Scielo RSS <![CDATA[Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil ]]> http://www.scielo.br/rss.php?pid=1519-382920160001&lang=pt vol. 16 num. 1 lang. pt <![CDATA[SciELO Logo]]> http://www.scielo.br/img/en/fbpelogp.gif http://www.scielo.br <![CDATA[A política de incentivo e a qualidade da publicação científica no Brasil e no Mundo]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-38292016000100003&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt <![CDATA[Vigilância do crescimento no contexto da Rede Básica de Saúde do SUS no Brasil: revisão da literatura]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-38292016000100007&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Abstract Objectives: to identify and analyze the scientific literature on child growth monitoring in the context of the primary public healthcare service network in Brazil, focusing on the main problems detected in studies. Methods: the review was based on searches ofSciELO, Lilacs and PubMed databases to identify articles published between 2006 and 2014. The articles were categorized according to the analytical categories of structure (items needed to carry out primary activities) or work processes (set of activities and procedures used in the management of resources). Results: of the 16 articles included in this review, only six dealt with structure and, in these, thetraining of professionals and availability of protocols were the most frequently identified problems. Processes, addressed in 15 articles, highlighted the underutilization of Child Health Handbook to record growth measurements and the adoption of guidelines on the basis of notes taken. Conclusions: the difficulties found demonstrate the everyday circumstances of the public health service which have a detrimental effect on growth surveillance.<hr/>Resumo Objetivos: identificar e analisar o perfil da produção científica sobre a vigilância do crescimento infantil no contexto da rede básica de saúde do SUS no Brasil, focando nos principais problemas detectados nas pesquisas. Métodos: o estudo foi desenvolvido com base na consulta nas bases bibliográficas SciELO, Lilacs e PubMed para identificar artigos publicados entre 2006 e 2014. Os artigos foram categorizados segundo as categorias analíticas de estrutura (itens necessários à realização das ações de atenção primária) ou processo de trabalho (conjunto de atividades e procedimentos empregados no manejo dos recursos). Resultados: dos 16 artigos incluídos na revisão, apenas seis trataram sobre a estrutura, sendo o treinamento dos profissionais e a disponibilidade de protocolos os problemas identificados como mais recorrentes. O processo, abordado em 15 artigos, destaca a subutilização da Caderneta de Saúde da Criança em relação ao registro das medidas de crescimento e à adoção de orientações sob a base das anotações realizadas. Conclusões: as dificuldades encontradas manifestam circunstâncias do cotidiano dos serviços públicos de saúde com prejuízos à vigilância do crescimento. <![CDATA[Comparação entre duas curvas de crescimento para detectar recém-nascidos pequenos para a idade gestacional]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-38292016000100021&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo Objetivos: comparar duas curvas de crescimento, Lubchenco e Fenton e Kim, na detecção de recém-nascidos (RN) pequenos para idade gestacional (PIG) segundo sexo. Métodos: estudo transversal de dados de RN, de 01/01/2010 a 31/12/2012 Definiu-se PIG o peso ao nascer (PN) inferior ao percentil 10 para idade gestacional (IG) segundo as curvas Lubchenco e Fenton &amp; Kim. Mensurou-se a concordância entre as curvas pelo Método de Kappa para o diagnóstico de PIG segundo sexo e IG. Construíram-se curvas dos percentis 10 de PN e referenciais, por sexo, utilizando função polinomial de terceiro grau. Para comparar e medir associações entre as variáveis sexo, IG e PIG foram utilizados o teste do qui-quadrado de Pearson e regressão logística bivariada, respectivamente. Significância: p&lt;0,05. Resultados: foram incluídos 2364 recém-nascidos no estudo. As curvas Fenton e Kim detectaram mais RN PIG, cuja taxa foi 16,2%, enquanto as Lubchenco detectaram 3,3% (p&lt;0,001; k=0,292). A discordância foi maior com o aumento da IG. O sexo masculino se associou à maior chance de nascer PIG 1,6 vezes em relação ao feminino (OR= 1,59; IC95%= 1,28-2,00; p&lt;0,001). Conclusões: as curvas Fenton e Kim detectaram mais RN PIG. O nascimento PIG foi mais frequente no sexo masculino. Os achados contribuem para adoção de estratégias visando melhorias no diagnóstico, cuidados e prognóstico.