Scielo RSS <![CDATA[Educação e Pesquisa]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=1517-970220030001&lang=en vol. 29 num. 1 lang. en <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <link>http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-97022003000100001&lng=en&nrm=iso&tlng=en</link> <description/> </item> <item> <title><![CDATA[<B>Childhood and education in Plato</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-97022003000100002&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este trabalho estuda, desde uma perspectiva filosófica, o conceito de infância em Platão, com ênfase nos seguintes diálogos: Alcibíades I, Górgias, A República e As Leis. Num primeiro momento, situamos a questão da infância no marco mais ampliado do projeto filosófico e político de Platão. A seguir, propomos quatro traços principais do conceito de infância em Platão: a) como possibilidade (as crianças podem ser qualquer coisa no futuro); b) como inferioridade (as crianças - como as mulheres, estrangeiros e escravos - são inferiores em relação ao homem adulto cidadão); c) como superfluidade (a infância não é necessária à pólis); d) como material da política (a utopia se constrói a partir da educação das crianças). Não há a pretensão de levar Platão a algum tribunal. Busca-se apenas delimitar um problema e uma forma específica de enfrentá-lo, com vistas a contribuir para a análise da produtividade dessa perspectiva na história da filosofia da infância e da educação ocidental, bem como nas atuais teorias e práticas educacionais. Ao mesmo tempo, de forma implícita, procura-se oferecer elementos para problematizar uma visão já consolidada entre os historiadores da infância - particularmente desde o já clássico História social da infância e da família de Philippe Ariès -, segundo a qual a infância seria uma invenção moderna e ela não teria sido "pensada" pelos antigos enquanto tal.<hr/>This work investigates from a philosophical perspective the concept of childhood in Plato, with an emphasis on the following dialogues: Alcibiades I, Gorgias, The Republic, and The Laws. Initially, we situate the issue of childhood within the wider scenario of Plato's political and philosophical project. We then propose four main features of the concept of childhood in Plato: a) as possibility (children can become anything in future); b) as inferiority (children - like women, foreigners and slaves - are inferior to the male adult citizen); c) as superfluousness (childhood is not necessary to the polis), and d) as matter of politics (the utopia is built from the education of children). It has not been our intention here to put Plato on trial. We have just sought to delimit an issue and a specific manner of tackling it with the aim of contributing to the analysis of the productivity of this perspective in the history of the philosophy of childhood and of Western education, as well as of current education theories and practices. At the same time, we have implicitly tried to offer elements to problematize a vision well established among historians of childhood - particularly after Philippe Ariès already classic Centuries of childhood: a social history of family life - according to which childhood would be a modern invention and would not have been "thought" as such by the ancients. <![CDATA[<B>Between the pioneering spirit and impasse</B>: <B>the 1920 São Paulo state reform</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-97022003000100003&lng=en&nrm=iso&tlng=en Partindo das atuais preocupações com a melhoria da qualidade das escolas brasileiras de educação fundamental, o texto reexamina a reforma do ensino paulista de 1920, a qual explicitou o dilema político que atravessaria todo o século xx entre expansão e qualidade nos sistemas educacionais. Sua importância histórica tem sido registrada devido a seu pioneirismo na tentativa de inovar métodos de ensino e de racionalizar procedimentos administrativos. Neste trabalho, aponta-se o conflito entre a proposta curricular da reforma em questão e sua prioridade declarada de alfabetizar em massa as crianças do estado em um curso primário por ela reduzido a dois anos de duração e duas horas e meia diárias de aula. A reforma inaugura de forma tecnicamente justificada a "solução" da redução do tempo de permanência das crianças na escola como condição para a ampliação da oferta de vagas, o que veio a se tornar uma prática generalizada nos sistemas educacionais de todo o país. São analisadas também as contradições nela reveladas entre as primeiras apropriações da pedagogia escolanovista e as tendências à simplificação e empobrecimento da escola pública brasileira No momento atual em que a universalização do atendimento parece configurar um outro patamar a exigir novas soluções políticas para a obtenção da qualidade educacional, o texto enfoca retrospectivamente o tipo de solução política utilizada pela reforma paulista de 1920, destacando seus resultados imprevistos e indesejados, com vistas a um bom equacionamento dos desafios ora presentes.