to electrical stimulation with low and medium frequency. Sensory discomfort was measured using the Visual Analogue Scale (VAS). RESULTS: The results revealed mean value of 6.1 for the sensory discomfort in the low frequency stimulation and 6.4 for the medium frequency stimulation, without significant difference between them (p/ =/ 0.61). Concerning the intensities used, the mean was of 45.64 mA for the low frequency stimulation and 121.67 mA for the medium frequency stimulation. This difference was statistically significant (p/ </ 0.0001). CONCLUSION: There was no difference between the sensory discomfort caused by low and medium frequency currents in the neuromuscular electrical stimulation of the quadriceps femoris muscle. <![CDATA[<b>Eating disorders in elite synchronized swimmers</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-86922009000100012&lng=en&nrm=iso&tlng=en OBJETIVOS: O objetivo do presente estudo foi identificar a presença de transtorno do comportamento alimentar (TCA) ou síndromes precursoras e o grau de distorção da imagem corporal em atletas de elite de nado sincronizado. Essa modalidade é considerada de risco para desenvolvimento de TCA por valorizar, além de outros aspectos, a leveza e beleza de movimentos que, de certa forma, estão associados a baixa massa corporal. MÉTODOS: Foram avaliadas 27 atletas de nado sincronizado, sendo 19 da categoria juniores (15,6 ± 0,8 anos) e oito da categoria de seniores (19,0 ± 1,3 anos) que compunham a seleção brasileira na época do estudo (2000). Um grupo de 32 adolescentes não-atletas (15,0 ± 1,6 anos) foi usado para comparação com as atletas. Os procedimentos metodológicos adotados foram: aplicação de três instrumentos de auto-relato, validados. 1) EAT-26 - presença de comportamentos alimentares inadequados; 2) BITE - presença de atitudes sugestivas de bulimia nervosa; e 3) BSQ - insatisfação da auto-imagem corporal. RESULTADOS: Embora tanto o grupo de atletas, quanto o de não-atletas tenham apresentado parâmetros antropométricos compatíveis com padrões saudáveis para a idade e sexo, os resultados evidenciam a presença de insatisfação com a auto-imagem corporal e a adoção de práticas patológicas de controle da massa corporal, sobretudo entre atletas da categoria juniores e entre as adolescentes não-atletas. CONCLUSÕES: Os resultados encontrados no presente estudo retratam uma tendência mundial de preocupação com a aparência entre adolescentes capaz de levá-las à adoção de condutas não-saudáveis.<hr/>OBJECTIVES: The aim of the present study was to identify the Eating Behavior Disorder (EBD) or precursory syndromes and the level of distortion of the body image of elite synchronized swimming athletes. This sport modality is considered of risk for development of eating disorders for valuing, among other aspects, the softness and beauty of movements, which, partly, are associated to low body mass. METHODS: Twenty-seven synchronized swimmers, grouped as Junior (15.6 ± 0.8 years) or 08 as senior category (19.0 ± 1.3 years) were studied. A group of 32 non-athletes adolescents (15.0 ± 1.6 years) was used for comparison with the athletes. For the analysis Three instruments were used in accordance with the objective of the evaluation: 1- Eat-26-presence of inadequate eating behaviors; 2-BITE-presence of suggestive attitudes of Bulimia and 3-BSQ-dissatisfaction of body self-image. RESULTS: The athletes and the non-athletes presented compatible anthropometrical parameters with healthy standards for age and sex; however, there is evidence of body image dissatisfaction associated with pathological control of body weight. CONCLUSIONS: The results found in the present study portray a worldwide trend of concern with the appearance among adolescents which is capable of leading them to the adoption of unhealthy behaviors. <![CDATA[<b>Influence of carbohydrate supplementation in the immune response of judoists during training</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-86922009000100013&lng=en&nrm=iso&tlng=en O objetivo deste trabalho foi investigar os efeitos da suplementação de carboidrato, durante uma sessão de treino, sobre a função imune de atletas de judô. Dezesseis judocas do sexo masculino foram submetidos a duas sessões de treinamento de 120 minutos cada, com três dias de intervalo entre elas. Na primeira sessão, oito judocas, separados de forma aleatória, foram suplementados (3mL/kg peso corporal) com solução carboidratada (grupo CHO) e os demais, com solução placebo (grupo PLA), de forma duplo-cega. Na segunda sessão os tratamentos foram invertidos. O número de leucócitos, linfócitos, monócitos, eosinófilos, neutrófilos, os níveis de cortisol e as concentrações de glicose e lactato foram medidos em repouso (Pré-E), imediatamente após (Pós-E) e uma hora após o término da sessão de treino (1h pós-E). Os resultados mostraram que a glicemia aumentou (p < 0,05) durante a sessão de treino no grupo CHO e reduziu-se (p < 0,05) no grupo PLA. O cortisol aumentou (p < 0,05) durante a sessão de treino, independente do tipo de solução consumida, bem como durante a recuperação no grupo PLA. O consumo de CHO resultou em menor (p < 0,05) leucocitose, quando comparado com o PLA, nos períodos Pós-E e 1h Pós-E. A elevação da concentração de lactato sangüíneo decorrente do exercício correlacionou-se positivamente com o aumento dos leucócitos (r = 0,86, p < 0,001) nos dois grupos. Concluiu-se que a ingestão de bebida carboidratada por atletas de judô durante uma sessão de treino resultou em menor perturbação da contagem total de leucócitos e suas subclasses: linfócitos, monócitos, eosinófilos e neutrófilos. Esses resultados sugerem proteção à saúde imunológica de judocas fomentada por essa estratégia nutricional.