<hr/>Abstract Objectives: to compare two growth curves - Lubchenco and Fenton &amp; Kim - for detection of small- for-gestational-age (SGA) newborns (NBs) by sex. Methods: a cross-sectional study of data on NBs between 01/01/2010 and 31/12/2012.SGA was defined as birth weight (BW) lower than the 10th percentile for gestational age (GA) according to the Lubchenco and Fenton &amp; Kim curves. The concordance between the two curves was measured using the kappa method for diagnosis of SGA by sex and GA. Curves for the 10th percentiles of BW and reference curves were plotted, by sex, using the third degree polynomial function. Associations between sex, GA and SGA were compared and measured using Pearson's chi-squared test and bivariate logistic regression, respectively, with a level of significance of p&lt;0.05. Results: 2364 newborns were included in the study. The Fenton &amp; Kim curves detected more SGA NBs, with an incidence of 16.2%, while the Lubchenco curves detected 3.3% (p&lt;0.001; k=0.292). The discrepancy became greater for increasing GA. Male NBs were 1.6 times more likely to be born SGA than females (OR: 1.59; CI95%: 1.28-2.00; p&lt;0.001). Conclusions: the Fenton &amp; Kim curves detected-more SGA NBs. SGA at birth was more frequent among males. These findings will help to guide the adoption of strategies for improving diagnosis, prognosis and care. <![CDATA[Fatores associados à violência obstétrica na assistência ao parto vaginal em uma maternidade de alta complexidade em Recife, Pernambuco]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-38292016000100029&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo Objetivos: analisar os fatores associados à violência obstétrica de acordo com as práticas não recomendadas na assistência ao parto vaginal em uma maternidade escola e de referência da Cidade do Recife. Métodos: estudo transversal, prospectivo, com 603 puérperas, realizado entre agosto a dezembro de 2014. Os dados sociodemográficos, clínicos e de acesso à assistência foram obtidos através dos prontuários e de entrevistas com as pacientes. A prevalência da violência obstétrica foi baseada nas recomendações da Organização Mundial da Saúde sobre as práticas recomendadas para a assistência ao parto vaginal. Para análise dos fatores associados utilizou-se a regressão multivariada de Poisson, considerou-se p&lt;5%. Os dados foram analisados no Stata 12.1 SE. Resultados: a prevalência da violência obstétrica foi de 86,57%. As práticas prejudiciais mais frequentes foram os esforços de puxo (65%), a administração de ocitocina (41%) e o uso rotineiro da posição supina/litotomia (39%). Apenas as variáveis não possuir ensino médio completo (p=0,022) e ter sido assistido por um profissional médico (p&lt;0,001) apresentaram associação significante com a violência obstétrica. Conclusões: o grande número de intervenções obstétricas utilizadas consiste em um ato de violência obstétrica e demonstram que apesar do incentivo do Ministério da Saúde para uma assistência humanizada os resultados ainda estão longe do recomendado.<hr/>Abstract Objectives: to examine factors associated with obstetric abuse according to practices not recommended for vaginal birth care at a maternity teaching and referral hospital in the city of Recife, Brazil. Methods: a prospective cross-sectional study with 603 puerperal women conducted between August and December 2014. The socio-demographic, clinical and access to care data were obtained from medical records and interviews with patients. The prevalence of obstetric abuse was based on the recommendations of the World Health Organization regarding practices recommended for vaginal birth care. Associated factors were investigated using Poisson's multivariate regression, with a level of significance of p&lt;5%. Data were analyzed using Stata 12.1 SE. Results: the prevalence of obstetric abuse was 86.57%. The most frequent harmful practices were forced pulling (65%), administration ofoxytocin (41%) and routine use of the supine/lithotomy position (39%). The only variables significantly associated with obstetric abuse were not having graduated high school (p=0.022) and having been attended by a medical professional (p&lt;0.001). Conclusions: the large number of obstetric interventions used amounts to obstetric abuse and shows that, despite the Ministry of Health's promotion of humane care, results fall far short of these recommendations. <![CDATA[Nascimentos no Brasil: associação do tipo de parto com variáveis temporais e sociodemográficas]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-38292016000100039&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo Objetivos: descrever nascimentos via cesariana e vaginal e identificar associação com variáveis temporais e sociodemográficas. Métodos: delineamento misto, estudo descritivo de séries temporais (2000, 2005, 2010) e transversal (2011), realizado com dados do Sistema de Informação sobre Nascidos Vivos. Os dados foram corrigidos para subregistro; o tipo de nascimento foi analisado conforme dia da semana e hora do dia, região de residência, raça/cor, escolaridade e estado civil maternos. Razões de probabilidade de nascimentos cirúrgicos, brutas e ajustadas, foram calculadas por regressão de Poisson. Resultados: a proporção de cesarianas no país aumentou cerca de 40% de 2000 para 2010. Os partos por via vaginal se distribuíram de modo similar nos diferentes dias da semana (cerca de 14%) e períodos do dia (cerca de 25%), enquanto que cesarianas se concentraram nos dias úteis e nos períodos diurnos. A proporção de cesarianas foi menor no Norte (42,8%), na população indígena (16,2%), entre mulheres sem escolaridade (25,2%) e entre solteiras (42,0%), apresentando tendência crescente com idade e escolaridade. Após ajuste, a Região Centro-Oeste apresentou maior probabilidade de cesarianas e as demais variáveis mantiveram a associação. Conclusões: a proporção de nascimentos por cesariana no país se encontra acima de 50%, se associando principalmente com idade e escolaridade maternas.