<hr/>Taking as a starting point the current concerns with the improvement of the quality of brazilian primary education schools, the text re-examines the reform of 1920 in São Paulo State, which made explicit the political dilemma that would last for the whole of the 20th century between the expansion and the quality of school systems. The historical importance of that reform has been recognized in view of its pioneering attempts at innovating teaching methods and rationalizing management procedures. The conflict is pointed out here between the curriculum proposals of the reform and its proclaimed priority of achieving widespread children literacy in the State of São Paulo when the first four years of primary education had been shortened by the same reform to a period of two years with two and a half hours daily attendance. The reform brings about in a technically justifiable way the "solution" of reducing daily attendance as a condition to increase places at school. Such measures then became generalized practices in education systems throughout the country. The present work also investigates the contradictions evidenced in that reform between the first assimilations of the New School pedagogy and the tendency to simplification and impoverishment of the Brazilian state school. In the present moment when the universalization of education in Brazil seems to configure a new level of demand, requiring new political solutions to achieve high quality in education, the text focuses in retrospect the kind of political solution employed by the 1920 reform in São Paulo, highlighting its unanticipated and undesirable results, in the hope of contributing to a better resolution of the challenges faced today. <![CDATA[<B>Problematizing one's own reality</B>: <B>analysis of an experience of continuing education</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-97022003000100004&lng=en&nrm=iso&tlng=en Considerando que a habilidade de problematizar pode ser alvo de ação educativa específica, particularmente visando ao desenvolvimento profissional docente, foi proposta uma experiência de formação contínua para professores, no nível universitário e no formato de curso de extensão, com duração de um semestre (90 horas). Da análise de quatro metodologias que enfatizam a ação de problematizar, presentes na literatura, derivamos alguns princípios e características que nortearam nossa proposta: 1) ênfase na aprendizagem da ação de problematizar; 2) ênfase no sujeito ativo; 3) ter a noção de problema tomada no sentido da reflexão filosófica; 4) ter a própria prática como ponto de partida e de chegada; 5) visar a aquisição de estratégias de aprendizagem; 6) visar a mudança conceitual; 7) ser opcional; 8) proporcionar algum ganho imediato para o sujeito (no caso, um certificado com validade oficial); 9) ser oferecido fora do horário de trabalho. Propusemos uma definição para a ação de problematizar, em que qualidades foram atribuídas a cada momento dessa ação. Sete professores concordaram em ser sujeitos da pesquisa, dos quais cinco atenderam a todas as solicitações da pesquisadora. Um instrumento, baseado nos mapas conceituais, foi elaborado para avaliar a ação de problematizar dos professores, no início e ao término do curso. Também foi elaborado um conjunto de critérios qualitativos para a análise da referida ação, baseados na definição que propusemos. Os resultados indicaram que houve mudança qualitativa na ação de problematizar, que pode ser atribuída à experiência de formação proposta.<hr/>Considering that the ability to problematize can be the object of specific education activities, particularly with a view to teachers' professional development, an experience of continuing education for teachers was carried out at university level in the format of an extension course with the duration of one semester (90 hours). From the analysis of four methodologies found in the literature that emphasize the action of problematizing we derived some principles and characteristics that guided our proposal: 1) emphasis on learning the action of problematizing; 2) emphasis on the active subject; 3) to have the notion of problem taken in the sense of philosophical reflection; 4) to have one's own practice as the starting and end point; 5) to aim at the acquisition of learning strategies; 6) to aim at conceptual change; 7) to be optional; 8) to present some immediate gain to the subject (in our case, an official certificate); 9) to be offered outside regular working hours. We proposed a definition of the action of problematizing, in which qualities were attributed to each moment of this action. Seven teachers agreed to