<hr/>The aim of this study was to investigate the effects of carbohydrate supplementation on the immunological function of judoists during a training session. Sixteen male judo athletes were submitted to two 120 min training sessions within 3 days interval. In the first session eight athletes randomly chosen were supplemented (3mL/kg body weight) with a carbohydrate solution (CHO group) while the others ingested a placebo solution (PLA group) in a randomized and double blind way. In the second session, treatments were inverted. Leukocyte, lymphocyte, monocyte, eosinophil and neutrophil were counted and blood levels of cortisol, glucose and lactate were assessed at rest (Pre-E), immediately after the training session (Post-E) and one hour after the training session (1h Post-E). The results showed that the blood glucose levels increased during the training session when athletes were given CHO and decreased when they ingested PLA. Cortisol levels increased during the training session in both conditions and decreased 1h Post-E. Athletes consuming CHO presented a reduced number of leukocytes when compared to those ingesting PLA in both Post-E and 1h Post-E periods. The increase in blood lactate concentration in response to exercise training was positively correlated with the increase in the leukocyte number (r = 0. 86, p<0.001) in both conditions. It was concluded that CHO supplementation during a judo training session resulted in less disturbance of total leukocytes. It suggests that such nutritional strategy protected the athletes' immunological health. <![CDATA[<b>Prevention of Injuries of the anterior cruciate ligament in soccer players</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-86922009000100014&lng=en&nrm=iso&tlng=en A lesão do joelho é a mais comum entre as lesões graves apresentadas por futebolistas, destacando-se o ligamento cruzado anterior como um dos ligamentos do joelho mais frequentemente lesados. Assim, a prevenção de lesões do ligamento cruzado anterior em futebolistas deve ser encarada como uma preocupação constante para todos os agentes ligados à modalidade, independentemente do nível competitivo, idade e sexo dos praticantes. OBJETIVOS: O objetivo deste trabalho é a análise da importância do trabalho de prevenção de lesões do LCA em futebolistas que possa ser incorporado no treino de futebol. METODOLOGIA: A metodologia utilizada neste trabalho foi uma revisão da literatura. CONCLUSÕES: Propõe-se um programa de prevenção de lesões do ligamento cruzado anterior em futebolistas, com três sessões de treino semanais, englobando treino neuromuscular e treino proprioceptivo.<hr/>Knee injury is the commonest severe injury presented by football players and the anterior cruciate ligament appears as one of the most frequently injured knee ligaments. Thus, prevention of anterior cruciate ligament injuries must be a priority in soccer practice, regardless of the athletes' competitive level, age or sex. OBJECTIVES: the objective of this work is to analyze the importance of prevention of the anterior cruciate ligament injury in soccer players which can be incorporated in the training program. METHODOLOGY: the methodology used was a review of the literature. CONCLUSIONS: A program with three weekly sessions, composed by neuromuscular and proprioceptive training is proposed to prevent anterior cruciate ligament injuries in soccer players. <![CDATA[<b>Influence of resistance training variables on post-exercise oxygen consumption: a systematic review</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-86922009000100015&lng=en&nrm=iso&tlng=en O exercício contra-resistência (ECR) pode contribuir para o aumento da taxa metabólica de repouso (TMR). É consenso na literatura que o volume da sessão de ECR pode repercutir em maior gasto calórico e que, após o exercício, o consumo de oxigênio em excesso (EPOC) pode variar de acordo com a característica do programa de exercício. Contudo, ainda não é possível definir qual ou quais variáveis de prescrição têm maior impacto sobre o EPOC em sessões de ECR. O objetivo do estudo foi efetuar uma revisão sistemática sobre os estudos que se propuseram a investigar as relações entre o EPOC e variáveis de treinamento em ECR. Os 17 estudos selecionados foram agrupados por similaridade de tratamento (número de séries, intensidade, intervalos de recuperação, velocidade da contração muscular e ordem dos exercícios). Técnicas de estatística descritiva foram utilizadas na tentativa de estabelecer possíveis tendências nas relações dose-resposta. Posteriormente, os dados foram analisados de forma qualitativa. De todas as variáveis analisadas, o curto intervalo de recuperação e o modo de prescrição no formato em circuito foram aquelas com maior impacto provável sobre a magnitude do EPOC. Quanto às demais variáveis, limitações metodológicas não permitem estabelecer tendências, principalmente no tocante à duração do EPOC. Adicionalmente, constata-se a necessidade de padronização de aspectos importantes para a quantificação do EPOC, como o tempo de observação do após o exercício e a forma de aferição da TMR.<hr/>Resistance training (RT) may influence resting metabolic rate (RMR) increase. There is a consensus that the volume of the RT session may produce higher caloric expenditure and that the excess post-exercise oxygen consumption (EPOC) may vary according to the characteristics of the exercise program. However, it is not possible yet to define which prescription variables have greater impact on the EPOC. The aim of the present study was to systematically review the studies that investigated the relationship between EPOC and training variables. A total of 17 studies were selected, being organized according to treatment similarity (number of sets, intensity, rest interval, speed of muscle contraction and exercise order). Descriptive statistical techniques were used to establish possible tendency in dose-response relationships. Subsequently, data were qualitatively analyzed. The available evidence suggested that a short rest interval and the circuit training prescription mode had the greatest impact on the EPOC magnitude. As for the other variables, it was not possible to establish any tendency due to methodological limitations, especially concerning EPOC duration. In addition, it seems to be necessary to standardize important aspects of the EPOC assessing, such as the period of observation after exercise and criteria for measuring RMR.