<hr/>Abstract Objectives: to identify caesarean and vaginal births and their association with temporal and socio-demographic variables. Methods: a mixed approach involving descriptive time series studies (2000, 2005, 2010) and one cross-sectional study (2011), using data from the Live Births Information System. The data were corrected for under-reporting; the type of birth was analyzed in terms of day of the week, time of the day, area of residence, race/color, level of education and marital status of mother. Raw and adjusted probability ratios for surgical births were calculated using Poisson regression. Results: the proportion of caesarean births in the country increased around 40% from 2000 to 2010. Vaginal births were distributed similarly over the days of the week (around 14% for each day) and according to time of day (around 25%), while caesareans were concentrated on week days and during the daytime. The proportion of caesareans was lower in the Northern region (42.8%), among the indigenous population (16.2%), among women with no schooling (25.2%) and among single mothers (42.0%), with a tendency to increase in proportion to age and level of schooling. After adjustment, the Center West region had the highest proportion of caesarean births with the same associated variables. Conclusions: the proportion of caesarean births in the country is over 50% and is associated primarily with age and level of education of the mother. <![CDATA[Prevalência de dispareunia na gravidez e fatores associados]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-38292016000100049&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo Objetivos: verificar a prevalência de dispareunia no terceiro trimestre gestacional e fatores associados. Métodos: foram avaliadas 202 puérperas. Para a coleta de dados foram utilizados um questionário sociodemográfico; questionário ICIQ-Short Form; questionário de constipação intestinal e, para a avaliação da dispareunia foram utilizadas as questões do questionário FSFI. Os dados foram analisados com os testes qui quadrado, U de Mann Whitney e teste de Wilcoxon, p&lt;0,05. Resultados: a prevalência de dispareunia no 3º trimestre gestacional foi de 48,5% (n=98), enquanto antes da gestação era de 15,3% (n=31). Os fatores associados à dispareunia nesse período foram: constipação no terceiro trimestre da gestação (p=0,05); incontinência urinária no terceiro trimestre da gestação (p&lt;0,001) e dispareunia antes da gestação (p=0,01). A média de idade das mulheres com dispareunia foi significativamente maior que as sem dispareunia (p=0,01). Conclusões: a prevalência da dispareunia é alta no período gestacional e esta associada a alterações das funções do assoalho pélvico, como presença de incontinência urinária e constipação, além da presença prévia de dispareunia.<hr/>Abstract Objectives: to establish the prevalence of dyspareunia in the third gestational trimester and associated factors. Methods: 202 puerperal women were evaluated. Data was collected using a socio-demographic questionnaire; the ICIQ-Short Form questionnaire; an intestinal constipation questionnaire;and, questions from the FSFI questionnaire to evaluate dyspareunia. The data were analyzed using the chi-squared, Mann-Whitney U and Wilcoxon tests, p&lt;0.05. Results: the prevalence of dyspareunia in the third gestational trimester was 48.5% (n=98), compared with 15.3% (n=31) before gestation. The factors associated with dyspareunia in this period were: constipation in the third trimester of gestation (p=0.05); urinary incontinence in the third trimester of gestation (p&lt;0.001) and dyspareunia prior to gestation (p=0.01). The mean age of women with dyspareunia was significantly higher than that of those without dyspareunia (p=0.01). Conclusions: the prevalence of dyspareunia is high during gestation and is associated with alterations in the functions of the pelvic saddle, such as the presence of urinary incontinenceand constipation, and prior dyspareunia. <![CDATA[Fatores de risco para a cárie dental em crianças na primeira infância, Salvador - BA]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-38292016000100057&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Resumo Objetivos: identificar fatores associados a incidência de cárie na primeira infância. Métodos: realizou-se estudo de coorte prospectivo (14 meses) com 495 crianças de 4 a 30 meses de creches públicas, privadas e filantrópicas em Salvador-BA. Resultados: a média de dentes cariados foi de 0,18 (DP=0,75) no início do estudo e 0,55 (DP=1,40) ao final. A incidência em crianças livres de cárie foi 18,5% e no grupo total 22,6%. Na análise de regressão logística, consideraram-se três modelos. Com todas as crianças (N=495), prevaleceu: experiência prévia de cárie (OR=6,8; IC95%= 3,0-15,1), frequentar creche pública (OR=2,9; IC95%= 1,6-5,3), idade maior 24 meses. No segundo, de creches públicas (N=329): idade, aleitamento durante o sono (OR=1,9; IC95%= 1,1-3,2), mancha branca (OR=3,5; IC95%= 1,1-11,3), casa sem revestimento (OR=2,3; IC95%= 1,2-4,1) e experiência prévia de cárie(OR=3,9; IC95%= 1,5-10,6). No terceiro, com crianças sem cárie no início (N=495): frequentar creche pública, idade, cor da pele negra/ parda (OR=5,5; IC95%= 1,3-23,8) e aleitamento durante o sono após um ano (OR= 1,7; IC95%= 1,0-2,8). Conclusões: a vulnerabilidade social foi um forte fator de risco à cárie em crianças menores de dois anos e é necessária melhoria das condições de vida e ações de promoção de saúde bucal para redução da morbidade.<hr/>Abstract Objectives: to identify factors associated with the incidence of caries in early childhood. Methods: a prospective (14 months) cohort study was conducted with 495 children aged between 4 and 30 months in public, private and philanthropic crèches in Salvador-Bahia. Results: the mean number of teeth with caries was 0.18 (SD=0.75) at the start of the study and 0.55 (SD=1.40) at the end. The incidence in children originally free of caries was 18.5% and 22.6% in the group as a whole. Three models were considered for logistic regression analysis. In the group as a whole (N=495), the most prevalent factors were prior experience of caries (OR=6.8; CI95%= 3.0-15.1), attending a public crèche (OR=2.9; CI95%= 1.6-5.3), and age &gt; 24 months. In the second model, attending a public crèche (N=329): age, breastfeeding during sleep (OR=1.9; CI95%= 1.1-3.2), white stains (OR=3.5; CI95%= 1.1-11.3), a home without adequate shelter (OR=2.3; CI95%= 1.2-4.1) and prior experience of caries (OR=3.9; CI95%= 1.5-10.6) were the main factors. And, in the third model, children without caries at the start of the study(N=495), the main factors were attending a public crèche, age, dark skin color (OR=5.5; CI95%= 1.3-23.8) and breastfeeding during sleep after one year(OR= 1.7; CI95%= 1.0-2.8). Conclusions: social vulnerability was found to be a powerful risk factor for caries in children under two years of age. Action needs to be taken to improve living conditions and promote dental health in order to reduce morbidity. <![CDATA[Utilização de modelo hierárquico Bayesiano para estudar a relação alométrica entre o peso placentário e peso ao nascer]]> http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-38292016000100067&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt Abstract Objectives: to propose the use of a Bayesian hierarchical model to study the allometric scaling of the fetoplacental weight ratio, including possible confounders. Methods: data from 26 singleton pregnancies with gestational age at birth between 37 and 42 weeks were analyzed. The placentas were collected immediately after delivery and stored under refrigeration until the time of analysis, which occurred within up to 12 hours. Maternal data were collected from medical records. A Bayesian hierarchical model was proposed and Markov chain Monte Carlo simulation methods were used to obtain samples from distribution a posteriori. Results: the model developed showed a reasonable fit, even allowing for the incorporation of variables and a priori information on the parameters used. Conclusions: new variables can be added to the modelfrom the available code, allowing many possibilities for data analysis and indicating the potential for use in research on the subject.<hr/>Resumo Objetivos: propor a utilização de um modelo Hierárquico Bayesiano para estudar a relação alométrica existente entre o peso ao nascer e o peso placentário, incluindo possíveis fatores interferentes. Métodos: foram analisados os dados de 26 gestações únicas, com idade gestacional entre 37 e 42 semanas. As placentas foram coletadas imediatamente após o parto e conservadas sob refrigeração até o momento da análise, o que ocorreu em até 12 horas. Os dados maternos foram obtidos de prontuários médicos. Finalmente, foi elaborado um modelo hierárquico bayesiano e, para obter amostras da distribuição a posteriori, foram utilizados métodos de simulação Markov Chain Monte Carlo. Resultados: o modelo obtido apresentou um ajuste razoável, permitindo ainda a incorporação de variáveis e informações a priori, sobre os parâmetros utilizados. Conclusões: a partir da disponibilização do código, novas variáveis podem ser adicionadas ao modelo, permitindo muitas possibilidades para a análise dos dados, mostrando potencial para ser utilizado em pesquisas na área.