participate in the study, five of which carried out all activities requested by the researcher. An instrument based on the conceptual maps was created to evaluate the teachers' actions of problematizing at the beginning and at the end of the course. Those actions were also analyzed according to a set of qualitative criteria developed based on the proposed definition. The results indicated a qualitative change in the action of problematizing, which can be attributed to the learning experience proposed. <![CDATA[<B>Methodology for the analysis of computational tools according to the principles of operative logic</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-97022003000100005&lng=en&nrm=iso&tlng=en O presente estudo é um dos resultados obtidos pelo grupo de pesquisa que realiza a Análise de Ambientes Computacionais, do ponto de vista da lógica operatória, no Nuted - Núcleo de Tecnologia Digital aplicada à Educação Faced/UFRGS. Utiliza-se a lógica operatória piagetiana como base teórica para a construção de uma metodologia de análise de ferramentas computacionais. Portanto, foi preciso definir os conceitos utilizados no método proposto em forma de quadro. Em primeiro lugar, investigou-se a teoria do sujeito individual, no que se refere à sua estrutura e função simbólica, reinterpretando esses conceitos no objeto. Nesse caso, o objeto é a ferramenta computacional de uso individual. A partir desse estudo, foi possível construir o modelo geral de interação de um sujeito qualquer com uma ferramenta computacional, para depois analisá-la operatoriamente. Em um segundo momento, foi introduzida a teoria do sujeito coletivo e construído o modelo interativo do mesmo com a ferramenta computacional de uso coletivo. Esses modelos construídos são utilizados para visualizar a interação e identificar, tanto na ferramenta quanto no usuário, as operações lógicas ou infralógicas e os agrupamentos de classes ou relações, de acordo com os espaços topológicos euclidiano e projetivo. É importante fazer essa distinção, pois há ferramentas que suportam apenas operações do tipo individual e, outras, operações coletivas/cooperativas. Logo, pela aplicação desses modelos, poderá ser identificado o nível operatório em que um sujeito deve se encontrar para interagir com um ambiente computacional, assim como a estruturação e reestruturação dessas operações durante a própria interação.<hr/>The present study is a result of the efforts of a research group from NUTED - Núcleo de Tecnologia Digital aplicada à Educação (Center of Digital technology Applied to Education) at FACED/UFRGS, which works on the Analysis of Computer Environments from the viewpoint of operative logic. Jean Piaget's operative logic is employed as the theoretical basis for the development of a methodology for the analysis of computational tools. The concepts used in the proposed method had to be defined in matrix form. Firstly, the theory of the individual subject was investigated with respect to its structure and symbolic function, reinterpreting these concepts in the subject. The object here is the computational tool for individual use. From this study, it was possible to build the general interaction model of any subject with a computational tool, and then to analyze it operatively. After that, the theory of collective subjects was introduced, and the model of its interaction with a tool of collective use was built. These models are used to visualize the interaction and identify, both in the tool and in the user, the logical and/or infralogical operations, as well as the groups of classes and/or relations according to the Euclidian and projective topological spaces. It is important to make such distinction because there are tools that support only operations of the individual type, whereas others support collective/cooperative operations. Therefore, from the application of these models the operatory level at which a subject must find him/herself to interact with a computational environment can be identified, and also the structuring and restructuring of those operations during the interaction itself. <![CDATA[<B>Ergonomics and the use of computers</B>: <B>a study with primary and secondary in state of São Paulo</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-97022003000100006&lng=en&nrm=iso&tlng=en A utilização da informática como instrumento de ensino tem se disseminado na educação. Este estudo teve como objetivo verificar como o computador está sendo usado em escolas da região metropolitana de São Paulo, avaliando o grau de considerações sobre ergonomia na introdução dessa ferramenta. A ergonomia compreende o conjunto de conhecimentos científicos visando o conforto, segurança e eficácia dos produtos. Participaram 126 escolas, 37 delas do ensino fundamental, de 1ª à 4ª série, com 21.824 alunos; 49 escolas do ensino fundamental, de 5ªà 8ª série, com 29.851 alunos e 40 escolas do ensino médio com 31.516 alunos. A maioria das escolas informou utilizar o computador como ferramenta auxiliar das matérias curriculares a partir de 1995. O uso do computador predominou, no período de 5ª à 8ª série, nas escolas particulares; com um computador para cada 2 ou 3 alunos e com a duração semanal das aulas de até 1h59min. Nas salas de informática instaladas nas escolas, predominou a ausência de mesas e cadeiras com ajustes de altura para as características antropométricas dos alunos. As orientações sobre ergonomia da computação foram fornecidas em 30% das escolas. Na maioria das escolas não se observou queixa de desconforto visual ou muscular sofridos pelos alunos durante a utilização do computador. Esse fato pode estar relacionado ao pequeno número de horas de utilização do computador. Concluímos que a aquisição de mobiliário e equipamentos para as salas de informática deve incluir a consulta a banco de dados antropométricos e à percepção de conforto dos estudantes.<hr/>The use of computers as a teaching tool is becoming disseminated in education. The present study has as its purpose to investigate how computers are being used in schools within the metropolitan area of São Paulo, evaluating the level of ergonomic issues considered when introducing this tool. Ergonomics comprise the collection of scientific knowledge to ensure the comfort, safety, and efficacy of products. The work included 126 schools distributed as follows: 37 primary schools (1st to 4th year) with 21,824 students; 49 primary schools (5th to 8th year) with 29,851 students; and 40 secondary schools with 31,516 students. Most schools have declared to use computers as an auxiliary tool in their syllabuses since 1995. The use of computers in the 5th to 8th year of schooling was predominant in private schools, with an average of two to three students per computer, and an average duration of classes of up to 1h59min per week. The majority of tables and chairs installed in computer classrooms at schools lack height adjustments to fit the anthropometric characteristics of pupils. Thirty percent of schools supplied computer ergonomics guidelines. In most of the schools no complaints were observed regarding students' visual or muscular discomfort during the use of computers. This fact can be related to the small number of hours of use. We have concluded that the acquisition of furniture and equipment for computer classrooms should include consulting anthropometric databases and students' perception of comfort. <![CDATA[<b>Apresentação</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-97022003000100007&lng=en&nrm=iso&tlng=en A utilização da informática como instrumento de ensino tem se disseminado na educação. Este estudo teve como objetivo verificar como o computador está sendo usado em escolas da região metropolitana de São Paulo, avaliando o grau de considerações sobre ergonomia na introdução dessa ferramenta. A ergonomia compreende o conjunto de conhecimentos científicos visando o conforto, segurança e eficácia dos produtos. Participaram 126 escolas, 37 delas do ensino fundamental, de 1ª à 4ª série, com 21.824 alunos; 49 escolas do ensino fundamental, de 5ªà 8ª série, com 29.851 alunos e 40 escolas do ensino médio com 31.516 alunos. A maioria das escolas informou utilizar o computador como ferramenta auxiliar das matérias curriculares a partir de 1995. O uso do computador predominou, no período de 5ª à 8ª série, nas escolas particulares; com um computador para cada 2 ou 3 alunos e com a duração semanal das aulas de até 1h59min. Nas salas de informática instaladas nas escolas, predominou a ausência de mesas e cadeiras com ajustes de altura para as características antropométricas dos alunos. As orientações sobre ergonomia da computação foram fornecidas em 30% das escolas. Na maioria das escolas não se observou queixa de desconforto visual ou muscular sofridos pelos alunos durante a utilização do computador. Esse fato pode estar relacionado ao pequeno número de horas de utilização do computador. Concluímos que a aquisição de mobiliário e equipamentos para as salas de informática deve incluir a consulta a banco de dados antropométricos e à percepção de conforto dos estudantes.<hr/>The use of computers as a teaching tool is becoming disseminated in education. The present study has as its purpose to investigate how computers are being used in schools within the metropolitan area of São Paulo, evaluating the level of ergonomic issues considered when introducing this tool. Ergonomics comprise the collection of scientific knowledge to ensure the comfort, safety, and efficacy of products. The work included 126 schools distributed as follows: 37 primary schools (1st to 4th year) with 21,824 students; 49 primary schools (5th to 8th year) with 29,851 students; and 40 secondary schools with 31,516 students. Most schools have declared to use computers as an auxiliary tool in their syllabuses since 1995. The use of computers in the 5th to 8th year of schooling was predominant in private schools, with an average of two to three students per computer, and an average duration of classes of up to 1h59min per week. The majority of tables and chairs installed in computer classrooms at schools lack height adjustments to fit the anthropometric characteristics of pupils. Thirty percent of schools supplied computer ergonomics guidelines. In most of the schools no complaints were observed regarding students' visual or muscular discomfort during the use of computers. This fact can be related to the small number of hours of use. We have concluded that the acquisition of furniture and equipment for computer classrooms should include consulting anthropometric databases and students' perception of comfort. <![CDATA[<B>How to work with "race" in sociology</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-97022003000100008&lng=en&nrm=iso&tlng=en Numa exposição didática, de caráter teórico-metodológico, o autor explica o modo como utiliza em suas pesquisas a categoria "raça", em conexão com outras categorias como "cor", "etnia", "região", "classe", "nação", "povo", "estado", etc. A partir do pressuposto de que os conceitos, teóricos ou não, só podem ser aplicados e entendidos no seu contexto discursivo, o autor estabelece a distinção entre conceitos "analíticos" e "nativos", ou seja, entre categorias retiradas de um corpus teórico e categorias que compõem o próprio universo discursivo dos sujeitos que estão sendo analisados, mas que devem ser utilizados pelo sociólogo. Na parte central do texto, o autor esboça uma história dos significados da categoria "raça" no Brasil e das diversas explicações do caráter das relações entre brancos e negros avançadas pela Sociologia: desde o trabalho pioneiro de Donald Pierson, nos anos 1940, passando pelos estudos da Unesco, nos anos 1950, os trabalhos da chamada "escola paulista", nos anos 1960, e a retomada da teoria da "democracia racial" nos anos mais recentes, em estreito diálogo com os movimentos negros. O autor termina por fazer uma pequena discussão sobre os diversos estímulos, ou perguntas, dados em pesquisas tipo survey, para definição e mensuração da variável cor ou raça.<hr/>In a didactic account of a theoretical-methodological nature the author explains how the category of "race" is used in his research, in connection with other categories such as "color", "ethnics", "class", "nation", "people", "state", etc. Assuming that concepts, theoretical or otherwise, can only be applied and understood within their discursive contexts, the author establishes the distinction between "analytical" and "native" concepts, that is, between categories extracted from a theoretical corpus, and those that comprise the discursive universe of the subjects being analyzed, but that must be employed by the sociologist. In the central part of the text, the author sketches a history of the meanings of the category "race" in Brazil and of the various explanations of the nature of the relations between white and black people put forward by Sociology: starting with the 1940s pioneering work of Donald Pierson, going through the UNESCO studies of the 1950s and the work of the so-called "São Paulo School" in the 1960s, up to the more recent revival of the theory of "racial democracy" in close dialogue with Black movements. The author concludes the article with a brief discussion about the various questions or stimuli given in surveys for the definition and measurement of the color or race variable. <![CDATA[<B>Multiculturalism and education</B>: <B>from street protest to proposals and policies</B>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-97022003000100009&lng=en&nrm=iso&tlng=en No presente artigo retomam-se alguns elementos analisados em estudo anterior de nossa autoria, intitulado "O jogo das diferenças: o multiculturalismo e seus contextos". Considerando as profundas modificações no contexto do debate brasileiro sobre o tema, abordam-se aqui novas questões que, no nosso entender, têm ficado na superfície das discussões no campo da educação, na medida em que elas tendem a focalizar o multiculturalismo como se fosse unicamente um movimento escolar ou educacional. Pretende-se salientar que, antes de serem introduzidas no campo educacional, expressões do multiculturalismo se fazem presentes nas artes, nos movimentos sociais, em políticas. Aponta-se como o multiculturalismo implica o reconhecimento da diferença, o direito à diferença, colocando em questão o tipo de tratamento que as identidades tiveram e vêm tendo nas democracias tradicionais. Finalmente, o artigo pretende também chamar a atenção para o peso do contexto de cada sociedade multicultural na definição de propostas e políticas, em educação. No plano internacional, nem sempre a reação contra o etnocentrismo seguiu na direção da multiculturalidade; encontramos tanto propostas nesse sentido como alternativas etnicamente centradas. Conclui-se que uma educação multicultural exigirá um grande trabalho de desconstrução de categorias, caso contrário, o tema da pluralidade cultural, preconizado pelos Parâmetros Curriculares Nacionais, tenderá a ser tratado nas salas de aula, com significações que acentuam e atualizam discursos e atitudes preconceituosas e discriminatórias.<hr/>The present article follows on some of the elements investigated in a previous text by the authors entitled "Spotting the differences: multiculturalism and its contexts". Considering the profound changes undergone by the context of debate of this theme in Brazil, new issues are raised here which, in the authors view, have been only touched upon in the discussions in the field of education, since those discussions tend to focus on multiculturalism as if it were a movement exclusively related to the school or to education. It is the authors' intention to highlight the fact that, before being introduced into the educational field, expressions of multiculturalism were felt in the arts, in social movements, and in politics. The authors point out how multiculturalism implies the recognition of differences, the right to difference, questioning the kind of treatment that identities have been given in traditional democracies. Finally, the article also intends to draw attention to the significance of the context of each multicultural society in the definition of education proposals and policies. At the international level, reactions against ethnocentrism have not always taken the direction of multiculturality; one can find multicultural proposals as well as ethnically centered ones. The authors conclude that a multicultural education will require a large effort to deconstruct categories. Failure to do that can result in the issue of cultural plurality, advocated by the National Curriculum Parameters, being treated in the classrooms on the basis of meanings that kindle and renew prejudiced and discriminatory discourses and attitudes. <![CDATA[<b>Racism in Brazilian schoolbooks and the fight against it</b>: <b>a review of the literature</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-97022003000100010&lng=en&nrm=iso&tlng=en O artigo se propõe a efetuar uma revisão da produção brasileira sobre expressões de racismo em livros didáticos. Baseando-se em estados da arte já publicados e no original (como o de Baptista, 2002), o artigo analisa a produção brasileira sob dois ângulos: publicações que enunciam o racismo em livros didáticos; e publicações que referem-se ao combate ao racismo em livros didáticos. Num percurso histórico, os autores procuram indicar aspectos comuns ao conjunto de análises já produzidas sobre o tema, as lacunas que vêm permanecendo e a diversidade de enfoques teórico-metodológicos sobre os quais elas têm se apoiado. Concluem analisando as principais ações que vêm sendo desenvolvidas tanto pelo movimento negro como pelos órgãos oficiais para combater o racismo nos livros didáticos, tais como o programa Nacional do Livro Didático e a recente Lei nº 10.639 de 9 de janeiro de 2003, que estabelece a obrigatoriedade do ensino da história e cultura afro-brasileira, no ensino fundamental.<hr/>The article proposes to present a review of the Brazilian literature on manifestations of racism in schoolbooks. Based on previous reviews of the state-of-the-art as well as on original works (such as Baptista, 2002), the text analyzes the Brazilian production under two perspectives: publications that spell out the racism in schoolbooks, and publications that refer to the combat to racism in schoolbooks. Following the history of the subject, the authors try to indicate aspects in common to the analyses previously produced, the gaps that have remained, and the diversity of theoretical-methodological approaches employed. The authors conclude the article analyzing the main actions that have been developed by the Black movement and by the official bodies to fight against racism in schoolbooks, such as the National Schoolbook Program and the recent Act No 10.639 of 9th January 2003, which establishes the mandatory teaching of Afro-Brazilian history and culture in primary schools. <![CDATA[<b>Racial inequalities in the Brazilian primary education system</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-97022003000100011&lng=en&nrm=iso&tlng=en O Saeb - Sistema de Avaliação da Educação Básica - vem acompanhando o desempenho acadêmico dos alunos de educação básica brasileira desde 1990. Seus dados permitem conhecer os sistemas de ensino em sua capacidade de produção de eficácia e de equidade educacional em relação aos diferentes estratos sociais. Este artigo analisa as desigualdades do desempenho escolar entre alunos discriminados por raça, com ênfase no impacto de algumas políticas e práticas escolares na produção de equidade entre esses grupos. Este estudo utilizou, como técnica privilegiada de análise, os modelos de regressão que permitem manter na análise os dois níveis hierárquicos presentes nos dados, isto é, alunos e escolas. Os resultados mostram que (1) há um grande hiato entre alunos brancos e negros e, em menor grau, entre alunos brancos e pardos em relação ao desempenho escolar; e (2) os fatores produtores de eficácia do ensino não têm uma distribuição equânime, pois eles favorecem principalmente o desempenho escolar dos estratos socialmente mais privilegiados, ou seja, alunos brancos, contribuindo, na maioria das situações analisadas, para acirrar e não reduzir a diferença basal entre os grupos raciais. Concluímos este trabalho ponderando que a alteração desse quadro dependerá da implementação de políticas públicas e escolares para produzir um equilíbrio mais justo entre a eficácia e a equidade na <a name=tx00></a>educação.<hr/>The Saeb - Primary Education Evaluation System (Sistema de Avaliação da Educação Básica) has been following the performance of students at primary education in Brazil since 1990. Its results reveal the school systems' ability to produce efficacy, and educational equity with respect to the different social strata. This article analyzes the inequalities in school performance of students classified by race, with emphasis on the impact of some school policies and practices in the production of equity among race groups. The study employed as its main analysis technique regression models that allow keeping in the analysis both hierarchical levels present in the data - students and schools. Results show that (1) there is a wide gap in performance between white and black students, and, to a lesser extent, between white and mixed race students; and (2) the factors producing efficacy in teaching do not have equal distribution, for they favor mainly the school performance of students from the upper social strata, i.e., white students, contributing in most situations analyzed to intensify, and not to reduce, the original differences among race groups. In conclusion, the text argues that changing the present picture will require the implementation of policies for public schools to produce a better balance between efficacy and equity in education. <![CDATA[<b>Education, black identity, and teacher education</b>: <b>a look upon the black body and hair</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-97022003000100012&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este artigo discute as particularidades e possíveis relações entre educação, cultura, identidade negra e formação de professores/as, tendo como enfoques principais a corporeidade e a estética. Para tal, apresenta a necessidade de articulação entre os processos educativos escolares e não-escolares e a inserção de novas temáticas e discussões no campo da formação de professores/as. Dando continuidade às reflexões realizadas pela autora na sua tese de doutorado, discutem-se as representações e as concepções sobre o corpo negro e o cabelo crespo, construídas dentro e fora do ambiente escolar, a partir de lembranças e depoimentos de homens e mulheres negras entrevistados durante a realização de uma pesquisa etnográfica em salões étnicos de Belo Horizonte. Para essas pessoas, a experiência com o corpo negro e o cabelo crespo não se reduz ao espaço da família, das amizades, da militância ou dos relacionamentos amorosos. A escola aparece em vários depoimentos como um importante espaço no qual também se desenvolve o tenso processo de construção da identidade negra. Lamentavelmente, nem sempre ela é lembrada como uma instituição em que o negro e seu padrão estético são vistos de maneira positiva. O entendimento desse contexto revela que o corpo, como suporte de construção da identidade negra, ainda não tem sido uma temática privilegiada pelo campo educacional, principalmente pelos estudos sobre formação de professores e diversidade étnico-cultural. E que esse campo, também , ao considerar tal diversidade, deverá se abrir para dialogar com outros espaços em que os negros constroem suas identidades. Muitas vezes, locais considerados pouco convencionais pelo campo da educação, como por exemplo, os salões étnicos.<hr/>This article discusses the specificities and possible relations between education, culture, black identity, and teacher education, approaching them from the perspective of corporeity and aesthetics. For that, the text introduces the need to articulate education and non-education processes, to insert new themes and discussions into the field of teacher education. Following on the considerations made by the author in her doctoral thesis, the representations and notions about the black body and hair constructed inside and outside school are discussed, based on memories and testimonies of black men and women interviewed during an ethnographic study carried out in ethnic beauty shops in Belo Horizonte. For those people, the experience with the black body and hair is not restricted to the family environment, friendships, militancy or love life. The school appears in several testimonies as an important space in which the tense process of construction of the black identity also takes place. Sadly, the school is not often remembered as an institution where black people and their aesthetic standards are viewed positively. The appreciation of this context reveals that the body, as a support for the construction of the black identity, still has to be taken up as a theme of choice by the educational field, particularly in the studies on teacher education and ethnic-cultural diversity. It also shows that, when considering such diversity, this field of study will have to open itself to the dialogue with other spaces where black people also construct their identity, spaces such as beauty shops, many times regarded as unconventional in the field of education. <![CDATA[<b>Sucesso e fracasso escolar</b>: <b>uma questão de gênero</b>]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-97022003000100013&lng=en&nrm=iso&tlng=en Este artigo discute as particularidades e possíveis relações entre educação, cultura, identidade negra e formação de professores/as, tendo como enfoques principais a corporeidade e a estética. Para tal, apresenta a necessidade de articulação entre os processos educativos escolares e não-escolares e a inserção de novas temáticas e discussões no campo da formação de professores/as. Dando continuidade às reflexões realizadas pela autora na sua tese de doutorado, discutem-se as representações e as concepções sobre o corpo negro e o cabelo crespo, construídas dentro e fora do ambiente escolar, a partir de lembranças e depoimentos de homens e mulheres negras entrevistados durante a realização de uma pesquisa etnográfica em salões étnicos de Belo Horizonte. Para essas pessoas, a experiência com o corpo negro e o cabelo crespo não se reduz ao espaço da família, das amizades, da militância ou dos relacionamentos amorosos. A escola aparece em vários depoimentos como um importante espaço no qual também se desenvolve o tenso processo de construção da identidade negra. Lamentavelmente, nem sempre ela é lembrada como uma instituição em que o negro e seu padrão estético são vistos de maneira positiva. O entendimento desse contexto revela que o corpo, como suporte de construção da identidade negra, ainda não tem sido uma temática privilegiada pelo campo educacional, principalmente pelos estudos sobre formação de professores e diversidade étnico-cultural. E que esse campo, também , ao considerar tal diversidade, deverá se abrir para dialogar com outros espaços em que os negros constroem suas identidades. Muitas vezes, locais considerados pouco convencionais pelo campo da educação, como por exemplo, os salões étnicos.<hr/>This article discusses the specificities and possible relations between education, culture, black identity, and teacher education, approaching them from the perspective of corporeity and aesthetics. For that, the text introduces the need to articulate education and non-education processes, to insert new themes and discussions into the field of teacher education. Following on the considerations made by the author in her doctoral thesis, the representations and notions about the black body and hair constructed inside and outside school are discussed, based on memories and testimonies of black men and women interviewed during an ethnographic study carried out in ethnic beauty shops in Belo Horizonte. For those people, the experience with the black body and hair is not restricted to the family environment, friendships, militancy or love life. The school appears in several testimonies as an important space in which the tense process of construction of the black identity also takes place. Sadly, the school is not often remembered as an institution where black people and their aesthetic standards are viewed positively. The appreciation of this context reveals that the body, as a support for the construction of the black identity, still has to be taken up as a theme of choice by the educational field, particularly in the studies on teacher education and ethnic-cultural diversity. It also shows that, when considering such diversity, this field of study will have to open itself to the dialogue with other spaces where black people also construct their identity, spaces such as beauty shops, many times regarded as unconventional in the field of education.